De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB"

Transcrição

1 Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB

2 Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama - história pessoal de câncer de mama - alta densidade mamográfica - biópsia prévia por HDA Influenciam na Densidade Mamográfica número de filhos, peso corpóreo idade

3 Densidade Mamária na Mamografia Variações no aspecto mamográfico: - tecido adiposo, estroma e epitélio tecidual Na mamografia o tecido denso aparece branco Densidade Percentual = Área de Densidade Área Total Mamária Breast Percent Density: Estimation on Digital Mammograms and Central Tomosynthesis Projections Radiology: Volume 252: Number 1 July 2009,

4 Densidade Mamográfica e Risco de Câncer John Wolfe mamas com um padrão mamográfico de alta densidade aumento do risco para o câncer de mama Extenso aumento da densidade mamográfica está fortemente associado ao risco de câncer de mama detectado no rastreamento ou entre os exames. Uma fração substancial de câncer de mama pode ser atribuída a este fator de risco. Mammographic Density and the Risk and Detection of Breast Cancer Norman F. Boyd N Engl J Med 2007;356:227-36

5 DENSIDADE MAMOGRÁFICA E RISCO E DETECÇÃO DE CÂNCER DE MAMA Associou percentual de densidade na mamografia inicial com o risco de câncer de mama, de acordo com : - método de detecção do câncer - tempo desde o início do rastreamento - idade Ajustou por idade, paridade, idade da menarca e menopausa, índice de massa corporal (IMC) e existência de parentes de primeiro grau com câncer de mama Resultados comparando com mulheres com áreas densas < 10% da mamografia: - mulheres com 75% ou mais têm um aumento de risco de câncer de mama - Odds Ratio =4,7 - detectado por rastreamento - OR=3,5 - menos que 12 meses após exame de rastreamento negativo - OR=17,8 Boyd NF, Guo H, Martin LJ, Sun L, Stone J, Fishell E, et al. N Engl J Med ;356(3):227-36

6 Densidade Mamária na Mamografia Aumento da densidade mamária - Se correlaciona com aumento do risco de câncer de mama - Reduz a performance do radiologista - Aponta para o uso de outras modalidades de imagem (US e RM) Berg W. et al, Combined Screening With Ultrasound and Mammography vs Mammography Alone in Women at Elevated Risk of Breast Cancer, JAMA. 2008;299(18):

7 MEDIDA DA DENSIDADE MAMÁRIA PRÁTICA ATUAL Imagens bidimensionais não podem fornecer o volume real da mama Algoritmos computadorizados também são realizados com imagens em 2D O uso da incidência craniocaudal exclui a maior parte do tecido mamário Kopans, DB, 2008 Mammographic Parenchymal Patterns and Quantitative Evaluation of Mammographic Densities: A Case-Control Study John N. Wolfe et. Al. AJR 148: , June 1987 Cancer Epidemiol Biomarkers Prev 2005;1411(11). November 2005

8 MEDIDA DA DENSIDADE MAMÁRIA PRÁTICA ATUAL Radiologistas avaliam a densidade mamária Visualmente a partir de duas imagens dimensionais (2D), por estimativa da quantidade de tecido branco Problemas desta avaliação O método não é preciso Digitalização computadorizada das mamografias em scanner a laser específico Resolução espacial : 1024x1250 pixels, com até 3600 níveis de cinza Histograma da imagem : percentual de pixels na imagem que apresenta determinado nível de cinza Histograma com pixels concentrados numa faixa pequena de valores = imagem de baixo contraste Pixels de maior intensidade = tecidos mais densos ou lesões Este método é mais preciso pois elimina a não-linearidade da mamografia analógica Limitação : dispende muito tempo para a prática diária Efeito do raloxifeno sobre a densidade mamográfica em mulheres na pós-menopausacristiane Donida Silverio I ; Jorge Nahas-Neto I ; Eliana Aguiar Petri Nahas et al. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.29 no.10 Rio de Janeiro Oct. 2007

9 Problemas das Aferições de Densidade Mamográfica Mesma mama : posicionamento diferente Qual o impacto no cálculo da densidade? Densidade em imagens 2D : necessita de informação dos valores de exposição e da espessura mamária. A mama é moderadamente densa na mamografia e predominantemente adiposa na RM. Kopans DB. Radiology: Volume 246: Number 2 February 2008

10 MEDIDA DA DENSIDADE MAMÁRIA - PRÁTICA ATUAL - É importante um método preciso, pois observou-se aumento de 2% no risco relativo para cada aumento de 1% no percentual de densidade mamográfica Boyd NF et al. (N Engl J Med 2002;347:886-94

11 Classificações da densidade mamográfica classificação de Wolfe classificação do BI-RADS classificação de Boyd

12 Classificação de Wolfe N1: mama adiposa normal P1 e P2: ductos proeminentes ocupando menos de 25% e entre 25 e 75% da mama, respectivamente Dy: mama displásica, com extensa região de densidade mamográfica

13 Classificação do BI-RADS 1. A mama é quase toda adiposa (<25% glandular) 2. Há densidades fibroglandulares esparsas (approximadamente 25% - 50% glandular) 3. A mama é heterogeneamente densa, o que pode obscurecer a detecção de pequenos nódulos (aproximadamente 51% - 75% glandular) 4. A mama é extremamente densa. Isto pode diminuir a sensibilidade da mamografia (>75% glandular)

14 Classificação de Boyd PERCENTUAL DE DENSIDADE Categoria 1: 0%; Categoria 2 : > 0% < OU = 10% Categoria 3 : > 10% < ou = 25% Categoria 4 : > 25% < ou =50% Categoria 5 : > 50% < ou = 75% Categoria 6 : > 75%

15 DENSIDADE MAMÁRIA E PADRÕES MAMOGRÁFICOS COMO MARCADORES DO RISCO DE CÂNCER DE MAMA : META- ANÁLISE N1+P1 X P2+Dy Incidência : 1,86 X Prevalência : 1,44 X maiores no grupo de alto risco RISCO RELATIVO de Incidência para o câncer de mama, comparado ao N1 P1 : 1,76 P2 : 3,05 Dy : 3,98 McCormack VA, Santos Silva I. Breast density and parenchymal patterns as markers of a breast cancer risk: a meta-analysis. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev. 2006;15(6):

16 Problemas das Classificações a variabilidade e a reprodutibilidade os padrões BI-RADS com mamas adiposas ou muito densas, correlacionam-se muito bem com os percentuais de densidade obtidos com método computadorizado As categorias intermediárias tiveram variação ampla, o que dificultaria sua utilização em estudos para cálculo de risco Nicholson BT, LoRusso AP, Smolkin M. et al. Accuracy of Assigned BI-RADS breast density category defnitions. Acad Radiol. 2006;13(9):

17 Densidade Mamária e Risco de Câncer É possível que o aumento da densidade mamária possa mascarar um câncer Entretanto, existe associação entre o efeito biológico da alta densidade, além do fator de mascarar o câncer A densidade mamográfica também é influenciada por fatores genéticos Extensa alta densidade mamográfica está presente em 25% dos casos de câncer de mama Medidas da densidade mamária podem ser utilizadas em combinação com outros fatores para determinar o risco de câncer de mama

18 Densidade Mamária e Risco de Câncer Mulheres com aumento da densidade mamária deveriam fazer mamografia mais frequentemente ou utilizar outros métodos? O aumento da frequência de mamografias não influencia a taxa de detecção entre as mulheres com mamas extensamente densas, porque : - os tumores não são visíveis - podem crescer rapidamente entre dois exames - ou ambos

19 Densidade Mamária e Risco de Câncer Conclusões de vários estudos A densidade mamária é um fator importante de risco de câncer de mama Deve-se determinar, desenvolver e testar a melhor forma de medir a densidade mamária na prática clínica Deve-se utilizar esta medida para maximizar a prevenção primária e secundária do câncer de mama.

20 Densidade Mamária e Risco de Câncer Contraponto aos estudos Preferentemente, técnicas de imagem 3D, como ressonância magnética, tomografia computadorizada e tomosssíntese poderiam ser utilizadas (Kopans, 2008) Riscos específicos para a idade e para o índice de massa corporal são necessários para diferentes valores de densidades. Aprender a combinar estes fatores em uma forma ideal é uma prioridade na pesquisa preventiva (Cuzick, 2007)

21 Densidade Mamária e Risco de Câncer Contraponto aos estudos Antes que estudos com número grande de participantes forem feitos apropriadamente, a densidade mamária deveria ser vista apenas como um tópico de pesquisa e não como fator de decisão clínica, exceto para alertar de que a sensibilidade da mamografia está diminuída. Kopans, 2008

22 MEDIDA DA DENSIDADE MAMÁRIA Mamografia Digital X Tomossíntese Existe alta correlação entre as estimativas de densidade percentual em mamografia digital (incidência OML) e com tomossíntese As estimativas obtidas da mamografia digital podem ser utilizadas até que as baseadas em imagens reconstruídas em 3D estejam disponíveis A tomossíntese é uma forma de mamografia tridimensional que pode dar um percentual de densidade mais acurado que a mamografia Breast Percent Density: Estimation on Digital Mammograms and Central Tomosynthesis Projections Radiology: Volume 252: Number 1 July 2009

23 MEDIDA DA DENSIDADE MAMÁRIA Novo Método Usa um modelo físico do sistema de imagem O modelo se ajusta para cada parâmetro de imagem Como classificar a densidade desta mama? Pela % de densidade? Pelo padrão? Pelo Volume : 12,5% Pela Área : 25% Os pixels resultantes são a medida da espessura do tecido fibroglandular acima daquele pixel

24 Exemplo Densidade D:6% E:7% RCC LCC RMLO LMLO

25 Densidade D:29% E:33% RCC LCC RMLO LMLO

26 Densidade R:59% L:66% RCC LCC RMLO LMLO

27 CONCLUSÕES A alta densidade mamária é um fator de risco para câncer de mama Medidas mais precisas de aferição da densidade mamográfica são necessárias para predizer o risco de cada paciente Este dado pode ser inserido no cálculo de risco para que as medidas de rastreamento sejam adequadas para cada caso

28

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS?

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? O Que diz a literatura sobre Risco de Câncer de Mama RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS S. C. M. Rodrigues 1, A. F. Frère 1, e E. L. L. Rodrigues 1 1 Universidade de São Paulo/ Depto. Engenharia

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI SCREENING FOR BREAST CANCER: U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE RECOMMENDATION STATEMENT MAMOGRAFIA BIENAL ENTRE 50 E 74 ANOS (GRAU

Leia mais

W. R. Silva Classificação de Mamografias pela densidade do tecido mamário

W. R. Silva Classificação de Mamografias pela densidade do tecido mamário Classificação de Mamografias pela densidade do tecido mamário Welber Ribeiro da Silva Universidade Federal de Ouro Preto Campus Universitário, Ouro Preto MG Brazil 19 de Abril de 2012 Definição Câncer

Leia mais

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias?

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? mama Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? Divulgação Cláudia T. Salviato Mameri * Mestre em radiologia pela Unifesp; mastologista; professora e coordenadora

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL XX CONGRESSO BRASILEIRO DE FÍSICA MÉDICA SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM MEDICINA OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

Entendendo o BACS 1.0 Manual do Usuário

Entendendo o BACS 1.0 Manual do Usuário BREAST IMAGING SOLUTIONS Entendendo o BACS 1.0 Manual do Usuário MAN-02005-2301 Rev 001 Entendendo o BACS 1.0 MAN-02005-2301 Rev 001 Suporte técnico Para obter assistência na América do Norte, contate:

Leia mais

SIMULADOR COMPUTACIONAL DE MAMOGRAFIA CONTEMPLANDO A CLASSIFICAÇÃO DE DENSIDADES DO ACR BI-RADS

SIMULADOR COMPUTACIONAL DE MAMOGRAFIA CONTEMPLANDO A CLASSIFICAÇÃO DE DENSIDADES DO ACR BI-RADS SIMULADOR COMPUTACIONAL DE MAMOGRAFIA CONTEMPLANDO A CLASSIFICAÇÃO DE DENSIDADES DO ACR BI-RADS Abstract Francisco Carlos da Silva 1, Henrique Jesus Quintino de Oliveira 2, Ricardo Rodrigues Falconi 3,

Leia mais

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui O Desenvolvimento e o funcionamento da glândula mamária são presididos pelo lobo anterior da hipófise, com o ovário na função

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

1 Introdução maligno metástase

1 Introdução maligno metástase 1 Introdução Câncer é o nome dado a um conjunto de doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação (versão atualizada: 27.03.15) O Programa de Certificação de Qualidade em Mamografia do CBR, para

Leia mais

Validação. Revalidação

Validação. Revalidação NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação 1) Médico Responsável pelo Serviço 1.1. Membro Titular do CBR, SBM ou FEBRASGO. 1.2. Título de Especialista em

Leia mais

BANCO DE IMAGENS MAMOGRÁFICAS PARA TREINAMENTO NA INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS DIGITAIS*

BANCO DE IMAGENS MAMOGRÁFICAS PARA TREINAMENTO NA INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS DIGITAIS* Artigo Original Pires SR et al. BANCO DE IMAGENS MAMOGRÁFICAS PARA TREINAMENTO NA INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS DIGITAIS* Silvio Ricardo Pires 1, Regina Bitelli Medeiros 2, Homero Schiabel 3 Resumo Abstract

Leia mais

MINERAÇÃO DE IMAGENS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE TUMORES DE MAMA

MINERAÇÃO DE IMAGENS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE TUMORES DE MAMA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LIZIANNE PRISCILA MARQUES SOUTO MINERAÇÃO DE IMAGENS PARA A CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO ESTRATÉGIAS DE RASTREIO Gutemberg Almeida Instituto de Ginecologia da UFRJ OBJETIVO DO RASTREAMENTO Além de detectar o câncer cervical em um estágio inicial,

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 Belo Horizonte Maio 2008 Autoras: Dra. Christiane Guilherme Bretas Dra. Sandra

Leia mais

Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS

Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS F.C. Silva 1, H.J.Q. Oliveira 2, R.R. Falconi 3, R.A. Borges 4, A.M. Scaranello 5, D. M. Conde 6 1,2,3,4

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Simulador computacional de mamografia contemplando a classificação de densidades do ACR BI-RADS Francisco Carlos da Silva Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares

Leia mais

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Departamento de Sistemas e Computação FURB Curso de Ciência da Computação Trabalho de Conclusão de Curso 2013/2 UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Acadêmico: Jackson Krause

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS.

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS. Franciéle Marabotti Costa Leite emaildafran@ig.com.br Laysa Pignaton

Leia mais

Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais

Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais Geórgia S. Joana 1, Maurício de Oliveira 1, Maurício C. de Andrade 1, Adriana C. Z. Cesar 1, Márcio A. Oliveira 1,2,

Leia mais

Quantificação de tecidos em imagens mamográficas por meio de histogramas

Quantificação de tecidos em imagens mamográficas por meio de histogramas Artigo Original Revista Brasileira de Física Médica.212:6(2):173-7. Quantificação de tecidos em imagens mamográficas por meio de histogramas Quantification of tissues in mammographic images using histograms

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html Page 1 of 6 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das evidências e recomendações sobre o uso da Termografia no diagnóstico de câncer de mama Canoas, fevereiro de

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo:

Leia mais

Entendendo o ImageChecker 3D Calc CAD 1.1 Manual do Usuário

Entendendo o ImageChecker 3D Calc CAD 1.1 Manual do Usuário BREAST IMAGING SOLUTIONS Entendendo o ImageChecker 3D Calc CAD 1.1 Manual do Usuário MAN-02003-2301 Rev 001 Entendendo o ImageChecker 3D Calc CAD 1.1 MAN-02003-2301 Rev 001 Suporte técnico Para obter

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER

RASTREAMENTO EM CÂNCER RASTREAMENTO EM CÂNCER RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo: reduzir a morbidade/mortalidade da

Leia mais

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM).

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Legislações - GM Ter, 27 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). O MINISTRO

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA Rosangela da Silveira CORRÊA, Ruffo FREITAS-JÚNIOR, João Emílio PEIXOTO, Maria Eugênia da Fonseca LEMOS, Rosemar Macedo de Sousa RAHAL Programa de

Leia mais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Geraldo Henrique Neto 1, Gilmar Cação Ribeiro 1, Fabio Valiengo Valeri 2 1 Bacharelado em Ciência da Computação, Centro Universitário Moura Lacerda, Brasil

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

KEITH LÚCIA KOTANI. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina.

KEITH LÚCIA KOTANI. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina. KEITH LÚCIA KOTANI AVALIAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE BI-RADS NOS RESULTADOS DAS MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Trabalho apresentado à

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA SBI - SOCIETY OF BREAST IMAGING ACR - AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY

RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA SBI - SOCIETY OF BREAST IMAGING ACR - AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA SBI - SOCIETY OF BREAST IMAGING ACR - AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA METODOLOGIA RANDOMIZED CONTROLED TRIAL =

Leia mais

Pré-processamento de Imagens Mamográficas Digitais: Uma Técnica para Realce de Microcalcificações no domínio da freqüência

Pré-processamento de Imagens Mamográficas Digitais: Uma Técnica para Realce de Microcalcificações no domínio da freqüência Pré-processamento de Imagens Mamográficas Digitais: Uma Técnica para Realce de Microcalcificações no domínio da freqüência Larissa Cristina dos Santos Romualdo 1, Marcelo Andrade da Costa Vieira 2, Cláudio

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

QualIM : software para treinamento na interpretação de imagens médicas digitais*

QualIM : software para treinamento na interpretação de imagens médicas digitais* Artigo Original Original Article QualIM : Laboratório de Qualificação de Imagens Médicas QualIM : software para treinamento na interpretação de imagens médicas digitais* QualIM : a software for training

Leia mais

Null polymorphism of GSTM1 gene in susceptibility of Breast Cancer: Evidence based on Meta-analysis

Null polymorphism of GSTM1 gene in susceptibility of Breast Cancer: Evidence based on Meta-analysis Null polymorphism of GSTM1 gene in susceptibility of Breast Cancer: Evidence based on Meta-analysis Authors: Daiane de Oliveira Cunha, Paula Lailla Freitas Ribeiro, Xisto Sena Passos, Cesar Augusto Sam

Leia mais

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE:

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE: VALÉRIA COUTINHO FONTE: SINTOMAS (precoces) ACHADOS FÍSICOS (Intermediárias) DOENÇAS (Tardias) Fogacho Insônia Irritabilidade Distúrbio do humor Atrofia vaginal Incontinência urinária Atrofia da pele Osteoporose

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública Avaliação de Programas de Rastreamento: história natural da doença, padrão de progressão da doença, desenhos de estudo, validade e análise de custo-benefício. IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização

Leia mais

Fatores de risco pré existentes aos óbitos por câncer de mama em mulheres no município de Sarandi-Pr no período

Fatores de risco pré existentes aos óbitos por câncer de mama em mulheres no município de Sarandi-Pr no período ARTIGO ORIGINAL Fatores de risco pré existentes aos óbitos por câncer de mama em mulheres no município de Sarandi-Pr no período de 1999-2009 Preexisting risk factors for breast cancer deaths in women in

Leia mais

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Rafael Dattinger Acadêmico Dalton Solano dos Reis - Orientador Roteiro Introdução/Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

SIMULADOR COMPUTACIONAL DE MAMOGRAFIA CONTEMPLANDO A CLASSIFICAÇÃO DE DENSIDADES DO ACR BI-RADS

SIMULADOR COMPUTACIONAL DE MAMOGRAFIA CONTEMPLANDO A CLASSIFICAÇÃO DE DENSIDADES DO ACR BI-RADS SIMULADOR COMPUTACIONAL DE MAMOGRAFIA CONTEMPLANDO A CLASSIFICAÇÃO DE DENSIDADES DO ACR BI-RADS Abstract Francisco Carlos da Silva 1, Henrique Jesus Quintino de Oliveira 2, Ricardo Rodrigues Falconi 3,

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil

Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil ARTIGO ARTICLE 1529 Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil Costs of mammogram campaigns in the Regional Health Division of Marília,

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

Processamento de Imagens COS756 / COC603

Processamento de Imagens COS756 / COC603 Processamento de Imagens COS756 / COC603 aula 03 - operações no domínio espacial Antonio Oliveira Ricardo Marroquim 1 / 38 aula de hoje operações no domínio espacial overview imagem digital operações no

Leia mais

DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA.

DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA. Genetic Risk Assessments in Individuals at High Risk for Inherited Breast Cancer in the Breast Oncology Care Setting DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA. CÂNCER DE MAMA HEREDITÁRIO CONHECER O RISCO

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

Classificação de Imagens

Classificação de Imagens Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Classificação de Imagens Profa. Adriana Goulart dos Santos Extração de Informação da Imagem A partir de uma visualização das imagens,

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE CLINICA MÉDICA VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Clínica Médica em 11 de Março e 08 de Abril e de 2015 (: as inclusões

Leia mais

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR os Dez Mandamentos CNAP / SBPT São Paulo, 2013 L u iz F elip e N o b re luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR Def. Opacidade relativamente esférica com diâmetro

Leia mais

Princípios Físicos em Raio-X

Princípios Físicos em Raio-X Serviço de Informática Instituto do Coração HC FMUSP Princípios Físicos em Raio-X Marco Antonio Gutierrez Email: marco.gutierrez@incor.usp.br 2010 Formas de Energia Corpuscular (p, e -, n, α, β, ) Energia

Leia mais

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens Fundamentos de Imagens Digitais Aquisição e Serão apresentadas as principais características de uma imagem digital: imagem do ponto de vista matemático processo de aquisição e digitalização de uma imagem

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Arn Migowski. Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama

Arn Migowski. Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama Arn Migowski Médico sanitarista e epidemiologista Divisão de Detecção Precoce Instituto Nacional de Câncer INCA, 09 de outubro de 2015 Declaro

Leia mais

Entendendo o ImageChecker CAD 10.0 Manual do Usuário

Entendendo o ImageChecker CAD 10.0 Manual do Usuário BREAST IMAGING SOLUTIONS Entendendo o ImageChecker CAD 10.0 Manual do Usuário MAN-03682-2301 Rev 002 Entendendo o ImageChecker CAD 10.0 Manual do Usuário MAN-03682-2301 Rev 002 Suporte técnico Na América

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Tecnologias associadas ao diagnóstico do Câncer de Mama

Tecnologias associadas ao diagnóstico do Câncer de Mama Tecnologias associadas ao diagnóstico do Câncer de Mama Sérgio Furgeri¹, Silvia C. M. Rodrigues², Simone M. da Silva³ ¹ Doutorando em Engenharia Biomédica - UMC ² Doutora em Engenharia Biomédia - UMC 3

Leia mais

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho Aluno : Aristófanes Corrêa Silva Professor : Paulo Cezar Carvalho Setembro/2001 Tópicos 1ª Fase Projeto VISMED Estimativa de Volume Pulmonar 2ª Fase Aquisição da Imagem Tomografia computadorizada Dicom

Leia mais

TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS

TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS Carolina Maciel Reis GONZAGA 1, Ruffo FREITAS-JR 1,2, Nilceana Maya Aires FREITAS 2, Edesio MARTINS 2, Rita DARDES

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE EM TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA

CONTROLE DE QUALIDADE EM TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR CONTROLE DE QUALIDADE EM TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA Rosangela Requi Jakubiak

Leia mais

A FEMAMA Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (IMAMA),

A FEMAMA Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (IMAMA), A FEMAMA A FEMAMA - Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama é uma associação civil, sem fins econômicos, que busca reduzir os índices de mortalidade por câncer de mama

Leia mais

Giacomazzi J, Schmidt AV, Aguiar E, Bock H, Pereira MLS, Schuler- Faccini L, Giugliani R, Caleffi M, Camey SA, Ashton-Prolla P.

Giacomazzi J, Schmidt AV, Aguiar E, Bock H, Pereira MLS, Schuler- Faccini L, Giugliani R, Caleffi M, Camey SA, Ashton-Prolla P. Polimorfismos nos Genes do Receptor de Estrogênio, Receptor de Progesterona e Serina- Treonina Quinase e fatores de risco para câncer de mama em mulheres submetidas a mamografia Giacomazzi J, Schmidt AV,

Leia mais

Câncer de mama: trajetória da mulher valenciana a partir de uma suspeita. Breast cancer: the story of the Valencian woman from a suspected

Câncer de mama: trajetória da mulher valenciana a partir de uma suspeita. Breast cancer: the story of the Valencian woman from a suspected 69Cadernos UniFOA Câncer de mama: trajetória da mulher valenciana a partir de uma suspeita Breast cancer: the story of the Valencian woman from a suspected ISSN 1809-9475 1 Márcia Ribeiro Braz Luanda Louzada

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

Detecção de pequenas microcalcificações para auxílio no diagnóstico precoce de câncer de mama

Detecção de pequenas microcalcificações para auxílio no diagnóstico precoce de câncer de mama UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA Detecção de pequenas microcalcificações para auxílio no diagnóstico precoce de câncer de mama Elizandra Martinazzi Dissertação de Mestrado

Leia mais

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Priscila do Carmo Santana 1,2,3, Danielle Soares Gomes 3, Marcio Alves Oliveira 3 e Maria do Socorro Nogueira 3

Leia mais

Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável?

Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável? Mariana Olival da Cunha marianaolival@ig.com.br Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável? Mariana Olival da Cunha (R2) Orientadora: Dra. Rebecca Sotelo Definições* IU: perda involuntária

Leia mais

Análise de Componentes Independentes, Análise Discriminante Linear e Máquina de Vetor de Suporte

Análise de Componentes Independentes, Análise Discriminante Linear e Máquina de Vetor de Suporte Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica Classificação de Lesões em Mamografias por Análise de Componentes Independentes, Análise Discriminante

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

Classificação Automática da Densidade Mamária em Tomossíntese

Classificação Automática da Densidade Mamária em Tomossíntese UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA Classificação Automática da Densidade Mamária em Tomossíntese Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica Perfil em Engenharia

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo Nesta edição Nº 16 Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo José Dínio Vaz Mendes I ; Mônica Aparecida Marcondes Cecilio II ;

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados O desenvolvimento de técnicas de aquisição de imagens médicas, em particular a tomografia computadorizada (TC), que fornecem informações mais detalhadas do corpo humano, tem aumentado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Segundo recente relatório da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC) /OMS (World Cancer Report 2008), o impacto global do câncer mais que dobrou em 30 anos. Estimou-se que, no ano de 2008,

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais