Projeto BEAUTYCARE BRAZIL MANUAL DE AÇÕES. Versão de Janeiro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto BEAUTYCARE BRAZIL MANUAL DE AÇÕES. Versão de Janeiro de 2012"

Transcrição

1 Projeto BEAUTYCARE BRAZIL MANUAL DE AÇÕES Versão de Janeiro de 2012

2 Sumário 1. INTRODUÇÃO O Projeto Beautycare Brazil O Modelo de Gestão do Projeto O Comitê Gestor Os Stakeholders A Unidade de Comércio Exterior (COMEX) OBJETIVO DO MANUAL Objetivo Geral deste Manual Objetivos Específicos O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL Objetivos estratégicos Os Indicadores e Metas de Gestão A Segmentação das do Projeto OS MERCADOS-ALVO DO PROJETO Análise e Definição de Mercados-alvo Estratégia nos mercados PLANO OPERACIONAL DO PROJETO As Ações do Projeto Beautycare Brazil ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS AÇÕES DO PROJETO A Preparação para as ações A preparação logística das ações comerciais e de comunicação Monitoramento, Controle Financeiro e de Execução das Ações Detalho das ações comerciais Road Shows nacional com tradings brasileiras Feiras Road Shows Projeto Comprador Simples Projeto Comprador Avançado Sampling Promoção em PDV/Ativação de marca Detalhamento de algumas ações de comunicação

3 6.3.1 Projeto Imagem local Projeto Imagem internacional Entry Kit DOCUMENTOS DO PROJETO Documentos de Adesão Condições Gerais de Participação no Projeto Beautycare Brazil PAE Plano Anual de Exportações Inscrição no Catálogo Beautycare Brazil Acordos de Cooperação para Promoção de Marcas e Produtos Brasileiros no Exterior Ficha Cadastral para Segmentação Documentos de Controle e Contrapartida REVE - Relatório de Resultado de Eventos REDE Relatório de Despesas do Projeto Manuais Manual de Aplicação da Metodologia de Segmentação Manual de Ações do Projeto Brochura Institucional Manual de Comportamento e Aplicação de Marca Considerações finais

4 1. INTRODUÇÃO 1.1 O Projeto Beautycare Brazil O Projeto Beautycare Brazil compreende uma série de ações direcionadas a internacionalização das empresas do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC) coordenadas pela Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos () no desenvolvimento do potencial industrial setorial, em conjunto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX-Brasil) e com os apoios do Serviço Nacional de Assistência Empresarial (SEBRAE) e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Nos últimos anos a têm dedicado crescente atenção ao potencial exportador do setor, analisando por meios de suas unidades (regulatória, meio-ambiente, tributária, de inteligência de mercado, ITEHPEC, núcleos regionais, comunicação e comércio exterior) os meios pelos quais empresas nos seus mais diferentes níveis de conhecimento industrial podem aprimorar suas competências em direção ao processo de internacionalização. A proposta de trabalho visa à promoção da internacionalização da indústria de HPPC brasileira. De 2001 até 2008, o projeto mantinha como principais atividades a participação em feiras internacionais do setor. A partir de 2008, o projeto evoluiu e passou para uma reformulação estratégica afim de otimizar o sucesso do objetivo chave do projeto: a promoção da internacionalização da indústria brasileira de HPPC. A partir desta data, o projeto passou a oferecer: Um apoio customizado em função do nível de capacidade e maturidade internacional das empresas participantes, via um processo de adesão exigente (segmentação) As principais atividades sendo ações de capacitação, ações comerciais (feiras, roadshows, etc.) e ações de comunicação Esforço priorizado por país: seleção de países-alvo Uma metodologia participativa de gestão O novo foco do projeto, apesar da redução do número de participantes (25 no final de 2011), permitiu um crescimento do valor exportado pelas empresas participantes do projeto Beautycare Brazil de 12%, substancialmente acima do nível de crescimento de exportações gerais do setor de 8,7%, chegando ao total de US$ 117 milhões no final de 2011, cerca de 16% da exportação total de nosso país em HPPC. 1.2 O Modelo de Gestão do Projeto Para o desenvolvimento de todas as ações do projeto que aqui serão descritas faz-se necessário um ciclo alinhado de gestão do grande fluxo de informações e decisões demandadas para o fomentos às exportações e a internacionalização das empresas. O modelo de gestão pressupõe uma estrutura decisória que compartilha este fluxo de informações em períodos específicos gerando pautas de discussão 3

5 adequadas a cada nível de decisão O Comitê Gestor O principal ator da Gestão do Projeto é o Comitê Gestor composto de até 12 (doze) integrantes. O comitê possui pautas trimestrais de monitoramento do projeto, sendo que há um comitê fixo no projeto. Para cada reunião, de forma a garantir a representatividade das decisões tomadas, a composição mínima envolve o gerente de projeto, o gestor da Apex-Brasil, o representante da entidade proponente e um grupo de empresários participantes do projeto (representando não suas próprias empresas, mas o conjunto de empresários do setor). O Comitê Gestor é então composto pelos seguintes atores: Gerente do projeto Gestor do Projeto Analista de comércio exterior (técnico) 6 empresas participantes do projeto Beautycare Brazil (empresários ou representantes de comércio exterior) 3 parceiros O Comitê Gestor tem os seguintes papéis: Na fase de elaboração do projeto, servir de fórum para validação dos aspectos mais importantes do projeto, como o público-alvo, o objetivo geral, o foco estratégico, as premissas, os resultados propostos e as ações do projeto; Reorientar as ações, caso necessário, na direção que melhor atenda às necessidades dos empresários e do mercado; 4

6 Avaliar os resultados do projeto; Pensar estrategicamente o futuro do setor no que se refere ao incremento da competitividade dos produtos e serviços brasileiros no mercado internacional. É optativo ao Comitê, convidar para esclarecimentos ou apoio à atividade decisória quando necessários os seguintes atores: Qualquer uma das empresas dos níveis Plus, Top ou Special; Qualquer um dos Stakeholders do projeto; Consultorias especializadas; Representantes das tradings especializadas no setor; Membros da gerência operacional direção ou presidência da Apex-Brasil; Outras áreas da Os Stakeholders Toda organização possui diversos atores que exercem algum tipo de pressão institucional. A estes atores que em última instância fornecem suporte e cobrança sobre a governança organizacional denominamos de Stakeholders. Assim sendo, é imprescindível que toda a ação empresarial busque as melhores formas de construir o apoio desses grupos por meio de informação e estratégias de parceria. No projeto Beautycare Brazil, os Stakeholders determinaram as principais ações do projeto, tomando os resultados positivos de negócios das empresas como foco principal de trabalho. Os principais Stakeholders contemplados no planejamento e que exercem influência direta ou indireta no projeto são: AGÊNCIAS PARCEIRAS EMPRESAS PARTICIPANTES E POTENCIAIS PARTICIPANTES empresas nacionais do setor de HPPC ENTIDADES FINANCIADORAS bancos, autarquias de apoio à pesquisa (ex.: FINEP) PARCEIROS COMERCIAIS trading companies, distribuidores, importadores, compradores internacionais OPINIÃO PÚBLICA imprensa formal, formadores de opinião, consumidores de produtos de HPPC ENTIDADES CONGÊNERES INTERNACIONAIS por exemplo, a AIC Associação das Indústrias de Cosméticos de Portugal; CASIC Consejo de Asociaciones de la Industria de Cosméticos Latinoamericana; ANDI Associación Nacional de Empresarios de Colombia; COPECOH Comite Peruano de Cosmetica y Higiene ENTIDADES DA CADEIA PRODUTIVA 5

7 1.2.3 A Unidade de Comércio Exterior (COMEX) Para apoiar a decisão do Comitê, a equipe de COMEX administra a execução estratégica e todas as ações definidas e aprovadas pelo comitê. Exerce o papel de gerenciar operacionalmente o projeto Beautycare Brazil e representar junto ao Comitê Gestor e aos Stakeholders os interesses das empresas participantes do projeto. A cada dois anos de avaliações do comitê gestor é elaborada uma revisão do planejamento estratégico setorial. Neste evento, são chamados para análise e contribuições não só o comitê gestor do Projeto, mas também todos os principais Stakeholders de forma a contribuírem em conjunto no enfrentamento de dificuldades como também no compartilhamento dos resultados positivos do projeto. 6

8 2. OBJETIVO DO MANUAL 2.1 Objetivo Geral deste Manual Fornecer diretrizes para a execução das ações do Projeto Beautycare Brazil com eficiência e eficácia. 2.2 Objetivos Específicos Orientar quanto aos Direitos e Deveres dos participantes do Projeto; Descrever as responsabilidades de todos os atores das Ações; Descrever as Ações de Promoção Comercial, de Capacitação e Comunicação nacionais e internacionais; Descrever o caminho de evolução dos processos de internacionalização. 7

9 3. O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL 3.1 Objetivos estratégicos A partir do diagnóstico do projeto do planejamento anterior ( ), definimos para o próximo ciclo operacional do Beautycare Brazil objetivos estratégicos que serão validados para o próximo ciclo do projeto, correspondendo aos anos de 2012 e Os objetivos estratégicos do projeto foram estruturados em 3 dimensões estratégicas. Estes eixos indicam as principais diretrizes para transformação de possíveis fraquezas e ameaças ao projeto em forças e oportunidades de atuação. Dessa maneira, acreditamos que os objetivos são estabelecidos de forma hierárquica, em que há uma seqüência lógica para seu cumprimento. Para tanto, os objetivos devem passar pela capacitação para negócios internacionais, preparação para internacionalização e, por fim, objetivos institucionais. Nesse sentido, podemos entender os desafios mencionados em três grandes dimensões com 3 objetivos principais cada uma, da seguinte forma: 8

10 A) Dimensão Institucional B) Dimensão Preparação para a Internacionalização 9

11 C) Dimensão Capacitação para Negócios Internacionais 3.2 Os Indicadores e Metas de Gestão O monitoramento dos resultados é feito por meio do acompanhamento sistemático de metas e indicadores estratégicos. Foram desenhados para o projeto 12 indicadores para avaliar os 9 objetivos estratégicos previamente expostos. Desses objetivos, 6 indicadores se referem à dimensão institucional, 3 indicadores se referem à dimensão preparação para internacionalização e 3 indicadores se referem à dimensão capacitação para novos negócios. 10

12 A) Indicadores e metas da dimensão "Institucional" B) Indicadores e metas da dimensão "Preparação para a Internacionalização" 11

13 C) Indicadores e metas da dimensão "Capacitação para Negócios Internacionais" 3.3 A Segmentação das do Projeto Para aderir ao Projeto Beautycare Brazil a empresa deve passar pela avaliação de segmentação a fim de definir seu nível no projeto. Para cada nível a empresa deve comprovar uma série de competências e, assim, ter direito aos benefícios a ele inerente. Ilustramos abaixo de forma não exaustiva as comprovações de competência e benefícios para cada nível e para mais informações por favor consultar o Manual de Aplicação da Metodologia de Segmentação. 12

14 4. OS MERCADOS-ALVO DO PROJETO 4.1 Análise e Definição de Mercados-alvo Utilizando diversas metodologias de avaliação de dados mercadológicos quantitativos e qualitativos para seleção de mercados-alvo desenvolvidas pela (i) área de Inteligência Comercial da Apex-Brasil, (ii) área de inteligência comercial da e (iii) consultoria estratégica Roland Berger Strategy Consultants, contratada para revisão do plano estratégico 2012/2013, foram selecionados: (i) 5 mercados para estratégia de exportação indireta (ii) 4 mercados para estratégia de prospecção (iii) 1 mercado para estratégia de entrada (iv) 1 mercado para estratégia de consolidação (v) 4 mercados consolidando as 3 estratégias (prospecção, entrada, consolidação) Para tanto, foram analisados 60 países em todos os continentes por critérios quantitativos e qualitativos específicos de cada um. No resultado, podemos entender como: (i) estratégias de exportação indireta ações para países com menor desenvoltura para o desenvolvimento das ações abaixo mas que possuem mercado atrativo e perfil trader (ii) estratégia de prospecção - ações relacionadas a estudos de mercado para potencial construção de ações a partir de 2014; (iii) estratégia de entrada ações relacionadas a promoção de contatos comerciais; (iv) estratégia de consolidação sampling, promoção em PDV/ ativação de marca (iv) estratégias consolidando as 3 estratégias (prospecção, entrada, consolidação) ações já mencionadas mais ações regulares de comunicação; 13

15 Moçambique, Etiópia, Quênia, Gana, Tanzânia Espanha, Chile, México, Venezuela Emirados Árabes Unidos Portugal Angola, Colômbia, Peru, Estados Unidos 4.2 Estratégia nos mercados Para cada um dos mercados foram definidas formas de atuação específicas levando-se em conta o posicionamento dos produtos do setor, o histórico de comercialização nestes países e a quantidade de informações disponíveis para cada mercado. Definiu-se então estratégias e ações da seguinte maneira: Ações para promover contatos com tradings Estudo de mercado para potencial construção de ações a partir de 2014 Feiras (Dubai + USA), Road Show, Projeto Comprador Simples, Projeto Comprador Avançado Sampling, Promoção em PDV/Ativação de Marca Feiras (USA + EAU), Road Shows, Projetos Comprador Simples e Comprador Avançado, Sampling, Promoção em PDV/ Ativação de Marca, Comunicação 14

16 5. PLANO OPERACIONAL DO PROJETO 5.1 As Ações do Projeto Beautycare Brazil As ações do Beautycare Brazil são divididas em três principais tipos: ações de capacitação, ações comerciais e ações de comunicação. O projeto Beautycare Brazil incorporou esse conjunto de ações de melhoria tendo por objetivo os resultados de negócio para cada nível de capacidade e maturidade exportadora e internacional das empresas participantes. Nesse sentido, houve mudanças do último planejamento que vieram com o objetivo de trazer mais dinamismo para o projeto e maiores benefícios para as empresas de forma geral. Assim, considerando as estratégias nos mercados-alvo e a capacidade e maturidade das empresas, ficaram definidas as seguintes ações comerciais: 15

17 16

18 6. ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS AÇÕES DO PROJETO 6.1 A Preparação para as ações Um dos principais aprendizados do projeto, foi a percepção de que as ações comerciais devem ser precedidas de um processo de preparação para as reuniões de negócio sobre o mercado onde irão atuar. Para apoiar as empresas nos processos de preparação foram criados dois grupos de ações estruturantes: a. A segmentação de empresas por nível de capacidade e maturidade exportadora e internacional; e b. A disponibilização de ferramentas de capacitação; promoção comercial e comunicação para cada nível. Assim cada empresa tem um conjunto de ferramentas de preparação adequado ao seu perfil, potencializando seu aprendizado e desenvolvimento de competências para exportação e, conseqüentemente, o seu desempenho na realização de novos negócios A preparação logística das ações comerciais e de comunicação Cada ação pressupõe um grau diferente de preparação para a sua execução. É muito importante respeitar esta variável principalmente no que se refere às responsabilidades de seus atores em entregar, em tempo hábil, as solicitações que os demais atores do processo precisam que sejam atendidas em tempo para não haver problemas de qualidade no evento. Abaixo estão listados os eventos de ações comerciais e alguns de comunicação conforme o tempo estimado para o seu planejamento, preparação e execução. Importante: O tempo médio de desenvolvimento de cada ação é uma orientação de qualidade. Tem como principal preocupação o alinhamento entre os atores e suas responsabilidades na preparação, execução e avaliação de eventos do projeto Beautycare Brazil. Cada uma destas ações está alinhada para certo nível de capacidade e maturidade exportadora e internacional e não se deve pressupor que no período de tempo estimado qualquer empresa esteja preparada para participar de uma ação. Esta aquisição é conseqüência de uma preparação de médio a longo prazo de seu corpo técnico em exportação e de seus processos produtivos. 17

19 Dos Prazos Os prazos acordados com o Projeto determinam uma série lógica de ações intercaladas que devem ir de encontro ao sucesso do evento e às imagens das empresas e do Setor. Promover uma imagem positiva da organização é um desafio de todas as empresas do projeto. Portanto, as orientações de prazo na preparação dos eventos são indicadas neste manual. Da Viagem A atenção quanto à preparação para a viagem é imprescindível para o sucesso da participação da empresa em um evento. A desatenção a este item pode dificultar a presença do responsável da empresa associada, gerando impactos negativos tanto para a empresa quanto para o projeto. Assim recomenda-se: Verificação da necessidade e validade dos documentos necessários para a viagem: Passaporte; Certificado de Vacinação; Visto; Verificação de existência de taxas de entrada ou saída do país, como podem ser pagas, quando e de que forma; Antecedência de confirmação da passagem junto à companhia aérea; Antecedência de chegada no aeroporto de pelo menos 3 horas antes da partida dos vôos; Consultar a companhia aérea sobre o limite de peso e franquia de bagagem; Verificar possíveis surtos de doenças infecto-contagiosas e tomar medidas preventivas necessárias; Fazer seguro de viagem verificando se a empresa contratada atua no mercado para o qual a viagem ocorrerá; Participar da reunião preparatória oferecida pela sempre em torno de 30 dias antes das ações comerciais; Otimizar custos com viagem aliando uma viagem para promoção comercial a prospecção de um outro mercado; Verificar custos de alimentação e deslocamento no país, fazer previsão e comprar moeda estrangeira com antecedência; Realizar reservas de hotel e passagem aérea com bastante antecedência (em torno de três meses); Verificar com antecedência as regras para levar amostras como bagagem acompanhada e quais os procedimentos de alfândega e documentação; Preparar a documentação necessária com antecedência de 30 dias à viagem; Verificar condições de segurança do país de destino e tomar as precauções necessárias para sua segurança física, bem como proteção de pertences de valor; 18

20 Questões culturais e religiosas a serem respeitadas, vestimentas adequadas Monitoramento, Controle Financeiro e de Execução das Ações Toda ação do projeto é passível de auditoria externa. Este processo é um dos critérios de qualidade para o trato de recursos públicos como os que são disponibilizados pela Apex-Brasil e outros Stakeholders do projeto. A prestação de contas e de resultados, portanto tem um papel importante para o bom desempenho do projeto Beautycare Brazil. As empresas participantes têm o dever de apoiar todas as ações de controle desenvolvidas no projeto de forma a permitir seu correto acompanhamento tanto por parte da gestão realizada pela quanto pelos seus Stakeholders diretos. Importante ressaltar que, para garantir o investimento feito pela Apex-Brasil ou por outro Stakeholder no projeto, é necessário que o setor ( e empresas) também invista. Este investimento é chamado de contrapartida. O convênio com a Apex-Brasil prevê desembolsos trimestrais e prestação de contas semestral. Porém, ao término de cada evento a deve inserir no Sistema de Gestão de Projetos da Apex-Brasil, o SIG, os dados relativos a contrapartidas das empresas. A contrapartida das empresas é composta por investimentos em passagens aéreas, hospedagem, alimentação, adequação de produtos, e vários outros itens de custo listados no REDE Relatório de Despesas, que está descrito no capítulo 7.2 deste manual. Outro relatório não menos importante que deve ser apresentado ao final de cada atividade do projeto é o REVE Relatório de Resultado de Eventos, cujo modelo está descrito no capítulo 7.2., possibilitando a identificação de melhorias a serem implantadas e a avaliação da importância do evento para o projeto. Assim, sugere-se especial atenção ao registro de todos os gastos despendidos bem como dos resultados alcançados e seu repasse em tempo hábil para a equipe de gestão do projeto. Para facilitar tal monitoramento solicita-se: Organizar cópias dos recibos durante a realização dos gastos e guardá-los na pasta de contrapartidas do projeto. Não distribuir os recibos em vários locais ou esquecer de organizálos cronologicamente e por evento participado. Esta dica é um grande facilitador para a elaboração do relatório de despesas - REDE em tempo hábil; Não esperar o final do evento ou viagem para fazer o relatório. É mais fácil lançar as despesas no REDE dia-a-dia para que nada seja esquecido. Ao final do evento, basta fechar o relatório, imprimir e enviar à, assinado, em papel timbrado original; Se a empresa for selecionada para auditoria da prestação de contas do projeto, ela deverá encaminhar a pasta inteira de prestação de contas do projeto no prazo de 2 dias. A se compromete em devolver a pasta em no máximo 5 dias úteis. 6.2 Detalhe das ações comerciais Road Shows nacional com tradings brasileiras 19

21 O que é Encontro entre as empresas participantes (a priori não exportadoras) com potenciais tradings no Brasil: encontro físico com visita das instalações. Ação a coordenar com a APEX (área de projetos especiais). Visa apoiar as empresas a encontrar um parceiro para iniciar as exportações indiretas Principais atores do processo a partir do nível Access; Traders e trading companies (no Brasil); ; Apex-Brasil; Empresa de Eventos / Traslados Resultados esperados pelo projeto Percepção por parte da Trader do potencial exportador da empresa vendedora; Relacionamento claro e responsabilidades definidas em um processo de venda via trader; Alinhamento de expectativas e interesses comerciais entre trading companies e as empresas fabricantes de HPPC; Acordos comerciais firmados entre trading companies e empresas fabricantes de HPPC; e Aumento das competências das empresas de Nível Access em capacidade e maturidade na preparação e na realização de negócios; A migração da empresa participante para o Nível Club de capacidade e maturidade maior Cronologia Feiras O que é Evento para encontro entre vendedores e aqueles interessados em comprar. Vendedores tem a possibilidade de exibir seus produtos. 20

22 Principais atores do processo Instituições Prestadores de Serviços de Comércio Exterior; - Comércio Exterior e Comunicação; Montadora de estande e Organizador do Evento; Empresa exportadora a partir do Nível Club; Distribuidores, Importadores, Compradores Internacionais; Empresa de Eventos / Traslados Resultados esperados pelo projeto Consolidar alguns mercados-alvo do projeto Beautycare Brazil; Promover contatos potenciais para novos negócios; Divulgar a marca e os produtos das empresas e do projeto; Divulgar a imagem do setor HPPC brasileiro. Aumentar as competências das empresas de Nível Club em capacidade e maturidade na preparação e na realização de negócios; Cronologia FASE Tempo Estimado Principais Grupos de Ações Desenvolvidas PLANEJAMENTO 360 dias antes PLANEJAMENTO 180 dias antes Reserva de Espaço Análise de Cronograma e Data Divulgação para Análise de Participação na Feira Preenchimento e envio da ficha de inscrição Inscrição das 21 Responsável /

23 60 dias antes 10 dias antes 3 dias antes EXECUÇÃO Duração de até 4 dias AVALIAÇÃO Dia final do evento AVALIAÇÃO Até 10 dias depois CORREÇÃO ANUAL Inscrição das Contratação de Projeto de Design do Estande Contratação de Montagem do Estande Briefing das Ações de Comunicação Preparação de Amostras (Rotulagem ou Overlabel no idioma do país de destino) e Catálogos (Special e Press kits + amostras para demostração) Levantamento e Análise de Informações Mercadológicas, documentos necessários e custos para registro sanitário no país de destino (sites especialistas e do projeto) Consolidação de Amostras, conferência física de pesos e quantidade e paletização Preparo e envio de documentação consolidada para Agente de Carga e Assessor Comercial Despacho Aduaneiro e embarque para Consultores/ Assessoria Comercial com Emissão de Documentos de Importação e Impostos Liberação Alfandegária de Produtos (Recebimento de produtos e Liberação no Recinto Alfandegário) Liberação Alfandegária de Material Promocional (Catálogo, Brindes, Materiais de Apoio, Relatórios, etc.) Envio de Informações para Coordenação Logística Preparação para Negociação e Estratégia de Posicionamento Alinhamento dos Estandes ao Branding Elaboração do Leiaute do Estande Organizar Bloqueio de Hospedagem Preparação para Viagem (Reservas de Hospedagem, Visto, Passagem aérea) Levantamento de Perfil dos Pontos de Venda no País Visitas aos PDVs Revisão da Estratégia de Venda Entrega de Material Promocional Estocado Aprovação e Supervisão da Montagem Execução da Exposição dos Produtos na Feira Acompanhamento da Feira com Estande Institucional Avaliação da Reação da Feira (relatório REVE) Avaliação da Feira e feedback Preenchimento de Relatório REDE e envio das cópias e recibos Avaliação de Contrapartida Alimentação de BD com Informação de Prospecção Registro e Relatório de Matérias Publicadas e Mailing Consolidado on-line Análise de Melhorias das Ações de Promoção / / Política de conduto O relacionamento entre empresas do projeto e parceiros e compradores deve obedecer a regra básica de preservar as áreas e a imagem comum a todos. Observar regras gerais de boa conduta nos espaços coletivos deve ser uma preocupação constante dos associados: Respeitar padrões de cenografia e dimensões máximas de estande ou decoração estabelecidas pela equipe Beautycare Brazil. Manter seu estande limpo e organizado; Não deixar malas ou caixas espalhadas pelo ambiente atrapalhando a cenografia do espaço e o fluxo de entrada e saída; Observar os comportamentos culturalmente aceitos para cumprimentos, despedidas e diálogos nos mercados dos eventos, vestimentas; Não colocar música em volume elevado que prejudique os vizinhos; Não desenvolver ações que provoquem tumulto e acúmulo de pessoal ou filas, prejudicando o acesso aos vizinhos. A conduta deve primar pela orientação de não prejudicar o seu grupo de empresas participantes da ação; Respeitar criteriosamente os horários de agendamentos, inícios e término de reuniões, deslocamentos, etc; Chegar 30 minutos antes para preparar o local da exposição; Não abandonar o local de exposição dos produtos de forma que suas mercadorias fiquem 22

24 expostas sem um profissional que oriente uma negociação, por isso, recomenda-se a participação de 2 profissionais por empresa ou contratação de equipe de suporte para atendimento (recepcionistas); Não fazer refeições no estande utilizar espaços cedidos pela equipe de suporte Beautycare Brazil para esta finalidade Road Shows O que é Encontro entre as empresas participantes com potenciais compradores nas instalações destes potenciais parceiros. Permite às empresas a avaliação da infra estrutura e compatibilidade de negócios. Uma maior antecipação da preparação na contratação dos consultores, informação dos consultores, confirmação das empresas participantes esta proposta Principais atores do processo exportadoras a partir do Nível Club; Instituições Prestadores de Serviços de Comércio Exterior; - Comércio Exterior e Comunicação; Distribuidores, Importadores, Compradores Internacionais; Empresa de Eventos / Traslados; Assessor comercial Local Resultados esperados pelo projeto Participar na abertura dos mercados-alvo do projeto Beautycare Brazil; Promover contatos para novos negócios; e realizar negócios Ter maior compreensão sobre as oportunidades de negócios no mercado-alvo pelas empresas participantes; Aumentar as competências das empresas de Nível Club em capacidade e maturidade na preparação e na realização de negócios. 23

25 Cronologia FASE Tempo Estimado Principais Grupos de Ações Desenvolvidas PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO 120 dias antes 100 dias antes Análise de Cronograma do Projeto e agendamento de data Divulgação para Análise de Participação no Projeto Vencedor Road Show Preenchimento e envio das fichas de inscrição Inscrição das Briefing das Ações de Comunicação Preparação de Amostras (Rotulagem ou Overlabel no idioma do país de destino) e Catálogos (Special e Press kits + amostras para demostração) Levantamento e Análise de Informações Mercadológicas, documentos necessários e custos para registro sanitário no país de destino Consolidação de AmostrasConferência física de pesos e quantidade e paletização Preparo e envio de documentação consolidada para Agente de Carga e Assessor Comercial Despacho Aduaneiro e embarque para Consultores/ Assessoria Comercial Emissão de Documentos de Importação e Impostos Liberação Alfandegária de Produtos (Recebimento de produtos e Liberação no Recinto Alfandegário) Envio de Material Promocional via Courrier (Catálogo, Brindes, Material de Apoio, Relatórios, etc.) Recebimento e Envio de kits e Amostras ao RP (Special e Press Kit) Preparação para Negociação Relacionamento para Publicação de Matérias Confirmação de Interesse Receber Visita de Brasileiras Análise de Kits e Visita para Apresentação do Projeto, e Produtos para Potenciais Compradores Análise de Interesse de Vendas com Confirmação de Interesse de Venda para Compradores Elaborar Agendamento com Compradores Confirmação de Agendas para Recebimento de Visitas de Brasileiras Agendamento com Contratação de Logística de Negócios Confirmação de Agendas de Visitas aos Compradores Envio de Informações para Coordenação Logística Organizar Bloqueio de Hospedagem Preparação para Viagem (Reservas de Hospedagem, Visto, Passagem aérea) Levantamento de Perfil dos Pontos de Venda no País Distribuição de Lista Visita aos PDVs Revisão de Estratégia de Venda Organizar Transporte para reuniões Execução de Reuniões de Negócio com no Domicílio do Comprador Participação da nas Visitas de Negociação com pouco Experientes Ativação de Endosso Integração e repasse de mailing para por parte da Assessoria de Imprensa e/ou RP Preenchimento do relatório de Evento - REVE Envio de Relatório de Despesas - REDE Monitoramento e Gestão de Crise Participação na Análise de Melhorias das Ações de Promoção Análise de Melhorias das Ações de Promoção EXECUÇÃO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO CORREÇÃO 90 dias antes 45 dias antes 20 dias antes Até 3 dias antes Até 4 dias Dia final do evento Até 10 dias depois Anual Responsável / / Consultoria Externa / / Projeto Comprador Simples O que é Evento realizado no Brasil em que um potencial ou atual comprador é convidado via para visitar as instalações de uma empresa participante. É realizado sob pedido e planejamento da empresa participante, mediante aprovação de compatibilidade do comprador indicado Principais atores do processo 24

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE SEGMENTAÇÃO. (versão julho 2015)

MANUAL DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE SEGMENTAÇÃO. (versão julho 2015) MANUAL DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE SEGMENTAÇÃO (versão julho 2015) 2 Índice Página CAPÍTULO 1: POLÍTICA DE SEGMENTAÇÃO...03 1.1 Introdução 1.2 A Política de segmentação 1.3 Níveis de segmentação 1.4

Leia mais

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação TERMO DE ADESÃO Para participação em Projetos de Promoção de Exportação A empresa..., de CNPJ n.º..., por seu(s) representante(s) legal(is), adere ao projeto BRAZILIAN PUBLISHERS, proposto à APEX-Brasil

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE SEGMENTAÇÃO. Versão Novembro 2013

MANUAL DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE SEGMENTAÇÃO. Versão Novembro 2013 MANUAL DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE SEGMENTAÇÃO Versão Novembro 2013 1 Índice Página CAPÍTULO 1: POLÍTICA DE SEGMENTAÇÃO 03 1.1 Introdução 1.2 Objetivos 1.3 Níveis 1.4 Competências necessárias vs. benefícios

Leia mais

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação Guideline Copa do Mundo da FIFA 2014 TM Índice O projeto Público-Alvo do Projeto Critérios de Participação Sistema de Convidados Processo de Participação Jogos com Hospitality Pedidos e Alocação As Responsabilidades

Leia mais

Para auxiliar o planejamento estruturado da metodologia de realização do BRASIL TRADE, os seguintes pontos de reflexão estratégica foram observados:

Para auxiliar o planejamento estruturado da metodologia de realização do BRASIL TRADE, os seguintes pontos de reflexão estratégica foram observados: COMO FIZEMOS O BRASIL TRADE ORIENTE MÉDIO O BRASIL TRADE é a ação de promoção de negócios do Projeto Tradings composta por rodadas de negócio entre tradings e comerciais exportadoras brasileiras e compradores

Leia mais

Muito mais que um troféu

Muito mais que um troféu São Paulo, 08 de Julho de 2009. Circular ABISIPA Nº 28/2009 Muito mais que um troféu O Brazilian Beauty Club vai premiar o melhor planejamento estratégico de exportação com a participação em um Simpósio

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

Onde? São Paulo Feira REVESTIR - Transamérica Expo Center. Quando? 09 a 12 de março de 2010

Onde? São Paulo Feira REVESTIR - Transamérica Expo Center. Quando? 09 a 12 de março de 2010 Onde? São Paulo Feira REVESTIR - Transamérica Expo Center Quando? 09 a 12 de março de 2010 Quem? Foram convidados dois grupos de compradores internacionais, um grupo de jornalistas e um grupo de formadores.

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Manual de Procedimentos de Convênios

Manual de Procedimentos de Convênios Manual de Procedimentos de Convênios Esclarecimentos, Orientações e Parâmetros para realização de ações em parceria por meio de convênios com a Apex-Brasil Setembro de 2011 Ficha Técnica Apex-Brasil Agência

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO E COMPETITIVIDADE BELO HORIZONTE

INTERNACIONALIZAÇÃO E COMPETITIVIDADE BELO HORIZONTE INTERNACIONALIZAÇÃO E COMPETITIVIDADE BELO HORIZONTE EXPORTAR É UM MOVIMENTO NATURAL DE CRESCIMENTO EXISTEM MAIS DE 200 PAÍSES ESPERANDO PELO SEU PRODUTO A EXPORTAÇÃO ABRE UM UNIVERSO DE OPORTUNIDADES

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Pós Graduação em Trade Marketing

Pós Graduação em Trade Marketing Pós Graduação em Trade Marketing Público - alvo O curso é dirigido para profissionais de Marketing, Comunicação, Administração e ainda para aqueles que atuem no Varejo ou Indústria nas áreas de Gestão,

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Oriente Médio Fevereiro de 2012

Oriente Médio Fevereiro de 2012 Oriente Médio Fevereiro de 2012 Missão a ser chefiada pelo Ministro Fernando Pimentel 12 a 16 de fevereiro 2012 Riad e Dubai Apex-Brasil Promover a internacionalização das empresas brasileiras Aumentar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultor para a elaboração e execução do Projeto Conceitual e do Planejamento

Leia mais

Classificação por Desempenho no Projeto MERITOCRACIA

Classificação por Desempenho no Projeto MERITOCRACIA Classificação por Desempenho no Projeto MERITOCRACIA Meritocracia é o processo pelo qual as empresas com maiores esforços e engajamento no processo de internacionalização são reconhecidas e favorecidas

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CN DUBAI: o exportador brasileiro mais perto do seu cliente. O objetivo do CN DUBAI é a redução da distância entre exportadores brasileiros e seus clientes

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

Índice O programa Os cursos A adaptação dos conteúdos O novo Convênio O novo programa Cronograma Parcerias locais Montagem das turmas

Índice O programa Os cursos A adaptação dos conteúdos O novo Convênio O novo programa Cronograma Parcerias locais Montagem das turmas Manual Índice 1. O programa 2. Os cursos 3. A adaptação dos conteúdos 4. O novo Convênio 5. O novo programa 6. Cronograma 7. Parcerias locais 8. Montagem das turmas 9. Definição dos cursos 10. Liberação

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

UNIDADE PRESTAÇÃO DE CONTAS

UNIDADE PRESTAÇÃO DE CONTAS UNIDADE PRESTAÇÃO DE CONTAS Fluxo do Processo de Prestação de Contas Workshop de Alinhamento Estratégico São Paulo Maio 2010 PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TÉCNICA FINANCEIRA Unidade

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR

CHAMADA DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR Carta Projeto MDA N 002/2012 IPD Curitiba, 13 de janeiro de 2012. IPD - INSTITUTO DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO CHAMADA DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR Chamada de Seleção de Empreendimentos

Leia mais

COM. 02 - PUBLICAÇÕES

COM. 02 - PUBLICAÇÕES 1 de 9 PUBLICAÇÕES MACROPROCESSO MARKETING E PROCESSO PUBLICAÇÕES - PUBLICAÇÕES 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES A Feira do Empreendedor é promovida pelo Sebrae desde 1992 em todos os estados do país. É considerado o maior evento presencial de

Leia mais

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Proposta de Projeto ANEXO C.1 Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Carta de Encaminhamento Ao (Nome do Agente Financeiro) Encaminhamos, em anexo, a proposta do projeto ao programa INOVACRED.

Leia mais

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing de serviços: Marketing de agronegócios Área: Marketing e Vendas Competências diagnóstico mercadológico; metodologia de análise e segmentação de mercado

Leia mais

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9. Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Numero de Ações 19 Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à

Leia mais

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Público-alvo Indicado para profissionais de comunicação organizacional, relações públicas, assessores de comunicação, gestores de comunicação, bem

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Pilares do Projeto Convênio 2016 2017

Pilares do Projeto Convênio 2016 2017 Pilares do Projeto Convênio 2016 2017 Promoção Comercial Inteligência Comercial Capacitação PILARES Governança Comitê Gestor 2 Governança - Comitê Gestor Formado por integrantes da Apex-Brasil, do Sindipeças

Leia mais

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012.

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012. Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs Campinas, 21 de dezembro de 2012. 2º CHAMADA EDITAL DE SELEÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIO À OPERAÇÃO DOS PORTFÓLIOS DE

Leia mais

Apresentação de projetos na Bahiatursa

Apresentação de projetos na Bahiatursa Apresentação de projetos na Bahiatursa - Orientações - janeiro/2012 Apresentação A Bahiatursa, empresa oficial de turismo do Estado da Bahia, é vinculada à Secretaria de Turismo do Estado e tem como finalidade

Leia mais

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed)

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 18 de agosto de 2015 PALESTRA: Internacionalização dos laboratórios farmacêuticos nacionais: acesso a novos mercados O Projeto A

Leia mais

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA 12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA :: INTRODUÇÃO :: O Grupo Santander Brasil acredita que a educação é a principal ferramenta para construir um mundo sustentável e melhor. Por isso, investe

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL A Brookfield Incorporações é hoje uma das maiores incorporadoras do país. Resultado da integração de três reconhecidas empresas do mercado imobiliário Brascan Residential,

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

O melhor do Brasil para o mundo

O melhor do Brasil para o mundo O melhor do Brasil para o mundo Promoção das exportações de bens e serviços Promover a internacionalização das empresas Atração de investimentos estrangeiros diretos Promoção da Marca Brasil PRINCIPAIS

Leia mais

CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro

CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro Your trade partner in Brazil CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro AGROEX Viçosa, 27 de abril de 2009 Jorge Duarte de Oliveira Diretor 1 Minas Gerais Facts and

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2015. Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRF 2016

CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2015. Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRF 2016 CHAMADA PÚBLICA Nº 04/2015 Seleção de Empresas para Participação na Missão Internacional à NRF 2016 Porto Alegre 2015 2 PREÂMBULO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO

Leia mais

MANUAL DO ASSOCIADO CINEMA DO BRASIL

MANUAL DO ASSOCIADO CINEMA DO BRASIL MANUAL DO ASSOCIADO CINEMA DO BRASIL O que é o Cinema do Brasil O Cinema do Brasil surgiu em 2006 por meio de uma iniciativa do então presidente do SIAESP - Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado

Leia mais

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO I DA CONVOCAÇÃO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins lucrativos, comunica e convida empresas do setor

Leia mais

PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO

PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 6.3b Plano de Internacionalização

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Setembro, 2014 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA AMBIENTE EXTERNO WORKSHOP APRESENTAÇÃO PES AMBIENTE

Leia mais

Ferramentas de Apoio às Exportações

Ferramentas de Apoio às Exportações INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Ferramentas de Apoio às Exportações Roberto Dantas Diretor do Departamento de Planejamento Apresentação 1 Estrutura da SECEX 2 Portal Brasileiro de Comércio Exterior

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX Campinas 16 de abril de 2009. EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX A convida empresas especializadas em

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE LOJA

FRANQUIA MODALIDADE LOJA FRANQUIA MODALIDADE LOJA SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE SUMÁRIO QUEM SOMOS 02 PREMIAÇÕES 03 ONDE ESTAMOS 04 O MODELO QUIOSQUE 06 NOSSO NEGÓCIO 07 MULTIMARCAS 07 MULTISERVIÇOS 08 PERFIL DO FRANQUEADO 09 VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE

Leia mais

BRANDING BRAZILIAN FOOTWEAR COORDENAÇÃO:

BRANDING BRAZILIAN FOOTWEAR COORDENAÇÃO: BRANDING BRAZILIAN FOOTWEAR COORDENAÇÃO: PONTOS DE DIFERENÇA BRANDING ABORDAGEM E DISSEMINAÇÃO AGENDA BRANDING ABORDAGEM O QUE É BRANDING? WORKSHOPS (8 HORAS) 01 outubro 2009 Birigui/ SP 02 outubro 2009

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na competitividade e acesso a mercados, através da articulação

Leia mais

8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO.

8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO. 1 APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL 8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO.

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16 EDITAL DE SELEÇÃO SUMÁRIO 1. Apresentação... 01 2. Objetivo geral... 04 3. Objetivo específico... 04 4. Duração... 04 5. Público-alvo... 04 6. Critérios de seleção dos municípios... 04 7. Contrapartidas

Leia mais

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA -feira EM 2014, A ECONOFARMA RETORNA COM UM NOVO OLHAR SOBRE O VAREJO FARMACÊUTICO CENÁRIO ATUAL O varejo nacional projeta otimismo de crescimento para os

Leia mais

RELATORIO MIDIA ESPONTANEA atualizado 18 nov 2014 Levantamento: LIDE MULTIMIDIA Número de jornalistas participantes: 350 sendo 100 profissionais de mídia nacional Volume total de mídia conquistada: 40.015

Leia mais

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012 Plano Aquarela 2020 Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012 Porto Alegre, 28 de maio de 2012 EMBRATUR - Estrutura Organizacional Presidência Diretoria de Mercados Internacionais

Leia mais

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 13 Tipo: Operações Especiais 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999)

Leia mais

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Início em 28 de Abril de 2016 Aulas as terças e quintas, das 7h às 9h30 Valor do curso: R$ 18.130,00 À vista com desconto: R$ 16.679,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha Fevereiro Março Abril Maio Junho AçÕes 2015 Feira Fruit Logistica* SXSW* Fórum de Eficiência Energética APAS 2015 Europa Alemanha Rússia São Paulo Polônia e Alemanha Dias: 4 a 6 FI Dias: 13 a 17 ME Dias:

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO ESTADÃO PME

REGULAMENTO PRÊMIO ESTADÃO PME REGULAMENTO PRÊMIO ESTADÃO PME 1. O PRÊMIO O Prêmio ESTADÃO PME é uma iniciativa pioneira e única do Grupo Estado e tem como objetivos valorizar as melhores histórias de pequenas e médias empresas e estimular

Leia mais

Especialização em Marketing Digital - NOVO

Especialização em Marketing Digital - NOVO Especialização em Marketing Digital - NOVO Apresentação Previsão de Início Agosto/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O ambiente de negócios tem sido modificado pelas Novas Tecnologias da

Leia mais

Os serviços de Campanha Digital são oferecidos pelo Portal BRASIL POSTOS COMERCIO DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA ME. CNPJ : 08.242.

Os serviços de Campanha Digital são oferecidos pelo Portal BRASIL POSTOS COMERCIO DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA ME. CNPJ : 08.242. 1 2 Apresentação O Portal Brasil Postos é uma plataforma digital desenvolvida para a geração de negócios, relacionamento e informação para o segmento de postos de combustíveis, lubrificação e Lojas de

Leia mais

ANEXO I APÊNDICE I (B) VALOR EM REAL

ANEXO I APÊNDICE I (B) VALOR EM REAL ANEXO I APÊNDICE I 1) Planilha Orçamentária hora / homem: (A) PROFISSIONAL (B) VALOR EM REAL (C) PESO: QUANTIDADE MÍNIMA X 100 (D) VALOR DE REFERÊNCIA (B) x (C) Profissional de Comunicação Máster 400 Profissional

Leia mais