O INTRAEMPREENDEDOR COMO AGENTE DE MUDANÇA NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O INTRAEMPREENDEDOR COMO AGENTE DE MUDANÇA NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR"

Transcrição

1 O INTRAEMPREENDEDOR COMO AGENTE DE MUDANÇA NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Fernando J. A. Schenatto 1, Dr. Álvaro G. R. Lezana 2 Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná 1 Unidade de Pato Branco Via do Conhecimento, km 1 CEP , Pato Branco PR Universidade Federal de Santa Catarina 2 Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Campus Universitário Florianópolis/SC CEP Resumo. No presente trabalho apresenta-se uma discussão acerca das características empreendedoras, dentro de uma abordagem comportamental, enfocando sua incidência e formas de manifestação nos profissionais da educação superior de instituições públicas federais, considerando sua relevância para a sobrevivência dessas organizações, bem como os aspectos causais do status empreendedor apresentado pelos entrevistados durante a elaboração deste artigo. A pesquisa contempla os docentes da Unidade de Pato Branco do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET-PR na identificação dos aspectos subjacentes ao processo comportamental da ação empreendedora. Palavras-chave: Empreendedor, Intraempreendedorismo, Educação, Instituições Públicas Federais. EMP - 1

2 1. INTRODUÇÃO Em tempos de abertura de mercados e forte contexto de mudança organizacional com que nos confrontamos, muita atenção tem sido dispensada à reflexão e estudo da ação empreendedora e sua importância na geração de novas iniciativas empresariais privadas, analisando seus fatores propulsores e seus impactos em âmbito sócio-econômico. No entanto, parece haver uma grande carência de discussões acerca do papel do empreendedor como agente de transformação inserido no microambiente das organizações, ou seja: o intraempreendedor. De forma especial, são relegadas à planos de importância menor a análise da ação empreendedora nas instituições públicas federais de educação superior, que vêm sendo cada vez mais fadadas ao ocaso, e nas iniciativas do terceiro setor, por serem ainda uma realidade incipiente. Baker e Kecharananta [1] já argumentam que para sobreviver e prosperar na arena turbulenta do moderno mercado globalizado, mesmo as maiores e melhor estruturadas organizações estão percebendo que elas precisam de intraempreendedores, pessoas orientadas pelo espírito empresarial, para identificar e explorar oportunidades. Pretende-se no presente trabalho, nesse sentido, apresentar uma breve discussão acerca das características empreendedoras, dentro de uma abordagem comportamental, enfocando sua incidência e formas de manifestação nos profissionais da educação superior de instituições públicas federais, considerando sua relevância para a sobrevivência dessas organizações bem como os aspectos causais do status empreendedor apresentado pelos entrevistados durante a elaboração deste artigo. O caso analisado contempla a Unidade de Pato Branco do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET-PR, sendo sua escolha devido à relevância da Instituição na região em que se encontra (sudoeste paranaense), seja como centro de educação e pesquisa, seja como agente e líder dos processos de desenvolvimento regional. De posse dos resultados obtidos através deste estudo, sugere-se um trabalho de sensibilização e motivação dos docentes da Instituição em análise para que, percebendo a realidade e agindo de forma cada vez mais empreendedora, possam se tornar verdadeiros formadores de cidadãos mais preparados para a sociedade do futuro, garantindo, através da eficiência e eficácia dos seus serviços, sua subsistência e crescimento como organização, o que pode ser extrapolado para as demais instituições públicas federais de educação superior. 2. O PERFIL DO EMPREENDEDOR: UMA ABORDAGEM COMPORTAMENTAL Durante os últimos anos, em decorrência das alterações das fronteiras de mercado, muito se têm estudado e discutido sobre os fatores de sucesso e fracasso das organizações. Em que pese a influência de fatores internos (gestão e recursos entre outros) e externos (como demanda e fatores de produção) à organização, com freqüência as conclusões dos trabalhos relacionados ao tema, a exemplo de Uriarte [2], apontam para a figura do empreendedor como maior determinante do sucesso organizacional. Assim, antes de aprofundar o estudo sobre intraempreendedor e sua atuação nas organizações, é necessário ter-se uma compreensão adequada do empreendedor de forma mais genérica. Algumas definições que podem ser encontradas na literatura caracterizam o empreendedor como: pessoas que inovam, sendo a inovação seu instrumento específico, meio pelo qual exploram a mudança como uma oportunidade para um negócio ou serviço diferente (Drucker, apud Longen [3]); indivíduos que inovam, identificam e criam oportunidades de negócios, montam e coordenam novas combinações de recursos (funções de produção) para extrair os maiores benefícios de suas inovações num meio incerto (Amit, apud Ref. [3]); o indivíduo que tem criatividade, identifica oportunidades, com iniciativa própria, busca informações permanentemente, comunica-se persuasivamente, entre outras características, proporcionando satisfação pessoal e familiar, gerando empregos e riqueza. (Lezana [4]); o indivíduo (ou time) que identifica a oportunidade, reúne os recursos necessários, cria e é, no final das contas, o responsável pelo desempenho da organização (Carton et al. [5]). Há na literatura, em uma série de definições, uma forte tendência de associação incondicional do empreendedorismo à criação de negócios formais. No entanto, como se observa nas conceituações explicitadas acima, a manifestação de comportamentos empreendedores pode ser verificada nos mais diversos segmentos da atividade humana, de forma que seu estudo pode ser feito sob diversos enfoques, por exemplo: psicologia, sociologia, economia e administração entre outros. Dentro da perspectiva de que o sucesso do empreendimento está relacionado fundamentalmente com os atributos e comportamentos dos seus empreendedores, a psicologia, como ciência que estuda o comportamento humano, visando facilitar o entendimento das variáveis que determinam sua relação com o mundo, apresenta-se como a abordagem mais adequada aos objetivos deste trabalho. De forma semelhante às reações apresentadas às necessidades fisiológicas, as pessoas são impulsionadas a satisfazer seus desequilíbrios ou necessidades de ordem psicológica, e o fazem conforme o conjunto de características psicológicas relativamente estáveis que norteiam sua interação com o meio ambiente, o que é denominado de personalidade. EMP - 2

3 Genericamente, essas características podem ser agrupadas segundo quatro aspectos mais relevantes. São eles: necessidades, conhecimento, habilidades e valores (Lezana [6]). Necessidade é um déficit ou a manifestação de um desequilíbrio interno do indivíduo, que tende a satisfazê-la, frustrá-la ou compensá-la. Segundo Maslow, citado na Ref. [6], apresentam-se através das categorias: fisiológicas, segurança, sociabilidade, estima e auto-realização. O conhecimento representa aquilo que as pessoas sabem a respeito de si mesmas e sobre o ambiente que as rodeia e resulta de processos de aprendizagem permanente, estruturados em observação, reflexão e prática. A habilidade pode ser conceituada como a facilidade para utilizar as capacidades. À medida que se pratica ou enfrenta repetidamente uma determinada situação, a resposta que a pessoa emite vai se incorporando ao sistema cognitivo. Valores são entendidos como um conjunto de crenças, preferências, aversões, predisposições internas e julgamentos que caracterizam a visão de mundo do indivíduo. Classificam-se em estéticos, existenciais, intelectuais, morais e religiosos. O processo comportamental é definido, desta forma, pelas etapas que um indivíduo percorre para responder a um determinado evento, baseado na sua personalidade. Essa resposta passa pela percepção do evento, o estímulo de satisfazer uma necessidade, a motivação como propulsora de comportamento, a geração de alternativas e, por fim, a decisão. Dificilmente se poderia determinar as ações típicas dos empreendedores nos processos comportamentais, na tentativa de definir um único perfil aceitável; no entanto, é possível elencar alguns pontos comuns nas atitudes empreendedoras. Segundo Tan, citado na Ref. [1], os empreendedores compartilham certas características que os destinguem das demais pessoas. Ele chama essas características de 6 Cs: criatividade, foco no cliente, competência, confiança, comprometimento e concentração. Outras abordagens são nitidamente centradas nas habilidades do indivíduo, o que permite supor que através de programas de treinamento elas possam ser desenvolvidas, no intuito de criar empreendedores. Deve-se reforçar, no entanto, que outros aspectos relativos às necessidades e valores, por exemplo, não são passíveis a treinamentos ou outras formas de capacitação, o que refuta a idéia de geração forçada de empreendedores. Na perspectiva de Gibb, descrita no trabalho de Guilhon e Rocha [7], as principais características do empreendedor passam essencialmente pela: iniciativa; alto poder de persuasão; correr riscos calculados; postura gerencial flexível; criatividade; independência; habilidade para resolver problemas; mover-se por metas específicas; imaginação; crença de poder controlar o futuro dos empregados; liderança e alta capacidade de trabalho, dentre outras. Um enquadramento das principais características empreendedoras, relacionadas aos aspectos determinantes do processo comportamental, pode ser visto na Tabela 1. Tabela 1. Características dos empreendedores. ASPECTOS DETERMINANTES DO CARACTERÍSTICAS COMPORTAMENTO Necessidades Aprovação Independência Desenvolvimento Pessoal Segurança Auto-realização Conhecimento Aspectos técnicos relacionados ao negócio Experiência na área comercial Escolaridade Experiência em empresas Formação complementar Vivência com situações novas Habilidades Identificação de novas oportunidades Valoração de oportunidades e criatividade Comunicação persuasiva Negociação Aquisição de informações Resolução de problemas Valores Ambição Comprometimento social Perseverança Percepção da riqueza Adaptada de Ref. [6]. EMP - 3

4 Essas características, como já abordado anteriormente, integram a personalidade do empreendedor, e decorrem de fatores hereditários e, fundamentalmente, do convívio social. Dessa forma, o ambiente social no qual o indivíduo está inserido é fator determinante na potencialização ou opressão das características geneticamente programadas. Daí a importância em se desenvolver na sociedade uma cultura empreendedora, sobretudo nas instituições de educação, por atuarem como formadoras de conduta durante os anos nos quais a personalidade do homem está em formação, ou pelo menos mais suscetível a modificações. O efeito desse esforço de longo prazo pode ser percebido, por exemplo, nas nações desenvolvidas, onde o downsizing e o rightsizing têm acontecido de forma combinada, e freqüentemente dado vazão, ao espírito de desafio e auto-superação nos indivíduos, produzindo um rápido crescimento no número de empreendedores, dando lugar a um movimento de criação de negócios de propriedade individual (Ref. [1]). Uma outra forma de manifestação reside no desenvolvimento de um novo estilo gerencial baseado num empreendedorismo endógeno, que possibilita às organizações contemporâneas eficazes atingirem o nível de flexibilidade, inovatividade e competência nas decisões estratégicas exigidas pelo padrão de competição do mercado hodierno e futuro. É na perspectiva desta segunda forma de expressão do empreendedorismo que se dá a seqüência deste trabalho, centrado especialmente nas possibilidades e necessidades das instituições públicas federais de educação superior em estimular o desenvolvimento de uma cultura intraempreendedora. 3. O INTRAEMPREENDEDORISMO NA AÇÃO DOCENTE 3.1. O intraempreendedorismo nas organizações Um dos termos mais liberativos a surgir no mundo dos negócios nos últimos anos, o termo intrapreneur foi cunhado por Gifford Pinchot para referir-se ao empreendedor interno. Tal termo surgiu da constatação de que é possível existir empreendedores dentro das organizações, exercendo a criatividade em prol de futuras inovações e assumindo um verídico comprometimento com as ações organizacionais, a ponto de sentir-se como seu proprietário. Apresenta-se na seqüência algumas definições conceituais sobre os intraempreendedores, de forma a possibilitar uma compreensão mais completa de sua ação e características. Os intrapreuneurs são homens e mulheres que a partir de uma idéia, e recebendo a liberdade, incentivo e recursos da empresa em que trabalham, dedicam-se entusiasticamente para transformá-la em produto bem sucedido (...) Os intraempreendedores são todos os sonhadores que realizam. Aqueles que assumem a responsabilidade pela criação de inovações de qualquer espécie dentro de uma organização. O intraempreendedor pode ser o criador ou o inventor, mas é sempre o sonhador que concebe como transformar uma idéia em uma realidade lucrativa (Pinchot, apud Ref. [6]). É aquele que tem como necessidade estar comprometido com o projeto de implantação de um novo produto ou serviço na empresa em que trabalha. Procura o sucesso de seu projeto como recompensa pela sua dedicação que, em geral, vem seguida de uma vantagem pecuniária (Ref. [7]). Intraempreendedor é uma pessoa dentro de uma corporação que leva responsabilidade direta por transformar uma idéia em um produto acabado lucrativo através de uma acertada tomada de risco e inovação (Kautz [8]). Mintzberg, apud Ref. [5], questiona a sustentabilidade do intraempreendedorismo, argumentando que as ações não podem cessar; caso contrário, o indivíduo não se apresenta mais como empreendedor. Já de acordo com vários autores, não só é possível como é de relevante importância a existência de intraempreendedores nas organizações, visto que eles têm um contrato psicológico estabelecido com a empresa, apresentando objetivos semelhantes, sendo que a satisfação pessoal se mostra inteiramente relacionada ao progresso empresarial. Por este motivo, julga-se essencial que sejam adotadas políticas de incentivo ao desenvolvimento do potencial criativo do trabalhador. Para atender às demandas competitivas da nova ordem mundial, a liberdade de ação em todos os níveis da empresa, de modo participativo, deve ser a regra de orientação e conduta gerencial no processo de gestão permanente da mudança organizacional, e não a exceção. Como afirma-se em Ref. [1], as empresas pró-ativas já caminham nesta direção, pois estão incorporando ao seu planejamento estratégico a descentralização na tomada de decisão, visando a diminuição de custo operacional e elevação da qualidade dos produtos/serviços que são ofertados com a participação direta de seus funcionários. Esse é, sem dúvida um dos maiores entraves ao desenvolvimento de um clima favorável ao empreendedorismo nas organizações públicas, visto que, tradicionalmente, criatividade e autonomia de ação são pressupostos que não pertencem ao escopo de trabalho dos funcionários, e sequer são permitidas tentativas de soluções inovadoras para problemas permanentes do paradigma já exaurido. Por outro lado, se o intraempreendedor sente-se estimulado e apoiado pela empresa por meio de recursos que são colocados à sua disposição, o resultado será a transformação de uma idéia em um produto ou serviço bem sucedido (Ref. [1]). Para estes indivíduos, segundo Birley e Muzyka [9], a nova ordem dentro do setor público fornece não somente uma oportunidade para administrar a situação existente, mas para realizar mudanças radicais, criando o sucesso tanto para a sua organização quanto para si mesmos. Dessa forma, cabe aos dirigentes das instituições que tiverem a pretensão de sobreviver ao processo de sucateamento do serviço público nacional, suscitar e dar espaço à vocação empreendedora interna, concentrando esforços também em buscar maior flexibilidade estrutural e agilidade nos processos burocráticos, a fim de reduzir EMP - 4

5 custos e dar suporte à ação inovadora permanente. No entanto, como já discutido anteriormente, apesar das contingências favorecerem a manifestação da ação empreendedora, o único aspecto verdadeiramente propulsor refere-se ao próprio empreendedor: sua capacidade interna de motivação O docente intraempreendedor Neste panorama, encontra-se o profissional da educação pública superior, tentando reorientar sua conduta frente às novas variantes estruturais existentes para a gestão das organizações e às mudanças no cenário mundial. Ora, como se poderia pensar em uma transformação de conduta profissional e social sem refletir profundamente sobre o trabalho (conteúdo e métodos) realizado na academia? Não é possível apartar a ação docente pretérita da linha geral de conduta do egresso destas instituições. Conforme afirma Ref. [7], a cultura educacional em nosso país tem sido dirigida para formação de mão-de-obra destinada às grandes empresas. Dessa forma, não é difícil concluir o quão tradicionais e retrógrados têm sido, via de regra, os objetivos do agir pedagógico, aliado a metodologias muitas vezes ultrapassadas e ineficazes. A nova arena competitiva que se prenuncia certamente não dará espaço aos profissionais exercerem suas atividades na forma de contratos de trabalho, o clássico emprego da era industrial. É necessário formar cidadãos criadores de postos de trabalho, da mesma forma que os docentes também devem agir criando novas oportunidades profissionais e gerando novos produtos e/ou serviços. Especificamente na construção do conhecimento, dentro do ensino formal, o intraempreendedor percebe muitas formas diferenciadas de atuação ou, ainda mais abrangente, de postar-se na conduta das atividades pedagógicas. Dentre elas, podemos citar: está atento às necessidades, interesses e expectativas dos seus clientes (os alunos); discute o processo pedagógico e está em constante atualização técnico-científica, que permite a inovação; trabalha de forma cooperativa e transdisciplinar; contorna os entraves burocráticos com criatividade e flexibilidade; agrega valor a atividades de pesquisa e/ou extensão e apresenta uma motivação contagiante, entre outros. Em questões mais gerais, mantém-se ativo no exercício da profissão fora do ambiente acadêmico; atua ativamente em programas institucionais de caráter estratégico e busca formas alternativas de remuneração. Esse último é, sem dúvida, um dos aspectos mais relevantes e delicados a se abordar como fator de satisfação no trabalho. Pesquisa feita pela Harvard Business School, no período de 1975 a 1993, demonstra que o sucesso profissional para a maioria das pessoas significa uma atividade profissional que seja econômica e psicologicamente satisfatória, que proporcione uma contribuição para a sociedade e que sustente uma vida pessoal e familiar saudável (Ref. [2]). No campo econômico, é possível afirmar empiricamente que a grande maioria dos profissionais manifesta-se insatisfeito. Neste sentido, cabe ao intraempreendedor buscar novas formas de trabalho remunerado, como projetos institucionais de serviços à comunidade; consultorias; desenvolvimento e comercialização de novas tecnologias e/ou produtos; viabilização de parcerias com instituições privadas ou de apoio à pesquisa na coordenação de projetos etc., negociando internamente os recursos disponíveis, tempo de dedicação e formas de aplicação do capital investido e receita. Caso isso não seja possível ou viabilizado, o verdadeiro empreendedor tenderá a desligar-se da instituição de educação para buscar outros meios de alcançar maior satisfação profissional. Por outro lado, significando uma mudança de maior abrangência, todas as partes envolvidas na regulamentação do serviço público deveriam realizar grande esforço na tentativa de promover e sistematizar critérios de remuneração diferenciada. Essa proposta de forma alguma visa uma ação discriminatória, mas sim de reconhecimento e estímulo às melhores iniciativas dos profissionais da educação. A isonomia salarial imprime no funcionalismo público, tragicamente, uma inércia na mediocridade, onde os profissionais mais capacitados e motivados são, paulatinamente, impelidos a se adequar, seja pela falta de incentivo e recompensa por seus méritos, seja pela pressão dos demais em manter o status quo, no qual há um acordo implícito baseado na lei do menor esforço. Essa argumentação é reforçada por Ref. [7], quando dizem que... o intraempreendedor procura o sucesso de seu projeto como recompensa pela sua dedicação que, em geral, vem seguida de uma vantagem pecuniária. O reconhecimento público também é importante, especialmente quando acompanhado do apoio e incentivo institucional à realização dos projetos inovadores: O mentor da idéia inovativa precisa ser prestigiado, ao invés de lhe tirarem a oportunidade de concretização do seu sonho (Ref. [7]). Sem dúvida, a falta de uma política adequada de remuneração relacionada ao desempenho produtivo do docente é um dos fatores mais restritivos da motivação ao envolvimento integral com a instituição de ensino. Um outro aspecto à considerar é a rigidez administrativa que vigora em grande parte das instituições, atreladas à processos burocráticos rígidos e ineficazes e a sistemas bastante hierarquizados. Assim, além do trabalho de sensibilização do corpo diretivo das instituições, na busca de administrações mais abertas e dinâmicas, é fundamental que o intraempreendedor possua bom trânsito na política interna da empresa para poder captar intraparceiros e patrocinadores de sua iniciativa. Servidores que não desenvolvam uma rede de relacionamentos, tanto interna quanto externa à instituição de ensino, certamente terão suas possibilidades de atuação e sucesso reduzidas, limitando seu crescimento profissional e, por conseguinte, sua motivação, satisfação e realização no trabalho. 4. UMA ANÁLISE DO CEFET-PR UNIDADE DE PATO BRANCO Com uma tradição de nove décadas, o Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (CEFET-PR) é considerado centro de referência do ensino tecnológico do sul do país. EMP - 5

6 O CEFET-PR é uma autarquia de regime especial, vinculada ao Ministério da Educação e tem por finalidade formar e qualificar profissionais nos vários níveis e modalidades de ensino para os diversos setores da economia, bem como realizar pesquisa e desenvolvimento tecnológico de novos processos, produtos e serviços em estreita articulação com os setores produtivos e a sociedade, fornecendo mecanismos para a educação continuada. Possui autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didática e disciplinar (CEFET-PR [10]). A Unidade de Ensino de Pato Branco é uma descentralização de Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná, atuando na educação de nível médio e superior desde Situa-se no Sudoeste do Paraná, em Pato Branco, município-pólo de uma região de 40 municípios paranaenses, com ascendência no oeste de Santa Catarina, e conta com um corpo docente de 200 profissionais (CEFET-PR [11]). O contexto de desenvolvimento regional liderado por essa Unidade de Ensino foi o fator de motivação para este estudo, na tentativa de diagnosticar o perfil dos docentes dessa Instituição como atores deste processo, identificando os aspectos comportamentais relacionados ao empreendedorismo Procedimentos Metodológicos O presente trabalho foi elaborado sob uma abordagem qualitativa, baseada em pesquisa bibliográfica e levantamento de informações junto aos pesquisados, com o objetivo de descrever os aspectos comportamentais subjetivos às suas ações e relacioná-los às componentes supra citadas do perfil empreendedor. O levantamento foi feito através da aplicação de questionário estruturado aos docentes da Unidade de Pato Branco do CEFET-PR, composto por perguntas fechadas utilizando a escala Likert, de 1 a 5, para facilitar o tratamento dos dados. O questionário utilizado na pesquisa, adaptado de Ref. [3], se encontra no anexo Resultados e discussão Analisando as respostas dos questionários, conforme os aspectos comportamentais relacionados às questões em Ref. [3], observa-se níveis intermediários de necessidade de independência e autonomia (questões 1 e 2, com média 3,304), segurança (questões 7 e 8, com média 2,777) e inovação (questões 9 e 10, com média 3,239). Níveis inferiores são identificados nas necessidades de poder e status (questões 3 a 6, com média 1,869). Percebendo-se a necessidade como maior propulsor da ação humana, pode-se atribuir um baixo potencial empreendedor aos entrevistados, conforme as respostas manifestas. No que concerne às habilidades, destaca-se altos níveis de flexibilidade e criatividade, respectivamente, com as médias 4,432 e 4,300, enquanto a identificação de novas oportunidades e capacidade de persuasão não se mostraram como pontos fortes dos docentes. A partir daí, deve-se refletir o quanto o profissional da educação está preparado para atuar em situações de mudança, com criatividade e flexibilidade, nem sempre sendo exigido neste sentido ou mesmo tendo suas iniciativas castradas. Os valores foram avaliados pelas questões 23 a 28, indicando como resultado um alto nível de perseverança (média 4,227), porém com baixa ambição (média 2,227). Com relação a este último item, cabe refletir o quão esta posição dos entrevistados está atrelada à própria opção pela docência, que se constitui numa forma de crescer mas, acima de tudo, de compartilhar e orientar, com maior enfoque no doar-se do que no receber. Para uma melhor visualização dos resultados, apresenta-se na Tabela 2 a relação de questões aplicadas, associadas às características avaliadas, com suas respectivas médias, considerando a escala Likert de 1 a 5 para os dados de entrada. Tabela 2. Resultados da aplicação do questionário. ASPECTOS CARACTERÍSTICAS QUESTÕES MÉDIA Necessidades Independência e autonomia 1 e 2 3,304 Poder e status 3 a 6 1,869 Habilidades Valores Segurança 7 e 8 2,777 Inovação 9 e 10 3,239 Comunicação persuasiva 11 e 12 2,667 Organização 13 e 14 3,630 Identificação de novas oportunidades 15 e 16 2,911 Flexibilidade 17 e 18 4,432 Criatividade 19 e 20 4,300 Controle emocional sobre impulsos 21 e 22 3,500 Ambição 23 e 24 2,227 Predisposição ao risco 25 e 26 3,488 Perseverança 27 e 28 4,227 EMP - 6

7 Esta pesquisa mostra-se limitada pela representatividade da amostra, que contempla 11,5% do corpo docente da Instituição em estudo, o que vem a imprimir nos seus resultados uma natureza mais exploratória do que propriamente descritiva. Sugere-se, portanto, uma ampliação da amostra e cruzamento das informações obtidas por questionário com entrevistas diretas, na tentativa de uma percepção mais adequada das questões subjetivas a cada aspecto em análise. 5. CONCLUSÕES Com base na discussão anterior e resultados apresentados na pesquisa, observa-se que os docentes entrevistados apresentam as habilidades necessárias à ação empreendedora, mas falta-lhes, essencialmente, ambição e necessidade de poder e status para focalizar exercer a plenitude de sua capacidade empreendedora. Se não houver uma preocupação contínua e fértil por parte das Instituições Públicas de Educação na promoção de melhores condições de trabalho e estímulo à ação intraempreendedora cooperativa, estas verão ou a formação de ilhas de excelência, sem repercussão institucional maior, ou a evasão de seus melhores profissionais em busca de melhores condições de trabalho. Assim, é fácil projetar a derrocada de sua imagem institucional seguida do inevitável fim de suas atividades. Por outro lado, os docentes que não se aperceberem deste contexto dinâmico de trabalho estão condenados à exclusão da nova arena competitiva, onde só restará continuísmo e mediocridade. A empregabilidade e o progresso, fruto do trabalho competente e eficaz, não se fazem de lamentações e sentimento de autopiedade, comuns no meio do funcionarismo público, mas de um espírito criativo e inovador, capaz de identificar e promover novos paradigmas, motivando os profissionais a atuarem não mais como coadjuvantes, mas como atores principais no novo cenário da história. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] H.G. Baker and N. Kecharananta, What facilitates entrepreneurship?, in Proceedings of the 1998 International Counsil for Small Business World Conference, Singapura. [2] L.R. Uriarte, O perfil empreendedor, Artigo apresentado em Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, UFSC, Florianópolis: [3] M.T. Longen, Um modelo comportamental para o estudo do perfil do empreendedor, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFSC, Florianópolis, 1997, 116p. [4] A.R. Lezana, Desarollo Regional atraves del estímulo a las empresas de pequeña dimensón. Una puesta in práctica de programas de promoción, Tese de doutorado, Universidad Politécnica de Madrid, [5] R. Carton et al., The entrepreneur and entrepreneurship: operacional definition of their role in society, in Proceedings of the 1998 International Counsil for Small Business World Conference, Singapura. [6] A.R. Lezana, Empreendedorismo, Apostila do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, UFSC, Florianópolis: [7] P. de T. Guilhon and R.A. da Rocha, Intrapreneur: multiplicador de novos negócios, Revista Alcance (Administração), Itajaí, ano VI, n. 1, maio 2000, pp [8] J Kautz, Intrapreneurship, disponível na internet, 10 agosto [9] S. Birley and D.F. Muzyka, Dominando os desafios do empreendedor, Makron Books, São Paulo: 2001, 334 p. [10] CEFET-PR, Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET-PR, Apresentação, disponível na internet, 25 setembro [11] CEFET-PR, CEFET-PR, Unidade de Pato Branco, Instituição, disponível na internet, 25 setembro EMP - 7

8 ANEXO 1 Leia as afirmações abaixo e destaque uma das opções: de 5 para o fator mais coerente com a sua realidade até 1 para o fator menos coerente com a sua realidade. 01. Uma das principais razões que me levariam a criar uma empresa seria a oportunidade de administrar meu próprio tempo e executar as minhas decisões. 02. É mais fácil submeter-me a modelos e procedimentos rígidos do que à situações pouco estruturadas, onde não existam regras previamente estabelecidas. 03. O dinheiro é uma forma de mostrar meu êxito para os outros. 04. Na decisão de associar-me a um clube é mais importante considerar a convivência com pessoas importantes do que as opções de lazer. 05. Ficaria satisfeito em ocupar um cargo elevado em uma empresa, pois teria a oportunidade de ter uma série de pessoas sob o meu comando. 06. É importante para um chefe reservar informações estratégicas para manter o controle de seus subordinados. 07. Não gosto de enfrentar situações novas e mudanças repentinas em minha vida. 08. Para mim, uma caderneta de poupança é mais importante para realizar investimentos no futuro do que para servir de garantia para eventuais imprevistos. 09. Para ser percebido pelos outros é preciso estar em constante mudança. 10. Tenho uma grande tendência a fazer as coisas de modo diferente das outras pessoas. 11. Tenho facilidade em convencer os outros através de minhas opiniões. 12. Sou capaz de defender idéias nas quais eu não acredito. 13. Em geral, tenho mais facilidade para realizar atividade planejadas e organizadas do que por impulso, sem planejamento prévio. 14. Para mim, organizar um evento é uma atividade agradável. 15. Considero-me uma pessoa que tem facilidade em identificar novas oportunidades de negócios. EMP - 8

9 16. Abriria uma padaria localizada entre outras duas muito próximas. 17. Sou capaz de alterar minha opinião diante de um bom argumento. 18. Consigo me relacionar com os mais diferentes tipos de pessoas. 19. Gosto muito de enfrentar situações que põem à prova minha criatividade. 20. Em meu trabalho, valorizo muito a oportunidade de criar coisas novas. 21. Em situações tensas, consigo manter o controle sobre meus atos. 22. Minhas ações costumam ser guiadas mais pela razão do que pela emoção. 23. Um salário elevado é mais importante para proporcionar o crescimento da riqueza pessoal do que para possibilitar um maior consumo. 24. Uma elevada posição social e poder são metas que todos devemos perseguir. 25. Prefiro enfrentar situações nas quais a possibilidade de sucesso seja moderada, embora o ganho seja também moderado, do que as situações de maior risco, porém, com maiores ganhos. 26. Se você fosse um jogador de tênis talentoso e tivesse a oportunidade de jogar com um profissional de primeira ordem, preferiria apostar uma semana de salário na sua própria vitória do que apostar mais, para ganhar uma boa quantia. 27. Sou constante em meus projetos e acabo sempre o que comecei. 28. Persigo com determinação os objetivos por mim traçados. EMP - 9

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES Álvaro Rojas G. Lezana - Doutor Professor- lezana@eps.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Histórico Definições Básicas Características Perfil Histórico O termo empreendedorismo teve sua origem na França

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Regina Arns da Rocha 1 Prof. Dr. Victor Meyer Jr 2 Resumo. O objetivo deste trabalho é examinar a importância da prática do empreendedorismo

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Liderança Positiva. Força que Impacta o Desempenho das Pessoas

Liderança Positiva. Força que Impacta o Desempenho das Pessoas Liderança Positiva Força que Impacta o Desempenho das Pessoas Uma parceria É com muita satisfação que a Nova School of Business and Economics e a SOCIESC apresentam o Programa Liderança Positiva Força

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra UNESP - Botucatu Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Prof. Joel Dutra Professor-Livre Docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo FEA-USP,

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Novo Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e as empresas

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Adm. Alvaro Mello alvaro@teletrabalho.info Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos,

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Motivações e Competências Pessoais

Motivações e Competências Pessoais O PERFIL EMPREENDEDOR Motivações e Competências Pessoais A criação e a consolidação de empresas bem sucedidas num mercado competitivo depende de um conjunto de factores que não podem ser reduzidos à personalidade

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo.

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. Nesta aula veremos o resumo de: O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. 1 VÍDEO 2 O INTRA-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Educação Empreendedora

Educação Empreendedora Educação Empreendedora José Dornelas.br Agenda Conceitos Metodologias e referências mundiais Estado da arte O que ainda precisa ser feito Exemplos Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade Empreendedorismo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA: BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Fábio Júnio Ferreira Patos de Minas, 26 de novembro de

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO CONSULTIVA EM NEGOCIAÇÕES EM VENDAS 249, 00. ao mês

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO CONSULTIVA EM NEGOCIAÇÕES EM VENDAS 249, 00. ao mês PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO CONSULTIVA EM NEGOCIAÇÕES EM VENDAS MEC CURSOS AUTORIZADOS apenas 249, 00 ao mês FACULDADES CAMPUS CHAPECÓ GRUPO SANTA RITA Eldemar Neitzke Gestor de Estratégias Comerciais

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Marins & Molnar Business Solutions

Marins & Molnar Business Solutions 1 2 Como Nasceu Um homem com uma idéia nova é um excêntrico... até que a idéia dê certo 3 Qualidade para Secretarias O papel único da secretaria no processo de sistematização da qualidade Seus componentes

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NOME DA EMPRESA A pesquisa foi desenvolvida e aplicada pela PERSPECTIVA Consultores Associados. Coordenador Interno: Ricardo Lezana

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais