DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS"

Transcrição

1 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris de Equidade na Aplicaçã ds Recurss Limitações na Aplicaçã ds Recurss Prjets ns demais bimas brasileirs G1 G4 Critéris Orientadres G5 G14 Cndicinantes Mínims para Prjets G15 G16 Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss G17 G19 Restriçã de Us ds Recurss G20 Critéris de Equidade na Aplicaçã ds Recurss Prjets em utrs países trpicais H1 H3 Critéris Orientadres H4 H12 Cndicinantes Mínims para Prjets H13 H14 Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss H15 H17 Restriçã de Us ds Recurss H18 Critéris de Equidade na Aplicaçã ds Recurss CONSOLIDADO EM:

2 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDO AMAZÔNIA NO BIOMA AMAZÔNIA Área de Aplicaçã Limite de aplicaçã d ttal ds recurss dispníveis n an Prjets n Bima Amazônia sem limite A - F Tabelas A. Critéris Orientadres Códig Critéris A1 A2 A3 A4 A5 A6 Gegráfic Temátic Diversidade de Atres Envlvids e Gvernança Cmpartilhada Públic Alv Relevância Linhas de Aplicaçã BNDES B. Cndicinantes Mínims para Prjets Códig Cndicinantes B1 B2 B3 B4 B5 Indicadres de resultads Prpnentes / Executres Participaçã Scial Cerência cm Áreas Temáticas Fund Amazônia Cerência cm Plan Federal e s Plans Estaduais de Prevençã e Cmbate a Desmatament C. Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Códig Mdalidades C1 C2 C3 C4 C5 Aplicaçã Direta Investiment Aplicaçã Direta Custei Pagament pr serviçs ambientais Serviçs Cntinuads de Lng Praz Aplicaçã Indireta D. Restriçã de Us ds Recurss Códig Restrições D1 D2 D3 Diárias Pagament de pessas físicas Impsts e tributs E. Critéris de Equidade de Aplicaçã ds Recurss Códig Critéris Equidade na aplicaçã de recurss pr E1 Estad E2 Equidade pr tip de prpnente B6 B7 B8 B9 B10 B11 B12 B13 B14 B15 Cerência cm PAS Cntribuiçã para REDD Adicinalidade de Recurss Cntrapartida Base Territrial Publicidade e Transparência Sustentabilidade d Prjet Descncentraçã ds Recurss Benefícis de Us Cletiv Nã substituiçã de utras fntes de financiament F. Limitações na Aplicaçã ds Recurss Códig Limitações F1 F2 F3 F4 Prjets cm fins ecnômics Prjets cm fins ecnômics de api a grups sciais fragilizads Prjets cm fins ecnômics de Arranjs Prdutivs Lcais (APLs) de us cletiv Prjets cm fins ecnômics de pesquisa científica e tecnlógica desenvlvids em cperaçã entre Instituições Tecnlógicas (ITs) e entidades cm fins ecnômics. 2

3 A1 - Gegráfic CRITÉRIOS ORIENTADORES Prjets realizads ns municípis priritáris para prevençã, mnitrament e cmbate a desmatament (a definiçã destes municípis é realizada em cnfrmidade cm art. 2 d Decret 6.321/2007); Prjets realizads ns municípis sbre área de influência de grandes bras d PAC; e Prjets realizads ns municípis/regiões cm mair cnservaçã da cbertura flrestal. A2 - Temátic Ações para valrizar a flresta em pé (cnservaçã e us sustentável) a) Prmçã e increment na escala de prduçã de cadeias prdutivas de prduts flrestais madeireirs e nã madeireirs riginads em manej sustentável da flresta incluind plans de manej, pesquisa, invaçã, e difusã científica e tecnlógica, desenvlviment de mercad, treinament e capacitaçã; b) Implementaçã de sistemas de pagament pr serviçs ambientais assciads a increment e/u manutençã da cbertura flrestal e/u sistemas flrestais e agrflrestais; c) Desenvlviment e implantaçã de mdels de recuperaçã de APPs e Reserva Legal, cm ênfase n us ecnômic; - O us ecnômic de APPs smente será apiad ns terms da legislaçã em vigr. d) Cnslidaçã de áreas prtegidas, em especial as Unidades de Cnservaçã de Uss Sustentável e Terras Indígenas; Ações para prmver rdenament territrial e regularizaçã fundiária e) Destinaçã de Flrestas Publicas nã Destinadas, cm a pririzaçã para as flrestas cmunitárias; f) Repressã à grilagem de terras, regularizaçã e rdenament fundiári, preferencialmente em áreas cm mair cncentraçã de psses e/u cnflits; Regularizaçã fundiária inclui s prcesss de regularizaçã e acmpanhament desses prcesss pela sciedade Ações para estruturar e integrar s sistemas de cntrle, mnitrament e fiscalizaçã ambiental na Amazônia g) Api à estruturaçã ds órgãs estaduais respnsáveis pela gestã ambiental estadual; h) Api à implementaçã de sistemas municipais de mnitrament e fiscalizaçã ambiental; i) Estruturaçã e integraçã ds sistemas de cntrle da gestã flrestal, d licenciament ambiental das prpriedades rurais e de rastreament e cadeia de custódia de prduts agrpecuáris e flrestais; j) Ampliaçã e intensificaçã ds sistemas de mnitrament d desmatament e degradaçã flrestal. A3 - Diversidade de Atres Envlvids e Gvernança Cmpartilhada Prjets que envlvam a articulaçã entre diverss atres, d setr públic, privad, terceir setr u cmunidades lcais, cm estrutura de gvernança cmpartilhada. A4 Públic Alv Prjets envlvend benefícis direts a cmunidades tradicinais, assentaments e agricultres familiares. A5 Relevância Prjets cm mair ptencial de replicabilidade Prjets cm mair ptencial de impact (ex. R$ / hectare de flresta prtegid u manejad sustentavelmente) A6 Linhas de Aplicaçã BNDES Pririzar s prjets que cntemplem as linhas (a) atividades prdutivas sustentáveis e (d) desenvlviment científic e tecnlógic. O BNDES deve envidar esfrçs para aplicar recurss nas áreas priritárias, incluind instruments de induçã da demanda. CONDICIONANTES MÍNIMOS PARA PROJETOS B1 - Indicadres de resultads Prjet deve incluir indicadres de resultad mensuráveis e diretamente relacinads as bjetivs d Fund Amazônia. B2 - Prpnentes / Executres Prjet deve incluir anuência de tds s parceirs e cexecutres. 3

4 CONDICIONANTES MÍNIMOS PARA PROJETOS (cnt.) B3 - Participaçã Scial Prjets envlvend cmunidades tradicinais e pvs indígenas devem, brigatriamente, apresentar dcument que cmprve cnsentiment prévi dessas cmunidades u de suas instituições representativas. As cmunidades envlvidas deverã ser explicitadas n prjet. Prjets relacinads às atribuições ds órgãs públics, u a estabeleciment de plíticas públicas, nã necessitam, brigatriamente, da anuência ds beneficiáris. B4 - Cerência cm Áreas Temáticas Fund Amazônia Prjet deve se enquadrar em pel mens uma área temática d Dec /2008. B5- Cerência cm Plan Federal e s Plans Estaduais de Prevençã e Cmbate a Desmatament Prjet deve demnstrar clara cerência cm ações previstas n PPCDAm e ns Plans Estaduais de Prevençã e Cmbate a Desmatament. Na ausência d Plan Estadual de Prevençã e Cmbate a Desmatament nã se aplica critéri. B6- Cerência cm PAS Prjet deve demnstrar clara cerência cm diretrizes d PAS. B7- Cntribuiçã para REDD Prjet deve cntribuir direta u indiretamente para levar à REDD. B8- Adicinalidade de Recurss Prjets devem representar adicinalidades as rçaments públics destinads as áreas de aplicaçã d Fund Amazônia. B9- Cntrapartida Deve apresentar cntrapartida e/u cntribuições nã financeiras, demnstrand adicinalidades as recurss tmads junt a Fund Amazônia e prduzind um efeit multiplicadr para s investiments d Fund. As cntrapartidas pdem se dar na frma recurss financeirs diretamente investids n prjet u pela ferta de infraestrutura, pessal e utras frmas indiretas. Na aplicaçã deste Critéri pderã ser cnsiderads s seguintes aspects: Orçament médi executad ns 2 ans anterires n rçament públic investid na açã prpsta; Grau de cntingenciament de recurss n rçament públic para a execuçã da açã; Previsã ns plans plurianuais de gvern vigentes (PPAs). B10- Base Territrial Prjets devem explicitar a sua base territrial de aplicaçã (estad e, nde aplicável, municípi) B11- Publicidade e Transparência Prjets devem cntar cm mecanism de divulgaçã de sua implementaçã pela Internet. O BNDES dispnibilizará ferramenta padrnizada de integraçã e divulgaçã de infrmações atualizadas da implementaçã de tds s prjets. B12- Sustentabilidade d Prjet Apresentar estratégias de sustentaçã ds resultads d prjet pós implementaçã. B13- Descncentraçã ds Recurss O valr aplicad em cada uma das quatr mdalidades peracinais nã deve ser menr que 10% u mair que 40% ds recurss dispníveis n an, bservad critéri de equidade. B14- Benefícis de Us Cletiv Os resultads ds prjets cm fins ecnômics devem ser de us cletiv u públic, relacinads a: infraestrutura prdutiva de us cletiv; estuds e levantaments cm resultads dispnibilizads à cletividade; treinament e capacitaçã aberts à cletividade; desenvlviment tecnlógic cm resultads; aberts à cletividade, sempre que viável; invações replicáveis e de aplicaçã prática; utrs benefícis cletivs identificads n prcess de avaliaçã ds prjets. B15- Nã substituiçã de utras fntes de financiament Os recurss d Fund Amazônia nã pdem substituir utras fntes de financiament dispníveis. 4

5 MODALIDADES DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS C1 - Aplicaçã Direta Investiment Aplicações realizadas diretamente pels executres ds prjets, inclusive através de cntrataçã de terceirs. Inclui investiments em cnstruções, equipaments, treinament e capacitaçã para estabeleciment de iniciativas. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade C2 - Aplicaçã Direta Custei Aplicações realizadas diretamente pels executres ds prjets, inclusive através de cntrataçã de terceirs. Inclui gasts de viagem/missões de camp, cnsultrias de pessa física u jurídica, materiais de camp, cmunicaçã entre utrs. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade. C3 - Pagament pr serviçs ambientais Pagaments realizads as prvedres de serviçs ambientais. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade. C4 - Serviçs Cntinuads de Lng Praz Sã serviçs que devem ser sustentads a lng praz para btençã de resultads de lng praz cm mnitrament de desmatament u degradaçã flrestal, inventári flrestal entre utrs. Os prjets de serviçs cntinuads pderã ser de até 10 ans e deverã cntar cm mecanism de acmpanhament cntinu de sua implementaçã e divulgaçã pública de seus resultads. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade. C5 - Aplicaçã Indireta Aplicações indiretas pr intermédi de iniciativas agregadras de pequens prjets, aí incluíds funds e utras rganizações implementadras de prjets. D1 - Diárias RESTRIÇÃO DE USO DOS RECURSOS Nã pderã ser pagas diárias para funcináris públics (nã se aplica esta restriçã a atividades de pesquisa envlvend instituições públicas de pesquisa). D2 - Pagament de pessas físicas Nã pderã ser efetuads pagaments de saláris u qualquer tip de remuneraçã a servidres públics em regime de dedicaçã exclusiva nas três esferas de gvern (nã se aplica a restriçã a pagament de blsas de estud u pesquisa especificamente relacinadas a prjet). D3 - Impsts e tributs Os recurss nã pderã ser aplicads em pagament de tributs u impsts que nã sejam inerentes e u parte integrante d custei u investiments realizads pel prjet (restriçã nã se aplica a tributs relacinads às atividades ds prjets, cm ICMS incluíd ns preçs ds prduts; INSS sbre pagament de serviçs de pessa física, etc.) CRITÉRIOS DE EQUIDADE DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS E1 - Equidade na aplicaçã de recurss pr Estad Evitar a cncentraçã de recurss de prjets em um mesm estad E2 - Equidade pr tip de prpnente Evitar a cncentraçã de recurss entre s tips de prpnentes: órgãs públics, instituições de pesquisa e, rganizações da sciedade civil. N cntext d Fund Amazônia, incluem-se em sciedade civil, as Organizações Nã Gvernamentais, representações de classe, empresas e utras instituições de direit privad. 5

6 LIMITAÇÕES NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS F1 - Prjets cm fins ecnômics Participaçã máxima d Fund Amazônia: 90% para prjets que envlvam micr e pequenas empresas, cperativas u assciações de prdutres cm receita peracinal bruta anual menr u igual a R$ 10,5 milhões; 70% para prjets que envlvam médias empresas, cperativas u assciações de prdutres cm receita peracinal bruta anual mair que R$ 10,5 milhões e menr u igual a R$ 60 milhões; 50% para prjets que envlvam grandes empresas, cperativas u assciações de prdutres cm receita peracinal bruta anual mair que R$ 60 milhões. Observaçã: na hipótese de iníci de atividades n própri an-calendári, s limites acima referids serã prprcinais a númer de meses em que a pessa jurídica huver exercid atividade, descnsideradas as frações de meses. Ns cass de empresas em implantaçã, será cnsiderada a prjeçã anual de vendas utilizada n empreendiment, levand-se em cnta a capacidade ttal instalada. Quand a empresa fr cntrlada pr utra empresa u pertencer a um grup ecnômic, a classificaçã d prte se dará cnsiderand-se a receita peracinal bruta cnslidada. F2 - Prjets cm fins ecnômics de api a grups sciais fragilizads Participaçã máxima d Fund Amazônia, em cass devidamente justificads: 100%. Os resultads ecnômics que resultem ds prjets de api a grups sciais fragilizads deverã ser distribuíds as integrantes destes, independente de quem seja Prpnente. F3 - Prjets cm fins ecnômics de Arranjs Prdutivs Lcais (APLs) de us cletiv Participaçã máxima d Fund Amazônia: 90% F4- Prjets cm fins ecnômics de pesquisa científica e tecnlógica desenvlvids em cperaçã entre Instituições Tecnlógicas (ITs) e entidades cm fins ecnômics. Participaçã máxima d Fund Amazônia: 90% para prjets que envlvam micr e pequenas empresas, cperativas u assciações de prdutres cm receita peracinal bruta anual menr u igual a R$ 10,5 milhões; 80% para prjets que envlvam médias empresas, cperativas u assciações de prdutres cm receita peracinal bruta anual mair que R$ 10,5 milhões e menr u igual a R$ 60 milhões; 70% para prjets que envlvam grandes empresas, cperativas u assciações de prdutres cm receita peracinal bruta anual mair que R$ 60 milhões - vide bservaçã n item F1 Os beneficiáris ds recurss financeirs d Fund Amazônia serã as Instituições Tecnlógicas (ITs) e/u Instituições de Api (IAs). Instituiçã Tecnlógica (IT): pessa jurídica de direit públic intern u entidade direta u indiretamente pr ela cntrlada u pessa jurídica de direit privad sem fins lucrativs, que tenham pr missã institucinal, dentre utras, executar atividades de pesquisa básica u aplicada de caráter científic u tecnlógic, bem cm desenvlviment tecnlógic. Instituições de Api (IA): instituições sem fins lucrativs criadas cm a finalidade de dar api a prjets de pesquisa, ensin e extensã e de desenvlviment institucinal, científic e tecnlógic de interesse das instituições de ensin superir e de pesquisa científica e tecnlógica e instituições criadas a ampar da Lei nº , de 20 de dezembr de 1994, que pssuam esta mesma finalidade. As empresas e/u demais entidades cm fins ecnômics cm interesse estratégic nas pesquisas nã serã beneficiárias diretas ds recurss. Elas serã intervenientes nas perações de financiament e deverã aprtar cntrapartida financeira cmplementand s recurss d Fund Amazônia. Sã apiáveis s investiments realizads em benefíci da Instituiçã Tecnlógica (IT), cm prpósit específic de atender as bjetivs d prjet A participaçã na prpriedade intelectual e ns resultads ecnômics prvenientes da explraçã das criações resultantes d prjet bedecerá as dispsitivs prevists na Lei da Invaçã (Lei nº , de 2 de dezembr de 2004). Assim, as partes deverã prever, em cntrat, a titularidade da prpriedade intelectual e a participaçã ns resultads. Essas serã asseguradas, desde que previst n cntrat, na prprçã equivalente a mntante d valr agregad d cnheciment já existente n iníci da parceria e ds recurss humans, financeirs e materiais alcads pelas partes cntratantes n prjet. Durante a etapa de análise BNDES verificará aspects relacinads as direits de prpriedade intelectual resultantes d prjet de pesquisa, desenvlviment e invaçã cm intuit de evitar, quand pertinente, práticas restritivas de utilizaçã e cessã desses direits. Além ds aspects referids, BNDES verificará, também, na etapa de análise, s critéris de ratei ds resultads financeirs d prjet. 6

7 G. DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDO AMAZÔNIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE MONITORAMENTO E CONTROLE DO DESMATAMENTO NOS DEMAIS BIOMAS BRASILEIROS Área de Aplicaçã Prjets ns demais bimas brasileirs e em utrs países trpicais Limite de aplicaçã d ttal ds recurss dispníveis n an Tabelas 20% G e H CRITÉRIOS ORIENTADORES G1 - Diversidade de Atres Envlvids e Gvernança Cmpartilhada Prjets que envlvam a articulaçã entre diverss atres, d setr públic, privad, terceir setr u cmunidades lcais, cm estrutura de gvernança cmpartilhada. G2 - Relevância Prjets que desenvlvam e implementem metdlgia de mnitrament de lng praz para REDD. G3 - Priridade N âmbit d api a utrs bimas brasileirs, terã priridade s prjets de sistema de mnitrament pr bima, de caráter permanente, que cntribuam para mnitrament em escala nacinal e de sistema de cntrle d desmatament, queimadas e incêndis flrestais, cnfrme plans de prevençã e cntrle. G4 - Escp Prjets de cadastrament ambiental rural (CAR) sã cnsiderads cm parte ds sistemas de cntrle ambiental. CONDICIONANTES MÍNIMOS PARA PROJETOS G5 - Indicadres de resultad Prjet deve incluir indicadres de resultad mensuráveis e diretamente relacinads à implantaçã de sistema de mnitrament de desmatament u degradaçã flrestal. G6 - Prpnentes / Executres Prjet deve incluir anuência de tds s parceirs e cexecutres. G7 - Participaçã Scial Prjet deve cntar cm uma instância de acmpanhament, necessariamente cm participaçã de entes gvernamentais e da sciedade civil. Prjets que envlvam desenvlviment de sistemas de mnitrament devem cntar cm instância de acmpanhament, necessariamente cm participaçã de entes gvernamentais e da sciedade civil. As cmunidades envlvidas deverã ser explicitadas n prjet. Prjets relacinads às atribuições ds órgãs públics, u a estabeleciment de plíticas públicas, nã necessitam, brigatriamente, da anuência ds beneficiáris. G8 - Cntribuiçã para REDD Prjet deve cntribuir direta u indiretamente para levar à REDD. G9 - Adicinalidade de Recurss Prjets devem representar adicinalidades as rçaments públics destinads as áreas de aplicaçã d Fund Amazônia. G10 - Cntrapartida Deve apresentar cntrapartida e/u cntribuições nã financeiras, demnstrand adicinalidades a recurss tmads junt a Fund Amazônia e prduzind um efeit multiplicadr para s investiments d Fund. As cntrapartidas pdem se dar na frma recurss financeirs diretamente investids n prjet u pela ferta de infraestrutura, pessal e utras frmas indiretas. Na aplicaçã deste Critéri pderã ser cnsiderads s seguintes aspects: rçament médi executad ns 2 ans anterires n rçament públic investid na açã prpsta; grau de cntingenciament de recurss n rçament públic para a execuçã da açã; e previsã ns plans plurianuais de gvern vigentes (PPAs). G11 - Base Territrial Prjets devem necessariamente abrdar mnitrament das flrestas de, pel mens, um bima pr cmplet. 7

8 CONDICIONANTES MÍNIMOS PARA PROJETOS (cnt.) G12 - Publicidade e Transparência Sistemas de mnitrament apiads pel Fund Amazônia devem ser cnstituíds cm base em platafrmas que permitam ampla divulgaçã, transparência e acess as dads prduzids, pr mei da internet. O BNDES dispnibilizará ferramenta padrnizada de integraçã e divulgaçã de infrmações atualizadas da implementaçã de tds s prjets. G13 - Sustentabilidade d Prjet Demnstraçã da capacidade de sustentaçã ecnômica d prjet após a sua implantaçã. G14 - Descncentraçã ds Recurss O valr aplicad em cada uma das quatr mdalidades peracinais nã deve ser menr que 10% u mair que 40% ds recurss dispníveis n an, bservad critéri de equidade. MODALIDADES DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS G15 - Aplicaçã Direta Investiment Aplicações realizadas diretamente pels executres ds prjets, inclusive através de cntrataçã de terceirs. Inclui investiments em cnstruções, equipaments, treinament e capacitaçã para estabeleciment de iniciativas. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade. G16 - Aplicaçã Direta Custei Aplicações realizadas diretamente pels executres ds prjets, inclusive através de cntrataçã de terceirs. Inclui gasts de viagem/missões de camp, cnsultrias de pessa física u jurídica, materiais de camp, cmunicaçã entre utrs. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade. G17 - Diárias RESTRIÇÃO DE USO DOS RECURSOS Nã pderã ser pagas diárias para funcináris públics (nã se aplica esta restriçã a atividades de pesquisa envlvend instituições públicas de pesquisa). G18 - Pagament de pessas físicas Nã pderã ser efetuads pagaments de saláris u qualquer tip de remuneraçã a servidres públics em regime de dedicaçã exclusiva nas três esferas de gvern (nã se aplica a restriçã a pagament de blsas de estud u pesquisa especificamente relacinadas a prjet). G19 - Impsts e tributs Os recurss nã pderã ser aplicads em pagament de tributs u impsts que nã sejam inerentes e u parte integrante d custei u investiments realizads pel prjet (restriçã nã se aplica a tributs relacinads às atividades ds prjets, cm ICMS incluíd ns preçs ds prduts; INSS sbre pagament de serviçs de pessa física, etc.). CRITÉRIOS DE EQUIDADE DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS G20 - Equidade na aplicaçã de recurss pr Estad Evitar a cncentraçã de recurss de prjets em um mesm bima. 8

9 H. DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDO AMAZÔNIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE MONITORAMENTO DO DESMATAMENTO EM OUTROS PAÍSES TROPICAIS Área de Aplicaçã Prjets ns demais bimas brasileirs e em utrs países trpicais Limite de aplicaçã d ttal ds recurss dispníveis n an Tabelas 20% G e H CRITÉRIOS ORIENTADORES H1 - Diversidade de Atres Envlvids e Gvernança Cmpartilhada Prjets que envlvam a articulaçã entre diverss atres, d setr públic, privad, terceir setr u cmunidades lcais, cm estrutura de gvernança cmpartilhada. Prjets que envlvam articulaçã reginal. H2 - Relevância Países cm mair cbertura flrestal. H3 - Escp Em utrs países trpicais, api d Fund Amazônia será limitad a prjets que cntribuam para a criaçã u aprimrament de sistemas de mnitrament da cbertura flrestal. Entende-se pr sistemas de mnitrament da cbertura flrestal a aplicaçã de técnicas que envlvam prcessament (ex.: gerreferenciament, realces e classificaçã) de imagens da superfície terrestre (satelitais u aertransprtadas) para fins de mapeament temátic da vegetaçã cm us da infrmaçã prduzida (ex.: elabraçã de mapas, análises espaciais e estatísticas) para subsídi à gestã flrestal. CONDICIONANTES MÍNIMOS PARA PROJETOS H4 - Indicadres de resultad Prjet deve incluir indicadres de resultad mensuráveis e diretamente relacinads à implantaçã de sistema de mnitrament de desmatament u degradaçã flrestal. H5 - Prpnentes / Executres Prjet deve ser apresentad pel gvern central d país beneficiári, pr instituições multilaterais, u ainda, pr instituições brasileiras gvernamentais, devend cntar cm a anuência frmal, ns dis últims cass, d gvern central d país que se beneficiará cm as ações a serem desenvlvidas pel prjet. H6 - Participaçã Scial Prjet deve cntar cm uma instância de acmpanhament, necessariamente cm participaçã de entes gvernamentais e da sciedade civil. Prjets relacinads às atribuições ds órgãs públics, u a estabeleciment de plíticas públicas, nã necessitam, brigatriamente, da anuência ds beneficiáris. H7 - Cntribuiçã para REDD Prjet deve cntribuir direta u indiretamente para levar à REDD. H8 - Cntrapartida Deve apresentar cntrapartida e/u cntribuições nã financeiras, demnstrand adicinalidades as recurss tmads junt a Fund Amazônia e prduzind um efeit multiplicadr para s investiments d Fund. Pderã ser cnsiderads s seguintes aspects: rçament médi executad ns 2 ans anterires n rçament públic investid na açã prpsta; grau de cntingenciament de recurss n rçament públic para a execuçã da açã e previsã ns plans plurianuais de gvern vigentes. As cntrapartidas pdem se dar na frma recurss financeirs diretamente investids n prjet u pela ferta de infraestrutura, pessal e utras frmas indiretas. H9 - Publicidade e Transparência Sistemas de mnitrament apiads pel Fund Amazônia devem ser cnstituíds cm base em platafrmas que permitam ampla divulgaçã, transparência e acess as dads prduzids, pr mei da internet. H10 - Sustentabilidade d Prjet Demnstraçã da capacidade de sustentaçã ecnômica d prjet após a implantaçã. O BNDES dispnibilizará ferramenta padrnizada de integraçã e divulgaçã de infrmações atualizadas da implementaçã de tds s prjets. 9

10 CONDICIONANTES MÍNIMOS PARA PROJETOS (cnt.) H11 - Descncentraçã ds Recurss O valr aplicad em cada uma das quatr mdalidades peracinais nã deve ser menr que 10% u mair que 40% ds recurss dispníveis n an, bservad critéri de equidade. H12 Etapa prévia Cm etapa de cnsideraçã de prjets internacinais, BNDES slicitará, previamente a seu prcess de enquadrament de prjets, avaliaçã frmal d Ministéri das Relações Exterires (MRE) sbre a priridade e s impacts d prjet n que se refere às relações externas d Brasil. MODALIDADES DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS H13 - Aplicaçã Direta Investiment Aplicações realizadas diretamente pels executres ds prjets, inclusive através de cntrataçã de terceirs. Inclui investiments em cnstruções, equipaments, treinament e capacitaçã para estabeleciment de iniciativas. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade. H14 - Aplicaçã Direta Custei Aplicações realizadas diretamente pels executres ds prjets, inclusive através de cntrataçã de terceirs. Inclui gasts de viagem/missões de camp, cnsultrias de pessa física u jurídica, materiais de camp, cmunicaçã entre utrs. Os prjets pdem envlver empreg de mais de uma mdalidade. H15 - Diárias RESTRIÇÃO DE USO DOS RECURSOS Nã pderã ser pagas diárias para funcináris públics (nã se aplica esta restriçã a atividades de pesquisa envlvend instituições públicas de pesquisa). H16 - Pagament de pessas físicas Nã pderã ser efetuads pagaments de saláris u qualquer tip de remuneraçã a servidres públics em regime de dedicaçã exclusiva nas três esferas de gvern (nã se aplica a restriçã a pagament de blsas de estud u pesquisa especificamente relacinadas a prjet). H17 - Impsts e tributs Os recurss nã pderã ser aplicads em pagament de tributs u impsts que nã sejam inerentes e u parte integrante d custei u investiments realizads pel prjet. CRITÉRIOS DE EQUIDADE DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS H18 - Equidade na aplicaçã de recurss pr país Evitar a cncentraçã de recurss de prjets em um mesm país. 10

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 Projetos no Bioma Amazônia A Critérios Orientadores B C D E F Condicionantes Mínimos para Projetos Modalidades

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO

RECURSOS PÚBLICOS PARA O TURISMO N N Unid. Tip de Peridicidade An de An de Iníci série Cmparativ Âmbit temátic Nme d Indicadr Nme da fnte Fnte Divulgaçã Escp gegráfic Escp de análise Estratégia de utilizaçã d dad Observaçã Medida dad

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment

Leia mais

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Terms de Cperaçã PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment e invaçã

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. o r g. b r

w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. o r g. b r w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. r g. b r EFEITO ESTUFA DESMATAMENTO Históric de desmatament em Sã Paul DESMATAMENTO Cbertura atual CONSEQUECIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Reduçã na bidiversidade http://www.baixaki.cm.br/imagens/wpapers/bxk22741_abelha-_-rubi-marra-1-800.jpg

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INFORMAÇÃO TÉCNICA nº 066/2008 - COHID/CGENE/DILIC/IBAMA Brasília, 11 de agst

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SAE / Secretaria de Assuntos Estratégicos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SAE / Secretaria de Assuntos Estratégicos IPEA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SAE / Secretaria de Assunts Estratégics Gabinete Chefia Executiva Órgãs Específics e Singulares Entidade Vinculada Departament de Articulaçã cm a Sciedade Departament de Planejament

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO Flresta Viva Prjet de prmçã d manej sustentável das flrestas pela prduçã e cmercializaçã da madeira n Amaznas Um «site Internet» para aprimrar a atuaçã d Estad e fmentar a cmercializaçã da madeira manejada

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmi Brazta de Sustentabilidade Sã Paul - 2014 Seja bem vind a 3 Prêmi Brazta de Sustentabilidade É ntória as crescentes demandas que setr de turism tem cm tema

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Março de 2012. Relatório Consolidado

Março de 2012. Relatório Consolidado Març de 2012 Relatóri Cnslidad Apresentaçã O presente relatóri tem cm bjetiv reunir infrmações referentes à aplicaçã-pilt da versã intermediária ds Indicadres Eths 3ª Geraçã. Essas infrmações serã insum

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CICLO DE ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk A partir d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American de Adaptaçã

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

SÍNTESE DAS CONTRIBUIÇÕES DO SEMINÁRIO

SÍNTESE DAS CONTRIBUIÇÕES DO SEMINÁRIO Secretaria Nacinal de Habitaçã Departament de Desenvlviment Institucinal e Cperaçã Técnica Esplanada ds Ministéris, Blc A, 3º andar. Fne: (61) 2108-1783 - Endereç eletrônic: redehabitar@cidades.gv.br PLANO

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA - ARPA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0527.00015-6

CENTRO ESTADUAL DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA - ARPA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0527.00015-6 CENTRO ESTADUAL DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA - ARPA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0527.00015-6 OBJETIVO: Term de Referência para a cntrataçã de serviçs de cnsultria de pessa

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social 4 Atuaçã ds Ministéris d Trabalh e Empreg e da Previdência Scial CAPÍTULO 4.1 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Cm mstrada anterirmente, a precupaçã cm a segurança e a saúde d trabalhadr teve iníci na Revluçã

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA Organizaçã: Parceria: I WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA EXAMES DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO A ANCORD já certificu mais de 14.000 Agentes Autônms de Investiment. Obs.: A

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 01/09/2014 a 07/10/2014 Carg: Analista Financeir Cntábil Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: R$ 7.491,32 Nº Vagas: 01 Data da Prva: 30/11/2014

Leia mais

Divulgação de Resultados Primeiro Trimestre de 2014

Divulgação de Resultados Primeiro Trimestre de 2014 Divulgaçã de Resultads Primeir Trimestre de 2014 Barueri, 14 de mai de 2014. Apresentaçã de Resultads 1T14 A Temp Participações S.A. (BM&FBvespa: TEMP3; Reuters: TEMP3.SA; Blmberg: TEMP3 BZ), empresa de

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ Ref.: 0084/24 (Favr referir-se a este númer em tdas as crrespndências) Esta empresa está cnvidada a apresentar prpsta à UNESCO de Elabraçã de Prgrama Editrial para Institut

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM EVENTOS

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM EVENTOS GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil,

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company.

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company. A Stavale & CCT ferece treinaments aberts e in cmpany. Clabradres mais qualificads e empresa mais lucrativa. Sluções mais rápidas e efetivas. Treinaments custmizads para sua empresa. Dispms de sala cm

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Inserçã da Psiclgia em um Núcle de Estuds da Vilência Dméstica e Familiar Cntra a Mulher na Cidade de Pnta Grssa PR Geórgia Grube Marcinik * Gisah Cristine Salum** Resum: O presente artig tem cm tema principal

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 10/11/2014 a 10/12/2014 Carg: Analista de Desenvlviment Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: até R$ 5.218,56 Nº Vagas: 15 + Cadastr de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais