Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE"

Transcrição

1 Referência: CPA Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments para seleçã de chefias d INPE Lista de Distribuiçã Organizaçã Para Cópias INPE Unidades da Estrutura Organizacinal d INPE (TQ-001)

2 Históric d Dcument Versã Alterações 1.0 Versã elabrada pel GCMIG em cnjunt cm GEOPI. Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 2/13

3 Sumári APRESENTAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL NO INPE VISÃO GERAL DO PROCESSO DE ESCOLHA DE CHEFIAS NAS ORGANIZAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA DE CHEFIAS NO INPE: UMA PROPOSTA CHEFIAS UN CHEFIAS UN CHEFIAS UGS COORDENADORES DE PROGRAMAS INTERNOS PERMANÊNCIA NO CARGO, RECONDUÇÃO E AVALIAÇÃO SIGLAS E ABREVIATURAS ANEXO 1: CLASSIFICAÇÃO DO UN1, UN2 E UG DE ACORDO COM ORG E RE/DIR ANEXO 2: EXEMPLO DE EDITAL Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 3/13

4 Apresentaçã O INPE, especialmente em funçã d planejament estratégic iniciad em 2006, está passand pr um prcess de revisã e aperfeiçament de suas estratégias crprativas. Faz parte deste prcess, prmver a mdernizaçã da gestã d Institut, que implica, entre utras iniciativas, cnstituir uma equipe gerencial, técnic-científica e administrativa capaz e dispsta a implementar tais estratégias. Particularmente, n que se refere a quadr gerencial, destaca-se a imprtância de se estabelecer prcediments e critéris para seleçã das chefias que permitam selecinar s perfis mais adequads à funçã. Nesta perspectiva, cube a Grup de Cmpetências Mdel Institucinal e de Gestã (GCMIG) elabrar uma prpsta inicial destes critéris e prcediments. Este dcument apresenta algumas infrmações sbre tema e também a prpsta d Grup, tend cm base a RE-DIR 119, dcuments elabrads na primeira fase d Planejament Estratégic (GT-9 Benchmark) e experiências de utras rganizações. 1. Situaçã atual n INPE A primeira iniciativa d GCMIG fi fazer um levantament ds dcuments nrmativs que regem a seleçã de chefias d Institut. Nesta pesquisa, identificu-se a RE-DIR 119 Cmitês assessres das unidades finalísticas, a qual estabelece cm uma das atribuições destes Cmitês assessres: frmular e implementar prcess de esclha de chefe da unidade finalística N entant, fi cnstatad que, à exceçã da lista tríplice, da duraçã d mandat e da recnduçã única para a esclha de chefias das unidades finalísticas, a RE nã define nenhuma regra u cnjunt de diretrizes a serem bservadas pelas unidades finalísticas em terms d prcess de seleçã de chefias n primeir nível da estrutura funcinal nem de chefias internas às unidades. Prtant, as mudanças e esclhas de chefias crrem (crdenaçã de unidades, chefes de divisã, gerentes de prgramas e de prjets) de frma particular em cada unidade rganizacinal seguind prcediments interns. Se pr um lad, fat de atribuir a Cmitê Assessr de cada área estabeleciment deste prcess denta respeit pelas especificidades das unidades, pr utr, risc de desnivelament na qualidade das práticas de gestã é alt, pdend cmprmeter a gvernabilidade da instituiçã cm um td. Outra cnstataçã d GCMIG é que prcess de esclha de chefias vigente, balizad pela RE, nã abrange s Centrs Reginais e as unidades de gestã. Ressalta-se que s Centrs Reginais apresentam atualmente, características de atividades finalísticas, que pr si só já justificaria sua inclusã neste prcess. Diante desse quadr, e cnsiderand ainda que nã há um prcess unifrme de esclha de chefias institucinalizad, Grup cnsideru que existe uma prtunidade para delinear uma nva prpsta que melhre a qualidade d prcess de esclha. Para subsidiar este trabalh sã apresentadas a seguir algumas cnsiderações sbre prcess de esclha de chefias. 1 Crdenações Gerais: Ciências Espaciais e Atmsféricas, de Engenharia e Tecnlgia Espacial, de Observaçã da Terra, Centr de Previsã d Temp e Estuds Climátics, a Crdenaçã de Labratóris Assciads e de Rastrei e Cntrle de Satélite e, Labratóri de Integraçã e Testes. Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 4/13

5 2. Visã geral d prcess de esclha de chefias nas rganizações As cmpetências gerenciais demandadas pels setres públic e privad, a mesm temp em que apresentam pnts cmuns, se diferenciam em váris aspects. Pr esta razã, prcess de seleçã deve ser estruturad cnsiderand, entre utrs fatres, a natureza e a missã da rganizaçã. É necessári cnsiderar que a adequabilidade de cada um ds prcediments depende de fatres cm mdel de gestã e estrutura de gvernança; nível hierárquic da chefia; atribuições/respnsabilidades; dispnibilidade de prfissinais para desempenhar a funçã. De uma maneira bem abrangente pdem-se destacar s seguintes prcediments para a seleçã/esclha de chefias nas rganizações: As chefias sã identificadas e indicadas pela alta gestã a qual estabelece seus própris critéris. A partir de eleiçã direta mediante indicaçã ds pares. Prcess mais ampl em que, a partir de critéris previamente definids, Cmitês de Especialistas (cmitês de busca) identificam e indicam pessas para cupar s cargs de chefia. N âmbit d MCT, pr exempl, a nmeaçã para s cargs de Direçã das Unidades de Pesquisa é feita pel ministr a partir de uma lista tríplice elabrada pr cmitês de especialistas, indicads pel ministr, que buscam identificar, nas cmunidades científica, tecnlógica e empresarial, prfissinais alinhads cm as diretrizes técnicas e plíticadministrativas estabelecidas para a instituiçã. Os Cmitês de Busca (CB) sã uma sistemática criada pel MCT para dar um tratament unifrme à esclha ds dirigentes ds seus instituts de pesquisa. O bjetiv é garantir isençã e excelência na esclha ds diretres das unidades vinculadas a MCT. A primeira implementaçã de um Cmitê de Busca nesses mldes acnteceu em 1999, para a esclha d diretr d Institut Nacinal de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCT). OS CBs sã cnstituíds de especialistas que, pr mei de editais públics de chamadas de candidaturas, amplamente divulgads, buscam identificar dentre integrantes da esfera pública, da cmunidade científica-tecnlógica e d mei empresarial, nmes que se identifiquem cm as diretrizes técnicas e plític-administrativas estabelecidas para a instituiçã e reúnam as cndições técnicas para a sua gestã ( Outras frmas de indicaçã para cargs de chefias existem. Um exempl é da Embrapa, rganizaçã vinculada a Ministéri da Agricultura, Pecuária e Abasteciment (MAPA) que desde 1996 integra a mecanism de Cmitê de Busca um prcess de avaliaçã e seleçã, que tem permitid mair estabilidade plítica/institucinal à Empresa; além de privilegiar s candidats cm melhres cmpetências, cnheciment e habilidades. O que se bserva é que existe uma tendência de se adtar prcesss mais aberts e participativs que dã mair legitimidade, pssibilitand mair rtatividade e prfissinalizaçã para funções gerenciais. A qualidade d prcess de Esclha de Chefias envlve melhria cntínua guiada pela clareza na caracterizaçã d perfil para carg a ser preenchid; ds critéris de esclhas; da cnvergência da prpsta de gestã cm s bjetivs d Plan Diretr (PD) da instituiçã; na avaliaçã d nível de empatia cm s subrdinads; da capacidade gerencial esperada; d cnheciment técnic para a funçã, etc. Estes elements Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 5/13

6 estabelecem a base necessária para avaliar s diverss candidats, de frma que a esclha recaia sbre as melhres pções dispníveis. 3. Prcess de esclha de chefias n INPE: uma prpsta Esta prpsta de esclha de chefias fi delineada cm base na atual estrutura rganizacinal d INPE e abrange nível gerencial das atividades finalísticas (Crdenações Gerais, Crdenaçã, Centrs incluind s Centrs Reginais, Labratóri de Integraçã e Testes), dravante UN1, e também nível das divisões, ds labratóris e ds serviçs, denminads UN2, assim cm as unidades de gestã, chamadas UG, e a crdenaçã de prgramas interns. As classificações de UN1, UN2 e UG a partir d rgangrama atual encntram-se n Anex 1. Cnfrme apresentad nesta seçã, as prpstas para estes níveis de crdenaçã/chefias apresentam pnts cmuns, mas também especificidades. A adçã de prcesss mais aberts e demcrátics cm prpst neste dcument representa mudança de cmprtament. Dessa frma, entende-se que sua efetividade demanda ações adicinais, cm pr exempl, a implantaçã de prgramas de capacitaçã gerencial que pssam garantir a frmaçã e dispnibilidade de prfissinais cm perfil adequad. Esta prpsta d GCMIG implicará alterações na RE-DIR 119, particularmente, n que se refere às atribuições ds Cmitês Assessres. Outr aspect a ser destacad é que a implementaçã d PD pderá resultar mudanças na estrutura rganizacinal d INPE. Send assim, esta prpsta deve ser revisada, prtunamente, de frma a alinhá-la a uma pssível nva cnfiguraçã. Finalmente, é necessári destacar que a adçã desta prpsta n INPE deve ser um prcess planejad e cm substituiçã nã necessariamente simultânea das chefias, de maneira a nã prvcar rupturas n andament das atividades. Prtant, nã está vinculad à mudança d Diretr. As premissas que devem balizar prcess sã: Manter cnsnância cm as abrdagens praticadas pel MCT, que sã baseadas em prcesss de busca, na esclha das chefias de suas Unidades de Pesquisa. Respeitar as particularidades das unidades, definind critéris e prcediments cmpatíveis cm suas especificidades. Estabelecer a descriçã d carg e d perfil gerencial (cnheciments, habilidades e cmpetências), assim cm s requisits de desempenh tend cm base as estratégias rganizacinais. Cnsultar a cmunidade relacinada à unidade para esclha ds candidats. Estabelecer ampl prcess de divulgaçã ds prcediments e critéris de seleçã, bem cm d andament ds mesms. Permitir que a unidade cm um td, na figura de seus funcináris, tenha acess à lista ds candidats, suas prpstas e currículs. Atribuir a Diretr a prerrgativa da indicaçã final, a partir de indicações d Cmitê, apresentadas em lista tríplice, n cas da UN1. Atribuir a Crdenadr de UN1 a prerrgativa da indicaçã final, a partir de indicações d Cmitê, apresentadas em lista tríplice, n cas da UN2. Esta indicaçã deverá ser submetida a Diretr para aprvaçã. Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 6/13

7 Divulgar amplamente n INPE s prcesss de seleçã de chefias Chefias UN1 Para este nível gerencial prpõe-se um prcess mais ampl e que garanta a participaçã de especialistas externs, tant n prcess de esclha cm na cupaçã de cargs gerenciais. Para ist, prevê-se a institucinalizaçã de Cmitês de Busca e a adçã de editais 2. Este prcess é instituíd e acmpanhad pel respectiv Cmitê Assessr da UN1, que deverá estabelecer perfil d gestr a ser cnsiderad n prcess de seleçã ds candidats. Este perfil deverá ser submetid à aprvaçã da direçã. Sbre s Cmitês de Especialista/Busca destacam-se: Cmpsiçã: Cinc prfissinais de recnhecida cmpetência técnica, gerencial e administrativa; deve-se garantir que pel mens, dis sejam prfissinais interns d INPE e dis sejam externs a Institut. Os nmes destes 5 prfissinais serã indicads pel Cmitê Assessr da UN1 e submetids à aprvaçã da Diretria Clegiada. Cabe destacar que Diretr tem pder de vet quant à cmpsiçã deste cmitê. Atribuições: Cabe as Cmitês de Busca rganizar e implementar prcess de esclha das chefias, que inclui: Definir s critéris de avaliaçã ds candidats, respeitand as especificidades de cada UN1. Elabrar edital para chamada ds candidats e garantir a cntinuidade d prcess. Buscar candidats que atendam a perfil, à capacidade e a ptencial gerenciais delineads. Avaliar s candidats, tend cm base critéris previamente definids. Slicitar a Cmitê Assessr da UN1 uma cnsulta para avaliar nível de aceitaçã da unidade a ser gerenciada e utrs atributs julgads necessáris de cada candidat. Indicar à Diretria Clegiada s candidats mais apts a cupar carg mediante uma lista cm até três candidats, rdenada pr classificaçã. Critéris: N prcess de esclha da chefia deve-se privilegiar indivídu capaz de prpr/apiar/viabilizar as estratégias rganizacinais e que integre cmpetências/capacidades técnicas, administrativas e de relacinament interpessal. Esta esclha d candidat deve ser feita cm base em: Currícul (frmaçã acadêmica e prfissinal). Prpsta de trabalh, a qual deve estar vltada para a implementaçã d Plan Diretr (PD) e, prtant, em cnsnância cm as estratégias e bjetivs d INPE. 2 O Anex 2 apresenta um mdel de edital que pderá ser adtad cm referência para implementaçã d prcess de busca. Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 7/13

8 Capacidade e ptencial gerenciais/aspects cmprtamentais: (liderança; identificar e slucinar prblemas; tmar decisões; implementaçã de ações/decisões; gerenciar pesquisas e prcesss interns a área; cnduzir equipes; cnhecer as estratégias rganizacinais; relacinar-se cm as diversas áreas; ter recnheciment intern/extern). Nível de aceitaçã d candidat pela unidade a ser gerenciada. Cmpetem as Cmitês Assessres das UN1 neste prcess: Indicar s nmes para cmpsiçã d Cmitê de Busca e submetê-ls à aprvaçã da Diretria Clegiada d INPE. Estabelecer perfil requerid para carg, submetend- à aprvaçã da Direçã. Acmpanhar prcess de esclha pr Cmitês de Busca para a cupaçã de cargs gerenciais das UN1. Cnsultar seus pares sbre nível de aceitaçã ds candidats pela UN1, manifestad a Cmitê de Busca pr pntuaçã as candidats Chefias UN2 Neste nível prcess segue as mesmas bases adtadas para as UN1. O element de diferenciaçã refere-se à cmpsiçã d Cmitê de Busca, cnfrme especificad, a seguir: Cmpsiçã: Cinc prfissinais de recnhecida cmpetência técnica, gerencial e administrativa, send dis membrs externs à UN1 e três membrs interns à UN1, tds indicads pel Cmitê Assessr da UN1. Nesta cmpsiçã deve-se garantir que pel mens dis membrs sejam da referida UN2. Atribuições: Cabe as Cmitês de Busca rganizar e implementar prcess de esclha das chefias, que inclui: Definir s critéris de avaliaçã ds candidats, respeitand as especificidades da UN2. Fazer a chamada ds candidats e garantir a cntinuidade d prcess. Buscar candidats que atendam a perfil, à capacidade e a ptencial gerenciais delineads. Avaliar s candidats, tend cm base critéris previamente definids. Realizar uma cnsulta para avaliar nível de aceitaçã da unidade a ser gerenciada e utrs atributs julgads necessáris de cada candidat. Indicar a gestr da UN1 s candidats mais apts a cupar carg pr mei de uma lista cm até três candidats, rdenada pr classificaçã. Critéris: Os critéris apresentads n item 3.1 devem ser bservads pel Cmitê de Busca neste segund nível. Nas demais unidades subrdinadas às UN1s a esclha será feita pel Cmitê Assessr, seguind s mesms critéris acima especificads. Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 8/13

9 3.3. Chefias UGs Para as UGs recmenda-se que a seleçã seja feita pela Diretria Clegiada mediante chamada simplificada via Intranet para candidatura de prfissinais (eventualmente candidat pderá ser extern a INPE) cm cmprvada cmpetência técnica, administrativa e de relacinament interpessal. Nesta chamada perfil desejad a carg deve ser especificad. Devem ser respeitads critéris que, além de atender perfil especificad, privilegiem indivídu capaz de prpr/apiar/viabilizar as estratégias rganizacinais, em cnsnância cm as metas da área, tmand-se pr base: Currícul (frmaçã acadêmica e prfissinal). Prpsta de trabalh, a qual deve estar vltada para a implementaçã d PD e, prtant, em cnsnância cm as estratégias e bjetivs d INPE. Capacidade e ptencial gerenciais/aspects cmprtamentais: (liderança; identificar e slucinar prblemas; tmar decisões; implementaçã de ações/decisões; gerenciar prcesss interns a área; cnduzir equipes; cnhecer as estratégias rganizacinais; relacinar-se cm as diversas áreas; recnheciment intern/extern). Respald ds funcináris alcads à unidade, evidenciad pr mei de cnsultas. Nas unidades subrdinadas às UGs a esclha será feita pela Diretria Clegiada, em cnsnância cm titular da respectiva UG, seguind s mesms critéris acima especificads Crdenadres de Prgramas Interns Cnsiderand vital um perfil gerencial e cnheciment técnic para exercer a funçã de Gerente de Prgramas Interns, recmenda-se que a esclha de prfissinais para este carg seja feita mediante indicaçã d Cmitê de Prgramas, cm decisã final e designaçã pela Diretria Clegiada. Devem ser respeitads critéris que, além de atender perfil especificad, privilegiem indivídu capaz de prpr/apiar/viabilizar as estratégias rganizacinais, em cnsnância cm as metas da área, tmand-se pr base: Currícul (frmaçã acadêmica e prfissinal). Capacidade e ptencial gerenciais/aspects cmprtamentais: (liderança; identificar e slucinar prblemas; tmar decisões; implementaçã de ações/decisões; gerenciar atividades d prgrama; cnduzir equipes; cnhecer as estratégias rganizacinais; relacinar-se cm as diversas áreas; recnheciment intern/extern). 4. Permanência n carg, recnduçã e avaliaçã Recmenda-se a permanência de três ans para tds s níveis, cm direit a uma única recnduçã. Tant a permanência quant a recnduçã serã respaldadas pela avaliaçã de desempenh em cnfrmidade cm a Prpsta de Avaliaçã (prevista pel PD). N cas da recnduçã, além da avaliaçã de desempenh, deverá haver aprvaçã da Diretria Clegiada. Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 9/13

10 5. Siglas e Abreviaturas AE AEB AMZ C&T C,T&I CA CB CBE CIE CEA CP CPTEC CRN CRS CTE DAE DAS DSA DEA DGE DGI DMA DMC DMD DOP DPI DSE DSR DSS Embrapa ETE GCMIG GEOPI Açã Estratégica Agência Espacial Brasileira Prgrama Amazônia Ciência e Tecnlgia Ciência, Tecnlgia e Invaçã Cmitê Assessr de Unidade Finalística Cmitês de Busca Crdenaçã d Prgrama Sin-Brasileir Crdenaçã Científica Crdenaçã-geral de Ciências Espaciais e Atmsféricas Cmitês de Prgramas Centr de Previsã de Temp e Estuds Climátics Centr Reginal d Nrdeste Centr Reginal Sul Centr de Tecnlgias Especiais Divisã de Aernmia Divisã de Astrfísica Divisã de Satélites e Sistemas Ambientais Divisã de Eletrônica Aerespacial Divisã de Gefísica Espacial Divisã de Geraçã de Imagens Divisã de Divisã de Mecânica Espacial e Cntrle Divisã de Mdelagem e Desenvlviment Divisã de Operações Divisã de Prcessament de Imagens Divisã de Sistemas Espaciais Divisã de Sensriament Remt Divisã de Desenvlviment de Sistemas de Sl Empresa Brasileira de Pesquisa Agrpecuária Crdenaçã-geral de Engenharia e Tecnlgia Espacial Grup de Cmpetência Mdel Institucinal e de Gestã Grup de Estuds de Organizações de Pesquisa e da Invaçã Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 10/13

11 GT INPE LAC LAP LAS LCP LIT MCT OBT OE P&D PAN PD PMM RE SCE TEC UG UN1 UN2 Grup Temátic Institut Nacinal de Pesquisas Espaciais Labratóri Assciad de Cmputaçã e Matemática Labratóri Assciad de Plasma Labratóri Assciad de Sensres Materiais Labratóri Assciad de Cmbustã e Prfusã Labratóri de Integraçã e Testes Ministéri da Ciência e Tecnlgia Crdenaçã-geral de Observaçã da Terra Objetiv Estratégic Pesquisa e Desenvlviment Prjet Antártic Plan Diretr Prgrama de Satélites Baseads na Platafrma Multimissã Resluçã Prgrama Satélites Científics e Experiments Crdenaçã Tecnlógica Unidades de Gestã Unidades d Grup 1 (Crdenações Gerais, Crdenaçã, Centrs incluind s Centrs Reginais, Labratóri de Integraçã e Testes), Unidades Grup 2 (Divisões, Labratóris e Serviçs) Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 11/13

12 Anex 1: Classificaçã d UN1, UN2 e UG de acrd cm ORG e RE/DIR Quadr 1: Classificaçã das unidas segund a estrutura vigente UN1 UN2 UG Prgramas Interns CRN CRS CPT DMD, DMA, DSA, DOP CEA DAS, DAE, DGE, SLB PAN OBT DSR, DPI, DGI AMZ, ACB ETE DEA, DSS, DMC, DSE CBS, PMM, SCE CTE LAC, LCP, LAP, LAS CRC LIT CRH CAD CPA GB/SID GB/STI CIE/SGC CBE Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 12/13

13 Anex 2: Exempl de Edital Data: 9/7/2008 Hra: 5:46 PM Versã: 1.0 Pág: 13/13

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA O presente dcument tem cm bjetiv dispnibilizar a divulgaçã ficial das cndições estabelecidas pel Sesc Santa Catarina para

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE Lei 11.091/2005 Decret 5.825/2006 Decret 5.707/2006 Resluçã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL PARA O SEGUNDO PERÍODO LETIVO DE 2014. 1. PREÂMBULO 1.1. O Crdenadr d Prgrama de

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013 Salvadr, Bahia Sexta-feira 19 de Julh de 2013 An XCVII N 21.187 EDITAL Nº 073/2013 FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA SELEÇÃO DE DIVULGADORES DO PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014 DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico Implantaçã d Escritóri de Prjets na área de RH: Um lhar estratégic Regina Buzetti Meneghelli UO-ES/RH Alexandre de Castr Faria Fidelis UO-ES/RH O gerenciament de prjets é utilizad pr rganizações ds mais

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM XX Prêmi Expcm 2013 Expsiçã da Pesquisa Experimental em Cmunicaçã Plan de Assessria de Cmunicaçã d Prjet de Estági e Empregabilidade - PROJEM August Sares de Mel e SOUZA 1 Felipe de Oliveira TODESCHINI

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS UTILIZANDO O MÉTODO ELECTRE TRI

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS UTILIZANDO O MÉTODO ELECTRE TRI ISSN 2175-6295 Ri de Janeir- Brasil, 12 e 13 de agst de 2010 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS UTILIZANDO O MÉTODO ELECTRE TRI Rberta Braga Neves Universidade Federal Fluminense Niterói,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Inserçã da Psiclgia em um Núcle de Estuds da Vilência Dméstica e Familiar Cntra a Mulher na Cidade de Pnta Grssa PR Geórgia Grube Marcinik * Gisah Cristine Salum** Resum: O presente artig tem cm tema principal

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment

Leia mais

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA Organizaçã: Parceria: I WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA EXAMES DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO A ANCORD já certificu mais de 14.000 Agentes Autônms de Investiment. Obs.: A

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário

Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário ASSCIAÇÃ BRASILIRA NRMAS TÉCNICAS NFIRMAÇÃ D NRMA BRASILIRA ABNT NBR IS 9000:2005 Sistemas de gestã da qualidade Fundaments e vcabulári A ABNT, cnsiderand que a Nrma Internacinal (IS 9000:2005) fi cnfirmada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m AUTOR NICOLAU BELLO 1 N I c b e l @ h t m a I l. C m PROPÓSITO DAS INVESTIGAÇÕES Ter relatóris ds acidentes Respstas imediatas inicial Reunir às evidências Análises de suas causas. Ações crretivas. Relatóris

Leia mais

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company.

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company. A Stavale & CCT ferece treinaments aberts e in cmpany. Clabradres mais qualificads e empresa mais lucrativa. Sluções mais rápidas e efetivas. Treinaments custmizads para sua empresa. Dispms de sala cm

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais