Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr 2010) Página 1 de 10

2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO DEC DOMICÍLIO ELETRÔNICO DO CONTRIBUINTE ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS DO DEC ACESSO AO DEC CREDENCIAMENTO PRÉVIO LOGIN E PERFIS DE ACESSO CONSULTA À CAIXA POSTAL ELETRÔNICA - DEC INFORMAÇÃO DE SUPORTE...10 Manual DEC (dezembr 2010) Página 2 de 10

3 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO DEC - DOMICÍLIO ELETRÔNICO DO CONTRIBUITE 1. APRESENTAÇÃO Este manual visa a rientar s cntribuintes d Estad de Sã Paul quant à imprtância d DEC, suas funcinalidades e brigatriedade de cadastrament para recebiment de mensagens eletrônicas da Secretaria da Fazenda d Estad de Sã Paul (SEFAZ), cm cnteúd estritamente d interesse d cntribuinte. Cm DEC, tda infrmaçã de interesse d cntribuinte pderá chegar a ele através de uma caixa pstal eletrônica dispnível na internet, cuj acess será restrit a usuáris autrizads e prtadres de certificaçã digital de frma a garantir sigil, a identificaçã, a autenticidade e a integridade das cmunicações. 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS DO DEC Base Legal: Lei /09, Decret /10, Prtaria CAT 140/2010 e Resluçã SF 141/2010. Uma vez credenciad ns terms d artig 3º da Lei /09, as cmunicações da SEFAZ a sujeit passiv serã feitas, pr mei eletrônic, n DEC - Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte, dispensand-se a sua publicaçã n Diári Oficial d Estad u envi pr via pstal. Infrmações Gerais: DEC cnsistirá n Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte nde se encntrará sua Caixa Pstal Eletrônica para recebiment de mensagens. Tais mensagens pssuem caráter ficial e serã enviads apenas cnteúds que tenham relaçã cm a empresa. O acess a DEC, pel cntribuinte u seu utrgad, será permitid mediante efetivaçã de credenciament preliminar, e sempre cm certificaçã digital tip A3. Empresa credenciada e estabeleciment habilitad: O credenciament a DEC será únic pr empresa, valend para tds s estabeleciments de mesm CNPJ base. Cada estabeleciment terá um DEC própri para recebiment de suas mensagens, e este deverá estar cm status habilitad para que receba as mensagens. O envi de mensagens eletrônicas a DEC será autmaticamente suspens (caixa pstal será desabilitada) cas estabeleciment se encntre em estad cadastral na SEFAZ diferente de Ativ pr um praz mair d que 180 dias. O envi será retmad cas estabeleciment tenha seu estad cadastral Reativad. A cmunicaçã feita desta frma será cnsiderada pessal para tds s efeits legais. Cnsiderar-se-á realizada a cmunicaçã n dia em que sujeit passiv efetivar a cnsulta eletrônica a ter da cmunicaçã, que é dia em que a caixa pstal é acessada. A cnsulta à mensagem eletrônica n DEC deverá ser feita em até 10 (dez) dias cntads da data de envi da cmunicaçã, sb pena de ser cnsiderada autmaticamente realizada na data d términ desse praz, ns terms d artig 4º 2º, 3º, 4º e 5º da Lei Manual DEC (dezembr 2010) Página 3 de 10

4 O prcess de credenciament d cntribuinte a DEC será exclusivamente eletrônic, pcinal durante an de 2010 e brigatóri a partir de 2011, cnfrme crngrama a ser estabelecid pela SEFAZ. A pessa jurídica credenciada pderá nmear, via DEC, prcuradr eletrônic para cnsultar as mensagens eletrônicas recebidas pr mei d DEC, seja pessa física u jurídica, desde que prtadra de certificad digital. É pssível cnsultar via internet, junt a acess a DEC n site da SEFAZ, se determinad CNPJ está cadastrad para utilizaçã d DEC. Nesta cnsulta, cntribuinte pderá certificar-se se CNPJ cnsultad está habilitad para receber mensagens eletrônicas. Uma vez acessad DEC, esta checagem pderá ser feita também n menu Credenciament > Cnsultar > Situaçã DEC. Nesta cnsulta, usuári pderá certificar-se da situaçã das caixas pstais eletrônicas ds diverss estabeleciments sb sua respnsabilidade. Manual DEC (dezembr 2010) Página 4 de 10

5 2. ACESSO AO DEC Cnfrme legislaçã vigente, acess a DEC será dispnibilizad pr mei da internet n site da SEFAZ e para que cntribuinte pssa receber as cmunicações da SEFAZ pr mei eletrônic, ele deverá efetuar credenciament prévi. 2.1 CREDENCIAMENTO PRÉVIO AO DEC Para recebiment de cmunicaçã eletrônica pr mei d DEC, a pessa jurídica, na cndiçã de sujeit passiv de tributs estaduais, deverá efetuar seu credenciament. Este credenciament será pcinal durante an de 2010 e brigatóri a partir de 2011, cnfrme crngrama estabelecid pela SEFAZ (Resluçã SF 141/2010). O credenciament deverá ser efetuad n endereç eletrônic na funcinalidade relativa a Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte DEC pel prtadr d e- CNPJ da empresa u pr qualquer membr d quadr scietári da empresa, prtadr de e- CPF. O acess a DEC, inclusive n mment d credenciament, requer a utilizaçã de certificad digital tip A3 emitid cnfrme s critéris estabelecids pela Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil). Características Gerais d Credenciament: Será irrevgável e terá praz de validade indeterminad; Será únic pr pessa jurídica e válid para tds s estabeleciments cm mesm CNPJ base, inclusive para s que tiverem a inscriçã n CNPJ cncedida após credenciament da pessa jurídica a DEC; Será atribuíd um DEC própri para cada um ds estabeleciments da pessa jurídica credenciada; smente estabeleciment cm situaçã cadastral "Ativa" na SEFAZ terá seu DEC habilitad para recebiment de mensagens eletrônicas. estabeleciments que nã estejam em situaçã cadastral Ativa na SEFAZ e em permanecend nessa situaçã pr um períd superir a 180 dias terã seu ambiente DEC desabilitads. 2.2 LOGIN E PERFIS DE ACESSO Para acess a DEC, cntribuinte, seu sóci u respnsável legal deverá brigatriamente ser prtadr de certificaçã digital tip A3 tais cm e-cpf u e-cnpj. Seu Lgin será pr mei d seu certificad digital PERFIL MEMBRO DO QUADRO SOCIETÁRIO: RESPONSÁVEL N acess pr mei de usuári prtadr de e-cpf, DEC verificará n Cadastr de Cntribuintes d Estad de Sã Paul (CADESP) a lista de empresas das quais usuári é membr d quadr scietári, e exibirá para usuári: a lista de estabeleciments cm caixa pstal eletrônica já habilitada (credenciament efetuad) e, a lista de empresas a serem credenciadas (cas haja alguma ainda nã credenciada). O usuári pderá esclher qual caixa pstal eletrônica irá acessar. Manual DEC (dezembr 2010) Página 5 de 10

6 N acess pr mei d e-cnpj, a lista exibida cntemplará tds s estabeleciments vinculads a CNPJ base desta empresa para que pssa acessar a caixa pstal eletrônica de cada estabeleciment PERFIL PROCURADOR ELETRÔNICO: PROCURADOR A pessa jurídica credenciada a DEC pderá nmear prcuradr eletrônic para cnsultar as mensagens eletrônicas recebidas pr mei d DEC. N ambiente DEC, a acessar a funcinalidade Prcuraçã Eletrônica, respnsável pderá (a) criar, (b) cnsultar u (c) revgar as prcurações para (s) seu(s) estabeleciment(s). A prcuraçã eletrônica d DEC permite nmear um terceir (Pessa Física u Jurídica) cm Prcuradr Eletrônic, perante a SEFAZ, para acess a DEC ds estabeleciments esclhids n mment da criaçã da Prcuraçã Eletrônica. Send assim, smente prtadr d e-cnpj da empresa credenciada a DEC u algum membr d quadr scietári da empresa, prtadr de e-cpf, pderá criar uma prcuraçã eletrônica. Nã será pssível um prcuradr eletrônic criar prcurações eletrônicas. Manual DEC (dezembr 2010) Página 6 de 10

7 A prcuraçã eletrônica tem validade pr temp indeterminad, devend ser revgada n DEC para cessar seus efeits u renunciada pela parte utrgada. N acess a DEC pel prcuradr eletrônic, a lista exibida cntemplará tds s estabeleciments d qual usuári é prcuradr, cnfrme prcuraçã eletrônica utrgada pel estabeleciment em questã. Manual DEC (dezembr 2010) Página 7 de 10

8 2.3 A CONSULTA À CAIXA POSTAL ELETRÔNICA DO DEC Cm DEC, tda cmunicaçã da SEFAZ d interesse d cntribuinte pderá chegar através de sua caixa pstal eletrônica. Dad que a cnsulta à mensagem eletrônica n DEC deverá ser feita pel cntribuinte em até 10 (dez) dias cntads da data de envi da cmunicaçã, sb pena de ser cnsiderada autmaticamente realizada na data d términ desse praz, cada estabeleciment deverá acessar peridicamente sua caixa pstal eletrônica. Após acessar sistema: Usuári pderá cnsultar suas mensagens u cmunicads na caixa pstal eletrônica d estabeleciment: As categrias de mensagem pssíveis sã: Avis: nã gera brigações, nã havend cntagem de praz para cientificaçã; Ntificaçã: é cientificada quant a recebiment, seja na frma expressa (acess a DEC) u na frma autmática ( própri sistema cientifica pr haver transcrrid praz de10 dias); Intimaçã: mesmas características técnicas de ntificações, mas esta categria existe para atender brigações de empresas d Simples Nacinal u de cmunicações relacinadas a prcesss tributáris; Cmunicads: mensagens geradas pel sistema (mensagem de bas vindas, geraçã de prcuraçã eletrônica, etc) e nã há necessidade de cntrle quant à ciência pr parte d cntribuinte. O Usuári, cm mais de um estabeleciment, pderá cnsultar suas mensagens u cmunicads esclhend um ds estabeleciments listads na sua tela d DEC u pderá esclher Ir para a Caixa Pstal e digitar CNPJ cmplet d estabeleciment. Manual DEC (dezembr 2010) Página 8 de 10

9 A acessar DEC, Usuári visualizará a existência de nvas mensagens. A indicaçã (1) na figura acima é devid a 1 (uma) mensagem recebida e nã acessada ainda. Assim, usuári pderá facilmente identificar a existência de nvas mensagens. A receber a mensagem, esta terá uma identidade que servirá cm sua identificaçã dentr da SEFAZ. O Usuári, a acessar sua caixa pstal eletrônica, pderá ver ter da mensagem e as datas de envi e de ciência: Manual DEC (dezembr 2010) Página 9 de 10

10 O Usuári pderá visualizar suas mensagens a qualquer mment, elas permanecerã na caixa pstal. 3. INFORMAÇÃO DE SUPORTE O Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte estará sempre dispnível n Menu Ajuda. Além deste manual, sempre que necessári, cntribuinte pderá cntar cm canal Fale Cnsc da SEFAZ que já pssui tema específic Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte. Manual DEC (dezembr 2010) Página 10 de 10

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Coordenadoria da Administração Tributária Diretoria Executiva da Administração Tributária Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte Manual

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Coordenadoria da Administração Tributária Diretoria Executiva da Administração Tributária Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte Manual

Leia mais

DOMICÍLIO ELETRÔNICO DO CONTRIBUINTE DEC Obrigatoriedade da Secretaria da Fazenda (SEFAZ SP)

DOMICÍLIO ELETRÔNICO DO CONTRIBUINTE DEC Obrigatoriedade da Secretaria da Fazenda (SEFAZ SP) 29 de Junho de 2011 DOMICÍLIO ELETRÔNICO DO CONTRIBUINTE DEC Obrigatoriedade da Secretaria da Fazenda (SEFAZ SP) O Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, através da Resolução SF n 141/2010 (DOE

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Fazenda Receita Estadual MANUAL DO DTE

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Fazenda Receita Estadual MANUAL DO DTE MANUAL DO DTE Domicílio Tributário Eletrônico Sumário 1. Apresentação... 3 2. Credenciamento... 3 3. Legislação... 3 4. Informações Gerais... 3 5. Cientificação... 3 6. Logins e formas de acesso à caixa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas Versã: 3.0.0.48 Empresa: TrucksCntrl Slicitante: Diretria Respnsável: Fernand Marques Frma de Slicitaçã: e-mail/reuniã Analista de Negóci: Fábi Matesc Desenvlvedr: Fabian Suza Data: 24/09/2012 Sistema

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

SEGURO DESEMPREGO ON-LINE.

SEGURO DESEMPREGO ON-LINE. SEGURO DESEMPREGO ON-LINE. GERAÇÃO DO ARQUIVO SEGURO DESEMPREGO NO SGRH: Depois de calcular a rescisão, acesse o menu Relatórios > Demissionais > Requerimento SD, selecione o empregado que será gerado

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOS DOS CONVÊNIOS...

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Sistema do Prouni - SISPROUNI

Sistema do Prouni - SISPROUNI Sistema do Prouni - SISPROUNI Manual do Usuário Módulo Supervisão de Bolsistas Sumário I ACESSO AO SISPROUNI... 1 1. Endereço de Acesso na Internet... 1 2. Uso Obrigatório de Certificado Digital... 1 3.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS MANUAL DO DTE

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS MANUAL DO DTE MANUAL DO DTE Domicílio Tributário Eletrônico PERFIL CREDENCIADO NOVEMBRO DE 2012 (VERSÃO 1.0) Av. Vereador José Monteiro, nº. 2233, Setor Nova Vila - Bloco A - CEP: 74.650-900 Goiânia Goiás 1 MANUAL DE

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

Vincular Equipamento SAT

Vincular Equipamento SAT P á g i n a 1 Bem vindo ao Passo a Passo do Sistema de Gestão e Retaguarda do SAT-CF-e de SP para Vincular Equipamento SAT Atualizado em: 27/11/2014 Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais

Leia mais

O que é o SAT. Principais características do SAT. Prazos e obrigatoriedade

O que é o SAT. Principais características do SAT. Prazos e obrigatoriedade O que é o SAT SA T O SAT, Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais Eletrônicos, é um sistema que tem por objetivo documentar, de forma eletrônica, as operações comerciais do varejo dos contribuintes

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Manual de orientação da Autorização Eletrônica. Autorização Eletrônica no Portal e-cac

Manual de orientação da Autorização Eletrônica. Autorização Eletrônica no Portal e-cac Manual de orientação da Autorização Eletrônica Autorização Eletrônica no Portal e-cac Autorização Eletrônica no Portal e-cac Versão 1.0-30/04/2013 Sumário 1. Apresentação...1 O Portal e-cac...2 Acesso

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Domicílio Tributário Eletrônico DTE DT- Domicílio Tributário Eletrônico MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.0.0

Domicílio Tributário Eletrônico DTE DT- Domicílio Tributário Eletrônico MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.0.0 Domicílio Tributário Eletrônico DTE DT- Domicílio Tributário Eletrônico MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.0.0 Setembro/2015 Domicílio Tributário Eletrônico DT-e MANUAL MÓDULO CONTRIBUINTE SUMÁRIO DOMICÍLIO TRIBUTÁRIO

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

Tutorial Sistema Porto Sem Papel

Tutorial Sistema Porto Sem Papel Tutrial Sistema Prt Sem Papel 8 ESTADIA CONVENCIONAL: A estadia cnvencinal é aquela em que a embarcaçã deseja executar uma peraçã de carga, descarga, carga/descarga, embarque/desembarque de passageirs

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

MANUAL DESENVOLVEDOR PAF-ECF. Fortaleza, 07 de Junho de 2010

MANUAL DESENVOLVEDOR PAF-ECF. Fortaleza, 07 de Junho de 2010 MANUAL DO DESENVOLVEDOR PAF-ECF Fortaleza, 07 de Junho de 2010 De acordo com o Art. 11 do Decreto nº 29907/09, somente o Programa Aplicativo Fiscal (PAF-ECF) devidamente registrado na COTEPE/ICMS e cujo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual da Declaração Eletrônica de Serviços de Instituições Financeiras (DES-IF) Todos os dados e valores apresentados neste manual são ficticios. Qualquer dúvida consulte a legislação vigente. Página

Leia mais

Módulo Consulta de Contribuinte Internet

Módulo Consulta de Contribuinte Internet SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA Módulo Consulta de Contribuinte Internet ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO CONSULTA DE CONTRIBUINTE... 3 2.1 SEGURANÇA... 3 2.2 BOTÕES...

Leia mais

Serviços Ibama Certificação Digital

Serviços Ibama Certificação Digital Guia da nos 1. Informações Gerais Objetivando garantir mais segurança ao acesso dos usuários dos Serviços do Ibama, foi estabelecido desde o dia 1º de janeiro de 2014, o acesso por meio de certificação

Leia mais

INTRODUÇÃO... 3 TELA DE LOGIN... 4 TIPOS DE FAC EXISTENTE... 7 FAC DE PEDIDO DE BAIXA OU SUSPENSÃO FAC DE REATIVAÇÃO FAC DE ALTERAÇÃO

INTRODUÇÃO... 3 TELA DE LOGIN... 4 TIPOS DE FAC EXISTENTE... 7 FAC DE PEDIDO DE BAIXA OU SUSPENSÃO FAC DE REATIVAÇÃO FAC DE ALTERAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 TELA DE LOGIN... 4 TIPOS DE FAC EXISTENTE... 7 FAC DE PEDIDO DE BAIXA OU SUSPENSÃO... 8 FAC DE REATIVAÇÃO... 10 FAC DE ALTERAÇÃO... 11 GRUPOS DE ATUALIZAÇÃO POSSIVEL... 11 TELAS

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

Módulo Consulta de Contribuinte Internet

Módulo Consulta de Contribuinte Internet SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA Módulo Consulta de Contribuinte Internet ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO CONSULTA DE CONTRIBUINTE... 3 2.1 SEGURANÇA... 3 2.2 BOTÕES...

Leia mais

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL REGULAMENTO BIBLIOTECA FACULDADE IPEL Regulament Bibliteca FACULDADE IPEL Pus Alegre/MG 2014 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESTE REGULAMENTO TEM POR OBJETIVO ESTABELECER NORMAS REFERENTES AO FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão: 24/05/2010 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA. Módulo Regime Especial Internet

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA. Módulo Regime Especial Internet SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA Módulo Regime Especial Internet ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGIME ESPECIAL... 3 2.1 SEGURANÇA... 3 2.2 BOTÕES... 3 2.3 PREENCHIMENTO...

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD Informações Gerais 1. O que é a Escrituração Fiscal Digital - EFD? A Escrituração Fiscal Digital EFD, também chamada de SPED Fiscal,

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014 PUBLICADO NO D.O.E. Nº 26.912 DE 13.02.2014. Regulamenta a Lei nº 7.650, de 31 de maio de 2013, que dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ, e o sujeito passivo

Leia mais

Manual do Utilizador. Portal dos Jurisdicionados Cadastro

Manual do Utilizador. Portal dos Jurisdicionados Cadastro Manual do Utilizador Portal dos Jurisdicionados Cadastro TCM/PA 2015 1. CONDIÇÕES DE ACESSO O acesso ao Portal dos Jurisidicionados Cadastro é feito, exclusivamente, com o uso de certificação digital,

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 00 Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 01 TERMOS DE USO DO ECOSELO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO: Irineu Antni Brrasca Presidente d CETEC

Leia mais

Cartilha: Certificado Digital

Cartilha: Certificado Digital Certificação de Entidades Beneficientes de Assistência Social - CEBAS - 1 - Ministério da Educação Secretaria Executiva Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade Diretoria de Tecnologia

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE TRIBUTAÇÃO M A N U A L D A NOTA FISCAL AVULSA ÍNDICE 1. Acesso ao Portal do Sistema...6 2. Requerimento de Acesso para os novos usuários...6 2.1 Tipo

Leia mais

Manual de Instruções. Programa para Baixar Arquivos XML XML CONQUER

Manual de Instruções. Programa para Baixar Arquivos XML XML CONQUER 1 Manual de Instruções Programa para Baixar Arquivos XML XML CONQUER Sumário Apresentação:... 2 Exigência para funcionalidade do software:... 3 Instalação:... 4 Utilização... 5 Menu NFE/CTE XML... 7 XML

Leia mais

Guia operação site www.atu.com.br

Guia operação site www.atu.com.br Guia operação site www.atu.com.br OBS: as telas no site bem como no sistema de gestão poderão sofrer alguma alteração, com base nos exemplos ilustrativos deste manual. 1. Objetivo Este guia tem como objetivo

Leia mais

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR 1 - Integra Services Atenção: o Integra Services está disponível a partir da versão 2.0 do software Urano Integra. O Integra Services é um aplicativo que faz parte

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13.

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13. Página 1 / 15 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13 Página 2 / 15 APRESENTAÇÃO O que é: O Sistema de Registro

Leia mais

Coordenação-Geral de Tecnologia e Segurança da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários

Coordenação-Geral de Tecnologia e Segurança da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários Coordenação-Geral de Tecnologia e Segurança da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários Sistema de Informações ao Judiciário InfoJud Manual do Usuário

Leia mais

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador

Help de NFSe. 2011 E&L Produções de Software LTDA. Contador Contador 2 1 Credenciamento Se for prestador do município, substituto ou empresas de outros municípios clique na opção credenciar Para acessar a tela de credenciamento do contador, clique na opção Contador

Leia mais

MANUAL DA COMPENSAÇÃO

MANUAL DA COMPENSAÇÃO MANUAL DA COMPENSAÇÃO Versão fevereiro/2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 03 1.1 APRESENTAÇÃO DO APLICATIVO... 03 1.2 OBJETIVOS DO APLICATIVO... 03 1.3 A QUEM SE DESTINA... 03 2 REQUISITOS TECNOLÓGICOS... 03

Leia mais

Sistema de Informações ao Judiciário. InfoJud. Manual do Usuário

Sistema de Informações ao Judiciário. InfoJud. Manual do Usuário Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários Sistema de Informações ao Judiciário InfoJud Manual do Usuário Página 1

Leia mais

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012)

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012) NFE Nota Fiscal eletrônica Versão 2.0 (07/2012) Sumário INTRODUÇÃO... 2 COMO OBTER AUTORIZAÇÃO PARA EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA... 3 2º VIA DE SOLICITAÇÃO/AUTORIZAÇÃO DE IMPRESSÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS...

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

Manual de orientações para a instalação do Java e envio da declaração utilizando a Certificação Digital

Manual de orientações para a instalação do Java e envio da declaração utilizando a Certificação Digital Manual de orientações para a instalação do Java e envio da declaração utilizando a Certificação Digital Pré - requisitos Utilizar como navegador padrão o Mozilla Firefox (Atualizado); O driver do Certificado

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e

NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e Informações Gerais 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

Passo a Passo: Reiniciar Senha do Contribuinte na Internet

Passo a Passo: Reiniciar Senha do Contribuinte na Internet 1 Passo a Passo: Reiniciar Senha do Contribuinte na Internet A funcionalidade Reiniciar Senha no SIARE/Internet será utilizada pelos usuários que esqueceram sua senha e possuem a Identificação tipo: Inscrição

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado eletronicamente, de existência apenas digital, para vincular os documentos fiscais

Leia mais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais

ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais O que fazer para: ITR Municípios Conveniados - Orientações Gerais 1 - Acessar o Portal ITR Municípios Conveniados. 1.1 O Portal ITR está disponível exclusivamente para Municípios Conveniados, no e-cac,

Leia mais

CADASTRO DE CONTRIBUINTES DO ICMS

CADASTRO DE CONTRIBUINTES DO ICMS CADASTRO DE CONTRIBUINTES DO ICMS CADASTRO DE CONTRIBUINTES DO ICMS - CADESP Informações Gerais 1. Qual o primeiro passo para se abrir uma empresa no Estado de São Paulo? O processo de abertura de empresa

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS. Área de Operações Indiretas - AOI

Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS. Área de Operações Indiretas - AOI Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS Área de Operações Indiretas - AOI SUMÁRIO 1 ENTRADA NO SISTEMA... 1 2 UTILIZAÇÃO DO AUTOSERVIÇO DE TROCA DE SENHAS... 7 3 MODALIDADES

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Em Login do Administrador o usuário do sistema vai digitar seu Nome de Usuário e a senha, que foi criado anteriormente.

ÍNDICE. 1.1 Em Login do Administrador o usuário do sistema vai digitar seu Nome de Usuário e a senha, que foi criado anteriormente. ÍNDICE Descrição 1.0 Acessos ao Sistema 1.1 Login do Administrador 1.2 Login do Fiscal 1.3 Login do Contribuinte 2.0 Menu Principal 2.1 Gerar NFS-e 2.1.1 Gerar NFS-e 2.2 Cadastros 2.2.1 Cadastro de Atividades

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA

MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA 1 Índice DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço

Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço VALPARAÍSO DE GOIÁS quarta-feira, 28 de outubro de 2014 Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço ÍNDICE Legislação Cadastrando A Senha Eletrônica Acessando O Sistema De Nfs- E Pela Primeira Vez

Leia mais

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Sumário PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ETIQUETAS DE REPARO...3 Figura 1.0...3 Figura 2.0...4 Figura 3.0...5 Figura 4.0...5 1. Proprietário

Leia mais

Solicitação de transferência do aluno

Solicitação de transferência do aluno Solicitação de transferência do aluno 1 Conteúdo Conteúdo... 2 Introdução... 3 Solicitação de transferência de aluno... 4 Aba Solicitação de Transferência:... 5 Aba Acompanhamento de Solicitações:... 12

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

ÍNDICE. 1 -SIAT ONLINE Considerações Gerais 1.1 - Benefícios Pessoas Físicas. 1.2 - Benefícios Pessoas Jurídicas. 1.3 - Tela Inicial anônimos

ÍNDICE. 1 -SIAT ONLINE Considerações Gerais 1.1 - Benefícios Pessoas Físicas. 1.2 - Benefícios Pessoas Jurídicas. 1.3 - Tela Inicial anônimos ÍNDICE 1 -SIAT ONLINE Considerações Gerais 1.1 - Benefícios Pessoas Físicas. 1.2 - Benefícios Pessoas Jurídicas. 1.3 - Tela Inicial anônimos 1.4 Acesso Restrito Direcionado a Empresas 2 - Consulta Débito

Leia mais

Manual do Parcelamento do Simples Nacional

Manual do Parcelamento do Simples Nacional Manual do Parcelamento do Simples Nacional Versão Setembro/2014 ÍNDICE 1 - Acesso... 03 2 - Requisitos tecnológicos... 06 3 - Funcionalidades do aplicativo... 07 3.1 - Pedido de Parcelamento... 07 3.2

Leia mais

CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS

CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS Para a prefeitura foi definido dois tipos de usuários: Usuário máster e Usuário Final. O cadastramento para acesso ao CadÚnico V7 é feita

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

Manual de utilização do PJe sem certificado digital

Manual de utilização do PJe sem certificado digital Manual de utilização do PJe sem certificado digital Índice Introdução Restrições de acesso ao usuário que acessar o PJe sem certificado digital Procedimento para criar uma senha de acesso ao sistema sem

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA BAIXA CADASTRAL ELETRÔNICA

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA BAIXA CADASTRAL ELETRÔNICA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA BAIXA CADASTRAL ELETRÔNICA MANUAL DO CONTRIBUINTE Junho/2013 1. Apresentação O sistema da Baixa Cadastral Eletrônica foi desenvolvido com o intuito de facilitar a

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Secretaria De Estado de Fazenda Superintendência de Gestão da Informação Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários DECLARAÇÃO DE COMPRA

Leia mais

MANUAL COM PASSO-A-PASSO. PARA CADASTRO DE EMISSOR DE NF-E (on-line)

MANUAL COM PASSO-A-PASSO. PARA CADASTRO DE EMISSOR DE NF-E (on-line) MANUAL COM PASSO-A-PASSO PARA CADASTRO DE EMISSOR DE NF-E (on-line) Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Versão: Dezembro/2010 Conteúdo CADASTRO EMISSOR NF-e ONLINE...2 LIBERAÇÃO DO AMBIENTE

Leia mais

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1

NFSE - Nota Fiscal de Serviços Eletrônica 1 1 DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais, contanto que as cópias sejam feitas

Leia mais