O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso"

Transcrição

1 O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias d mund, que acarreta a elevaçã d cust ds prduts e serviçs. N an de 2006, mais especificamente n dia 15 de dezembr, entru em vigr a Lei Cmplementar 123, que institui, cnfrme artig 12, SIMPLES Nacinal, para vigrar a partir de 1º. de julh de O bjetiv d gvern, cm este sistema de tributaçã, é incentivar setr prdutiv, pssibilitand frmalidade e mair geraçã de empregs às empresas infrmais. Tend em vista dis aspects - esta mudança na frma de tributar as empresas antes inscritas n SIMPLES Federal e bjetiv d gvern de incentivar setr prdutiv das micr e pequenas empresas, esta pesquisa se prpõe a verificar se a implantaçã d SIMPLES Nacinal pderá trazer uma reduçã na tributaçã das empresas. Fi bservad que a incidência d nv sistema tributári gera mair encarg nas duas situações analisadas, a saber, uma delas cnsiderand-se a tributaçã a partir de sua entrada em vigr em relaçã à vigência d SIMPLES Federal durante an de 2007 inteir; utra, cnsiderand SIMPLES Nacinal vigend td an de 2007 em relaçã a SIMPLES Federal na mesma situaçã. Área temática: Cntrladria

2 O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell (FIPECAFI FEA/USP) Maur Fernand Gall (FEA/USP) Carls Albert Pereira (FEA/USP) Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias d mund, que acarreta a elevaçã d cust ds prduts e serviçs. N an de 2006, mais especificamente n dia 15 de dezembr, entru em vigr a Lei Cmplementar 123, que institui, cnfrme artig 12, SIMPLES Nacinal, para vigrar a partir de 1º. de julh de O bjetiv d gvern, cm este sistema de tributaçã, é incentivar setr prdutiv, pssibilitand frmalidade e mair geraçã de empregs às empresas infrmais. Tend em vista dis aspects - esta mudança na frma de tributar as empresas antes inscritas n SIMPLES Federal e bjetiv d gvern de incentivar setr prdutiv das micr e pequenas empresas, esta pesquisa se prpõe a verificar se a implantaçã d SIMPLES Nacinal pderá trazer uma reduçã na tributaçã das empresas. Fi bservad que a incidência d nv sistema tributári gera mair encarg nas duas situações analisadas, a saber, uma delas cnsiderand-se a tributaçã a partir de sua entrada em vigr em relaçã à vigência d SIMPLES Federal durante an de 2007 inteir; utra, cnsiderand SIMPLES Nacinal vigend td an de 2007 em relaçã a SIMPLES Federal na mesma situaçã. Palavras-chave: Tributaçã. Simples Federal. Simples Nacinal. Área Temática: Cntrladria 1. Intrduçã O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias d mund, que acarreta a elevaçã d cust ds prduts e serviçs nele prduzids. N an de 2006, mais especificamente n dia 15 de dezembr, entru em vigr a Lei Cmplementar 123, que institui, cnfrme artig 12, SIMPLES Nacinal. O bjetiv d gvern, cm este nv sistema de tributaçã é incentivar setr prdutiv, trazend as empresas infrmais à frmalidade e cm mair geraçã de empregs, divulgand, insistentemente na mídia, que está prmvend uma reduçã ns tributs. Esta Lei prcuru estabelecer nrmas gerais relativas a tratament diferenciad e favrecid n âmbit da Uniã, Estads, Distrit Federal e Municípis, n que se refere a: (a) apuraçã e reclhiment ds tributs; (b) cumpriment das brigações trabalhistas e previdenciárias; e (c) acess a crédit e a mercad, inclusive quant à preferência na aquisiçã de bens e serviçs pels pderes públics, à tecnlgia, a assciativism e às regras de inclusã. A vigência da Lei deu-se na data de sua publicaçã n que tange a tds s aspects d estatut das micrempresas e empresas de pequen prte, cm exceçã d regime de tributaçã que passará a vigrar em 1.º de julh de 2007, cnfrme estabelece seu artig 88. Desde a vigência d SIMPLES Federal em 1997 até a Lei Cmplementar n.º 123, de 2006, nunca fram instituídas mudanças tã cmplexas para este regime simplificad de tributaçã,principalmente na frma de cálcul d impst.

3 Tend em vista esta mudança na frma de tributaçã das empresas ptantes pel SIMPLES Federal, em cnjunt cm bjetiv d gvern de incentivar setr prdutiv das micr e pequenas empresas, esta pesquisa se prpõe a respnder seguinte prblema: SIMPLES Nacinal, previst na Lei Cmplementar n.º 123, de 2006, irá prvcar, realmente, uma reduçã na tributaçã das empresas? Para discutir essa indagaçã, a presente pesquisa efetuu um recrte, daí caracterizarse cm um estud de cas, a tratar de uma indústria metalúrgica situada na regiã de Bauru, interir d Estad de Sã Paul, Brasil. A pesquisa bjetiva verificar se a empresa ptante pel SIMPLES Federal pagará mais tributs quand da entrada em vigr d SIMPLES Nacinal, u, cm está send chamad na mídia, Super SIMPLES. Cnsiderand que SIMPLES, cnceitualmente, deve ser um sistema simplificad de pagament de impsts e que fi criad a fim de incentivar micr e pequenas empresas à frmalidade, visand um aqueciment ecnômic, a relevância desta pesquisa trna-se evidente a buscar cmprvar se, realmente, SIMPLES Nacinal trará benefícis às micr e pequenas empresas u se casinará um aument n cust tributári destas empresas. A metdlgia utilizada na pesquisa cnstituiu-se de duas análises cmparativas, uma delas verificand as diferenças entre a situaçã hiptética em que as regras atuais d SIMPLES Federal fssem mantidas até final d an de 2007, e a entrada d regime de tributaçã d SIMPLES Nacinal a partir de 1.ºde julh de A segunda cmparu duas situações hiptéticas: as regras atuais d SIMPLES Federal send mantidas até final d an de 2007, e as regras d SIMPLES Nacinal vigrand durante td an de A metdlgia teve cm linha de pesquisa s estuds de Yin (2001), Applinári (2004) e Malhtra (2005). 2. O SIMPLES Nacinal N an de 1996, pr mei da lei n.º 9.317, fi criad Sistema Integrad de Pagament de Impsts e Cntribuições das Micrempresas e Empresas de Pequen Prte (SIMPLES u SIMPLES Federal), em vigr a partir de 1.º de janeir de O regime cnsiste n pagament unificad ds seguintes impsts e cntribuições: IRPJ, Cntribuiçã Scial sbre Lucr Líquid, PIS, COFINS, INSS Patrnal e IPI, quand aplicável, além da dispensa d pagament das cntribuições instituídas pela Uniã, cm as destinadas a SESC, a SESI, a SENAI, a SENAC, a SEBRAE, e a seus cngêneres, bem cm relativs a salári-educaçã e à Cntribuiçã Sindical Patrnal. O artig 3. da lei n.º define s impsts e cntribuições abrangids pel SIMPLES Federal: Art. 3.º A pessa jurídica enquadrada na cndiçã de micrempresa e de empresa de pequen prte, na frma d art. 2.º, pderá ptar pela inscriçã n Sistema Integrad de Pagament de Impsts e Cntribuições das Micrempresas e Empresas de Pequen Prte - SIMPLES. 1.º A inscriçã n SIMPLES implica pagament mensal unificad ds seguintes impsts e cntribuições: a) Impst de Renda das Pessas Jurídicas - IRPJ; b) Cntribuiçã para s Prgramas de Integraçã Scial e de Frmaçã d Patrimôni d Servidr Públic - PIS/PASEP; c) Cntribuiçã Scial sbre Lucr Líquid - CSLL; d) Cntribuiçã para Financiament da Seguridade Scial - COFINS;

4 e) Impst sbre Prduts Industrializads - IPI; f) Cntribuições para a Seguridade Scial, a carg da pessa jurídica, de que tratam art. 22 da Lei n.º 8.212, de 24 de julh de 1991, e a Lei Cmplementar n.º 84, de 18 de janeir de 1996 (BRASIL, Lei 9.317, 1996) A Lei n.º 9.841, de 05/10/1999, instituiu Estatut das Micrempresas e Empresas de Pequen Prte. Em seu artig primeir, a lei dispõe, ns terms d artig 170 e 179 da Cnstituiçã Federal, assegurand às micrempresas e às empresas de pequen prte na questã d tratament jurídic diferenciad e simplificad, ns camps administrativ, tributári, previdenciári, trabalhista, creditíci e de desenvlviment empresarial, em cnfrmidade cm que dispõe esta lei e a de n.º 9.317/96, que lançu SIMPLES Federal e alterações psterires. N artig segund da Lei 9.841, de 1999, é caracterizada cm micrempresa aquela que tiver receita bruta anual igual u inferir a R$ ,00 e empresa de pequen prte a que tiver receita bruta anual superir a R$ ,00 e igual u inferir a R$ ,00. O artig terceir, pr sua vez, cuida das vedações a enquadrament n Estatut da Micrempresa e Empresa de Pequen Prte. Os valres de faturament fixads n Estatut da Micrempresa e Empresa de Pequen Prte (Lei 9.841/99), que caracterizam a micr e a pequena empresa, fram crrigids pel gvern federal em abril de A partir d reajuste, que chega a 77,7%, passa a se enquadrar cm micrempresa aquela em que faturament anual nã ultrapassar R$ ,14, e, cm empresa de pequen prte, aquela em que faturament anual superar limite das micrempresas, sem ultrapassar limite de R$ ,00. Pela Lei n.º 9.317/96 e suas alterações psterires, s limites de enquadrament sã de R$ ,00 para a micrempresa e ( ,01 a ,00) para empresa de pequen prte (EPP). Cnfrme expst, própri gvern federal cria situações estranhas na legislaçã, pis define parâmetrs diverss para as micr e pequenas empresas, em distintas legislações, tend sid inclusive brigad a esclarecer a situaçã n art. 10 da lei n.º 9.964, de 10 de abril de 2000, que dispõe: art. 10. O tratament tributári simplificad e favrecid das micrempresas e das empresas de pequen prte é estabelecid pela lei n.º 9.317/96 e alterações psterires, nã se aplicand, para esse efeit, as nrmas cnstantes da lei n.º de (BRASIL, Lei 9.964, 2000) A Lei Cmplementar n.º123, de 14 de dezembr de 2006, englba em uma única peça legal tant Estatut Nacinal da Micrempresa e da Empresa de Pequen Prte, cm nv regime tributári d SIMPLES Nacinal, e prpôs diversas mudanças dentre elas: Criaçã de um Cmitê Gestr, vinculad a Ministéri da Fazenda, a qual caberá apreciar a necessidade de revisã ds valres expresss em meda cntids na Lei Cmplementar. Esse cmitê tem a funçã de tratar ds aspects tributáris e é cmpst pr dis representantes da Secretaria da Receita Federal, dis da Secretaria da Receita Previdenciária e ainda dis d Distrit Federal e de cada estad e municípi d País. Frmaçã de um Fórum Permanente, que bjetiva rientar e assessrar a frmulaçã e crdenaçã da plítica nacinal de desenvlviment das MEs e EPPs, e fazer

5 acmpanhament e avaliaçã de sua implantaçã. Será presidid e crdenad pel Ministéri d Desenvlviment, Indústria e Cmérci Exterir, e terá a participaçã ds órgãs federais cmpetentes e das entidades vinculadas a setr. Estã impedidas de aderir a SIMPLES Nacinal a empresa: de cuj capital participe utra Pessa Jurídica; que seja filial, sucursal, agência u representaçã n País de Pessa Jurídica sediada n exterir; de cuj capital participe Pessa Física que seja inscrita cm empresári u sócia de utra empresa incluída n SIMPLES Nacinal, desde que a receita bruta glbal ultrapasse R$ ; cuj titular u sóci participe cm mais de 10% d capital de utra empresa, mesm que nã incluída n SIMPLES Nacinal, desde que a receita bruta glbal ultrapasse R$ ; cuj sóci u titular seja administradr u equiparad de utra Pessa Jurídica cm fins lucrativs, desde que a receita bruta glbal ultrapasse R$ ; cnstituída sb a frma de cperativa, salv as de cnsum; que participe d capital de utra Pessa Jurídica; que exerça atividade de banc cmercial, de investiments e de desenvlviment, de caixa ecnômica, de sciedade de crédit, financiament e investiment u de crédit imbiliári, de crretra u de distribuidra de títuls, valres mbiliáris e câmbi, de empresa de arrendament mercantil, de segurs privads e de capitalizaçã u de previdência cmplementar; resultante u remanescente de cisã u qualquer utra frma de desmembrament de Pessa Jurídica que tenha crrid em um ds 5 (cinc) ans-calendáris anterires; e cnstituída sb a frma de sciedade pr ações. N tcante às regras d desenquadrament d SIMPLES Nacinal, a Lei determina que cas crra alguma situaçã de nã enquadrament, a empresa será excluída d regime. Cncretizada a exclusã, s efeits serã cnsiderads a partir d mês de crrência da situaçã impeditiva. O limite anual permitid é de R$ ,00 u seja, a pessa jurídica que ultrapassar esse valr será excluída n an seguinte. O mesm crre para as empresas que esturam limite n an em que iniciaram as atividades, desde que em mais de 20%; a diferença está n valr d limite que é prprcinal, prtant, passa a ser R$ ,00 multiplicad pel númer de meses de funcinament n an. Cm relaçã as tributs cmpreendids n SIMPLES Nacinal, huve uma ampliaçã em cmparaçã cm a legislaçã anterir, acrescentand ICMS e ISS. Prtant, s impsts cntemplads n SIMPLES Nacinal sã: IRPJ (Impst de Renda da Pessa Jurídica); IPI (Impst sbre Prduts Industrializads), bservad dispst n art. 13, 1.º incis XII que trata da incidência d tribut nas imprtações;

6 CSLL (Cntribuiçã Scial sbre Lucr Líquid); COFINS (Cntribuiçã para Financiament da Seguridade Scial), bservad dispst n art. 13, 1º., incis XII que trata da incidência d tribut nas imprtações; PIS/PASEP, bservad dispst n art. 13, 1º., incis XII que trata da incidência d tribut nas imprtações; Cntribuiçã à Seguridade Scial a carg da Pessa Jurídica, de acrd cm art. 22 da Lei 8.212/91, excet n cas de Pessas Jurídicas que se dediquem às prestações de serviçs previstas ns inciss XII a XXVIII, d 1º. e n 2º. d art. 17, da LC (Lei Cmplementar) 123/06; ICMS (Impst sbre Operações Relativas à Circulaçã de Mercadria e Sbre Prestações de Serviçs de Transprte Intermunicipal e Interestadual e de Cmunicaçã); ISS (Impst Sbre Serviçs de Qualquer Natureza). A pçã pel SIMPLES Nacinal, de acrd cm a Lei Cmplementar n.º 123, de 2006, será autmática para empresas que já ptaram pel SIMPLES Federal, neste an de N cas de empresas já existentes, a pçã deve ser manifestada até primeir mês d an civil (janeir) ns próxims ans, e, n cas de empresas nvas, serã cnsideradas ptantes mediante primeir reclhiment d tribut. Outr frmat invadr nesta legislaçã d SIMPLES Nacinal fi a determinaçã de cnstar d própri text legal a pçã da base de cálcul de acrd cm Regime de Caixa, na frma a ser regulamentada pel Cmitê Gestr. A base de cálcul seria a receita recebida n mês, send a pçã irretratável para td an-calendári. N SIMPLES Federal também existe essa pssibilidade, prém pr ser tratada na Instruçã Nrmativa da Secretaria da Receita Federal n.º 104, de 1998; muits cntribuintes e cntabilistas nã atentaram para iss e nã se utilizam desta pçã. Pde-se dizer que a frma de cálcul d SIMPLES Nacinal (base de cálcul e alíquta), é uma das mudanças mais prfundas d impst. Para determinaçã da alíquta é necessári utilizar a receita bruta acumulada ns 12 meses anterires a períd de apuraçã. Para as empresas cm iníci de atividade durante exercíci scial, a base de cálcul será valr da receita bruta acumulada cnstante nas tabelas ds Anexs I a V da Lei Cmplementar 123/06 prprcinal a númer de meses de atividades n períd. Cm relaçã às alíqutas será apresentad resum cnfrme Quadr 1: A I A - II A III A IV A - V STATUS RECEITA BRUTA COM INDL PS + LBM PS FP / RB ME Até $ ,00 4,00% 4,50% 6,00% 4,50% 4,00% De $ ,01 até ,00 5,47% 5,97% 8,21% 6,54% 4,48% EPP De $ ,01 até ,00 6,84% 7,34% 10,26% 7,70% 4,96% De $ ,01 até ,00 7,54% 8,04% 11,31% 8,49% 5,44% De $ ,01 até ,00 7,60% 8,10% 11,40% 8,97% 5,92%

7 De $ ,01 até ,00 8,28% 8,78% 12,42% 9,78% 6,40% De $ ,01 até ,00 8,36% 8,86% 12,54%10,26% 6,88% De $ ,01 até ,00 8,45% 8,95% 12,68%10,76% 7,36% De $ ,01 até ,00 9,03% 9,53% 13,55%11,51% 7,84% De $ ,01 até ,00 9,12% 9,62% 13,68%12,00% 8,32% De $ ,01 até ,00 9,95%10,45% 14,93%12,80% 8,80% De $ ,01 até ,00 10,04%10,54% 15,06%13,25% 9,28% De $ ,01 até ,00 10,13%10,63% 15,20%13,70% 9,76% De $ ,01 até ,00 10,23%10,73% 15,35%14,15% 10,24% De $ ,01 até ,00 10,32%10,82% 15,48%14,60% 10,72% De $ ,01 até ,00 11,23%11,73% 16,85%10,05% 11,20% De $ ,01 até ,00 11,32%11,82% 16,98%15,50% 11,68% De $ ,01 até ,00 11,42%11,92% 17,13%15,95% 12,16% De $ ,01 até ,00 11,51%12,01% 17,27%16,40% 12,64% De $ ,01 até ,00 11,61%12,11% 17,42%16,85% 13,50% Fnte: Lei Cmplementar n.º 123, de 2006, cm infrmações adaptadas pels autres. Quadr 1 Resum das Tabelas ds Anexs da Lei Cmplementar n. 123, de 2006, referente às alíqutas d SIMPLES Nacinal O Anex I apresenta as alíqutas para a incidência na cmercializaçã de mercadrias; Anex II apresenta as alíqutas para a incidência na venda de prduts industrializads; Anex III apresenta as alíqutas para a incidência na prestaçã de serviçs cm lcaçã de bens móveis; já Anex IV apresenta as alíqutas para a incidência na prestaçã de serviçs e, e pr fim, Anex V apresenta as alíqutas de acrd cm a relaçã feita entre Flha de Pagament e Receita Bruta, nas empresas prestadras de serviç. 3. ESTUDO DE CASO 3.1. Metdlgia O métd de pesquisa utilizad n presente trabalh fi métd d estud de cas, cnceituad pr dis autres, Applinári (2004) e Yin (2001). Applinári (2004) cnceituu estud de cas cm: [case study] Estud realizad cm um únic sujeit (uma pessa, uma empresa, uma cidade, um event, etc.). Embra freqüentemente exista a pressupsiçã de que este sujeit únic pssa ser cnsiderad típic, dificilmente s resultads btids a partir desse tip de estud pdem ser generalizads. Pr utr lad, uma característica psitiva d estud de cas é a prfundidade da análise que pde ser realizada. (APPOLINÁRIO, 2004, p ).

8 Mais especificamente, esta pesquisa cnsiste em um estud de cas explanatóri que, segund Yin (2001, p. 23), visa prpr explanações cncrrentes para mesm cnjunt de events e indicar cm essas explanações pdem ser aplicadas a utras situações. Os autres (APPOLINÁRIO, 2004 e YIN, 2001) mencinaram que estud de cas é uma das estratégias de pesquisa aplicada a um únic sujeit, seguind-se um cnjunt de prcediments. O prcediment adtad para análise ds dads fi a verificaçã das seguintes infrmações cntábeis reais da empresa, necessárias para cumpriment d bjetiv da pesquisa: TABELA 1 Faturament Realizad em MÊS ATIVIDADES FATURAMENTO industrializaçã ,24 Janeir venda ,72 serviçs 3.693, ,53 industrializaçã ,53 Fevereir venda ,23 serviçs 5.527, ,96 industrializaçã ,50 Març venda ,98 serviçs 210, ,48 industrializaçã ,41 Abril venda ,59 serviçs 5.833, ,05 industrializaçã ,30 Mai venda ,61 serviçs 1.455, ,91 industrializaçã ,93 Junh venda ,54 serviçs , ,07 industrializaçã ,34 Julh venda ,79 serviçs 3.929, ,38 industrializaçã ,18 Agst venda ,46 serviçs 8.833, ,37 industrializaçã ,74 Setembr venda ,57 serviçs 8.467, ,66 industrializaçã ,06 Outubr venda ,08 serviçs 5.000,30

9 ,44 industrializaçã ,36 Nvembr venda ,18 serviçs 3.926, ,74 industrializaçã ,93 Dezembr venda ,90 serviçs 1.082, ,83 Ttal geral ,42 Fnte: elabrada pels autres O estud fi realizad tend em cnta a previsã de faturament da empresa, cnfrme tabela a seguir: TABELA 2 Faturament Previst para MÊS PREVISTO 2007 FATURAMENTO industrializaçã ,00 Janeir venda ,72 serviçs 3.693, ,29 industrializaçã ,00 Fevereir venda ,23 serviçs 5.527, ,43 industrializaçã ,00 Març venda ,98 serviçs 210, ,98 industrializaçã ,00 Abril venda ,59 serviçs 5.833, ,64 industrializaçã ,00 Mai venda ,61 serviçs 1.455, ,61 industrializaçã ,00 Junh venda ,54 serviçs , ,14 industrializaçã ,00 Julh venda ,79 serviçs 3.929, ,04 industrializaçã ,00 Agst venda ,46 serviçs 8.833, ,19 industrializaçã ,00 Setembr venda ,57

10 serviçs 8.467, ,92 industrializaçã ,00 Outubr venda ,08 serviçs 5.000, ,38 industrializaçã ,00 Nvembr venda ,18 serviçs 3.926, ,38 industrializaçã ,00 Dezembr venda ,90 serviçs 1.082, ,90 industrializaçã ,00 venda ,65 serviçs ,25 Ttal geral ,90 Fnte: elabrada pels autres Na tabela a seguir, cnstam s dads mensais da flha de pagament em 2006, bem cm s prevists para 2007, s quais serã utilizads para apuraçã ds percentuais de enquadrament n Anex V d SIMPLES Nacinal. TABELA 3 Dads da Flha de Pagament Realizad 2006 Previst 2007 Prólabrlabre Pró- Pró- Pró- Distr. labre labre P A Lucr Salári P A Distr. Lucr Salári Janeir Fevereir Març Abril Mai Junh Julh Agst Setembr Outubr Nvembr Dezembr º salári TOTAL Fnte: elabrada pels autres Na tabela 4, cnstam s pagaments d ICMS efetuads n an de Cm base nesses dads fram estimads s pagaments a serem efetuads em 2007, tend em cnta a previsã de faturament sbre as receitas de vendas. Ist n cas d SIMPLES Federal, uma vez que n SIMPLES Nacinal ICMS já está incluíd. TABELA 4 - Pagt d ICMS refere-se a cmpetência janeir a dezembr de 2006

11 Períd 2006 Valr em R$ Janeir 7.887,16 Fevereir 6.368,05 Març 7.366,81 Abril 3.107,81 Mai 6.378,28 Junh 4.433,48 Julh 9.324,89 Agst 8.028,43 Setembr 6.736,39 Outubr 6.957,98 Nvembr 4.814,84 Dezembr 4.063,58 TOTAL ,70 Fnte: elabrada pels autres Dadas as infrmações, seguem s cálculs nas cndições delimitadas n bjetiv,cnsiderand duas situações hiptéticas e uma real, quais sejam: (a) seriam mantidas as regras atuais d SIMPLES Federal até final d an de 2007, pis pderá ser pstergada a entrada em vigr da nva sistemárica tributária; (b) seriam usadas as nvas regras, cm a entrada em vigr d SIMPLES Nacinal em 1.º de julh de.2007 e (c) seriam usadas as regras d SIMPLES Nacinal cm se estivessem em vigr durante td an de Essas supsições permitem cmparar qual seria mntante da diferença em um an-calendári inteir de reclhiment tributári para a empresa entre SIMPLES Federal e SIMPLES Nacinal. Desta frma, a tabela a seguir mstra qual seria mntante ttal de tributs a serem reclhids pela empresa n an de 2007, mantidas as cndições d SIMPLES Federal até final d an: TABELA 5 - SIMPLES Federal mantid até final d an de 2007 SIMPLES FEDERAL DURANTE TODO O ANO DE 2007 MÊS/2007 Atividades Valr Impst ICMS ISS (3%) TOTAL industrializaçã , ,00 Janeir venda 3.438, , ,91 serviçs 232,69 110,81 343, , ,41 industrializaçã , ,00 Fevereir venda 3.985, , ,40 serviçs 392,43 165,82 558, , ,64 industrializaçã , ,50 Març venda 4.762, , ,78 serviçs 16,59 6,30 22, , ,17 industrializaçã , ,00 Abril venda 2.884,88 434, ,35 serviçs 507,48 174,99 682, , ,81 industrializaçã , ,00

12 Mai venda 5.579, , ,52 serviçs 138,23 43,65 181, , ,39 industrializaçã , ,00 Junh venda 5.157, , ,82 serviçs 1.373,57 400, , , ,46 industrializaçã , ,00 Julh venda 9.275, , ,16 serviçs 436,15 117,88 554, , ,18 industrializaçã , ,00 Agst venda 7.004, , ,80 serviçs 1.086,55 265, , , ,36 industrializaçã , ,00 Setembr venda 8.993, , ,35 serviçs 1.109,22 254, , , ,59 industrializaçã , ,40 Outubr venda 9.753, , ,62 serviçs 786,05 150,01 936, , ,07 industrializaçã , ,00 Nvembr venda 7.605,84 961, ,26 serviçs 617,20 117,79 734, , ,24 industrializaçã , ,60 Dezembr venda , , ,39 serviçs 170,09 32,46 202, , ,54 TOTAL: ,87 Fnte: elabrada pels autres Na tabela a seguir, estams demnstrand cm ficará a situaçã n an de 2007, tend pr base a entrada em vigr da legislaçã d SIMPLES Nacinal em 1.º de julh, cnfrme está previst. TABELA 6 - Entrada em vigr d SIMPLES Nacinal em 1.º SIMPLES ATUAL ATÉ 30/06/07 MÊS/2007 Atividades Valr Impst ICMS ISS (3%) INSS s/flha TOTAL industrializaçã , ,00 Janeir venda 3.438, , ,91 serviçs 232,69 110,81 343, , ,41 industrializaçã , ,00 Fevereir venda 3.985, , ,40 serviçs 392,43 165,82 558, , ,64 industrializaçã , ,50 Març venda 4.762, , ,78

13 serviçs 16,59 6,30 22, , ,17 industrializaçã , ,00 Abril venda 2.884,88 434, ,35 serviçs 507,48 174,99 682, , ,81 industrializaçã , ,00 Mai venda 5.579, , ,52 serviçs 138,23 43,65 181, , ,39 industrializaçã , ,00 Junh venda 5.157, , ,82 serviçs 1.373,57 400, , , ,46 industrializaçã , , ,40 Julh venda 6.918, ,92 serviçs 235,76 235, , ,07 industrializaçã , , ,00 Agst venda 4.715, ,08 serviçs 530,02 530, , ,11 industrializaçã , , ,20 Setembr venda 5.684, ,60 serviçs 508,04 508, , ,84 industrializaçã , , ,10 Outubr venda 8.643, ,16 serviçs 1.045, , , ,32 industrializaçã , , ,50 Nvembr venda 6.739, ,78 serviçs 820,58 820, , ,85 industrializaçã , , ,40 Dezembr venda 9.399, ,95 serviçs 226,14 226, , ,49 TOTAL: ,57 Fnte: elabrada pels autres Na tabela a seguir, s cálculs basearam-se ns mesms dads de previsã de faturament, cnsiderand a hipótese de que SIMPLES Nacinal estivesse em vigr durante td an de 2007, a fim de ter melhr term de cmparaçã entre SIMPLES Nacinal e SIMPLES Federal em um an cmplet. TABELA 7 - Regras d SIMPLES Nacinal em vigr durante td an de 2007 DURANTE TODO O ANO DE 2007 MÊS/2007 Atividades Valr Impst INSS s/flha TOTAL industrializaçã , , ,43 Janeir venda 4.518, ,87 serviçs 221,61 221, ,92

14 industrializaçã , , ,80 Fevereir venda 4.647, ,75 serviçs 331,63 331, ,18 industrializaçã , , ,25 Març venda 4.991, ,27 serviçs 12,60 12, ,12 industrializaçã , , ,60 Abril venda 2.745, ,61 serviçs 349,98 349, ,20 industrializaçã , , ,70 Mai venda 4.863, ,31 serviçs 87,30 87, ,31 industrializaçã , , ,00 Junh venda 4.145, ,76 serviçs 800,14 800, ,89 industrializaçã , , ,40 Julh venda 6.918, ,92 serviçs 235,76 235, ,07 industrializaçã , , ,00 Agst venda 4.715, ,08 serviçs 530,02 530, ,11 industrializaçã , , ,20 Setembr venda 5.684, ,60 serviçs 508,04 508, ,84 industrializaçã , , ,10 Outubr venda 8.643, ,16 serviçs 1.045, , ,32 industrializaçã , , ,50 Nvembr venda 6.739, ,78 serviçs 820,58 820, ,85 industrializaçã , , ,40 Dezembr venda 9.399, ,95 serviçs 226,14 226, ,49 TOTAL: ,29 Fnte: elabrada pels autres As diferenças de reclhiments entre s sistemas de tributaçã estã demnstrads na tabela a seguir:

15 TABELA 8 Diferenças entre s reclhiments tributáris da empresa SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO CARGA TRIBUTÁRIA DIFERENÇA C/ SIMPLES FEDERAL DURANTE TODO O ANO DE 2007 SIMPLES Federal durante td an de ,87 Ø SIMPLES Federal até 30/06 e SIMPLES Nacinal a partir de 1º. /07/ , ,70 SIMPLES Nacinal durante td an de , ,42 Fnte: elabrada pels autres Nas duas situações, SIMPLES Nacinal apresentu-se cm mais ners para a empresa pesquisada. Cmparand SIMPLES Federal vigrand em td an de 2007, a tributaçã seria de R$ ,87; cm SIMPLES Nacinal entrand em vigr em julh de 2007, a tributaçã irá para R$ ,57, representand um aument de 5,43%. Na hipótese em que SIMPLES Nacinal vigrasse td an de 2007, a tributaçã seria de R$ ,29, representand um aument de 28,23% em relaçã a SIMPLES Federal vigrand td an de Send assim, pde-se bservar que SIMPLES Nacinal pde acarretar um aument n cust tributári. CONCLUSÃO O gvern alteru SIMPLES Federal infrmand que haverá reduçã ds encargs tributáris instituind SIMPLES Nacinal, cm bjetiv principal de incentivar setr prdutiv, visand as micr e pequenas empresas buscand diminuir a infrmalidade e, cnseqüentemente, s empregads sem registr. Além d bjetiv traçad pel gvern, SIMPLES Nacinal visa também simplificar reclhiment ds tributs ns âmbits federal, estadual e municipal. N entant, que pôde ser percebid fi uma elevaçã na carga tributária, em decrrência de uma lei cmplexa e cm inúmeras regras adicinais em relaçã a sistema anterir.. O bjetiv prpst na pesquisa fi bservar cmprtament d Super SIMPLES em três situações: (a) se as regras atuais d SIMPLES Federal fssem mantidas até final d an de 2007; (b) cm a entrada em vigr d SIMPLES Nacinal em 1.º ; e (c) se as regras d SIMPLES Nacinal estivessem em vigr durante td an de Fi bservad que a incidência d SIMPLES Nacinal é mair em tdas as situações. Nta-se, prtant, que a nva sistemática, de acrd cm as simulações realizadas para esta empresa, nã irá trazer vantagens tributárias, pel cntrári, irá aumentar cust ds encargs ns reclhiments de tributs da mesma. Pr tratar-se de um estud de cas, nã se pde generalizar as cnclusões. Cm sugestã para a evluçã deste estud de cas, prpõe-se investigar, na mesma empresa, s impacts d Super SIMPLES em relaçã a utrs métds de tributaçã cm Lucr Presumid e Lucr Real. Prpõe-se, também, a aplicaçã d estud em utras empresas de

16 setres diversificads para verificaçã ds reflexs deste nv sistema tributári, bem cm para uma amstra mair de empresas que atualmente encntram-se n SIMPLES Federal, para avaliar se há vantagens para determinadas empresas. REFRÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS APPOLINÁRIO, Fabi. Dicinári de metdlgia cientifica: um guia para a prduçã d cnheciment cientific. Sã Paul: Atlas, BRASIL. Lei Cmplementar n.º 123, de 15 dez Institui Estatut Nacinal da Micrempresa e da Empresa de Pequen Prte. Dispnível em: < Acess em: 15 mar Lei n.º 9.317, de 05 dez Dispõe sbre regime tributári das micrempresas e das empresas de pequen prte, institui Sistema Integrad de Pagament de Impsts e Cntribuições das Micrempresas e das Empresas de pequen Prte SIMPLES. Dispnível em: < Acess em: 26 fev. 07. Lei n.º 9.964, de 10 abr Institui Prgrama de Recuperaçã Fiscal Refis e dá utras prvidências. Dispnível em: < Acess em: 25 mar Instruçã Nrmativa SRF n.º 104, de 24 de agst de Estabelece nrmas para apuraçã d Lucr presumid cm base n regime de caixa. Dispnível em < >. Acess em: 17 mar YIN, Rbert K. Estud de cas: planejament e métds. Traduçã. Daniel Grassi. 2ª ed. Prt Alegre: Bkman, 2001.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES?

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? ÂMBITO PESSOAL O regime jurídic d serviç militar prestad em cndições especiais de dificuldade u perig, aprvad pela Lei n.º 9/2002, de 11

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E ESTABELECIMENTOS SIMILARES. (atualizado até 16.02.2009)

RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E ESTABELECIMENTOS SIMILARES. (atualizado até 16.02.2009) RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E ESTABELECIMENTOS SIMILARES (atualizad até 16.02.2009) INTRODUÇÃO... 3 1. CLASSIFICAÇÃO ECONÔMICA E TRIBUTAÇÃO PELO ICMS... 4 2. REGIME NORMAL... 6 2.1. CRÉDITO PRESUMIDO...

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Resídus Sólids Urbans: Cm alavancar investiments e viabilizar a implantaçã da Plítica Nacinal de Resídus Sólids Seminári BNDES-BID-ABDE Brasília, 07 de Mai de 2015 Área de Mei Ambiente Guilherme Martins

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo Prspet Infrmativ Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Prdut Financeir Cmplex Designaçã Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Classificaçã Prdut Financeir Cmplex Depósit Indexad O depósit Mntepi Cnsumer Brands -

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Ref.: nº 21/2013 Resluçã nº 13 d Senad Federal Unificaçã das alíqutas interestaduais de ICMS em 4% para prduts imprtads. (Atualizaçã) 1. Intrduçã Visand acabar cm a chamada guerra ds prts (disputa entre

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. João Pessoa, 22 de outubro de 2007. RICARDO VIEIRA COUTINHO Prefeito

APRESENTAÇÃO. João Pessoa, 22 de outubro de 2007. RICARDO VIEIRA COUTINHO Prefeito APRESENTAÇÃO Este manual tem bjetiv de servir cm base de infrmaçã e rientaçã as órgãs setriais de pessal da Administraçã Direta, assim cm as servidres, nde irã encntrar n Manual d Servidr(a) Apsentável

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social 4 Atuaçã ds Ministéris d Trabalh e Empreg e da Previdência Scial CAPÍTULO 4.1 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Cm mstrada anterirmente, a precupaçã cm a segurança e a saúde d trabalhadr teve iníci na Revluçã

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO E ANEXOS

EDITAL DE LICITAÇÃO E ANEXOS CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL N PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) NA MODALIDADE DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA MODERNIZAÇÃO, OTIMIZAÇÃO, EXPANSÃO, MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA E CONTROLE EM TEMPO REAL DA REDE

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação,

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, 1 Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, Advogado Especializado em Direito Tributário e Societário.

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. INDICADOR: F.13 COBERTURA VACINAL 1. Cnceituaçã Percentual de crianças imunizadas cm vacinas específicas, em determinad espaç gegráfic, n an cnsiderad. 2. Interpretaçã Estima nível de prteçã da ppulaçã

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços:

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços: Term de Referência para cntrataçã de Auditres Externs A Rede Nrte-Sul http://www.nrd-sued-netz.de é um departament da DGB Bildungswerk BUND, instituiçã educacinal pertencente à Cnfederaçã ds Sindicats

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA Organizaçã: Parceria: I WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA EXAMES DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO A ANCORD já certificu mais de 14.000 Agentes Autônms de Investiment. Obs.: A

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Orientações quanto ao preenchimento da NF-e para contribuintes optantes pelo SIMPLES

Orientações quanto ao preenchimento da NF-e para contribuintes optantes pelo SIMPLES Essas rientações visam a esclareciment quant a preenchiment da NF-e pr cntribuintes ptantes pel SIMPLES, basead na Nta Técnica 2009/004, a partir da aba Tributs. 1) Grup de tributs PIS Infrmar valr 99

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Resumo O objetivo deste trabalho é comparar o custo tributário no Simples Nacional com o custo tributário

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais