NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário"

Transcrição

1 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO OBJETIVO Objetiv Geral Objetivs Específics ASPECTOS LEGAIS PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Orientaçã Prcediments Metas e Indicadres ESCOPO E MÉTODOS Tarefas Medidas Cmpensatórias Medidas Mitigadras - Plan Ambiental de Cnstruçã Medidas de Mnitrament e Cntrle da Qualidade Ambiental Medidas de Prteçã Cultural e de Api Cmunitári Organizaçã Estrutura Funcinal da GCA PERÍODO DE VALIDADE ÓRGÃOS INTERVENIENTES E RESPONSABILIDADES BIBLIOGRAFIA VIGÊNCIA Nme:

2 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 2 / MOTIVAÇÃO Sã muit numerss s cmprmisss assumids pel empreendedr numa bra linear, cm é cas das Ferrvias cujas cncessões pertencem à VALEC, na medida em que dezenas das cndições de validade estabelecidas nas Licenças Prévia, de Instalaçã e de Operaçã, tem de ser multiplicadas u pel númer de ltes de bras, u pel númer de Municípis que cmpõem a Área de Influência Direta e Indireta. Nã raramente estes cmprmisss atingem a númers que ultrapassam milheir em bras lngas cm as prgramadas atualmente. O Gerenciament, neste cas, cm sinônim de rganizaçã e cntrle qualitativ e quantitativ, é a única garantia visível de manter s bjetivs de desenvlver empreendiments sustentáveis, pr um lad, e evitar cmetiment de crimes ambientais cm s prevists na Lei 965/ OBJETIVO 2.1. Objetiv Geral Esta Nrma define escp ds serviçs da Gestã ds Cmprmisss Ambientais (GCA), expresss ns dcuments d Estud de Impact Ambiental (EIA) e Relatóri de Impact Ambiental (RIMA), nas Cndições de Validade da Licença Prévia, ns dcuments que cmpõem s Prgramas Ambientais e nas cndições de validade ns cmprmisss estabelecids na emissã e na renvaçã das Licenças de Instalaçã e de Operaçã das Ferrvias cuja cncessã é de respnsabilidade da VALEC, envlvend a execuçã de tds s prgramas relacinads u nã às atividades cnstrutivas prpriamente ditas. Envlve também a supervisã, a fiscalizaçã, mnitrament e cntrle das bras, na cnservaçã e, também, na peraçã ds empreendiments, cnfrme está previst ns Prgramas e Prjets Ambientais (PPA) acrdads cm s rganisms de licenciament e fiscalizaçã ambiental e nas Nrmas Ambientais da VALEC que se referem as prjets, as bras, as ações de api a cmunidades frágeis e a mnitrament e cntrle destas atividades. Nme:

3 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 3 / Objetivs Específics A Gestã Ambiental garantirá que Plan Básic Ambiental (PBA) s e as NGLs relacinads a tds s grups de atividades definidas acima serã desenvlvids cm estrita bservância à legislaçã de qualquer nível (federal, estadual e municipal) aplicável às bras de cnstruçã das Ferrvias cujas cncessões sã de respnsabilidade da VALEC, bem cm garantirá que serã realizads ns prazs tds s acrds e cndições estabelecids para btençã das licenças prévias (LP), de instalaçã (LI) e de peraçã (LO) junt as rganisms ambientais de fiscalizaçã e cntrle. Caberá à Gestã Ambiental d empreendiment certificar que as salvaguardas ambientais e sciais sejam mbilizadas, e suas metas alcançadas durante a cnstruçã, inclusive n que se referem as prgramas cmpensatóris tais cm, reabilitaçã de áreas degradadas, cnstruçã de aterrs e utras infraestruturas, especialmente as acrdadas cm as rganizações cmunitárias e prprietáris diretamente atingids pelas bras ferrviárias. Também caberá à Gestã Ambiental assegurar a eficácia de fluxs de infrmaçã e relacinament, assim cm das atribuições de cada uma das partes envlvidas n empreendiment: VALEC; IBAMA; FUNAI, IPHAN, INCRA, Fundaçã Palmares, Institut Chic Mendes; Órgãs executivs ds Gverns Estaduais; Órgãs executivs ds Gverns Municipais; Cnstrutras e Cnsultras cntratadas pela VALEC; Organizações Sciais que representem s públics afetads pel empreendiment seja de frma psitiva (beneficiáris), seja de frma negativa (prejudicads). Nme:

4 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 4 / 37 A Gestã Ambiental deve estabelecer diretrizes, prcediments e mecanisms para a integraçã, a crdenaçã e a articulaçã ds diferentes agentes intervenientes, nas diversas fases d empreendiment, de md a evitar duplicidade de esfrçs e cnflits de interesse; A Gestã Ambiental deve estabelecer mecanisms de cntrle e supervisã ambiental das bras, integrads as prcediments técnics de engenharia, a fim de minimizar seus ptenciais impacts sciambientais. A Gestã Ambiental deve garantir a plena execuçã d Plan Ambiental para a Cnstruçã (PAC) pr parte da empresa cntratada para as bras, através das atividades de Supervisã Ambiental. 3. ASPECTOS LEGAIS O licenciament ambiental é um ds instruments da Plítica Nacinal de Mei Ambiente. Fi intrduzid inicialmente pela Lei nº 6.83, de 22 de setembr de 198, aplicável à implantaçã, peraçã e ampliaçã de estabeleciments industriais, e, psterirmente, pela Lei nº 6.938, de 31 de agst de 1981, que dispõe sbre a Plítica Nacinal d Mei Ambiente. A regulamentaçã d prcess de licenciament se deu a partir da Resluçã n 1/86, de 23 de janeir de 1986, d Cnselh Nacinal d Mei Ambiente (CONAMA), depis mdificada e cmplementada sem perder a validade pela Resluçã CONAMA nº 237, de 19 de dezembr de Esta Resluçã define licenciament ambiental cm prcediment administrativ pel qual órgã cmpetente licencia a lcalizaçã, a instalaçã, a ampliaçã e peraçã de empreendiments e de atividades utilizadres de recurss ambientais e/u cnsideradas efetiva u ptencialmente pluidras, e/u daquelas que, sb qualquer frma, pssam causar degradaçã ambiental. Nas Resluções CONAMA nº 1/86 e 237/97 as bras relativas à cnstruçã de ferrvias sã atividades cnsideradas ptencialmente degradadras d mei ambiente e sujeitas a licenciament ambiental. Nme:

5 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 5 / 37 Outras Resluções d CONAMA cmplementam estas duas resluções básicas, vltadas as prcediments d licenciament: A Resluçã CONAMA nº 9, de 3 de dezembr de 1987, regulamenta as Audiências Públicas previstas na Resluçã CONAMA nº 1/86. A Resluçã CONAMA nº 6, de 24 de janeir de 1986, regulamenta as publicações (divulgaçã) de licenças e pedids de licenças prevists na Resluçã CONAMA nº1/86. Refrçand aquil que fi estabelecid pelas Resluções d CONAMA, a Lei de Crimes Ambientais, Lei nº 9.65, de 13 de fevereir de 1998, em seu artig 6, classifica cm crime ambiental: Cnstruir, refrmar, ampliar, instalar u fazer funcinar, em qualquer parte d territóri nacinal, estabeleciments, bras u serviçs ptencialmente pluidres, sem licença u autrizaçã ds órgãs ambientais cmpetentes, u cntrariand as nrmas legais e regulamentares pertinentes. A Lei nº 6.938/81 estabelece que a Avaliaçã de Impacts Ambientais (AIA) se destina a subsidiar a decisã sbre licenciament de bra u atividade capaz de causar significativa degradaçã d mei ambiente. Já a Resluçã CONAMA nº 1/1986, que dispõe sbre EIA, denminad Estud Prévi de Impact Ambiental (EPIA), exige mesm para licenciament de cnstruçã e peraçã de estradas de ferr. Apesar de estes serem s principais instruments legais que balizam licenciament ambiental n Brasil, utrs requisits técnics devem ser cumprids, entre eles: Lei nº , de 15 de setembr de 1965, que institui nv Códig Flrestal, trazend limitações a us de terras e vegetaçã de interesse cmum e scial; Resluçã CONAMA n 369, de 28 de març de 26 - Dispõe sbre s cass excepcinais, de utilidade pública, interesse scial u baix impact ambiental, que pssibilitam a intervençã u supressã de vegetaçã em Área de Preservaçã Permanente (APP). Esta resluçã estabelece critéris para a cmpensaçã ambiental pel desmatament de APP; Nme:

6 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 6 / 37 Instruçã Nrmativa nº 2, de 21 de març de 27 (Fundaçã Nacinal d Índi - FUNAI)- Estabelece nrmas sbre a participaçã da FUNAI n prcess de licenciament ambiental de empreendiments u atividades ptencialmente causadras de impact n mei ambiente das Terras Indígenas, na cultura e pvs indígenas; Resluçã CONAMA n 237/97, que dispõe sbre licenciament ambiental; cmpetência da Uniã, Estads e Municípis; listagem de atividades sujeitas a licenciament; Estuds Ambientais, Estud de Impact Ambiental e Relatóri de Impact Ambiental. A Instruçã Nrmativa nº. 146, de 1 de janeir de 27 (Institut Brasileir d Mei Ambiente e ds Recurss Naturais Renváveis - IBAMA) que estabelecia s critéris para prcediments relativs a manej de fauna silvestre (levantament, mnitrament, salvament, resgate e destinaçã) em áreas de influência de empreendiments e atividades cnsideradas efetiva u ptencialmente causadras de impacts à fauna sujeitas a licenciament ambiental, cm definid ainda pela Lei n 6.938/81 e pelas Resluções CONAMA n 1/86, passu a ser designada, especificamente, para a tiplgia de Usinas Hidrelétricas, a partir d estabelecid pela Prtaria Nrmativa nº 1 d IBAMA, de 22 de mai de 29; Prtaria n 23, de 17 de dezembr de 22 Institut d Patrimôni Históric e Artísitic Nacinal (IPHAN) Estabelece dispsitivs para a cmpatibilizaçã e btençã de licenças ambientais em áreas de preservaçã arquelógica; Prtaria n 253, de 18 de agst de 26 Institut Brasileir d Mei Ambiente e ds Recurss Naturais Renváveis (IBAMA) - Institui Dcument de Origem Flrestal (DOF), necessári para efetuar transprte de material lenhs, mesm que prveniente de empreendiments em licenciament; Lei nº 6.567, de 24 de setembr de Regulamenta pel Departament Nacinal de Prduçã Natural (DNPM) aprveitament n regime de licenciament aprveitament mineral pr licenciament; Nme:

7 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 7 / 37 Resluçã CONAMA nº 1, de 6 de dezembr de 199 estabelece critéris específics para Licenciament Ambiental de extraçã mineral da Classe II (Decret-Lei nº. 227, 28 de fevereir de 1967), visand melhr cntrle dessa atividade; Instruçã Nrmativa n 1, de 21 de fevereir de 21 (Departament Nacinal de Prduçã Mineral - DNPM) - atualiza e trna adequada a regulamentaçã e a nrmatizaçã da legislaçã referente a requeriment de registr de licença. Cnstantemente sã emitidas nvas nrmas, manuais, assim cm resluções, prtarias, instruções nrmativas que atualizam, regulamentam e estabelecem nvs critéris, as quais, s respnsáveis da Gestã Ambiental devem estar sempre cientes; Cnstantemente sã emitidas nvas nrmas, manuais, assim cm resluções, prtarias, instruções nrmativas que atualizam, regulamentam e estabelecem nvs critéris, as quais devem estar sempre cientes s respnsáveis pela Gestã Ambiental, que s deverã usar e rientar tdas as utras equipes sbre atualizações havidas n arcabuç legal. 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 4.1. Orientaçã O Plan de Gestã Ambiental define prcess gerencial a ser adtad para a ba execuçã de um cnjunt de ações destinadas, basicamente, a evitar u a mitigar as cnsequências ds impacts prvcads pelas bras de implantaçã e de cnserva da ferrvia, incluind s prvcads pels acampaments, pelas instalações de áreas industriais, bem cm pr utras instalações de api às bras, buscand sluções para alguns ds prcesss de degradaçã ambiental que pdem ser deflagrads. A administraçã das atividades previstas envlve a estruturaçã de um sistema capaz de dar cnta da realizaçã ds serviçs técnics de acmpanhament, cntrle, avaliações qualitativa e quantitativa, bem cm a auditria da execuçã das bras sb pnt de vista de bediência: Nme:

8 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 8 / 37 À legislaçã ambiental em vigr, tant de âmbit federal, cm estaduais e municipais; As Plans Básics Ambientais (PBA s) acrdads cm s rganisms licenciadres e fiscalizadres que participam d empreendiment, bem cm; Às Nrmas Ambientais da VALEC (NGL) Prcediments A Gestã Ambiental das bras de Implantaçã e de Cnservaçã da Infraestrutura das Ferrvias, cuja cncessã é de respnsabilidade da VALEC, englba s serviçs técnics vltads a garantir a execuçã ds PBA s e das NGLs prgramads, envlvend quatr atividades básicas, a saber: A supervisã e fiscalizaçã das bras sb pnt de vista ambiental (acmpanhament, cntrle e avaliações funcinais qualitativas e quantitativas), estruturadas cm Atividades de Supervisã Ambiental, O gerenciament da realizaçã ds prgramas ambientais nã diretamente relacinads cm a execuçã de bras (frmulaçã e negciaçã de metas a atingir cm as pessas e s rganisms envlvids na realizaçã, sejam eles de caráter ambiental u nã, envlvend s recurss necessáris, s crngramas de avaliaçã e acmpanhament da execuçã, prvend as sluções para as deficiências detectadas), que sã classificadas cm Atividades de Gerenciament de Plans Ambientais; Desenvlviment das relações cm a cmunidade, envlvend as atividades de uvidria e de cmunicações necessárias à garantia da qualidade ambiental na execuçã d empreendiment, cmpnd as Atividades de Cmunicaçã Scial. Desenvlviment da Gerência INTRA - VALEC, visand distribuir as atividades e respnsabilidades ds plans e/u de partes ds plans entre as divisões da VALEC respnsáveis pela atividade. Nme:

9 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 9 / Metas e Indicadres A Gestã Ambiental deverá rganizar as atividades pertinentes à prevençã, recuperaçã, prteçã e cntrle ambiental a partir ds seguintes prcediments, derivads da análise ds PBAs, das NGLs e Legislaçã vigente: Definiçã das metas finais e parciais a serem alcançadas cm a realizaçã de cada um ds PBA S e das NGLs; Definiçã ds parâmetrs de avaliaçã de desempenh ambiental, envlvend: A identificaçã ds indicadres de desempenh; Os métds e as unidades de mediçã; Os critéris de avaliaçã ds resultads btids. Para tant, sã estabelecidas quatr diretrizes básicas para alcance d bjetiv principal: Mnitrament de tdas as atividades previstas n prcess de licenciament (cndicinantes de licenças, prgramas ambientais, autrizações específicas, entre utrs); Supervisã ambiental das bras, fiscalizand e garantind cumpriment d Plan Ambiental para a Cnstruçã (PAC) pr parte da empresa subcntratada para a execuçã das bras. Gerenciament de ações referentes à bra, assegurand cumpriment de prazs, estabeleciment de metas, empreg de prcediments ambientalmente segurs, entre utrs; Oferecer rientaçã, api e assessria para as Equipes cntratadas pela VALEC e das instituições intervenientes n que tange licenciament ambiental, cm decrrência da garantia da qualidade ambiental da regiã e cumpriment das cndições e restrições da Licença Prévia e da Licença de Instalaçã, GCA tem cm meta final assegurar a btençã da Licença de Operaçã. Nme:

10 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / ESCOPO E MÉTODOS 5.1. Tarefas Os serviçs a serem desenvlvids cmpreendem basicamente três vertentes: Acmpanhament e cntrle ambiental permanente ds prjets e bras, cmpnd as Atividades de Supervisã Ambiental de bras; Execuçã ds cmprmisss ambientais assumids para licenciament, prcurand equacinar, integrar e realizar tds s plans, prjets e prgramas de rdem ambiental que sejam de interesse a Prjet e que pssam atingir e/u prteger direta e indiretamente s meis físic, biótic e antrópic ns quais empreendiment encntra-se inserid, cmpreendend gerenciament das NGL nã relacinadas diretamente cm a execuçã de bras, assim cmpnd as Atividades de Gerenciament de Plans e Nrmas Ambientais; Instalaçã e peraçã ds Serviçs de Ouvidria e de Cmunicações, cmpnd as Atividades de Cmunicaçã Scial, vislumbrand as cmunidades tant usuária, cm residente nas vizinhanças da bra. As ações pertinentes à Gestã Ambiental, em suas três vertentes, pdem ser englbadas ns seguintes cmpnentes básics: Realizar acmpanhament, avaliaçã e revisã de tda dcumentaçã técnica e ambiental d empreendiment, incluind s quantitativs e custs, na fase de detalhament d prjet, bjetivand a cmplementaçã ds Plans Básics Ambientais PBAs e Nrmas Ambientais NGLs. Estabelecer metas a atingir dentr ds bjetivs gerais acrdads para licenciament; Efetuar cntrle ambiental sistemátic das bras, ds PBAs e das NGLs cm bjetiv de atender as exigências ds órgãs licenciadres, visand bter e Nme:

11 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 11 / 37 renvar s certificads e licenças ambientais para funcinament legal das bras e serviçs; Participar na elabraçã ds terms de cntrats e cnvênis a serem celebrads cm empresas especializadas, instituições de pesquisa, ONG para desenvlviment e a realizaçã das atividades especializadas previstas ns PBAs e nas NGLs; Averiguar questinaments a empreendiment, tais cm s riginads pr auditrias, representações, inquérits, ações civis públicas, denúncias de rganisms nã gvernamentais, bem cm s de utras naturezas e rigens, mantend, a mesm temp, um serviç de uvidria pública que permita a intervençã de mradres e usuáris da Ferrvia, n empreendiment; Executar mnitrament e acmpanhament de tdas as atividades ambientais, inventariand e avaliand peridicamente seus efeits e resultads, e prpnd, quand necessári, alterações, cmplementações, u nvas ações e atividades, definind as fases de estuds e prjets, cnsiderand também se s prazs cntratuais e s recurss alcads estã de acrd cm andament ds serviçs. O gerenciament abrangerá tdas as fases d empreendiment, desde sua préimplantaçã até iníci de peraçã. Para permitir a participaçã cmunitária e dar-lhe vz, s serviçs de Gestã Ambiental incluirã, entre as Atividades de Cmunicaçã Scial, a mntagem e a peraçã de um Serviç de Ouvidria Pública. Este serviç, que pderá ser acessad pessalmente, pr crrei (cnvencinal u eletrônic), u pr telefne, receberá as reclamações, sugestões e cmentáris da ppulaçã lcal e ds usuáris da Ferrvia, dand cnheciment destes as respnsáveis pel empreendiment e diligenciand para que s demandantes nã fiquem sem respsta diante de seus anseis. As Atividades de Cmunicaçã Scial incluirã um Serviç de Relações cm a Cmunidade, que estará permanentemente vltad à infrmaçã d públic sbre s Nme:

12 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 12 / 37 assunts relacinads à bra e a mei ambiente crrelat, especialmente naquil que afetar de alguma frma as cmunidades lindeiras, individual u cletivamente. As Medidas e s Prgramas Ambientais já acrdads entre a VALEC e s rganisms ambientais sã s seguintes: 5.2. Medidas Cmpensatórias Vltadas a atendiment das Resluções CONAMA 369/26 e 371/26, além da cmpensaçã pela emissã de gases d efeit estufa. Sã elas: Prgrama de Plantis Cmpensatóris Atendiment à Resluçã CONAMA 369/26 Subprgrama de Resgate da Flra; Subprgrama de Reprduçã e Multiplicaçã de Mudas em Viveirs; Subprgrama de Cbertura Vegetal para Recuperaçã de Áreas Degradadas; Subprgrama de Relcaçã e Averbaçã de Reservas Legais Interceptadas. Prgrama de Cmpensaçã pela Emissã de Gases d Efeit Estufa, vltad à implantaçã ds crredres lcais de fauna; Prgrama de Api a Unidades de Cnservaçã Atendiment à Resluçã CONAMA 371/26, que pde ser determinad pel Ministéri d Mei Ambiente e pel Institut Chic Mendes de Cnservaçã da Bidiversidade ICMBIO, em funçã das sugestões derivadas: Ds Levantaments de Camp Específics para EIA; e/u d Subprgrama Msaics de Bidiversidade d Prgrama Flresta Bahia Glbal, da Secretaria de Mei Ambiente da Bahia. Nme:

13 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 13 / Medidas Mitigadras - Plan Ambiental de Cnstruçã Sã instruments destinads a equacinament das situações de impact negativ que pdem ser evitadas u minimizadas cm ações preventivas, incluind as Medidas de Crreçã adtadas segund O Prgrama de Recuperaçã ds Passivs Ambientais. Sã elas: Prgrama de Cntrle da Pluiçã e da Degradaçã Ambiental na Cnstruçã Subprgrama de Qualidade Ambiental da Cnstruçã Subprgrama de Recuperaçã de Áreas Degradadas Subprgrama de Reduçã de Impacts na Extraçã de Materiais de Cnstruçã; Prgrama de Reduçã de Impacts na Instalaçã e Operaçã de Acampaments e de Canteirs de Serviçs Subprgrama de Instalaçã e Operaçã de Canteirs de Obras; Subprgrama de Gerenciament de Resídus Sólids; Subprgrama de Gerenciament de Resídus Sanitáris; Subprgrama de Gerenciament de Resídus Industriais; Subprgrama de Gerenciament de Resídus de Serviçs de Saúde; Subprgrama de Prteçã de Reservatóris e Mananciais de Abasteciment Prgrama de Prteçã da Flra Subprgrama de Resgate da Flra; Subprgrama de Cntrle e Minimizaçã da Supressã da Vegetaçã. Subprgrama de Reprduçã e Multiplicaçã de Mudas em Viveirs; Subprgrama de Prevençã Cntra Queimadas; Subprgrama de Transplante de Espécimes Vegetais Selecinads. Prgrama de Prteçã Cntra Ersã Nme:

14 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 14 / 37 Subprgrama de Drenagem Superficial e Prteçã Cntra Ersã; Subprgrama de Plantis Paisagístics; Subprgrama de Cbertura Vegetal para Recuperaçã de Áreas Degradadas; Subprgrama de Transplante de Espécimes Vegetais Selecinads. Prgrama de Gerenciament da Mã de Obra Subprgrama de Administraçã da Mã de Obra; Subprgrama de Educaçã Ambiental; Subprgrama de Segurança e Saúde da Mã de Obra; Subprgrama de Capacitaçã ds Trabalhadres n Plan Ambiental de Cnstruçã Prgrama de Prteçã da Fauna Subprgrama de Resgate da Fauna nas Frentes de Desmatament; Subprgrama de Implantaçã de Passagens Inferires de Fauna. Prgrama de Gerenciament de Riscs Ambientais e Plan de Ações Emergenciais Prgrama de Recuperaçã de Passivs Ambientais Nme:

15 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 15 / Medidas de Mnitrament e Cntrle da Qualidade Ambiental Estas medidas cmpõem s instruments efetivs de mediçã ds resultads btids frente as metas estabelecidas pels prgramas ambientais prpsts. Sã elas: Prgrama Gestã, Mnitrament e Cntrle da Qualidade Ambiental Subprgrama de Prcediments e Rtinas de Acmpanhament ds Cmprmisss Ambientais; Subprgrama de Mnitrament e Cntrle ds Impacts Ambientais nas Obras; Subprgrama de Mnitrament e Cntrle de Efluentes Sanitáris e Industriais; Subprgrama de Mnitrament e Cntrle ds Resídus Sólids, Líquids e de Serviçs de Saúde; Subprgrama de Mnitrament e Cntrle de Prcesss Ersivs; Subprgrama de Mnitrament e Cntrle da Qualidade da Água; Subprgrama de Mnitrament e Cntrle de Emissões Atmsféricas, Ruíds e Vibrações na Fase de Cnstruçã; Subprgrama de Mnitrament e Mitigaçã de Atrpelaments da Fauna; Subprgrama de Mnitrament da Fauna e Bí indicadres Medidas de Prteçã Cultural e de Api Cmunitári Sã medidas vltadas para a cnservaçã ds recurss de infraestrutura e repasse de infrmações à ppulaçã lcal acerca ds aspects ambientais d empreendiment (ver Quadr 17). Sã denminadas Medidas de Prteçã Cultural e de Api Cmunitári: Prgrama de Cmunicaçã Scial; Prgrama de Api a Ppulações Frágeis; Nme:

16 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 16 / 37 Prgrama de Relcaçã de Infraestrutura; Prgrama de Indenizaçã, Reassentament e Desaprpriaçã, cm seu respectiv Subprgrama de Averbaçã e Relcaçã de Reservas Legais Organizaçã As atividades de Supervisã Ambiental serã realizadas ns lcais nde devem ter eficácia, sb respnsabilidade da SUPRO, seguind rgangrama apresentad na figura 1. A inter-relaçã entre as atividades da Gestã Ambiental estã apresentadas n rgangrama que cmpõe a figura 2, em que a Gestã é exercida a partir d Cmitê Ambiental cnstituíd sb a respnsabilidade da SUCON (respnsável pelas atividades relacinadas cm cnstruçã); da SUPRO (respnsável pela supervisã ambiental, pelas atividades relacinadas cm prjet e cm as atividades nã relacinadas cm cnstrutras, tais cm as pesquisas arquelógicas, pr exempl) e da ASCON (atividades relacinadas cm cmunicaçã scial). Será através das reuniões d Cmitê Ambiental que serã canalizadas as ações da supervisã ambiental, das cnstrutras e ds cnsultres especiais e, n sentid invers, as reivindicações ds cidadãs de ONGs e de Instituições de pesquisa. As empresas e rganizações envlvidas n Prjet das Ferrvias cujas cncessões sã de respnsabilidade da VALEC participam brigatriamente d Cmitê Ambiental das Obras de Implantaçã, nmeand um representante seu para participar das reuniões cnvcadas pel Secretári geral d Cmitê (Supervisr Ambiental, nmead pela VALEC). Este representante será investid de pderes para receber ntificações e crrespndências, assinar atas e assumir cmprmisss visand à recuperaçã/crreçã de impacts/ações de respnsabilidade da instituiçã que nmeia. Nas reuniões cnvcadas pel secretári geral d Cmitê sã apresentads e avaliads s relatóris ds inspetres ambientas e determinadas as ações/bras/prvidências que deverã ser tmadas pels participantes, de acrd cm suas respnsabilidades. O Secretári geral d Cmitê pderá admitir nas reuniões, a seu exclusiv critéri, cnsultres especiais, fiscais d IBAMA u rganisms ambientais estaduais u Nme:

17 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 17 / 37 municipais, representantes de assciações de mradres e de ONGs, líderes cmunitáris u simplesmente, de cidadãs que tenham algum tip de atrit cm empreendiment, u cm seus executres. As reuniões serã realizadas pr cnvcaçã d Secretári geral d Cmitê, e interval entre elas será de, n máxim, duas semanas Estrutura Funcinal da GCA A estrutura funcinal d Prgrama de Gestã ds Cmprmisss Ambientais cntará cm quatr equipes de trabalh, cada uma respndend pr funções específicas, tal cm está relacinad ns parágrafs seguintes. Supervisã Ambiental, que respnde pel cnjunt ds trabalhs d GCA, send respnsável pel relacinament da Gestã Ambiental cm tds s órgãs e setres envlvids cm GCA. Nme:

18 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 18 / 37 Nme:

19 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 19 / 37 As quatr Crdenações ds Prgramas serã respnsáveis pelas atividades de supervisã e fiscalizaçã ambiental das Obras e ds Prgramas Ambientais, nde: A Crdenaçã Medidas Culturais e Cmunitárias será respnsável pel gerenciament ds Prgramas e Plans Sciambientais nã diretamente relacinads às bras; A Crdenaçã Qualidade Ambiental será respnsável pel gerenciament ds Prgramas e Plans vltads a Mnitrament e Cntrle ds indicadres relacinads naqueles prgramas; A Crdenaçã Medidas Mitigadras será respnsável pel gerenciament d ds Prgramas e Subprgramas que cmpõem Plan Ambiental de Cnstruçã (PAC); A Crdenaçã Medidas Cmpensatórias será respnsável pel gerenciament ds Prgramas e Plans vltads a atendiment das cmpensações exigidas pelas Resluções d CONAMA de Ns 369 e 371/26, bem cm d Prgrama de cmpensaçã pela emissã de gases d efeit estufa. Nme:

20 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 2 / 37 Caberá à Supervisã Ambiental desenvlver as seguintes atividades: Definiçã d flux de infrmações, relacinaments e atribuições entre s diverss agentes envlvids diretamente n empreendiment (VALEC, empreiteiras, supervisã das bras, empresas respnsáveis pela implantaçã ds prgramas ambientais etc.) e destes cm s agentes externs (INCRA, FUNAI, IPHAN, Prefeituras Municipais, cmunidades lcais etc.). Definiçã ds mecanisms de integraçã e crdenaçã ds prgramas ambientais a serem realizads. Cm primeira etapa desta atividade deverá ser definida as frmas de relacinament da GCA cm s Prgramas de Cmunicaçã Scial, de Treinament e de Educaçã Ambiental cm Prgrama de Cmpensaçã Ambiental. Elabraçã ds prcediments e instruments técnic-gerenciais para a fiscalizaçã e supervisã ambiental das bras. Nme:

21 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 21 / 37 Elabraçã ds prcediments e instruments técnic-gerenciais para gerenciament e acmpanhament ds prgramas sóci ambientais. Mntagem de um sistema de indicadres ambientais vltads para a avaliaçã d desempenh ds prgramas ambientais a serem implantads. O sistema deverá envlver Indicadres: de Eficácia, capazes de medir alcance das metas prgramadas; e de Eficiência, que dimensinem a prprçã de recurss utilizads em relaçã as resultads btids, permitind uma avaliaçã d desempenh peracinal e da relaçã cust/benefíci das ações realizadas, e Indicadres de Efetividade, capazes de avaliar a evluçã das cndições ambientais e ds prgramas sciambientais relacinadas à implantaçã d empreendiment. Mntagem d banc de dads que reunirá infrmações e registrs das atividades de supervisã e gerenciament ambiental d empreendiment. A mntagem d Banc de Dads deverá levar em cnta as necessidades d sistema de indicadres ambientais, d Sistema de Infrmações Gegráficas d empreendiment e d bjetiv de dcumentaçã histórica (memória) d empreendiment. Mntagem d Sistema de Infrmações Gegráficas (SIG) d empreendiment, que permitirá gerreferenciament da gestã ambiental d empreendiment. Secretariar reuniões periódicas (quinzenais) de avaliaçã ambiental n lcal da bra, cm a participaçã da VALEC, Cnstrutra, Supervisã Ambiental e Supervisã das Obras. Caberá à Supervisã Ambiental as atividades que cmpreendem acmpanhament e a fiscalizaçã d Prgrama Ambiental para a Cnstruçã (PAC). Ela visa assegurar a realizaçã ds trabalhs segund as especificações e a plena execuçã das medidas ambientais precnizadas, abrangend prcediments cnstrutivs d empreendiment, empréstim e bta fra, padrões de cnduta para s peráris da cnstruçã em relaçã a Nme:

22 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 22 / 37 mei ambiente e a qualidade d trabalh ambiental realizad pelas cntratadas, assim cm a verificaçã da realizaçã das medidas ambientais e sciais, de acrd cm as especificações apresentadas ns Prgramas Ambientais de Cnstruçã (PAC) de cada uma das Ferrvias que serã cnstruídas pela VALEC. Também é funçã da Supervisã Ambiental inspecinar a execuçã das bras sb pnt de vista ambiental, visand: Atender à legislaçã vigente e às exigências ds órgãs ambientais e ds demais órgãs cmpetentes envlvids; Verificar cumpriment das especificações ambientais para s prcediments cnstrutivs, instalaçã e peraçã de áreas de api, empréstim e bta fras, sistema de drenagem, cntrle de efluentes e resídus e nrmas de cnduta para mã de bra, atestand a cnfrmidade u nã cnfrmidade das ações realizadas, de frma a rientar a cnduçã das bras e demais serviçs na adçã de bas práticas ambientais; Assegurar que Prgrama Ambiental da Cnstruçã (PAC) seja realizad segund s padrões estipulads. Inventariar e avaliar, peridicamente, s efeits e resultads em funçã ds padrões ambientais estabelecids e prpr, quand necessári, alterações, cmplementações u nvas ações e atividades, cnsiderand, também, andament ds serviçs e sua adequaçã as prazs cntratuais e as recurss alcads. Frmulaçã de Rtinas e Prcediments. Esta atividade cmpreende a frmulaçã de prcediments para as atividades de inspeçã, tend em vista atendiment, pelas empreiteiras, ds requisits ambientais e das cndições ambientais das licenças. Deverã ser detalhads prcediments para a realizaçã de inspeções de camp e registr de crrências e nã cnfrmidades, cnsiderand s indicadres ambientais e de mnitrament estabelecids ns prgramas ambientais integrantes d PAC. Para tant serã definidas: Nme:

23 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 23 / 37 a peridicidade de ações rtineiras de inspeçã; s instruments de registr; s instruments e mecanisms de avaliaçã; flux de infrmações sbre crrências e nã cnfrmidades; a peridicidade e caráter ds relatóris de divulgaçã d andament. Análise ds Plans de Obras. Esta atividade cmpreende a análise ds Plans de Obras apresentads pelas empreiteiras, enfcand as rtinas de serviçs e prcesss cnstrutivs, instalaçã e peraçã de canteirs, áreas de empréstim e bta fra, drenagens etc. cm vistas à verificaçã da cmpatibilidade cm s cndicinantes ambientais estabelecids e cm as recmendações cnstantes n PAC, bem cm, cm s crngramas de realizaçã ds prgramas ambientais. Para tant, a empreiteira e a supervisã de bras, deverã frnecer: Plans de execuçã das bras, nde estejam indicads s prcediments que serã seguids em tdas as fases de implantaçã de cada um ds ltes de bras das Ferrvias da VALEC e na execuçã de serviçs que venham a interferir diretamente n ctidian da área em trn d empreendiment; Rtinas de trabalh que minimizem impact sbre mei ambiente, cmunidades e tráfegs lcais; Crngramas de bras cmpatíveis cm as ações ambientais relacinadas. Inspeçã e Cntrle. Esta atividade deverá iniciar cm uma inspeçã geral das áreas de implantaçã d empreendiment, antes d iníci das bras, de md a estabelecer um quadr de referência para as inspeções futuras. O acmpanhament das atividades se dará pr mei de inspeções às frentes de bras, para verificar e dcumentar que as partes cntratadas estejam atendend as requisits ambientais estabelecids, às cláusulas ambientais incluídas ns prjets de engenharia e às cndições ambientais das licenças. As inspeções irã enfcar a cnfrmidade ambiental das ações desenvlvidas. As inspeções serã acmpanhadas da adçã de prvidências, diligenciand n sentid de que as bras sejam executadas cnfrme crngrama prpst, visand que Nme:

24 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 24 / 37 cmpnente ambiental seja realizad cncmitantemente a andament ds serviçs. Na hipótese da crrência de nã cnfrmidades, fat será imediatamente cmunicad às partes envlvidas, em particular à Supervisã Ambiental d GCA, registrand tip de crrência e prvidências necessárias à sua crreçã. Nas atividades de Inspeçã e Cntrle, a Supervisã Ambiental deverá: Efetuar cntrle ambiental sistemátic das bras e ds prgramas sciambientais cm bjetiv de atender à legislaçã vigente e às exigências ds órgãs ambientais e ds demais órgãs cmpetentes envlvids; Supervisinar tdas as atividades ambientais desenvlvidas nas áreas de intervençã, avaliand peridicamente seus resultads em funçã ds padrões ambientais estabelecids e prpr, quand necessári, alterações, cmplementações, u nvas ações e atividades; Analisar e, quand necessári, slicitar ajustes para cmpatibilizar s crngramas entre s prgramas ambientais e a execuçã das bras; Inspecinar cumpriment das especificações ambientais e das técnicas definidas ns prgramas sciambientais, abrangend: (I) prcediments cnstrutivs; (II) instalaçã e peraçã de áreas de api, de empréstim e bta fra; (III) padrões de cnduta para s peráris da cnstruçã em relaçã a mei ambiente e às cmunidades lcais; e (IV) qualidade d trabalh ambiental realizad pelas empreiteiras e utrs fatres, cnfrme venha a ser cnsiderad necessári pela Supervisã Ambiental; Inspecinar peridicamente as áreas de cnstruçã, verificand a cnfrmidade da realizaçã das medidas ambientais e a bservância das diretrizes e especificações técnicas ambientais prpstas; Assegurar que cmpnente ambiental seja realizad cncmitantemente a andament ds serviçs. Identificaçã de nã cnfrmidades. Esta atividade cmpreende: Nme:

25 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 25 / 37 Realizar inspeções periódicas nas áreas de cnstruçã, gerand relatóris técnics ambientais, cm vistas à adçã das prvidências pertinentes; Frnecer rientações de cunh ambiental a técnics participantes d empreendiment; Detectar as crrências ambientais e as reincidências de nã cnfrmidades ambientais envlvend risc; Realizar registrs rdináris prvenientes das inspeções, que serã encaminhads às instâncias pertinentes para cnheciment e adçã de prvidências; Prpr ações crretivas e u preventivas decrrentes de nã cnfrmidades identificadas; Elabrar certificaçã de cnfrmidade para aprvaçã ds serviçs; Elabrar ntificações de nã cnfrmidades, que serã encaminhads às instâncias pertinentes, para as prvidências cabíveis. Participar, de frma cnsultiva, n desenvlviment da atividade de medições ds serviçs executads, visand atestar sua qualidade ambiental; Prpr sluções para aspects nã prevists n prjet, sempre que slicitad; participar das atividades de interaçã cm terceirs e cmunidades afetadas; Verificar a cnfrmidade d desenvlviment das atividades de lcalizaçã, licenciament, implantaçã, peraçã e desativaçã das instalações de api às bras; Acmpanhar prcess de licenciament ambiental e de relacinament institucinal, infrmand as prvidências a serem adtadas em assunts pertinentes. Quand frem identificadas crrências de irregularidades ambientais, será emitid Infrme da Supervisã Ambiental. Uma vez crrigida a irregularidade e as eventuais cnsequências da crrência ambiental, seu históric de tratament será arquivad. Permanecend a irregularidade será entã atualizad seu Registr de Nã Cnfrmidade. Cas crra permanência Nme:

26 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 26 / 37 da irregularidade será desenvlvid um plan de açã e elabraçã de pareceres, relatóris e infrmações técnicas. A Supervisã Ambiental deverá elabrar dcuments técnics que sintetizem as infrmações sbre prjet de engenharia, englband as medidas ambientais a serem realizadas e s cmprmisss assumids n licenciament ambiental. Esses dcuments, além de integrarem banc de dads, serã sintetizads para a sistematizaçã ds dads relativs a empreendiment, a licenciament ambiental, à execuçã ds prgramas ambientais e a crrências nã previstas. O registr e a sistematizaçã de tdas as infrmações serã centralizads n Banc de Dads e incrprads a Sistema de Infrmações Gegráficas, através d gerreferenciament ds lcais de crrências. Serã prduzids s seguintes Pareceres, Relatóris e Infrmações Técnicas: Manual de Prcediments Ambientais. Cmpreende: O rl de aspects relevantes d Prjet Executiv de Engenharia e das medidas ambientais estruturais a ele incrpradas, a identificaçã das áreas sensíveis u mais vulneráveis às intervenções geradas pela bra, relacinadas as cndicinantes legais afets às mesmas, as medidas preventivas u prvisórias cnstantes d plan de bras, dentre utras. O Manual será cnstantemente atualizad. As situações cncretas encntradas na implantaçã d empreendiment e suas crreções serã divulgadas para as partes interessadas. Relatóri de Acmpanhament d Licenciament Ambiental e Atendiment às Cndicinantes Estabelecidas. Abrange a relaçã das licenças ambientais e autrizações btidas pel empreendiment, a indicaçã ds respectivs prazs de validade e das cndicinantes estabelecidas pel Institut Brasileir de Mei Ambiente e ds Recurss Naturais (IBAMA) e órgãs reguladres das atividades previstas. As atualizações serã divulgadas às partes interessadas. Registr Ambiental. Cmpreende registr das atividades ctidianas de supervisã ambiental, que será sistematizad de md a hmgeneizar as infrmações geradas pels inspetres ambientais de camp. Os registrs de tdas as atividades de inspeçã deverã cnter a descriçã das crrências, seu registr ftgráfic, gerreferenciament d lcal da crrência cm us de GPS etc.. Nme:

27 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 27 / 37 Relatóri Ambiental. Cmpreende a síntese periódica ds registrs ambientais, cntend infrmações sbre as ações pendentes e sluções em andament u cncluídas, para subsidiar a elabraçã ds Relatóris de Atividades que serã encaminhads a IBAMA. Relatóris de Atividades. Semestralmente serã elabrads relatóris de andament das atividades de supervisã de bras, cm relat das principais crrências, etapas cncluídas aspects pendentes etc., para envi a IBAMA. Relatóri Final. O Relatóri Final a ser apresentad n final da cnstruçã da Ferrvia, cntend fts e vídes mstrand a situaçã antes, durante e após as bras, deverá destacar: A recuperaçã das áreas degradadas; Os dispsitivs implantads para prevençã de prcesss ersivs; O prcess de resgate da fauna; O sistema de drenagem implantad Registrs de Cntrle Cntrle d Licenciament Ambiental d Empreendiment. Cnsiste n arquivament ds dcuments apresentads pela VALEC para a emissã das licenças e autrizações ambientais, cm a relaçã ds cndicinantes impsts para sua liberaçã, cmplementads pr planilhas síntese que sistematizam e permitem registrar estági de avanç d atendiment as cmprmisss assumids. Cntrle das Autrizações para a Supressã Vegetal (ASV). O cntrle das ASV será efetuad mediante elabraçã de planilha cntend númer da Autrizaçã, a data de emissã e de validade, cm também praz legal de slicitaçã de renvaçã. Cntrle das Ocrrências Verificadas na Supervisã Ambiental das Obras. O cntrle de tdas as crrências verificadas em camp é feit em Nme:

28 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 28 / 37 mei digital, mediante encaminhament das planilhas de registr e da cnslidaçã mensal ds registrs. Cntrle da Expediçã de Cmunicaçã pels Supervisres Ambientais. A Cmunicaçã de Irregularidades, cuja crreçã seja premente, em face da legislaçã e gravidade ambiental, é emitida pela Supervisã Ambiental e encaminhada à Supervisã Ambiental pr mei digital, integrand dcument de Cmunicaçã de Nã Cnfrmidade. Cntrle da Emissã de Atestads de Cnfrmidade u Nã Cnfrmidade Ambiental. As cópias impressas ds Atestads Mensais de Cnfrmidades u Nã Cnfrmidades Ambientais serã arquivadas em pasta, tend suas infrmações inseridas n banc de dads e gerreferenciadas n SIG. Cntrle das Medidas Ambientais Incrpradas às Obras e das Ocrrências Ambientais. O cntrle das medidas ambientais realizadas, em bservância às especificações d PBA e as cndicinantes impsts pel IBAMA e demais órgãs cmpetentes envlvids n prcess de licenciament d empreendiment, será efetuad pr mei de arquivament digital e em pastas cm as cópias ds dcuments e fts que atestam a situaçã préimplantaçã e após a cnclusã das medidas precnizadas. Articulaçã Institucinal. As atividades referentes as prgramas sciambientais nã vinculads às bras envlverã diferentes empresas, instituições de pesquisa u rganizações nã gvernamentais cntratadas e parceirs institucinais, envlvend órgãs vinculads as três níveis d pder públic e utras entidades. Caberá a Gerenciament Ambiental adtar uma sistemática vltada à articulaçã cm as diversas instituições envlvidas, tend em vista garantir a cnduçã adequada das ações prpstas. Para tant será necessári: Nme:

29 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 29 / 37 Identificar as entidades e parceirs envlvids e manter um banc de dads de seus representantes, atribuições, cmprmisss etc.; Crdenar a participaçã das diversas entidades e parceirs, acmpanhand suas atividades na realizaçã ds prgramas sciambientais. Intermediar a relaçã de pessal técnic, entidades e parceirs cm s respnsáveis pela bra; Prpr as refrmulações que se evidenciarem necessárias, em terms da participaçã das entidades e parceirs, em funçã d acmpanhament e avaliaçã d andament ds prgramas sciambientais. Gerenciament de Infrmações. Tdas as infrmações relacinadas as prgramas sciambientais devem ser dcumentadas e centralizadas n Banc de Dads e n Sistema de Infrmações Gegráficas. Caberá a Gerenciament Ambiental definir s mecanisms e instruments a serem utilizads pels respnsáveis pela implantaçã ds prgramas sciambientais para a dcumentaçã de infrmações. Para tant, deverá prpr instruments padrnizads para: O registr de tdas as atividades realizadas, inclusive cntats, cmunicações e reuniões efetuadas; O registr de eventuais refrmulações u adaptações ns prgramas, incluind metas, crngramas e indicadres de mnitrament; A elabraçã de relatóris mensais cm tdas as infrmações sbre andament ds trabalhs; A cmunicaçã de situações que demandem a adçã de prvidências urgentes pela VALEC, cm a crrência de nã cnfrmidades, situações de risc, cnflits cm a ppulaçã e utrs events relacinads as prgramas sciambientais; O Relatóri Final de cnclusã das atividades ds prgramas sciambientais. Os instruments e mecanisms de registr de infrmações pels respnsáveis pela implantaçã ds prgramas sciambientais deverã cntemplar sempre Nme:

30 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 3 / 37 sua cmpatibilidade cm a integraçã a Banc de Dads, a Sistema Gegráfic de Infrmações e a Sistema de Indicadres Ambientais. Elabraçã de relatóris e ntas técnicas. O Gerenciament Ambiental deverá elabrar s seguintes dcuments: Relatóri de Andament. As atividades de Gerenciament Ambiental serã dcumentadas em relatóris semestrais de andament, a serem apresentads a IBAMA. O bjetiv d Relatóri de Andament é frnecer infrmações sbre andament ds serviçs, cumpriment d crngrama previst, a descriçã das atividades realizadas n períd, a análise da qualidade d trabalh realizad e a prpsta de sluções para eventuais dificuldades surgidas n desenrlar ds trabalhs. Deverá cnter: As infrmações gerais ds prgramas; Os quadrs de acmpanhament cm s cmentáris que se fizerem necessáris; O registr de nvas situações u events detectads; As infrmações técnicas sbre andament ds prgramas. Relatóris técnics. Sã relatóris de cmunicaçã de resultads, inclusive s referentes à detecçã de situações de nã cnfrmidade ambiental. Ntas Técnicas Setriais. As Ntas Técnicas Setriais cnstituirã demandas específicas decrrentes de situações particulares que necessitem de esclareciments u de demandas especiais feitas pel IBAMA u utras instituições intervenientes. Relatóris finais. Elabraçã de relatóris finais de execuçã de cada um ds prgramas, atestand sua qualidade ambiental e alcance das metas prpstas. Mnitrament e avaliaçã d PAC. O mnitrament e a avaliaçã d Prgrama Ambiental para a Cnstruçã (PAC). Esta atividade cnsiste n acmpanhament da evluçã da implantaçã ds prgramas em seus aspects quantitativs e qualitativs, Nme:

31 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 31 / 37 cm a prpsiçã de prvidências pertinentes cm vistas à sua adequada realizaçã, em tdas as etapas. As atividades de mnitrament e avaliaçã ds prgramas sciambientais deverã dar especial atençã a situações que indiquem prblemas a serem bservads pela equipe de Supervisã Ambiental, u seja, aquelas que refletem efeits direts das bras e que demandam prvidências pelas equipes de fiscalizaçã. Esta atividade envlve ainda a análise e a adçã, sempre que necessári, de mudanças de rum u acréscims as escps ds prgramas sciambientais, tend em vista a identificaçã de situações nã previstas anterirmente. O mnitrament e avaliaçã ds prgramas sciambientais deverã incrprar a avaliaçã baseada n sistema de indicadres ambientais, a análise técnica da situaçã de cada prgrama e a avaliaçã gerencial de cumpriment de prazs e metas e adequaçã de recurss. O Gerenciament Ambiental deverá atestar a ba qualidade e a adequaçã d andament ds prgramas sciambientais cm vistas à mediçã ds serviçs cntratads e d cumpriment ds cmprmisss assumids pr parceirs. Nme:

32 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 32 / Recurss As Tabelas a seguir relacinam s recurss mínims necessáris à perfeita realizaçã das tarefas descritas n Plan de Gestã ds Cmprmisss Ambientais descrit na presente Nrma. RECURSOS HUMANOS Equipe Nível Unidade Quant./mês meses Ttal H x mês Crdenadr Geral P H x mês Supervisr Ambiental Sênir P1 H x mês Supervisr Ambiental Médi P2 H x mês Supervisr Ambiental Junir P4 H x mês Secretaria Executiva A H x mês Mtrista A2 H x mês RECURSOS MATERIAIS Recurss Unidade Quant./mês Meses Ttal Cmputadres eq/mês Impressras eq/mês GPS eq/mês Máquina Ftgráfica eq/mês Veícul 4X4 eq/mês Equipaments de Prteçã Individual eq/mês Material de Escritóri Verba PERÍODO DE VALIDADE As atividades de Gestã Ambiental da VALEC tiveram iníci n an 2 e, desde aí, sã permanentes. Tais atividades, sem interrupçã d andament, serã ampliadas cm a cncmitante ampliaçã das equipes para s nvs trechs ferrviáris na medida em Nme:

33 Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 33 / 37 que btiverem licenciament ambiental que permitam iniciar as bras. As atividades de Gestã Ambiental nã mais serã interrmpidas enquant as Ferrvias existirem, carecend apenas de adaptações de prcediments para tratament ds impacts prevists para a fase de peraçã e cnservaçã da infraestrutura. 7. ÓRGÃOS INTERVENIENTES E RESPONSABILIDADES VALEC. A VALEC é empreendedr e respnsável pela execuçã deste e de tds s PBA s e das NGLs que fazem e que farã parte d Prjet das ferrvias cujas cncessões sã de respnsabilidade da VALEC. É órgã cntratante e principal fiscal da aplicaçã desta especificaçã. A VALEC pderá cntratar cnsultres para serviçs especializads e de api, visand à ba execuçã de seus Plans Básics Ambientais. Para cnsecuçã ds bjetivs deste PBA, a VALEC cntará cm a estrutura rganizacinal apresentada nas figuras apresentadas na seçã nº 5. O cust das atividades diretas de Gestã Ambiental será suprtad pels rçaments de investiment da VALEC. Já, cust que será incrrid pelas empresas cntratadas para participaçã n Cmitê Ambiental das Obras de Implantaçã nã será pags u reemblsads isladamente d pagament das bras bjet das rdens de serviç. O cntratad, desde a frmulaçã de sua prpsta, incluirá tais custs u diluíds ns preçs unitáris ferecids para s serviçs, u na parcela de benefícis e despesas indiretas adtada pela empresa na frmulaçã de sua prpsta de preçs. IBAMA e Órgãs de Licenciament Ambiental Estaduais. O IBAMA e s rganisms estaduais de licenciament ambiental sã s respnsáveis pelas atividades de licenciament, cnfrme definidas pela resluçã 237/97, e pela fiscalizaçã d atendiment tempestiv, quantitativ e qualitativ das cndições estabelecidas nas licenças cncedidas e nas metas fixadas nas NGLs que fazem parte ds cmprmisss de licenciament. Empresas Cntratadas e Organizações Cnveniadas. Tant as empresas cntratadas (cnstrutras, cnsultras, frnecedres, mntadres), cm as rganizações cnveniadas (Instituições de Ensin e Pesquisa, Organisms Públics, ONGs) recebem cópia das Nme:

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ Ref.: 0084/24 (Favr referir-se a este númer em tdas as crrespndências) Esta empresa está cnvidada a apresentar prpsta à UNESCO de Elabraçã de Prgrama Editrial para Institut

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16.

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16. NGL-5.3.1-16.13 1 / 21 Sumário 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETO... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 2 4. MÉTODOS E RECURSOS... 9 4.1. Registros de Acompanhamento... 9 4.2. Relatórios de Andamento... 11 4.3. Recursos...

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

Março de 2012. Relatório Consolidado

Março de 2012. Relatório Consolidado Març de 2012 Relatóri Cnslidad Apresentaçã O presente relatóri tem cm bjetiv reunir infrmações referentes à aplicaçã-pilt da versã intermediária ds Indicadres Eths 3ª Geraçã. Essas infrmações serã insum

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social

Atuação dos Ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência Social 4 Atuaçã ds Ministéris d Trabalh e Empreg e da Previdência Scial CAPÍTULO 4.1 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Cm mstrada anterirmente, a precupaçã cm a segurança e a saúde d trabalhadr teve iníci na Revluçã

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS ANEXO DO CONTRATO Anex 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS Outubr - 2012 Sumári 1. OBJETIVOS... 3 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 3. OBRIGAÇÕES GERAIS DA CONCESSIONÁRIA COMUNS A TODOS OS SERVIÇOS8

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Sustentabilidade para Cmbustíveis: Tips de cmbustíveis: Para ônibus deverá ser utilizad diesel cm 20% de bidiesel (B20), de rigem vegetal; Para geradres deverá ser utilizad diesel cm 20%

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE Reprte de Ameaça Iminente de Dan Ambiental e de Ocrrência de Dan Ambiental n Âmbit d Regime da Respnsabilidade Ambiental Agência Prtuguesa d Ambiente Julh

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PDIPCCTAE Lei 11.091/2005 Decret 5.825/2006 Decret 5.707/2006 Resluçã

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INFORMAÇÃO TÉCNICA nº 066/2008 - COHID/CGENE/DILIC/IBAMA Brasília, 11 de agst

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Terms de Cperaçã PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment e invaçã

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. o r g. b r

w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. o r g. b r w w w. i n i c i a t i v a v e r d e. r g. b r EFEITO ESTUFA DESMATAMENTO Históric de desmatament em Sã Paul DESMATAMENTO Cbertura atual CONSEQUECIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Reduçã na bidiversidade http://www.baixaki.cm.br/imagens/wpapers/bxk22741_abelha-_-rubi-marra-1-800.jpg

Leia mais

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12.

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12. POL 5.3.1.16-1 1 / 12 POL 5.3.1.16-1 2 / 12 POL 5.3.1.16-1 3 / 12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. DA VALEC S.A.... 6 3. OBJETIVOS PROPOSTOS E METAS PARA O PRIMEIRO ANO... 7 4. NORMAS AMBIENTAIS PROPOSTAS...

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais