Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social"

Transcrição

1 Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações. Qualquer cláusula d Estatut da ICANN pde ser alterada pr uma vtaçã de 2/3 ds membrs da diretria da ICANN. A diretria da ICANN nã é brigada a cnsultar a cmunidade de participaçã múltipla nem públic mais ampl para fazer alterações n estatut, mas vem fazend iss de maneira vluntária até mment. 02 O CCWG de respnsabilidade recmenda classificar cada cláusula d Estatut da ICANN cm estatut fundamental u estatut padrã, send estatut fundamental mais difícil de ser alterad. 03 Especificamente, CCWG de respnsabilidade recmenda que: Sejam brigatórias cnsultas públicas a respeit de tdas as alterações n Estatut da ICANN, tant n fundamental quant n padrã. A brigatriedade das cnsultas públicas seja adicinada a Estatut da ICANN cm uma cláusula d estatut fundamental para garantir que a ICANN cntinue envlvend a cmunidade n futur. As alterações n estatut fundamental exijam aprvaçã tant da diretria da ICANN quant da cmunidade autônma, cnfrme definid n respectiv pder da cmunidade (cnsulte a recmendaçã nº 4: garantir envlviment da cmunidade nas tmadas de decisã da ICANN: sete nvs pderes da cmunidade). O limite mínim para a aprvaçã da alteraçã de uma cláusula d estatut fundamental pr parte da diretria da ICANN seja aumentad de 2/3 para 3/4. A aprvaçã de alterações n cntrat scial usa mesm prcess exigid para aprvar alterações n estatut fundamental, inclusive cnsultas públicas. 04 Pr que CCWG de respnsabilidade está fazend esta recmendaçã? O CCWG de respnsabilidade cnsideru fundamental garantir que Estatut da ICANN incrpre a finalidade da rganizaçã (missã, cmprmisss e valres essenciais) e que seu bjetiv seja garantir que a respnsabilidade da diretria da ICANN nã pssa ser alterada pela própria diretria de maneira slitária. 19 de fevereir de

2 2. Recmendações d CCWG de respnsabilidade 05 O CCWG de respnsabilidade recmenda: Classificar cada cláusula d Estatut da ICANN cm estatut fundamental u estatut padrã. Transfrmar as seguintes recmendações d CCWG de respnsabilidade e d CWG de administraçã em cláusulas d estatut fundamental: A cmunidade autônma para aplicar pderes da cmunidade, inclusive a funçã de designadr únic ds diretres da ICANN, cnfrme descrit na recmendaçã nº 1: frmar uma cmunidade autônma para aplicar s pderes da cmunidade. Os mecanisms de encaminhament e aplicaçã, cnfrme descrits na recmendaçã nº 2: dar autnmia à cmunidade pr mei de cnsens: participaçã, encaminhament, aplicaçã. O prcess para alterar estatut fundamental e/u cntrat scial e para aprvar a venda da ICANN u utra dispsiçã de tds u cnsideravelmente tds s ativs da ICANN, cnfrme descrit na recmendaçã nº 3: redefinir Estatut da ICANN cm estatut padrã e estatut fundamental. Os sete pderes da cmunidade, cnfrme descrits na recmendaçã nº 4: garantir envlviment da cmunidade nas tmadas de decisã da ICANN: sete nvs pderes da cmunidade. A missã, s cmprmisss e s valres essenciais, cnfrme descrits na recmendaçã nº 5: alterar aspects da missã, cmprmisss e valres essenciais da ICANN. A estrutura d prcess de revisã independente (IRP), cnfrme descrita na recmendaçã nº 7: refrçar prcess de revisã independente da ICANN. A revisã das funções da IANA, a revisã especial das funções da IANA e prcess de separaçã, mecanisms de respnsabilidade para as funções relacinadas a nmes da IANA que sã exigids pela prpsta d CWG de administraçã. As estruturas de gvernança da PTI e d cmitê permanente d cliente, também exigids pela prpsta d CWG de administraçã Os direits de investigaçã e inspeçã, cnfrme descrits na recmendaçã nº 1: frmar uma cmunidade autônma para aplicar s pderes da cmunidade. Exigir que a ICANN faça cnsultas públicas sbre qualquer alteraçã prpsta n estatut padrã, estatut fundamental u cntrat scial. Exigir aprvaçã para qualquer alteraçã n estatut fundamental e n cntrat scial, tant pr parte da diretria da ICANN cm pr parte da cmunidade autônma, cnfrme definid n pder da cmunidade descrit na recmendaçã nº 4: garantir envlviment da cmunidade nas tmadas de decisã da ICANN: sete nvs pderes da cmunidade. Aumentar limite para que a diretria da ICANN aprve alterações n estatut fundamental u n cntrat scial de 2/3 para 3/4 ds membrs da diretria da ICANN. 19 de fevereir de

3 3. Explicaçã detalhada das recmendações 06 O que é estatut fundamental? 07 O Estatut da ICANN descreve cm pder é exercid na ICANN, definind inclusive a missã, s cmprmisss e s valres essenciais da rganizaçã. Juntamente cm cntrat scial, estatut é uma parte essencial da ICANN, prque define escp de autridade crprativa da rganizaçã, determina sua estrutura de gvernança e define as práticas de trabalh. 08 Atualmente, Estatut da ICANN pde ser alterad pr uma resluçã da diretria, cm uma vtaçã de 2/3 de tds s diretres. O CCWG de respnsabilidade acredita que cnjunt das principais cláusulas d estatut que sã fundamentais para a estabilidade da ICANN e a cntinuidade peracinal e essenciais para s direits de decisã da cmunidade deve ser mais prtegid cntra alterações pela exigência de aprvaçã da cmunidade autônma para tds s aditaments. 09 Essas cláusulas serã identificadas cm estatut fundamental. 10 Neste sentid, CCWG de respnsabilidade prpõe trnar estatut fundamental mais difícil de alterar que estatut padrã de duas maneiras: 1. Pel cmpartilhament da autridade para autrizar alterações entre a diretria da ICANN e a cmunidade autônma, rganizada pr mei das rganizações de api e cmitês cnsultivs participantes cm participantes decisóris na cmunidade autônma, cnfrme definid na recmendaçã nº 1: frmar uma cmunidade autônma para aplicar s pderes da cmunidade. 2. Pela exigência de um limite mínim de vts da diretria da ICANN favráveis para autrizar alterações n estatut fundamental mais alt que n estatut padrã. 11 A criaçã d estatut fundamental aumentaria indiretamente a respnsabilidade da ICANN diante da cmunidade glbal da Internet pel cmpartilhament mais ampl da autridade de tmada de decisões e pel aument da dificuldade para alterar esses aspects fundamentais da ICANN. 12 Esta recmendaçã é imprtante n cntext da transiçã da administraçã da IANA, pis a relaçã cntratual histórica cm gvern ds Estads Unids garantia à cmunidade de participaçã múltipla que a natureza fundamental da ICANN nã seria alterada sem um acrd ampl. Sem essa relaçã, as prteções ds prcediments e cmpartilhament mais ampl 19 de fevereir de

4 ds direits de decisã em relaçã a cmpnentes essenciais d escp e da autridade da ICANN devem ajudar a manter a cnfiança da cmunidade na ICANN. 13 Criaçã d estatut fundamental 14 Para implementar a criaçã d estatut fundamental, seria adicinada uma nva cláusula a estatut, definind: 1. Quais seções d estatut cnstituem estatut fundamental (u seja, uma lista ds artigs/seções/subseções fundamentais) 2. Cm pdem ser definidas as nvas cláusulas d estatut fundamental e cm as cláusulas existentes pdem ser alteradas u remvidas 15 Adiçã de nvas cláusulas a estatut fundamental u alteraçã das existentes 16 Embra CCWG de respnsabilidade recmende frtalecer determinads aspects d Estatut da ICANN, interesse públic glbal nã seria atendid se a ICANN nã pudesse evluir de md a acmpanhar ambiente dinâmic da Internet. 17 Prtant, CCWG de respnsabilidade recnhece a imprtância da capacidade de definir nvas cláusulas d estatut fundamental cm temp, bem cm de alterar u remver as cláusulas existentes. 18 As etapas a seguir serã necessárias para criar uma nva cláusula d estatut fundamental u para alterar u remver uma cláusula existente, cas a diretria da ICANN (u a equipe através da diretria da ICANN) prpnha a adiçã, alteraçã u remçã: A diretria prpõe uma nva cláusula d estatut fundamental, a alteraçã de uma cláusula d estatut fundamental u a remçã de uma cláusula d estatut fundamental. 19 de fevereir de

5 A diretria aprva a adiçã, alteraçã u remçã da cláusula d estatut fundamental cm uma vtaçã de 3/4 de tds s membrs da diretria da ICANN. A cmunidade autônma aprva a adiçã, alteraçã u remçã da cláusula d estatut fundamental (cnfrme descrit na recmendaçã nº 4: garantir envlviment da cmunidade nas tmadas de decisã da ICANN: sete nvs pderes da cmunidade). 19 Se a adiçã, alteraçã u remçã da cláusula d estatut fundamental fr aprvada tant pela diretria da ICANN cm pela cmunidade autônma: A cláusula nva/revisada deverá ser incluída n Estatut da ICANN e mencinada cm estatut fundamental (se necessári) na parte d estatut que relacina as cláusulas d estatut fundamental. N cas de uma alteraçã n text de cláusulas existentes d Estatut da ICANN, text deverá ser atualizad. N cas de uma remçã, text deverá ser remvid d Estatut da ICANN. 20 O CCWG de respnsabilidade nã prpõe que a cmunidade btenha pder de prpr alterações n estatut diretamente. 21 Quais cláusulas d estatut atual passariam a fazer parte d estatut fundamental? 22 O CCWG de respnsabilidade recmenda que apenas aspects crítics d Estatut da ICANN sejam classificads cm estatut fundamental para evitar a intrduçã de uma rigidez desnecessária nas estruturas da ICANN. O CCWG de respnsabilidade cncluiu que recmendar que tdas as alterações n Estatut da ICANN tenham s mesms limites mínims prpsts para estatut fundamental prejudicaria a respnsabilidade geral da ICANN, em vez de a favrecer. 23 Na piniã d CCWG de respnsabilidade, s aspects crítics sã aqueles que definem a missã, s cmprmisss e s valres essenciais da ICANN, s requisits da prpsta d CWG de administraçã e as ferramentas de respnsabilidade essenciais que a cmunidade exige. 24 De maneira crrespndente, CCWG de respnsabilidade recmenda que s seguintes aspects sejam cnstituíds cm estatut fundamental, cm parte da linha de trabalh 1: A cmunidade autônma para aplicar pderes da cmunidade, inclusive a funçã de designadr únic ds diretres da ICANN, cnfrme descrit na recmendaçã nº 1. Os mecanisms de encaminhament e aplicaçã, cnfrme descrits na recmendaçã nº 2. O prcess para alterar estatut fundamental e/u cntrat scial e para aprvar a venda da ICANN u utra dispsiçã de tds u cnsideravelmente tds s ativs da ICANN, cnfrme descrit na recmendaçã nº 3. Os sete pderes da cmunidade, cnfrme descrits na recmendaçã nº 4. A missã, s cmprmisss e s valres essenciais, cnfrme descrits na recmendaçã nº 5. A estrutura d prcess de revisã independente, cnfrme descrita na recmendaçã nº de fevereir de

6 A revisã das funções da IANA, a revisã especial das funções da IANA e prcess de separaçã, mecanisms de respnsabilidade para as funções relacinadas a nmes da IANA que sã exigids pela prpsta d CWG de administraçã. As estruturas de gvernança da PTI e d cmitê permanente d cliente, também exigids pela prpsta d CWG de administraçã Os direits de investigaçã e inspeçã (cnfrme descrits na recmendaçã nº 1: frmar uma cmunidade autônma para aplicar s pderes da cmunidade). 25 Cntrat scial 26 A assessria jurídica d CCWG de respnsabilidade acnselhu seguinte a cnsiderar alterações n cntrat scial da ICANN: Os dcuments de cnstituiçã de uma crpraçã de utilidade pública sem fins lucrativs da Califórnia, cm a ICANN, sã respectiv cntrat scial e estatut. Há uma hierarquia entre esses dcuments: cntrat scial prevalece quand há algum cnflit entre este e estatut. Essa relaçã hierárquica se mantém mesm quand cnflit fr entre cntrat scial e estatut 'fundamental', que exige cnsentiment de uma terceira parte (n cas da ICANN, a cmunidade autônma) para ser alterad. De acrd cm a legislaçã de crprações sem fins lucrativs da Califórnia, quand uma crpraçã nã tem membrs legais, a diretria pde adtar alterações n cntrat scial. N entant, a alteraçã d cntrat scial pde estar sujeita a cnsentiment de uma terceira parte, assim cm a alteraçã d estatut. N cas da ICANN, se à cmunidade autônma nã fr cncedid direit de aprvar alterações n cntrat scial, há risc de que as cláusulas d estatut fundamental pssam ser debilitadas pr alterações n cntrat scial pr parte da diretria da ICANN, dada a relaçã hierárquica descrita acima. Prtant, recmendams incluir um direit de aprvaçã em relaçã a alterações n cntrat scial da ICANN a favr da cmunidade autônma, da mesma frma que esta tem direits de aprvaçã em relaçã a estatut fundamental. 27 Neste sentid, CCWG de respnsabilidade recmenda que as alterações n cntrat scial da ICANN sigam mesm prcess e s limites mínims de aprvaçã descrits acima para aprvar alterações n estatut fundamental. 19 de fevereir de

7 28 É imprtante bservar que cntrat scial atual da ICANN afirma que: 9. Este cntrat scial pderá ser alterad mediante uma vtaçã a favr de pel mens dis terçs ds diretres da crpraçã. Se a crpraçã tiver membrs, essa alteraçã deverá ser ratificada pr uma mairia de pel mens dis terçs (2/3) ds membrs vtantes. 29 Prtant, CCWG de respnsabilidade recmenda que cntrat scial seja mdificad para remver a nçã de membrs e refletir a necessidade de uma vtaçã a favr mais expressiva, de pel mens 3/4 ds diretres da ICANN, assim cm a aprvaçã da cmunidade autônma pr mei d mesm prcess de aprvaçã e limites mínims usads para aprvar alterações n estatut fundamental. 30 A lcalizaçã d escritóri central da ICANN deve ser uma cláusula d estatut fundamental? 31 Tant cntrat scial cm Estatut da ICANN abrdam estad da cnstituiçã (u dmicíli crprativ) da ICANN e a lcalizaçã de seu escritóri central: O cntrat scial atual da ICANN afirma: 3. Esta é uma crpraçã de utilidade pública sem fins lucrativs e nã é cnstituída para benefíci própri de nenhuma pessa. Ela está rganizada de acrd cm a lei de crprações de utilidade pública sem fins lucrativs da Califórnia para fins beneficentes e públics. A seçã 1 d artig XVIII d Estatut atual da ICANN afirma: ESCRITÓRIOS. O escritóri central para a realizaçã ds negócis da ICANN deverá lcalizar-se n municípi de Ls Angeles, estad da Califórnia, Estads Unids da América. A ICANN também pderá ter um u váris escritóris adicinais 19 de fevereir de

8 dentr u fra ds Estads Unids da América, cnfrme pssam ser eventualmente estabelecids. O parágraf 8(b) da Ratificaçã de cmprmisss afirma: A ICANN ratifica seus cmprmisss de: (b) cntinuar send uma crpraçã sem fins lucrativs cm escritóri central ns Estads Unids da América e escritóris em td mund para atender às necessidades de uma cmunidade glbal Cm recmendad pel CCWG de respnsabilidade na seçã anterir, cntrat scial deveria exigir que a aprvaçã de quaisquer alterações n cntrat scial use mesm prcess e limites mínims exigids para aprvar alterações n estatut fundamental. 33 Assim, estad de cnstituiçã/dmicíli crprativ da ICANN nã pderia ser alterad sem cnsentiment afirmativ da cmunidade autônma. N entant, para garantir que status da ICANN enquant crpraçã de utilidade pública sem fins lucrativs da Califórnia nã pssa ser alterad pr mei de uma transferência de ativs e/u dissluçã sem cnsentiment afirmativ da cmunidade autônma, deverá ser adicinada uma cláusula a cntrat scial exigind que a aprvaçã da cmunidade autônma para uma transferência de tds u cnsideravelmente tds s ativs da ICANN. 34 A diretria da ICANN pderia prpr uma alteraçã na cláusula d estatut que exige a lcalizaçã d escritóri central da ICANN na Califórnia, mas a cmunidade autônma pderia blquear a alteraçã. 35 Nã huve cnsens para apiar a classificaçã desta cláusula cm estatut fundamental, que exigiria cnsentiment afirmativ da cmunidade autônma. 36 Pder da cmunidade: aprvar alterações n estatut fundamental e n cntrat scial 37 A criaçã d estatut fundamental e a exigência de aprvaçã de alterações n cntrat scial pr parte da cmunidade autônma garantiriam que s aspects essenciais ds pderes e prcesss necessáris para manter a respnsabilidade da ICANN perante a cmunidade, bem cm sua missã, seus cmprmisss e seus valres essenciais, só pudessem ser alterads cm resultad de um ampl cnsens, tant da diretria da ICANN cm da cmunidade. 38 A cmunidade autônma deveria dar seu cnsentiment afirmativ a qualquer alteraçã prpsta e adtada pela diretria da ICANN para que essa alteraçã pudesse ter efeit legal, cm parte de um prcess de decisã cnjunta entre a diretria da ICANN e a cmunidade autônma. Cm a criaçã desse prcess especial de decisã cnjunta, a autridade para alterar aspects fundamentais da estrutura de gvernança da ICANN será cmpartilhada de frma muit mais ampla d que é hje. 39 O trabalh d CCWG de respnsabilidade presume que cntrat scial e as cláusulas d Estatut da ICANN que se recmenda cnstituir cm estatut fundamental prvavelmente nã seriam alterads cm frequência. Se huver alterações, é imprvável que elas surjam de uma hra para utra u que seja necessári lidar cm elas em situações peracinais de curt praz. 40 Prtant, CCWG de respnsabilidade nã acredita que esse pder da cmunidade, cnfrme prpst, apresente desafis à viabilidade peracinal, estabilidade u eficiência atuais da ICANN. 19 de fevereir de

9 41 Essas alterações exigem um alt grau de api ds participantes decisóris da cmunidade autônma, já que a finalidade desse pder é smente trnar pssível alterar estatut fundamental u cntrat scial cm um ampl api da cmunidade. 42 Para bter mais infrmações sbre s utrs pderes da cmunidade recmendads pel CCWG de respnsabilidade, cnsulte a recmendaçã nº 4: garantir envlviment da cmunidade nas tmadas de decisã da ICANN: sete nvs pderes da cmunidade. 4. Alterações da terceira versã preliminar da prpsta sbre as recmendações da linha de trabalh 1 Fi esclarecid que as cláusulas da revisã das funções da IANA (IFR) se aplicam smente às funções da IANA relacinadas a nmes (exigência d CWG de administraçã). Fi esclarecid que prcess para alterar cntrat scial deve ser semelhante a prcess para alterar estatut fundamental, assim cm prcess para aprvar a venda da ICANN u utra dispsiçã de tds u cnsideravelmente tds s ativs da ICANN. Fi adicinada uma recmendaçã específica de que cntrat scial atual seja mdificad para remver a nçã de membrs e refletir a necessidade de uma vtaçã a favr de pel mens 3/4 ds diretres da ICANN, assim cm a aprvaçã da cmunidade autônma. 5. Testes de resistência relacinads a esta recmendaçã Nã aplicável. 6. De que maneira esta recmendaçã atende as requisits d CWG de administraçã? 43 Estas recmendações atendem a requisit d CWG de administraçã de que CCWG de respnsabilidade recmendasse a criaçã de um estatut fundamental, incluind: Orçaments e planejaments estratégics/peracinais da ICANN e rçaments da IANA: direits da cmunidade em relaçã à elabraçã e cnsideraçã ds rçaments e planejaments estratégics/peracinais da ICANN e rçaments da IANA. Diretria da ICANN: direits da cmunidade em relaçã à capacidade de indicar/destituir membrs da diretria da ICANN e de destituir tda a diretria. Estatut da ICANN: incrpraçã ds seguintes itens n Estatut da ICANN: revisã das funções da IANA, revisã especial das funções da IANA, gvernança da PTI, cmitê permanente d cliente e prcess de separaçã. 19 de fevereir de

10 Prcess de revisã independente: deve ser aplicável às funções da IANA e acessível as gerentes ds dmínis de primeir nível. 7. De que maneira esta recmendaçã atende as critéris da NTIA? 44 Apiar e aprimrar mdel de participaçã múltipla Garantind que s mecanisms de respnsabilidade d mdel de participaçã múltipla nã pssam ser mdificads sem a aprvaçã da cmunidade autônma. 45 Manter a segurança, a estabilidade e a flexibilidade d DNS da Internet. Criand um estatut fundamental que fereça mais prteções a cláusulas d Estatut da ICANN essenciais para a estabilidade e a cntinuidade peracinal da rganizaçã. 46 Atender às necessidades e expectativas ds clientes e parceirs glbais ds serviçs da IANA. Nã aplicável. 47 Manter a abertura da Internet. Nã aplicável. 48 A NTIA nã aceitará uma prpsta em que a funçã da NTIA seja substituída pr uma sluçã liderada pr um gvern u pr uma rganizaçã intergvernamental. Nã aplicável. 19 de fevereir de

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Anexo 01 Recomendação nº 1: formação de uma comunidade autônoma para aplicar os poderes da comunidade

Anexo 01 Recomendação nº 1: formação de uma comunidade autônoma para aplicar os poderes da comunidade Anex 01 Recmendaçã nº 1: frmaçã de uma cmunidade autônma para aplicar s pderes da cmunidade 1. Resum De acrd cm estatut atual da ICANN, a diretria da ICANN tem a respnsabilidade final pr tdas as decisões.

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE)

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE) Diretria de Regulaçã de Emissres (DRE) Principais alterações a Regulament e Manual d Emissr 14/03/2016 x Cnfidencial Us Us Intern Públic 1 Regulament e Manual: principais alterações Divulgaçã: até 31/març.

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Anexo 08 Recomendação nº 8: fortalecimento do processo de solicitação de reconsideração da ICANN

Anexo 08 Recomendação nº 8: fortalecimento do processo de solicitação de reconsideração da ICANN Anex 08 Recmendaçã nº 8: frtaleciment d prcess de slicitaçã de recnsideraçã da ICANN 1. Resum Atualmente, qualquer pessa u entidade pde slicitar a recnsideraçã u revisã de uma açã u inaçã da ICANN, cnfrme

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo Descriçã d serviç Cpilt Optimize CAA-1000 Visã geral d serviç Esta Descriçã d serviç ( Descriçã d serviç ) é firmada pr vcê, cliente, ( vcê u Cliente ) e a entidade da Dell identificada na fatura de cmpra

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

Anexo 01 Recomendação nº 1: formar uma comunidade autônoma para aplicar os poderes da comunidade

Anexo 01 Recomendação nº 1: formar uma comunidade autônoma para aplicar os poderes da comunidade Anex 01 Recmendaçã nº 1 Anex 01 Recmendaçã nº 1: frmar uma cmunidade autônma para aplicar s pderes da cmunidade 1. Resum 01 De acrd cm a legislaçã da Califórnia e atual Estatut da Crpraçã da Internet para

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES?

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? ÂMBITO PESSOAL O regime jurídic d serviç militar prestad em cndições especiais de dificuldade u perig, aprvad pela Lei n.º 9/2002, de 11

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. INDICADOR: F.13 COBERTURA VACINAL 1. Cnceituaçã Percentual de crianças imunizadas cm vacinas específicas, em determinad espaç gegráfic, n an cnsiderad. 2. Interpretaçã Estima nível de prteçã da ppulaçã

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE Referência: CPA-077-2008 Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Emenda às Regras Gerais 2012

Emenda às Regras Gerais 2012 Emenda às Regras Gerais 2012 Intrduçã Tds s dcuments estatutáris requerem revisã e atualizaçã casinal. A última emenda às Regras Gerais das Olimpíadas Especiais ( Special Olympics ) fi feita em 2004, cm

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - OCORRÊNCIA PC

MANUAL DO USUÁRIO - OCORRÊNCIA PC SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Referencia: Help_Online_crrencia_PC.dc Versã: 01.00 Data: 19-10-2007 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde:

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde: Pedr F. Carvalh cntat@pedrfcarvalh.cm.br Tablespaces: Organizaçã e Nmenclatura Definir critéris para a divisã de um banc de dads Oracle em tablespaces é sempre uma questã imprtante para s DBAs na rganizaçã

Leia mais

Objetivo: Desenvolver as condições ideais para a boa formulação de objetivos, transformando-os em metas realizáveis.

Objetivo: Desenvolver as condições ideais para a boa formulação de objetivos, transformando-os em metas realizáveis. 1 Transfrmand Snhs em Metas Objetiv: Desenvlver as cndições ideais para a ba frmulaçã de bjetivs, transfrmand-s em metas realizáveis. Públic-Alv: Pessas interessadas em atingir sucess prfissinal e realizaçã

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Tutorial de criação de um blog no Blogger

Tutorial de criação de um blog no Blogger Tutrial de criaçã de um blg n Blgger Bem-vind a Blgger! Este guia pde ajudar vcê a se familiarizar cm s recurss principais d Blgger e cmeçar a escrever seu própri blg. Para cmeçar a usar Blgger acesse

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Versão preliminar da da proposta do do CCWG de de responsabilidade sobre as as recomendações da da linha de de trabalho 11

Versão preliminar da da proposta do do CCWG de de responsabilidade sobre as as recomendações da da linha de de trabalho 11 Versã preliminar da da prpsta d d CCWG de de respnsabilidade sbre as as recmendações da da linha de de trabalh 11 30 30 de de nvembr de de 2015 t Índice Versã preliminar da prpsta sbre as recmendações

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais