Plano do Projeto. Frases. Roteiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano do Projeto. Frases. Roteiro"

Transcrição

1 Plano do Projeto Frases Planos são somente boas intenções a não ser que em seguida degenerem em trabalheira. Peter Druker As teorias são redes: somente aqueles que as lançam pescarão alguma coisa. Noralis (cit. Rubem Alves) Tudo seria muito fácil, se não fossem as dificuldades! Barão de Itararé Roteiro 1. Introdução 2. Escopo do Projeto 3. Cronograma do Projeto 4. Rede do Projeto 5. Alocação de Recursos 6. Aceleração e Nivelamento 7. Conclusões 8. Referências 1

2 Introdução Objetivo Principal Estabelecer conjunto de direções, com detalhes suficientes para transmitir à equipe: O que deve ser feito Quando precisa ser feito Quais são os recursos necessários FACILITAR O SUCESSO POSTERIOR Recomendações para Elaboração do Plano Deve ser detalhado o suficiente para determinar o que precisa ser feito e simples o suficiente para não se perder em minúcias. Planejamento é processo iterativo. Rende melhor planos não tão bons, com um processo iterativo de melhorias 2

3 Recomendações para Elaboração do Plano É uma estimativa e é executado em ambiente de incerteza Necessita conter métodos para assegurar sua integridade (controle) Elementos do Plano do Projeto 1. Visão Geral: Resumo dos objetivos e do escopo do projeto 2. Objetivos Alvos lucrativos e competitivos Metas técnicas Elementos do Plano do Projeto 3. Abordagem Geral: Descrição das abordagens gerenciais técnicas de trabalho Relacionamento do projeto com as tecnologias disponíveis 4. Aspectos Contratuais: Recursos fornecidos pelo cliente Acordos específicos de gestão Especificações técnicas Cronogramas de entrega 3

4 Elementos do Plano do Projeto 4. Cronogramas: Cronograma mestre do projeto 5. Recursos: Estabelecimento do Orçamento do projeto Descrição da monitoração dos custos e dos procedimentos de controle Elementos do Plano do Projeto 6. Pessoal: Requisitos desejados (habilidades especiais, tipo de treinamento, restrições legais ou de política) 7. Métodos de Avaliação: Padrões e métodos para avaliação do projeto Elementos do Plano do Projeto 8. Problemas Potenciais: Tentativa de antecipação de dificuldades potenciais: Falha Técnica Greves Mau tempo Seqüência de tarefas críticas Prazos apertados Limitações de Recursos Requisitos complexos de coordenação Autoridade insuficiente em algumas áreas As únicas incertezas são a respeito de quais irão ocorrer e quando 4

5 Algumas Atividades de Iniciação Reunião de Iniciação Kick-off Meeting Declaração de Escopo Premissas e Restrições Project Charter Quadro de Recursos Kick-off Meeting Voltar Reunião de lançamento do projeto Alguns pontos da agenda: estabelecimento do escopo técnico aceitação pelos participantes das área básicas de desempenho explicação detalhada de alguns cronogramas e orçamentos Declaração de Escopo Voltar É documento-base para:.tomada de decisões sobre o projeto.confirmar ou desenvolver um entendimento comum sobre o escopo do projeto entre os stakeholders À medida em que o projeto evolui, será revista ou refinada, para incorporar mudanças aprovadas de escopo 5

6 Premissas e Restrições Voltar Premissas (Assumptions): Assumidas como verdade, mesmo que possam ser mudados no futuro (data de disponibilidade de recursos); Restrições (Constraints): Podem afetar o desempenho do projeto (limitações de orçamento, tempo, etc.) Project Charter Voltar Outras denominações: Plano Sumário do Projeto (tradução PMBoK ) Termo de Abertura (Referência) do Projeto Deve conter: necessidades do negócio descrição do(s) produto(s) do negócio designação do gerente do projeto e sua autoridade Quadro de Recursos Voltar Determinação da disponibilidade de recursos: quais, quando e em quais padrões O nível de detalhamento na na descrição do quadro de recursos dependerá da complexidade do projeto Recursos compartilhados podem ter dificuldade de alocação, dada que sua disponibilidade pode ser bastante variável 6

7 Plano de Ação Plano preliminar e detalhada sobre a maneira que as responsabilidades serão cumpridas por cada área envolvida Descrições de tarefas, estimativas de orçamento, cronogramas iniciais Conceitos Relacionados Atividade ou Tarefa: Tarefa ou conjunto de tarefas que necessitam de recursos e tempo para serem concluídas Evento: Algo que pode ser identificado e que ocorre em ocasião determinada Rede: Combinação de todas as atividades e eventos, definindo relação de precedência Conceitos Relacionados Caminho: Série de atividades interligadas entre eventos Crítico: Atividades, eventos ou caminhos que comprometem o prazo de conclusão do projeto caso sofram atrasos 7

8 Processos para Desenvolvimento do Plano Escopo do Projeto Escopo Definição de Escopo Alvo, propósito, intento, intuito, objetivo. Escopo do Produto São os aspectos e funções que caracterizam um produto ou serviço. Escopo do Projeto É o trabalho que deve ser executado com a finalidade de fornecer um produto de acordo com os aspectos e as funções especificados. 8

9 Planejamento do Escopo O planejamento do escopo é o processo de elaborar e documentar progressivamente o trabalho do projeto (escopo do projeto) produzindo o produto do projeto. Estrutura do Planejamento de Escopo Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. Descrição do produto 2. Project charter 3. Restrições 4. Premissas 1. Analise do produto 2. Analise de custo/beneficio 3. Identificação das alternativas 4. Avaliação especializada 1. Declaração do escopo 2. Detalhes de suporte 3. Plano de gerenciamento do escopo Planejamento Escopo Entradas Descrição do produto Project Charter Premissas e Restrições 9

10 Ferramentas e Técnicas Análise do produto: Melhorar entendimento do produto do projeto. (análise de decomposição do produto, engenharia de sistemas, engenharia de valor, analise de funções). Análise de custo / benefício: Estimar os custos tangíveis e intangíveis (outlays / return) das alternativas de projeto. Usam-se medidas financeiras (retorno de investimento, período de reembolso). Identificação de alternativas: Técnicas para identificar caminhos possíveis para o projeto (brainstorming e lateral thinking). Avaliação especializada Planejamento Escopo Saídas Declaração do escopo: Documentação que servirá de base para a tomada de decisões futuras no projeto e desenvolver um entendimento comum entre as partes envolvidas. Detalhes de suporte: Incluem a documentação de todas as premissas e restrições identificadas. Plano de gerenciamento do escopo: Descreve como o escopo do projeto deverá ser gerenciado e como mudanças de escopo serão integradas ao projeto, identificadas e classificadas. Estrutura da Declaração de Escopo Voltar Justificativa do projeto Produto do projeto Subprodutos do projeto Objetivos do projeto 10

11 Detalhamento do Escopo Objetivo Subdividir a declaração de escopo (subprodutos do projeto) em componentes menores e mais fáceis de gerenciar, buscando: Melhorar a precisão das estimativas; Definir um baseline das estimativas de custo, tempo e recursos; Facilitar a atribuição de responsabilidades. Estrutura da Decomposição do Trabalho WBS Work Breakdown System EAP Estrutura Analítica do Projeto EDT Estrutura de Decomposição do Trabalho EDT Estrutura de Decomposição em Tarefas EDT Estrutura de Divisão em Tarefas PEP Plano de Estrutura do Projeto Detalhamento de Escopo Entradas Declaração do escopo Premissas e Restrições Outras saídas de planejamento Informações históricas 11

12 Estrutura do Detalhamento de Escopo Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. Declaração do escopo 2. Restrições 3. Premissas 4. Informações históricas 1. Modelos de EAP (WBS templates) 2. Decomposição 1. Estrutura analítica do projeto (WBS) 2. Atualizações na declaração do escopo Ferramentas e Técnicas Modelos de estrutura analítica do projeto (work breakdown structure templates) Decomposição Work Breakdown System Estrutura Analítica do Projeto (EAP) É uma estrutura hierárquica que parte do todo (o projeto) e vai sendo detalhada em estruturas menores até que se obtenham tarefas pequenas que possam ter seu esforço estimado, sendo possível responsabilizar uma pessoa (ou grupo) para sua execução. É o tradicional dividir para conquistar 12

13 Estrutura Hierárquica Cada nível é um detalhamento do nível anterior, até tornar-se gerenciável (work packages) Níveis Programa Projeto Atividade Sub-atividade Pacote de trabalho Exemplo de WBS SISTEMA DE AERONAVE GERÊNCIA DE PROJETOS TREINAMENTO DADOS VEÍCULO EQUIPAMENTO DE SUPORTE INSTALAÇÕES TESTE E AVALIAÇÃO Gerência de Engenharia de Sistemas Equipamentos Ordens Técnicas Airframe Nível Organizacional Construção Simulador Atividades de Suporte a GP Facilitadores Dados de Engenharia Motor Nível Intermediário Manutenção Teste Operacional Serviços Dados de Gerência Comunicação Nível Almoxarifado Teste de desenvolvimento Navegação Teste WBS Templates No caso em que vários projetos de uma mesma empresa sejam semelhantes em vários aspectos, pode-se usar no projeto um modelo de EAP Estrutura Analítica de Projeto 13

14 Decomposição Envolve subdividir os principais subprodutos do projeto em componentes menores, mais manejáveis, até que estejam definidos em detalhe suficiente para suportar o desenvolvimento das atividades do projeto. WBS Organizado por Fase PRODUÇÃO DE SOFTWARE VERSÃO 6.0 GERÊNCIA DE PROJETOS REQUISITOS DO PRODUTO DETALHES DO PROJETO CONSTRUÇÃO INTEGRAÇÃO E TESTE Planejamento Software Software Software Software Reuniões Documentação do usuário Documentação do usuário Documentação do usuário Documentação do usuário Administração Materiais do Programa de Treinamento Materiais do Programa de Treinamento Materiais do Programa de Treinamento Materiais do Programa de Treinamento Detalhamento Escopo Saídas Estrutura analítica do projeto Agrupamento de componentes de projeto (deliverable oriented) organiza e define o escopo total do projeto o trabalho que não está na EAP está fora do escopo do projeto. Atualizações na declaração do escopo. 14

15 A Estrutura Analítica do Projeto (1) Principal resultado do processo de definição de escopo Agrupamento de componentes orientados a resultados práticos; Define o escopo total do projeto e organiza-o em níveis hierárquicos; O detalhamento deve atingir nível que permita gerenciamento (work packages). A Estrutura Analítica do Projeto (2) Fornece uma visão gráfica do escopo Facilita comunicação entre todos os stakeholders Fornece à equipe de projeto uma visão global É uma base segura para estimativas de custo, tempo e recursos; Previne o esquecimento e a falta de entendimento sobre as atividades. Características de uma Boa Estrutura Permitir que as atividades sejam desenvolvidas independentemente; Tornar as atividades gerenciáveis em tamanho Dar autoridade para se desenvolver o plano Monitorar e medir o status do programa Fornecer os recursos necessários 15

16 Procedimentos para Elaboração da WBS 1. Listar o desdobramento da tarefa em níveis de detalhes sucessivos e mais depurados 2. Identificar os dados relevantes para o WBS 3. Listar o pessoal e as organizações responsáveis por cada tarefa 4. Revisar as informações do work package junto aos stakeholders Procedimentos para Elaboração da WBS 5. Desdobrar o orçamento total do projeto (custos diretos, custos indiretos, custos administrativos, custos residuais) 6. Cronograma Mestre do Projeto: Agregação de informação sobre o cronograma e fatos marcantes, incluindo: compromissos contratuais, interfaces chave, relatórios de progresso, eventos notáveis Exemplo de WBS Usina para Tratamento de água Projeto Construção Desenhos civis Headworks Desenhos arquitetônicos Desenhos estruturais Desenhos mecânicos Desenhos HVAC Bacia de aeração Estação de Extração de dejetos Unidades de Tratamento de ar Unidades de sedimentos Desenhos instrumentação Desenhos Elétricos Desenhos hidráulicos 16

17 WBS Lista Hierarquizada 1. Projeto Computador 1.1. Documentação 1.2. Computador Pessoal Estrutura Placa-mãe Disco rígido Fonte Montagem 1.3. Teste Sistema 1.4. Sistema Operacional 1.5. Gerenciamento do Projeto WBS Representação Gráfica Projeto Computador Documentação Computador Pessoal Teste Sistema Sistema Operacional Gerenciamento do Projeto Estrutura Placa-Mãe Disco Rígido Fonte Montagem Cronograma do Projeto 17

18 Cronograma É a conversão do plano de ação em uma programação operacional É base para: Controle das atividades do projeto Concentrar esforços naquilo que necessita ser controlado É uma das principais ferramentas de gestão (cronograma, plano do projeto, orçamento) Abordagem Clássica Estabelecer uma rede de relacionamento de atividades Classificar graficamente os eventos de maneira a refletir as relações entre tarefas Processo: Definição das Atividades Objetivo Identificar e documentar as atividades que devem ser realizadas para produzir os diversos subprodutos do projeto. 18

19 Estrutura da Definição das Atividades Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. Estrutura analítica do projeto (WBS) 2. Declaração Escopo 3. Premissas/Restrições 4. Informações históricas 5. Avaliação Especializada 1. Modelos de EAP (WBS templates) 2. Decomposição 1. Lista de atividades 2. Detalhes de suporte 3. Atualizações na WBS Processo: Seqüenciamento de Atividades Objetivo Identificar e documentar as relações de dependências entre as atividades que devem ser seqüenciadas corretamente possibilitando um cronograma realista e viável. Dependências 1. Dependências mandatórias Hard Logic Aquelas que relacionam-se com limitações físicas. Ex.: construção de protótipo antes do teste. 2. Dependências arbitradas Soft Logic Aquelas definidas em função do projeto. Ex.: Conclusão Lista de Material antes Ordem Compra 3. Dependências externas Aquelas que não estão sob controle do gerente do projeto Ex.: entrega de produto pelo fornecedor 19

20 Estrutura do Seqüenciamento de Atividades Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. Lista de atividades 2. Descrição do produto 3. Dependências 4. Marcos 1. Diagrama de Flechas 2. PDM Precedence Diagram Method 3. CDM Conditional Diagram Method 4. Modelos de Redes 1. Diagramas de Rede (Gráficos PERT) 2. Atualizações na Lista de Atividades Diagrama de Rede do Projeto Gráficos de PERT Representação gráfica do relacionamento lógico entre as atividades do projeto, acompanhado de uma descrição sumária da abordagem do seqüenciamento. Processo: Estimativa das Durações Objetivo Estimar a duração das atividades para entrada no cronograma, a partir das informações do escopo do projeto e dos recursos disponíveis. 20

21 Estrutura da Estimativa das Durações Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. Lista de atividades 2. Premissas/Restrições 3. Necessidades de recursos 4. Capacidade de recursos 5. Informações históricas 6. Riscos identificados 1. Julgamento de especialistas 2. Estimação por analogia 3. Estimação paramétrica 4. Tempo de reserva 1. Estimativas de duração 2. Bases das estimativas 3. Atualizações na Lista de Atividades Quantidades Físicas Freqüentemente relaciona-se um quantidade física com a atividade Escolhe-se a métrica de acordo com sua adequação para: determinação do trabalho necessário para a execução da atividade medição do progresso físico da atividade Recursos Freqüentemente, a duração da atividade é influenciada pela alocação de recursos para sua execução A capacidade do recurso é medida por sua taxa de produtividade Recurso mais eficaz realiza a atividade mais rápido. 21

22 São necessárias: Estimação Paramétrica quantidade física relacionada com a atividade: Ex.: m, m 3, desenhos taxa de produtividade: Ex.: Hh/m, Hh/m 3, Hh/desenho quantidade de recurso disponível: Ex.: H Adota-se a taxa de produtividade mais adequada para a estimação da duração Estimação por Analogia (Top-down) Utiliza durações históricas (atividades similares) para determinar a duração de uma atividade. São confiáveis se: a semelhança for aplicável no modelo os indivíduos que preparam estas estimativas forem especialistas. Processo: Desenvolvimento do Cronograma Objetivo Determinar datas de início e fim das atividades. 22

23 Restrições Importantes Limitam e restringem o desenvolvimento do cronograma Principais restrições: Datas impostas (Início/Fim): não começar mais cedo que não terminar mais tarde que Eventos importantes ou marcos contratuais necessidade de conclusão parte do projeto em data determinada Atributos da Atividade Atributos importantes para a classificação e seleção das atividades: Quem (responsabilidade) Onde (área geográfica) Tipo da atividade (sumário ou detalhe) Estrutura do Desenvolvimento Cronograma Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. Diagrama de rede 2. Estimativas de duração 3. Recursos necessários 4. Quadro de recursos 5. Calendários 6. Premissas restrições 7. Atributos da atividade 8. Folgas/atrasos 1. Análise quantitativa de tempo 2. Aceleração 3. Simulação 4. Nivelamento heurístico de recursos 5. Softwares de gerência de projetos 1. Cronograma do projeto 2. Detalhes de suporte 3. Plano de gerência do cronograma 4. Atualização necessidade de recursos 23

24 Softwares de Gerenciamento Um bom planejamento exige a obtenção, verificação e análise de informação relevane em um tempo adequado Os softwares de gerenciamento buscam atender este requisito Funcionalidades Planejamento, monitoração e controle Relatórios Calendários do Projeto Análise de Cenários (What if) Análise Projetos Múltiplos Alguns Softwares MS Project Primavera Sure Track 24

25 Cronograma do Projeto Apresenta datas de início/término para cada atividade Apresentados em diversos formatos: Diagrama de Rede Diagrama de Gantt Gráficos de Marcos Diagrama de Gantt Associa o tempo e a seqüência pela qual as atividades são executadas Proporciona uma visão ampla do status do projeto Contém várias informações de fácil entendimento Necessita de atualização constante Diagrama de Gantt - Exemplo 25

26 Gráfico de Milestones Diagrama de Rede Redes 26

27 Análise Quantitativa de Tempo Cálculo de datas teóricas de início e término de todas as atividades sem considerar qualquer limitação no quadro de recursos As datas resultantes indicam os períodos em que as atividades deverão ser programadas, quando serão consideradas as limitações de recursos e outras restrições conhecidas. Análise Quantitativa de Tempo Voltar Técnicas usuais: Método de Caminho Crítico CPM Critical Path Method Programa de Avaliação e Revisão Técnica PERT Program Evaluation and Review Technique Avaliação Gráfica e Revisão Técnica GERT Graphical Evaluation and Review Technique Método de Caminho Crítico - CPM Voltar Calcula uma única data mais cedo e mais tarde de início e término de cada atividade Baseia-se em seqüência lógica e em estimação única de duração (valor mais provável com incerteza desprezível) Foco cálculo de folgas para determinar quais atividades têm menos flexibilidade 27

28 Método de Caminho Crítico - CPM Voltar Desenvolvida para controlar aspectos de custo e tempo (trade-off custo/tempo) PERT Voltar Baseia-se em seqüência lógica e em estimação de média ponderada de duração Considera difícil uma precisão aceitável, adotando-se mais de uma estimativa de tempo (valores: otimista, mais provável e pessimista) GERT Voltar Permite tratamento probabilístico tanto para a rede lógica quanto para as durações das atividades Similar ao PERT, com a vantagem de permitir loopings, branchings e resultados finais de múltiplos projetos 28

29 Método do Diagrama Condicional CDM Voltar Método de construção do diagrama de rede que permite representar atividades não seqüenciais como loops ou desvios condicionados. Ex.: Contingências Método do Diagrama de Flechas Voltar (ADM - Arrow Diagramming Method) Utiliza setas para representar as atividades e as conecta por nós, representando as dependências. B A C INÍCIO FIM D F E Só representa dependência do tipo Término / Início (FS) Diagrama do tipo AOA Método do Diagrama de Precedência PDM Voltar Utiliza retângulos para representar as atividades, conectando-as por setas que representam as dependências. A B C FIM INÍCIO D E F Tipos de relacionamento de dependência ou precedência: Término / Início (FS) Término / Término (FF) Início / Início (SS) Início / Término (SF) 29

30 Relações de Precedência Fim-Início Atividade 1 Atividade 2 Início-Início Atividade 1 Atividade 2 Fim-Fim Atividade 1 Atividade 2 Relações de precedência com Lags Atividade 1 FS=6 Atividade 2 Atividade 1 SS=4 Atividade 2 Atividade 1 SS=10 FF=30 Atividade 2 Problema Enunciado Atividade A B C D E F G H I J Estimativa de Tempo Atividades Predecessoras A B, C B, C B, C C G, H D, E 30

31 Problema Rede PERT/CPM A (20) D (15) 2 6 E (10) B (20) F (14) J (8) C (10) G (4) I (18) 4 H (11) 5 Alguns Conceitos Relacionados Data mais cedo: Data possível de ocorrência de um evento Data mais tarde: Data permissível de ocorrência de um evento Folga: Tempo que um evento pode utilizar sem prejudicar a duração pré-estabelecida (Folga = Disponibilidade Necessidade) Problema Datas Forward Datas cedo dos eventos 31

32 Problema Datas Backward Datas tarde dos eventos 20 Problema Folgas Definições Evento Crítico: Aquele com menor folga Atividade Crítica: Aquela compreendida entre eventos críticos, com maior duração entre eles Caminho Crítico: Todo caminho de maior duração no projeto 32

33 Identificação de Atividades Críticas Para ser crítica uma atividade deve satisfazer: Condição necessária: Estar entre eventos críticos Condição suficiente: Ter a maior duração entre estes eventos Conclusões Qualquer atraso em uma das atividades do caminho crítico (caso não haja folgas nos eventos críticos) acarretará um atraso no projeto. Caminho Crítico Roteiro 1. Identificação das atividades 2. Seqüênciamento de atividades 3. Cálculo das datas de eventos e atividades 4. Cálculo das folgas de tempo associadas 5. Determinação do Caminho Crítico 33

34 Problema Caminho Crítico A 0 0 D B F E J I 0 C 4 H G A D J Formulação Matemática T ti i D T tj j T ci T cj i evento início de atividade j evento fim de atividade D Duração atividade: necessidade de tempo entre i e j T c. Data mais cedo do evento T t. Data mais tarde do evento Folga de Evento Folga de Início: Disponibilidade de tempo em i: f i = T ti T ci Folga de Fim: Disponibilidade de tempo em j: f j = T tj T cj 34

35 Folga de Atividade Folga (F)= Disponibilidade Necessidade Disponibilidade de tempo entre i e j: T j T i Necessidade de tempo entre i e j: D De maneira geral: F = (T j T i ) D = T j (T i + D) Folga Total (FT) Tempo disponível da atividade para início na data mais cedo de seu evento- início para conclusão na data mais tarde de seu evento-fim FT = (T tj T ci ) D = T tj (T ci + D) É a liberdade de a atividade atrasar, sem atrasar data de conclusão do projeto Folga Livre (FL) Tempo disponível da atividade para início na data mais cedo de seu evento- início para conclusão na data mais cedo de seu evento-fim FL = (T cj T ci ) D = T cj (T ci + D) É a liberdade de a atividade atrasar, sem atrasar o início mais cedo de suas sucessoras 35

36 Folga Dependente (FD) Tempo disponível da atividade para início na data mais tarde de seu evento- início para conclusão na data mais tarde de seu evento-fim FD = (T tj T ti ) D = T tj (T ti + D) É a disponibilidade de o projeto não ser prejudicado pela atividade que utilize sua folga de início Folga Independente (FI) Tempo disponível da atividade para início na data mais tarde de seu evento- início para conclusão na data mais cedo de seu evento-fim FI = (T cj T ti ) D = T cj (T ti + D) É a indepedência de a atividade não depender de atraso de atividade predecessora Folgas - Conclusões FT FL = fj e FD FI = fj ou seja: FT + FI = FD + FL FD é o valor mínimo que FT pode assumir FI é o valor mínimo que FL pode assumir quando a atividade sofreu atraso de início Folgas positivas indicam atrasos possíveis, as negativas, aceleração necessária 36

37 Folga de Atividades - Ilustração Fonte: C. Hendrickson 1998 Exemplo Rede PDM A D J B E F C G H I Exemplo Datas Cedo A D J B C E G H F I 18 37

38 Exemplo Datas Tarde A D J B C E G H F I 18 Folga Total Disponibilidade de tempo que a atividade pode utilizar sem atrasar a data de conclusão do projeto Considerada a mesma duração, é calculada como a diferença entre datas de Fim (início) Cedo e Tarde Folga positiva: indica atraso possível Folga negativa: indica aceleração necessária Exemplo Folga Total A B C D E G H 4 43 J F 9 42 I Términos Cedo Tarde 38

39 Folga Livre Disponibilidade de tempo que a atividade tem de se atrasar sem prejudicar a data de início mais cedo de suas sucessoras Considerada a mesma duração, é a quantidade de tempo que o Início Cedo de uma atividade pode ser atrasado sem atrasar o Início Cedo de um sucessor Exemplo Folga Livre A B C D E G H J F I 1 Atividade 1ª Sucessora Fim Cedo Início Cedo Exemplo - Diagrama Gantt 39

40 Alocação de Recursos Processo: Planejamento dos Recursos Objetivo Determinar os recursos (pessoas, equipamentos, materiais) e estimar suas quantidades para a execução das atividades do projeto, coordenando-os com a estimativa de custo. Estrutura do Planejamento dos Recursos Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. WBS 2. Informações históricas 3. Declaração de escopo 4. Quadro de recursos 5. Políticas organizacionais 6. Estimativas de duração 1. Julgamento de especialistas 2. Identificação de alternativas 3. Softwares de gerenciamento 1. Necessidade de Recursos 40

41 Necessidade de Recursos Descrição dos tipos de recursos e suas quantidades para cada elemento do menor nível da WBS Processo: Estimativa dos Custos Objetivo Desenvolver uma aproximação dos custos dos recursos necessários para a execução das atividades do projeto. Estrutura da Estimativa dos Custos Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. WBS 2. Informações históricas 3. Necessidade de recursos 4. Taxas de produtividade 5. Plano de contas 6. Publicação estimativas 7. Riscos 8. Estimativas de duração 1. Estimação por analogia 2. Estimação Botton-up 3. Estimação paramétrica 4. Ferramentas computacionais 5. Outros métodos 1. Estimativa de custo 2. Detalhes de suporte 3. Plano de gerenciamento de custos 41

42 Estimação por Analogia (Top-down) Estimação dos custos dos recursos por analogia com custos reais de projetos similares Julgamento subjetivo com relação à similaridade Utilizada quando não há informações suficientes para uma estimação mais precisa Funciona se realmente houver semelhanças entre os projetos e se os especialistas tiverem conhecimento para identificá-las Exemplo Estimação Custo Software A O software A é um pouco mais complexo e maior que o software B ($ ), porém mais simples e menor que o software C ($80.000). Estimativa de Custo: (Custo B + Custo C)/2 = $ Vantagens & Desvantagens Rápida Vantagens Tarefas não precisam ser identificadas Menor custo da estimativa Quando existe pouca informação para análise Desvantagens Pouca precisão Pouca compreensão/ informação do projeto Requer muita experiência Menor compromisso da equipe 42

43 Estimação Botton-up Estimação dos custos dos níveis mais baixos da WBS O custo total do projeto é calculado pela soma dos custos individuais Maior precisão, embora necessite mais tempo para elaboração das estimativas Estimação Botton-up A precisão das estimativa está relacionada com o grau de detalhamento da EAP e dos recursos e com a precisão dos custos associados Exemplo Estimação Custo Software A Qte. (h) Recurso $/h $ 200 Eng. Senior Eng. Pleno Eng. Jr Especialista Total

44 Vantagens & Desvantagens Maior precisão Vantagens Maior compromisso da equipe Baseado em visão detalhada do projeto Provê uma base para monitoração e controle Mais lenta Desvantagens Exige mais tempo e custo Tendência à super-estimação Requer que o projeto esteja bem compreendido e definido. Estimação Paramétrica Estimação do custo do projeto através de modelo matemático Aplicação de parâmetros do modelo Ex.: $ por linha de código É um tipo de estimação top-down Estimação Paramétrica É preciso na medida em que: Os projetos envolvidos forem similares A informação histórica utilizada na modelagem for confiável O modelo for escalável, ou seja, funcionar tanto para pequenos quanto para grandes projetos 44

45 Exemplo Estimação Custo Software A Estimativas adotadas: Número de classes: 500 Custo por classe: $ 100 Total estimado: $ Extrapolação Similar ao Método de Estimação por Analogia Prototipação é técnica auxiliar na estimação de custos por extrapolação Utiliza dados reais da prototipação para extrapolar para a estimativa de custo do projeto Tipos de Estimativas Order of Magnitude Estimate: Estimativa feita sem dados detalhados Usualmente utilizada nos estágios iniciais do projeto Intervalo da estimativa: - 25% a + 75% 45

46 Tipos de Estimativas Budget Estimate Usualmente utilizada para se obter fundos e aprovação do projeto Intervalo de estimativa: - 10% a + 25% Definitive Estimate: Usualmente utilizada em propostas, licitações, mudanças de contrato e trabalho adicional Intervalo da estimativa: - 5% a + 10% Processo: Orçamentação dos Custos Objetivo Alocação da estimativa de custo total às atividades (itens individuais do trabalho) para estabelecer uma baseline para medir o desempenho do projeto Estrutura da Orçamentação dos Custos Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas 1. WBS 2. Estimativas de custo 3. Cronograma do projeto 4. Plano de gerenciamento de riscos 1. Estimação por analogia 2. Estimação Botton-up 3. Estimação paramétrica 4. Ferramentas computacionais 5. Outros métodos 1. Baseline de custo 46

47 Baseline de Custos Orçamento de referência que será utilizado para medir e monitorar o desempenho dos custos do projeto Custos do Ciclo de Vida Custos diretos Direct labor costs Custos de material Direct inventory or material costs Custos indiretos Indirect or overhead costs Sunk costs Custos do Ciclo de Vida Custos de oportunidade Opportunity costs Custos Variáveis Variable costs 47

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto 1 Introdução Vamos pensar um pouco? 2 Introdução Porquê gerenciar o tempo? Como saber se chegaremos nos objetivos no prazo estimado? Planejar e Controlar 3

Leia mais

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento.

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento. Gerenciamento de tempo do projeto FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Tempo O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR ESCOPO Teoria EAP etapas de desenvolvimento TEMPO Introdução Ferramentas Exercício: Documentação de Projetos Declaração

Leia mais

Gerenciamento de Tempo em Projetos

Gerenciamento de Tempo em Projetos Gerenciamento de Tempo em Projetos Gisele Blak Bernat, MSc, PMP Por que Gerenciar o Tempo? É um dos tópicos mais importantes dentro da Gestão de Projetos; Recurso escasso na atualidade; Para aproveitá-lo

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Jul/2010 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos. Utilizado para gerenciar tempo e custos dos empreendimentos

Leia mais

TC 045 Gerenciamento de Projetos

TC 045 Gerenciamento de Projetos TC 045 Gerenciamento de Projetos Escopo Tempo Figura: D. Randa (2012) NAYARA SOARES KLEIN nayaraklein@gmail.com ANO: 2013 Escopo: s.m. Finalidade; alvo; intento; propósito. Dicionário Aurélio Escopo do

Leia mais

Monitoramento e Controle. Frases. Roteiro. 1. Processos de Controle 2. Relatório de Desempenho 3. Earned Value Management 4.

Monitoramento e Controle. Frases. Roteiro. 1. Processos de Controle 2. Relatório de Desempenho 3. Earned Value Management 4. Monitoramento e Controle Frases O que não é mensurável, não é gerenciável. Peter Druker Roteiro 1. Processos de Controle 2. Relatório de Desempenho 3. Earned Value Management 4. Referências 1 Processo

Leia mais

As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos

As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos As áreas de conhecimento em gerenciamento de projetos Gerenciamento do Tempo do Projeto 1 Por que os Projetos Atrasam?? Não se consegue controlar o que não se consegue medir. (Tom Demarco) 2 Por que os

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Capítulo 5. Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em março de 2001

Capítulo 5. Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em março de 2001 Capítulo 5 GERÊNCIA DO ESCOPO DO PROJETO A Gerência do Escopo do Projeto abrange os processos requeridos para assegurar que o projeto inclua todo o trabalho necessário, e tão somente o trabalho necessário,

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos

Gestão de Riscos em Projetos Gestão de Riscos em Projetos Lupércio F. Bessegato UFMG Especialização em Estatística Junho/2007 Roteiro 1. Gestão de Projetos 2. Planejamento e Controle 3. Gestão de Risco 4. Aplicações de Probabilidade

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO Anexo 1 - Escopo do Curso de Ferramenta de Apoio ao Gerenciamento de Projetos MSProject 2010 Abordagem PMBOK 4ª Edição E1 Elaborar Termo de Abertura do Projeto (TAP) e Registro das Especificações do Projeto

Leia mais

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado.

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado. EMENDA _Introdução ao gerenciamento de projetos. _Planejamento de escopo, custo e prazo. _Qualidade, RH, aquisições, comunicação. _Noções de governança de TI. _Noções de ITIL. _Noções de COBIT. INTRODUÇÃO

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

Gerenciamento do Tempo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Tempo. PMBOK Guide 2000 Gerenciamento do Tempo PMBOK Guide 2000 1 Objetivos desta Aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para a gerência do tempo de um projeto segundo o PMBOK 2 O que é Gerência de Tempo?

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 As 10 áreas de Conhecimento 2 INTEGRAÇÃO 3 Gerência da Integração Processos necessários

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Prazo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Microsoft Project 2007

Microsoft Project 2007 www.gerentedeprojeto.net.br Microsoft Project 2007 Metodologia de Cálculo de Redes Parte I Alexandre Paiva de Lacerda Costa, PMP, MCTS, ITIL Sumário Introdução... 3 Métodos de Diagramação de Redes... 3

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE TEMPO DE

FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE TEMPO DE UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BACHARELADO FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE TEMPO DE PROJETOS FABIO SOETHE BLUMENAU 2004 2004/2-04

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Artigo elaborado por C. Magno Xavier (M.Sc., PMP) magno@beware.com.br. Como criar uma WBS

Artigo elaborado por C. Magno Xavier (M.Sc., PMP) magno@beware.com.br. Como criar uma WBS Como criar uma WBS A WBS pode ser criada totalmente nova ou reutilizar partes de uma outra WBS ou de modelos (templates) da organização. Ela deve conter subprodutos necessários ao gerenciamento do projeto,

Leia mais

Gestão e Projeto de TI Prof. Mauricio Faria

Gestão e Projeto de TI Prof. Mauricio Faria Gestão e Projeto de TI Prof. Mauricio Faria 2011 Lista de Exercícios 2 Semestre Gestão e Projeto de TI 1. Quais os processos que são incluídos no gerenciamento de custos? O gerenciamento de custos do projeto

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café!

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café! Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção - Aula 6 Gestão de projetos / Diagrama de precedência Diagrama de redes Cronograma Agosto/9 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 6 Gerenciamento

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Professor: Maurício Moreira e Silva Bernardes, Doutor mmbernardes@gmail.

FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Professor: Maurício Moreira e Silva Bernardes, Doutor mmbernardes@gmail. FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Professor: Maurício Moreira e Silva Bernardes, Doutor mmbernardes@gmail.com Autor do Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. www.construcaocivil.info

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Como criar a Estrutura Analítica de um Projeto (EAP)

Como criar a Estrutura Analítica de um Projeto (EAP) Como criar a Estrutura Analítica de um Projeto (EAP) A ferramenta utilizada para a representação das entregas de um projeto é a Estrutura Analítica do Projeto (EAP), tradução para o português de Work Breakdown

Leia mais

Gerenciamento de Tempo: MS Project

Gerenciamento de Tempo: MS Project Gerenciamento de Tempo: MS Project Fevereiro/2014 Garante o planejamento e execução do projeto em um prazo adequado, consistindo na definição, seqüenciamento e estimativa de duração das atividades, com

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com MODELO DE GERENCIAMENTO PMI PMI (Project Management Institute); O modelo PMI é divido em áreas de conhecimento da

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.5. Diagramas de redes de precedência O CPM Critical Path Method, consiste em uma rede com setas representativas

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

1) Objetivos. 3) Estabelecer o Escopo do Software. 2) Principais Atividades

1) Objetivos. 3) Estabelecer o Escopo do Software. 2) Principais Atividades 1) Objetivos Tem como objetivo oferecer estimativas razoáveis de custo, recursos e cronogramas. Gera o plano do projeto de software. UNIDADE 4 100 2) Principais Atividades 1. Estabelecer o escopo do software.

Leia mais

Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para

Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para Clemente Netto Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para Otimização do Tempo Considerações clemente.netto@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento do Tempo de Projetos. Parte 05. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento do Tempo de Projetos. Parte 05. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento do Tempo de Projetos Parte 05 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custo

Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custo Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custo A Abordagem do PMI para as Áreas de Tríplice Restrição O PMI define nove áreas de conhecimento e vários processos divididos entre estas áreas. Embora nenhuma delas

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento do tempo De acordo

Leia mais

Planejamento do Projeto

Planejamento do Projeto Planejamento do Projeto Planejamento do Projeto Planejar é definir e refinar os objetivos e traçar o caminho necessário para alcançá-los. Muitos caminhos levam a Roma. O objetivo do planejamento é encontrar

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.2 2 ESCOPO 3 1 Gerência do Escopo Processos necessários

Leia mais

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições;

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Aula 12 1 2 Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Vantagem: o principal benefício é a geração de um modelo com previsão

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Tempo

Plano de Gerenciamento de Tempo Documento: Nome do Projeto: Gerente do Projeto: Sponsor: Equipe do Projeto: Plano de Gerenciamento de Tempo RESTAURANTE Renato Kaufmann João Cunha Angela Guglielmi Elizabet Sanae João Cunha Renata Santos

Leia mais

Considerações sobre a EAP & Exemplos aplicados

Considerações sobre a EAP & Exemplos aplicados Considerações sobre a EAP & Exemplos aplicados (Peter Mello, peter.mello@x25.com.br) A EAP Estrutura Analítica de Projetos (ou WBS) é um dos elementos essenciais do Gerenciamento de Projetos. A partir

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Lílian Simão Oliveira Contexto Gerentes lutam com projetos assustadores e com prazos finais difíceis de serem cumpridos Sistemas não satisfazem aos usuários Gastos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Programa 1. Conceitos básicos do PMBOK. 2. Gerenciamento do ciclo de vida do sistema: determinação dos requisitos, projeto

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Definição Gerenciamento de Projetos SWEBOK Aplicação de atividades de gerenciamento (planejamento, coordenação, medição, controle e relatório) para assegurar que o desenvolvimento de software é sistemático,

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a da Integração com 30 h/a Facundo Barbosa, MBA, PMP, ITIL, CSP 85 9444.9544 e 85 4005.5644 facunndo@mdb.com.br Slide 1 Metodologia Explanação Discussões em grupo Exercícios práticos Apresentação e estudo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos PMP-Prep Master Class Modulo 04 Prazo. Direitos autorais OBJETIVO DO MÓDULO

Gerenciamento de Projetos PMP-Prep Master Class Modulo 04 Prazo. Direitos autorais OBJETIVO DO MÓDULO Gerenciamento de Projetos PMP-Prep Master Class Modulo 04 Prazo Gerhard Tekes, PMP, OPM3-CC 2009 3PTA Tekes e Associados Serv. Gerenciais Ltda., cursos@3pta.com.br, (71) 3012.6611 Slide 1 Direitos autorais

Leia mais

Considerações gerais sobre o gerenciamento de projetos Processo de gerenciamento de projetos Estruturas organizacionais e equipes de projeto

Considerações gerais sobre o gerenciamento de projetos Processo de gerenciamento de projetos Estruturas organizacionais e equipes de projeto Conteúdo EMC 6605 PROJETO CONCEITUAL CAPÍTULO 3 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE PRODUTOS Capítulo 3 Introdução ao gerenciamento do processo de desenvolvimento integrado

Leia mais

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Airton Eustaquio Braga Junior aebjr@terra.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pos-Graduação IPOG Goiania, GO, 02 de Setembro

Leia mais

Gestão de Projetos em Design. Aula 05 Gestão de projetos /

Gestão de Projetos em Design. Aula 05 Gestão de projetos / Escola Politécnica da USP Departamento Engenharia Produção - Aula 05 projetos / Planejamento do escopo WBS / EAP Agosto/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 O que é escopo do projeto? Como finir a

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Gerenciamentode Custos PMBOK apresentaosseguintesconceitos: Gerenciamento de custos; Processos de Gerenciamento de custos: Estimar custos; Determinar

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 04 Prof. Fábio Diniz FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DE PROJETOS Na aula anterior Project Charter. EAP / WBS. MS Project.

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam fornecer uma visão geral do processo empregado para se administrar a aquisição, no mercado, dos produtos necessários

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

A Importância da Gestão do Escopo para a Gestão de Projetos

A Importância da Gestão do Escopo para a Gestão de Projetos Resumo A Importância da Gestão do Escopo para a Gestão de Projetos Mariana da Silva Gazen - mariana.gazen@gmail.com MBA em Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação e Graduação

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais