Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "daniel.desouza@hotmail.com"

Transcrição

1 VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto 2011 Aplicação do estimador maximum likelihood a um teste de vida sequencial truncado utilizando-se uma distribuição eibull Invertida de três parâmetros como modelo de amostragem 1,2 'H6RX]D'DHO, 2 5RFKD5 2 $]HYHGR3* 1 Departamento de Engenharia Civil, ni. Federal Fluminense, Brasil 2 Departamento de Engenharia de Produção, ni. Estadual do Norte Fluminense, Brasil 5HVXPR A distribuição eibull Invertida de dois parâmetros foi derivada por Pascal Erto (1). Ela tem sido utilizada em confiabilidade Bayesiana para representar a informação existente relacionada com o parâmetro de forma de uma distribuição de amostragem eibull (Erto (1), De Souza e amberson (2) ). A distribuição eibul Invertida possui três parâmetros; um de forma, um de escala e um de vida mínima ou localização. Nesses artigos citados o parâmetro de vida mínima foi considerado igual à zero. Nesse trabalho iremos desenvolver um teste de vida sequencial no qual a distribuição de amostragem será o modelo eibull Invertido de três parâmetros, e o produto sendo analisado será um novo tipo de componente eletrônico. Estaremos assumindo que o parâmetro de vida mínima será diferente de zero. Para estimarmos os três parâmetros da distribuição eibull Invertida, utilizaremos um estimador de máxima verossimilhança (Maximum ikelihood) em uma situação de teste de vida truncado por falhas. O método padrão Maximum ikelihood quando utilizado na estimação dos três parâmetros de um modelo eibull Invertido poderá apresentar problemas de aderência (múltiplas soluções ou ainda nenhuma solução) similares aos encontrados quando a distribuição de amostragem for o modelo eibull de três parâmetros, fato esse citado em Murthy et al (8), Zanakis & Kyparisis (10). Para solucionarmos esse problema de falta de aderência aplicaremos uma modificação proposta por Cohen et al (11). Iremos também desenvolver um mecanismo de truncagem para o modelo eibull Invertido de três parâmetros. Introduziremos regras para a truncagem de um teste de vida sequencial aplicando uma das duas decisões possíveis no momento da truncagem; ou seja, aceitarmos a hipótese nula ou rejeitarmos a hipótese nula. Para determinarmos o número de observações necessárias para alcançarmos o ponto de truncagem teremos de utilizar algum tipo de integração numérica (no nosso trabalho empregaremos a regra de Simpson 1/3). m exemplo irá ilustrar o mecanismo de truncagem proposto para o teste de vida sequencial no qual a distribuição de amostragem será o modelo eibull Invertido de três parâmetros.,rgxomr A distribuição eibull Invertida de dois parâmetros tem sido muito utilizada como um modelo de falhas, principalmente para componentes mecânicos e metalúrgicos (Erto (1), De Souza e amberson (2) ). Ela foi também utilizada anteriormente em situações de

2 testes de vida por De Souza (3) (4). Essa distribuição é muito rica em forma, o que sugere que a mesma possa representar de uma maneira efetiva o padrão de variabilidade de diversos produtos. O modelo eibull Invertido de três parâmetros possui um parâmetro de vida mínima, um de escala e um de forma. A sua função densidade é dada por: I H[S ;! (1) As situações de teste de hipóteses serão dadas por: 1. Para o parâmetro de escala R : ; : < A probabilidade de aceitar será fixada em α se. Agora, se sendo que, a probabilidade de aceitar será fixada em um nível inferior γ. 2. Para o parâmetro de forma R : ; : A probabilidade de aceitar será fixada em α se. Agora, se sendo que, a probabilidade de aceitar será também fixada em um nível inferior γ. < 3. Para o parâmetro de vida mínima : R :φ φ ; : φ < φ Novamente, a probabilidade de aceitar será fixada em α se. Caso com, a probabilidade de aceitar será uma vez mais fixada em um nível inferior γ. 7HVHVHTXHFDO De acordo com Kapur e amberson (2) ; e De Souza (5), o desenvolvimento de um teste de vida sequencial utiliza a relação de funções semelhanças dada por 1;n // A relação probabilística sequencial (536) será dada por 536 / /, ou ainda, de acordo com De Souza (5), para o modelo eibull Invertido de três parâmetros a relação probabilística sequencial (536) será dada por: 635 H[S ( ) ( ) (2) VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

3 ogo, a região contínua de teste será dada por $635%, onde $ γα e também % γα. Deveremos aceitar a hipótese nula caso o 635 % e deveremos rejeitar caso o 635 d $. Agora, se $635%, deveremos analisar mais uma observação. Então, se aplicarmos o logaritmo natural em cada termo da equação (2) e após alguma manipulação algébrica, obteremos: O ( γ ) O α ; O α O (3) γ ; ( ) ( ) ( ) O( φ ) ( ) ( ) 7DPDKRHVSHDGRGDDPRVDSDDHIHRGHXFDJHP O φ (4) De acordo com Mood e Graybill (6), uma expressão aproximada para o tamanho esperado da amostra para efeito de truncagem E(n) de um teste de vida sequencial será dado por: 3 ( ( φ ) O ( $ ) [ 3 ( φ )] O ( % ) (( Z) (5) Aqui, $ γα e % γα. A variável Z será dada por: Z O I I ( φ ) ( φ ) R R R (6) A equação (5) permite que se comparem testes de vida sequencial com testes possuindo o tamanho das amostras fixo, pré-determinados. A prova da existência das equações (5) e (6) pode ser encontrada em Mood e Graybill (6), páginas 391 e 392. Para uma distribuição de amostragem eibull Invertida de três parâmetros o valor esperado da equação (5) será dado por: VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

4 (( Z) O R R R ( ) ( O ( ( ) ( ( O ( ) (7) A solução para os componentes da equação (7) pode ser encontrada em De Souza (5). (VPDGRGHPi[PDYHRVVPOKDoDSDDRPRGHOR:HEXOO,YHGRGHrVSDkPHRVHPVXDomRGHXFDJHPSRIDOKDV O estimador de máxima verossimilhança para os parâmetros de forma, escala e vida mínima de uma distribuição de amostragem eibull Invertida, em uma situação de truncagem por número de falhas, será dado por: Agora, com /( ) N I [ 5]! (8) I H[S e também com a função H[S, teremos: confiabilidade dada por 5 ( ) ( ) / N ( ) A função log-similhança / O[ /( ) ] / O( N) O( ) O( ) H ( ) será dada por: H ±( ) O( ) ± í ( ) ( n r) Para encontrarmos os valores de, e que maximizem a função log-similhança, obteremos as derivadas em relação a esses parâmetros, e, e as fazemos iguais à zero. Então, teremos: VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

5 VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto G G/ ± ± (9) G G / O ± O ± î O ± ± O (10) G / G ± î (11) Da equação (9) obteremos: (12) Observe que quando, a equação (12) se reduzirá ao estimador de máxima verossimilhança para a distribuição Exponencial Invertida de dois parâmetros. Substituindo a Equação (12) para nas Equações (10) e (11) e aplicando alguma álgebra, as equações (10) e (11) se transformarão em: O O O (13) (14)

6 As equações (13) e (14) necessitam serem resolvidas simultaneamente. A solução simultânea de duas equações interativas pode parecer relativamente simples quando comparada com a difícil tarefa de se resolver simultaneamente três equações interativas (no nosso caso, as equações 9, 10 e 11), como o verificado em Harter et al (7). O método de estimação padrão do estimador de máxima verossimilhança quando utilizado na estimação dos três parâmetros dos modelos eibull e eibull Invertido poderá apresentar problemas, devido ao fato de que as condições de regularidade não serem obtidas: veja Murthy, et al (8), Blischke (9) e Zanakis & Kyparisis (10). Para se resolver esse problema de falta de regularidade, um dos métodos propostos por Cohen, et al (11) é o de se substituir a equação (14) pela equação (15) seguinte: N J 8 8 H J R M N 8 H R 8 M N (15) M Aqui, representa a primeira ordem estatística de uma amostra de tamanho. Na resolução das equações resultantes da aplicação do método do estimador de máxima verossimilhança, iremos utilizar esse método proposto por Cohen, et al (11). De Souza (5) apresenta a derivação da equação (15). m teste de vida preliminar será então realizado para se determinar um valor estimado para o primeiro tempo de falhas t 1 da distribuição de amostragem eibull Invertido de três parâmetros. Em seguida, para determinarmos estimadores para os parâmetros de forma, de escala e de vida mínima do modelo eibull Invertido de três parâmetros, resolveremos interativamente as equações (13) e (15), com o valor do parâmetro de forma dado pela equação (12). uando se decidir a respeito dos valores de αγ e de 3, e após o valor de (Z ser calculado, o teste de vida sequencial estará totalmente definido. ([HPSOR m componente eletrônico será submetido a um teste de vida. Como esse é um novo produto, existe muito pouca informação disponível acerca dos possíveis valores que os parâmetros da distribuição de amostragem eibull Invertida poderiam ter. Desse modo, realizou-se um teste de vida preliminar a fim de se determinar um valor estimado para esses parâmetros da distribuição de amostragem. Nesse teste preliminar, um grupo de doze itens foi submetido a um teste de vida, com o teste sendo truncado no momento da ocorrência da nona falha. A Tabela (1) seguinte apresenta os dados relativos aos tempos de falhas (horas) para esse teste de vida preliminar. 7DEHOD7HPSRGHIDOKDVKRDVSDDRSRGXRHOH{FRHVHSHOPD VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

7 A distribuição de amostragem é o modelo eibull Invertido de três parâmetros. tilizando-se o estimador de máxima verossimilhança para o parâmetro de forma, para o parâmetro de escala e para o parâmetro de vida mínima de uma distribuição de amostragem eibull Invertida de três parâmetros para dados truncados por falhas (truncagem do Tipo II), obteremos os seguintes valores para esses parâmetros: 9,2; 588 horas; 147 horas Foi decidido que o valor de α seria de 0,05 e o de γ seria de 0,10. Nesse exemplo, escolhemos os seguintes valores para os parâmetros das hipóteses nula e alternativa: parâmetro de escala da hipótese alternativa 550 horas, parâmetro de forma da hipótese alternativa 8,5 e parâmetro de vida mínima ou de localização da hipótese alternativa 180 horas; parâmetro de escala da hipótese nula 588 horas, parâmetro de forma da hipótese nula 0 9,2 e parâmetro de vida mínima da hipótese nula 140 horas. Nesse caso, mesmo após a observação de quinze tempos de falhas, não foi possível se tomar uma decisão de aceitar ou rejeitar a hipótese nula. Os tempos de falhas obtidos (horas) foram os seguintes: 662,9; 593,5; 703,6; 676,8; 851,6; 719,8; 737,8; 840,8; 679,6; 748,0; 905,1; 687,6; 645,5; 622,7 e A Figura (1) apresenta o resultado desse teste de vida sequencial: NÚMERO DE ITENS TESTADOS V A O R E S D E X ACEITAR Ho REJEITAR Ho )JXD7HVHGHYGDVHTXHFDOSDDDGVEXomRGHDPRVDJHP:HEXOO,YHGRGHrVSDkPHRV VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

8 tilizando-se agora as equações (5) e (7), com os valores de 550 horas, 588 horas, 140 horas; 180 horas; 8,5; 9,2, α 0,05; γ 0,10 e fazendo 3 igual a 0,01, poderemos então calcular o valor esperado do tamanho da amostra para efeito de truncagem (Z desse teste de vida sequencial sendo analisado. ogo, teremos: (( Z) 5, ,2 6,3794 9,5 6,3745 0,0456 1,0 0,35583 Agora, com 3 0,01, sendo o O (%) também com ( $ ) ( γ ) O O α 2,8904, e O O γ α O 2,2513, teremos: ( ) O( $ ) [ 3( )] O( %) 3 2,8390 Então: ( 7,978 8 itens. ogo poderemos tomar a decisão de aceitarmos ou rejeitarmos a hipótese nula após a análise da observação número oito. 8PSRFHVVRSDDDSOFDomRGRPHFDVPRGHXFDJHP De acordo com Kapur e amberson (2) quando o ponto de truncagem for alcançado, traça-se uma linha dividindo ao meio a região contínua do gráfico. Essa linha deverá ser traçada iniciando-se na origem do gráfico, sendo a mesma paralela às linhas de aceitação e de rejeição da hipótese nula. A decisão de se aceitar ou de se rejeitar a hipótese nula dependerá apenas do lado da linha no qual a observação relativa ao ponto de truncagem se encontra. Obviamente esse procedimento deverá alterar os níveis de α e de γ referentes ao teste original. Entretanto, de acordo com Kapur e amberson (2), essa alteração será mínima se o ponto de truncagem não for muito pequeno (menor do que quatro unidades). A Figura (2) seguinte apresenta o resultado da aplicação desse mecanismo de truncagem. VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

9 V A O R E S NÚMERO DE ITENS TESTADOS PONTO DE TRNCAGEM ACEITA Ho D E X REJEITA Ho )JXD2PHFDVPRGHXFDJHPSDDRHVHGHYGDVHTXHFDOHGRFRPR GVEXomRGHDPRVDJHPRPRGHOR:HEXOO,YHGRGHrVSDkPHRV Como podemos observar na Figura (2), a hipótese nula deverá ser aceita devido à observação correspondente ao ponto de truncagem (observação número oito) se situar no lado da linha relacionado com a aceitação de. &RFOXV}HV A melhor vantagem de se utilizar um teste de vida sequencial em relação a um teste de vida com tamanho de amostra pré-fixado é a de se reduzir o número de observações a ser analisado, com a consequente redução dos custos do teste. Acontece que mesmo com o emprego de um mecanismo de teste de vida sequencial, algumas vezes o número necessário de observações para obter uma decisão relativa a aceitação ou a rejeição da hipótese nula poderá ser muito elevado, como mostrado por De Souza (12). ogo, o teste necessitará ser truncado após um número determinado de observações, número esse calculado estatisticamente. O teste de vida sequencial desenvolvido nesse estudo fornece regras para trabalharmos com a hipótese nula em situações onde a distribuição de amostragem é o modelo eibull Invertido de três parâmetros. A vida mínima foi considerada como sendo diferente de zero. Para estimarmos os parâmetros de forma, escala e vida mínima do VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

10 modelo eibull Invertido, utilizamos o método da máxima verossimilhança (maximum likelihood) em uma situação de truncagem por número de falhas. Como analisamos na seção quatro, o método de estimação padrão do estimador de máxima verossimilhança quando utilizado na estimação dos três parâmetros dos modelos eibull e eibull Invertido poderá apresentar problemas, devido ao fato de que as condições de regularidade não serem obtidas: veja Murthy, et al (8), Blischke (9) e Zanakis & Kyparisis (10). Para se resolver esse problema de falta de regularidade, utilizamos uma modificação proposta por um Cohen, et al (11). m teste de vida preliminar foi realizado com o objetivo de se determinar um valor estimado para esses parâmetros da distribuição de amostragem. O menor tempo de falha obtido nesse teste (582 horas) foi utilizado na equação (15) como o estimador de. Nesse estudo fornecemos regras para a truncagem de um teste de vida sequencial aplicando uma das duas decisões possíveis no momento da truncagem; ou seja, aceitarmos a hipótese nula ou rejeitarmos a hipótese nula. Para determinarmos o número de observações necessárias para alcançarmos o ponto de truncagem utilizamos um tipo de integração numérica (nesse trabalho empregamos a regra de Simpson 1/3). Sem a utilização do mecanismo de truncagem desenvolvido nesse estudo não fomos capazes de alcançarmos uma decisão relativa ao aceitamento ou rejeição da hipótese nula mesmo após a análise de quinze observações. Aplicando-se agora o mecanismo de truncagem desenvolvido, a decisão de aceitarmos a hipótese nula foi alcançada com a análise de apenas oito observações. Esse fato mostra a vantagem de se utilizar o mecanismo de truncagem desenvolvido para esse teste de vida sequencial. 5HIHrFDV 1. P. Erto, New Practical Bayes Estimators for the 2-Parameter eibull Distribution, IEEE Transactions on Reliability, Vol. R-31, N o 2, pp , D. I. De Souza, and. R. amberson, Bayesian eibull Reliability Estimation, IIE Transactions, 27(3), pp , D. I. De Souza, Truncation Mechanism in a Sequential ife Testing Approach with an nderlying Two-Parameter Inverse eibull Model, In Proceedings of COMADEM 2001 Conference, Manchester, pp , September 4-6, D. I. De Souza, Sequential ife Testing with nderlying eibull and Inverse eibull Sampling Distributions, In Proceedings of COMADEM 2002 Conference, Birmingham, pp , September 2-4, D. I. De Souza, A Maximum ikelihood Approach Applied to an Accelerated ife Testing with an nderlying Three-Parameter Inverse eibull Model, In Proceedings of COMADEM 2005 Conference, Cranfield, Vol. 1, pp , June 7-9, A. M. Mood and F. A. Graybill, Introduction to the Theory of Statistics, Second Edition, New York, H. Harter et al, Maximum ikelihood Estimation of the Parameters of Gamma and eibull Populations from Complete and from Censored Samples, Technometrics, Vol. 7, pp , VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

11 8. D. N. P. Murthy et al, eibull Models, iley Series in Probability and Statistics, John iley & Sons, R. Blischke, On nonregular estimation. II. Estimation of the ocation Parameter of the Gamma and eibull Distributions, Communications in Statistics Vol. 3, pp , S. H. Zanakis and J. Kyparisis, A Review of Maximum ikelihood Estimation Methods for the Three Parameter eibull Distribution, Journal of Statistical Computation and Simulation, N o 25, pp , A. C. Cohen et al, Modified Moment Estimation for the Three-Parameter eibull Distribution, Journal of uality Technology, N o 16, pp , D. I. De Souza, Sequential ife Testing with a Truncation Mechanism for an nderlying eibull Model, Towards a Safer orld, ESRE 2001 Conference, Torino, Vol. 3, pp , September 16-20, VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto

Tempos de falhas de um fluido isolante entre eletrodos utilizando-se como distribuições de amostragem os modelos Weibull Invertido e Normal

Tempos de falhas de um fluido isolante entre eletrodos utilizando-se como distribuições de amostragem os modelos Weibull Invertido e Normal VIII Congreso Regional de ENDE Campana Agosto 2011 Tempos de falhas de um fluido isolante entre eletrodos utilizando-se como distribuições de amostragem os modelos eibull Invertido e Normal 1,2 'H6RX]D'DHO,

Leia mais

A distribuição Weibull-Poisson

A distribuição Weibull-Poisson A distribuição Weibull-Poisson Estela Maris P. Bereta - DEs/UFSCar Francisco Louzada-Neto - DEs/UFSCar Maria Aparecida de Paiva Franco - DEs/UFSCar Resumo Neste trabalho é proposta uma distribuição de

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

Análise da Influência do Parâmetro de Hurst na Avaliação de Desempenho de Filas P/M/1

Análise da Influência do Parâmetro de Hurst na Avaliação de Desempenho de Filas P/M/1 Análise da Influência do Parâmetro de Hurst na Avaliação de Desempenho de Filas P/M/1 Wiliam H. Hisatugu & Anilton S. Garcia Resumo O uso de sistemas de filas com Distribuição de Pareto é uma das formas

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

A distribuição Weibull exponenciada geométrica

A distribuição Weibull exponenciada geométrica A distribuição Weibull exponenciada geométrica Josiane Rodrigues 1 Elizabeth M. Hashimoto 1 Edwin M. M. Ortega 1 Gauss M. Cordeiro 2 Sônia M. De S. Piedade 1 1 Introdução A distribuição Weibull tem sido

Leia mais

ESTIMADORES NÃO VICIADOS PARA O TEMPO MÉDIO ATÉ A FALHA E PARA PERCENTIS OBTIDOS DO MODELO DE REGRESSÃO DE WEIBULL

ESTIMADORES NÃO VICIADOS PARA O TEMPO MÉDIO ATÉ A FALHA E PARA PERCENTIS OBTIDOS DO MODELO DE REGRESSÃO DE WEIBULL ESTIMADORES NÃO VICIADOS PARA O TEMPO MÉDIO ATÉ A FALHA E PARA PERCENTIS OBTIDOS DO MODELO DE REGRESSÃO DE WEIBULL Linda Lee Ho Departamento de Engenharia de Produção, Escola Politécnica Universidade de

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 de setembro a de outubro de 2 COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS DOS MOMENTOS E DA MÁXIMA VEROSSSIMILHANÇA PARA ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE WEIBULL LIDIANE APARECIDA BORGES, CARLOS

Leia mais

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software

Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Critérios para Apoiar a Decisão Sobre o Momento de Parada dos Testes de Software Victor Vidigal Ribeiro Guilherme Horta Travassos {vidigal, ght}@cos.ufrj.br Agenda Introdução Resultados da revisão Corpo

Leia mais

3 Método de Monte Carlo

3 Método de Monte Carlo 25 3 Método de Monte Carlo 3.1 Definição Em 1946 o matemático Stanislaw Ulam durante um jogo de paciência tentou calcular as probabilidades de sucesso de uma determinada jogada utilizando a tradicional

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Métodos de Monte Carlo

Métodos de Monte Carlo Departamento de Estatística - UFJF Outubro e Novembro de 2014 são métodos de simulação São utilizados quando não temos uma forma fechada para resolver o problema Muito populares em Estatística, Matemática,

Leia mais

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Americo Barbosa da Cunha Junior Departamento de Engenharia Mecânica Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 1 Introdução A dinâmica de um sistema

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA Miriam Pittigliani Instituto Tecnológico Simepar Centro Politécnico da UFPR Cx. Postal 19.1, Curitiba-PR, 81.531-99 e-mail:

Leia mais

Tópico 8. Estatística Inferencial Teste de Hipóteses

Tópico 8. Estatística Inferencial Teste de Hipóteses Tópico 8 Estatística Inferencial Teste de Hipóteses Estatística Inferencial Princípio básico da estatística População (Plano de Amostragem Probabilística) Amostra Generalizar Descrever dados Parâmetro

Leia mais

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS SPOLM 06 ISSN 1806-3632 Rio de Janeiro, Brasil, 15 e 16 de de 06 LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS Helinton A. L. Barbosa Departamento de Estatística

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

GERAÇÃO DE NÚMEROS ALEATÓRIOS PARA A SIMULAÇÃO DE AMBIENTES

GERAÇÃO DE NÚMEROS ALEATÓRIOS PARA A SIMULAÇÃO DE AMBIENTES WCMC IV Brazilian Workshop on Wirless Communications and Mobile Computing GERAÇÃO DE NÚMEROS ALEATÓRIOS PARA A SIMULAÇÃO DE AMBIENTES DE PROPAGAÇÃO NÃO-HOMOGÊNEOS CÉSAR KYN D ÁVILA (), RAUSLEY A. A. DE

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil

C.P.B. AZEVEDO* Leme / Tractebel Brasil AVALIAÇÃO DOS ESTADOS LIMITES DE SERVIÇO: DESLOCAMENTOS MÁXIMOS E RESIDUAIS ATRAVÉS DO ESTUDO PROBABILÍSTICO DE RESULTADOS DE ENSAIOS DE CAMPO EM FUNDAÇÕES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO C.P.B. AZEVEDO* Leme

Leia mais

Confiabilidade de Software Uma Visão Geral

Confiabilidade de Software Uma Visão Geral Confiabilidade de Software Uma Visão Geral VI Workshop Anual do MPS (WAMPS) 2010 Odair Jacinto da Silva A IN3 Softwareéuma empresa sustentada por três pilares: Interação, Inspiraçãoe Inovação. Na base

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO EDITAL COMPLENTAR N 001 AO EDITAL N 003/2012 UNAT A, no uso de suas atribuições legais e em cumprimento das normas previstas no artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, Decreto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESENÇA DE CÂNCER DE ESÔFAGO COMPARADA COM HÁBITO DE FUMAR E IDADE EM INDIVÍDUOS DA DINAMARCA

ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESENÇA DE CÂNCER DE ESÔFAGO COMPARADA COM HÁBITO DE FUMAR E IDADE EM INDIVÍDUOS DA DINAMARCA ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESENÇA DE CÂNCER DE ESÔFAGO COMPARADA COM HÁBITO DE FUMAR E IDADE EM INDIVÍDUOS DA DINAMARCA Bárbara Camboim Lopes de FIGUEIRÊDO 1, Gustavo Henrique ESTEVES 2 1 Departamento de Estatística

Leia mais

Conceitos de Confiabilidade Características da Distribuição Weibull

Conceitos de Confiabilidade Características da Distribuição Weibull Página 1 de 7 WebSite Softwares Treinamentos Consultorias Recursos ReliaSoft Empresa ReliaSoft > Reliability Hotwire > Edição 3 > Conceitos Básicos de Confiabilidade Reliability HotWire Edição 3, Maio

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I:

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I: Este artigo é parte de uma série de artigos que explicam a pesquisa conduzida pelos estatísticos do Minitab para desenvolver os métodos e verificações de dados usados no Assistente no Software Estatístico

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Inferência Estatística Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística Conteúdo 1 Inferência estatística Conceitos básicos 1 1.1

Leia mais

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC.

Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Aplicação do Controle Estatístico Multivariado no Processo de Extrusão de Tubos de PVC. Ítalo L. Fernandes, Lidiane J. Michelini, Danilo M. Santos & Emerson Wruck Universidade Estadual de Goiás UEG, CEP

Leia mais

Distribuição Exponencial Exponenciada na Presença de Fração de Cura: Modelos de Mistura e Não-Mistura

Distribuição Exponencial Exponenciada na Presença de Fração de Cura: Modelos de Mistura e Não-Mistura Distribuição Exponencial Exponenciada na Presença de Fração de Cura: Modelos de Mistura e Não-Mistura Emílio Augusto Coelho-Barros 1,2 Jorge Alberto Achcar 2 Josmar Mazucheli 3 1 Introdução Em análise

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Aplicação de árvores de contexto probabilísticas para classificação de textos do Corpus Histórico do Português Tycho Brahe

Aplicação de árvores de contexto probabilísticas para classificação de textos do Corpus Histórico do Português Tycho Brahe Aplicação de árvores de contexto probabilísticas para classificação de textos do Corpus Histórico do Português Tycho Brahe Bruno Sette Camara de Oliveira, Denise Duarte Departamento de Estatística Universidade

Leia mais

MOQ-13 Probabilidade e Estatística

MOQ-13 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-13 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br Motivação Idéias Básicas

Leia mais

Introdução. Métodos de inferência são usados para tirar conclusões sobre a população usando informações obtidas a partir de uma amostra.

Introdução. Métodos de inferência são usados para tirar conclusões sobre a população usando informações obtidas a partir de uma amostra. Métodos Monte Carlo Introdução Métodos de inferência são usados para tirar conclusões sobre a população usando informações obtidas a partir de uma amostra. Estimativas pontuais e intervalares para os parâmetros;

Leia mais

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Introdução ao Americo Barbosa da Cunha Junior Departamento de Engenharia Mecânica Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro americo.cunhajr@gmail.com 26 de julho de 2011 1 / 27 Sumário Introdução

Leia mais

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br) PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Sinais e Sistemas CÓDIGO: MEE003 Validade: A partir do 1º semestre de 2009. Carga Horária: 5 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Modelagem e Controle de Sistemas / Disciplinas

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali

Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali Capítulo 4 Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali Os temas deste capítulo são: Teste Estatístico Hipótese estatística Pressuposições no teste de hipótese Regras de decisão Erros tipo I e tipo

Leia mais

Valeska Andreozzi 2010

Valeska Andreozzi 2010 Introdução Valeska Andreozzi 2010 Referências 3 Modelagem estatística 8 Modelagem................................................................... 9 Objetivos....................................................................

Leia mais

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Leandro Alves Pereira - FAMAT, UFU Rogerio de Melo Costa Pinto - FAMAT, UFU 2 Resumo: Os insetos-pragas

Leia mais

Resistência dos concretos produzidos no Brasil

Resistência dos concretos produzidos no Brasil Quantificação de incertezas em engenharia de estruturas Prof. Dr. André T. Beck Universidade de São Paulo / Departamento de Engenharia de Estruturas / atbeck@sc.usp.br Resumo A segurança de estruturas

Leia mais

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R Roberta Bessa Veloso 1, Daniel Furtado Ferreira 2, Eric Batista Ferreira 3 INTRODUÇÃO A inferência estatística

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

APLICAÇÃO DA FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESTATÍSTICA DE WEIBULL NA FADIGA MECÂNICA

APLICAÇÃO DA FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESTATÍSTICA DE WEIBULL NA FADIGA MECÂNICA APLICAÇÃO DA FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESTATÍSTICA DE WEIBULL NA FADIGA MECÂNICA LOPES, J.T. de Barros Universidade Federal do Pará Av. Gov. José Malcher, 960, Apto. 403, 66.055-260, Nazaré, Belém- Pará teofilo@ufpa.br

Leia mais

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

Análise bioestatística em fumantes dinamarqueses associado

Análise bioestatística em fumantes dinamarqueses associado Análise bioestatística em fumantes dinamarqueses associado à câncer de esôfago Bárbara Camboim Lopes de Figueirêdo 1 Gustavo Henrique Esteves 2 1 Introdução A Bioestatística surgiu em 1894 quando Karl

Leia mais

Sistema estatístico para controle e avaliação do desempenho da manutenção

Sistema estatístico para controle e avaliação do desempenho da manutenção Sistema estatístico para controle e avaliação do desempenho da manutenção Rodrigo José Pires Ferreira (UFPE) rodrigo@ufpe.br Anderson Jorge Melo Brito (UFPE) anderson@ufpe.br Ana Paula Cabral Seixas Costa

Leia mais

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO,

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, 593 o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Elza Correia Sucharov (1) Margarete O. Domingues (2) Ana Lucia M. da Silva (1) (1) Departamento de Meteorologia/UFRJ

Leia mais

METODOLOGIA BAYESIANA PARA A ACTUALIZAÇÃO DO MÓDULO DE DEFORMABILIDADE NUMA ESTRUTURA SUBTERRÂNEA

METODOLOGIA BAYESIANA PARA A ACTUALIZAÇÃO DO MÓDULO DE DEFORMABILIDADE NUMA ESTRUTURA SUBTERRÂNEA METODOLOGIA BAYESIANA PARA A ACTUALIZAÇÃO DO MÓDULO DE DEFORMABILIDADE NUMA ESTRUTURA SUBTERRÂNEA BAYESIAN METHODOLOGY FOR THE DEFORMABILITY MODULUS UPDATING IN AN UNDERGROUND STRUCUTRE Miranda, Tiago,

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS observação = previsível + aleatória aleatória obedece algum modelo de probabilidade ferramenta: análise de variância identificar fatores, controláveis, que expliquem o fenômeno ou alterem a característica

Leia mais

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO Luciano Pereira Magalhães - 8º - noite lpmag@hotmail.com Orientador: Prof Gustavo Campos Menezes Banca Examinadora: Prof Reinaldo Sá Fortes, Prof Eduardo

Leia mais

MAPEAMENTO DA INOVAÇÃO EM EMPRESAS SERGIPANAS: UMA APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA

MAPEAMENTO DA INOVAÇÃO EM EMPRESAS SERGIPANAS: UMA APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA MAPEAMENTO DA INOVAÇÃO EM EMPRESAS SERGIPANAS: UMA APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA Alberth Almeida Amorim Souza 1 Íkaro Daniel de Carvalho Barreto 2 Suzana Leitão Russo³ 1 Introdução O significado de

Leia mais

Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino

Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino Renato M. Assunção, Danilo L. Lopes Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Caixa Postal 70 3170-901 Belo Horizonte

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO ESTADO DE PERNAMBUCO

COMPARAÇÃO ENTRE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO ESTADO DE PERNAMBUCO SCIENTIA PLENA VOL. 6, NUM. 6 010 www.scientiaplena.org.br COMPARAÇÃO ENTRE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO ESTADO DE PERNAMBUCO I. F. Souza 1, W.J. C. Lundgren, A. O. A. Netto

Leia mais

5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites

5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites M. Eisencraft 5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites 7 5.7 Amostragem e alguns teoremas sobre limites Para quantificar os problemas associados às medidas práticas de uma VA, considere o problema

Leia mais

Distribuição hipergeométrica confluente Pareto com uma

Distribuição hipergeométrica confluente Pareto com uma Distribuição hipergeométrica confluente Pareto com uma aplicação em Análise de Sobrevivência Jailson de Araujo Rodrigues 3 Ana Paula Coelho Madeira Silva 2 Jaime dos Santos Filho 3 Introdução Nos últimos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS PROBABILIDADES E COMBINATÓRIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 Introdução ao cálculo Conhecer terminologia das probabilidades de Probabilidades

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperaçãode Informação GSI521 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Aula anterior Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Modelo vetorial- Definição Para o modelo vetorial, o

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana

Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana Bruna Cristina Braga 1 2 Juliana Garcia Cespedes 1 1 Introdução Os cursos de pós-graduação do Brasil são avaliados pela

Leia mais

Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously. Peter K. Dunn Autor Braga Junior e Eduardo Gomes Apresentação

Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously. Peter K. Dunn Autor Braga Junior e Eduardo Gomes Apresentação Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously Peter K. Dunn Autor Apresentação Introdução Introdução Estudos sobre modelagem da precipitação de chuvas são importantes, pois permitem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VENDAS DE IMÓVEIS USANDO MODELO PROBIT

AVALIAÇÃO DE VENDAS DE IMÓVEIS USANDO MODELO PROBIT AVALIAÇÃO DE VENDAS DE IMÓVEIS USANDO MODELO PROBIT Francisco José Sales Rocha Professor Assistente III Universidade Federal do Ceará.Doutorando em Economia, PIMES - UFPE Manoel Estevão da Costa, 84, APTO.06,

Leia mais

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior

Capítulo 5. Modelos de Confiabilidade. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Setor de Estatística Viçosa 007 Capítulo 5 Modelos de Confiabilidade

Leia mais

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de Processo (CEP) Verificar estabilidade processo Coleção de ferramentas

Leia mais

Valor Prático da Distribuição Amostral de

Valor Prático da Distribuição Amostral de DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA DA AMOSTRA OU DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DE Antes de falarmos como calcular a margem de erro de uma pesquisa, vamos conhecer alguns resultados importantes da inferência estatística.

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 7 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

Um modelo de TRI para dados do vestibular 2011.2 da Universidade Federal de Uberlândia

Um modelo de TRI para dados do vestibular 2011.2 da Universidade Federal de Uberlândia Um modelo de TRI para dados do vestibular 20.2 da Universidade Federal de Uberlândia Luana Amâncio Terra 2 José Waldemar da Silva 2 Lúcio Borges de Araújo 2 Maria Imaculada de Sousa Silva 2 Introdução

Leia mais

USANDO O MÉTODO DE MONTE CARLO PARA ENCONTRAR RAÍZES DE EQUAÇÕES

USANDO O MÉTODO DE MONTE CARLO PARA ENCONTRAR RAÍZES DE EQUAÇÕES USANDO O MÉTODO DE MONTE CARLO PARA ENCONTRAR RAÍZES DE EQUAÇÕES Antônio Carlos da Silva Filho (Uni-FACEF) Faiano Guasti Lima (USP) 1 INTRODUÇÃO Um dos principais prolemas no cálculo numérico refere-se

Leia mais

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 1 (24), 117-124. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos

Leia mais

Predição em Modelos de Tempo de Falha Acelerado com Efeito Aleatório para Avaliação de Riscos de Falha em Poços Petrolíferos

Predição em Modelos de Tempo de Falha Acelerado com Efeito Aleatório para Avaliação de Riscos de Falha em Poços Petrolíferos 1 Predição em Modelos de Tempo de Falha Acelerado com Efeito Aleatório para Avaliação de Riscos de Falha em Poços Petrolíferos João Batista Carvalho Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Estatística,

Leia mais

INCERTEZA NA ESTIMATIVA DE PARÂMETROS PARA A GERAÇÃO DE VAZÕES SINTÉTICAS PELO MÉTODO DE MONTE CARLO

INCERTEZA NA ESTIMATIVA DE PARÂMETROS PARA A GERAÇÃO DE VAZÕES SINTÉTICAS PELO MÉTODO DE MONTE CARLO INCERTEZA NA ESTIMATIVA DE PARÂMETROS PARA A GERAÇÃO DE VAZÕES SINTÉTICAS PELO MÉTODO DE MONTE CARLO Luiz Sérgio V. Nascimento 1 ; José Nilson B. Campos 2 ; Dyego G. Barcelos 2 & Ticiana M. C. Studart

Leia mais

Sistemas Instrumentados de Segurança (SIS)

Sistemas Instrumentados de Segurança (SIS) Sistemas Instrumentados de Segurança (SIS) Autor: Elisio Carvalho Silva Data: 13/01/2012 Introdução Os sistemas instrumentados de segurança (SIS) são utilizados para permitir uma maior segurança num equipamento

Leia mais

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que:

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que: Vamos admitir que o tempo de atendimento (tempo de serviço) de clientes diferentes são variáveis aleatórias independentes e que o atendimento de cada consumidor é dado por uma variável S tendo função densidade

Leia mais

SIMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA E O IMPACTO EM UM SISTEMA PRODUTIVO.

SIMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA E O IMPACTO EM UM SISTEMA PRODUTIVO. SIMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA E O IMPACTO EM UM SISTEMA PRODUTIVO. CAMILA RODRIGUES VIEIRA MACHADO (pitagoras) camilarvm@hotmail.com SAMARA LOPES BARBOSA (pitagoras) samaralb@hotmail.com

Leia mais

MOQ-23 ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo

MOQ-23 ESTATÍSTICA. Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo MOQ-3 ESTATÍSTICA Proessor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Probabilidade e Estatística: The Science o collecting and analyzing data or the purpose o drawing conclusions and making

Leia mais

Comparação Estatística de Algoritmos Evolutivos

Comparação Estatística de Algoritmos Evolutivos Comparação Estatística de Algoritmos Evolutivos Parte I: Planejamento Experimental Felipe Campelo fcampelo@ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais São Carlos 02 de Abril de 2012 Motivação Motivação

Leia mais

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Em muitas experiências interessa estudar o efeito de mais do que um factor sobre uma variável de interesse. Quando uma experiência

Leia mais

Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014. Analista de Projetos da Geração de Energia

Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014. Analista de Projetos da Geração de Energia Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 2014 Analista de Projetos da Geração de Energia Oi, pessoal! Vou resolver as quatro questões de Estatística (53 a 56) da prova elaborada pela banca Cesgranrio para

Leia mais

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO

TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL. Cleber Giugioli Carrasco 1 ; Francisco Louzada-Neto 2 RESUMO TTT-PLOT E TESTE DE HIPÓTESES BOOTSTRAP PARA O MODELO BI-WEIBULL Cleber Giugioli Carrasco ; Francisco Louzada-Neto Curso de Matemática, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, UEG. Departamento

Leia mais

MÓDULO 5 DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga

MÓDULO 5 DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL. Curso de Especialização em Transporte Ferroviário de Carga MÓDULO 5 DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL O físico Ernest Hjalmar Wallodi Weibull nasceu no dia 18 de junho de 1887 na Suécia. Ele publicou vários trabalhos na área de engenharia dos materiais, inclusive estudos

Leia mais

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Revisões Simplex básico Solução óptima multipla Em simplex: valores 0 na função custo Solução degenerada Em simplex: empates na variável a sair, variáveis

Leia mais

Cálculo do VAR Através de Simulação Monte Carlo: Uma Avaliação de Uso de Métodos Amostrais Mais Eficientes

Cálculo do VAR Através de Simulação Monte Carlo: Uma Avaliação de Uso de Métodos Amostrais Mais Eficientes Cálculo do VAR Através de Simulação Monte Carlo: Uma Avaliação de Uso de Métodos Amostrais Mais Eficientes Autoria: Eduardo Saliby e Marcos Moura Silva Araújo Resumo O VAR (Value At Risk) transformou-se

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

PASSEIOS ALEATÓRIOS E CIRCUITOS ELÉTRICOS

PASSEIOS ALEATÓRIOS E CIRCUITOS ELÉTRICOS PASSEIOS ALEATÓRIOS E CIRCUITOS ELÉTRICOS Aluno: Ricardo Fernando Paes Tiecher Orientador: Lorenzo Justiniano Díaz Casado Introdução A teoria da probabilidade, assim como grande parte da matemática, está

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

Aula 10 Testes de hipóteses

Aula 10 Testes de hipóteses Aula 10 Testes de hipóteses Na teoria de estimação, vimos que é possível, por meio de estatísticas amostrais adequadas, estimar parâmetros de uma população, dentro de certo intervalo de confiança. Nos

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática balsa@ipb.pt Mestrados em Engenharia da Construção Métodos de Aproximação em Engenharia 1 o

Leia mais

A FUNÇÃO WEIBULL NO ESTUDO DE DISTRIBUIÇÕES DIAMÉTRICAS EM POVOAMENTO DE Pinus elliottii NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE ITAPEVA

A FUNÇÃO WEIBULL NO ESTUDO DE DISTRIBUIÇÕES DIAMÉTRICAS EM POVOAMENTO DE Pinus elliottii NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE ITAPEVA IPEF, n.43/44, p.54-60, jan./dez.1990 A FUNÇÃO WEIBULL NO ESTUDO DE DISTRIBUIÇÕES DIAMÉTRICAS EM POVOAMENTO DE Pinus elliottii NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE ITAPEVA LUIZ ALBERTO BLANCO JORGE RICARDO ANTONIO

Leia mais