Reflexões sobre o processo de mudança organizacional: aspectos que norteiam a realidade brasileira.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reflexões sobre o processo de mudança organizacional: aspectos que norteiam a realidade brasileira."

Transcrição

1 Reflexões sobre o processo de mudança organizacional: aspectos que norteiam a realidade brasileira. Leite, Giancarlo de Cristo, Professor da Faculdade Paranaense da Universidade Paulista UNIP, Brasil - Botelho, Carlos Demony, Professor do ISCSP Universidade de Lisboa Portugal. Resumo Considerando a proeminência do tema da mudança organizacional, este trabalho realiza uma reflexão de natureza estratégica e operacional a partir de uma pesquisa realizada em 2013 pela Consultora Dextera no Brasil, com gestores de grandes empresas a respeito do seu posicionamento e visão estratégica sobre o tema da mudança. Realizada com base em entrevistas, os dados foram agrupados em quatro eixos: tempo de grandes mudanças, processo de gestão das mudanças, aprendendo com o passado e principais benefícios e desafios. Os resultados da pesquisa geraram conteúdo relevante para que o meio academico e empresarial possa refletir sobre alguns aspectos da realidade brasileira. Tendo presente a importância das atitudes no sucesso da implementação, o eixo principais benefícios e desafios será o alvo deste trabalho, confrontando a percepção dos gestores com modelos e estudos acadêmicos. São retiradas implicações sobre a maturidade e evolução do processo de Gestão da Mudança nas organizações. Palavras chave: Mudança, Atitudes, Gestão da Mudança, Estratégia

2 1 Introdução As organizações têm de responder a inúmeras situações de adaptação as quais passam invariavelmente por processos de mudança, de maior ou menor magnitude, visando tornarem-se mais competitivas e para fazer frente aos desafios da dinâmica do mercado. Esta tendência passou a ser uma regularidade no comportamento das organizações contemporâneas (Burke, 2008; Burnes, 2004; Lewis, 2011). A análise da forma como as empresas brasileiras têm sido capazes de responder a este processo acelerado de mudança é o campo de estudo deste trabalho, que tem como base os dados e informações obtidos em uma pesquisa realizada pela Consultoria Dextera em parceria com a Empresa ChangeFirst em 2013 no Brasil. A pesquisa realizada com 500 empresas de grande dimensão, selecionadas pelo histórico das suas práticas em projetos de Gestão de Mudança Organizacional (GMO), destaca em sua conclusão que a cultura de GMO não se institui apenas com a criação de uma área organizacional específica ou pela prática ocasional e sim pela adoção sistemática de medidas disseminadas em todos os níveis e com forte sentido de comprometimento. Procura-se mediante um levantamento bibliográfico relevante encontrar suporte para as conclusões obtidas nesta importante pesquisa de campo produzida pela consultora, buscando compreender o fenômeno da gestão da mudança em contexto organizacional. Este trabalho procura interpretar o pensamento dos gestores organizacionais a respeito da gestão da mudança, a partir de uma análise parcial com foco no eixo Principais Benefícios e Desafios. 2 A liderança e as mudanças no contexto organizacional A Gestão da Mudança Organizacional (GMO) é o processo de empregar técnicas de gestão e planejamento empresarial, planos de comunicação organizacional e ações ou programas de transferência de conhecimento para assegurar uma transição suave de um ou mais sistemas e processos para outros, e para que seja bem sucedida aborda os três aspectos principais de um negócio: Processos, Sistemas e Pessoas. 1 Trata-se de um processo de gestão deliberado que visa definir não somente os objectivos mas também 1 Artigo Por que Gestão de Mudanças? Dynamica Consultoria convergindo conhecimento, Disponível em acesso em 19/07/2014.

3 as formas de intervenção, com a preocupação de reforçar as possibilidades de sucesso das organizaçoes (Cummings & Worley, 2009; Nasim & Sushill, 2011). Observa-se que um dos aspectos chave para o sucesso das organizações contemporâneas é a sua capacidade de competitividade, criando e vendendo soluções em serviços e produtos com qualidade, mantendo-se competitiva num ambiente em constantes mudanças. Segundo Senge (1999, p.26), no francês arcaico o verbo "mudar" era considerado como "contorcer-se" ou "desviar-se" como uma árvore ou vinha à procura do sol, e a ideia de que "a única coisa constante é a mudança" tem sido um truísmo da vida desde pelo menos a época de Heráclito, cerca de 500 a.c. As mudanças ocorrem em todos os ambientes, dentro e fora das organizações, envolvendo tecnologias, mercados, produtos, serviços e afetam diretamente a forma de se realizar os negócios. As organizações tornam-se complexas e sistemáticas com o seu amadurecimento e crescimento, e potencialmente favoráveis a que as mudanças necessárias e fundamentais para sua transformação sejam acompanhadas de erros e dificuldades na sua implantação. Uma liderança envolvida e comprometida com as pessoas e os processos, com foco nos resultados, deve ser capaz de capilarizar ações, antecipar situações, e implantar uma ou mais mudanças cujos efeitos sejam perenes e absorvidos pela cultura. Abdallah (2014) explica que as mudanças pelas quais as organizações passam, sempre geram algum tipo de desconforto, insegurança ou até resistência, seja por motivos variados como fusão com outra companhia, adoção de um novo sistema operacional, alguma tentativa de engajar mais as pessoas ou equipes ou qualquer transformação que afete o dia a dia de trabalho. Para Kotter (1999), os principais esforços de mudança ajudam algumas organizações a se adaptarem de forma significativa ás condições de transformação, aprimorando a posição competitiva de outras e prepararem algumas para um futuro melhor, mais em muitas situações, no entanto as melhorias não ocorrem, gerando desperdícios e frustração para os funcionários, ambas com o mesmo denominador de erro cometido pelas pessoas, das quais se destacam: a) Permitir complacência excessiva - transformações efetivas são conquistadas, quando nos processos e projetos de mudança consegue-se estabelecer um alto senso de urgência nos lideres e funcionários e retiram as pessoas das duas áreas de conforto e do status quo. b) Falhar na criação de uma coalizão administrativa forte - as transformações bem sucedidas ocorrem porque há uma equipe trabalhando em conjunto,

4 empenhada em melhorar o desempenho, que inclui o presidente, diretores, coordenadores e os funcionários em geral. Projetos sem o apoio e adesão coletiva apresentam um aparente progresso por um tempo, pois a tendência é que as forças contrárias prejudiquem as iniciativas; c) Subestimar o poder da visão - a visão exerce uma função importante na produção de transformações, ao ajudar dirigir, alinhar e inspirar ações por parte de um grande número de pessoas, criando encorajamento e energia necessários para a implantação adequada de qualquer iniciativa. d) Comunicar a visão de forma ineficiente - transformações são possíveis quando as pessoas percebem e acreditem nos benefícios diretos e imediatos, sendo possíveis conquistas com uma comunicação confiável. e) Permitir que os obstáculos bloqueiem a nova visão - transformações são possíveis quando os grandes obstáculos (estrutura da empresa) são enfrentados e as barreiras são superadas, criando novas circunstâncias, o que exige a adesão de um grande número de pessoas. f) Falhar na criação de vitórias de curto prazo - transformações são possíveis, quando as metas (marcos) de curto prazo, são identificadas e quando atingidas, comemoradas, mostrando que a jornada está produzindo os resultados esperados e existem melhorias de desempenho. g) Declarar vitória prematuramente - transformações são possíveis quando as conquistas são comemoradas, sem perder o foco do alvo ou objetivo maior, a conclusão do projeto, que exige métodos claros e definidos de trabalho, com resultados e provas de que o novo padrão está implantado e assimilado. h) Negligenciar a incorporação sólida de mudanças à cultura corporativa - transformações são possíveis quando ocorre a estabilização da mudança, e se torna a nova maneira de se fazer as coisas, ocorrendo o enraizamento dos comportamentos as normas sociais e valores comuns. Avaliando as mudanças profundas e as transformações corporativas, Senge (1999) afirma que "nada muda sem transformação pessoal" acompanhada de aprendizagem, pois não basta mudar as estratégias, métodos, estruturas e sistemas, sem mudar o pensamento que as produziu. Para Kotter (1999), que os métodos usados nas transformações bem sucedidas baseiam-se em um critério essencial - que a mudança fundamental não acontecerá por uma longa lista de razões, como custos altos, produtos

5 com aspectos insuficientes na qualidade, necessidades não atendidas dos clientes, pois, a mudança necessária pode estagnar devido a cultura centrada nas necessidades internas, burocracia paralisante, política provinciana, baixo nível de confiança, falta de trabalho em equipe, atitudes arrogantes, falta de liderança na gerência intermediária e ao medo do desconhecido. Neste aspecto, a configuração de um futuro desejado pela organização passa por uma liderança eficaz, capaz de criar uma estrutura que sustente os processos de mudanças significativas e necessários para que ela ocorra. As habilidades existentes num grupo de trabalho ou em toda uma organização podem não mais ser suficientes para sustentar esta transformação, tornando-se inclusive obstáculos para promover uma cultura orientada para a nova aprendizagem. Em relação ao papel do líder na gestão das mudanças organizacionais, Ledeen (2012) indica que os lideres vencedores são invariavelmente bons técnicos esportivos, porque são os primeiros a ver como as coisas estão indo, percebem depressa o porquê e então fazem as mudanças apropriadas, como nos jogos com resultados negativos no primeiro tempo e após um intervalo são feitos ajustes do meio tempo mudando assim o método de acordo com os jogadores disponíveis. Neste sentido, Schein (2009) explica que na análise das relações que se estabelecem entre lideres e liderados nas organizações, quando o gerente tenta mudar o comportamento de um subordinado e com frequência encontra resistências à mudança em uma extensão que parece além da razão, significa que algo diferente deve ser feito, por que a dinâmica da cultura organizacional estabelece um conjunto de normas e valores. No ambiente corporativo, assim como na vida fora da organização, para atingir seus objetivos e conquistar à realização, as pessoas precisam umas das outras se completando, pois a tão almejada eficácia do todo somente será atingida se as partes também funcionarem eficazmente, conjugando-se a diversidade de competências e valores. Os comportamentos organizacionais para Senge (1999) são orientados por suas crenças, e somente o desejo e a capacidade de uma organização de aprender continuamente de todas as fontes possíveis - e de converter rapidamente sua aprendizagem em ação, pode gerar uma vantagem competitiva, por parte dos líderes em termos de períodos de mudanças. Ledeen (2012) afirma que na liderança não existe um conjunto de princípios imutáveis que se aplicados com diligência, sempre resultam na

6 melhor chance de sucesso, pois os métodos que funcionam num conjunto de circunstâncias podem ser desastrosos em outro contexto, sugere então a necessidade de compreender a grande variedade da natureza humana e aprender plenamente a singularidade do momento e a natureza do empreendimento sob comando. Senge (1999) observa que não é possível atribuir qualquer mudança a uma única pessoa no topo da empresa, pois se as pessoas considerarem os líderes como os únicos responsáveis pelo sucesso de uma determinada mudança, elas não incorporarão totalmente o processo de mudança em seus próprios trabalhos, e o processo de mudança não será sustentado. Afirma ainda que mudanças ou transformações robustas são por que muitas pessoas da organização contribuíram para projetar e desenvolver a mudança. 3 Análise do estudo sobre gestão da mudança organizacional (GMO) no Brasil Para Lisondo (2011), usa-se a palavra mudança para expressar tanto transformações no mundo físico como mental, no entanto os processos que levam a elas não são iguais. No mundo físico a mudança concentra-se na reorganização dos sistemas, já no mundo mental as mudanças transformadoras mobilizam emoções. O estudo sobre gestão de mudanças no contexto brasileiro conduzido em 2013 reuniu executivos e gestores de companhias de expressão no cenário brasileiro 2, representando mais de 500 organizações de diferentes segmentos do mercado, tendo como abrangência do estudo as principais informações: a) Faturamento bruto anual (em reais): 38% acima de 5 bilhões de reais, 23% entre 1,01 e 5 bilhões, 21% entre 250 milhões e 1 bilhão, 8% entre 51 e 250 milhões, e 10% com menos de 50 milhões; b) Número de colaboradores: 9% acima de , 28% entre e , 9% entre e , 30% entre e 5.000, 17% entre 101 e 1.000, e 7% abaixo de 100; c) Segmento das empresas: 9% de recursos naturais, 7% de serviços públicos, 15% de varejo, 7% de finanças, 37% de serviços e 26% de manufatura. d) Tipo de sociedade e capital: 90% de sociedade privada (60% com capital aberto e 40% com capital fechado) e 5% de sociedade pública e 5% de sociedade mista. 2 Pesquisa sobre a Gestão de Mudança Organizacional no Brasil, realizada pela Dextera Consultoria em 2013.

7 A pesquisa completa pode ser interpretada a partir de quatro diferentes e complementares eixos ou vetores, que orientaram e pautaram a organização das perguntas e respostas: tempo de grandes mudanças, a aplicação da gestão de mudanças nas organizações, aprendendo com o passado e principais benefícios e desafios. A seguir será exposto e analisado o eixo Principais Benefícios e Desafios, organizado com perguntas abertas dirigidas aos gestores, revelando seu pensamento a respeito da gestão da mudança. Duas perguntas foram aplicadas neste eixo: (a) Para o item Benefícios Quais os principais benefícios que a Gestão de Mudança pode agregar ao sucesso de um projeto? (b) Para o item Desafios, Quais os principais desafios para a adoção de GMO nas empresas? Como resultados foram obtidos as seguintes respostas e seus respectivos valores, a respeito dos benefícios desta prática na organização. a) Facilita a sensibilização e o engajamento 20% b) Promove o alinhamento organizacional 13% c) Garante o retorno do investimento no projeto 12% d) Promove entendimento e reduz incertezas 12% e) Garante o cumprimento de prazos 10% f) Diminui resistências 8% g) Mitigam impactos e riscos no projeto 8% h) Acelera curva de aprendizado 6% i) Promove comunicação eficiente 5% j) Facilita a sustentação da mudança 4% k) Desenvolve lideranças 2% A respeito dos desafios para a adoção de uma Gestão da Mudança nas organizações, foram obtidas as seguintes respostas espontâneas, organizadas em trës grupos: a) Cultura e formação 24% (sendo respectivamente, falta formação em GMO com 20% e sem cultura de GMO com 80%) b) Orçamento 26% (sendo respectivamente, falta de orçamento com 62% e falta de recursos com 38%)

8 c) Liderança 50% (sendo respectivamente, 19% como falta de patrocínio da liderança, 26% como liderança sem clareza de seu papel e 55% como visão limitada da alta gestão) A análise dos resultados permite observar no item benefícios que quatro aspectos respondidos pelos participantes da pesquisa representam quase a metade (45%) das inquietações dos líderes brasileiros em relação a GMO. No aspecto sensibilização e engajamento, a GMO facilita a percepção das pessoas quanto a necessidade de motivação e empenho na execução das atividades. No aspecto de promoção do alinhamento organizacional, a GMO facilita a percepção do direcionamento comum de todas as pessoas e unidades em torno dos objetivos e da estratégia, além de outros aspectos importantes como princípios e valores. Como consequência, produz valorização necessária e condições para que o retorno do investimento no projeto ocorra, em função do capital investido, criando assim uma cultura orientada para a integração estratégica. O quarto aspecto destacado, refere-se a promoção do entendimento e reduçõa das incertezas, geradas principalmente pela falta de planejamento ou mudanças bruscas e sem ajustes. A diminuição deste ponto levantado pelos líderes, está associado a uma liderança efetiva que promove a comunicação em todos os níveis. Já o cumprimento dos prazos evidencia a preocupação dos líderes com as entregas pontuais. Ainda, a adoção da GMO nas práticas de projetos diminui as resistências, ou as dificuldades encontradas no processo, para 8% dos entrevistados. A mesma quantidade de entrevistados considerou impactante o fator mitigar impactos e riscos no projeto, diminuindo assim as suas consequências. Em relação ao resultado gerado pela adoção da GMO, considera-se que este acelera a curva de aprendizado ou o tempo destinado para que ocorra a efetivação do conhecimento. Destaca-se ainda a promoção da comunicação como eficiente, a sustentação da mudança e o desenvolvimento de lideranças, no ambiente organizacional com adoção de GMO. Em qualquer processo de gestão ou administração Robbins (2005) explica que as habilidades humanas são importantes para a eficácia, e as organizações precisam fomentar a inovação e dominar a arte da mudança. Já na análise dos resultados do item desafios, três temas nortearam as respostas espontâneas dos executivos e gestores. O aspecto liderança com cinquenta por cento das respostas evidencia a preocupação com as ações ou falta destas, por parte dos lideres diretos envolvidos com projetos ou patrocinados/apoiados por estes, haja vista que a falta

9 de uma liderança efetiva pode criar um ambiente propício para o desestímulo com as atividades, prazos, clima ou comunicação, por exemplo. Outro aspecto importante destacado aponta a preocupação com o orçamento associado, que envolve a destinação de recursos e a devida aplicação nas atividades decorrentes. A própria cultura de GMO tem sido apontada como um elemento importante em termos de desafios, associado a sua credibilidade. Pasetto e Mesadri (2011) explicam que a cultura organizacional refere-se a uma das funções estratégicas da organização a de determinar quais são os valores que sustentam as ações e os comportamentos desta organização. Compreender a cultura de uma organização em contexto de mudança é fundamental para perceber seus processos, as relações estabelecidas e como ela é liderada. Lisondo (2011) explica que as mudanças são percebidas como benéficas ou perniciosas - gerando transformação ou ao contrário, fortalecendo as resistências - e a qualidade da liderança é decisória para o resultado desta mudança. 4 Considerações Finais Neste trabalho foi possível proceder a uma interpretação dos resultados obtidos na pesquisa conduzida pela empresa Dextera/FirstChange em 2013 e publicados no relatório A Gestão de Mudanças Organizacionais no Brasil, que sintetiza o pensamento dominante de executivos e gestores de um grupo de empresas participantes, com expressão no cenário nacional. Os resultados demonstram a importância da GMO enquanto disciplina e prática nas organizações principalmente em contexto de projetos ou para simplesmente manterem-se competitivas no mercado. Segundo Costa (2013) o estudo realizado contribui principalmente na melhoria da compreensão das necessidades das empresas e para Miller (2013) as empresas brasileiras deveriam melhorar sua performance empresarial fazendo uso mais sistemático da gestão de mudanças. Tomando-se como base o eixo principais benefícios e desafios, percebe-se uma coerência entre os resultados obtidos, com os estudos acadêmicos e com as publicações científicas recentes no que tange à percepção sobre as mudanças recentes ou em curso nas organizações. Evidencia-se a capacidade do executivo e dos gestores brasileiros em reconhecerem suas dificuldades, desafios e propósitos de trabalho, e de criar uma agenda capaz de fazer frente a estas observações no atual contexto econômico

10 internacional. Destacam-se nos estudos as evidencias apresentadas da necessidade de uma postura ativa da liderança em relação ao alinhamento organizacional frente às mudanças em curso. Os dados apresentados na pesquisa coadunam com o que os autores Senge (1999), Kotter (1999) Robbins (2005), Menegon (2012), Lisondo (2011) e Hall (2004) abordam em suas obras a respeito do comportamento organizacional, do posicionamento estratégico e das expectativas frente a mudanças. Dentre as principais contribuições deste estudo, destaca-se: os resultados obtidos na pesquisa sobre GMO no Brasil; a importância de se observar os pontos de vista de executivos e gestores no contexto nacional além de uma revisão sobre o tema mudanças e alguns conceitos correlatos. Como proposição para novos estudos, identifica-se algumas possibilidades, como aprofundar a interpretação da pesquisa, utilizar outras fontes de dados e aprimorar a explanação sobre outros pontos de vista sobre a temática mudança.

11 5 Referências ABDALLAH, A. (2014). As empresas não lidam bem com as mudanças. Revista Negócios. Edição , Rio de Janeiro: Editora Globo. BURKE, W. (2008). Organizational Change: Theory and Practice. Sage Publications. COSTA, S. M. (2013). Gestão de Mudança Organizacional no Brasil. Dextera Consultoria. São Paulo, Disponível em Dextera.pdf, acesso em 11/07/2014. CUMMINGS, T. & WORLEY, C. (2009). Organizational Development and Change. Cengage Learning. DEXTERA CONSULTORIA. Gestão de Mudança Organizacional no Brasil. São Paulo, Disponível em acesso em 11/07/2014. DYNAMICA CONSULTORIA (2012). Por que Gestão de Mudanças. São Paulo. Disponívelemhttp://www.dynamicaconsultoria.com.br/116-portugues/publicacoes/artigos/ item- artigo/146-por-que-gestao-de-mudancas, acesso em 19/07/2014. HALL, R.H. (2004). Organizações: estruturas, processos e resultados. São Paulo: Prentice Hall. KOTTER, J.P.(1999). Liderando mudança. Rio de Janeiro: Campus. LEDEEN, M.A. (2012). Maquiavel e a Liderança Moderna. São Paulo: Cultrix. LEWIS, L. (2011). Organizational Change: Creating Change Through Strategic Communication. Wiley Blackwell. LISONDO, R. (2011). Mudança sem catástrofe ou catástrofe sem mudanças: liderando pessoas para o processo de mudança na organização. 1 reimp. 2. ed. São Paulo: Caso

12 do Psicólogo. MENEGON, F. (org.) (2012). Comportamento Organizacional. Pearson Education do Brasil. MILLER, D. (2013). Gestão de Mudança Organizacional no Brasil. Chairman and Founder, ChangeFirst. São Paulo. Disponível em /ed55/artigo09_pesquisadextera.pdf, acesso em 11/07/2014. MORITZ, G. B.; Linhares, J.N. (2014). Gestão empresarial: o desafio das organizações brasileiras. Artigo, UFSC Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em /nexcietecnologia/moritz.pdf, acesado em 21/07/2014. NASIM, S. & Sushill (2011). Revisiting Organizational Change: Exploring the Paradox of Managing Continuity and Change. Journal of Change Management, 11,2: PASETTO, N.; MESADRI, F. (2012). conceitos da administração e da psicologia. Curitiba: InterSaberes. Comportamento Organizacional: integrando ROBBINS, S. (2005). Comportamento Organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall. SENGE, P. (1999). A dança das Mudanças. Rio de Janeiro: Campus. SCHEIN, E. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Imagem: Yogendra Joshi. A Gestão de Mudança Organizacional no Brasil

Imagem: Yogendra Joshi. A Gestão de Mudança Organizacional no Brasil Imagem: Yogendra Joshi A Gestão de Mudança Organizacional no Brasil Sumário Apresentação 03 Introdução 04 Tempo de grandes mudanças 08 A aplicação da Gestão de Mudança nas organizações 13 Aprendendo com

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Conhecer algumas metodologias e ferramentas utilizadas no gerenciamento de mudanças

Conhecer algumas metodologias e ferramentas utilizadas no gerenciamento de mudanças Mudança a Organizacional Prof. Lucio Chaves, MSc. MUDANÇA ORGANIZACIONAL OBJETIVOS Entender os princípios e conceitos das transições organizacionais e o seu impacto no sucesso dos Projetos de Mudanças

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br Programas de Voluntariado Empresarial Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br POSICIONAMENTO APOENA Visão Ser a mais completa empresa de consultoria em Gestão Sustentável do Brasil. Missão Disseminar,

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Trilha de Aprendizado para Pensar as Gerações

Trilha de Aprendizado para Pensar as Gerações Trilha de Aprendizado para Pensar as Gerações Desafio: 5 Gerações convivendo no mercado de trabalho Veteranos X Z Baby Boomers Y As mudanças na sociedade, no mercado, na natureza do trabalho e nas próprias

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Diretor de Administração e Finanças Escritório São Paulo

Diretor de Administração e Finanças Escritório São Paulo Diretor de Administração e Finanças Escritório São Paulo Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo al que reporta (Chefe direto) Cargos sob sua responsabilidades Administração e Finanças Diretor

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial Conexão Gerencial é um programa modular de Desenvolvimento Gerencial cujos principais objetivos são: Promover um choque de cultura e competência gerencial e tornar mais efetivo o papel dos Gestores. Alinhar

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, possibilitando o alcance de resultados planejados, através de metodologias, ferramentas e técnicas, conduzidas

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Prêmio Nacional de Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Gestão da Inovação

Prêmio Nacional de Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Gestão da Inovação Prêmio Nacional de Inovação 2013 Caderno de Avaliação Categoria Gestão da Inovação Método: Esta dimensão visa facilitar o entendimento de como podem ser utilizados sistemas, métodos e ferramentas voltados

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

Cultura Estrutura Ambiente Processos Tarefas Tecnologia Comportamentos Produtos ou serviços

Cultura Estrutura Ambiente Processos Tarefas Tecnologia Comportamentos Produtos ou serviços Cultura Estrutura Ambiente Processos Tarefas Tecnologia Comportamentos Produtos ou serviços Estrutura Pessoas Atividades Organizacio nais Tecnologia Dividir equipe de vendas Estrutura Pessoas Contratar

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento CONNER, Daryl. Gerenciando na velocidade da mudança: como gerentes resilientes são bem sucedidos e prosperam onde os outros fracassam. Rio de Janeiro: Infobook, 1995. PESSOAS RESILIENTES: suas características

Leia mais

Marins & Molnar Business Solutions

Marins & Molnar Business Solutions 1 2 Como Nasceu Um homem com uma idéia nova é um excêntrico... até que a idéia dê certo 3 Qualidade para Secretarias O papel único da secretaria no processo de sistematização da qualidade Seus componentes

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e Demanda NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Paulo Viola paulo.viola@neogrid.com Introdução Tema: Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia?

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? www.pwc.com.br Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? Alinhamento de Performance Alinhamento do desempenho organizacional Conectando a estratégia à execução A necessidade de alinhar pessoas,

Leia mais