VALIDAÇÃO DE UM PROGRAMA PARA A ESTIMATIVA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO PELO MÉTODO DE MONTE CARLO NA MEDIÇÃO DO CTDIw EM CT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALIDAÇÃO DE UM PROGRAMA PARA A ESTIMATIVA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO PELO MÉTODO DE MONTE CARLO NA MEDIÇÃO DO CTDIw EM CT"

Transcrição

1 IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR VALIDAÇÃO DE UM PROGRAMA PARA A ESTIMATIVA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO PELO MÉTODO DE MONTE CARLO NA MEDIÇÃO DO CTDIw EM CT Carlos E.B.Queiroz, Walmoli G.Júnior, Tiago R.Jahn,Tiago T.Hahn,Thiago S.Fontana and Vagner Bolzan. Brasilrad Consultoria em Radioproteção Rua Professor Herminio Jacques, nº 166 Centro Florianópolis, SC Cod.:3723 RESUMO A Simulação de Monte Carlo pode ser aplicada para estimar as incertezas de medição, utilizando o conceito de propagação de distribuições. Ela é uma ferramenta utilizada na avaliação de incertezas de medição que utiliza a geração de números pseudo-aleatórios para simular os possíveis valores de variáveis estocásticas com distribuições bem definidas (grandezas de entrada) e com isso calcular os possíveis valores da grandeza de saída. Este procedimento, depois de repetido muitas vezes, gera uma base de dados com os possíveis valores para a grandeza de saída com a qual se pode construir a sua distribuição estatística. Neste trabalho são apresentados os resultados da validação de um programa de cálculo de incerteza de medição do Índice ponderado de dose em tomografia Computadorizada (CTDIw) em um equipamento de tomografia computadorizada. A validação foi realizada a partir da comparação dos resultados obtidos pelo programa desenvolvido pela Brasilrad com os resultados obtidos com o software comercial Crystal Ball. 1. INTRODUÇÃO A estimativa de dose de radiação em equipamentos de Tomografia Computadorizada (CT) e de extrema importância para gestão da qualidade da imagem e o controle das doses entregues no tecido do paciente. Neste contexto o Índice de Dose em Tomografia Computadorizada (CTDI) foi estabelecido por Shope et al.[1] e tem servido como uma medida padrão da dose de radiação no CT desde Atualmente existem algumas variações do CTDI proposto por Shope et al. como CTDI FDA, CTDI 100,CTDI 300 e CTDI [2].O CTDI 100 é o mais utilizado devido ao comprimento padronizado de 100 milímetros das câmaras de ionização tipo lápis[2], o perfil de dose ao longo do eixo de rotação do tubo de raios-x é integrado entre os limites de -50 milímetros á 50 milímetros e multiplicado pelo inverso do número de cortes tomográficos e a espessura do corte tomográfico [3], que pode ser expresso da seguinte forma: (1)

2 O CTDI 100 pode ser medido diretamente no ar ou no interior de um fantoma de polimetilmetacrilato (PMMA), porém ele é um indicador mais grosseiro de dose do paciente do que Índice Ponderado de Dose em Tomografia Computadorizada (CTDI W ) que leva em consideração o efeito da filtração do feixe [3]. O CTDI W combina valores de CTDI 100 medidos no centro e na periferia do fantoma de PMMA de acordo com a Equação 2: (2) A medição do CTDI W foi introduzida por Leitz et al. [4] e a mesma é padronizada na norma IEC [5]. A utilização correta do resultado de qualquer medição requer alguma indicação quantitativa da sua qualidade e confiabilidade [6]. O resultado do CTDI W de determinação não é exceção. A incerteza de um resultado de medição é um índice de sua qualidade e sua estimativa [7]. Ela reflete a ausência de conhecimento do valor verdadeiro do mensurando, podendo ser entendida como um grau duvidoso intrínseco ao processo de medição no qual é impossível a aplicação de correções para que a mesma seja eliminada por completo [8]. Mesmo sabendo que o resultado da medição não é perfeito, é possível obter informações confiáveis, desde que o resultado da medição venha acompanhado da respectiva incerteza [9]. O Guia para Expressão da Incerteza de Medição (ISO GUM) [9], apresenta um método para unificar a avaliação e a declaração de incertezas de medição. Este método consiste em assumir a distribuição de probabilidade da incerteza de medição como gaussiana, utilizando um modelo matemático para propagar os parâmetros das distribuições de entrada, se função de medição for linear nas grandezas de entrada e as distribuições de probabilidade para essas grandezas forem gaussianas, a abordagem de incerteza do GUM fornecerá resultados exatos [9,10]. Entretanto se a função de medição não é linear, as distribuições de probabilidade para as grandezas de entrada são assimétricas, as contribuições de incerteza não são aproximadamente da mesma magnitude e a distribuição de probabilidade para a grandeza de saída é assimétrica, ou não é uma distribuição gaussiana ou uma distribuição-t, os valores de incerteza obtidos não serão confiáveis. A fim de superar estas limitações, a simulação Monte Carlo pode ser aplicada para estimar as incertezas de medição, utilizando o conceito de propagação de distribuições. Esse conceito constitui uma generalização da lei de propagação de incertezas dadas pela ISO GUM, proporcionando uma solução prática para modelos complicados e trabalhar com informações mais ricas. A Simulação de Monte Carlo (SMC) permite determinar a incerteza de medição quando as hipóteses do método GUM clássico não são atendidas [10]. Ela é uma ferramenta utilizada na avaliação de incertezas de medição que utiliza números pseudo-aleatórios para simular a partir de distribuições de probabilidade das grandezas de entrada, uma representação numérica aproximada da distribuição de probabilidade para a grandeza de saída. Este procedimento, depois de repetido muitas vezes, gera uma base de dados com os possíveis valores para a grandeza de saída com a qual se pode construir a sua distribuição estatística.

3 Neste trabalho é apresentado os resultados do desenvolvimento e validação de um software desenvolvido na linguagem de programação Java para a estimativa da incerteza de medição do CTDI w por simulação de Monte Carlo. A validação foi realizada a partir da comparação dos valores obtidos pelo software com os resultados da planilha de cálculo Crystal Ball [11]. 2. DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE Através de uma vasta pesquisa bibliográfica, foi criada uma ficha de levantamento dos requisitos do software, contendo os principais atributos que o programa deve possuir. Em seguida, o foi planejado, desenvolvido baseando-se nessa ficha conforme explicitado a seguir. O sistema foi escrito na linguagem Java utilizando a IDE NetBeans e o JDK 7u Simulação de Monte Carlo Avaliação da incerteza de medição pelo método de simulação de Monte-Carlo foi realizada através das etapas exibidas na Figura 1. Figura 1. Fluxograma mostrando as principais etapas de avaliação da incerteza de medição (adaptada de [10]). O modelo matemático de medição criado levando em consideração os componentes de incerteza especificados em manuais de fabricantes de câmaras de ionização, no ambiente e na definição do mensurando. Foi definido para cada componente de incerteza uma Função de Densidade de Probabilidade (PDF) e o número de simulações foram definidos com o mínimo de 10 6 simulações de acordo com [10]. A probabilidade de abrangência foi definida fixa como 95,45% não sendo possível a modificação por parte do usuário do sistema.

4 As gerações numéricas das distribuições de probabilidade foram especificamente desenvolvidas de acordo com [10]. Na analise critica das fontes que contribuíam na incerteza da medição do CTDI w foi observado que apenas as distribuições Normal e Uniforme (Retangular) contribuíam nas fontes de incerteza conforme mostrado na Tabela 1, sendo assim foi criada uma classe em Java com dois métodos que retornam números com essas distribuições de probabilidade conforme ilustra a Figura 2. Tabela 1. Fontes de incerteza Símbolo Componentes da incerteza Tipo Distribuição U Re Repetitividade das medições Monitor de Radiação A Normal U R Resolução do mostrador monitor de radiação B Uniforme U Cal Certificado de Calibração monitor de radiação B Normal U et Estabilidade do Monitor de radiação B Uniforme U d Incerteza de 1 mm de diâmetro e 0,5 mm de profundidade B Normal dos furos de medição no Fantoma U cd Incerteza de resposta da câmara de ionização no Fantoma B Normal Figura 2. Classe Java que com dois métodos que retornam as distribuições de probabilidade Normal e Retangular. A distribuição Normal é gerada usando a transformada de Box-Muller [10], já a distribuição Retangular é gerada a partir do limite inferior e limite superior do espaço amostral definido para a distribuição Processamento paralelo: Java Framework fork/join O princípio da propagação das densidades de probabilidade numa situação em que o modelo matemático de medição é usado para calcular eventos prováveis da quantidade de saída a partir dos eventos prováveis das distribuições das variáveis de entrada, como pode ser observado na Figura 3, podem exigir muitos recursos computacionais para realizar a simulação de Monte Carlo [13].

5 Figura 3. Ilustração da propagação de distribuições para n grandezas de entrada independentes (adaptado de [10]). Neste contexto o software criado utiliza o recurso do processamento paralelo para realizar as simulações. O framework Fork / join disponível no JDK 7 é uma técnica de design simples, mas eficaz para paralelização aplicações sequenciais [14]. O fork/join baseia-se na utilização da estratégia de dividir para conquistar para ocupar todos os processadores ou núcleos disponíveis no computador [14] [15]. No software desenvolvido a geração dos números aleatórios para cada densidade de probabilidade das grandezas de entrada é realizada paralelamente utilizando o framework fork/join e os valores resultantes são salvos em um vetor de resultados de 10 6 posições. O vetor de resultado contém a distribuição de probabilidade de saída e com ele é possível criar um histograma de frequências, possibilitando assim determinar a incerteza de medição para uma probabilidade de 95,45%. O diagrama de classes do sistema é apresentado na Figura 4. Figura 4. Ilustração da propagação de distribuições para n grandezas de entrada independentes (adaptado de [10]). 3. VALIDAÇÃO DO SOFTWARE Para a validação do sistema foi realizada a medição do CTDIw de um Tomógrafo Computadorizado da marca General Electric modelo BRIGHT SPEED utilizando o monitor de radiação da marca RADCAL modelo Accu-Pro/9096 juntamente com a câmara de ionização tipo lápis modelo 10x6-3CT. Utilizando um fantoma simulador de abdômen de

6 polimetil-metacrilato (PMMA) realizou-se 3 medições de kerma em cada orifício do simulador para o protocolo de abdômen e os resultados obtidos estão listados na Tabela 2. Tabela 2. Medições de kerma no fantoma de PMMA a 120 kvp e 320mA. Região Abdômen Local da Medida Kerma Média (mgy) Espessura nominal do corte (mm) Número de cortes Incremento entre cortes (mm) 0h 1,28 1, ,250 3h 0,86 1, ,250 central 0,94 1, ,250 6h 2,15 1, ,250 9h 2,40 1, ,250 Os valores necessários e os dados para cada um dos componentes de incerteza são apresentados em um balanço de incertezas mostrados Tabela 3, que oferece as mais importantes contribuintes para a incerteza padrão associada com a estimativa de saída (y) e leva em conta todos os seus parâmetros necessários para o sistema de avaliação de incerteza. Tabela 3. Balanço das incertezas Símbolo Componentes da incerteza Tipo Valor Distribuição u ν U Re Repetitividade das medições Monitor de A 0,60 Normal 1,21 2 Radiação U R Resolução do mostrador monitor de B 0,01 Uniforme 0,01 radiação U Cal Certificado de Calibração monitor de B 2,1 Normal 1,05 radiação U et Estabilidade do Monitor de radiação B 0,0 Uniforme 0,01 U d Incerteza de 1 mm de diâmetro e 0,5 mm de B 0,0 Normal 0,35 profundidade dos furos de medição no Fantoma U cd Incerteza de resposta da câmara de ionização no Fantoma B 0,0 Normal 3,0 Na Tabela 4 são exibidos os valores dos limites superior e inferior das incertezas expandidas estimados para uma densidade de probabilidade de 95,45% utilizando 10 6 simulações para ambos os softwares Crystal Ball e para o McTrology. Tabela 4. Resultados obtidos para as simulações para os dois softwares comparados Software Valor estimado Intervalo 95,45% (mgy) d low d high U 95,45% para k=2 McTrology 6,25 [5,8 ~ 18,3] 0,19 0,19 Crystal Ball 6,25 [5,7 ~ 18,2] 0,09 0,09 Os resultados obtidos para as simulações apresentaram resultados simétricos com a assimetria aproximada de -0,0016. Neste caso a incerteza expandida foi calculada a partir da diferença entre os intervalos inferior e superior de cada distribuição de probabilidade conforme mostrado na Equação 3 e para o fator de abrangência k=2.

7 A validação do método de Mote Carlo foi realizada utilizando a tolerância numérica que é avaliada em termos dos pontos finais dos intervalos de cobertura, e corresponde ao que é dado pela expressão da incerteza padrão u (y) [10]. Tendo que a incerteza estimada para os dois softwares é (6,25 mgy) escrevendo-a na forma c x 10 l onde c e l são números inteiros temos 6x10 0 e considerando a tolerância da forma δ = 1/2 x 10 l nós obtemos δ = 0,5. De acordo com o ISO GUM Suplemento 1 para que os intervalos de abrangência das distribuições sejam considerados equivalentes as diferenças entre as extremidades inferiores d low e superiores d high das distribuições devem ser inferiores à tolerância conforme ilustra a Equação 4. (3) d low < δ e d high < δ (4) Comparando os limites inferiores e superiores exibidos na Tabela 4 com o valor da tolerância numérica encontrada, pode-se concluir que os intervalos de abrangência das distribuições obtidas por ambos os softwares avaliados podem ser considerados equivalentes, validando assim a simulação de Monte Carlo do sistema McTrology. 3. CONCLUSÃO Com o software apresentado neste trabalho foi possível estimar a incerteza de medição na avaliação do CTDI w através de analise numérica. Os resultados obtidos no programa McTrology são semelhantes aos resultados obtidos com o software comercial Crystal Ball. Com as devidas alterações, o programa proposto neste trabalho pode ser aplicado na maioria das dosimetrias em equipamentos de Tomografia Computadorizada. REFERÊNCIAS 1. Shope T.B., Gagne R.M., Johnson G.C., A method for describing the doses delivered by transmission x-ray computed tomography", Med. Phys.,Vol.8(4), pp (1981). 2. Kim, S., Song, H., Samei, E., Yin, F., Yoshizumi, T., Computed tomography dose index and dose length product for cone-beam CT: Monte Carlo simulations. Journal of Applied Clinical Medical Physics, Vol. 12, n.2, pp (2011). 3. International Atomic Energy, Dosimetry in Diagnostic Radiology: An International Code of Pratice,,IAEA,Viena,(2007). 4. Leitz, W., Axelsson, B., Szendro, G., Computed tomography dose assessment a practical approach, Radiat. Prot. Dosim., Vol.57, pp (1995). 5. International Electrotechnical Commission, Medical Electrical Equipment Part 2-44: Particular Requirements for the Safety of X-Ray Equipment for Computed Tomography, Rep. IEC , IEC, Geneva (2002). 6. Cox, M.,Harris, P.,Siebert, B.R.-L. "Evaluation of measurement uncertainty based on the propagation of distributions using Monte Carlo simulation", Measure.Tech.,Vol.46, pp (2003).

8 7. ISO/IEC, General requirements for the competence of testing and calibration laboratories,rep. ISO/IEC 17025, ISO, Geneva, Switzerland, ISO/IEC, Guide 99 International Vocabulary of Metrology Basic and General Concepts and Associated Terms (VIM), ISO, Geneva, Switzerland, BIPM, IEC, IFCC, ILAC, ISO, IUPAC, IUPAP, OIML, Evaluation of Measurement Data Guide to the Expression of Uncertainty in Measurement, 10. BIPM, IEC, IFCC, ILAC, ISO, IUPAC, IUPAP and OIML 2008 Evaluation of Measurement Data Supplement 1 to the Guide to the Expression of Uncertainty in Measurement Propagation of Distributions Using a Monte Carlo Method, 11. Oracle Crystal Ball, (2012). 12. Junior A., Peixoto, D., Campos, R., Definição de requisitos de software baseada numa arquitetura de modelagem de negócios. Prod., São Paulo, Vol. 18, n. 1, pp (2008). 13. Donatelli G. D., Konrath A. C."Simulação de Monte Carlo na Avaliação de Incertezas de Medição", Revista de Ciência & Tecnologia, Vol. 13, n.25/26, pp (2005). 14. "Fork and Join: Java Can Excel at Painless Parallel Programming Too!," (2012). 15. Mateos C., Zunino A., Campo M. An approach for non-intrusively adding malleable fork/join parallelism into ordinary JavaBean compliant applications Computer Languages, Systems and Structures, Vol.36, n 3, pp (2010).

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo Sumário Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo João Alves e Sousa Avaliação de incertezas pelo GUM Propagação de distribuições O método de Monte Carlo Aplicação a modelos de medição por

Leia mais

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Incerteza - GUM O Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) estabelece regras gerais para avaliar

Leia mais

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA

Leia mais

A simulação no cálculo da incerteza da medição

A simulação no cálculo da incerteza da medição A simulação no cálculo da incerteza da medição MACHADO, Vicente Departamento Acadêmico de Eletrônica Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná - (CEFET-PR), Av. Sete de Setbro, 65 CEP 800-90 Fone:

Leia mais

Método de Monte Carlo e ISO

Método de Monte Carlo e ISO Método de Monte Carlo e ISO GUM para cálculo l de incerteza Prof. Dr. Antonio Piratelli Filho Universidade de Brasilia (UnB) Faculdade de Tecnologia Depto. Engenharia Mecânica 1 Introdução: Erro x incerteza

Leia mais

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES XX (XXXX) XX-XX Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada E. W. Martins; M. P. A. Potiens Gerência

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

Daros, K A C e Medeiros, R B

Daros, K A C e Medeiros, R B 1 ESTUDO DAS FONTES DE RUÍDO DA IMAGEM PARA FINS DE OTIMIZAÇÃO DAS DOSES NA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO E ABDOME ADULTO Daros, K A C e Medeiros, R B Universidade Federal de São Paulo São Paulo

Leia mais

VALIDAÇÃO DA METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DE INCERTEZA EM CURVAS DE CALIBRAÇÃO MELHOR AJUSTADAS POR POLINÔMIOS DE SEGUNDO GRAU

VALIDAÇÃO DA METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DE INCERTEZA EM CURVAS DE CALIBRAÇÃO MELHOR AJUSTADAS POR POLINÔMIOS DE SEGUNDO GRAU Quim Nova, Vol 32, No 6, 1571-1575, 2009 VALIDAÇÃO DA METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DE INCERTEZA EM CURVAS DE CALIBRAÇÃO MELHOR AJUSTADAS POR POLINÔMIOS DE SEGUNDO GRAU Elcio Cruz de Oliveira* PETROBRAS TRANSPORTE

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA DOSIMETRIA PESSOAL BASEDO NA ISO 9001:2008 PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA DOSIMETRIA PESSOAL BASEDO NA ISO 9001:2008 PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA DOSIMETRIA PESSOAL BASEDO NA ISO 9001:2008 PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO Carlos E.B.Queiroz, Walmoli G.Júnior, Tiago R.Jahn,Tiago T.Hahn,Thiago S.Fontana and Vagner Bolzan. Brasilrad

Leia mais

Simulação de Monte Carlo na Avaliação de Incertezas de Medição

Simulação de Monte Carlo na Avaliação de Incertezas de Medição Simulação de Monte Carlo na Avaliação de Incertezas de Medição Monte Carlo Simulation for the Evaluation of Measurement Uncertainty GUSTAVO DANIEL DONATELLI Universidade Federal de Santa Catarina (Florianópolis,

Leia mais

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE METROLÓGICA DE

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR O USO DO PROTETOR

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides A avaliação da incerteza do tipo B Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides in Metrology, 2008a), em condições ideais, todas as incertezas em laboratório seriam

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Curso Técnico em Automação Industrial Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Rio Grande, setembro

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 APLICAÇÃO DO

Leia mais

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E MAIS VALIAS Lisboa, 21 de Maio de 2013 Experiência do Laboratório de Ensaios APEB Acreditação Flexível Intermédia João André jandre@apeb.pt 1 Outubro 2012 Entrega da

Leia mais

SIMULAÇÃO DE FEIXES DE FÓTONS DE UM ACELERADOR CLÍNICO RADIOTERÁPICO UTILIZANDO O BEAMnrc

SIMULAÇÃO DE FEIXES DE FÓTONS DE UM ACELERADOR CLÍNICO RADIOTERÁPICO UTILIZANDO O BEAMnrc IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR SIMULAÇÃO DE FEIXES

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE

Leia mais

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

GUIA PARA A ACREDITAÇÃO EM METROLOGIA DE MASSA ÍNDICE ALTERAÇÕES

GUIA PARA A ACREDITAÇÃO EM METROLOGIA DE MASSA ÍNDICE ALTERAÇÕES METROLOGIA DE ÍNDICE 1. Introdução 2 2. Referências Bibliográficas 2 3. Definições 2 4. Procedimentos de calibração 2 4.1. Calibração de Pesos e Medidas Materializadas de Massa 3 4.2. Calibração de Instrumentos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SCRIPT PARA CONVERSÃO DE ARQUIVOS DICOM PARA.TXT

DESENVOLVIMENTO DE UM SCRIPT PARA CONVERSÃO DE ARQUIVOS DICOM PARA.TXT DESENVOLVIMENTO DE UM SCRIPT PARA CONVERSÃO DE ARQUIVOS DICOM PARA.TXT M.E.S. Abrantes 1,2 ; A. H. de Oliveira 1 ; R. C. e Abrantes 3 e M. J. Magalhães 4 1 Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Departamento

Leia mais

Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional

Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 02-02 (2014) 01-16 Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional Alejandro H. L. Gonzales

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

O EFEITO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS: UM ESTUDO DE CASO REAL

O EFEITO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS: UM ESTUDO DE CASO REAL XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Parâmetros Sensibilidade (Sb) É o quociente entre

Leia mais

METROLOGIA / CONCEITOS BÁSICOS

METROLOGIA / CONCEITOS BÁSICOS METROLOGIA / CONCEITOS BÁSICOS ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS DE METROLOGIA Nota prévia A selecção de alguns dos conceitos básicos de Metrologia foi orientada no sentido de esclarecer alguns dos conceitos metrológicos

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE TECIDOS PARA DESENVOLVIMENTO DE FANTOMA PEDIÁTRICO

QUANTIFICAÇÃO DE TECIDOS PARA DESENVOLVIMENTO DE FANTOMA PEDIÁTRICO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR QUANTIFICAÇÃO DE

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes

Leia mais

SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE MODELO DE VOXELS A PARTIR DE IMAGENS DE CT OU MR PARA SIMULAÇÃO DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS VIA MCNP

SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE MODELO DE VOXELS A PARTIR DE IMAGENS DE CT OU MR PARA SIMULAÇÃO DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS VIA MCNP 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO?

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO? DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO Determinar o que é calibração, por quê, o quê, quando, onde e como calibrar; Interpretar

Leia mais

INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE BLOCOS-PADRÃO COM MICRÔMETROS ANALÓGICOS

INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE BLOCOS-PADRÃO COM MICRÔMETROS ANALÓGICOS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA Apoio: Programa PEP REDE 1505 Rodada 047/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 31/08/2015)

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTUDO DA APLICAÇÃO

Leia mais

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Marcus Tadeu Tanuri de Figueiredo 1,Annibal Theotonio Baptista Neto 2,Paulo Marcio Campos

Leia mais

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE FANTOMA MATEMÁTICO DE MÃO E ANTEBRAÇO EM CÓDIGO MONTE CARLO GEANT4

IMPLEMENTAÇÃO DE FANTOMA MATEMÁTICO DE MÃO E ANTEBRAÇO EM CÓDIGO MONTE CARLO GEANT4 International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR IMPLEMENTAÇÃO DE FANTOMA MATEMÁTICO DE MÃO E ANTEBRAÇO EM CÓDIGO MONTE

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Artigo Original Ros RA, Caldas LVE CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Renato Assenci Ros 1, Linda V.E. Caldas 1 Resumo Abstract Este

Leia mais

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA O DESAFIO: A qualidade dos produtos finais e serviços prestados, é requisito mínimo nos dias de hoje para as organizações que desejam estar à frente. O mercado encontra-se cada

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal Guia 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal FICHA TÉCNICA TÍTULO: Guia RELACRE 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS EDIÇÃO:

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Marcus Henrique C. de la Cruz

Marcus Henrique C. de la Cruz Incerteza de Medição em Análise Química Análise Cromatográfica Marcus Henrique C. de la Cruz Comissão do Programa de Ensaio de Proficiência EP - INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

DOSE EFETIVA E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT

DOSE EFETIVA E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DOSE EFETIVA E

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA

DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM DURÔMETROS PARA PESQUISA METROLÓGICA Pires, Fábio de Souza Nascimento, Jôneo Lopes do Cardoso, Tito Lívio Medeiros* INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA INT 1. Introdução

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO Gomes, P., Cardoso, J., Medina, J. Labmetro Saúde do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) RESUMO O Decreto-Lei n.º 180/2002, de 8

Leia mais

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada Fernando Mecca Quais são os parâmetros testados? qualidade da imagem ruído da imagem e homogeneidade número de TC resolução espacial espessura da imagem

Leia mais

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Ademar José Potiens Júnior 1, Goro Hiromoto 1 1 Av. Prof. Lineu Prestes, 2242 05508-000, Brasil apotiens@ipen.br,

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

As vantagens da imagiologia volumétrica de feixe cónico em exames ortopédicos das extremidades

As vantagens da imagiologia volumétrica de feixe cónico em exames ortopédicos das extremidades As vantagens da imagiologia volumétrica de feixe cónico em exames ortopédicos das extremidades Imagiologia em tomografia computadorizada de feixe cónico para extremidades A tomografia computadorizada de

Leia mais

DOSE E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT

DOSE E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT DOSE E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT Gabriella M. Pinto Lidia Vasconcellos de Sá Introdução Motivação Objetivo Materiais e Métodos Resultados Conclusão Sumário 2 Introdução Por utilizar um radiofármaco

Leia mais

CALIBRAÇÃO DAS CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PARA FEIXES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NO BRASIL: A REALIDADE ATUAL*

CALIBRAÇÃO DAS CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PARA FEIXES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NO BRASIL: A REALIDADE ATUAL* Artigo Original Calibração das câmaras de ionização para feixes de TC no Brasil CALIBRAÇÃO DAS CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PARA FEIXES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NO BRASIL: A REALIDADE ATUAL* Ana Figueiredo

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório do PEP 008/010

Leia mais

Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face

Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face Ana Caroline Mello 1, Vicente Machado Neto 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR, Programa

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

Emissões Gasosas 2014

Emissões Gasosas 2014 Ensaio de Aptidão Emissões Gasosas 2014 Misturas Gasosas de Propano em Nitrogénio Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento...

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

Effective dose evaluationofheadandabdomen CT exams in adultpatientsatthe Instituto de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP (INRAD/FM/USP)

Effective dose evaluationofheadandabdomen CT exams in adultpatientsatthe Instituto de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP (INRAD/FM/USP) IX Latin American IRPA Regional Congresson Radiation Protection and Safety- IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR Estimativa de dose

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE

Leia mais

3 Método de Monte Carlo

3 Método de Monte Carlo 25 3 Método de Monte Carlo 3.1 Definição Em 1946 o matemático Stanislaw Ulam durante um jogo de paciência tentou calcular as probabilidades de sucesso de uma determinada jogada utilizando a tradicional

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria. Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria. Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gestão das Calibrações

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais