GESTÃO ESCOLAR E AS PERSPECTIVAS QUE INTERFEREM NA GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO ESCOLAR E AS PERSPECTIVAS QUE INTERFEREM NA GESTÃO"

Transcrição

1 GESTÃO ESCOLAR E AS PERSPECTIVAS QUE INTERFEREM NA GESTÃO RESUMO ZANZARINI, Maria Pinheiro 1 YOSHIDA, Sônia Maria Pinheiro A escola atualmente vivencia a gestão democrática escolar através do compartilhamento de tarefas para atingir os objetivos propostos. O papel do administrador era o de mero executor das tarefas. Atualmente a gestão escolar passa a estimular que a equipe tenha autonomia motivando o autogerenciamento. Assim, no contexto de gestão democrática é necessário ter como objetivo proporcionar a todos envolvidos no processo escolar, um ambiente favorável através do planejamento, da comunicação, da liderança e da motivação. Para o gestor desenvolver seu trabalho necessita da participação de todos. A tarefa do trabalho coletivo é difícil porém na maioria dos casos apresenta resultados satisfatórios na realização das ações. Palavras chaves: Gestão escolar Planejamento - comunicação, liderança e motivação SCHOOL MANAGEMENT AND PROSPECTS TO INTERFERE IN THE MANAGEMENT ABSTRACT The school currently democratic school management experiences through the sharing of tasks to achieve the proposed objectives. The role of the administrator was the executor of mere tasks. Currently the school management is encouraging that the team has autonomy motivating self-management. Thus, in the context of democratic management is required to provide all school involved in the process, a favourable environment through the planning, communication, leadership and motivation. For the Manager to develop their work requires the participation of all.the task of the collective work is hard but in most cases satisfactory results in the implementation of actions. Keywords:School Management-Planning-communication, leadership and motivation 1 Professoras Mestres das Faculdades Integradas Mato-Grossenses de Ciências Sociais e Humanas

2 A institucionalização da democracia e o aprimoramento da eficiência e da qualidade da educação, têm sido para estimular as mudanças na forma de gerenciar as escolas. Porem para aprimorar a forma de gerir a educação faz-se necessário maior interesse por parte do poder publico no gerenciamento do sistema para que possa garantir o bem estar de todos os brasileiros no contexto cultural, social e econômico. O entendimento do conceito de gestão pressupõe a idéia de participação do trabalho associados às pessoas em conjunto. A idéia do êxito de uma organização depende do trabalho e da vontade coletiva, e para que isto aconteça o diálogo é fundamental para que as pessoas se conheçam se aproximem, participem e trabalhem na busca do bem comum de toda a comunidade escolar. A gestão escolar indica análise dos componentes da organização da escola, dos educadores, dos educandos. A organização de escola se apresenta como uma estrutura tradicionalmente burocratizada e relativamente autônoma. Segundo Belotto (1999, p. 18)... Quatro perspectivas de gestão, que podem ser assim distinguidas: a perspectiva burocrática, a perspectiva participativa, a perspectiva de conflito e a perspectiva cultural. A perspectiva burocrática na administração escolar inspirada nos estudos de Max Weber, os objetivos são determinados pela instituição obedecendo a uma hierarquia. O administrador é o que toma as iniciativas e estabelece os objetivos. O controle do ambiente e dos recursos tecnológicos permite uma gestão racionalizada, hierarquizada. A administração burocrática preocupa se em cumprir suas funções ao pé da letra exige que todos os regulamentos sejam cumpridos em conformidade com as exigências da

3 hierarquia superior. Exige o bom funcionamento para manter a organização da instituição não admitindo e reduzindo na medida do possível os conflitos e as transformações. Os conflitos são resolvidos pelas autoridades competentes. As reuniões são formais para transmitir fatos, informações e tomadas de decisões de forma hierarquizada, o coletivo não participa na tomada de decisões. Na perspectiva participativa a administração escolar tem por objetivo oferecer uma visão integradora para a comunidade escolar onde todos os membros são responsáveis pelas tomadas de decisões. O processo da tomada das decisões busca a participação para atingirem os objetivos do coletivo da escola. A escola faz opção por uma educação democrática a meta é a igualdade de condições e acesso a educação. Podem-se observar os pequenos avanços na educação através da autonomia da escola para elaborar o Plano de Desenvolvimento Escolar (PDE) que e um processo gerencial de planejamento para a melhoria da qualidade do ensino. O PDE e elaborado com a participação da comunidade escolar define o que, onde, como e quais os recursos existentes que a escola pretende e pode realizar, tanto na infra estrutura quanto com materiais de consumo e permanente para questões administrativas e pedagógicas. Através da participação pode ocorrer a eliminação do autoritarimo e das diferenças entre dirigentes e dirigidos buscando através das ações coletivas fortalecerem a comunidade escolar para renovar a escola através da melhoria do ensino e da sociedade. Observa-se que o processo de gestão democrática tem objetivado resolver os assuntos diários na condução do processo pedagógico e das atividades pedagógicas e administrativas responsabilizando pela organização e condução do ensino. Lembrando que

4 a escola não pode ferir a Constituição Federal e a Constituição Estadual bem como as políticas definidas para a Educação. A escola autônoma tem limites de poder porque esta incluída em um sistema que para funcionar têm objetivos e estruturas comuns por isso e necessário ter conhecimento sobre o seu modo de funcionamento bem como as mudanças organizacionais e as condições de autonomia. A descentralização é tema recorrente na área da administração a Gestão escolar e um dos termos utilizados para descrever a abordagem participativa e a descentralização do sistema de ensino. A perspectiva de conflito na escola aparece e se redistribui do ou o poder. Os objetivos organizacionais são determinados mediante alianças e negociações entre os grupos. Os conflitos acontecem porque os grupos têm objetivos, percepção, postura e valores diferentes. Os conflitos quando maus administrados geram problemas na organização escolar. Segundo La Torre O conflito é uma oposição de interesses entre duas ou mais partes, um estado de desarmonia que se produz em um grupo social (ou entre pessoas) em que acontecem relações e/ou atividades que envolvem:. Perseguir objetivos diferentes, incompatíveis com aqueles da instituição. Manter opiniões divergentes sobre temas básicos. Forças diferentes aspirando ao poder. Uma estrutura que incita à excessiva competição. Uma invasão do papel ou da função de uma das partes pela outra. A necessidade de recursos, quando estes são escassos. O choque entre modos de ser, que leva a incompatibilidade de personalidade. ( LA TORRE 2002, 161) Os conflitos nas escolas geralmente são tratados com repressão não sendo permitido o conflito aflorar, pois ele é tolhido e não favorece o dialogo para superar o mesmo. No âmbito institucional o conflito estabelece a situação de quem perde deve ceder

5 diante da autoridade superior de maior poder gerando assim insatisfação. O trabalho coletivo pode amenizar os conflitos. A perspectiva cultural a escola é um espaço que evidencia a interação entre os indivíduos, responsabilidade, e a negociação. Os grupos são responsáveis pelos elementos construtivos da cultura. Segundo Belotto (1999, p. 21) através da análise destes vários aspectos e dimensões próprias da cultura escolar, pode-se identificar elementos subjetivos de sua realidade que interferem no processo de gestão em termos de planejamento, comunicação, liderança e motivação PLANEJAMENTO E GESTÃO A emergência do planejamento global no Brasil tem origem na década de 30. Segundo Oliveira (1997, p. 64, 65) na tentativa de regular o processo de desenvolvimento econômico em curso, o governo começa a elaborar diversos planos e programas buscando abranger a sociedade de modo global. Em 1932, o Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova acenava para a necessidade de um planejamento na educação. Segundo Moreira (1995, p.82) com base em tais idéias, os pioneiros da Escola Nova buscaram superar as limitações da antiga tradição pedagógica Jesuítica e da tradição enciclopédica, que teve origem com a influência francesa na educação brasileira, esforçaram-se por tornar o quase inexistente sistema educacional consistente com o novo contexto. O desenvolvimento econômico e o desenvolvimento social possuem estreitas relações. Nos planos de desenvolvimento brasileiro, a educação não é pensada em função do bem estar da população em geral que podem ser verificados nas formas de recursos dispensados. A centralidade nos objetivos da industrialização nas duas décadas seguintes visa o progresso técnico relegando o segundo plano as políticas sociais.

6 Segundo Oliveira (1997, p. 66) as medidas de políticas sociais aparecem como meras ajustadoras do sistema econômico instrumentalizado apenas em termos de sua eficácia econômica, já que o progresso seria plenamente realizado quando os recursos econômicos fossem corretamente aplicados. Segundo Kowarick, este parecia ser o modelo implícito adotado nos planos brasileiros, ou seja, o desenvolvimento social como reflexo do desenvolvimento econômico. A década de 50 foi marcada pela euforia da ideologia do desenvolvimento onde o subdesenvolvimento era marcado pela pobreza e o desenvolvimento com a prosperidade. A necessidade dos planos econômicos foi reforçada pelos planos globais. A educação neste cenário é indispensável ao desenvolvimento e ao progresso, investir no capital humano significa investir na educação. O planejamento com objetivos e metas passa ser indispensável ao desenvolvimento social. Na década de 60 é possível falar em planejamento educacional com a Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional nº 4024 de Com o golpe militar em 1964 as transformações sócio políticas e econômicas os enfoques críticos desapareceram favorecidos pelas mudanças e pelo aumento da influencia americana. O tecnicismo domina o pensamento educacional no Brasil Após 1964, o planejamento passa a ser utilizado como instrumento de controle empreendido pelo regime autoritário, para por em prática sua política e com a finalidade de conter processos sociais ajustando a ordem econômica. Durante o regime militar, Segundo Garcia apud Oliveira (1997, p. 85) o planejamento passa a ser bandeira inteiramente eficaz para o controle e o ordenamento de todo o sistema educativo Encontra-se na LEI N DE 11 de agosto de 1971 em seu Art. 33. A formação de administradores, planejadores, orientadores, inspetores, supervisores e demais especialistas de educação será feita em curso superior de graduação, com duração plena ou curta, ou de pós-graduação.

7 Os planos de desenvolvimento e principalmente do setor educacional na década de 70 no período militar garantia a centralização do planejamento principalmente na área da educação. O planejamento tecnocrata reduz o homem à condição de objeto e não de sujeito da sua historia. A partir de 1980, abertura política, introduz a idéia do planejamento participativo e a LEI Nº 9.394, de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. TÍTULO II DOS PRINCÍPIOS E FINS DA EDUCAÇÃO NACIONAL. Art. 3º VIII - gestão democrática do ensino público, na forma desta Lei e da legislação dos sistemas de ensino Segundo Oliveira (1997, p. 97) Os anos 80 parecem refletir no Brasil uma descrença com o planejamento global centralizado e, conseqüentemente, os planos setoriais, como instrumentos eficazes para obtenção do desenvolvimento, o que nesta década vem sendo reafirmado. Entretanto, a crença na educação como condição básica para o desenvolvimento econômico não parece ter sido resvalada. O que se percebe é que a rejeição desta metodologia de planificação social não pode ser explicada apenas pela sua ineficácia operacional, sem que se detenha um pouco mais nos seus objetivos determinantes. A idéia de planejamento participativo aponta a gestão participativa e democrática da educação, superando o do modelo tecnocrático visando o trabalho coletivo nas instituições de ensino. O planejamento participativo reúne os segmentos da escola para como equipe gestora, educadores, educandos, pais, funcionários para representar todos segmentos da escola para pensar o desenvolvimento educacional. O planejamento participativo constitui um processo político com propostas coletivas é um processo de decisão da maioria na tomada de decisões em beneficio da maioria. Ainda é baseado na Pedagogia libertadora de Paulo Freire que propõe que o povo seja encarado como sujeito e não como espectador da sua história.

8 Em 1990 a idéia básica consiste em indicar caminho para a inserção no mercado mundial para tanto é necessário desenvolver condições de competitividade no processo técnico produtivo. O planejamento é importante porque serve de suporte para concretizar o que se deseja ajudando a criar possibilidades de intervir na realidade. O planejamento, como tarefa natural ao ser humano, é o processo de divisar o futuro e agir no presente para construí-lo. Assim, planejar é organizar um conjunto de idéias que representem esse futuro desejado e transformar a realidade para que esse conjunto nela se realize no todo ou em parte( Gandim, Danilo e Gandin, Luis armando, p. 37, 1999) O planejamento deve ser realizado por toda a comunidade escolar para atender as necessidades da mesma contendo assim seu objetivos, metas a serem atingidas, ações necessárias e responsáveis por cada ação, cronograma das ações auto avaliação e replanejamento das ações. Pode-se identificar em termos do planejamento que a comunicação interfere no processo de gestão, pois é através dela que se pode fazer-se entender e ser entendido por outras pessoas. Também é por meio da comunicação que podemos cooperar, entrar em contato com o outro, compreender dentre outros, o que se passa ao nosso redor e no mundo Segundo Nérice (1986, p. 194) Quanto Ás pessoas implicadas no processo de comunicação, este pode ser, interpessoal, grupal e de massa. 1- Interpessoal, quando processa, mais, em dupla. 2- Grupal, quando se processa para numero mais ou menos elevado de pessoas, mas delimitado e com consciência para quem esteja sendo dirigida a comunicação. 3- De massa, quando se processa, praticamente, sem controle quanto aos receptores da mensagem, como é o caso da comunicação por meio do rádio, da televisão, ou da imprensa escrita. Comunicação Interpessoal é aquela que envolve duas ou mais pessoas através de trocas de informações face a face. O processo de se comunicar envolve o receptor e o emissor. Para comunicar - se é necessário ter objetivos claros.

9 A Comunicação grupal é aquela desenvolvida em pequenos grupos, onde as pessoas se manifestam e pensam de modo diferente colocando-se a disposição de todos os participantes do grupo. Todos vivemos em grupo de duas ou mais pessoas com interdependência, unidade e reconhecimento. Segundo Minicucci (1995, p.332) Pessoas juntas por si sós não formam um grupo. Há famílias que vivem juntas, mas não convivem juntas. O grupo forma um sistema aberto de interação. Há operários que trabalham juntos numa mesma seção, mas não formam grupo interesses. O que forma um grupo é a interação social entre os indivíduos com os mesmos Na Comunicação de massa segundo Nérice (1986 p. 194) é quando se processa, praticamente sem controle quanto aos receptores da mensagem, como é o caso da comunicação por meio de rádio televisão ou da imprenssa escrita atualmente o através do computador e das redes sociais. Assim: Os meios de comunicação de massa ganharam importância formidável nos últimos tempos. Não é por acaso que alguns chamam a imprensa de o quarto poder Trata-se de uma alusão à importância que a difusão da informação ganhou no mundo contemporâneo. (BOOCK p. 276) Os meios de comunicação de massa servem para fornecer informações importantes e por outro lado para alienar, é necessário selecionar as informações que são necessárias e consideradas úteis. A comunicação quanto à forma pode ser verbal e não verbal utilizando a palavra ou a escrita. E a comunicação não verbal como: expressões faciais, silencio, cores, gestos, sons e outros desde que não seja utilizada a palavra e a escrita. Os meios mais utilizados na

10 comunicação verbal e não verbal que envolve a gestão educacional são as reuniões, a leitura, a escrita, relatórios, requerimentos, ofícios, avisos, circulares, o computador, mural, cartazes, o dialogo e o feedback. No processo de gestão é fundamental utilizar o diálogo que é a forma antiga de expressão entre os seres humanos. O ser humano é capaz de dialogar também com sua consciência consigo mesmo e com os outros através da recepção e interpretação rápida de expressão e da comunicação. O dialogo (do grego) é uma forma de entrar no mundo do outro através do logo, da sabedoria, da palavra. É uma forma interativa porque se gera uma inter-relação e aproximação entre as partes que se comunicam. No dialogo não há espectadores, todos são participantes, emissores e recptores ao mesmo tempo. È uma circulação de mensagem em mão dupla controlada pelos semáforos dos gestos e da linguagem corporal. (LA TORRE 2002, P. 191) Para estabelecer uma boa comunicação no processo de gestão é necessário estabelecer ralação de confiança entre o comunicador e o receptor, saber ouvir para dar o feedback com a finalidade de verificar se é necessário ou não mudar o nosso comportamento. Segundo Moscovic No processo de desenvolvimento da competência interpessoal, feedback é um processo de ajuda para a mudança de comportamento; é comunicação a uma pessoa, ou grupo, no sentido de fornecer-lhe informações sobre como sua atuação está afetando outras pessoas. feedback eficaz ajuda o individuo (ou grupo) a melhorar seu desempenho e assim alcançar seus objetivos. (MOSCOVICI 2002, p. 54) A comunicação é importante para aproximar as pessoas, para eliminar confusões entre fatos e opiniões, para predispor maior cooperação e eliminar mal entendidos. No processo de gestão além da boa comunicação é necessário ter liderança. A liderança necessária nas organizações é essencial nas funções da gestão escolar para tomadas de atitudes e decisões. O gestor independente do poder de liderança usa o

11 poder de hierarquia quando é ameaçado. O poder de liderar a equipe para o gestor é menos incomodo. SegundoTannenbaum apud Minicucci(1995, p. 287) define liderança como influencia interpessoal numa situação, por intermédio do processo de comunicação, para que seja atingida uma meta, ou metas especificadas. A liderança sempre envolve influencia por parte do líder (influenciador) para afetar (influenciar) o comportamento de um seguidor (influenciado) ou seguidores Numa situação. O gestor no papel de influenciador necessita constantemente de avaliar a sua liderança pedir e aceitar as criticas e sugestões, conquistar os lideres dos segmentos da escola sendo verdadeiro e disposto a cooperar, executar e explicar as tarefas necessárias para o bom funcionamento da escola. Na distribuição da liderança a sociedade democrática necessita do tipo adequado de líder. Segundo Minicucci (1995, p ) Quatro tipos de ambientes de grupo e conseqüente liderança, Estrutura autocrática, Estrutura paternalista; Estrutura permissiva (Laissez Faire); Liderança Participativa ou democrática. Na estrutura autocrática o líder é o chefe do grupo atua como dirigente nas tomadas de decisões. Só ele determina os programas do grupo, determina as atividades e o padrão de inter-relações entre os subordinados. Este tipo de líder não tem confiança nas pessoas com quem trabalha. Exige obediência e recusa discussão. Na estrutura paternalista o líder é amável paternal: evita a discórdia; aprende com a experiência; teme em entregar o cargo a outras pessoas; dentre outras qualidades é trabalhador e exclusivista. O líder paternalista é a cabeça que tem sabedoria e oportunidade de tomar as decisões e cometer erros e acertos. Na Estrutura permissiva (Laissez Faire) denominada por Kurt Lewin. O líder exerce controle mínimo. A melhor forma de dirigir é não dirigir o grupo deixando que os indivíduos tenham completa liberdade. Esta forma de trabalho em grupo incontrolada

12 freqüentemente resulta na insatisfação tendo em vista o caminho da individualização e não a união entre os componentes do grupo. Na Liderança Participativa ou democrática o grupo atua por participação sendo importante o desenvolvimento e o crescimento de todos e a liderança é distribuída. O líder utiliza as discussões e a participação de todos na tomada de decisões. Para Valerien (2005, p ) O diretor deve indicar três estilos de direção A. Autocrático. B. Democrático. C. laissez-faire, ao quais vem juntar - se, por vezes, os modos: - Burocrático e Carismático Para exercer sua autoridade a direção mistura os diversos modelos mesmo sendo na forma carismática determina um modelo que domina os demais. A palavra carisma segundo o dicionário Aurélio (1999, p. 411) Atribuição a outrem de qualidades especiais de liderança, derivadas de sanção divina, mágica, diabólica ou apenas de individualidade excepcional. Observa-se que durante muito tempo a administração da escola não era feita através de liderança e sim era encarregada ao diretor da escola geralmente autoritário que era encarregado de zelar pela escola e pelo conhecimento acumulado socialmente. diz o seguinte: Segundo Minicucci (1995. p. 298) A liderança e o comportamento do liderado. É preciso conhecer o subordinado para poder utilizar a liderança compreensivamente. Nem todas as pessoas expressam o mesmo tipo de comportamento e a cada tipo de comportamento ou situação concomitantemente se exercerá determinado tipo de liderança. Auren Uris apud Minicucci (1995 p, ) estudou o problema da liderança, Com estes seja: autocrático. a) A pessoa hostil b) A pessoa dependente; Com estes seja democrático: a) A pessoa que colabora; b) Individuo que se adapta ao grupo com facilidade,

13 Com estes, use o método livre. A) O individualista; b) O retraído da sociedade. A seleção de lideres é percebida na motivação para liderar geralmente os que geralmente são eliminados os que não gostam de dominar em diferentes sentidos. A gestão escolar participativa e democrática necessita de pessoas com habilidade de mudar a situação, o líder deve ter uma variedade de comportamento para adaptarem-se as a diferentes situações A personalidade humana constitui uma estrutura impassível esperando que o mundo seja modificado a sua volta para satisfazer as suas necessidades, o dinamismo é característica da personalidade normal. A personalidade modifica-se pela maturação no decorrer do tempo acumulando experiências vivenciadas em diferentes aspectos: sociais, ambientais, culturais. Na gestão participativa é importante a vivência humana que está em constante movimento de renovação. As pessoas raramente estão contentes consigo mesmo com sua realização pessoal. Quando percebe a sua estagnação é porque algo não está bem. Daí é utilizado o termo motivo, que vem da ação mover que é motivação. A motivação leva a agir em direção a ação respondendo a pergunta Por que? Como? O estudo da motivação segundo Birch Verof, apud Bergamini O estudo da motivação é uma busca de explicação para alguns dos mais intrincados mistérios da existência humana suas próprias ações. Considere-se praticamente qualquer ação humana isolada e pergunte-se quais os seus determinantes. Por que um jovem pretende decidir-se a propor casamento? Por que um escolar cuida de seu cachorro? Por que um psicótico apresenta o ritual de lavar as mãos? Por que o assassino detona a arma? Quem quer que procure a resposta para estas perguntas esta tentando explicar a motivação. (BIRCH VEROF, APUD BERGAMINI 1979 p. 84) O termo motivação geralmente é empregado como sinônimo de forças psicológicas, desejos, necessidades, impulsor e outros com conotação de ação ou movimento. Para (Murray apud Bergamini p. 87 )

14 E claro que diferentes teóricos têm diferentes concepções sobre motivação. Não obstante, há acordo geral em que um motivo e um fator interno que da inicio, dirige e integra o comportamento de uma pessoa. Não e diretamente observado, mas inferido no seu comportamento ou, simplesmente, parte-se do principio de que existe a fim de explicar-se o seu comportamento. A motivação distingue-se de outros fatores que também influem no comportamento, tais como a experiência passada da pessoa suas capacidades físicas e a situação-ambiente em que se encontra, se bem que esses fatores possam influenciar a motivação. Um motivo divide-se, usualmente, em dois importantes componentes o impulso e objetivo. O termo impulso refere-se ao processo interno que incita uma pessoa a ação. O impulso pode ser influenciado pelo ambiente externo pela temperatura, por exemplo mas e interno. Um motivo termina ao ser atingido um objetivo ou obtida uma recompensa. O objetivo ou recompensa apresentam um certo efeito redutor ou saciante sobre o incitamento interno depois de ser suficientemente atingido o objetivo., o motivo deixa de orientar o comportamento por um período de tempo. Um objetivo ou recompensa poderá envolver um objeto externo, como alimento, mas o processo de cessação de impulso e, em si mesmo, interno. (BERGAMINI P. 87) Os motivos humanos não têm a mesma importância para as pessoas. No grupo o mesmo motivo pode ser motivos de valores importantes, médios ou sem importância. A força para atingir os objetivos e de acordo com valorização dos motivos. Para Bergamini (1979, p. 85) o estudo de duas variáveis forças de impulsão e objeto ou condição para o qual se orientam essas forças constitui o pressuposto inicial do estudo dinâmico da motivação O gestor necessita observar que o comportamento humano tem revelado necessidades que estimulam as pessoas no trabalho e na vida. Para ajudar a satisfazer as necessidades e os anseios do ser humano na motivação. Maslow propôs na...classificação ou hierarquia de motivação:em primeira instancia, coloca as necessidades corporais ou fisiológicas que vem seguidas pelos incentivos sociais que, uma vez satisfeitos, precedem a uma última classe de incentivos, que denomina de incentivos de ego, caracterizados pelo domínio do conhecimento, isto é, abrangem

15 necessidades verdadeiramente psicológicas, ou, mais explicitamente, auto realização.(maslow apud BERGAMINI 1979, P. 89) A idéia de hierarquizar os motivos humanos foi para compreender melhor o comportamento humano na sua variedade. Assim podem-se entender os objetivos pretendidos em determinados momentos e as necessidades que os motivam. Para finalizar, pode-se dizer que a escola precisa cumprir o seu papel que é formar cidadãos conscientes dos seus direitos e deveres, para tanto, é necessário estabelecer regras para que possamos viver de forma organizada, a ampliação da carga horária para que as crianças e adolescente permaneçam na escola em tempo integral ou seja montar um projeto de acordo com as necessidades de cada instituição desde que o aluno permaneça 7 horas na escola com profissionais devidamente qualificados e bem remunerados também significa melhoria na construção de uma sociedade melhor, não esquecendo que a escola não é o único grupo social que educa por isto precisa de parceiros e recursos. A escola precisa: de recursos bons salários para motivar os professores; formação continuada para ter seu foco principal que na formação do cidadão. Na gestão escolar o planejamento é imprescindível para descrever as ações desenvolvidas e re-planejar as ações que não obtiverem resultados satisfatórios. A comunicação importante não é apenas a de falar como também a de escutar. O modelo de liderança democrático favorece ao gestor melhor desempenho e eficácia do seu trabalho. A motivação como força interior se modifica a cada instante durante a vida direcionada pelos objetivos que se quer alcançar. O que podemos constatar e que a maioria da população permite o erro e cruzam os braços passivamente na direção das instituições do pais com lideres autoritários e ou corruptos. A gestão democrática sozinha caminha, mas a passos lentos é necessários políticas publicas,

16 interesse dos envolvidos no processo, autonomia e trabalho coletivo, lembrando que os recursos são importantes ao bom funcionamento do processo. REFENCIAS BIBLIOGRAFICAS BERGAMINI, Cecilia Whitaker. Psicologia: aplicada à administração de empresas.são Paulo: Atlas, BELOTTO A. Monteiro; RIVERO Cléia Maria da Luz; GONSALVES Elisa Pereira. (orgs). Interfaces da gestão escolar. Campinas, SP: Editora Alínea, BOCK, Ana Mercês Bahia et al. Psicologias: Uma introdução ao estudo de Psicologia. São Paulo: Saraiva, FERREIRA, Aurelio Buarque de Olanda. O Dicionário da Lingua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, GANDIN, Danilo; GANDIN, Luis Armando. Temas para um projeto político pedagógico. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, MOREIRA. Antonio Flavio B. Curriculos e programas no Brasil. Campinas, SP: Papirus, OLIVEIRA, Dalila Andrade. Gestão democrática da educação: Desafios contemporâneos. Petrópolis, RJ: Vozes, LA TORRE, Saturnino de & BARRIOS, Oscar. Curso de Formação para Educadores. São Paulo: Madras, MINICUCCI, A. Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Atlas, MINICUCCI, A. Relações humanas: psicologia das relações interpessoais. São Paulo: Atlas, 1992

17 VALERIEN, Jean. Gestão de escola fundamental: subsídios para analise de aperfeiçoamento. 8 ed. São Paulo: Cortez, [Paris]: UNESCO; [Brasília]: Ministério da Educação e Cultura, 2005.

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL

A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL Magno da Nóbrega Lisboa UEPB RESUMO: O presente artigo consiste em uma pesquisa acerca da relevância da gestão democrática e participativa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições.

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Mentalidade grupal e cultura de grupo. Grupo Operativo: instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

PROJETO FAZER ACONTECER

PROJETO FAZER ACONTECER GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS AVANÇADO SANTOS DUMONT RUA

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

LIDERANÇA. "Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)

LIDERANÇA. Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha. (Provérbio Árabe) LIDERANÇA "O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente o ultrapassem em seu conhecimento e habilidade." Fred A. Manske "Um exército de ovelhas

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Aula 05 Prof. Esp. Gladimir Ceroni Catarino gccatarino@senacrs.edu.br gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe:

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: O estudo de grupos sociais surgiu desde os primórdios da sociologia, com suas distinções a respeito de diferentes tipos de grupos e da preocupação com a análise das

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA Tipos de Liderança Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA LIDERANÇA é o processo de influenciar outros de modo a conseguir que eles façam o que o líder quer que seja feito, ou ainda, a capacidade para influenciar

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 2.4 Abordagem das Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

INSPEÇÃO ESCOLAR NO PROCESSO MOTIVACIONAL SUAS IMPLICACÕES E IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO

INSPEÇÃO ESCOLAR NO PROCESSO MOTIVACIONAL SUAS IMPLICACÕES E IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO INSPEÇÃO ESCOLAR NO PROCESSO MOTIVACIONAL SUAS IMPLICACÕES E IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO Karine Emanuella Soares Santana 1 Silma do Carmo Nunes 2 Resumo A Inspeção Escolar está ligada a vários fatores que

Leia mais

Como obter uma liderança eficaz

Como obter uma liderança eficaz Como obter uma liderança eficaz Camila CORTEZ 1 Dayane SILVA 2 Emanuel CALVO 3 RESUMO: Este artigo analisa como obter uma liderança eficaz, descrevendo primeiramente o que é liderança, suas características,

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH Liderança Roberto Carvalho robertjc@uol.com.br Ambientes Turbulentos & Competitivos 10/30/2009 1 Passado Pensamentos mecanicistas! Você não é pago para questionar

Leia mais

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS

O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS O PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO: REVISANDO CONCEITOS PARA MUDAR CONCEPÇÕES E PRÁTICAS Maria Adelia Teixeira Baffi Petrópolis, 2002. Pedagoga - PUC-RJ. Mestre em Educação - UFRJ Doutoranda em Pedagogia Social

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR A ênfase posta na atualidade no termo gestão educacional tem origem nas mudanças ocorridas nas relações da administração pública (aparato de Estado) com a sociedade.

Leia mais

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler LIDERANÇA Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Conceito de liderança Primeiras teorias Abordagens contemporâneas Desafios à liderança Gênero

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

O PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS

O PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS O PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RESUMO RELAÇÕES ESCOLARES. Oscar Celestino da Silva 1 O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre a importância do planejamento escolar nas

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO RINALDIi, Andréia Cristina Alves; ROSA, Antonio Valin; TIVO,,Emerson dos Santos; OLIVEIRA JÚNIOR, José Mendes de; REIS, Marcela Alves dos; SANTOS JÚNIOR,Sergio Silva dos; FREITAS,

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

O Fator Humano no Contexto Organizacional: Desafios do Bibliotecário neste Cenário

O Fator Humano no Contexto Organizacional: Desafios do Bibliotecário neste Cenário O Fator Humano no Contexto Organizacional: Desafios do Bibliotecário neste Cenário 1 ADRIANA PRATES 2 1. OBJETIVO Proporcionar um momento para reflexões individuais e coletivas sobre o Fator Humano no

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Administração e Gerenciamento de Enfermagem

Administração e Gerenciamento de Enfermagem Administração e Gerenciamento de Enfermagem Questão 9 A Enfermagem utiliza o gerenciamento no seu processo de trabalho e vem, ao longo dos anos, buscando meios mais eficazes de adequar modelos administrativos

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA 1 OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA Maria Adelane Monteiro da Silva Antonia Eliana de Araújo Aragão Keila Maria de Azevedo Ponte Lourdes Claudênia

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia.

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PSICOLOGIA E A ECONOMIA SOLIDÁRIA: AUTONOMIA COLETIVA X

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais