CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO"

Transcrição

1 ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO Bernardo José Guilherme de Aragão, Edmilson Sanches Silva 2 Fundação CPqD, Campinas-SP, Brasil, 2 Fundação CPqD, Campinas-SP, Brasil, Resumo: O Suplemento do Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) publicado pelo JCGM (Joint Committee for Guides in Metrology) analisa as condições de aplicação e as limitações do método GUM clássico que justifcam o emprego de métodos numéricos alternativos para o cálculo de incerteza. O método numérico mais comum é o método de simulação de Monte Carlo, cujos fundamentos são também descritos no Suplemento. Neste trabalho compara-se a incerteza de medição obtida por ambos os métodos no caso da determinação do limite de resistência mecânica de um material polimérico através do ensaio de tração. O cálculo da incerteza com o método de Monte Carlo resultou em um valor final menor do que a incerteza calculada com o método de GUM tradicional. Palavras chave: Ensaio de tração, incerteza, GUM, Monte Carlo não Gaussiana, e d) incerteza combinada de ordem de grandeza similar ao valor médio ou esperado do resultado de medição []. Este trabalho apresenta um estudo comparativo do método GUM clássico com o método de Monte Carlo de cálculo de incerteza de medição, visando verificar a diferença entre os valores de incerteza estimados por ambos os métodos, no caso de medições realizadas em ensaios de tração de materiais. O estudo foi aplicado na medição do limite de resistência de uma amostra de nylon conforme norma ASTM D 638 (Figura ).. INTRODUÇÃO O método de cálculo de incerteza do GUM satisfaz a muitos casos de cálculo de incerteza em laboratórios de ensaio. Além disso, o método é facilmente automatizado através de simples planilhas eletrônicas. Entretanto, existem casos onde os resultados obtidos por este método não se mostram adequados, quando então se deve recorre a métodos alternativos, tal como o método de Monte Carlo, descrito no Suplemento do GUM [], e que tem recebido interesse crescente pela comunidade envolvida em metrologia [2],[3]. O método de Monte Carlo é um método numérico no qual se utiliza o modelo matemático para o cálculo da da variável de saída a partir das distribuições das variáveis de entrada. O cálculo é feito através de simulações, nas quais valores aleatórios das variáveis de entrada são combinados através do modelo matemático para gerar um valor da variável de saída. Para um número grande de simulações, obtém-se no final a faixa completa de possíveis valores da variável de saída [4]. Casos típicos de aplicação de métodos alternativos incluem a) falta de simetria da da incerteza combinada, quando esta desviar da Gaussiana, b) modelo complexo para o cálculo da incerteza combinada, por exemplo, devido ao número elevado de componentes da incerteza ou à dificuldade em calcular derivadas parciais, c) contribuição desigual das componentes de incerteza individuais na incerteza combinada, especialmente se uma ou mais delas apresentar falta de simetria ou Tensão Limite de resistência Deformação Fig.. Gráfico tensão vs. deformação do nylon 2. MÉTODO EXPERIMENTAL O ensaio de tração da amostra de nylon foi feito conforme a norma ASTM D 638, com cinco corpos-de-prova tipo I e utilizando-se velocidade de ensaio de 5 mm/min. As condições ambientais estavam controladas durante os ensaios em (23±3) C e (55±5)% U.R., razão pela qual se desconsiderou, nos cálculos de incerteza, os efeitos de variação de temperatura. A célula de carga empregada tinha fundo de escala de kgf, cujos componentes de incerteza tipo B estão mostrados na Tabela.

2 Tabela : Incertezas tipo B da célula de carga u 95 normal Valor (kgf),7992 Zero f triangular, Resolução relativa a quadrática,494 Incerteza do erro u E normal,34 Já os componentes tipo B do paquímetro utilizado para a medição da largura do corpo-de-prova estão na Tabela 2, enquanto que os do micrômetro utilizado para medição da espessura estão na Tabela 3. Tabela 2: Incertezas tipo B do paquímetro Valor u 95 normal,2 Trava u trava quadrática, Paralelismo u p quadrática, Resolução u res quadrática,2 Tabela 3: Incertezas tipo B do micrômetro Valor u 95 normal,2 Trava u trava quadrática,2 Paralelismo u p quadrática, Resolução u res quadrática, Calculou-se, inicialmente, pelo GUM clássico, a incerteza combinada individual da força, da largura e da espessura. Concomitantemente, foram determinadas, pelo método de Monte Carlo, as distribuições da força, largura e espessura através de um modelo aditivo simples das distribuições das componentes de incerteza dessas grandezas (ver Tabelas, 2 e 3). Em seguida calculou-se, novamente via GUM, a incerteza expandida com 95,45% do limite de resistência. Este cálculo foi repetido com o método de Monte Carlo, determinando-se, desta vez, o intervalo de abrangência com 95,45%. Para tal, utilizou-se o modelo tensão = força/(largura espessura), envolvendo as distribuições da força, largura e espessura anteriormente determinadas. Os modelos simples utilizados, o número de simulações () e a ausência de variáveis correlacionadas permitiram que a simulação se fizesse no MS-EXCEL, conforme roteiro descrito em [5], baseado no Suplemento do GUM []. Foram utilizadas as seguintes equações de geração de valores aleatórios: Para as distribuições Gaussianas foi utilizada a equação de Box-Müller (Eq. ), onde x e x 2 são dois números aleatórios com retangular. 2 ln( x ) sen (2 x ) Y 2 () Y é o número aleatório gerado, é a média e o desvio padrão. A instrução para gerar os números aleatórios conforme Eq. no MS-EXCEL é [5]: =(RAIZ(- 2*LN(ALEATÓRIO()))*SEN(2*PI()*ALEATÓRIO())) *SIGMA+MEDIA. Para as distribuições retangulares foi utilizada Eq. 2. Y a (b a) x (2) Os termos a e b são os limites inferior e superior da, respectivamente. x é um número aleatório com retangular. A instrução no MS- EXCEL fica então [5]: =A+(B-A)*ALEATÓRIO(). Apesar de na Tabela haver uma triangular (f ), esta não foi considerada nos cálculos, pelo fato de ela ser nula para a escala da célula de carga utilizada. 3. RESULTADOS A Tabela 4 mostra o valor médio e o desvio padrão da força máxima, da largura e espessura e do limite de resistência do nylon ensaiado. Força (N) Tabela 4: Resultados das medidas Largura Espessura Tensão (MPa) 5893±85 2,92±,4 6,4±,2 75,52±, Determinação das incertezas da força, largura e espessura As Tabelas 5, 6 e 7 mostram o cálculo da incerteza combinada e expandida da força (u C,F ), largura (u C,L ) e espessura (u C,E ), respectivamente, pelo método do GUM clássico. Tabela 5: Cálculo da incerteza da força

3 Tabela 6: Cálculo da incerteza da largura Tabela 7: Cálculo da incerteza da espessura 9 8 % 9% 7 8% 6 7% 5 6% 5% 4 4% 3 3% 2 2% % % -,5 -,3 -,,,3,5 Fig. 4. Espessura: resultado gráfico do método de Monte Carlo As Figuras 2, 3 e 4 mostram graficamente as distribuições obtidas pelo método de Monte Carlo a partir da soma das componentes u i das Tabelas, 2 e 3. Pode ser visto que as distribuições seguem perfil similar ao perfil Gaussiano ,8 - -,2,6,4 % 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% % % Fig. 2. Força: resultado gráfico do método de Monte Carlo % -,5 -,3 -,,,3,5 % 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% % Fig. 3. Largura: resultado gráfico do método de Monte Carlo 3.. Determinação da incerteza do limite de resistência As incertezas combinadas das Tabelas 5, 6, e 7 foram inseridas como as componentes de incerteza tipo B no cálculo da incerteza combinada da tensão (u C,T ) pelo método do GUM, que está mostrada na Tabela 8. Tabela 8: Cálculo da incerteza da tensão Com base na incerteza expandida da Tabela 8, o resultado final da tensão de ruptura do nylon, pelo método do GUM clássico, é (75,5 ±,2) MPa. A Figura 5 mostra a e a probabilidade acumulada do limite de resistência obtida pela simulação de Monte Carlo. Observou-se que a foi novamente aproximadamente Gaussiana % 73, , , , ,5 % 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% % Fig. 5. Lim. de resistência: resultado do método de Monte Carlo

4 A Figura 6 mostra a determinação da probabilidade de início do intervalo de abrangência []. Observou-se que o intervalo começou com uma probabilidade de 2,75% e a tensão correspondente foi de 74,7 MPa. Para um intervalo de abrangência de 95,45%, a probabilidade final foi de 98,2% (= 95,45% + 2,75%) e a tensão correspondente foi de 76,4 MPa, conforme mostrado na Figura 7. Intervalo de abrangência 2,5 2,5,5,275;,62224,,2,3,4,5 inferior Fig. 6. Determinação da probabilidade de início do intervalo de abrangência,9,8,7,6,5,4,3,2, 74,783;,275 76,375;,982 73,5 74,5 75,5 76,5 77,5 Tensão (MPa) Fig. 7. Determinação do intervalo de abrangência de 95,45% A curva do gráfico da Figura 6 se apresentou levemente assimétrica, confirmando o caráter aproximadamente mas não inteiramente Gaussiano da dos valores do limite de resistência [5]. A Figura 8 compara as distribuições da tensão obtidas pelo método GUM clássico e pelo método de Monte Carlo. As distribuições são muito próximas para ambos os métodos. Porém, nota-se uma diferença grande entre a incerteza expandida, obtida pelo GUM, e o intervalo de abrangência, obtido pelo método de Monte Carlo, sendo que o primeiro é maior que o segundo , 74,5 75, 75,5 76, 76,5 77, Monte Carlo 95% GUM 95% Monte Carlo Tensão (MPa) GUM Fig. 8. Comparação dos resultados obtidos pelo GUM e pelo método de Monte Carlo Considerando a obtida pelo método de Monte Carlo como uma Gaussiana perfeita, então pode-se considerar o intervalo de abrangência de 95,45% igual a,7 MPa (= 76,4 MPa 74,7 MPa) equivalente a um intervalo de confiança de 95,45%. Isto significa que o resultado final do limite de resistência do nylon calculado pelo método de Monte Carlo pode ser expresso como (75,5 ±,85) MPa, em contraste com o resultado de (75,5 ±,2) MPa medido pelo método do GUM. 3. CONCLUSÕES Foi determinada o limite de resistência de nylon através do ensaio de tração conforme norma ASTM D 638, sendo que a incerteza do resultado final foi avaliada através de dois métodos, o do GUM clássico e o de Monte Carlo. Foi observada que a incerteza final obtido pelo primeiro, expressa através da incerteza expandida com 95,45%, é maior que a incerteza obtida pelo segundo, expressa através do intervalo de abrangência com 95,45%. A razão está no fato de que o método do GUM é um método analítico, que calcula a propagação de incertezas que assumem valores fixos. Já o método de Monte Carlo é um método numérico de propagação de distribuições [4]. O cálculo é feito através de simulações repetidas, sendo que em cada simulação valores aleatórios das variáveis de entrada são combinados através de um modelo matemático para gerar um valor da variável de saída. O intervalo de abrangência determinado é o menor intervalo de valores gerados que contém o percentual estabelecido dos valores da variável de saída. Além disso, no exemplo tratado neste trabalho, apesar das distribuições obtidas após todas as simulações apresentarem perfil similar ao Gaussiano, o perfil verdadeiro não é um perfil verdadeiramente Gaussiano. A razão está no fato de que várias das componentes de incerteza da força, largura e espessura apresentaram quadrática, algumas de ordem de grandeza próxima à da Gaussiana dos demais componentes (Tabelas 5, 6 e 7). Isso acaba desviando a das variáveis de saída do perfil Gaussiano puro. O exemplo analisado mostra que, mesmo para casos simples de cálculo de incerteza, com baixo número de componentes

5 de incerteza e ausência de componentes correlacionados, o método de Monte Carlo pode ser uma alternativa viável para melhorar a estimativa e reduzir o valor da incerteza das medições. Essas aplicações simples do método de Monte Carlo podem ser rapidamente implementadas através de planilhas eletrônicas. 4. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a G. D. Donatelli e A. C. Konrath, da Fundação CERTI, pelas planilhas do MS-EXCEL que serviram de suporte nas simulações de Monte Carlo feitas para este trabalho. REFERÊNCIAS [] Evaluation of measurement data Supplement to the Guide to the expression of uncertainty in measurement Propagation of distributions using a Monte Carlo method,, JCGM (Joint Committee for Guides in Metrology), 27. [2] D. H. da Jornada, F. H. da Jornada, Cálculo de Medição: Estudo comparativo do GUM, de Monte Carlo e de Integração, ENQUALAB-27 Congresso da Qualidade em Metrologia, Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP, a 4 de junho de 27, São Paulo, Brasil. [3] W. Link, M. F. F. Pereira, Monte Carlo ou Método da Convolução, uma Análise de Vantagens e Desvantagens, ENQUALAB-27 Congresso da Qualidade em Metrologia, Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP, a 4 de junho de 27, São Paulo, Brasil. [4] M33 - The Expression of Uncertainty and Confidence in Measurement, Edition 2, UKAS (United Kingdom Accreditation Service), January 27. Disponível em 3.pdf. Último acesso em de abril de 28. [5] G. D. Donatelli, A. C. Konrath, Fundamentos da Avaliação da Incerteza de Medição por Simulação de Monte Carlo, Fundação CERTI, CMI Centro de Metrologia e Instrumentação, 27.

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Incerteza - GUM O Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) estabelece regras gerais para avaliar

Leia mais

A simulação no cálculo da incerteza da medição

A simulação no cálculo da incerteza da medição A simulação no cálculo da incerteza da medição MACHADO, Vicente Departamento Acadêmico de Eletrônica Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná - (CEFET-PR), Av. Sete de Setbro, 65 CEP 800-90 Fone:

Leia mais

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo Sumário Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo João Alves e Sousa Avaliação de incertezas pelo GUM Propagação de distribuições O método de Monte Carlo Aplicação a modelos de medição por

Leia mais

Método de Monte Carlo e ISO

Método de Monte Carlo e ISO Método de Monte Carlo e ISO GUM para cálculo l de incerteza Prof. Dr. Antonio Piratelli Filho Universidade de Brasilia (UnB) Faculdade de Tecnologia Depto. Engenharia Mecânica 1 Introdução: Erro x incerteza

Leia mais

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Curso Técnico em Automação Industrial Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Rio Grande, setembro

Leia mais

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides A avaliação da incerteza do tipo B Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides in Metrology, 2008a), em condições ideais, todas as incertezas em laboratório seriam

Leia mais

VALIDAÇÃO DA METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DE INCERTEZA EM CURVAS DE CALIBRAÇÃO MELHOR AJUSTADAS POR POLINÔMIOS DE SEGUNDO GRAU

VALIDAÇÃO DA METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DE INCERTEZA EM CURVAS DE CALIBRAÇÃO MELHOR AJUSTADAS POR POLINÔMIOS DE SEGUNDO GRAU Quim Nova, Vol 32, No 6, 1571-1575, 2009 VALIDAÇÃO DA METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DE INCERTEZA EM CURVAS DE CALIBRAÇÃO MELHOR AJUSTADAS POR POLINÔMIOS DE SEGUNDO GRAU Elcio Cruz de Oliveira* PETROBRAS TRANSPORTE

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

Marcus Henrique C. de la Cruz

Marcus Henrique C. de la Cruz Incerteza de Medição em Análise Química Análise Cromatográfica Marcus Henrique C. de la Cruz Comissão do Programa de Ensaio de Proficiência EP - INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Leia mais

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA JULIANA S. ZANINI 1, VALÉRIA D. A. ANJOS 2, LUCIANO ARMILIATO 3, ERNESTO QUAST 4 N o 10229 Resumo Neste

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UM PROGRAMA PARA A ESTIMATIVA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO PELO MÉTODO DE MONTE CARLO NA MEDIÇÃO DO CTDIw EM CT

VALIDAÇÃO DE UM PROGRAMA PARA A ESTIMATIVA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO PELO MÉTODO DE MONTE CARLO NA MEDIÇÃO DO CTDIw EM CT IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR VALIDAÇÃO DE UM

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

Simulação de Monte Carlo na Avaliação de Incertezas de Medição

Simulação de Monte Carlo na Avaliação de Incertezas de Medição Simulação de Monte Carlo na Avaliação de Incertezas de Medição Monte Carlo Simulation for the Evaluation of Measurement Uncertainty GUSTAVO DANIEL DONATELLI Universidade Federal de Santa Catarina (Florianópolis,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA CÂMARA CLIMÁTICA

AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA CÂMARA CLIMÁTICA ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil AVALIAÇÃO DE TEMPERATURA E UMIDADE EM UMA

Leia mais

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR I CIMMEC 1º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 8 A 10 DE OUTUBRO DE 008 Rio de janeiro, Brasil ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE BLOCOS-PADRÃO COM MICRÔMETROS ANALÓGICOS

INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE BLOCOS-PADRÃO COM MICRÔMETROS ANALÓGICOS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

utilizados para os relatórios estão em: http://www.fisica.ufs.br/scaranojr/labfisicaa/

utilizados para os relatórios estão em: http://www.fisica.ufs.br/scaranojr/labfisicaa/ Paquímetro, Micrômetro e Propagação de Incertezas Sergio Scarano Jr 19/12/2012 Links para as Apresentações e Modelos Para o Laboratório de Física A, os materiais i das aulas e os modelos utilizados para

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA RM 53 ORIENTAÇÕES SOBRE DECLARAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 04 ABR/2015 SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

Métodos Quantitativos. aula 3

Métodos Quantitativos. aula 3 Métodos Quantitativos aula 3 Prof. Dr. Marco Antonio Insper Ibmec São Paulo Simulação Empresarial Auxílio na tomada de decisão. Criação de cenários otimistas e pessimistas. Poder de previsão baseada em

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

Roteiro: Experimento #1

Roteiro: Experimento #1 Roteiro: Experimento #1 Dimensões e densidades de sólidos Edição: º Quadrimestre 01 O LIVRO DA NATUREZA ESTÁ ESCRITO EM CARACTERES MATEMÁTICOS (GALILEU GALILEI) Objetivos: Aprender a utilizar o paquímetro,

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica )

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) 1- INTRODUÇÃO Este experimento tem como objetivo o aprendizado no manuseio de instrumentos de medição bem como suas respectivas

Leia mais

1. ROTEIRO DE USO DO CORISCO Para usar o CoRisco, e gerar os seus próprios modelos de risco, você deve seguir o roteiro:

1. ROTEIRO DE USO DO CORISCO Para usar o CoRisco, e gerar os seus próprios modelos de risco, você deve seguir o roteiro: Como usar o CoRisco CoRisco é um programa, escrito na linguagem Visual Basic, que executa automaticamente os passos requeridos para a simulação de Monte Carlo, simplificando muito o trabalho de geração

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO Cláudio R. S. Silva,Thiago P. S. Azevedo, Ewerton R. Granhen 3, Ivan S. S. Silva 4 Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil, claudiorui75@yahoo.com.br

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE DIÓXIDO DE URÂNIO PELO MÉTODO FLASH LASER DE 23 ºC A 175 ºC

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE DIÓXIDO DE URÂNIO PELO MÉTODO FLASH LASER DE 23 ºC A 175 ºC CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE DIÓXIDO DE URÂNIO PELO MÉTODO FLASH LASER DE 23 ºC A 175 ºC Faêda, K. C. M. (1); Lameiras, F. S. (1,2); Carneiro, L. S. S. (1); Camarano, D. M. (1,3); Ferreira, R. A. N. (1) 1

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

Capítulo 1 Estatística de Contagem e Propagação de Erro

Capítulo 1 Estatística de Contagem e Propagação de Erro Capítulo 1 Estatística de Contagem e Propagação de Erro Favor comunicar ao professor os erros encontrados Terceira versão 007.1 Neste curso você estará envolvido em medidas de processos randômicos como

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL Vinicius Fechio Técnico de Metrologia Brasmetal Waelzholz S. A. Ind. e Com. Julho/ 2009 E-mail: vfechio@brasmetal.com.br / Site: www.brasmetal.com.br

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Aula 6

INSTRUMENTAÇÃO. Aula 6 INSTRUMENTAÇÃO Aula 6 1 2 CLASSIFICAÇÃO DOS ERROS DE MEDIÇÃO ERRO Falta de precisão Erro grosseiro Tendência (Bias) Engano Mau uso do equipamento Gafe Erros aleatórios Erros sistemáticos Resolução Histerese

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

Treinamento: Metrologia em Química

Treinamento: Metrologia em Química Treinamento: Metrologia em Química Local: SINPROQUIM Rua Rodrigo Cláudio, 185 Aclimação - São Paulo SP MÓDULO 1 Curso: Estatística para Laboratórios Analíticos Data: 16 e 17 de junho de 2008 Horário: das

Leia mais

Universidade Federal de Goiás (CMEC/EEC/UFG), ds.andrade@hotmail.com; 2 Professor Titular do CMEC/EEC/UFG, epazini@eec.ufg.br

Universidade Federal de Goiás (CMEC/EEC/UFG), ds.andrade@hotmail.com; 2 Professor Titular do CMEC/EEC/UFG, epazini@eec.ufg.br CORRELAÇÃO ENTRE A VELOCIDADE DA ONDA ULTRASSÔNICA E A RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E O MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DE TESTEMUNHOS DE CONCRETO EXTRAÍDOS DE UMA ESTRUTURA DE 60 ANOS: ESTUDO DE CASO DO ESTÁDIO MARACANÃ

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar. Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade do Concreto Como Analisar e Especificar Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Módulo de Elasticidade Conceituação Matemático inglês Robert Hooke (1635-1703):

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA A EXPRESSÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM ENSAIOS MECÂNICOS: ISO GUM E MONTE CARLO APLICADOS NO ENSAIO

Leia mais

Processamento dos dados

Processamento dos dados Capítulo 9 Processamento dos dados 9.1 Propagação não estatística de erros Suponhamos que é possível estabelecer uma relação de proporcionalidade directa (ver secção3.2) entre duas variáveis. Por exemplo,

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Claudia Piva Depto de Física, Estatística e Matemática DeFEM, UNIJUÍ 98700-000, Ijuí, RS E-mail: claudiap@unijui.edu.br

Leia mais

Resistividade de Materiais Condutores

Resistividade de Materiais Condutores Roteiro Experimental n 2 da disciplina de Materiais Elétricos vidade de Materiais Condutores COMPONENTES DA EQUIPE: NOTA: Data: / / 1. OBJETIVOS: Estimar a resistividade do material a partir das suas dimensões;

Leia mais

1.1 Definições e Conceitos Importantes

1.1 Definições e Conceitos Importantes 1 INTRODUÇÃO À TEORIA DE ERROS Quando procuramos obter resultados através de observações experimentais, devemos ter sempre à mente que nossa observações serão sempre limitadas, no sentido de que jamais

Leia mais

O EFEITO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS: UM ESTUDO DE CASO REAL

O EFEITO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS: UM ESTUDO DE CASO REAL XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE

O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE O CONTROLE DA RESISTÊNCIA DO CONCRETO E A TEORIA DA CONFIABILIDADE Fernando Rebouças Stucchi São Paulo,Outubro/2010 Resumo 1. Segurança estrutural 2. Teoria da Confiabilidade e as variabilidades 3. Método

Leia mais

Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais Centro de Tecnologias Especiais - LAS/CTE/INPE São José

Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais Centro de Tecnologias Especiais - LAS/CTE/INPE São José ANOMALIA DA REFLETIVIDADE PLANETÁRIA DA AMÉRICA DO SUL MEDIDO PELO EXPERIMENTO ALBEDO DO SATÉLITE SCD2 DO INPE Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

ATIVIDADES EXTRA CLASSE

ATIVIDADES EXTRA CLASSE ATIVIDADES EXTRA CLASSE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA- UESB 1) Em que consiste o processamento de Sinais? 2) Em processamento digital de sinas, o que significa codificação da informação? 3)

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

AL 1.3. Capacidade térmica mássica

AL 1.3. Capacidade térmica mássica 36 3. ACTIVIDADES PRÁTICO-LABORATORIAIS AL 1.3. Capacidade térmica mássica Fundamento teórico da experiência A quantidade de energia que se fornece a materiais diferentes, de modo a provocar-lhes a mesma

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Americo Barbosa da Cunha Junior Departamento de Engenharia Mecânica Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 1 Introdução A dinâmica de um sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

Nota Técnica - Determinação de partículas atmosféricas PM10 em estações de medição da qualidade do ar e testes de campo para demonstração de métodos

Nota Técnica - Determinação de partículas atmosféricas PM10 em estações de medição da qualidade do ar e testes de campo para demonstração de métodos Nota Técnica - Determinação de partículas atmosféricas PM10 em estações de medição da qualidade do ar e testes de campo para demonstração de métodos equivalentes Novembro 2011 Determinação de partículas

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Software para estimativa de incerteza de medição de temperatura por termografia infravermelha

Software para estimativa de incerteza de medição de temperatura por termografia infravermelha Software para estimativa de incerteza de medição de temperatura por termografia infravermelha Mariana Altoé Mendes Pablo Rodrigues Muniz Robson da Silva Magalhães Shirley Peroni Neves Cani IFES IFES UFSB

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

Medição de um Multímetro Digital 2013

Medição de um Multímetro Digital 2013 Ensaio de Aptidão Medição de um Multímetro Digital 2013 Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento... 3 4.1 Regras de Realização...

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO?

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO? DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO Determinar o que é calibração, por quê, o quê, quando, onde e como calibrar; Interpretar

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA Apoio: Programa PEP REDE 1505 Rodada 047/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 31/08/2015)

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

Identificação DAHER Tecnologia

Identificação DAHER Tecnologia 1 Interessado: Jacson Polese dos Santos - ME. Rua Bandeirantes, 976. - Sítio Cercado. CEP 81.900-490. Curitiba Paraná. 1 de 6 Curitiba, 19 de setembro de 2006. 2 Referência: Avaliação de Triângulos pac

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DE CONFIABILIDADE SOB CONDIÇÕES DE FALHA POR FADIGA - APLICAÇÃO À PÁS DE HIDROTURBINAS KAPLAN

UM MODELO DE ANÁLISE DE CONFIABILIDADE SOB CONDIÇÕES DE FALHA POR FADIGA - APLICAÇÃO À PÁS DE HIDROTURBINAS KAPLAN UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE GAMA / FACULDADE DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INTEGRIDADE DE MATERIAIS DA ENGENHARIA UM MODELO DE ANÁLISE DE CONFIABILIDADE SOB CONDIÇÕES DE FALHA POR FADIGA

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS

Leia mais

Modelo de distribuição de probabilidade para o número de bolas chamadas até que alguém bata em um bingo Convencional

Modelo de distribuição de probabilidade para o número de bolas chamadas até que alguém bata em um bingo Convencional Modelo de distribuição de probabilidade para o número de bolas chamadas até que alguém bata em um bingo Convencional Pedro Ferreira de Lima 1 Cícero Carlos Felix de Oliveira 2 Dr. Cláudio Tadeu Cristiano

Leia mais

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis;

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis; UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Correlação e Regressão Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Eistem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 16, n. 2, pp. 703 713, 2011 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo11427 Projeto, construção e teste de um Torcímetro SANTOS, D.C.; BARBIERI, R. Programa

Leia mais

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Em muitas experiências interessa estudar o efeito de mais do que um factor sobre uma variável de interesse. Quando uma experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais