Mapeamento de Processos

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento de Processos"

Transcrição

1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Mapeamento de Processos Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, agosto de 2006.

2 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título do Projeto Mapeamento de Processos Duração Elaboração do projeto básico: Junho a Julho de Elaboração dos Procedimentos Operacionais Padrão: Junho a Agosto de Ajustes no Fluxo de Atendimento das Solicitações de: Correção, Manutenção e Desenvolvimento de Sistemas: Junho a Dezembro de Padronização de Documentação Administrativa da GESIS: Junho a Agosto de Desenvolvimento de sistema de controle de solicitações de atendimento: Junho a Setembro de Definição de interlocutores com áreas técnicas da Anvisa: Junho a Agosto de Custo Estimado Elaboração do Projeto Básico: R$ 0,00 (Equipe GESIS). Elaboração dos Procedimentos Operacionais Padrão: R$ 7.991,23 (Politec). Ajustes no Fluxo de Atendimento das Solicitações de: Correção, Manutenção e Desenvolvimento de Sistemas: R$ 0,00 (Equipe GESIS). Padronização de Documentação Administrativa da GESIS: R$ 0,00 (Equipe GESIS). Desenvolvimento de Sistema de Controle de Solicitações de Atendimento: R$ 0,00 (Equipe GESIS). Definição de Interlocutores com Áreas Técnicas da Anvisa: R$ 0,00 (Equipe GESIS) Área(s) Responsável(is) e participante(s) 1. Diretoria Maria Cecília Martins Brito - DMCMB Titular: Maria Cecília Martins Brito Cargo: Diretora 2

3 2. Gerência-Geral de Gestão do Conhecimento e Documentação - GGCON Titular: Dulcelina Mara Said Pereira Cargo: Gerente Geral 3. Gerência de Sistemas - GESIS Titular: Nelci dos Santos Cargo: Gerente Endereço: SEPN 515, Bloco B, Edifício Ômega - Unidade 1 Brasília (DF) Tel.: +55 (61) Fax: +55 (61) 3

4 2. INTRODUÇÃO 2.1. Antecedentes De acordo com o Art. 92 da Portaria nº 406, de 14 de outubro de 2005, são competências da Gerência de Sistemas: I - gerenciar o desenvolvimento de sistemas informatizados; II - pesquisar, estabelecer e disseminar normas e padrões para o desenvolvimento de sistemas informatizados; III - garantir, em conjunto com a Gerência de Recursos de Informação, a interoperabilidade dos sistemas de informação da Agência; IV - propor normas e critérios para a disseminação de informações automatizadas; V - estabelecer, em atendimento às diretrizes do Comitê de Gestão do Sistema de Informações em Vigilância Sanitária, normas e critérios para o acesso às bases de dados disponíveis; VI - coordenar as atividades de desenvolvimento ou de contratação de desenvolvimento de sistemas de informação para a Anvisa, ou sob a responsabilidade e coordenação da mesma; e VII - elaborar e manter atualizados em área comum a Gerência e a Gerência- Geral os Procedimentos Operacionais Padrão - POP necessários à garantia do funcionamento da Gerência. A Portaria nº 406, de 14 de outubro de 2005, criou a Gerência de Sistemas, porém somente em março de 2006 houve a nomeação de gerente para a área, anteriormente esta área era gerida pelo Gerente Geral. A GESIS está subordinada diretamente à GGCON; presta atendimento à dezoito gerências gerais, além das gerências subordinadas a estas e a 5 diretorias da ANVISA. Mantém interface constante com a GRINF e não possui estruturação definida tendo em vista a sua criação recente. 4

5 GGCON GCOM GESIS GRINF GETEC GETAD UNIDI UNIAP UNDOC Estão sob responsabilidade desta gerência o atendimento de 88 sistemas, sendo 62 em produção (implantados), 26 sem implantação e 6 sistemas em desenvolvimento na Politec (empresa prestadora de serviços contratada). Possui um grande volume de demandas reprimidas de sistemas a serem iniciados. Além destes sistemas desenvolvidos e gerenciados pela Anvisa existem diversos pequenos sistemas desenvolvidos pelas próprias áreas técnicas da Anvisa e outros desenvolvidos por outras instituições como a Bireme e Instituto Stela. A forma de trabalho, que vem sendo desenvolvida por esta área, hoje atual GESIS, apresenta alguns problemas básicos como, por exemplo: Canal de recebimento de demandas Não há um canal único para o recebimento de demandas. As demandas podem ser recebidas por diversos meios (telefone, corporativos e pessoais, pessoalmente, entre outros) e, com isso, há a possibilidade de a mesma demanda ser encaminhada à GESIS mais de uma vez; Usuários externos tomaram conhecimento desse e o utilizam para tirar dúvidas e fazer reclamações gerais relacionadas a todas as áreas da Anvisa. Triagem das demandas Não há um método de triagem das demandas para verificar quais realmente são de responsabilidade da GESIS e se as informações das necessidades estão completas. Classificação das demandas Não há uma classificação das demandas para verificar quais são relacionadas a sistemas novos, a manutenção de sistemas já existentes, a pequenas correções e a treinamentos de usuário final. 5

6 Identificação das demandas As demandas recebidas não têm um padrão de solicitação, o que ocasiona falta de informações para o devido direcionamento das mesmas. Sistemas internos Devido à morosidade no atendimento às solicitações, as áreas criam sistemas internos para atender suas necessidades. Metodologia e padronização de documentação Fluxos de trabalho não definidos; Não há metodologia definida na GESIS, o que dificulta a pesquisa, o estabelecimento e a disseminação de normas e padrões para o desenvolvimento de sistemas informatizados; Não há padronização dos documentos da GESIS; Não há padrão de desenvolvimento de implementação e nem de banco de dados na GESIS, só há padrão de tela; Os sistemas existentes são desenvolvidos em várias linguagens e são utilizados 2 bancos de dados: MS-SQL Server e ORACLE; Falta de fluxos de trabalho definidos na área de interface com a GRINF; Falta de divulgação interna das responsabilidades da GESIS. Monitoramento e controle das demandas Não há um sistema informatizado que monitore e faça o controle das demandas recebidas pela GESIS, quanto a recebimento, providências, e entrega ao demandante, verificação de conformidade do produto entregue ao usuário e sua satisfação ou não do serviço prestado. Hoje este controle é feito manualmente o que causa demora nos atendimentos e muitas vezes dificuldade no rastreamento de determinada demanda. Estes fatos, agregados a outros, têm gerado uma falta de credibilidade da GESIS em toda a Anvisa. A GESIS possui hoje em seu quadro técnico 4 analistas administrativos para atendimento às 18 gerências gerais, além das gerências subordinadas a estas e às 5 diretorias. Cada técnico fica responsável pelo atendimento de uma ou mais áreas. Conta 6

7 também com uma equipe de pessoal terceirizado que contribui com as atividades de suporte para a área perfazendo um total de 15 técnicos. A GESIS é responsável por realizar um estudo de viabilidade e impacto sobre as alterações a serem realizadas nos sistemas da Anvisa, visando dimensionar o trabalho a ser realizado, verificar os riscos envolvidos e a forma de atendimento mais adequada. Fica sobre sua responsabilidade, verificar, por exemplo, se os artefatos produzidos estão de acordo com os padrões pré-definidos de desenvolvimento dos sistemas da ANVISA, entre outros. O atendimento a solicitações encaminhadas ao setor podem ser realizadas por atores diferentes, pois existe a possibilidade de atendimento pela Equipe da GESIS, ou ainda por um Prestador de Serviços Justificativa Para correção dos problemas identificados na avaliação realizada pela Equipe da Gerência de Sistemas, definiu-se pela implementação de um conjunto de ações, definidas em projetos a serem executados no âmbito da Gerência. Estas ações visam melhorar o relacionamento da GESIS com as demais áreas da Anvisa, bem como dar uma maior transparência ao trabalho de desenvolvimento e manutenção de sistemas. Outro aspecto importante a ser observado é a consolidação da GESIS como área responsável regimentalmente pela contratação, em conjunto com a GELOG, de desenvolvimento e manutenção de sistemas de informação. Centralizando, assim nesta Gerência a atividade de acompanhar a contratação, desenvolvimento e manutenção de sistemas, bem como a definição de regras para a disseminação da informação existentes nas bases de dados da Anvisa Descrição do projeto Este projeto é constituído por um conjunto de ações que tem como foco principal: Desenvolver um conjunto de ferramentas e procedimentos para melhorar as atividades desempenhadas pela Gerência de Sistemas, observando as suas competências regimentais, visando melhorar a qualidade do atendimento prestado por esta gerência às demais áreas técnicas da Anvisa. As ações propostas neste projeto são: 7

8 Elaboração dos Procedimentos Operacionais Padrão da GESIS: Definição do fluxo de trabalho da GESIS, definindo as equipes e perfis de técnicos necessários para o bom desenvolvimento das atividades necessárias para ajustar o atendimento junto as áreas técnicas da Anvisa. Ajustes no Fluxo de Atendimento das Solicitações de Correção, Manutenção e Desenvolvimento de Sistemas: Definir um fluxo para receber, atender e posicionar a área técnica quanto a suas solicitações de Padronização de Documentação Administrativa da GESIS: Definir os documentos necessários para as atividades administrativas e realizar a padronização dos documentos administrativos da GESIS. Desenvolvimento de sistema de controle de solicitações de atendimento: Desenvolve um sistema de informação para captar e controlar as solicitações de atendimento para a correção, evolução e desenvolvimento de sistemas de informação, junto às áreas da Anvisa. Definição de interlocutores com áreas técnicas da Anvisa: Identificar interlocutores nas áreas técnicas da Anvisa para atuarem junto a GESIS, a fim de melhorar a comunicação e o controle sobre as solicitações de atendimento de cada área. 8

9 3. OBJETIVOS, RESULTADOS E ATIVIDADES 3.1. Objetivo Geral Desenvolver um conjunto de ferramentas e procedimentos para melhorar as atividades desempenhadas pela Gerência de Sistemas, observando as suas competências regimentais, visando melhorar a qualidade do atendimento prestado por esta gerência às demais áreas técnicas da Anvisa Objetivo(s) Específico(s) Elaboração dos Procedimentos Operacionais Padrão da GESIS; Ajustes no Fluxo de Atendimento das Solicitações de Correção, Manutenção e Desenvolvimento de Sistemas; Padronização de Documentação Administrativa da GESIS; Desenvolvimento de Sistema de Controle de Solicitações de Atendimento; Definição de Interlocutores com Áreas Técnicas da Anvisa; 3.3. Resultados Reuniões técnicas para definição dos procedimentos operacionais padrão da GESIS realizadas; Reuniões técnicas para ajustar os fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas realizadas; Fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas desenhados e detalhados nos procedimentos operacionais padrão da GESIS; Procedimentos operacionais padrão escritos, revisados e sendo executados pela equipe da GESIS; Documentação administrativa da GESIS padronizada e sendo utilizada pela equipe da GESIS; Sistema de informação para controle de solicitações de atendimento desenvolvido, em produção, e sendo utilizado pelos interlocutores das áreas técnicas da Anvisa e pela equipe da GESIS; Interlocutores das áreas técnicas da Anvisa, junto a GESIS, identificados e 9

10 realizando as interlocuções referentes às solicitações de atendimento de sua área técnica Atividades do Projeto Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas para levantamento dos fluxos operacionais padrão da GESIS; Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos operacionais padrão da GESIS; Escrever os procedimentos operacionais padrão da GESIS, definidos nas reuniões técnicas; Revisar os procedimentos operacionais padrão da GESIS; Implantar os procedimentos operacionais na GESIS; Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos; Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos; Elaborar fluxograma para atendimento das solicitações correções, manutenção e desenvolvimento de sistemas; Implantar fluxos de processos para atendimento a solicitações de atendimento de correções, manutenção e desenvolvimento de sistemas; Identificar a documentação administrativa a ser padronizada; Padronizar a documentação administrativa; Elaborar Projeto Básico do sistema de informação para o registro de solicitações de atendimento; Elaborar cronograma para o desenvolvimento do sistema de informação para o registro de solicitação de atendimento; Elaborar padrão visual para o sistema de informação para o registro de solicitações de atendimento; Desenvolver o sistema de informação para o registro de solicitações de Capacitar os interlocutores das áreas da Anvisa, no uso do sistema de informação para registro de solicitações de atendimento; Implantar o sistema de informação para registro de solicitações de 10

11 4. MATRIZ LÓGICA Objetivo geral: Desenvolver um conjunto de ferramentas e procedimentos para melhorar as atividades desempenhadas pela Gerência de Sistemas, observando as suas competências regimentais, visando melhorar a qualidade do atendimento prestado por esta gerência às demais áreas técnicas da Anvisa. Objetivo específico (1): Elaboração dos Procedimentos Operacionais Padrão. INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO PRESSUPOSTOS Resultado 1.1: Reuniões técnicas para definição dos procedimentos operacionais padrão da GESIS realizadas; Reuniões técnicas realizadas. Atas das reuniões Atividades: Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas para levantamento dos fluxos operacionais padrão da GESIS; Cronograma Elaborado. Cronograma impresso. Técnicos da GESIS indicados para participar das reuniões técnicas. Definir responsável pela elaboração do cronograma Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos operacionais padrão da GESIS; Resultado 1.2: Procedimentos operacionais padrão escritos, revisados e sendo executados pela equipe da GESIS; Atividades: Escrever os procedimentos operacionais padrão da GESIS, definidos nas reuniões técnicas; Revisar os procedimentos operacionais padrão da GESIS Implantar os procedimentos operacionais na GESIS Reuniões realizadas. Procedimentos operacionais em execução pela Equipe GESIS. PoP`s escritos. PoP`s revisados. PoP s implantados. Atas das reuniões. Avaliação da execução dos procedimentos operacionais padrão pela equipe da GESIS. Documentação dos PoP`s. Documentação Revisada dos PoP`s. Avaliação das atividades da Equipe da GESIS.. Técnicos da GESIS disponíveis para participar das reuniões técnicas. Definição das equipes da GESIS e distribuição das atividades previstas nos Procedimentos Operacionais Padrão. Definição da Equipe Técnica responsável pela escrita e revisão dos PoP s. Divisão das atividades previstas nos PoP s para a equipe da GESIS. Objetivo específico (2): Ajustes no Fluxo de Atendimento das Solicitações de Correção, Manutenção e Desenvolvimento de Sistemas. INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO PRESSUPOSTOS Resultado 2.1: Reuniões técnicas para ajustar os fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas, realizadas; Reuniões técnicas realizadas. Atas das reuniões. Técnicos da GESIS indicados para participar das reuniões técnicas. 11

12 Atividades: Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos; Cronograma Elaborado. Cronograma Impresso. Definir responsável pela elaboração do cronograma Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos; Resultado 2.2: Fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas desenhados e detalhados nos procedimentos operacionais padrão da GESIS, Atividades: Elaborar fluxograma para atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas. Reuniões realizadas. Fluxos de atendimento sendo executados pela Equipe GESIS. Fluxograma elaborado. Atas de reunião. Relatório de avaliação da execução dos fluxos de atendimento executados pela equipe da GESIS. Fluxograma impresso. Técnicos da GESIS disponíveis para participar das reuniões técnicas. Definição das equipes da GESIS e distribuição das atividades previstas nos Fluxos definidos para atendimento das solicitações das áreas da Anvisa. Técnico capacitado para a elaboração do fluxograma Implantar fluxos de processos para atendimento a solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas. Fluxos e processos implantados. Avaliação das atividades da Equipe GESIS. Equipe técnica da GESIS capacitada nos processos / atividades previstas no fluxograma. Objetivo específico (3): Padronização de Documentação Administrativa da GESIS. MEIOS DE INDICADORES PRESSUPOSTOS VERIFICAÇÃO Resultado 3.1: Documentação administrativa da GESIS padronizada e sendo utilizada pela Equipe da GESIS; Atividades: Identificar a documentação administrativa a ser padronizada. Documentos administrativos padronizados e em uso pela equipe GESIS Lista de documentos administrativos a padronizar. Relatório de avaliação do uso dos documentos administrativos pela Equipe GESIS. Lista de documentos administrativos impressa. Definição pela Gerência da GESIS dos documentos administrativos a serem padronizados. Documentos administrativos identificados Padronizar a documentação administrativa. Documentos administrativos padronizados. Documentos administrativos impressos. Objetivo específico (4): Desenvolvimento de Sistema de Controle de Solicitações de Atendimento. INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO PRESSUPOSTOS Resultado 4.1: Sistema de informação para controle de solicitações de atendimento desenvolvido, em produção, e sendo utilizado pelos interlocutores das áreas técnicas da Anvisa e pela equipe da GESIS; Interlocutores registrando solicitações de atendimento no sistema. Solicitações de atendimento registradas. Interlocutores das áreas técnicas identificados. 12

13 Atividades: Elaborar Projeto Básico do sistema de informação para o registro de solicitações de Projeto básico do sistema de informação elaborado. Projeto básico impresso. Analista de sistemas da GESIS alocado para elaboração do projeto básico Elaborar cronograma para o desenvolvimento do sistema de informação para o registro de solicitação de Cronograma de desenvolvimento do sistema de informação elaborado. Cronograma impresso. Analista de sistemas da GESIS alocado para elaboração do cronograma Elaborar padrão visual para o sistema de informação para o registro de solicitações de Padrão visual do sistema de informação definido. Documentação do padrão visual impressa. Webdesigner alocado para elaboração do padrão visual Desenvolver o sistema de informação para o registro de solicitações de Capacitar os interlocutores das áreas da Anvisa, no uso do sistema de informação para registro de solicitações de Sistema de informação desenvolvido. Interlocutores capacitados no uso do sistema de informação. Documentação do sistema impressa. Registro de capacitação dos interlocutores. Equipe de analistas e programadores alocados para o desenvolvimento do sistema. Analista disponível para capacitação dos interlocutores Implantar o sistema de informação para registro de solicitações de Sistema de registro de solicitações em produção. Sistema instalado em servidor de produção. Servidores (GRINF) disponíveis para implantação do sistema Objetivo específico (5): Definição de Interlocutores com Áreas Técnicas da Anvisa. INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO PRESSUPOSTOS Resultado 5.1: Interlocutores das áreas técnicas da Anvisa, junto a GESIS, identificados e realizando as interlocuções referentes às solicitações de atendimento de sua área técnica. Interlocutores identificados e realizando solicitações de atendimento a GESIS. Interlocuções realizadas junto a GESIS. Gerentes-Gerais indicarem os interlocutores de suas áreas técnicas. Atividades: Elaborar e enviar memorando para ás áreas da Anvisa solicitando a identificação dos interlocutores. Memorando elaborado. Memorando impresso e encaminhado às áreas técnicas. Memorandos encaminhados para todas as Gerências- Gerais e Assessorias Listar interlocutores indicados pelas áreas técnicas da Anvisa. Lista de interlocutores indicados pelas áreas técnicas elaborada. Lista impressa dos interlocutores indicados. Formalização dos interlocutores das áreas técnicas Indicadores Reuniões técnicas realizadas; Cronograma elaborado; 13

14 Atas de reunião elaboradas: Procedimentos operacionais em execução pela Equipe GESIS; Procedimentos operacionais padrão (PoP`s) escritos; Procedimentos operacionais padrão (PoP`s) revisados; Procedimentos operacionais padrão (PoP`s) implantados; Avaliação da execução dos procedimentos operacionais padrão pela equipe da GESIS; Fluxograma elaborado; Fluxos e processos implantados; Fluxos de atendimento sendo executados pela Equipe GESIS; Avaliação da execução dos fluxos de atendimento executados pela equipe da GESIS; Lista de documentos administrativos a padronizar; Documentos administrativos padronizados; Documentos administrativos padronizados e em uso pela equipe GESIS; Projeto básico do sistema de informação elaborado; Cronograma de desenvolvimento do sistema de informação elaborado Padrão visual do sistema de informação definido; Sistema de informação desenvolvido; Interlocutores capacitados no uso do sistema de informação; Sistema de registro de solicitações em produção; Interlocutores registrando solicitações de atendimento através do sistema de informações; Memorando elaborado; Lista de interlocutores indicados pelas áreas técnicas elaborada; Interlocutores identificados e realizando solicitações de atendimento a GESIS Meios de Verificação Atas de reuniões técnicas; Cronograma impresso; Avaliação da execução dos procedimentos operacionais padrão pela equipe da GESIS; Documentação dos PoP`s (Procedimentos Operacionais Padrão); 14

15 Documentação revisada dos PoP`s (Procedimentos Operacionais Padrão); Relatório de avaliação das atividades da Equipe da GESIS; Relatório de avaliação do uso dos documentos administrativos pela Equipe GESIS; Lista de documentos administrativos impressa; Documentos administrativos impressos; Solicitações de atendimento registradas; Projeto básico impresso; Documentação do padrão visual impressa; Documentação do sistema impressa; Registro de capacitação dos interlocutores; Sistema instalado em servidor de produção; Memorando impresso e encaminhado às áreas técnicas; Lista impressa dos interlocutores indicados; Interlocuções realizadas junto a GESIS; 4.3. Pressupostos Pessoal da GESIS indicado para participar das reuniões sobre os PoP s; Definir responsável pela elaboração do cronograma; Técnicos da GESIS disponíveis para participar das reuniões técnicas; Definição das equipes da GESIS e distribuição das atividades previstas nos Procedimentos operacionais padrão; Definição da Equipe Técnica responsável pela escrita e revisão dos PoP s; Divisão das atividades previstas nos PoP s para a equipe da GESIS; Definição das Equipes da GESIS e distribuição das atividades previstas nos Fluxos definidos para atendimento das solicitações das áreas da Anvisa; Técnico capacitado para a elaboração do fluxograma; Equipe técnica da GESIS capacitada nos processos / atividades previstas no fluxograma; Definição pela Gerência da GESIS dos documentos administrativos a serem padronizados; Documentos administrativos identificados; Interlocutores das áreas técnicas identificados; Analista de sistemas da GESIS alocado para elaboração do projeto básico; Analista de sistemas da GESIS alocado para elaboração do cronograma; 15

16 Web designer alocado para elaboração do padrão visual; Equipe de analistas e programadores alocados para o desenvolvimento do sistema; Analista disponível para capacitação dos interlocutores; Servidores disponíveis para implantação do sistema; Gerentes-Gerais indicarem os interlocutores de suas áreas técnicas; Memorandos encaminhados para todas as Gerências-Gerais e Assessorias; Formalização dos interlocutores das áreas técnicas; 16

17 5. Cronograma de execução RESULTADOS E ATIVIDADES Ano/Trimestre Jun. Jul Ago Set Resultado 1.1: Reuniões técnicas para definição dos procedimentos operacionais padrão da GESIS realizadas. Atividade 1.1.1: Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas para levantamento dos fluxos operacionais padrão da GESIS. Atividade 1.1.2: Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos operacionais padrão da GESIS. RESULTADOS E ATIVIDADES Ano/Trimestre Jun. Jul Ago Set Resultado 1.2: Procedimentos operacionais padrão escritos, revisados e sendo executados pela equipe da GESIS. Atividade 1.2.1: Escrever os procedimentos operacionais padrão da GESIS, definidos nas reuniões técnicas. Atividade 1.2.2: Revisar os procedimentos operacionais padrão da GESIS. Atividade 1.2.3: Implantar os procedimentos operacionais na GESIS. RESULTADOS E ATIVIDADES Ano/Trimestre Jun. Jul Ago Set Resultado 2.1: Reuniões técnicas para ajustar os fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas, realizadas. Atividade 2.1.1: Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos. Atividade 2.1.2: Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos. RESULTADOS E ATIVIDADES Ano/Trimestre Jun. Jul Ago Set Resultado 2.2: Fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas desenhados e detalhados nos procedimentos operacionais padrão da GESIS, Atividade Elaborar fluxograma para atendimento das solicitações correções, manutenção e desenvolvimento de sistemas. 17

18 Atividade 2.2.2: Implantar fluxos de processos para atendimento a solicitações de atendimento de correções, manutenção e desenvolvimento de sistemas. RESULTADOS E ATIVIDADES Ano/Trimestre Jun. Jul Ago Set Resultado 3.1: Documentação administrativa da GESIS padronizada e sendo utilizada pela Equipe da GESIS; Atividade Identificar a documentação administrativa a ser padronizada. Atividade Padronizar a documentação administrativa. RESULTADOS E ATIVIDADES Ano/Trimestre Jun. Jul Ago Set Resultado 4.1: Sistema de informação para controle de solicitações de atendimento desenvolvido, em produção, e sendo utilizado pelos interlocutores das áreas técnicas da Anvisa e pela equipe da GESIS Atividade Elaborar Projeto Básico do sistema de informação para o registro de solicitações de Atividade Elaborar cronograma para o desenvolvimento do sistema de informação para o registro de solicitação de Atividade Elaborar padrão visual para o sistema de informação para o registro de solicitações de Atividade Desenvolver o sistema de informação para o registro de solicitações de Atividade Capacitar os interlocutores das áreas da Anvisa, no uso do sistema de informação para registro de solicitações de Atividade Implantar o sistema de informação para registro de solicitações de Resultado 5.1: Interlocutores das áreas técnicas da Anvisa, junto a GESIS, identificados e realizando as interlocuções referentes às solicitações de atendimento de sua área técnica. Atividade Elaborar e enviar memorando para ás áreas da Anvisa solicitando a identificação dos interlocutores. Atividade Listar interlocutores indicados pelas áreas técnicas da Anvisa. 18

19 6. Orçamento RECURSO QUANTIDADE VALORES FONTE Resultado 1.1: Reuniões técnicas para definição dos procedimentos operacionais padrão da GESIS realizadas. Atividade 1.1.1: Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas para levantamento dos fluxos operacionais padrão da GESIS. Atividade 1.1.2: Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos operacionais padrão da GESIS. Analista de negócio Analista de negócio / Técnico da GESIS Um R$ 0,00 Politec Três R$ 0,00 GESIS / Politec Total Resultado 1.1 R$ 0,00 Resultado 1.2: Procedimentos operacionais padrão escritos, revisados e sendo executados pela equipe da GESIS. Atividade 1.2.1: Escrever os Analista de Dois R$ 3.609,65 Politec procedimentos operacionais padrão Negócio da GESIS, definidos nas reuniões técnicas. Atividade 1.2.2: Revisar os procedimentos operacionais padrão da GESIS. Atividade 1.2.3: Implantar os procedimentos operacionais na GESIS. Técnico da GESIS Técnicos da GESIS Dois R$ 0,00 GESIS 1 Gerente; Toda a Equipe Técnica da GESIS; Total Resultado 1.2 R$ 3.609,65 R$ 0,00 GESIS Resultado 2.1: Reuniões técnicas para ajustar os fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas, realizadas. Atividade 2.1.1: Elaborar cronograma para a realização de reuniões técnicas Analista de Negócio Um R$ 0,00 Politec para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos. Atividade 2.1.2: Realizar as reuniões técnicas para definição dos fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas novos. Analista de negócio / Técnico da GESIS Três R$ 0,00 GESIS e Politec Total Resultado 2.1 R$ 0,00 Resultado 2.2: Fluxos de atendimento das solicitações de correção, manutenção e desenvolvimento de sistemas desenhados e detalhados nos procedimentos operacionais padrão da GESIS, Atividade Elaborar fluxograma para atendimento das solicitações Analista de Negócio Um R$ 4.381,58 Politec correções, manutenção e desenvolvimento de sistemas. 19

20 Atividade 2.2.2: Implantar fluxos de processos para atendimento a solicitações de atendimento de correções, manutenção e desenvolvimento de sistemas. Total Resultado 2.2 Técnicos da GESIS 1 Gerente; Toda a Equipe Técnica da GESIS; R$ 0,00 GESIS Resultado 3.1: Documentação administrativa da GESIS padronizada e sendo utilizada pela Equipe da GESIS; Atividade Identificar a Técnico da Um R$ 0,00 GESIS documentação administrativa a ser GESIS padronizada. Atividade Padronizar a Analista de Dois R$ 0,00 GESIS documentação administrativa. Negócio Total Resultado 3.1 R$ 0,00 Resultado 4.1: Sistema de informação para controle de solicitações de atendimento desenvolvido, em produção, e sendo utilizado pelos interlocutores das áreas técnicas da Anvisa e pela equipe da GESIS. Atividade Elaborar Projeto Analista de Dois R$ 0,00 GESIS Básico do sistema de informação para Sistemas o registro de solicitações de Atividade Elaborar cronograma para o desenvolvimento do sistema de informação para o registro de solicitação de Atividade Elaborar padrão visual para o sistema de informação para o registro de solicitações de Atividade Desenvolver o sistema de informação para o registro de solicitações de Atividade Capacitar os interlocutores das áreas da Anvisa, no uso do sistema de informação para registro de solicitações de Atividade Implantar o sistema de informação para registro de solicitações de Analista de Sistemas Um R$ 0,00 GESIS Web designer Um R$ 0,00 GESIS Equipe de Desenvolvimento Analista de Sistemas Equipe de Produção Um Analista de Sistemas; Dois Programadores R$ 0,00 GESIS Um R$ 0,00 GESIS Um R$ 0,00 GESI / GRINF Total Resultado 4.1 R$ 0,00 Resultado 5.1: Interlocutores das áreas técnicas da Anvisa, junto a GESIS, identificados e realizando as interlocuções referentes às solicitações de atendimento de sua área técnica. Atividade Elaborar e enviar memorando para ás áreas da Anvisa Técnico da GESIS Um R$ 0,00 GESIS solicitando a identificação dos interlocutores, Atividade Listar interlocutores indicados pelas áreas técnicas da Anvisa. Técnico da GESIS Um R$ 0,00 GESIS Total Resultado 5.1 R$ 0,00 Total Geral R$ 7.991,23 20

21 7. AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO Elaboração de relatórios parciais a cada 15 (quinze) dias, a partir da data de início da elaboração do projeto. Elaboração de relatório final indicando os resultados alcançados pelo projeto e os problemas enfrentados. 21

Padronização de Documentação de Sistemas. Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN e ANVISA

Padronização de Documentação de Sistemas. Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN e ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Padronização de Documentação de Sistemas Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN e ANVISA Brasília, junho de 2006. 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

Sistema de Informação em Vigilância Sanitária

Sistema de Informação em Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Sistema de Informação em Vigilância Sanitária Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Desenvolvimento de Sistemas Gerência-Geral de Gestão em Tecnologia

Leia mais

DESENVOLVER SISTEMAS 1 OBJETIVO

DESENVOLVER SISTEMAS 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe Departamento de s de Informação (DESIS) DESENVOLVER SISTEMAS Analisado por: Departamento de s de Informação (DESIS) Aprovado por: Diretor-Geral de Tecnologia da Informação (DGTEC)

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA PÚBLICA Canal de escuta que tem como foco a aproximação do cidadão com o poder público visando a garantia de direitos e promoção da cidadania.

Leia mais

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Padrão N : 7.3 Estabelecido em: 28/06/2011 Revisado em: 28/06/2011 N da Revisão: 00 Setor: NCP (Núcleo de Controle de Produtos) Tarefa: Padronização de procedimentos internos

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO GSI/PR NA

A EXPERIÊNCIA DO GSI/PR NA A EXPERIÊNCIA DO GSI/PR NA IMPLANTAÇÃO DO SEI 29 JUN 2015 Agenda O GSI/PR Cronogramas de implantação do SEI Normativos criados Estratégias de implantação Desafios e dificuldades Contribuições do GSI/PR

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Projeto Você pede, eu registro.

Projeto Você pede, eu registro. Projeto Você pede, eu registro. 1) IDENTIFICAÇÃO 1.1) Título do Projeto: Você pede eu registro. 1.2) Equipe responsável pela coordenação do projeto: Pedro Paulo Braga Bolzani Subsecretario de TI Antonio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 02 28 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Disseminação e Conscientização O Ministério dos Transportes está realizando reuniões diárias para

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

Manual Básico do Usuário. Monitoramento de Iniciativas Estratégicas. Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020

Manual Básico do Usuário. Monitoramento de Iniciativas Estratégicas. Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020 Manual Básico do Usuário Monitoramento de Iniciativas Estratégicas Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020 Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário Planejamento Estratégico Anvisa 2010 a 2020:... 4 Supervisão

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NORMA TÉCNICA DE SISTEMAS I. CONTROLE DA NORMA Data de elaboração da Norma: Janeiro/2012 Versão da Norma: Versão 1.0 Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação: Alberto Cezar de Carvalho Número: 001/2012

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

Preparado por Subcomissão de Resíduos Sólidos Versão: 01 Aprovado por Dra. Elaini C. Trevisan 18/05/12

Preparado por Subcomissão de Resíduos Sólidos Versão: 01 Aprovado por Dra. Elaini C. Trevisan 18/05/12 Ampliação da Coleta Seletiva para sedes do MPGO no interior do Estado de Goiás e aperfeiçoamento do gerenciamento de resíduos sólidos da Sede da PGJ TERMO DE ABERTURA Preparado por Subcomissão de Resíduos

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS

SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS SICONV UM NOVO PARADIGMA NAS TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO: TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS TAHOMA NEGRITO 16 ASSINATURAS SICONV O SICONV inaugurou uma nova era na gestão pública,

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 02/04/2014 1.0 Versão Inicial Ewertton Bravo 27/08/2014 1.1 Alteração da Imagem

Leia mais

Gestão de Segurança a da. Estadual da Bahia

Gestão de Segurança a da. Estadual da Bahia Gestão de Segurança a da Informação no Governo Estadual da Bahia 1 www.fortic.ba.gov.br Fatores motivadores. Crescente aumento das ameaças eletrônicas e o maior uso de Tecnologia da Informação nas transações

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº X.XX.XXX.XX

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº X.XX.XXX.XX Versão:.0 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº X.XX.XXX.XX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ NUCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO Versão Nº.0 Data da Revisão 05/06/05 Data de

Leia mais

BRASÍLIA, NOVEMBRO DE 2012

BRASÍLIA, NOVEMBRO DE 2012 TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa para prestação de serviços de produção e revisão de leiaute (webdesign) e navegação, bem como desenvolvimento de HTML e CSS. A empresa irá aprimorar as telas

Leia mais

Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral da União

Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral da União ANEXO I DA PORTARIA Nº 293, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 (Alterado pela Portaria 147 de 31/01/2011). Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 11 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre fluxos, métodos e procedimentos de governança do Sistema Único. O SECRETÁRIO-GERAL DO MINISTÉRIO

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

Tema: Sustentabilidade Financeira Objetivo Estratégico: Gerir Recursos Financeiros de Forma Eficiente

Tema: Sustentabilidade Financeira Objetivo Estratégico: Gerir Recursos Financeiros de Forma Eficiente 1. Escopo ou finalidade do projeto Implantar uma sistemática de gestão de custos, objetivando o fornecimento de informações estratégicas de gastos segmentados por unidades de custos. O sistema deverá permitir

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Sumário 1. Acesso ao sistema... 3 2. Funcionalidades do sistema... 5 3. Como tratar manifestações... 14 3.1 Detalhar...

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

HOSPITAL SANTA CRUZ MANTENEDORA: APESC PROPOSTA DE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

HOSPITAL SANTA CRUZ MANTENEDORA: APESC PROPOSTA DE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA HOSPITAL SANTA CRUZ MANTENEDORA: APESC PROPOSTA DE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria do Hospital Santa Cruz é um elo de ligação entre seus públicos interno e externo

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO BOLETIM

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO 1. Apresentação O Programa de Avaliação de Desempenho constitui um processo pedagógico, coletivo

Leia mais

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP 1. OBJETIVOS Apresentar as diretrizes básicas e os procedimentos institucionais necessários à realização das atividades de treinamento. 2. DEFINIÇÕES 2.1. Treinamento

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Sumário 1. Introdução...3 2. Finalidade...3 3. Âmbito de Aplicação...3 4. Responsabilidades...3 5. Diretrizes Gerais...3 6. Classificação Contábil da

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS RELATÓRIO DE GESTÃO DA DIRETORIA DA FANUT REFERENTE AO PERÍODO DE 2011-2012: Estruturando a Faculdade de Nutrição como Unidade Acadêmica no âmbito da UNIFAL-MG DIRETORIA: Profa. Cristina Garcia Lopes Diretora

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

Melhorias na Gestão do Fale Conosco do Website do CDTN

Melhorias na Gestão do Fale Conosco do Website do CDTN Melhorias na Gestão do Fale Conosco do Website do CDTN Soares, Wellington Antonio Chefe do Serviço de Comunicação soaresw@cdtn.br Câmara, Fábio de Souza Técnico camaraf@cdtn.br Cristóvão, Marilia Tavares

Leia mais

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Castanhal Faculdade de Sistemas de Informação Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Elisiane M. Soares,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 14/09/2012-16:47:15 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior O PDTI 2014 / 2015 contém um conjunto de necessidades, que se desdobram em metas e ações. As necessidades elencadas naquele documento foram agrupadas

Leia mais

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP.

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. Nesta fase busca-se o refinamento dos objetivos do projeto e detalhamento do melhor caminho

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 13 Índice 1. FLUXO DO PPS - PROCESSO DE PROPOSTA DE SOLUÇÃO... 3 2. SOBRE ESTE DOCUMENTO... 4 2.1 GUIA DE UTILIZAÇÃO...

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Serviços e Cidadania

Mostra de Projetos 2011. Serviços e Cidadania Mostra de Projetos 2011 Serviços e Cidadania Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Instituto GRPCOM Cidade: Londrina.

Leia mais

RELÁTORIO CENSO 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal do Amapá UNIFAP Pró-Reitoria de Planejamento PROPLAN

RELÁTORIO CENSO 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal do Amapá UNIFAP Pró-Reitoria de Planejamento PROPLAN RELÁTORIO CENSO 2015 Este relatório de atividades referente ao censo com ano de referencia 2014 descreve as tarefas realizadas, dificuldades encontradas e possíveis soluções para a realização do próximo

Leia mais

MANUAL DE ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES

MANUAL DE ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DO ESPÍRITO SANTO ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DAS UNIDADES GESTORAS E OPERACIONAIS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO MANUAL DE ATRIBUIÇÕES E

Leia mais

Anexo 10 Diretrizes de Governança

Anexo 10 Diretrizes de Governança Anexo 10 Diretrizes de Governança i 1 INTRODUÇÃO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 3 ASSESSORIA TÉCNICA... 2 4 ESTRUTURA DOS COMITÊS... 2 ii 1 INTRODUÇÃO O presente Anexo tem como objetivo definir as diretrizes

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up

Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso. 29 de julho de 2011 Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up Tiago Lima Coordenador de Auditoria Forjas

Leia mais

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça Termo de Referência Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas 1. Grupo Interministerial

Leia mais

Gestão de Projetos. Treinamento dos APGE s. Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF

Gestão de Projetos. Treinamento dos APGE s. Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF 2014 Gestão de Projetos Treinamento dos APGE s Procuradoria Geral da República PGR Weslei Gomes de Sousa, PMP Coordenador de Gestão de Projetos AMGE/SG/MPF Escritório de Projetos do MPF Assessoria de Modernização

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho PUBLICIDADE IT. 40 09 1 / 4 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para a execução das atividades de publicidade do Crea GO. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PO. 08 Avaliação da satisfação do cliente 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS ASSISTENTE

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS ASSISTENTE COMPETÊNCAS ESPECÍFCAS SSTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS - SEBRAE / TO UNDADE: GESTÃO ESTRATÉGCA PROCESSO: GESTÃO DO CONHECMENTO COMPETÊNCAS ESPECÍFCAS 1. Desenvolvimento da gestão do no 2. Promoção de estratégias

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS 1. Dúvidas Gerais Pergunta: Os processos e metodologias de avaliação de riscos do Banco estão definidos e implantados?

Leia mais

ATO Nº 31/2014. CONSIDERANDO a implementação do sistema eletrônico de gestão integrada da área administrativa, denominado sistema E-mpac,

ATO Nº 31/2014. CONSIDERANDO a implementação do sistema eletrônico de gestão integrada da área administrativa, denominado sistema E-mpac, ATO Nº 31/2014 Dispõe sobre a gestão de processos no âmbito do Ministério Público do Estado do Acre ACRE, no uso de suas atribuições legais, O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CONSIDERANDO a execução

Leia mais

Estabelecer um parâmetro para o mapeamento dos processos operacionais da universidade.

Estabelecer um parâmetro para o mapeamento dos processos operacionais da universidade. Unidade Processo Universidade Federal da Bahia Superintendência de Avaliação e Desenvolvimento Institucional Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional 1 de 5 Glossário de Siglas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

A ferramenta que você necessitava para seu Buffet Infantil.

A ferramenta que você necessitava para seu Buffet Infantil. A ferramenta que você necessitava para seu Buffet Infantil. O SeuBuffet é um software que foi criado para facilitar e gerenciar a contratação dos serviços de buffets infantis. O Software surgiu da parceria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

Resultado da Pesquisa

Resultado da Pesquisa Pesquisa de Satisfação do Cliente Resultado da Pesquisa Primeiro e Segundo Semestre de 2012 Nos meses de Junho e Novembro/2012 a Datamace realizou pesquisas para avaliar o grau de satisfação dos serviços

Leia mais

Ato da Mesa N 69/2013

Ato da Mesa N 69/2013 À Assessoria de Projetos e Gestão compete: Ato da Mesa N 69/2013 Anexo I 1. assessorar o Diretor-Geral a promover, planejar, coordenar, acompanhar e orientar a implementação da melhoria contínua ~ gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI CENTRAL DE SERVIÇOS

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI CENTRAL DE SERVIÇOS 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI CENTRAL DE SERVIÇOS 2 INTRODUÇÃO A Central de Serviços é uma função e não um processo. Principal interface operacional entre a área de TI e os seus usuários de serviços.

Leia mais