PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO"

Transcrição

1 PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

2 MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº , cm sede n Larg de Viscnde de Mzels, PAREDES DE COURA adiante designada pr MUNICÍPIO; O IAPMEI - Institut de Api à Pequena e Média Empresa e à Invaçã, IP. pessa clectiva nº , cm sede na Rua Direita d Vis nº 120, Prt, adiante designad pr IAPMEI; O Cnselh Empresarial ds Vales d Lima e Minh, pessa clectiva nº , cm sede na Rua de Aveir, nº 61 2º Esquerd VIANA DO CASTELO, adiante designad CEVAL; A Nrgarante Sciedade de Garantia Mútua, S.A. pessa clectiva nº , cm sede na Avenida da Bavista, º Andar Esc. 301/302, Prt, matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial de Prt sb nº , cm capital scial realizad de de Eurs, adiante designada pr SGM; O Banc Santander Ttta, pessa clectiva nº , cm sede na Rua d Our 88, em Lisba, matriculad na Cnservatória d Regist Cmercial de Lisba, sb nº 1587, cm capital scial realizad de ,00, adiante designada pr BANCO. 1/7

3 É estabelecid presente Prtcl, qual se regerá pelas cláusulas seguintes: Cláusula 1ª (Finalidade) 1) O presente Prtcl visa estabelecer s terms de clabraçã entre MUNICÍPIO, IAPMEI, CEVAL, a SGM e Banc Santander Ttta, adiante designads genericamente cm PARCEIROS, na cnstituiçã e funcinament d Fund de Api Financeir a Investiment COURA FINICIA, n Cncelh de Paredes de Cura, adiante designad pr FUNDO. 2) Cm a cnstituiçã deste FUNDO, pretende-se estimular e rientar investiments a realizar pr micr e pequenas empresas n cncelh de Paredes de Cura para a melhria ds prduts e/u serviçs prestads, para a mdernizaçã das empresas u para as mdificações decrrentes de impsições legais e regulamentares. Cláusula 2ª (Praz de Vigência) 1) O presente prtcl vigrará pel praz de 1 (um) an a cntar da data da sua assinatura. 2) O praz referid n númer anterir será autmaticamente prrrgad pr períds iguais e sucessivs, a mens que algum ds PARCEIROS denuncie Prtcl, pr escrit, cm pel mens 60 (sessenta) dias de antecedência em relaçã a term d praz que estiver em curs. 3) Nã bstante dispst ns númers anterires, s cmprmisss já cntratualizads pels parceirs manter-se-ã válids e em vigr até à sua extinçã, em cnfrmidade cm s respectivs terms cntratuais. Cláusula 3ª (Valr d Fund) 1) O FUNDO, tem um valr inicial de , send cnstituíd da seguinte frma e valres: a) O MUNICÍPIO cntribui cm ,00, pdend em ans seguintes este valr ser aumentad em funçã ds bjectivs e resultads btids; b) O MUNICÍPIO depsitará de imediat e de uma só vez a quantia referida na alínea anterir em cnta específica a abrir num balcã d BANCO. O sald nã utilizad desta cnta será remunerad na sua ttalidade à taxa EURIBOR (30 dias) mens 1%, cm jurs cntads diariamente e creditads mensalmente; c) O BANCO cntribui cm ,00, pdend em ans seguintes este valr ser aumentad em funçã ds bjectivs e resultads btids e mediante refrç prprcinal pr parte d MUNICÍPIO. 2/7

4 2) Durante períd de reembls, BANCO creditará a cnta referida em 1.b) pela parcela d capital cbrad crrespndente à percentagem d MUNICÍPIO n financiament d investiment através d Fund. 3) O MUNICÍPIO pderá em qualquer mment refrçar valr da sua parcela na cnstituiçã d FUNDO, crescend este até a limite máxim de , efectuand para tal depósit crrespndente, cm avis prévi as restantes PARCEIROS, cmprmetend-se BANCO a cntribuir cm a respectiva cmpnente, na prprçã d indicad n númer um desta cláusula. 4) Cas nenhum ds restantes PARCEIROS levante bjecçã n praz de 5 dias a cntar da recepçã da infrmaçã d MUNICÍPIO, cnsidera-se autmaticamente aditad presente prtcl, n que se refere a valr d Fund e das cntribuições d MUNICÍPIO e d BANCO na sua cnstituiçã. Cláusula 4ª (Nrmas e cndições de acess) As nrmas e cndições de acess das empresas as financiaments a cnceder pel FUNDO sã fixadas n Anex I deste Prtcl, que dele é parte integrante. Cláusula 5ª (Estrutura e mntante de financiament ds prjects) 1) O financiament a prjects de investiment através d FUNDO é limitad a pr prject, e será cncedid ns terms definids nas nrmas e cndições de acess referidas na Cláusula anterir. 2) Os mntantes de financiament a cnceder pel FUNDO crrespnderã em 20% a respnsabilidades de capital assumidas pel MUNICÍPIO e em 80% a respnsabilidades de capital assumidas pel BANCO. 3) As respnsabilidades de capital assumidas pel BANCO em cada financiament serã bject de Garantia a prestar pela SGM, ns terms da Cláusula 7ª. Cláusula 6ª ( Spread a aplicar pel BANCO) 1. Tend pr base a taxa Euribr a 6 Meses, spread a aplicar pel BANCO à parcela d financiament referente a respnsabilidades de capital pr este assumidas é de 1%, sem encargs adicinais, nem exigência de garantias reais as prmtres. 3/7

5 Cláusula 7ª (Garantia) 1) A SGM garantirá, em cada mment d temp e através de Garantia autónma, 75% (setenta e cinc pr cent) das respnsabilidades de capital assumidas pel BANCO na peraçã de crédit cntratada cm as empresas beneficiárias; 2) A SGM cbrará às empresas beneficiárias uma Cmissã de Garantia de 1,25% d valr garantid a an. Cláusula 8ª (Caducidade da garantia) A garantia prestada pela SGM caduca e fica sem efeit, em relaçã a cada um ds mntantes garantids, se BANCO nã slicitar seu pagament à SGM ns 90 (nventa) dias imediatamente psterires a respectiv venciment ns prazs cntratuais u, n cas de venciment antecipad, psterires à sua cmunicaçã a Beneficiári. Cláusula 9ª (Praz de decisã das perações de crédit) 1) Os PARCEIROS cmprmetem-se a realizar as diligências que cnsiderem necessárias à decisã de cada pedid de financiament pel Fund n mais curt espaç de temp, tend cm referência s prcediments de trabalh que cnstituem Anex II a este Prtcl e que dele é parte integrante; 2) Para s efeits prevists n númer anterir, BANCO e a SGM facultarã, reciprcamente, s respectivs elements de análise da peraçã de crédit/garantia, acrdand entre si s meis cnsiderads mais expedits, nmeadamente s electrónics. 3) Os PARCEIROS brigam-se à cmunicaçã da sua decisã, cm s cnteúds a acrdar reciprcamente para efeit. Cláusula 10ª (Prestaçã de infrmaçã) Os PARCEIROS infrmar-se-ã reciprcamente, sbre tdas as circunstâncias de que tenham cnheciment e que cnfigurem a cisã, a fusã u faleciment d Beneficiári. Cláusula 11ª (Api, acmpanhament e cntrl) 1) A gestã d FUNDO será efectuada cnjuntamente pr tdas as entidades subscritras d prtcl de cnstituiçã d Fund, dentr das respectivas cmpetências, send a 4/7

6 crdenaçã das tarefas inerentes a essa gestã atribuída a CEVAL qual elabrará n final de cada an civil um relatóri de execuçã. 2) A cbertura das despesas a incrrer pel CEVAL nas suas funções (enquadrament, análise ds Pedids de Financiament bem cm a funçã psterir de acmpanhament) será efectuada pel MUNICÌPIO e pel Prmtr, de acrd cm estabelecid n Anex I, que para tal cmpensarã CEVAL pel serviç prestad num mntante estabelecid em 1,5% d valr ds financiaments aprvads (equitativamente distribuíds pela MUNICÌPIO e Prmtr). O valr desta cmpensaçã pderá ser ajustad tend em cnta a evluçã d FUNDO. 3) Cm bjectiv de assegurar a máxima eficácia na btençã ds bjectivs, será cnstituída uma Cmissã de Acmpanhament da gestã d FUNDO, presidida pel CEVAL e na qual participarã tdas as entidades subscritras d Prtcl. 4) O CEVAL acmpanhará a execuçã física d prject 5) O CEVAL elabrará um relatóri sbre a execuçã física e financeira d prject, qual será submetid anualmente a MUNICÍPIO. 6) Os prjects que envlvam necessidade de aprvaçã e licenciament municipais gzarã de priridade na sua apreciaçã pels serviçs d MUNICÍPIO. 7) O MUNICÍPIO cmprmete-se a estudar a implementaçã de utras medidas facilitadras u de api as prjects financiads através d FUNDO, de frma a cntribuir para sucess empresarial destes prjects. 8) O BANCO e a SGM cmprmetem-se a acmpanhar cada peraçã cncretizada e cmunicar as restantes PARCEIROS, quand tal nã revista carácter de cnfidencialidade, qualquer incidente que pssa afectar a ba evluçã da peraçã. Cláusula 12ª (Publicidade) 1) As entidades subscritras d presente Prtcl cmprmetem-se a divulgar mesm pels meis a seu alcance, nmeadamente através de: Utilizaçã ds respectivs serviçs das entidades envlvidas, bem cm ds seus sítis; Realizar de clóquis, semináris e utras acções de cmunicaçã previamente acrdadas; Ediçã e distribuiçã de flhets e desdbráveis; Utilizaçã ds meis de cmunicaçã scial, lcais, reginais u nacinais. 2) Anualmente, MUNICÍPIO fará publicar infrmaçã sbre s prjects aprvads e financiads. 5/7

7 3) Os parceirs deverã infrmar anualmente IAPMEI sbre a aplicaçã ds terms deste Prtcl, na cmpnente de respnsabilidade de cada um, pr frma a que IAPMEI pssa efectuar uma avaliaçã e reprte d funcinament d FUNDO, bem cm preparar iniciativas de dinamizaçã d mesm, se entendidas necessárias. E, em cnfrmidade cm expst, assinaram presente dcument. Municípi de Paredes de Cura, 15 de Fevereir de 2008 Pel Municípi de Paredes de Cura (Antóni Pereira Júnir) Pel IAPMEI - Institut de Api às Pequenas e Médias Empresas e à Invaçã (Maria de Fátima Martins da Silva Tavares) Pel Cnselh Empresarial ds Vales d Lima e Minh - CEVAL (Jsé Luis da Rcha Ceia) Nrgarante, Sciedade de Garantia Mútua, S.A. (Helena Filipa Xavier Lpes Sares) Banc Santander Ttta, S.A. ( Jã Pedr Martins Mrais Pint Leal) 6/7

PROENÇA FINICIA. Crédito Local. no Concelho de Proença-a-Nova PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROENÇA FINICIA. Crédito Local. no Concelho de Proença-a-Nova PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROENÇA FINICIA Crédit Lcal n Cncelh de Prença-a-Nva PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: A Câmara Municipal de Prença-a-Nva, pessa clectiva nº 505 377 802, adiante designada pr CÂMARA; A Caixa

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Moura

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Moura Fund de Api às Micr e Pequenas Empresas n Cncelh de Mura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Mura, pessa clectiva nº 502.174.153 adiante designad pr CÂMARA; O Banc Espírit Sant, S.A.

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.2

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.2 Síntese ds terms e cndições da Linha de Crédit PME Cresciment 2015 ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME Cresciment 2015, detalhadas em prmenr n Anex III) A

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.3

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.3 Síntese ds terms e cndições da Linha de Crédit PME Cresciment 2015 ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME Cresciment 2015, detalhadas em prmenr n Anex III) A

Leia mais

Modernizar as unidades empresariais integradas em áreas urbanas delimitadas;

Modernizar as unidades empresariais integradas em áreas urbanas delimitadas; URBCOM SISTEMA DE INCENTIVOS A PROJECTOS DE URBANISMO COMERCIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem a mdernizaçã de actividades empresariais d cmérci e de alguns serviçs, e a qualificaçã ds espaçs urbans

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

Linha de Crédito Export Investe Condições e Procedimentos. Síntese das Condições e Procedimentos Linha Crédito Export Investe

Linha de Crédito Export Investe Condições e Procedimentos. Síntese das Condições e Procedimentos Linha Crédito Export Investe Linha de Crédit Exprt Investe Cndições e Prcediments Síntese das Cndições e Prcediments Linha Crédit Exprt Investe (O presente dcument nã dispensa a cnsulta a prtcl celebrad) Tend em cnsideraçã as necessidades

Leia mais

Linha de Crédito Mezzanine Financing IFD 2015 - Documento de divulgação - V.1

Linha de Crédito Mezzanine Financing IFD 2015 - Documento de divulgação - V.1 Síntese ds terms e cndições da Linha de Crédit Mezzanine Financing IFD 2015 ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit Mezzanine Financing IFD 2015, detalhadas em prmenr

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO - Documento de divulgação -

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO - Documento de divulgação - Síntese ds terms e cndições da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME Cresciment, detalhadas em prmenr n Anex III) A Cndições

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

Linha para Apoio à Revitalização Empresarial - Documento de divulgação - V.1

Linha para Apoio à Revitalização Empresarial - Documento de divulgação - V.1 Síntese ds terms e cndições da Linha de de Api à Revitalizaçã Empresarial ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Api à Revitalizaçã Empresarial, detalhadas em prmenr n

Leia mais

Linha de Crédito para as Empresas Portuguesas com Processo de Internacionalização em Angola - Documento de divulgação - V.2

Linha de Crédito para as Empresas Portuguesas com Processo de Internacionalização em Angola - Documento de divulgação - V.2 Síntese ds terms e cndições da Linha de Crédit para as Empresas Prtuguesas cm Prcess ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit para as Empresas Prtuguesas cm Prcess,

Leia mais

IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC Oferta de Infra-estruturas aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Versã 1.1 08 de Julh de 2015 Índice 1. Intrduçã 3 2. Objet e Âmbit 3 3. Obrigações e respnsabilidades ds Clientes 3

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 005/2014 DE 07 DE ABRIL DE 2014 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.: 64.073-505,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 PDR2020 (Jvens agricultres) Página 1 de 7 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados DATTE

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados DATTE Term de Adesã a Prgrama de Afiliads DATTE CONSIDERANDO que este Term de Afiliads cntém as regras que se aplicam à participaçã de Pessas Físicas e Jurídicas n Prgrama de Afiliads DATTE, dravante chamad

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Manual de Procedimentos do Correspondente no País

Manual de Procedimentos do Correspondente no País Manual de Prcediments d Crrespndente n País Manual de Prcediments d Crrespndente n País A BV Financeira elabru este manual para rientar e esclarecer seus parceirs cmerciais, de frma simples e bjetiva,

Leia mais

J U N H O NEWSLETTER N.º 3 INDICE. Criado por:

J U N H O NEWSLETTER N.º 3 INDICE. Criado por: EWSLETTER.º 3 CTAS E RESLTADS - IDICE 1. Editrial 2. Resum das brigações fiscais 3. 3.1 Prgrama Estágis Prfissinais ível 5 3.2 Estágis Prfissinais Frmações Qualificantes de íveis 3 e 4 3.3 Inv vem 4. vidades

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ Ref.: 0084/24 (Favr referir-se a este númer em tdas as crrespndências) Esta empresa está cnvidada a apresentar prpsta à UNESCO de Elabraçã de Prgrama Editrial para Institut

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Entre: é celebrado o presente Protocolo relativo à venda de títulos de transporte que se rege pelo disposto nas cláusulas seguintes:

Entre: é celebrado o presente Protocolo relativo à venda de títulos de transporte que se rege pelo disposto nas cláusulas seguintes: 7, / PROTOCOLO CELEBRADO ENTRE ( A CP - COMBOIOS DE PORTUGAL, E.P.E., E A UNIVERSIDADE DO PORTO PARA FORNECIMENTO DE TRANSPORTE NA REDE NACIONAL FERROVIÁRIA. Entre: 1.0 CP COMBOIOS DE PORTUGAL, E.P.E.,

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual de Utilizadr Frmulári de Candidatura as Estágis Prfissinais na Administraçã Pública Lcal - 18 de Fevereir de 2008-1ª Versã ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 ENQUADRAMENTO E

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Lista dos dados a registar e armazenar em formato eletrónico no âmbito do sistema de monitorização (a que se refere o artigo 24.o)

Lista dos dados a registar e armazenar em formato eletrónico no âmbito do sistema de monitorização (a que se refere o artigo 24.o) Lista ds dads a registar e armazenar em frmat eletrónic n âmbit d sistema de mnitrizaçã (a que se refere artig 24.) L 138/34 ANEXO III É exigida a apresentaçã de dads para as perações apiadas pel FSE,

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Política de Identificação de Clientes

Política de Identificação de Clientes Plítica de Identificaçã de Clientes Índice 1. ENQUADRAMENTO... 2 2. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 3. VERIFICAÇÃO DA IDENTIDADE... 3 3.1. Princípis básics... 3 3.2. Elements a bter... 3 4. ENTIDADES...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 023/2013 DE 30 DE SETEMBRO DE 2013 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.:

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 010/ DE 11 DE JUNHO DE VESTIBULAR /02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505, Telefne:

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO. www.mediadordocredito.pt

GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO. www.mediadordocredito.pt GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO TÍTULO Guia Prátic Mediadr d Crédit PROPRIEDADE Mediadr d Crédit AUTOR Mediadr d Crédit MORADA Rua d Crucifix n.º 7, 2.º 1100-182 LISBOA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO Junh, 2011

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015

CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015 CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015 Assunt: Fund de Cmpensaçã d Trabalh e Fund de Garantia de Cmpensaçã d Trabalh Nva Platafrma de serviçs ds Funds de Cmpensaçã Exms. Senhres, Na sequência de anterires

Leia mais

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES 2.7. Destacament de Trabalhadres Frma e cnteúd de cntrat cm trabalhadr estrangeir u apátrida N art.º 5 d CT (Capítul II - Lei 7/2009 de 12/02) cntrat

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais