Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria de prduçã intensiva de infrmaçã, determinand a necessidade de frmas de cmunicaçã mais eficazes nas diferentes etapas d prcess. O mdel tradicinal de prduçã e cmunicaçã da infrmaçã de índle técnica e cntratual de suprte à realizaçã das bras nã dá respsta adequada a estas nvas exigências e intrduz debilidades de várias naturezas n prcess. Efetivamente, a dcumentaçã prduzida pr diferentes equipas de prjet, pdend apresentar-se sb frmas e mdels muit diverss, mesm ns aspets que pderiam ser análgs em bras d mesm tip, briga s váris agentes a uma análise detalhada da referida dcumentaçã, traduzind-se em prblemas de eficiência tant n plan da falta de qualidade das realizações cm na rentabilidade das rganizações. Pr utr lad, a nva legislaçã da cntrataçã pública e de enquadrament d sectr designadamente CCP e prtarias assciadas tentand, n plan jurídic, ir de encntr às nvas realidades e exigências - nã pderá ser eficaz ns seus bjetivs de transparência, regulaçã de custs e de mnitrizaçã, se nã existir um sistema de infrmaçã técnica que intrduza uma unifrmidade de linguagem e que permita efetivas cmparações, a váris níveis, entre bjets idêntics. Há assim que referir que a desenvlver-se um sistema de infrmaçã técnica e para que ele cumpra adequadamente a sua funçã e pssa aspirar a assumir-se cm um referencial para td sectr da cnstruçã prtuguesa, ele tem que refletir as filsfias e especificidades próprias d país, nã pdend limitar-se a imprtar as abrdagens de sistemas já existentes nutrs.

2 2 PrNIC Apresentaçã resumida 2.1 PrNIC O que é? O PrNIC Prtcl para a Nrmalizaçã da Infrmaçã Técnica na Cnstruçã teve a sua génese numa iniciativa prmvida pel Estad Prtuguês e nasce da identificaçã da necessidade de dispr quer de mdels de prcesss adaptads as diferentes tips de bras, quer de infrmaçã técnica nrmalizada e credível, de acrd cm a legislaçã e realidade nacinais, dispnibilizads e peracinalizads pr uma platafrma infrmática. O PrNIC é uma aplicaçã de base técnica que tem cm bject principal uma estrutura nrmalizada e cdificada para trabalhs de cnstruçã, cntend especificações técnicas referentes a esses trabalhs e a materiais de cnstruçã. Incrpra também cenáris de cust para s trabalhs de cnstruçã. O cnjunt da infrmaçã técnica e das funcinalidades trnam PrNIC numa base de dads aplicacinal que se enquadra ns designads CICS Cnstructin Infrmatin Classificatin Systems e n âmbit ds Sistemas de Infrmaçã Integrads para a Cnstruçã IPDS Integrated Prject Delivery Systems. O desenvlviment d trabalh técnic d PrNIC é assegurad pr um cnsórci, criad para efeit, n qual participam Institut da Cnstruçã (IC-FEUP), Labratóri Nacinal de Engenharia Civil (LNEC) e Institut de Engenharia de Sistemas e Cmputadres d Prt (INESC-Prt). 2.2 PrNIC O que faz? O PrNIC permite fazer a gestã de td cicl de vida d empreendiment desde prjet de execuçã até a final da bra (sistema integrad para a gestã d prcess cnstrutiv), e bter um cnjunt alargad de indicadres de mnitrizaçã desde nível particular das bras até a nível glbal d sectr. Perspetivam-se desenvlviments adicinais, para que estes indicadres, alargads em âmbit e camp de aplicaçã, pssam ser utilizads cm índices para a fase de análise e avaliaçã técnic-ecnómica de empreendiments. 2/11

3 Os elements fundamentais, cm sejam a estrutura de desagregaçã de trabalhs de cnstruçã, ambiente clabrativ funcinal, funçã de repsitóri dcumental e um sistema de gestã de acesss, permitem que tds s intervenientes envlvids na execuçã d empreendiment pssam desenvlver seu trabalh. Principais funcinalidades da Platafrma PrNIC: - Prduçã de Mapas de Quantidades de Trabalh pr especialidade u d prjet cm integraçã de tdas as especialidades (MQT únic standardizad); - Prduçã das Cndições Técnicas Gerais de Cadern de Encargs enquadradas ns artigs utilizads; -Selagem d prjet para entrega a dn de bra; - Gestã da tramitaçã cncursal - submissões durante cncurs (iníci d prcediment, esclareciments e Errs e Omissões); - Atualizaçã ds Mapas na fase de Errs e Omissões; - Prduçã ds Auts de Mediçã Cntratuais; - Cntrl d empreendiment através de Indicadres de Obra; - Mecanisms de prduçã de Indicadres Transversais a um grup de bras; Figura 1 Resum ds elements de infrmaçã, intervenientes e alguns utputs d PrNIC 3/11

4 3 HISTORIAL (MOTIVAÇÕES E DESENVOLVIMENTOS) Resum Executiv - Funcinalidades Iniciativa d Estad Prtuguês, PrNIC fi aprvad em Dezembr de 2005, n âmbit d Prgrama Operacinal Sciedade d Cnheciment (POSC) e teve cm entidades prmtras a DGEMN (Direcçã Geral ds Edifícis e Mnuments Nacinais), INH (Institut Nacinal da Habitaçã) e a EP (Estradas de Prtugal). Psterirmente, cm a extinçã da DGEMN e d INH, a respnsabilidade da gestã d prjet passu a ser assumida pel IHRU (Institut da Habitaçã e Reabilitaçã Urbana) e pela EP. A primeira fase d prjet, cncluída em 2008, permitiu a realizaçã de desenvlviments em duas grandes áreas da cnstruçã: Edifícis em Geral e Infra-Estruturas Rdviárias. Ns Edifícis fram tratadas as áreas da Cnstruçã Nva e da Reabilitaçã. A aplicaçã tem cm base uma estrutura de desagregaçã de trabalhs de cnstruçã cm uma descriçã nrmalizada e parametrizável das características desse trabalh. N âmbit ds diferentes desenvlviments fram elabradas estruturas vcacinadas para edifícis e para infraestruturas rdviárias. Ns edifícis, a abrdagem fi abrangente, mas fcalizu-se mais em edifícis d tip habitacinal. A nível das infraestruturas rdviárias e devid a enquadrament pssível, adaptu-se a infrmaçã prevista n Cadern de Encargs da Junta Autónma da Estradas, versã de 1998, para um frmat PrNIC. Os bjetivs fundamentais identificads para esta fase fram: A criaçã de um repsitóri de cnheciment sbre s trabalhs de cnstruçã, incluind especificações técnicas e regras de segurança e mediçã; A implementaçã de um cnjunt de aplicações infrmáticas que permitam a gestã ds cnteúds criads e a sua utilizaçã pels diverss intervenientes n prcess cnstrutiv. Os impacts esperads incluíam: a) Cntribuir para a melhria da qualidade na cnstruçã, pr via da criaçã de uma referência sbre as melhres práticas e crretas especificações técnicas ds trabalhs da cnstruçã; 4/11

5 b) Ptenciar a reduçã de custs na fase de elabraçã e análise de Caderns de Encargs; c) Induzir uma significativa reduçã de custs e de incerteza na fase de rçamentaçã; d) Reduzir s errs de interpretaçã ds dcuments de cncurs e prjet e assim minrar s custs da nã qualidade e pes ds trabalhs a mais; e) Facilitar a gestã de empreitadas e subempreitadas; f) Aumentar a eficiência da gestã através da criaçã e dispnibilizaçã de indicadres técnics e ecnómics aprpriads. Cncluída a 1ª fase d prjet, Cnsórci PrNIC prsseguiu s desenvlviments de nvas funcinalidades e aperfeiçament ds cnteúds. Paralelamente, e n sentid da dispnibilizaçã da platafrma a sectr e d seguiment d prcess, Cnsórci PrNIC desenvlveu cntacts cm as entidades prmtras. Na sequência desses cntacts cnsórci PrNIC estabeleceu cm a Parque Esclar, EPE, um cntrat de prestaçã de serviçs de investigaçã e desenvlviment para adaptaçã da metdlgia PrNIC a prgrama nacinal de mdernizaçã ds equipaments esclares gerid pr aquela entidade. 4 APRESENTAÇÃO DO ESTADO ACTUAL DO PrNIC 4.1 Funcinalidades pr tip de utilizadr Cm referid, PrNIC centra-se n prcess cnstrutiv e, desta frma, s principais utilizadres sã s que participam nas diferentes fases desse prcess. As figuras seguintes evidenciam a participaçã e funcinalidades ds principais utilizadres em funçã das fases d prcess. Além ds referids intervenientes destaca-se a pssibilidade de entidades cm características mais transversais, pderem ter acess as indicadres ds prcesss. 5/11

6 Figura 3 Principais utilizadres funçã das fases d prcess de cnstruçã Figura 4 Resum das principais funcinalidades 6/11

7 Dn de Obra Organizaçã e lançament d cncurs Estabeleciment de um mdel de bra em cnjunt cm a Equipa de Prjet; Organizaçã da dcumentaçã de cncurs de acrd cm CCP e Prtaria 701-H; Interface cm platafrmas de cntrataçã para lançament d cncurs; Repsitóri da infrmaçã d prcess; Tramitaçã prcessual de cncurs Mnitrizaçã das bras a cncurs; Tratament d prcess de esclareciments; Tratament d prcess de errs e missões; Mecanisms simples de cmparaçã de prpstas; Gestã de bra Emissã de auts cntratuais; Elements adicinais a prjet; Gestã de adicinais e dcumentaçã assciada; Cntrl de valres faturads Cnta crrente cntact inicial/adicinais; Pssibilidade de articulaçã de valres a faturar cm sistema de faturaçã ERP; Pssibilidade de geraçã autmática d Relatóri de Cntrataçã, Cnta final da Obra e Relatóri final da Obra; Indicadres Cnstituiçã de indicadres a partir ds dads intrduzids (custs/preçs, áreas de cnstruçã, % pr especialidade, pr unidade de cnstruçã, cmparaçã cm utras bras, etc.); Repsitóri de infrmaçã Definiçã de repsitóri únic para a infrmaçã técnica ds prcesss em tdas as fases (dcuments pré-prject, dcuments d prjet, cncurs e cntratualizaçã, bra, dcuments finais as built, telas finais). 7/11

8 Prjetista (incluind crdenaçã e revisã) Prjet Criaçã de articulad nrmalizad, cdificad e de acrd cm requisits nrmativs cm ptencial de aprveitament para utras bras; Sistematizaçã da infrmaçã de prjet; Geraçã autmática de cndições técnicas (n frmat de Cadern de Encargs) em cntext cm articulad da bra. As cndições técnicas gerais sã materializadas pr especificações para execuçã ds trabalhs (fichas de trabalhs - FET) e pr especificações relativas a materiais (fichas de materiais - FMAT); Criaçã e rganizaçã da dcumentaçã de prjet pr especialidades de acrd cm estabelecid na prtaria 701-H; Integraçã e cnslidaçã d trabalh das diferentes especialidades de prjet auxíli às tarefas de crdenaçã de prjet designadamente pela identificaçã de redundâncias n articulad glbal da bra; Agilizaçã de alguns mecanisms de revisã de prjet, designadamente a nível da cnfrmidade das peças e verificaçã d MQT. Mecanisms de validaçã d trabalh; Errs e missões Gestã ds esclareciments e errs e missões adiçã a prcess de trabalhs e elements n âmbit desta fase; Sistematizaçã d prcess de respsta; Obra Cnsultas a prcess n âmbit da assistência técnica; Adiçã de nvs elements durante a fase de cnstruçã; Participaçã na definiçã de trabalhs adicinais; Fiscalizaçã Repsitóri de infrmaçã; Mecanisms para geraçã e gestã ds auts cntratuais e adicinais; Mecanisms de cntrl de faturaçã (p. ex: cnta crrente, blquei de medições); Sistematizaçã d prcess de efetivaçã ds auts assinaturas digitais; 8/11

9 Cnstrutr Divisã ds trabalhs em sub-empreitadas, para cnsultas a mercad; Preenchiment ds MQT Frmulaçã da Prpsta; Templates atualizads mensalmente para elabraçã ds Auts de mediçã; Sistematizaçã d prcess de definiçã de cntracts adicinais; Especificaçã de trabalhs a mais. Entidades de gestã Cnsulta as prcesss, sb slicitaçã e autrizaçã de acess; Acess a indicadres, sb slicitaçã e autrizaçã de acess, passíveis de geraçã a partir ds dads intrduzids ns prcesss. Os indicadres pderã dizer respeit a uma bra, a várias, a um artig de cnstruçã, de um únic dn de bra u de váris; Articulaçã e predefiniçã de infrmaçã a articular cm prtal Base e cm Observatóri da Cnstruçã; 4.2 Vantagens para sectr da cnstruçã O presente pnt pretende evidenciar as vantagens que PrNIC apresenta para sectr da cnstruçã. REFERENCIAL TÉCNICO PADRONIZADO E CODIFICADO PARA A CONSTRUÇÃO NACIONAL LINGUAGEM COMUM Trabalhs de cnstruçã para bras de edifícis (cnstruçã nva e reabilitaçã) cm descriçã nrmalizada (enquadrada cm as nrmas vigentes) e mesma cdificaçã, permitind a cmpleta cmparabilidade entre diferentes bras; Melhria da infrmaçã técnica cntribuições para aument da qualidade na cnstruçã, diminuiçã de indefinições e incertezas na interpretaçã das cndições técnicas cntributs para a diminuiçã de litígis, de errs e missões e de derrapagens de preçs; Estruturaçã das bras pr fases (ex: prjet, cncurs, cnstruçã, utilizaçã), em cnfrmidade cm dcuments nrmativs internacinais; Estruturaçã d repsitóri dcumental de acrd cm legislaçã vigente, nmeadamente a Prtaria n.º 701-H; 9/11

10 Ptencialidade de alargament da base de dads a utrs tips de trabalhs, designadamente peraçã e manutençã; Ptencialidade de alargament da base de dads a utrs tips de bras (atualizaçã d referencial de estradas já existente), designadamente marítimas, pntes, barragens, entre utras; Estrutura detalhada de artigs referentes a estaleir, cm a intençã de nrmalizar a sua aplicaçã; VISÃO TRANSVERSAL DE TODO O PROCESSO CONSTRUTIVO Centralizaçã da infrmaçã das bras; Ambiente clabrativ peracinal para prduçã de dcuments em várias fases d prcess; Utilizaçã sistematizada cntribui para pupanças de temp n prcess cm a eliminaçã de perações redundantes Aument da eficiência ds prcesss; Geraçã das Cndições Técnicas Gerais d prjet de frma autmática diminuiçã d temp de criaçã das peças escritas prmve sistematizaçã; Integraçã das fases e respnsabilizaçã ds diferentes intervenientes prcesss de validaçã e assinatura digital de dcuments em mments e perações específicas; Mdel de gestã das permissões pr utilizadr, em funçã d perfil, fase d prcess, nível de acess, tip de bra, entidade, entre utrs. CONTRIBUTO / INSTRUMENTO PARA A REVISÃO DE PROJETO Ptencia a abrdagem mais prfunda à crdenaçã e revisã de prject, designadamente a nível d articulad de trabalhs Mapa de Quantidades de Trabalh; Criaçã de rtinas de verificaçã de redundâncias; Agiliza a deteçã de errs (exempl: trabalhs idêntics cm códigs e preçs distints). MONITORIZAÇÃO DO SETOR E AUXÍLIO NA DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE INVESTIMENTO Obtençã direta de indicadres transversais a partir d referencial e da sua utilizaçã pr m2, pr unidade de cnstruçã (partes da bra), pr especialidades de prjet, pr capítuls de trabalhs, pr trabalhs de cnstruçã, ; Articulaçã e frneciment de dads btids para Observatóri das Obras Públicas (exempl: regist autmátic das infrmações requeridas n Relatóri de Cntrataçã e n Relatóri Final da Obra, mencinads n CCP); 10/11

11 Repsitóri d históric de bras: i. Estabeleciment de valres ds trabalhs em funçã de cass anterires após tratament estatístic; ii. Definiçã de valres médis (cmparáveis) para realizaçã de avaliações / definiçã de cenáris valres glbais da cnstruçã, valres parcelares, grups de trabalhs u trabalhs de cnstruçã; iii. Obtençã de valres para api à análise de investiments; iv. Aferiçã de prazs parciais e ttais btids pr inferência e pr análise de bras - trabalhs de características semelhantes que se encntram registads na base de dads; Utilizaçã de valres de referência ds trabalhs n cntrl de custs e na esclha ecnómica das sluções. CONTRATAÇÃO Agilizaçã da mntagem d prcess de cncurs; Interface cm platafrmas de cntrataçã para prcessament autmátic d uplad d prcess; Tratament da fase de esclareciments e errs e missões crreções a prcess; Prcesss simplificads para análise e cmparaçã de prpstas. GESTÃO DE OBRA Gestã e interface para prduçã e tramitaçã ds auts mensais de mediçã; Infrmaçã de cntrl técnic-ecnómic durante períd de execuçã cntratual das empreitadas de bras públicas - relatóris de acmpanhament da bra (faturaçã, trabalhs cntratuais, trabalhs a mais, trabalhs a mens, trabalhs de supriment de errs e missões); Estruturaçã de articulações / integraçã cm ferramentas de gestã assciadas a planeament, a cntrl de prazs, à faturaçã. Cnsórci PrNIC, nvembr /11

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção Frmaçã nzeb ns países d Sul da UE Mantend as tradições de cnstruçã SuthZEB WP4 Desenvlviment d prtal SuthZEB D4.1: Prtal SuthZEB visã geral d desenvlviment d prtal e suas seções, integraçã e aceitaçã d

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual de Utilizadr Frmulári de Candidatura as Estágis Prfissinais na Administraçã Pública Lcal - 18 de Fevereir de 2008-1ª Versã ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 ENQUADRAMENTO E

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROCES SOS DE ATRIBUIÇÃO E CONTROLO DE PENSÕES...3

AVALIAÇÃO DOS PROCES SOS DE ATRIBUIÇÃO E CONTROLO DE PENSÕES...3 Anex B Detalhe ds Resultads da Auditria Índice d Anex 1. AVALIAÇÃO DOS PROCES SOS DE ATRIBUIÇÃO E CONTROLO DE PENSÕES...3 1.1. PROCESSO DE GESTÃO DE REQUERIMENTOS... 3 1.2. RECEPÇÃO, ORGANIZAÇÃO E REGISTO

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI 1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curs de Pós-Graduaçã Gerenciament de Prjets cm Ênfase nas Práticas d PMI Shirlei Sares Medeirs Braghett Gerenciand escp em Prjet utilizand RUP e PMI Sã Paul 2010 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

ANEXO I. Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana PRÓ-TRANSPORTE SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO SIM

ANEXO I. Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana PRÓ-TRANSPORTE SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO SIM Municípi de Curitiba URBS Urbanizaçã de Curitiba S.A. Av. Presidente Affns Camarg, 330 Rdferrviária Blc Central CEP 80060-090 Jardim Btânic Curitiba Paraná Tel. 41 3320-3232 Fax 41 3232-9475 Cx. Pstal

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

ÍNDICE. 7 Implementação e Monitorização... 90 7.1 Medidas e recomendações... 90 7.2 Monitorização... 92. 8 Conclusões... 96

ÍNDICE. 7 Implementação e Monitorização... 90 7.1 Medidas e recomendações... 90 7.2 Monitorização... 92. 8 Conclusões... 96 PLANO ESTRATÉGICO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES 2010-2016 AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO AMBIENTAL AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE MARÇO DE 2010 ÍNDICE 1 Intrduçã... 1 2

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Gestão de Benefícios na desmaterialização de processos do correio tradicional: um estudo de caso CAPSI 2012. Resumo

Gestão de Benefícios na desmaterialização de processos do correio tradicional: um estudo de caso CAPSI 2012. Resumo Gestã de Benefícis na desmaterializaçã de prcesss d crrei tradicinal: um estud de cas CAPSI 2012 Raquel Neves Rdrigues 1, Mári Rmã 2 1) ISCTE, Lisba, Prtugal rgsnr@iscte-iul.pt 2) ISCTE, Lisba, Prtugal

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

Versão 4.0. Central IT Governança Corporativa PROJETO 78. Documento de Entrega. Fábrica. Deploy 1.0.0-Beta. Produto: CitSmart GRP

Versão 4.0. Central IT Governança Corporativa PROJETO 78. Documento de Entrega. Fábrica. Deploy 1.0.0-Beta. Produto: CitSmart GRP Central IT Gvernança Crprativa Versã PROJETO 78 Dcument de Entrega de Deply da Fábrica Deply 1.0.0-Beta Prdut: CitSmart GRP 2/7 FO-098 Versã: Dcument de Entrega de Deply da Fábrica Históric de Revisã Data

Leia mais

RELATÓRIO DE. Anexos

RELATÓRIO DE. Anexos RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 Anexs Anex 1 RCM 112/2012 DR 1ª série nº 252 de 31 de Dezembr de 2012 Anex 2 Regulament Intern REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO TÉCNICA PARA A AGENDA PORTUGAL

Leia mais