O INTRAEMPREENDEDOR COMO AGENTE DE MUDANÇA NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O INTRAEMPREENDEDOR COMO AGENTE DE MUDANÇA NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR"

Transcrição

1 O INTRAEMPREENDEDOR COMO AGENTE DE MUDANÇA NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Fernando J. A. Schenatto 1, Dr. Álvaro G. R. Lezana 2 Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná 1 Unidade de Pato Branco Via do Conhecimento, km 1 CEP , Pato Branco PR Universidade Federal de Santa Catarina 2 Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Campus Universitário Florianópolis/SC CEP Resumo. No presente trabalho apresenta-se uma discussão acerca das características empreendedoras, dentro de uma abordagem comportamental, enfocando sua incidência e formas de manifestação nos profissionais da educação superior de instituições públicas federais, considerando sua relevância para a sobrevivência dessas organizações, bem como os aspectos causais do status empreendedor apresentado pelos entrevistados durante a elaboração deste artigo. A pesquisa contempla os docentes da Unidade de Pato Branco do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET-PR na identificação dos aspectos subjacentes ao processo comportamental da ação empreendedora. Palavras-chave: Empreendedor, Intraempreendedorismo, Educação, Instituições Públicas Federais. EMP - 1

2 1. INTRODUÇÃO Em tempos de abertura de mercados e forte contexto de mudança organizacional com que nos confrontamos, muita atenção tem sido dispensada à reflexão e estudo da ação empreendedora e sua importância na geração de novas iniciativas empresariais privadas, analisando seus fatores propulsores e seus impactos em âmbito sócio-econômico. No entanto, parece haver uma grande carência de discussões acerca do papel do empreendedor como agente de transformação inserido no microambiente das organizações, ou seja: o intraempreendedor. De forma especial, são relegadas à planos de importância menor a análise da ação empreendedora nas instituições públicas federais de educação superior, que vêm sendo cada vez mais fadadas ao ocaso, e nas iniciativas do terceiro setor, por serem ainda uma realidade incipiente. Baker e Kecharananta [1] já argumentam que para sobreviver e prosperar na arena turbulenta do moderno mercado globalizado, mesmo as maiores e melhor estruturadas organizações estão percebendo que elas precisam de intraempreendedores, pessoas orientadas pelo espírito empresarial, para identificar e explorar oportunidades. Pretende-se no presente trabalho, nesse sentido, apresentar uma breve discussão acerca das características empreendedoras, dentro de uma abordagem comportamental, enfocando sua incidência e formas de manifestação nos profissionais da educação superior de instituições públicas federais, considerando sua relevância para a sobrevivência dessas organizações bem como os aspectos causais do status empreendedor apresentado pelos entrevistados durante a elaboração deste artigo. O caso analisado contempla a Unidade de Pato Branco do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET-PR, sendo sua escolha devido à relevância da Instituição na região em que se encontra (sudoeste paranaense), seja como centro de educação e pesquisa, seja como agente e líder dos processos de desenvolvimento regional. De posse dos resultados obtidos através deste estudo, sugere-se um trabalho de sensibilização e motivação dos docentes da Instituição em análise para que, percebendo a realidade e agindo de forma cada vez mais empreendedora, possam se tornar verdadeiros formadores de cidadãos mais preparados para a sociedade do futuro, garantindo, através da eficiência e eficácia dos seus serviços, sua subsistência e crescimento como organização, o que pode ser extrapolado para as demais instituições públicas federais de educação superior. 2. O PERFIL DO EMPREENDEDOR: UMA ABORDAGEM COMPORTAMENTAL Durante os últimos anos, em decorrência das alterações das fronteiras de mercado, muito se têm estudado e discutido sobre os fatores de sucesso e fracasso das organizações. Em que pese a influência de fatores internos (gestão e recursos entre outros) e externos (como demanda e fatores de produção) à organização, com freqüência as conclusões dos trabalhos relacionados ao tema, a exemplo de Uriarte [2], apontam para a figura do empreendedor como maior determinante do sucesso organizacional. Assim, antes de aprofundar o estudo sobre intraempreendedor e sua atuação nas organizações, é necessário ter-se uma compreensão adequada do empreendedor de forma mais genérica. Algumas definições que podem ser encontradas na literatura caracterizam o empreendedor como: pessoas que inovam, sendo a inovação seu instrumento específico, meio pelo qual exploram a mudança como uma oportunidade para um negócio ou serviço diferente (Drucker, apud Longen [3]); indivíduos que inovam, identificam e criam oportunidades de negócios, montam e coordenam novas combinações de recursos (funções de produção) para extrair os maiores benefícios de suas inovações num meio incerto (Amit, apud Ref. [3]); o indivíduo que tem criatividade, identifica oportunidades, com iniciativa própria, busca informações permanentemente, comunica-se persuasivamente, entre outras características, proporcionando satisfação pessoal e familiar, gerando empregos e riqueza. (Lezana [4]); o indivíduo (ou time) que identifica a oportunidade, reúne os recursos necessários, cria e é, no final das contas, o responsável pelo desempenho da organização (Carton et al. [5]). Há na literatura, em uma série de definições, uma forte tendência de associação incondicional do empreendedorismo à criação de negócios formais. No entanto, como se observa nas conceituações explicitadas acima, a manifestação de comportamentos empreendedores pode ser verificada nos mais diversos segmentos da atividade humana, de forma que seu estudo pode ser feito sob diversos enfoques, por exemplo: psicologia, sociologia, economia e administração entre outros. Dentro da perspectiva de que o sucesso do empreendimento está relacionado fundamentalmente com os atributos e comportamentos dos seus empreendedores, a psicologia, como ciência que estuda o comportamento humano, visando facilitar o entendimento das variáveis que determinam sua relação com o mundo, apresenta-se como a abordagem mais adequada aos objetivos deste trabalho. De forma semelhante às reações apresentadas às necessidades fisiológicas, as pessoas são impulsionadas a satisfazer seus desequilíbrios ou necessidades de ordem psicológica, e o fazem conforme o conjunto de características psicológicas relativamente estáveis que norteiam sua interação com o meio ambiente, o que é denominado de personalidade. EMP - 2

3 Genericamente, essas características podem ser agrupadas segundo quatro aspectos mais relevantes. São eles: necessidades, conhecimento, habilidades e valores (Lezana [6]). Necessidade é um déficit ou a manifestação de um desequilíbrio interno do indivíduo, que tende a satisfazê-la, frustrá-la ou compensá-la. Segundo Maslow, citado na Ref. [6], apresentam-se através das categorias: fisiológicas, segurança, sociabilidade, estima e auto-realização. O conhecimento representa aquilo que as pessoas sabem a respeito de si mesmas e sobre o ambiente que as rodeia e resulta de processos de aprendizagem permanente, estruturados em observação, reflexão e prática. A habilidade pode ser conceituada como a facilidade para utilizar as capacidades. À medida que se pratica ou enfrenta repetidamente uma determinada situação, a resposta que a pessoa emite vai se incorporando ao sistema cognitivo. Valores são entendidos como um conjunto de crenças, preferências, aversões, predisposições internas e julgamentos que caracterizam a visão de mundo do indivíduo. Classificam-se em estéticos, existenciais, intelectuais, morais e religiosos. O processo comportamental é definido, desta forma, pelas etapas que um indivíduo percorre para responder a um determinado evento, baseado na sua personalidade. Essa resposta passa pela percepção do evento, o estímulo de satisfazer uma necessidade, a motivação como propulsora de comportamento, a geração de alternativas e, por fim, a decisão. Dificilmente se poderia determinar as ações típicas dos empreendedores nos processos comportamentais, na tentativa de definir um único perfil aceitável; no entanto, é possível elencar alguns pontos comuns nas atitudes empreendedoras. Segundo Tan, citado na Ref. [1], os empreendedores compartilham certas características que os destinguem das demais pessoas. Ele chama essas características de 6 Cs: criatividade, foco no cliente, competência, confiança, comprometimento e concentração. Outras abordagens são nitidamente centradas nas habilidades do indivíduo, o que permite supor que através de programas de treinamento elas possam ser desenvolvidas, no intuito de criar empreendedores. Deve-se reforçar, no entanto, que outros aspectos relativos às necessidades e valores, por exemplo, não são passíveis a treinamentos ou outras formas de capacitação, o que refuta a idéia de geração forçada de empreendedores. Na perspectiva de Gibb, descrita no trabalho de Guilhon e Rocha [7], as principais características do empreendedor passam essencialmente pela: iniciativa; alto poder de persuasão; correr riscos calculados; postura gerencial flexível; criatividade; independência; habilidade para resolver problemas; mover-se por metas específicas; imaginação; crença de poder controlar o futuro dos empregados; liderança e alta capacidade de trabalho, dentre outras. Um enquadramento das principais características empreendedoras, relacionadas aos aspectos determinantes do processo comportamental, pode ser visto na Tabela 1. Tabela 1. Características dos empreendedores. ASPECTOS DETERMINANTES DO CARACTERÍSTICAS COMPORTAMENTO Necessidades Aprovação Independência Desenvolvimento Pessoal Segurança Auto-realização Conhecimento Aspectos técnicos relacionados ao negócio Experiência na área comercial Escolaridade Experiência em empresas Formação complementar Vivência com situações novas Habilidades Identificação de novas oportunidades Valoração de oportunidades e criatividade Comunicação persuasiva Negociação Aquisição de informações Resolução de problemas Valores Ambição Comprometimento social Perseverança Percepção da riqueza Adaptada de Ref. [6]. EMP - 3

4 Essas características, como já abordado anteriormente, integram a personalidade do empreendedor, e decorrem de fatores hereditários e, fundamentalmente, do convívio social. Dessa forma, o ambiente social no qual o indivíduo está inserido é fator determinante na potencialização ou opressão das características geneticamente programadas. Daí a importância em se desenvolver na sociedade uma cultura empreendedora, sobretudo nas instituições de educação, por atuarem como formadoras de conduta durante os anos nos quais a personalidade do homem está em formação, ou pelo menos mais suscetível a modificações. O efeito desse esforço de longo prazo pode ser percebido, por exemplo, nas nações desenvolvidas, onde o downsizing e o rightsizing têm acontecido de forma combinada, e freqüentemente dado vazão, ao espírito de desafio e auto-superação nos indivíduos, produzindo um rápido crescimento no número de empreendedores, dando lugar a um movimento de criação de negócios de propriedade individual (Ref. [1]). Uma outra forma de manifestação reside no desenvolvimento de um novo estilo gerencial baseado num empreendedorismo endógeno, que possibilita às organizações contemporâneas eficazes atingirem o nível de flexibilidade, inovatividade e competência nas decisões estratégicas exigidas pelo padrão de competição do mercado hodierno e futuro. É na perspectiva desta segunda forma de expressão do empreendedorismo que se dá a seqüência deste trabalho, centrado especialmente nas possibilidades e necessidades das instituições públicas federais de educação superior em estimular o desenvolvimento de uma cultura intraempreendedora. 3. O INTRAEMPREENDEDORISMO NA AÇÃO DOCENTE 3.1. O intraempreendedorismo nas organizações Um dos termos mais liberativos a surgir no mundo dos negócios nos últimos anos, o termo intrapreneur foi cunhado por Gifford Pinchot para referir-se ao empreendedor interno. Tal termo surgiu da constatação de que é possível existir empreendedores dentro das organizações, exercendo a criatividade em prol de futuras inovações e assumindo um verídico comprometimento com as ações organizacionais, a ponto de sentir-se como seu proprietário. Apresenta-se na seqüência algumas definições conceituais sobre os intraempreendedores, de forma a possibilitar uma compreensão mais completa de sua ação e características. Os intrapreuneurs são homens e mulheres que a partir de uma idéia, e recebendo a liberdade, incentivo e recursos da empresa em que trabalham, dedicam-se entusiasticamente para transformá-la em produto bem sucedido (...) Os intraempreendedores são todos os sonhadores que realizam. Aqueles que assumem a responsabilidade pela criação de inovações de qualquer espécie dentro de uma organização. O intraempreendedor pode ser o criador ou o inventor, mas é sempre o sonhador que concebe como transformar uma idéia em uma realidade lucrativa (Pinchot, apud Ref. [6]). É aquele que tem como necessidade estar comprometido com o projeto de implantação de um novo produto ou serviço na empresa em que trabalha. Procura o sucesso de seu projeto como recompensa pela sua dedicação que, em geral, vem seguida de uma vantagem pecuniária (Ref. [7]). Intraempreendedor é uma pessoa dentro de uma corporação que leva responsabilidade direta por transformar uma idéia em um produto acabado lucrativo através de uma acertada tomada de risco e inovação (Kautz [8]). Mintzberg, apud Ref. [5], questiona a sustentabilidade do intraempreendedorismo, argumentando que as ações não podem cessar; caso contrário, o indivíduo não se apresenta mais como empreendedor. Já de acordo com vários autores, não só é possível como é de relevante importância a existência de intraempreendedores nas organizações, visto que eles têm um contrato psicológico estabelecido com a empresa, apresentando objetivos semelhantes, sendo que a satisfação pessoal se mostra inteiramente relacionada ao progresso empresarial. Por este motivo, julga-se essencial que sejam adotadas políticas de incentivo ao desenvolvimento do potencial criativo do trabalhador. Para atender às demandas competitivas da nova ordem mundial, a liberdade de ação em todos os níveis da empresa, de modo participativo, deve ser a regra de orientação e conduta gerencial no processo de gestão permanente da mudança organizacional, e não a exceção. Como afirma-se em Ref. [1], as empresas pró-ativas já caminham nesta direção, pois estão incorporando ao seu planejamento estratégico a descentralização na tomada de decisão, visando a diminuição de custo operacional e elevação da qualidade dos produtos/serviços que são ofertados com a participação direta de seus funcionários. Esse é, sem dúvida um dos maiores entraves ao desenvolvimento de um clima favorável ao empreendedorismo nas organizações públicas, visto que, tradicionalmente, criatividade e autonomia de ação são pressupostos que não pertencem ao escopo de trabalho dos funcionários, e sequer são permitidas tentativas de soluções inovadoras para problemas permanentes do paradigma já exaurido. Por outro lado, se o intraempreendedor sente-se estimulado e apoiado pela empresa por meio de recursos que são colocados à sua disposição, o resultado será a transformação de uma idéia em um produto ou serviço bem sucedido (Ref. [1]). Para estes indivíduos, segundo Birley e Muzyka [9], a nova ordem dentro do setor público fornece não somente uma oportunidade para administrar a situação existente, mas para realizar mudanças radicais, criando o sucesso tanto para a sua organização quanto para si mesmos. Dessa forma, cabe aos dirigentes das instituições que tiverem a pretensão de sobreviver ao processo de sucateamento do serviço público nacional, suscitar e dar espaço à vocação empreendedora interna, concentrando esforços também em buscar maior flexibilidade estrutural e agilidade nos processos burocráticos, a fim de reduzir EMP - 4

5 custos e dar suporte à ação inovadora permanente. No entanto, como já discutido anteriormente, apesar das contingências favorecerem a manifestação da ação empreendedora, o único aspecto verdadeiramente propulsor refere-se ao próprio empreendedor: sua capacidade interna de motivação O docente intraempreendedor Neste panorama, encontra-se o profissional da educação pública superior, tentando reorientar sua conduta frente às novas variantes estruturais existentes para a gestão das organizações e às mudanças no cenário mundial. Ora, como se poderia pensar em uma transformação de conduta profissional e social sem refletir profundamente sobre o trabalho (conteúdo e métodos) realizado na academia? Não é possível apartar a ação docente pretérita da linha geral de conduta do egresso destas instituições. Conforme afirma Ref. [7], a cultura educacional em nosso país tem sido dirigida para formação de mão-de-obra destinada às grandes empresas. Dessa forma, não é difícil concluir o quão tradicionais e retrógrados têm sido, via de regra, os objetivos do agir pedagógico, aliado a metodologias muitas vezes ultrapassadas e ineficazes. A nova arena competitiva que se prenuncia certamente não dará espaço aos profissionais exercerem suas atividades na forma de contratos de trabalho, o clássico emprego da era industrial. É necessário formar cidadãos criadores de postos de trabalho, da mesma forma que os docentes também devem agir criando novas oportunidades profissionais e gerando novos produtos e/ou serviços. Especificamente na construção do conhecimento, dentro do ensino formal, o intraempreendedor percebe muitas formas diferenciadas de atuação ou, ainda mais abrangente, de postar-se na conduta das atividades pedagógicas. Dentre elas, podemos citar: está atento às necessidades, interesses e expectativas dos seus clientes (os alunos); discute o processo pedagógico e está em constante atualização técnico-científica, que permite a inovação; trabalha de forma cooperativa e transdisciplinar; contorna os entraves burocráticos com criatividade e flexibilidade; agrega valor a atividades de pesquisa e/ou extensão e apresenta uma motivação contagiante, entre outros. Em questões mais gerais, mantém-se ativo no exercício da profissão fora do ambiente acadêmico; atua ativamente em programas institucionais de caráter estratégico e busca formas alternativas de remuneração. Esse último é, sem dúvida, um dos aspectos mais relevantes e delicados a se abordar como fator de satisfação no trabalho. Pesquisa feita pela Harvard Business School, no período de 1975 a 1993, demonstra que o sucesso profissional para a maioria das pessoas significa uma atividade profissional que seja econômica e psicologicamente satisfatória, que proporcione uma contribuição para a sociedade e que sustente uma vida pessoal e familiar saudável (Ref. [2]). No campo econômico, é possível afirmar empiricamente que a grande maioria dos profissionais manifesta-se insatisfeito. Neste sentido, cabe ao intraempreendedor buscar novas formas de trabalho remunerado, como projetos institucionais de serviços à comunidade; consultorias; desenvolvimento e comercialização de novas tecnologias e/ou produtos; viabilização de parcerias com instituições privadas ou de apoio à pesquisa na coordenação de projetos etc., negociando internamente os recursos disponíveis, tempo de dedicação e formas de aplicação do capital investido e receita. Caso isso não seja possível ou viabilizado, o verdadeiro empreendedor tenderá a desligar-se da instituição de educação para buscar outros meios de alcançar maior satisfação profissional. Por outro lado, significando uma mudança de maior abrangência, todas as partes envolvidas na regulamentação do serviço público deveriam realizar grande esforço na tentativa de promover e sistematizar critérios de remuneração diferenciada. Essa proposta de forma alguma visa uma ação discriminatória, mas sim de reconhecimento e estímulo às melhores iniciativas dos profissionais da educação. A isonomia salarial imprime no funcionalismo público, tragicamente, uma inércia na mediocridade, onde os profissionais mais capacitados e motivados são, paulatinamente, impelidos a se adequar, seja pela falta de incentivo e recompensa por seus méritos, seja pela pressão dos demais em manter o status quo, no qual há um acordo implícito baseado na lei do menor esforço. Essa argumentação é reforçada por Ref. [7], quando dizem que... o intraempreendedor procura o sucesso de seu projeto como recompensa pela sua dedicação que, em geral, vem seguida de uma vantagem pecuniária. O reconhecimento público também é importante, especialmente quando acompanhado do apoio e incentivo institucional à realização dos projetos inovadores: O mentor da idéia inovativa precisa ser prestigiado, ao invés de lhe tirarem a oportunidade de concretização do seu sonho (Ref. [7]). Sem dúvida, a falta de uma política adequada de remuneração relacionada ao desempenho produtivo do docente é um dos fatores mais restritivos da motivação ao envolvimento integral com a instituição de ensino. Um outro aspecto à considerar é a rigidez administrativa que vigora em grande parte das instituições, atreladas à processos burocráticos rígidos e ineficazes e a sistemas bastante hierarquizados. Assim, além do trabalho de sensibilização do corpo diretivo das instituições, na busca de administrações mais abertas e dinâmicas, é fundamental que o intraempreendedor possua bom trânsito na política interna da empresa para poder captar intraparceiros e patrocinadores de sua iniciativa. Servidores que não desenvolvam uma rede de relacionamentos, tanto interna quanto externa à instituição de ensino, certamente terão suas possibilidades de atuação e sucesso reduzidas, limitando seu crescimento profissional e, por conseguinte, sua motivação, satisfação e realização no trabalho. 4. UMA ANÁLISE DO CEFET-PR UNIDADE DE PATO BRANCO Com uma tradição de nove décadas, o Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (CEFET-PR) é considerado centro de referência do ensino tecnológico do sul do país. EMP - 5

6 O CEFET-PR é uma autarquia de regime especial, vinculada ao Ministério da Educação e tem por finalidade formar e qualificar profissionais nos vários níveis e modalidades de ensino para os diversos setores da economia, bem como realizar pesquisa e desenvolvimento tecnológico de novos processos, produtos e serviços em estreita articulação com os setores produtivos e a sociedade, fornecendo mecanismos para a educação continuada. Possui autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didática e disciplinar (CEFET-PR [10]). A Unidade de Ensino de Pato Branco é uma descentralização de Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná, atuando na educação de nível médio e superior desde Situa-se no Sudoeste do Paraná, em Pato Branco, município-pólo de uma região de 40 municípios paranaenses, com ascendência no oeste de Santa Catarina, e conta com um corpo docente de 200 profissionais (CEFET-PR [11]). O contexto de desenvolvimento regional liderado por essa Unidade de Ensino foi o fator de motivação para este estudo, na tentativa de diagnosticar o perfil dos docentes dessa Instituição como atores deste processo, identificando os aspectos comportamentais relacionados ao empreendedorismo Procedimentos Metodológicos O presente trabalho foi elaborado sob uma abordagem qualitativa, baseada em pesquisa bibliográfica e levantamento de informações junto aos pesquisados, com o objetivo de descrever os aspectos comportamentais subjetivos às suas ações e relacioná-los às componentes supra citadas do perfil empreendedor. O levantamento foi feito através da aplicação de questionário estruturado aos docentes da Unidade de Pato Branco do CEFET-PR, composto por perguntas fechadas utilizando a escala Likert, de 1 a 5, para facilitar o tratamento dos dados. O questionário utilizado na pesquisa, adaptado de Ref. [3], se encontra no anexo Resultados e discussão Analisando as respostas dos questionários, conforme os aspectos comportamentais relacionados às questões em Ref. [3], observa-se níveis intermediários de necessidade de independência e autonomia (questões 1 e 2, com média 3,304), segurança (questões 7 e 8, com média 2,777) e inovação (questões 9 e 10, com média 3,239). Níveis inferiores são identificados nas necessidades de poder e status (questões 3 a 6, com média 1,869). Percebendo-se a necessidade como maior propulsor da ação humana, pode-se atribuir um baixo potencial empreendedor aos entrevistados, conforme as respostas manifestas. No que concerne às habilidades, destaca-se altos níveis de flexibilidade e criatividade, respectivamente, com as médias 4,432 e 4,300, enquanto a identificação de novas oportunidades e capacidade de persuasão não se mostraram como pontos fortes dos docentes. A partir daí, deve-se refletir o quanto o profissional da educação está preparado para atuar em situações de mudança, com criatividade e flexibilidade, nem sempre sendo exigido neste sentido ou mesmo tendo suas iniciativas castradas. Os valores foram avaliados pelas questões 23 a 28, indicando como resultado um alto nível de perseverança (média 4,227), porém com baixa ambição (média 2,227). Com relação a este último item, cabe refletir o quão esta posição dos entrevistados está atrelada à própria opção pela docência, que se constitui numa forma de crescer mas, acima de tudo, de compartilhar e orientar, com maior enfoque no doar-se do que no receber. Para uma melhor visualização dos resultados, apresenta-se na Tabela 2 a relação de questões aplicadas, associadas às características avaliadas, com suas respectivas médias, considerando a escala Likert de 1 a 5 para os dados de entrada. Tabela 2. Resultados da aplicação do questionário. ASPECTOS CARACTERÍSTICAS QUESTÕES MÉDIA Necessidades Independência e autonomia 1 e 2 3,304 Poder e status 3 a 6 1,869 Habilidades Valores Segurança 7 e 8 2,777 Inovação 9 e 10 3,239 Comunicação persuasiva 11 e 12 2,667 Organização 13 e 14 3,630 Identificação de novas oportunidades 15 e 16 2,911 Flexibilidade 17 e 18 4,432 Criatividade 19 e 20 4,300 Controle emocional sobre impulsos 21 e 22 3,500 Ambição 23 e 24 2,227 Predisposição ao risco 25 e 26 3,488 Perseverança 27 e 28 4,227 EMP - 6

7 Esta pesquisa mostra-se limitada pela representatividade da amostra, que contempla 11,5% do corpo docente da Instituição em estudo, o que vem a imprimir nos seus resultados uma natureza mais exploratória do que propriamente descritiva. Sugere-se, portanto, uma ampliação da amostra e cruzamento das informações obtidas por questionário com entrevistas diretas, na tentativa de uma percepção mais adequada das questões subjetivas a cada aspecto em análise. 5. CONCLUSÕES Com base na discussão anterior e resultados apresentados na pesquisa, observa-se que os docentes entrevistados apresentam as habilidades necessárias à ação empreendedora, mas falta-lhes, essencialmente, ambição e necessidade de poder e status para focalizar exercer a plenitude de sua capacidade empreendedora. Se não houver uma preocupação contínua e fértil por parte das Instituições Públicas de Educação na promoção de melhores condições de trabalho e estímulo à ação intraempreendedora cooperativa, estas verão ou a formação de ilhas de excelência, sem repercussão institucional maior, ou a evasão de seus melhores profissionais em busca de melhores condições de trabalho. Assim, é fácil projetar a derrocada de sua imagem institucional seguida do inevitável fim de suas atividades. Por outro lado, os docentes que não se aperceberem deste contexto dinâmico de trabalho estão condenados à exclusão da nova arena competitiva, onde só restará continuísmo e mediocridade. A empregabilidade e o progresso, fruto do trabalho competente e eficaz, não se fazem de lamentações e sentimento de autopiedade, comuns no meio do funcionarismo público, mas de um espírito criativo e inovador, capaz de identificar e promover novos paradigmas, motivando os profissionais a atuarem não mais como coadjuvantes, mas como atores principais no novo cenário da história. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] H.G. Baker and N. Kecharananta, What facilitates entrepreneurship?, in Proceedings of the 1998 International Counsil for Small Business World Conference, Singapura. [2] L.R. Uriarte, O perfil empreendedor, Artigo apresentado em Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, UFSC, Florianópolis: [3] M.T. Longen, Um modelo comportamental para o estudo do perfil do empreendedor, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFSC, Florianópolis, 1997, 116p. [4] A.R. Lezana, Desarollo Regional atraves del estímulo a las empresas de pequeña dimensón. Una puesta in práctica de programas de promoción, Tese de doutorado, Universidad Politécnica de Madrid, [5] R. Carton et al., The entrepreneur and entrepreneurship: operacional definition of their role in society, in Proceedings of the 1998 International Counsil for Small Business World Conference, Singapura. [6] A.R. Lezana, Empreendedorismo, Apostila do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, UFSC, Florianópolis: [7] P. de T. Guilhon and R.A. da Rocha, Intrapreneur: multiplicador de novos negócios, Revista Alcance (Administração), Itajaí, ano VI, n. 1, maio 2000, pp [8] J Kautz, Intrapreneurship, disponível na internet, 10 agosto [9] S. Birley and D.F. Muzyka, Dominando os desafios do empreendedor, Makron Books, São Paulo: 2001, 334 p. [10] CEFET-PR, Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CEFET-PR, Apresentação, disponível na internet, 25 setembro [11] CEFET-PR, CEFET-PR, Unidade de Pato Branco, Instituição, disponível na internet, 25 setembro EMP - 7

8 ANEXO 1 Leia as afirmações abaixo e destaque uma das opções: de 5 para o fator mais coerente com a sua realidade até 1 para o fator menos coerente com a sua realidade. 01. Uma das principais razões que me levariam a criar uma empresa seria a oportunidade de administrar meu próprio tempo e executar as minhas decisões. 02. É mais fácil submeter-me a modelos e procedimentos rígidos do que à situações pouco estruturadas, onde não existam regras previamente estabelecidas. 03. O dinheiro é uma forma de mostrar meu êxito para os outros. 04. Na decisão de associar-me a um clube é mais importante considerar a convivência com pessoas importantes do que as opções de lazer. 05. Ficaria satisfeito em ocupar um cargo elevado em uma empresa, pois teria a oportunidade de ter uma série de pessoas sob o meu comando. 06. É importante para um chefe reservar informações estratégicas para manter o controle de seus subordinados. 07. Não gosto de enfrentar situações novas e mudanças repentinas em minha vida. 08. Para mim, uma caderneta de poupança é mais importante para realizar investimentos no futuro do que para servir de garantia para eventuais imprevistos. 09. Para ser percebido pelos outros é preciso estar em constante mudança. 10. Tenho uma grande tendência a fazer as coisas de modo diferente das outras pessoas. 11. Tenho facilidade em convencer os outros através de minhas opiniões. 12. Sou capaz de defender idéias nas quais eu não acredito. 13. Em geral, tenho mais facilidade para realizar atividade planejadas e organizadas do que por impulso, sem planejamento prévio. 14. Para mim, organizar um evento é uma atividade agradável. 15. Considero-me uma pessoa que tem facilidade em identificar novas oportunidades de negócios. EMP - 8

9 16. Abriria uma padaria localizada entre outras duas muito próximas. 17. Sou capaz de alterar minha opinião diante de um bom argumento. 18. Consigo me relacionar com os mais diferentes tipos de pessoas. 19. Gosto muito de enfrentar situações que põem à prova minha criatividade. 20. Em meu trabalho, valorizo muito a oportunidade de criar coisas novas. 21. Em situações tensas, consigo manter o controle sobre meus atos. 22. Minhas ações costumam ser guiadas mais pela razão do que pela emoção. 23. Um salário elevado é mais importante para proporcionar o crescimento da riqueza pessoal do que para possibilitar um maior consumo. 24. Uma elevada posição social e poder são metas que todos devemos perseguir. 25. Prefiro enfrentar situações nas quais a possibilidade de sucesso seja moderada, embora o ganho seja também moderado, do que as situações de maior risco, porém, com maiores ganhos. 26. Se você fosse um jogador de tênis talentoso e tivesse a oportunidade de jogar com um profissional de primeira ordem, preferiria apostar uma semana de salário na sua própria vitória do que apostar mais, para ganhar uma boa quantia. 27. Sou constante em meus projetos e acabo sempre o que comecei. 28. Persigo com determinação os objetivos por mim traçados. EMP - 9

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES Álvaro Rojas G. Lezana - Doutor Professor- lezana@eps.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Histórico Definições Básicas Características Perfil Histórico O termo empreendedorismo teve sua origem na França

Leia mais

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo.

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. Nesta aula veremos o resumo de: O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. 1 VÍDEO 2 O INTRA-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Liderança Positiva. Força que Impacta o Desempenho das Pessoas

Liderança Positiva. Força que Impacta o Desempenho das Pessoas Liderança Positiva Força que Impacta o Desempenho das Pessoas Uma parceria É com muita satisfação que a Nova School of Business and Economics e a SOCIESC apresentam o Programa Liderança Positiva Força

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Como m a n a d n am a m a s a m i m n i h n a h s a Competências?

Como m a n a d n am a m a s a m i m n i h n a h s a Competências? Como andam as minhas Competências? R&S Por que? O sucesso das organizações modernas está diretamente ligado à inteligência que elas detêm TALENTOS Detectar, atrair, reter e desenvolver talentos são funções

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Educação Empreendedora

Educação Empreendedora Educação Empreendedora José Dornelas.br Agenda Conceitos Metodologias e referências mundiais Estado da arte O que ainda precisa ser feito Exemplos Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade Empreendedorismo

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais