ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Sul de Minas Gerais "ASSEGURAR A EXCELÊNCIA NA OFERTA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA, EM TODOS OS NÍVEIS, FORMANDO CIDADÃOS CRÍTICOS, CRIATIVOS, COMPETENTES E HUMANISTAS, ARTICULANDO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO E CONTRIBUINDO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SUL DE MINAS GERAIS." ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO Crdenadria de Integraçã-Escla Cmunidade Janeir/2010

2 É fazend que se aprende a fazer aquil que se deve aprender a fazer. Aristóteles Maires Infrmações: (35) Ramal 214 u na Crdenadria de Integraçã Escla Cmunidade CIEC APRESENTAÇÃO Prezad alun e senhres pais, bjetiv d presente manual, prduzid pela Seçã de Estági da Crdenadria de Integraçã Escla Cmunidade CIEC, é rientar e esclarecer dúvidas em relaçã a realizaçã d Estági Obrigatóri, de acrd cm a Lei /08 e rientaçã Nrmativa nº 7 de 30 de utubr de 2008, além de prprcinar um mair relacinament entre s estagiáris e mercad de trabalh. Espera-se pssibilitar a estagiári primeir cntat cm sua futura prfissã, bem cm prmver melhr aprveitament curricular a lng d curs. 1. O QUE É ESTÁGIO? É a prtunidade para que s estudantes apliquem em situações cncretas s cnheciments adquirids nas aulas teóricas, de maneira que pssam vivenciar n dia a dia a teria, absrvend melhr s cnheciments, pdend refletir e cnfirmar a sua esclha prfissinal. O estági dá as estudantes prtunidade da visã real e crítica d que acntece fra d ambiente esclar e pssibilita adquirir experiência pr mei d cnvívi cm situações interpessais, tecnlógicas e científicas; Estági é at educativ esclar supervisinad, desenvlvid n ambiente de trabalh, que visa a preparaçã para trabalh prdutiv de educands. 2. COMO PODE SER O ESTÁGIO? O estági pde ser brigatóri e nã-brigatóri. Estági Obrigatóri: é aquele definid n prjet d curs, cuja carga hrária é requisit para aprvaçã e btençã de diplma, sem ônus para cncedente cnfrme rientaçã Nrmativa nº. 07 de 30 de utubr de Nã-brigatóri: é aquele desenvlvid cm atividade pcinal, acrescida à carga hrária regular e brigatória. O estági, brigatóri u nã, nã cria vincul empregatíci de qualquer natureza A atividade de extensã, de mnitrias e de iniciaçã científica na educaçã superir, desenvlvidas pel estudante, smente pderã ser equiparadas a estági em cas de previsã n prjet pedagógic d curs. 3. COMO PROCEDER PARA REALIZAR ESTÁGIO? É de respnsabilidade de estudante pesquisar e entrar em cntat cm instituições publica u privadas, cperativas e u prpriedades rurais, nde pssa realizar estági, auxiliad pela crdenaçã de estági, através da Crdenadria de Integraçã Escla Cmunidade CIEC, quand slicitad. 15

3 Antes de iniciar estagi, alun deverá esclher um prfessr da área técnica para que este pssa auxiliá-l que diz respeit as prcediments a serem seguids. 4. QUEM PODE SER ESTAGIÁRIO? Td estudante regularmente matriculad e frequente, em instituiçã superir, de educaçã prfissinal, de ensin médi de educaçã especial, e ds ans finais d ensin fundamental, na mdalidade prfissinal da educaçã de jvens e adults (EJA) pdem realizar estági. 5. O ESTÁGIO É UMA RELAÇÃO DE EMPREGO? O estági nã é uma relaçã de empreg, pis nã gera ônus para a parte cncedente. O estági nã caracteriza víncul de empreg de qualquer natureza, desde que bservads s requisits legais, nã gerand encargs sciais, trabalhistas e previdenciáris. (arts. 3º e 15 da Lei /2008). 6. QUANDO SE DEVE ESTAGIAR? Os estudantes ds curss integrads a ensin médi e subseqüente, a partir da cnclusã d 1º semestre. Os estudantes d curs Técnic em Gestã Administrativa Integrad a Ensin Médi - PROEJA, a partir da cnclusã d 2º semestre. Os estudantes ds curss Superires será cnfrme crngrama d curs. O estagi deverá ser realizad a lng d curs, nã pdend abranger uma área de cnheciment ainda nã estudada n seu curs. 2 Parágraf Únic - A ausência d segur cntra acidentes pessais caracteriza víncul empregatíci e sujeita a empresa às sanções previstas na CLT. 11. POSSO FAZER ESTÁGIO NA EMPRESA EM QUE TRABALHO E SOU REGISTRADO? Sim desde que seja crrelat a Curs. 12. O ESTUDANTE PODE CONSEGUIR ESTÁGIO SEM A INTERVENIÊNCIA DA SEÇÂO DE ESTÀGIO - CIEC? Sim, desde que em qualquer situaçã, antes de iniciá-l, prcure a Seçã de estági da Crdenadria de Integraçã Escla-Cmunidade CIEC para receber as rientações necessárias. SEM ESTE PROCEDIMENTO O ESTÁGIO NÃO SERÁ FICHA DE AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO: Esta ficha tem pr finalidade detectar aspects psitivs e/u negativs ds estágis Nme d alun (a): Períd d estági: Empresa: Prprietári: Ttal de Hras: 3 Endereç: 7. ONDE REALIZAR O ESTÁGIO? O Estági deverá ser realizad junt à pessa jurídica de direit privad, em órgãs da administraçã pública direta, autarquia e fundacinal de qualquer ds Pderes da Uniã, ds Estads, d Direit Federal e ds Municípis, cm prfissinais liberais de nível superir devidamente registrad em seus respectivs cnselhs de fiscalizaçã prfissinal, de acrd cm Art. 9º da Lei /08 e Orientaçã Nrmativa nº. 07 de 30 de utubr de O ESTUDANTE PODE ESTAGIAR EM MAIS DE UMA EMPRESA? Sim, desde que períd nã seja cincidente. Fne: Fax: Cidade: UF: CEP: Área em que fi desenvlvid estági: Supervisr: Esclha a alternativa que melhr identifique sua piniã e assinale n espaç crrespndente, cnsiderand s aspects: Ó t i m B m R e g u l a r F r a c Pé ssi m 9. POSSO ESTAGIAR NA EMPRESA DOS MEUS PAIS? O estagiári pderá desenvlver suas atividades de estágis, em empresas e u instituições dirigidas pr parentes de 1º grau, desde que nã exista nenhum grau de parentesc cm respnsável (supervisr) que irá acmpanhar estagiári na empresa. 10. PARA ESTAGIAR DEVO PAGAR SEGURO CONTRA ACIDENTES PESSOAIS? Para a realizaçã de Estági Curricular td estudante deverá estar assegurad cntra acidentes pessais, cuj númer da apólice deverá cnstar n Term de Cmprmiss, de acrd cm artig 9º da Lei /08, Avaliaçã d Estági 1- Apresentaçã pessal 2- Sciabilidade e desempenh 3- Organizaçã e métd de trabalh 4- Assiduidade 5- Iniciativa 6- Criatividade 7- Capacidade de gerenciament

4 8- Cperaçã VÁLIDO. 9- Respnsabilidade 10- Liderança 11- Nível de cnheciment 12- Cmprmetiment nas tarefas 13- Relacinament na empresa 13. É POSSIVEL CUMPRIR TODA CARGA HORARIA DO ESTÁGIO NO INSTITUTO FEDERAL? O estági pderá ser realizad dentr ds campi d Institut, n períd de férias esclares pr mei de Edital publicad pela Reitria. OBS: O alun deverá fazer n mínim 50% d ttal da carga hrária fra da Instituiçã, só assim ele estará vivenciand a real situaçã d mercad de trabalh, aplicand aprendid em sala de aula, revend e experimentand nvas técnicas que serã relevantes para sua futura vida prfissinal. 14- Aprveitament n estági Cmentári, de de Supervisr (a) d estági Prfessr (a) Orientadr QUAIS REQUISITOS DEVEM SER OBSERVADOS NA CONCESSÃO DO ESTÁGIO? O cumpriment ds inciss estabelecids d artig 3º da Lei /08; I Matrícula e frequência regular d educand. II Celebraçã d Term de Cmprmiss entre estudante, a parte cncedente (empresa) e a Instituiçã de Ensin, pela Seçã de Estági da CIEC (brigatóri). III Cmpatibilidade entre as atividades desenvlvidas n estági cm seu curs e previstas n term de cmprmiss. IV Estar assegurad cntra acidentes pessais (apólice de Segur). 15. O QUE É TERMO DE COMPROMISSO? O Term de Cmprmiss é um acrd celebrad entre educand, a parte cncedente d estági e a instituiçã de ensin, prevend as cndições de adequaçã d estági à prpsta pedagógica d curs. A ausência d Term de Cmprmiss de Estági caracteriza víncul empregatíci e sujeita a Empresa às sanções previstas na CLT. 16. QUAL A CARGA HORÁRIA DO ESTÁGIO? O estagiári deverá cnsultar junt a Seçã de Estági da CIEC ttal da carga hrária de estági, pis mesm é definid n Plan de Curs d Institut Federal. 17. QUAL A CARGA HORÁRIA DIÁRIA MÁXIMA PERMITIDA? A jrnada de atividade em estági será definida de cmum acrd entre a instituiçã de ensin, a parte cncedente e alun estagiári u seu representante legal, devend cnstar d term de cmprmiss, ser cmpatível cm as atividades esclares e nã ultrapassar: I 4 hras diárias e 20 hras semanais, n cas de estudantes de educaçã especial e ds ans finais d ensin fundamental, na mdalidade prfissinal da educaçã de jvens e adults; II 6 hras diárias e 30 hras semanais, n cas de estudantes d ensin superir, da educaçã prfissinal de nível médi e d ensin médi regular; 4

5 1º O estági relativ a curss que alternam teria e prática, ns períds em que nã estã prgramadas aulas presenciais, pderá ter jrnada de até 40 hras semanais, desde que previst n prjet pedagógic d curs da instituiçã de ensin. 18. QUAL A CONSEQUÊNCIA PREVISTA PARA A PARTE CONCEDENTE NO DESCUMPRIMENTO DO DISPOSTO NA LEI /2008? A manutençã de estagiári em descnfrmidade cm esta Lei caracteriza víncul empregatíci d educand cm a parte cncedente de estági para tds s fins da Legislaçã Trabalhista e Previdenciária (parágraf 1º d art. 15 da Lei /2008) 19. QUEM JÁ TERMINOU O CURSO E FOI DIPLOMADO PODE SER CONTRATADO COMO ESTAGIÁRIO?... Nã. Os estágis sã direcinads exclusivamente para quem ainda está matriculad e estudand. Para quem já se frmu, ideal sã s prgramas de trainee, vltads para s recém-frmads. 20. COMO PROCEDER PARA REALIZAR O ESTÁGIO? O estudante após definir a data e área deve prcurar pessalmente quem pderá prprcinar esta pssibilidade. Se nã cnseguir lcal nde pretende estagiar, deverá recrrer à Seçã de Estági da Crdenadria de Integraçã Escla Cmunidade. 21. QUAIS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS APRESENTAR NO LOCAL DE ESTÁGIO? O estudante se dirigirá à empresa na data slicitada, munid ds seguintes dcuments: I Plan de estági: Cmbine cm encarregad d seu estági, tds s detalhes para a realizaçã d mesm: dias de trabalh, hráris, tarefas, etc. II Ficha de Avaliaçã de estági. Diga a supervisr que n final d Estági ele fará a avaliaçã de Desempenh d estagiári e vcê deverá trazer para Institut esta ficha preenchida e assinada. II Carta de apresentaçã e u declaraçã matrícula. III Ficha de frequência diária e registr das atividades. Vcê deve registrar diariamente a tarefa executada e númer de hras de trabalh diári. A mesma nã deve ter rasuras e deve estar assinada pel supervisr de estági, respnsável pela unidade cncedente e pel estagiári. b) A trancament da matrícula pel estagiári. c) Na desistência d curs pel estagiári. d) Pel nã cmpareciment d alun a estági pr um períd superir a 05 dias, sem justa causa. e) Ambas as partes se sentirem prejudicads n andament da área pedagógica. f) Pel trancament da matrícula, abandn, desligament u cnclusã d curs na INSTITUIÇÃO DE ENSINO; g) Pel descumpriment das cndições d presente Term de Cmprmiss de Estági; CLÁUSULA QUINTA: DOS ENCARGOS SOCIAIS - O presente estági, nã acarretará víncul empregatíci de qualquer natureza, desde que bservads as dispsições da Lei n /08 e d presente Term de Cmprmiss. CLÁUSULA SEXTA:: DO SEGURO - O estagiári está assegurad cntra Acidentes Pessais pela Apólice de Segurs númer da Cmpanhia de Segurs, cuj prêmi será de respnsabilidade d mesm, em bediência a dispst n art. 4º da Lei nº , de 25 de setembr de CLÁUSULA SÉTIMA: DOS BENEFICIOS - De acrd cm a nrmativa Nº 7, de 30 de utubr de 2008 estági brigatóri smente será realizad sem ônus para s órgãs e entidades Parágraf únic: A eventual cncessã de benefícis relacinads a transprte, alimentaçã e saúde, entre utrs, nã caracteriza víncul empregatíci. (Artig 12 da 4º da Lei nº , de 25 de setembr de 2008.) CLÁUSULA OITAVA: DAS OBRIGAÇÕES DA UNIDADE CONCEDENTE - N desenvlviment d estági ra cmprmissad, caberá à Unidade Cncedente: Prprcinar a ESTAGIÁRIO, cndições prpícias para exercíci das atividades práticas cmpatíveis cm seu Plan de Atividades; a) Facilitar as atividades d Prfessr Orientadr para que mesm, juntamente cm Supervisr, pssa auxiliar estagiári em eventuais prblemas durante seu estági. b) Designar Sr., cupante d carg de para supervisr de Estági enquant vigrar presente Term de Cmprmiss. c) Avaliar através d Supervisr, desempenh d Estagiári de acrd cm as diretrizes frnecidas pela Instituiçã de Ensin. d) Cmunicar a Instituiçã de Ensin, a interrupçã e as eventuais alterações que crrerem neste Term de Cmprmiss. CLÁUSULA NONA: DAS OBRIGAÇÕES DO ESTAGIÁRIO - N desenvlviment d estagi ra cmprmissad, caberá a estagiári: a) Cumprir cm td empenh e interesse a prgramaçã estabelecida para seu estági. b) Observar e bedecer às nrmas internas da Unidade Cncedente. c) Cmunicar a Instituiçã de Ensin, qualquer fat relevante sbre seu estági. d) Respnder pr perdas e dans cnseqüentes da inbservância das nrmas internas da Unidade Cncedente u das cnstantes d presente Term de Cmprmiss. e) Respeitar, acatar rdens, bem cm nã divulgar quaisquer infrmações, dads, trabalhs reservads u cnfidenciais de que tiver cnheciment em decrrência d estági. CLÁUSULA DÉCIMA: DAS OBRIGAÇÕES DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO - N desenvlviment d estági curricular brigatóri caberá à Instituiçã de Ensin: a) Designar um Prfessr Orientadr que assessrará e acmpanhará estagiári. b) Avaliar, através d Prfessr Orientadr, após análise d Supervisr da Unidade Cncedente, relatóri Final elabrad pel alun cm base nas atividades executadas durante períd de estági. c) Frnecer, quand slicitad pela Unidade Cncedente, infrmações acerca da vida esclar d estagiári. E pr estarem de inteir e cmum acrd cm as cndições e cm text deste Term de Cmprmiss, as partes assinam em 3 (três) vias de igual ter, cabend a primeira via a Unidade Cncedente, a segunda via a estagiári e a terceira via a Instituiçã de Ensin. INSTITUIÇÃO DE ENSINO CONCEDENTE 22. O PLANO DE ESTÁGIO É NECESSÁRIO? Sim. Esse dcument tem bjetiv de apresentar as atividades as serem desenvlvidas pel alun na instituiçã u empresa. O plan de estági deve Demnstrar que alun terá a prtunidade de desenvlviment prfissinal, As atividades de estági a serem cumpridas pel estagiári serã desenvlvidas n seguinte hrári: h às h e das h às h, ttalizand hras diárias e hras semanais. (máxim de 6 (seis) hras diárias e 30 (trinta) hras semanais) Este Term de Cmprmiss de Estági terá vigência de / / a / /, pdend ser interrmpid a qualquer temp, mediante cmunicaçã escrita cm 5 dias de antecedência. ESTAGIÁRIO REPRESENTANTE LEGAL (estudante menr de 18 ans) 11 CLÁUSULA QUARTA: DA RECISÃO - O presente Term de Cmprmiss ficará rescindid ns seguintes cass: a) A términ d estági. 5

6 gem prprcinand preparaçã para trabalh prfissinal d ESTAGIÁRIO, pssibilitand-lhe aperfeiçament técnic-cultural, científic e de relacinament human, bem cm cndições de vivenciar e adquirir experiência prática em situações reais de trabalh em sua área de atuaçã. CLÁUSULA TERCEIRA: DO HORÁRIO E DA VIGÊNCIA - Fica cmprmissad entre as partes que: MODELO DE TERMO DE COMPROMISSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - CAMPUS INCONFIDENTES COORDENADORIA DE INTEGRAÇÃO ESCOLA COMUNIDADE TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO (Instrument jurídic de acrd cm a Lei Federal nº de 25 de setembr de 2008) As dias d mês de de 2009 na cidade de Incnfidentes nesta at, as partes a seguir nmeadas: INSTITUIÇÂO Interveniente: Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia Sul de Minas Gerais Campus Incnfidentes CNPJ: / Endereç: Praça Tiradentes, 416 Bairr: Centr CEP: Cidade: Incnfidentes UF: MG Fne: (35) Representada pr: Paul Rbert Ceccn Resp. pela assinatura d TCE: Jana Maria da Silva Brit Razã Scial: CNPJ/CPF: Endereç: Carg: DIRETOR Carg: Crdenadra da CIEC Bairr: CONCEDENTE CEP: Cidade: UF: Fne: Representada pr: Resp. pela assinatura d TCE: Nme: Endereç: Carg: ESTAGIÁRIO Bairr: CEP: Cidade: UF: Fne: Regularmente Matriculad: de Nível: Matricula n.: Dt. Nasciment: CPF/MF: Celebram entre si este TERMO DE COMPROMISO DE ESTÁGIO, ajustand as seguintes cláusulas: CLÁUSULA PRIMEIRA: DO OBJETO: Este instrument tem pr bjetiv estabelecer as cndições para a realizaçã de Estági e particularizar a relaçã jurídica especial existente entre ESTAGIÁRIO, a CONCEDENTE e a INSTITUIÇÃO DE ENSINO. CLÁUSULA SEGUNDA: DA FINALIDADE: O Estági Obrigatóri, definid n Prjet Pedagógic d Curs, ns terms da Lei n /08 e da Lei n 9.394/96 (Diretrizes e Bases da Educaçã Nacinal), entendid cm at educativ supervisinad, visa a cmplementaçã d ensin e da aprendiza - Carg: incrementand sua frmaçã cm realizaçã das atividades prgramadas. 23. QUANDO O ESTÁGIO SERÁ NECESSARIAMENTE REMUNERADO? Para estági nã brigatóri é cmpulsóri a cncessã u utra frma de cntraprestaçã que venha a ser acrdada, bem cm a cncessã d auxíli-transprte. Para estági brigatóri, a cncessã de blsa u utra frma de cntraprestaçã e auxíli-transprte é facultativa. (art.12 da lei nº /2008). Ressaltams que a mdalidade de estági adtad pr esse Institut Federal Campus Incnfidentes é estági brigatóri. 24. O QUE ACONTECE COM OS ESTÁGIOS FEITOS ANTES DA APROVAÇÃO DA DOCUMENTAÇÂO PELA SEÇÃO DE ESTÁGIO CIEC? Este serã cnsiderads trabalh, e nã estágis, pis a presença d alun na empresa nã estava ficializada. Esta situaçã pde trazer graves prblemas tant para a empresa cm para alun. A empresa estará desbedecend às leis trabalhistas e alun estará fazend um trabalh infrmal, u seja, sem víncul, que é irregular. 25. O ESTÁGIO DEVE TER ACOMPANHAMENTO EFETIVO PELO PROFES- SOR ORIENTADOR DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO E PELO SUPERVISOR DA PARTE CONCEDENTE? Sim. O estági cm at educativ esclar supervisinad deve ter acmpanhament efetiv pel prfessr rientadr da instituiçã de ensin e pel supervisr da parte cncedente, cmprvad pr vists ns relatóris de atividades (em praz nã superir a seis meses) e pr mençã de aprvaçã final ( 1º d art. 3º). O supervisr da parte cncedente smente pde rientar e supervisinar até 10 (dez) estagiáris simultaneamente (incis III, d art. 9º). 26. QUAL O PROCEDIMENTO APÓS RELIZAR O ESTÁGIO? O alun a retrnar a Instituiçã, deverá dirigir-se à CIEC cm Plan de Estági, Ficha de Avaliaçã de Desempenh d estagiári e ficha de presença, devidamente assinads pela Cncedente. Feit iss a CIEC rientará s próxims prcediments. Seu relatóri deverá ser analisad pel prfessr da área técnica, deste Institut, qual emitirá um parecer aprvand u nã mesm. Após a análise feita pel prfessr, estagiári deverá entregar seu relatóri em data estabelecida pela mesma. Os estudantes ds curss superires, após a cnclusã d estági, deverã apresentar à Cmissã de Avaliaçã de Estági (CAVE) relatóri das atividades d estági cntend: plan inicial, descriçã detalhada das atividades e 10

7 cnclusã. E após aprvaçã d mesm, deverá entregar na seçã de estági da Crdenadria de Integraçã Escla Cmunidade - CIEC, em datas estabelecidas n calendári esclar de cada campi. 27. DE QUE SE TRATA A LEI DE SETEMBRO DE 2008? Dispõe sbre estági de estudantes; altera a redaçã d art. 428 da Cnslidaçã das Leis d Trabalh CLT, aprvada pel Decret-Lei 5.452, de 1 de mai de 1943, e a Lei 9.394, de 20 de dezembr de 1996; revga as Leis n s 6.494, de 7 de dezembr de 1977, e 8.859, de 23 de març de 1994, parágraf únic d art. 82 da Lei 9.394, de 20 de dezembr de 1996, e art. 6 da Medida Prvisória , de 24 de agst de 2001; e dá utras prvidências. 6 ANEXOS Mdels de dcuments para estági: 7 VANTAGENS NA REALIZAÇÃO DE UM ESTÁGIO O Estági nã é apenas um mei de frmar bns prfissinais, ele permite a estudante as seguintes vantagens: Entrar em cntat cm ambiente de trabalh em que irá exercer, depis de frmad, sua prfissã. Aprender na prática que é ensinad tericamente n curs. Levar para curs a experiência adquirida durante estági, que clca em cndições de transmitir as prfessres e clegas infrmações úteis sbre a atividade prfissinal. Participar, antes de terminar curs, de tarefas que auxiliarã sua frmaçã prfissinal. PLANO DE ESTÁGIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTAGIÁRIO Alun (a): Matrícula: Curs: Períd d Curs: Prfessr Orientadr: 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO/ EMPRESA Instituiçã/Empresa: Endereç: Cidade: CEP Bairr - Fne ( ) CNPJ: DICAS PARA O SEU DIA A DIA A apresentar-se para estági e durante mesm, cuide sempre de sua aparência pessal. Seja crdial. Cumprimente diariamente seus superires e clegas. Seja discret na sua frma de vestir. Clabre cm as pessas cm as quais se relacina na empresa. Chame as pessas pel nme, cnverse cm elas lhand ns lhs. Preste atençã n que estã faland e em cas de dúvidas, pergunte. Apresente sugestões quand slicitad, n que diz respeit à execuçã das atividades. Zele pels equipaments da empresa. Prcure aperfeiçar sua frma de cmunicaçã e pstura crpral. Se prmeter prcure cumprir u avise assim que se sentir impssibilitad de fazê-l. Aceite críticas, pense a respeit e tire prveit ds ensinaments. Nme d Prprietári: CPF: Nme d Supervisr: CPF: Área(s) de atuaçã da Empresa: A Empresa pssui técnic(s)? Qual sua frmaçã? 3. IDENTIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO 3.1 Objetivs a serem alcançads: 3.2 Áreas(s) de cnheciment envlvidas n estági: 3.3 Atividades a serem desenvlvidas n estági: DATAS PREVISTAS: Iníci d estági de / / Cnclusã d estági / /

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Departamento: Engenharias e Ciência da Computação - DECC Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Departamento: Engenharias e Ciência da Computação - DECC Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Departament: Engenharias e Ciência da Cmputaçã - DECC Curs: Bacharelad em Sistemas de Infrmaçã Manual de Estági d Curs de Sistemas de Infrmaçã Este dcument apresenta as principais rientações para a realizaçã

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013 Salvadr, Bahia Sexta-feira 19 de Julh de 2013 An XCVII N 21.187 EDITAL Nº 073/2013 FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA SELEÇÃO DE DIVULGADORES DO PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014 DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 1º semestre / 2015 O FGV Law Prgram da Escla

Leia mais

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA O presente dcument tem cm bjetiv dispnibilizar a divulgaçã ficial das cndições estabelecidas pel Sesc Santa Catarina para

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd diurn para aluns regularmente

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora:

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora: Regulament intern A Em Camp pera cm a marca MyCamp e é uma entidade que prmve e rganiza prgramas para crianças, nmeadamente camps de férias, estadias e circuits temátics. Realizams atividades destinadas

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Manual de Estágio Não Obrigatório

Manual de Estágio Não Obrigatório Manual de Estágio Não Obrigatório Faculdade Antonio Meneghetti Recanto Maestro, 2010 1 Introdução A lei nº 11.788/2008 define estágio como o ato educativo escolar, supervisionado, desenvolvido no ambiente

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Objetivos. A quem se destina. Programa. Comportamento de Compra do Shopper. Natureza da compra. Lógica de escolha. Compras planejadas e não planejadas

Objetivos. A quem se destina. Programa. Comportamento de Compra do Shopper. Natureza da compra. Lógica de escolha. Compras planejadas e não planejadas Sluções in Stre Objetivs Evidenciar s pilares fundamentais para desenvlviment de um trabalh cm categrias e marcas n Pnt de Venda, munind s participantes de infrmações que permitam cnhecer shpper e sua

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos Cinc Passs para Prteger Nssas Crianças 1º Pass: Infrme-se sbre s Fats 2º Pass: Reduza Oprtunidades 3º Pass: Cnverse sbre Assunt 4º Pass: Recnheça s Sinais 5º Pass: Reaja de Frma Respnsável Cinc Passs para

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Referência: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centr de Referência: Universidade Federal d Ri Grande d Nrte Edital para Seleçã de Preceptres de internat, estágis e residência em saúde. EDITAL 01/2015 A Universidade Federal d Ri Grande d Nrte, pr mei

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS

Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS Versão 1.0 2015 I. Introdução Consistirá o estágio em um período de trabalho, realizado pelo aluno, sob o controle de uma autoridade docente, em um estabelecimento

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS PARA DISCENTES NOS PROJETOS DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES EM 2015.2

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS PARA DISCENTES NOS PROJETOS DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES EM 2015.2 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS PARA DISCENTES NOS PROJETOS DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES EM 2015.2 A Faculdade ASCES, através d Núcle de Extensã e Atividades Cmplementares,

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility Guide t Cmenius Individual Pupil Mbility 1 2 Guia 2012 da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS 3 4 Guia da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS Índice/Estrutura da apresentaçã em linha ds dcuments

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS DISCIPLINA: Educaçã Musical ANO LETIVO: 2015/2016 Critéris de Avaliaçã Avaliar nã é apenas examinar e classificar. A avaliaçã cnstitui um prcess reguladr das aprendizagens, rientadr d percurs esclar e

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO FEAU/UNIVAP CAPÍTULO I. Da Origem, Definição e Finalidades

NORMAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO FEAU/UNIVAP CAPÍTULO I. Da Origem, Definição e Finalidades NORMAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO FEAU/UNIVAP CAPÍTULO I Da Origem, Definição e Finalidades Artigo 1º - O Estágio Supervisionado é uma atividade obrigatória

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais