Introdução: marco normativo internacional e nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução: marco normativo internacional e nacional"

Transcrição

1 Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds Direits Humans d Ministéri Públic de Minas Gerais, apresentar parecer sbre a Lei Estadual n de 17 de janeir de 2014 de Minas Gerais. A APT apresenta abaix análise ds dispsitivs da referida lei à luz d Prtcl Facultativ à Cnvençã da ONU cntra a Trtura e Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes e de parâmetrs internacinais relevantes a matéria em discussã. Sbretud a análise se centrará ns seguintes aspects: Vinculaçã administrativa d Sistema Estadual e d Cmitê Estadual de Prevençã da Trtura Cmpsiçã d Sistema Estadual de Prevençã da Trtura e de Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes de Minas Gerais Implantaçã d Mecanism de Prevençã à Trtura através de regulament Adesã a Sistema Nacinal de Prevençã e Cmbate à Trtura Prcediment de elabraçã da lei de 17 de janeir de 2014 Intrduçã: marc nrmativ internacinal e nacinal 1. A criaçã d Cmitê e Mecanism Estadual de Prevençã à Trtura em Minas Gerais se dá n marc da adçã pel Brasil d Prtcl Facultativ à Cnvençã da ONU cntra a Trtura e Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes, 1 prmulgad pel Decret de 19 de abril de Este tratad internacinal, adtad pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 18 de dezembr de 2002 e que entru em vigr em 22 de junh de 2006, tem cm bjet estabelecer um sistema de visitas regulares efetuadas pr órgãs nacinais e internacinais independentes a 1 Prtcl Facultativ à Cnvençã da ONU cntra a Trtura e Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes, Adtad em 18 de dezembr de 2002 na quinquagésima sétima sessã da Assembleia Geral das Nações Unidas pela resluçã A/RES/57/199. Oficina para América Latina Ciudad del Saber Edifici 137-A Claytn, Ancón Ciudad de Panamá T y

2 lugares nde pessas sã privadas de sua liberdade, cm a intençã de prevenir a trtura e utrs trataments u penas cruéis, desumans u degradantes A ratificar Prtcl Facultativ, Brasil se cmprmeteu a receber a visita d Subcmitê da ONU de Prevençã da Trtura e utrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes em seu territóri e franquear-lhe acess as centrs de privaçã de liberdade, assim cm frnecer-lhe tdas as infrmações relevantes que Subcmitê slicite para rientar sua atuaçã e frtalecer a prteçã de tdas as pessas privadas de liberdade cntra a trtura e utrs maus-trats, cnfrme precniza artig 12 deste instrument. Vale recrdar que Subcmitê realizu uma missã a Brasil em setembr de 2011 e visitu unidades de privaçã de liberdade ns estads de Ri de Janeir, Sã Paul, Espírit Sant, Giás e n Distrit Federal, e relatóri cm as cnclusões e recmendações emitidas cm resultad de tal missã já fi publicad pel Estad brasileir Além diss, e mais específic quant a bjet de análise neste parecer, Brasil assumiu a brigaçã de manter, designar u estabelecer, dentr de um an de sua ratificaçã, um u mais mecanisms preventivs nacinais independentes para a prevençã da trtura em nível dméstic O Prtcl Facultativ estabelece em seus artigs 17 a 23 uma série de parâmetrs e prerrgativas que s Estads Parte devem respeitar a criar tais entes de mnitrament. Dentre elas, Prtcl prevê que a estabelecer s mecanisms preventivs nacinais, s Estads-Partes deverã ter em devida cnta s Princípis relativs a status de instituições nacinais de prmçã e prteçã ds direits humans (também cnhecids cm s Princípis de Paris). 5. N âmbit intern, Estad brasileir regulamentu a adçã d Prtcl Facultativ e sua incrpraçã a rdenament jurídic intern cm a prmulgaçã da lei de agst de 2013 que institui Sistema Nacinal de Prevençã e Cmbate a Trtura. Seis meses depis, Estad brasileir prmulgu decret regulamentand a mencinada lei. 6. Além d rdenament jurídic internacinal e nacinal que rege a matéria, existe uma série de princípis e diretrizes rientadras que cmplementam tal nrmativa e que devem ser bservadas pels Estads na frmulaçã e implantaçã de seus mecanisms preventivs nacinais. O Subcmitê das Nações Unidas para a Prevençã da Trtura (daqui em diante, SPT) em sua qualidade de órgã de tratad instituíd a partir da entrada em vigr d Prtcl Facultativ, vem, desde sua criaçã, elabrand e publicand uma série de recmendações e diretrizes vltadas a rientar 2 Prtcl Facultativ à Cnvençã da ONU cntra a Trtura e Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes, Artig 1. 3 Subcmitê para a Prevençã da Trtura das Nações Unidas, Infrme sbre la visita al Brasil, CAT/OP/BRA/1, 05 de julh de Dispnível em TX%2f2ipA5CN39jk0NxhQ0T%2fkqCHmPQ5V181M5pLlUfLsgSsYrjzRJY6BRxI20mFjt7mxQmA6v5IHXqECK ut7sz6ypj77eg8rblk 4 Prtcl Facultativ, artig 17. Oficina para América Latina Ciudad del Saber Edifici 137-A Claytn, Ancón Ciudad de Panamá T y

3 s Estads-Partes n cumpriment das brigações que assumiram cm a ratificaçã d Prtcl Facultativ, e, mais especificamente, em seus prcesss, n plan intern, de designaçã e estabeleciment ds seus mecanisms preventivs nacinais. 7. Tais diretrizes nã pretendem repetir que já se encntra enunciad n text d Prtcl, mas sim cmplementar que está ali dispst, cntribuind a dar mair clareza a interpretaçã de alguns ds dispsitivs d Prtcl que pderiam causar dúvida u questinaments. As recmendações d Subcmitê pdem ser encntradas em seus relatóris anuais, 5 assim cm em alguns ds relatóris apresentads as países u as mecanisms preventivs nacinais Tend em vista quadr nrmativ acima expst, tant na esfera internacinal cm nacinal, n qual se insere a lei estadual de Minas Gerais, passams a discrrer quant à adequaçã ds seus dispsitivs a mesm de frma a determinar se a legislaçã mineira bserva s referids parâmetrs e nrmas. Vinculaçã administrativa d Sistema Estadual e d Cmitê Estadual de Prevençã da Trtura 9. O Prtcl Facultativ estabelece em seu artig 18, alínea 1, que s mecanisms preventivs nacinais devem gzar de independência funcinal e independência de seu pessal. 10. A cnceituaçã de independência abrda uma série de fatres e elements que, em seu cnjunt, determinam se um rganism u instituiçã em particular cnta cm as prerrgativas e pderes necessáris para que pssa atuar de maneira isenta, sem subrdinaçã a qualquer autridade estatal, e fra d cntrle institucinal de autridades d Estad. 11. Segund artig 16 da lei estadual Cmitê Estadual para a Prevençã da Trtura e de Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes é criad na área de cmpetência da Secretaria Estadual de Defesa Scial. D mesm md, segund artig 17 da referida lei, Sistema Estadual de Prevençã da Trtura e de Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes de Minas Gerais é instituíd também n âmbit da Secretaria de Estad de Defesa Scial, seguind, desta frma mesm mdel estabelecid para Sistema Estadual de Inteligência de Segurança Pública de Minas Gerais. 12. Um ds fatres que cntribui para a independência e imparcialidade ds mecanisms preventivs nacinais, tal cm exigid pel Prtcl Facultativ, se refere à natureza da vinculaçã administrativa d mecanism à estrutura d Pder Públic. Um ds critéris essenciais para assegurar a independência d mecanism, e, 5 Subcmitê da ONU para a Prevençã da Trtura, Cuart Infrme Anual, CAT/C/46/2, de 03 de fevereir de Dispnível em (em espanhl). 6 Subcmitê da ONU para a Prevençã da Trtura, Infrme del Subcmité para la Prevención de la Trtura y Otrs Trats Penas Crueles, Inhumans Degradantes sbre su visita de asesramient al Mecanism Nacinal de Prevención de Hnduras, CAT/OP/HND/3, de 25 de janeir de Dispnível em (em espanhl). Oficina para América Latina Ciudad del Saber Edifici 137-A Claytn, Ancón Ciudad de Panamá T y

4 pr cnseguinte, d sistema de prevençã à trtura nde se insere, é que nã estejam psicinads sb cntrle institucinal de um ministéri, secretaria, gabinete, u utra entidade d Pder Executiv. Tal vinculaçã administrativa, além de representar um risc inerente a sua independência e autnmia, acarreta um explícit cnflit de interesse, já que Sistema Estadual de Prevençã tem, cm funçã precípua precisamente crdenar ações de prevençã à trtura baseadas n mnitrament de lugares de privaçã de liberdade sb a administraçã d Pder Executiv, mais especificamente da Secretaria de Defesa Scial, que é respnsável pela administraçã ds Presídis e das Plícias Civil e Militar em Minas Gerais. 13. Desta maneira, a lei vincula as instâncias de peracinalizaçã d mnitrament, ist é, Cmitê e Mecanism de prevençã à trtura, à própria instituiçã a qual estarã encarregadas de mnitrar, viland, pr cnseguinte artig 18 d Prtcl Facultativ da Cnvençã da ONU cntra a Trtura. Cmpsiçã d Sistema Estadual de Prevençã da Trtura e de Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes de Minas Gerais 14. Segund artig 17 da lei , as instituições que integrarã Sistema Estadual de Prevençã sã: Secretaria de Estad de Defesa Scial, Defensria Pública d Estad de MG, Ministéri Públic d Estad, Plícia Civil, Plícia Militar, Crp de Bmbeirs, Ouvidria-geral, Cmissã de Direits Humans da Assembleia Legislativa. 15. A natureza das instituições ali previstas ns inciss I, IV, V, VI, clide cm a finalidade d Sistema, qual seja, crdenar e integrar as ações de prevençã à trtura e utrs trataments u penas cruéis, desumans u degradantes n Estad. Tais entidades, ainda que pssam ser parceiras, cperand e clabrand cm mecanism e utras entidades visand tal fim, nã deveriam estar em um papel de articuladr e crdenadr d própri sistema de prevençã, já que esta funçã nã se insere em seu rl de cmpetência e, cm ressaltad acima, acarreta uma situaçã de cnflit de interesses, já que clca as mesmas instituições em uma psiçã de cntrle e cntrlada. 16. Neste sentid, cabe destacar ainda, quant à integraçã d Sistema tal cm previst na nrmativa estadual em questã, a ausência de entidades chave na seara de prevençã e cmbate à trtura que deveriam fazer parte d Sistema, tal cm a Subsecretaria de Direits Humans da Secretaria de Estad de MG de Desenvlviment Scial, SEDESE, e Cmitê e Mecanism de Prevençã à Trtura. Estes dis últims cnstituem, pr excelência, as principais entidades referentes na matéria. 17. Parece haver, n mínim, uma incngruência n text a nã inserir cm integrantes d Sistema Estadual s dis nvs órgãs que esta mesma lei cria cm atribuições especificas para tal, Cmitê e Mecanism Estadual de Prevençã à Trtura. Oficina para América Latina Ciudad del Saber Edifici 137-A Claytn, Ancón Ciudad de Panamá T y

5 Implantaçã d Mecanism de Prevençã à Trtura através de regulament 18. O artig 19 da lei estadual prevê que a implantaçã d mecanism de prevençã à trtura se dará ns terms d regulament, n praz de nventa dias cntads da data de publicaçã da mesma. 19. Em seu artig 18, alínea 4, Prtcl estipula que, a estabelecer s mecanisms preventivs nacinais, s Estads-Partes deverã ter em devida cnta s Princípis relativs a status de instituições nacinais de prmçã e prteçã ds direits humans (s Princípis de Paris). 20. Tais Princípis ditam que uma instituiçã nacinal deve ter uma área de atuaçã abrangente, send a mesma prevista na cnstituiçã u em lei, especificand-se sua cmpsiçã e esfera de cmpetência Tal exigência se dá cm uma maneira de atribuir segurança jurídica à entidade criada, já que a independência d MNP seria prejudicada se gvern tivesse a autridade legal para, à sua discriçã, disslver u substituir MNP, u mdificar sua esfera de cmpetência, cmpsiçã u prerrgativas. A implantaçã de tal órgã pr decret u utr at d Executiv representa uma situaçã de vulnerabilidade d MNP que, pr si só, já prejudica sua independência. 22. Desta frma, resta clar que artig 19 da lei estadual vila s preceits ds Princípis de Paris, e cnsequentemente, d própri Prtcl Facultativ da Cnvençã da ONU cntra a Trtura a estipular que a criaçã d mecanism estadual de prevençã se dará pr regulamentaçã d Pder Executiv. Caberia a prmulgaçã de uma lei estadual que defina a cmpetência, prerrgativas, pderes e faculdades d mecanism estadual de prevençã. 23. N mesm sentid já se manifestu Subcmitê para a Prevençã da Trtura das Nações Unidas. Em suas Diretrizes relativas as mecanisms nacinais de prevençã, SPT é categóric a afirmar que a cmpetência e as faculdades d mecanism nacinal de prevençã deverã ser enunciadas de maneira clara em frma de text cnstitucinal u legislativ. 8 (grif nss) Adesã a Sistema Nacinal de Prevençã e Cmbate à Trtura 24. O mecanism estadual de prevençã e cmbate à trtura que se pretende instituir n Estad de Minas Gerais pderá integrar Sistema Nacinal de Prevençã e Cmbate à Trtura, instituíd pela lei /2013 e regulamentad pel Decret 8.154/ Cnfrme dispõe mencinad decret, em seu artig 4º, incis 1º, s cmitês e mecanisms estaduais de prevençã à trtura pderã integrar SNPCT pr mei de term de adesã específic. 7 Princípis relacinads cm status de instituições nacinais de direits humans (Princípis de Paris)., Resluçã de da Cmissã de Direits Humans da ONU, artig 2. 8 Subcmitê da ONU para a Prevençã da Trtura, Cuart Infrme Anual, 69. Oficina para América Latina Ciudad del Saber Edifici 137-A Claytn, Ancón Ciudad de Panamá T y

6 26. Cntud, tal integraçã a Sistema nã é incndicinal. A adesã a SNPCT pr parte ds mecanisms criads ns Estads, smente pderá ser realizada quand tais rganisms, n que cncerne sua instituiçã e funcinament, estejam em cnsnância cm dispst n Prtcl Facultativ. O artig 4º, 2º d decret acima mencinad é taxativ a prever que term de adesã cnterá, n mínim, as seguintes brigações: I-instituiçã e funcinament em cnsnância cm dispst n Prtcl Facultativ dispst n Prtcl Facultativ à Cnvençã das Nações Unidas cntra a Trtura e Outrs Trataments u Penas Cruéis, Desumans u Degradantes. 27. Desta frma, cabe-se ressaltar aqui risc de que Cmitê e Mecanism de Minas Gerais, se implantads da maneira cm prevê a legislaçã estadual ra em estud, nã pderã aderir a SNPCT em razã de sua inbservância as critéris mínims de integraçã exigids pela lei federal. Prcediment de elabraçã da lei de 17 de janeir de A redaçã, elabraçã e aprvaçã da lei /2014 pel Pder Legislativ de Minas Gerais se deu sem qualquer participaçã da sciedade civil rganizada e sem que huvesse uma cnvcatória de entidades e instituições relevantes nesta temática. 29. Antes de sua aprvaçã, tramitava na Assembleia Legislativa utr prjet de lei, n /2013, que havia sid elabrad e discutid de frma ampla entre diverss atres, entre eles rganizações da sciedade civil e Ministéri Públic. Além diss, desde 2011, crreram em MG debates ampls e demcrátics, através de semináris, ficinas e reuniões, algumas rganizadas pel Ministéri Públic Estadual e pela Subsecretaria de Direits Humans da Secretaria de Estad de MG de Desenvlviment Scial, para levar a cnheciment da sciedade em geral, assim cm de autridades públicas, text d Prtcl Facultativ e a brigaçã d estad de MG de criar seu própri mecanism estadual de prevençã ns mldes d citad tratad internacinal. 30. Cntud, a lei prmulgada em janeir passad nunca chegu a ser discutida neste âmbit e nã fi submetida à cnsulta pública. 31. Vale recrdar que a autnmia e legitimidade d mecanism de prevençã à trtura depende d nível de participaçã scial em cada uma das etapas d prcediment de instituiçã, criaçã e designaçã d mesm. Tal cm previst nas diretrizes emitidas pel SPT, mecanism nacinal de prevençã deve ser criad mediante um prcediment públic, transparente e inclusiv n qual participe um grup amplamente representativ das partes interessadas, particularmente a sciedade civil Desta frma, prcediment que culminu cm a aprvaçã da lei n /2014 pela Assembleia Legislativa d Estad nã está em cnsnância cm s princípis estabelecids pela nrmativa e parâmetrs internacinais que regem a matéria. 9 Subcmitê da ONU para a Prevençã da Trtura, Cuart Infrme Anual, 78. Oficina para América Latina Ciudad del Saber Edifici 137-A Claytn, Ancón Ciudad de Panamá T y

7 Cnclusã 33. Pelas razões expstas acima, a APT cnclui que a lei estadual /2014, prmulgada n Estad de Minas Gerais em 17 de janeir de 2014, nã cumpre cm s requisits e parâmetrs estabelecids n Prtcl Facultativ da Cnvençã da ONU cntra a Trtura em 04 (quatr) aspects principais: A lei estadual vincula as instâncias de peracinalizaçã d mnitrament, ist é, Cmitê e Mecanism de prevençã à trtura, à própria instituiçã d Estad a qual estarã encarregadas de mnitrar, Secretaria Estadual de Defesa Scial, viland, pr cnseguinte artig 18 d Prtcl Facultativ da Cnvençã da ONU cntra a Trtura A natureza das instituições previstas ns inciss I, IV, V, VI da lei /2014, clide cm a finalidade d Sistema, qual seja, crdenar e integrar as ações de prevençã à trtura e utrs trataments u penas cruéis, desumans u degradantes n Estad O artig 19 da lei estadual vila s preceits ds Princípis de Paris, e cnsequentemente, d própri Prtcl Facultativ da Cnvençã da ONU cntra a Trtura a estipular que a criaçã d mecanism estadual de prevençã se dará pr regulamentaçã d Pder Executiv. Caberia a prmulgaçã de uma lei estadual que defina a cmpetência, prerrgativas, pderes e faculdades d mecanism estadual de prevençã O prcediment que culminu cm a aprvaçã da lei n /2014 pela Assembleia Legislativa d Estad nã está em cnsnância cm s princípis de transparência e publicidade e participaçã scial, viland recmendaçã expressa d SPT de que mecanism nacinal de prevençã deve ser criad mediante um prcediment públic, transparente e inclusiv n qual participe um grup amplamente representativ das partes interessadas, particularmente a sciedade civil. 10 Sylvia Diniz Dias Diretra d Escritóri da APT para América Latina 10 Subcmitê da ONU para a Prevençã da Trtura, Cuart Infrme Anual, 78. Oficina para América Latina Ciudad del Saber Edifici 137-A Claytn, Ancón Ciudad de Panamá T y

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE Reprte de Ameaça Iminente de Dan Ambiental e de Ocrrência de Dan Ambiental n Âmbit d Regime da Respnsabilidade Ambiental Agência Prtuguesa d Ambiente Julh

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 01/09/2014 a 07/10/2014 Carg: Analista Financeir Cntábil Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: R$ 7.491,32 Nº Vagas: 01 Data da Prva: 30/11/2014

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

CRIMES. DICiITAL. n,. Editor~ NO MEIO AMBIENTE .., 1'1. Celso Antonio Pacheco Fiorillo Christiany Pegorari Conte. ~ Saraiva B22. !

CRIMES. DICiITAL. n,. Editor~ NO MEIO AMBIENTE .., 1'1. Celso Antonio Pacheco Fiorillo Christiany Pegorari Conte. ~ Saraiva B22. ! .., 1'1 I'IJ!li 111 ll I- IA ~ - CRIMES NO MEIO AMBIENTE DICiITAL Cels Antni Pachec Firill Christiany Pegrari Cnte B22 @ n,. Editr~ ~ Saraiva SUMARIO,. - ', CAP(TULO 1 - DO MEIO AMBIENTE DIGITAL... 11

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE Referência: CPA-077-2008 Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA Organizaçã: Parceria: I WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA EXAMES DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO A ANCORD já certificu mais de 14.000 Agentes Autônms de Investiment. Obs.: A

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - OCORRÊNCIA PC

MANUAL DO USUÁRIO - OCORRÊNCIA PC SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Referencia: Help_Online_crrencia_PC.dc Versã: 01.00 Data: 19-10-2007 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument

Leia mais

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega.

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Uma leitura sbre a prpriedade d

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

Ativo Externo. Circ. 3181, de 06.03.03 Declaração de valores detidos no exterior. Dispensados. Modalidades

Ativo Externo. Circ. 3181, de 06.03.03 Declaração de valores detidos no exterior. Dispensados. Modalidades Ativ Extern Circ. 3181, de 06.03.03 Declaraçã de valres detids n exterir O Cnselh Mnetári Nacinal, a emitir a Resluçã 2911/01 (vide RP News - nvembr/01), bjetivu cntrlar e acmpanhar estque de bens e valres

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Administraçã Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 02 Data

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES?

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? ÂMBITO PESSOAL O regime jurídic d serviç militar prestad em cndições especiais de dificuldade u perig, aprvad pela Lei n.º 9/2002, de 11

Leia mais

.Edson Benedito Rondon Filho.

.Edson Benedito Rondon Filho. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Taxa de atrit na sluçã ds crimes

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO A EVENTOS DE ESPORTE, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL

PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO A EVENTOS DE ESPORTE, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PROGRAMAS DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL PROGRAMA DE REALIZAÇÃO E APOIO

Leia mais

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social 4 Atuaçã ds Ministéris d Trabalh e Empreg e da Previdência Scial CAPÍTULO 4.1 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Cm mstrada anterirmente, a precupaçã cm a segurança e a saúde d trabalhadr teve iníci na Revluçã

Leia mais

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção Frmaçã nzeb ns países d Sul da UE Mantend as tradições de cnstruçã SuthZEB WP4 Desenvlviment d prtal SuthZEB D4.1: Prtal SuthZEB visã geral d desenvlviment d prtal e suas seções, integraçã e aceitaçã d

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Ciências Cntábeis Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 01

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 10/11/2014 a 10/12/2014 Carg: Analista de Desenvlviment Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: até R$ 5.218,56 Nº Vagas: 15 + Cadastr de

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais