Estratégias de Quimioprevenção do Câncer de Mama. José Roberto Filassi 27/11/2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégias de Quimioprevenção do Câncer de Mama. José Roberto Filassi 27/11/2009"

Transcrição

1 Estratégias de Quimioprevenção do Câncer de Mama José Roberto Filassi 27/11/2009

2 RECEPTOR DE ESTRÓGENO: INTERAÇÃO COM O ESTRADIOL

3 Hormonioterapia no Câncer de Mama Bloquear o Receptor de Estrogenio Bloquear a Produção Estrogênica

4 Quimioprevenção do câncer de mama Prevenção endócrina do câncer de mama

5 Recruitment periods of the randomized controlled trials of endocrine prevention versus placebo or another endocrine intervention Howell, A. The endocrine prevention of breats cancer. Best Pratice& Reserch Clinical Endocrinology & Metabolism.vol 22, n4, pp , 2008.

6 NSABP- P mulheres >60 anos Gail >1,66 CLIS ou HA prévia Placebo R Tamoxifeno 20mg/dia 5 anos Fisher B et al., J Natl Cancer Inst, 1998

7 NSABP P1 (Taxa por mulheres) Placebo Tamoxifeno < 2anos 2-3 anos 3-5 anos >5 anos Fisher B et al., J Natl Cancer Inst, 1998

8 NSABP- P1 Placebo Tx Redução Global % C.L.I.S % H.A % C.D.I.S % RE (+) % Fisher B et al. J.Natl. Cancer Inst, 1998

9 METANÁLISE NSABP-P1, IBIS-1, ROYAL MARSDEN, MILAN e MORE VANTAGEM TAMOXIFENO DESVANTAGEM TAMOXIFENO Câncer de mama Tumores RE + Tumores RE - Ca de endométrio Tromboembolismo 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 Cuzick J et al., Lancet, 2003

10 STATUS DOS RECEPTORES DE ESTROGÊNIO 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 83% 76% 24% 17% BRCA - 1 BRCA - 2 RE positivo RE negativo King MC et al., JAMA, 2001

11 NSABP- P1 288 mulheres BRCA 1/2 OR Redução BRCA 1 1,67 (IC 0,32-10,7) N.S. BRCA 2 0,38 (IC 0,06-1,56) 62% King MC et al JAMA,2001

12 Salpingo-ooforectomia redutora de risco Não existem estudos randomizados neste sentido; Estudos restrospectivos e prospectivos em BRCA1/2 (Síndrome do Câncer Ovário/Mama Hereditário) - Redução de câncer ginecológico % - Redução do câncer de mama 50 % - Redução na mortalidade global específica Robson M et OffitKenneth, NEJM 2007

13 Tamoxifeno e risco de câncer de mama contralateral em portadoras de mutações BRCA1 e BRCA2 Narod et al (1) Growald et al (2) Bilateral (casos) Unilateral (controle) BRCA1 RC(IC 95%) ,38 (0,19-0,34) ,50 (0,30-0,85) BRCA2 RC(IC95%) 0,63 (0,20-1,50) 0,42 (0,1-1,02) Ooforectomia RC(IC95%) 0,42 (0,22-0,83) 0,83 (0,24-2,89) Conclusões: (1) Tx reduziu o risco em 75%, inclusive em mulheres ooforectomizadas (2) Tx reduziu o risco, porém não nas ooforectomizadas. Detectou-se forte efeito preventivo nas mulheres pré-menopausadas oucom menopausa natural [RC=0,44 (0,27-0,65] Narod et al. Lancet, 2000 Growal et al. Int J Cancer, 2006

14 Prevenção Endócrina com Tx em mutações BRCA1/2 Tx parece reduzir o risco em portadoras de mutações BRCA1 e BRCA2 O Tx é efetivo apesar do percentual alto de tumores REα (-) nas portadoras de mutação BRCA1, porem não tem este efeito nos tumores REα (-) em mulheres não portadoras da mutação Os carcinomas surgem na unidade ducto lobular terminal (UDLT) que respondem ao estrogênio na pré-menopausa e particularmente nas mutações BRCA1 onde a UDLT é Reα(+) no seu estado heterozigoto. Growald et al Int. Journal of Cancer, 2006 Rebbeck et al. New Eng J of Med, 2002

15 Estudo STAR Risco de Gail > 1,66 em 5 anos Pós-menopausa Idade 35 anos n = Tamoxifeno 20 mg/dia/5 anos n = Aceitaram participar do estudo n = R Seguimento médio 3,9 anos Raloxifeno 60 mg/dia/5 anos n = 9.745

16 Resultados do Estudo STAR Incidência de Carcinoma Invasivo de Mama Incidência cumulativa por Ral Tam 5 0 P=0, meses Tamoxifeno Raloxifeno

17 Resultados do Estudo STAR Incidência de Carcinoma In Situ (Ductal e Lobular) Incidência cumulativa por P=0, meses Ral Tam Tamoxifeno Raloxifeno

18 Resultados do Estudo STAR Efeitos Ginecologicos TAM RAL RR (IC 95%) n (/1000) n (/1000) Carcinoma de endométrio Hiperplasia endometrial Histerectomia durante estudo 36 (2,00) 23 (1,25) 0,62 (0,35-1,08) 84 (4,69) 14 (0,76) 0,16 (0,09-0,29) 244 (13,57) 111 (6,04) 0,44 (0,35-0,56)

19 Resultados do Estudo STAR Efeitos Colaterais TAM RAL RR (IC 95%) n (/1000) n (/1000) Doença cardíaca isquêmica 114 (3,00) 126 (3,29) 1,10 (0,85-1,43) Acidente vascular cerebral 53 (1,39) 51 (1,33) 0,96 (0,64-1,43) Eventos tromboembólicos 141 (3,71) 100 (2,61) 0,70 (0,54-0,91) Fraturas osteoporóticas 104 (2,73) 96 (2,51) 0,92 (0,69-1,22) Cataratas 394 (12,30) 313 (9,72) 0,79 (0,68-0,92) Óbitos 101 (2,6) 96 (2,4) 0,94 (0,71-1,26)

20 Resultados do Estudo STAR Conclusões 1. Raloxifeno e Tamoxifeno são igualmente eficientes para reduzir a chance de carcinoma invasor de mama, em mulheres de risco aumentado na pós-menopausa. 2. Raloxifeno protege menos contra carcinoma in situ. 3. O perfil de tolerabilidade é favorável ao raloxifeno com menos risco de eventos tromboembólicos e cataratas.

21 Estudo RUTH Barret-Connor e col. RUTH trial investigators N Engl J Med 2006; 355: Pós-menopausa Risco elevado ou presença de doença coronariana n = óbitos 595 abandono 483 Placebo n = Raloxifeno 60mg/dia n = óbitos 554 abandono 430 Completaram o estudo n = Tempo médio de droga 5,05 anos Tempo médio de follow-up 5,56 anos Completaram o estudo n = 4.060

22 Estudo RUTH Raloxifeno Placebo P n (% anual) N (% anual) Óbito em geral 554 (2,0) 595 (2,2) NS Óbito por doença coronariana 253 (0,9) 273 (1,0) NS Acidente vascular cerebral 249 (0,9) 224 (0,8) NS Carcinoma invasivo de mama 40 (0,1) 70 (0,2) 0,003 Carcinoma in situ de mama 11 (0,04) 5 (0,02) NS Fraturas vertebrais 64 (0,2) 97 (0,3) 0,007 Tromboembolismo 103 (0,3) 71 (0,2) 0,02 N Engl J Med 2006; 355:125-37

23 Results of prevention studies using oestrogen deprivation (ED) and selective oestrogen receptor modulators (SERMs) Howell, A. The endocrine prevention of breats cancer. Best Pratice& Reserch Clinical Endocrinology & Metabolism.vol 22,n4,pp , 2008.

24 Tumor Type Prevented by SERMs ERα (+) 69% RC 0,31 (95%IC 0,22-0,45) ERα (-) RC 1,22 (95%IC 0,74-2,03) NSABP P1 MORE/CORE RUTH 76% RC 0,24 (95% IC 0,15-0,40) RC 1,06 (95%IC 0,43-2,59) 55% RC 0,45 95%IC 0,28-0,72 RC 1,44 (95%IC 0,61-3,36) Howell, A. The endocrine prevention of breats cancer. Best Pratice& Reserch Clinical Endocrinology & Metabolism.vol 22,n4,pp , 2008.

25 Prevenção Endócrina do Câncer de Mama Recomendações atuais Tamoxifeno: Eficaz na prevenção do câncer de mama invasivo e in situ mulheres de risco para câncer de mama em Principal indicação em mulheres com alterações histológicas atípicas O uso em portadores de mutação BRCA1 e/ou BRCA2 não está estabelecido mas existem evidencias neste sentido Dose: 20 mg/dia/5 anos Raloxifeno: Deve ser usado menopausadas como alternativa ao Tx em mulheres É eficaz na prevenção do câncer invasivo, mas não diminui o risco de carcinoma in situ Dose: 60 mg/dia/5 anos (?)

26 Níveis Estrogênicos Relativos em Tumores de Mama e na Circulação Pré-M Pós-M 2 0 pmol /ml 1 L F Síntese Estrógeno Tecidual 0 Estrógeno Periférico Concentração Estrogênica na Mama Estrógeno Periférico Concentração Estrogênica na Mama O = ovulatoria; L = lútea; F = folicular

27 Prevenção Endócrina TRIALS IBIS - II (Anastrozole) MAP - 3 (Exemestano)

28 IBIS II International Breast Cancer Intervention Study II 6000 mulheres Alto risco (Tyrer - Cuzik) anos Pós-menopausa R Anastrozole 5 anos Placebo 5 anos Recrutamento até 12/2010 Resultados preliminares para 2012

29 4560 mulheres pós-menopausa 60 anos 35 anos 59 anos Gail 1,66 Hiperplasia Atípica R Exemestano 25 mg/dia 5 anos Placebo 5 anos

30 STELLAR The study of Letrozole and Raloxifene On hold Dunn, BK; Ryan A. Ann N Y Acad Sci, 2009 Feb: 1155:141-61

31 SERM IDEAL Efeito anti-estrogênico: mama e endométrio Efeito estrogênico: ossos e central (alterações vaso-motoras) ARZOXIFENE LARZOXIFENE

32 Quimioprevenção para REα negativo Estatinas Folatos Retinóides Anti-inflamatórios Vitamina D

33 Modelos Matemáticos para Cálculo de Risco Gail Prevenção endócrina BRCAPRO-Probabilidade de mutação BRCA1/2 Tyrer-Cuzik IBIS II Nenhum modelo é perfeito Com bom senso, é preferível discutir o risco de maneira genérica, procurando posicionar a paciente em um determinado grupo de risco

34 The Breast Journal, Volume 15 numero1.2009, 4-16 Menor ( >1 2x) Parto mais tarde ou Nuliparidade Menarca precoce Menopausa tardia T.H. Não amamentar Obesidade na pós-menopausa Sedentarismo Parente de 2º e 3º Fumar Beber Condição social elevada Deficiência de Vitamina D Fatores de Risco Maior (> 2 x) Mutação associada a câncer hereditário Parente de 1º grau afetado com < 60 a Irradiação do tórax com < 30 a Hiperplasia atípica (Ductal ou Lobular) CDIS e CLIS Câncer de mama ou ovário prévio Idade

35 Schwartz et al. The Breast Journal, Volume 15 numero1.2009, 4-16 Categorias de risco para câncer de mama 1. Médio inclui - mulheres sem nenhum dos fatores de risco conhecidos 2. Moderado Inclui - mulheres com 1 ou mais dos fatores menores 3. Alto Inclui - HDA, NL, CDIS - 2 parentes de 1º grau afetados sem mutação 4. Muito Alto Inclui - mutação em genes de alta penetrância (BRCA ½, PTEN ou Tp53) - alta probabilidade de portar mutações - irradiação do tórax < 30 anos RA 14% 15-19% 20-30% >30%

36 The Breast Journal, Volume 15 numero1.2009, 4-16 Densidade Mamária - possível fator de risco - falta evidência em dados - atualmente não existe técnica reprodutível e confiável para avaliar a densidade mamária - essa questão deve ser respondida por estudos apropriados e a publicidade que ganhou esta afirmação é discutível Atipia em Fluído Ductal - Deve ter as mesmas orientações para as mulheres com diagnóstico de H.A. em espécimes cirúrgicos - FDA aprovou os métodos para uso em pacientes - Estas técnicas devem ser consideradas quase experimentais e usadas somente no contexto de estudos clínicos

37 Pontos Práticos A Prevenção Endócrina é a forma de prevenção de câncer de mama com maior chance de sucesso nos dias atuais. Reduz carcinomas invasivos REα (+) em até 70% Na pré-menopausa o Tx tem poucos efeitos colaterais e deve ser a droga de escolha Na pós-menopausa o Rx tem menos efeitos ginecológicos e tromboembólicos, portanto pode ser a droga de escolha Os I.As. estão sendo avaliados na prevenção com resultados esperados para 2012 Os estudos para prevenção de tumores REα (-) não revelaram evidências substanciais. JRF 2009

38 José Roberto Filassi 2009

39 Categorias de risco para câncer de mama RR 1. Médio 1 inclui mulheres sem nenhum dos fatores de risco conhecidos 2. Moderado 2-5X Inclui mulheres com 1 ou mais dos fatores menores 3. Alto >5<10X Inclui HDA, NL, CDIS e mulheres com 2 parentes de 1º grau afetados sem mutação 4. Muito Alto >10X Inclui - mutação em genes de alta penetrância (BRCA ½, PTEN ou Tp53) - mulheres com probabilidade de possuir mutações - irradiação do tórax < 30 anos Schwartz et al. The Breast Journal, Volume 15 numero1.2009, 4-16

40 Pontos Práticos A Prevenção endócrina é a forma de prevenção do câncer de mama com maior chance de sucesso nos dias atuais Reduz carcinomas invasivos RE α (+) em até 70%

41

42 RECEPTOR DE ESTRÓGENO: INTERAÇÃO COM O ESTRADIOL

43 Estudo Randomizado Italiano com Tamoxifeno para prevenção do câncer de mama em mulheres histerectomizadas Resultados a Longo Prazo (11 anos) Placebo TX RR Ooforectomia bilateral 1458 (53,8%) 1406 (52,1%) 0,86 (IC=0,5-1,47) Alta chance RE(+) 350(12,9%) 352(13,0%) 0,24(IC=0,10-0,59) (6,26 X 1,5/1000 /ano) Baixa chance RE(+) 900 (33,2%) 942(34,9%) 1,46(IC=0,84-2,53) Alta chance para tumores RE (+): mulheres com ao menos 1 ovário intacto, menarca < 14 anos e 1ª gestação > 24 anos Baixa chance RE(+) : demais mulheres com ao menos 1 ovário intacto Veronesi V et al J Natl Cancer Inst 2007

44 Ooforectomia Profilática Bilateral Reduz o risco para câncer de ovário e de mama em portadoras de mutação BRCA 1/2 Sim Não Ca de ovário 0,8% 19,9% Ca de mama 21,2% 42,3% Rebeck TR, 2002

45 Estudo STAR Qualidade de Vida Favorável ao Raloxifeno Menos efeitos ginecológicos, ondas de calor, câimbras e sintomas urinários Favorável ao Tamoxifeno Melhor função sexual, menos dispareunia, ganho de peso e problemas músculo-esqueléticos Land e col. JAMA 2006; 295:

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

MANEJO DA PACIENTE DE ALTO RISCO. Cláudia Studart Leal

MANEJO DA PACIENTE DE ALTO RISCO. Cláudia Studart Leal MANEJO DA PACIENTE DE ALTO Cláudia Studart Leal Câncer de mama Aspectos conceituais Câncer de mama esporádico Câncer de mama familiar CYP1A1,Glutatião S-Transferase, NAT 2 Câncer de mama hereditário AVALIAÇÃO

Leia mais

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Quem é a paciente com mutação BRCA1/2? Ansiedade Penetrância dos genes BRCA1 e BRCA 2 até os 70 anos Meta-análise

Leia mais

Quimioprofilaxia. Renata Cangussú

Quimioprofilaxia. Renata Cangussú Quimioprofilaxia Renata Cangussú Câncer de Mama Nas últimas décadas ocorreu um aumento expressivo da incidência e mortalidade do câncer de mama em todo mundo. Esse aumento pode ser atribuído a interação

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia Vinicius Milani Budel câncer de mama Sebastiano del Piombo 1520 Florença O martírio de Santa Agatha INCIDÊNCIA NO BRASIL: 52.680 NOVOS CASOS/ANO MORTALIDADE

Leia mais

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Simône Noronha Hospital São José São Paulo - Brasil Índice: Radioterapia no câncer de mama hereditário (Revisão) Perfil

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA.

DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA. Genetic Risk Assessments in Individuals at High Risk for Inherited Breast Cancer in the Breast Oncology Care Setting DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA. CÂNCER DE MAMA HEREDITÁRIO CONHECER O RISCO

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP DEFINIÇÃO Mokbel et Cutulli, Lancet Oncol,, 2006; 7: 756-65 65 TIPOS DE CDIS Gaps > 2 cm Baixo grau

Leia mais

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Nenhum conflito de interesse COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Como fazer o acompanhamento

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI SCREENING FOR BREAST CANCER: U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE RECOMMENDATION STATEMENT MAMOGRAFIA BIENAL ENTRE 50 E 74 ANOS (GRAU

Leia mais

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia. José Bines Instituto Nacional de Câncer

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia. José Bines Instituto Nacional de Câncer Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia José Bines Instituto Nacional de Câncer Índice Podemos selecionar pacientes para não receber tratamento adjuvante?

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração do Resumo das Características do Medicamento, da Rotulagem e do Folheto Informativo apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 7 Conclusões

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Identification and screening of women with

Identification and screening of women with IDENTIFICAÇÃO ARTIGO REVISÃO E ACOMPANHAMENTO DE... Artico et al. Identificação e acompanhamento de mulheres com risco aumentado para câncer de mama Identification and screening of women with increased

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Marina Crippa. Declaração de conflito de interesse

Marina Crippa. Declaração de conflito de interesse Marina Crippa Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou terapêutico

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

VILMAR MARQUES DE OLIVEIRA*, JOSÉ MENDES ALDRIGHI, JOSÉ FRANCISCO RINALDI

VILMAR MARQUES DE OLIVEIRA*, JOSÉ MENDES ALDRIGHI, JOSÉ FRANCISCO RINALDI Prática Clínica FATORES TRATAMENTO SARNI ROS ASSOCIADOS ETDEAL. CRIANÇAS À INTERRUPÇÃO DESNUTRIDAS TRATAMENTO HOSPITALIZADAS ANTI-RETROVIRAL QUIMIOPREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA VILMAR MARQUES DE OLIVEIRA*,

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE:

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE: VALÉRIA COUTINHO FONTE: SINTOMAS (precoces) ACHADOS FÍSICOS (Intermediárias) DOENÇAS (Tardias) Fogacho Insônia Irritabilidade Distúrbio do humor Atrofia vaginal Incontinência urinária Atrofia da pele Osteoporose

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

Tumores hereditários da mama

Tumores hereditários da mama 32 Tumores hereditários da mama Margarida Figueiredo Dias 1. INTRODUÇÃO O cancro da mama é, ainda, a principal causa de morte por cancro no sexo feminino nos países mais industrializados e áreas geográficas

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil

Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Garcia Barbato, Cristina; Reis, Fernando Ivan dos; Conti Teixeira, Luis Felipe; Albejante Hoffmann,

Leia mais

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias?

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? mama Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? Divulgação Cláudia T. Salviato Mameri * Mestre em radiologia pela Unifesp; mastologista; professora e coordenadora

Leia mais

Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás 74690-000, Brasil. rosraquel@hotmail.com; ruffojr@terra.com.

Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás 74690-000, Brasil. rosraquel@hotmail.com; ruffojr@terra.com. Análise Descritiva de Pacientes Submetidas a Endocrinoterapia Neoadjuvante para Tratamento do Câncer de Mama em Estádios Avançados na Cidade de Goiânia. Raquel Oliveira dos Santos 1, Ruffo de Freitas Junior

Leia mais

Terapia Hormonal Adjuvante no Câncer de Mama em Mulheres Pré-menopáusicas Adjuvant Hormonal Therapy in Premenopausal Breast Cancer

Terapia Hormonal Adjuvante no Câncer de Mama em Mulheres Pré-menopáusicas Adjuvant Hormonal Therapy in Premenopausal Breast Cancer REVISÃO / Review Terapia Hormonal Adjuvante no Câncer de Mama em Mulheres Pré-menopáusicas Adjuvant Hormonal Therapy in Premenopausal Breast Cancer Fernanda Costa do Nascimento * Resumo Este artigo se

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Climatério. Indicações e Contraindicações. ao Uso da Terapia Hormonal

Climatério. Indicações e Contraindicações. ao Uso da Terapia Hormonal Climatério Indicações e Contraindicações ao Uso da Terapia Hormonal Profa. Dra. Miriam S Wanderley Área de Ginecologia e Obstetrícia Faculdade de Medicina/ UnB Sintomas Vasomotores Principal indicação

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo:

Leia mais

NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA)

NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA) NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA) ANDERSON ARANTES SILVESTRINI Oncologista clínico - Diretor técnico Grupo Acreditar

Leia mais

O fumo e a saúde: uma atualização

O fumo e a saúde: uma atualização O fumo e a saúde: uma atualização Jonathan M. Samet, MD, MS Diretor do Instituto para Saúde Mental da USC (USC Institute for Global Health) Professor e Presidente do Flora L. Thornton, Departamento de

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Rafael Kaliks Oncologia Hospital Albert Einstein Diretor Científico Instituto Oncoguia rkaliks@gmail.com Risco hereditário:

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. CARDOSO, Michel¹; DELFINO, Gabriel Felipe Lima¹; NEGRETTI, Fábio² ¹Acadêmico do curso de Medicina da Unioeste ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da

Leia mais

RASTREAMENTO (Screening)

RASTREAMENTO (Screening) alberto.velazquez@hospitalitaliano.org.ar Prevenção RASTREAMENTO (Screening) Alberto Velazquez Sádio Doente Assintomático Sintomático Rastreamento Definição plicação de um teste para detectar ma condição,doença

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Mecanismos de resistência ao tratamento hormonal. José Bines Instituto Nacional de Câncer

Mecanismos de resistência ao tratamento hormonal. José Bines Instituto Nacional de Câncer Mecanismos de resistência ao tratamento hormonal José Bines Instituto Nacional de Câncer Declaração de conflito de interesses Sem conflito de interesses Opinião pessoal que pode não refletir necessariamente

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H DE VIDA NO CÂNCER DE MAMA Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP Transtornos depressivos e câncer de mama Incidência população geral: 8% pacientes com ca de mama: 30% Qualidade

Leia mais

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013 NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR diagnóstico e conduta RIO DE JANEIRO 2013 A NIV aumentou em 4 vezes nos EUA entre 1973 e 2000 A regressão da NIV existe O câncer invasor está presente em 3% das mulheres

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com. TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.br Estrogênios? O que existe por trás desta linda mulher? T R

Leia mais

Consenso sobre terapia hormonal e câncer de mama

Consenso sobre terapia hormonal e câncer de mama editorial Consenso sobre terapia hormonal e câncer de mama Coordenadores: Marco Aurélio Albernaz Maria Celeste Osório Wender Luciano de Melo Pompei César Eduardo Fernandes Antonio Luiz Frasson Relatores:

Leia mais

Data: 21/06/2013. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50.

Data: 21/06/2013. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50.2013 Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA SBI - SOCIETY OF BREAST IMAGING ACR - AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY

RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA SBI - SOCIETY OF BREAST IMAGING ACR - AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA SBI - SOCIETY OF BREAST IMAGING ACR - AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY RECOMENDAÇÕES PARA RASTREIO DO CÂNCER DE MAMA METODOLOGIA RANDOMIZED CONTROLED TRIAL =

Leia mais

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE ANTOMIA PATOLÓGICA SENILIDADE aos 65? Diminuição da filtração glomerular Aumento de sensibilidade a mielotoxicidade Mucosite Neurotoxicidade Toxicidade cardíaca IDADE COMO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Segundo recente relatório da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC) /OMS (World Cancer Report 2008), o impacto global do câncer mais que dobrou em 30 anos. Estimou-se que, no ano de 2008,

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

ORIENTAÇÃO CLÍNICA DAS MULHERES COM TESTE POSITIVO PARA MUTAÇÕES EM BRCA1 OU BRCA2

ORIENTAÇÃO CLÍNICA DAS MULHERES COM TESTE POSITIVO PARA MUTAÇÕES EM BRCA1 OU BRCA2 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 1º CONCURSO ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE POR LICENCIADOS EM MEDICINA PELA FMUC PRÉ-BOLONHA RAQUEL PATRÍCIA SILVA RAPOSO ORIENTAÇÃO CLÍNICA DAS

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Câncer de mama e fertilidade Por que? Como o tratamento

Leia mais

Insuficiência de Vitamina D desafio diagnóstico!!!

Insuficiência de Vitamina D desafio diagnóstico!!! E2- Denise D. Lima Fev/2011 Caso Clínico Mulher, 61 anos, saudável Avaliação de saúde óssea Dosagem de Vit D (25 hidroxivitamina D)= 21 ng/ml Sem história de fraturas, nem histórico familiar de fratura

Leia mais

Giacomazzi J, Schmidt AV, Aguiar E, Bock H, Pereira MLS, Schuler- Faccini L, Giugliani R, Caleffi M, Camey SA, Ashton-Prolla P.

Giacomazzi J, Schmidt AV, Aguiar E, Bock H, Pereira MLS, Schuler- Faccini L, Giugliani R, Caleffi M, Camey SA, Ashton-Prolla P. Polimorfismos nos Genes do Receptor de Estrogênio, Receptor de Progesterona e Serina- Treonina Quinase e fatores de risco para câncer de mama em mulheres submetidas a mamografia Giacomazzi J, Schmidt AV,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

CIRURGIA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA

CIRURGIA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Núcleo de Mastologia Hospital Sírio-Libanês Laboratório de Anatomia Médico-Círúrgica (LIM 02) Faculdade de Medicina da USP CIRURGIA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Up to date Alfredo Carlos S.D. Barros

Leia mais

Lapatinibe para câncer de mama

Lapatinibe para câncer de mama Data: 05/11/2013 NTRR 212/2013 Solicitante: Desembargador Geraldo Augusto de Almeida Mandado de Segurança: nº1.0000.13.083981-4/000 Impetrado: Secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais. Medicamento

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Câncer de Mama Tratamento Prevenção da Fase Primária Aguda do Acidente Vascular Cerebral Sociedade Brasileira Academia Brasileira Mastologia de e Neurologia Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia

Leia mais

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal no Climatério 1942 - Estrogênios eqüinos conjugados 1950 - Uso difundido nos Estados Unidos 1970 -

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Programa de controle de CA de Mama

Programa de controle de CA de Mama Programa de controle de CA de Mama Profª: Dayse Amarílio Estima-se incidência anual de mais de 1.000.000 de casos no séc XXI; CA mais incidente no sexo feminino nos países desenvolvidos e Brasil, o que

Leia mais

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 01-Out-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 01/10/2015

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais