Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle"

Transcrição

1 Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 1 / 69

2 Roteiro 1 Modelo Não-Linear Modelo Não-Linear Monovariável Modelo Não-Linear Bivariável Variáveis Desvio Modelo Não-Linear Multivariável 2 Linearização e Modelo Linear Invariante no Tempo 3 Graus de Liberdade para Controle 4 Exemplos Tanque de Nível Linear e Não-Linear Tanques de Nível Sem Interação Tanques de Nível Com Interação 5 Atividades Complementares Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 2 / 69

3 Espaço de Estados ("State Space Representation" Linearização é o procedimento pelo qual aproximam-se sistemas não-lineares por lineares. É largamente utilizada na investigação da dinâmica de processos e no projeto de sistemas de controle, pois: permite desenvolver soluções analíticas. Soluções analíticas indenpendem dos valores dos parâmetros e variáveis de entrada. Soluções numéricas de sistemas não-lineares fornecem somente o comportamento dos sistemas para valores específicos das entradas e parâmetros ferramentas para o projeto e análise de sistemas de controle são em sua maioria limitadas a processos lineares Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 3 / 69

4 Espaço de Estados continuação Seja a equação não-linear dx = f (x Expandindo a função não-linear f (x em uma série de Taylor, em torno do ponto x 0 f (x = f (x 0 + df (x x dx x 0 2! + 1 n! d n f dx n x 0 (x x 0 n d 2 f dx 2 (x x x 0 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 4 / 69

5 Espaço de Estados linearização Desprezando os termos de ordem superior a 1, obtém-se f (x = f (x 0 + df (x x 0 dx x 0 onde a aproximação é satisfatória quando x é próximo de x 0. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 5 / 69

6 Espaço de Estados linearização (continuação N Interpretação Geométrica B N B N B N N N N B N N A aproximação é exata somente em x 0. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 6 / 69

7 Espaço de Estados linearização (continuação Considere o sistema dinâmico dx 1 dx 2 = f 1 (x 1, x 2 = f 2 (x 1, x 2 Expandindo em série de Taylor e desprezando os termos de ordem superior a 1, tem-se para o ponto de linearização(x 10, x 20 f 1 (x 1, x 2 = f 1 (x 10, x 20 + f 1 (x 1 x 10 + x 1 x 10,x 20 f 1 (x 2 x 20 = dx 1 x 2 x 10,x 20 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 7 / 69

8 Espaço de Estados linearização (continuação f 2 (x 1, x 2 = f 2 (x 10, x 20 + f 2 (x 1 x 10 + x 1 x 10,x 20 f 2 (x 2 x 20 = dx 2 x 2 x 10,x 20 As equações anteriores (eqs. diferenciais lineares constituem o modelo aproximado (linearizado do sistema não-linear original. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 8 / 69

9 Espaço de Estados variáveis desvio No estado estacionário 0 = f 1 (x 1s, x 2s 0 = f 2 (x 1s, x 2s Realizando a linearização em torno do estado estacionário (x 1s, x 2s, tem-se =0(EE f 1 (x 1, x 2 = d(x 1 x 1s { }} { = f 1 (x 1s, x 2s + f 1 x 1 x 1s,x 2s (x 1 x 1s + f 1 x 2 x 1s,x 2s (x 2 x 2s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 9 / 69

10 Espaço de Estados variáveis desvio (continuação =0(EE f 2 (x 1, x 2 = d(x 2 x 2s { }} { = f 2 (x 1s, x 2s + f 2 x 1 x 1s,x 2s (x 1 x 1s + f 2 x 2 x 1s,x 2s (x 2 x 2s Define-se, então, as seguintes variáveis desvio (desvio em relação ao estado estacionário s x 1 = x 1 x 1s e x 2 = x 2 x 2s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 10 / 69

11 Espaço de Estados linearização e variáveis desvio Deste modo, o modelo linearizado pode ser escrito em termos das variáveis desvio anteriores e na forma de espaço de estados d x 1 d x 2 = a 11 x 1 + a 12 x 2 = a 21 x 1 + a 22 x 2 ou na forma matricial equivalente ( ( ( x = 1 a11 a = 12 x1 x 2 a 21 a x = A x 22 x2 ( d x1 d x 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 11 / 69

12 Espaço de Estados linearização e variáveis desvio (continuação onde a 11 = f 1 a 12 = f 1 x 1 x 1s,x 2s x 2 a 21 = f 2 a 22 = f 2 x 1 x 1s,x 2s x 2 x 1s,x 2s x 1s,x 2s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 12 / 69

13 Espaço de Estados Modelos matemáticos dinâmicos podem ser representados por conjuntos de equações diferenciais ordinárias de 1 a ordem: ẋ 1 = dx 1 ẋ 2 = dx 2 ẋ n = dx n dx = f 1 (x 1,, x n, u 1,, u m, t, x 1 (0 = x 10 = f 2 (x 1,, x n, u 1,, u m, t, x 2 (0 = x 20. = f n (x 1,, x n, u 1,, u m, t, x n (0 = x n0 ou = f(x, u,t, x(0 = x 0 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 13 / 69

14 Espaço de Estados continuação onde x = (x 1, x 2,, x n T : vetor de estado ("state vector" u = (u 1, u 2,, u m T : vetor de entrada ("input vector" f = (f 1, f 2,, f n T : funções não-lineares Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 14 / 69

15 Espaço de Estados continuação Existem situações onde não se está interessado diretamente no vetor de estado, mas sim em seu efeito sobre o vetor de saída, y: y 1 = h 1 (x 1,, x n, u 1,, u m y 2 = h 2 (x 1,, x n, u 1,, u m. y p = h p (x 1,, x n, u 1,, u m ou y = h(x, u Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 15 / 69

16 Espaço de Estados: "Linear Time Invariant - LTI" A linearização é útil na investigação do comportamento do sistema não-linear nas vizinhanças de pontos de operação estacionária, onde diversos processos contínuos operam de fato. Aplicando-se expansão em série de Taylor em ẋ i = f i (x 1,, x n, u 1,, u m ẋ i = =0(EE { }} { f i (x s, u s + f i (x 1 x 1s + + f i x 1 x n s f i u 1 s (u 1 u 1s + + f i u m (x n x ns + s (u m u ms + R s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 16 / 69

17 Espaço de Estados: LTI continuação e desprezando os termos de ordem superior a 1 ẋ i = f i (x 1 x 1s + + f i (x n x ns + x 1 s x n s f i (u 1 u 1s + + f i (u m u ms u 1 u m s Definindo as variáveis desvio x = x x s e ū = u u s, pode-se escrever a eq. linearizada x i = f i x f i x n + f i ū f i x 1 s x n s u 1 s u m s } {{ } } {{ } } {{ } } {{ } a i1 a in b i1 b im s u m Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 17 / 69

18 Espaço de Estados: LTI continuação x i = a i1 x a in x n + b i1 ū b im u m onde as constantes a ij e b ij são calculadas de a ij = f i x j s e b ij = f i u j s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 18 / 69

19 Espaço de Estados: LTI continuação Após a linearização, obtém-se um conjunto de equações lineares com coeficientes constantes: x 1 = a 11 x a 1n x n + b 11 ū b 1m u m, x 1 (0 = 0 x 2 = a 21 x a 2n x n + b 21 ū b 2m u m, x 2 (0 = 0. x n = a n1 x a nn x n + b n1 ū b nm u m, x n (0 = 0 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 19 / 69

20 Espaço de Estados: LTI continuação As equações não-lineares das medidas podem também ser linearizadas de forma semelhante: ȳ 1 = c 11 x c 1n x n + d 11 ū d 1m u m ȳ 2 = c 21 x c 2n x n + d 21 ū d 2m u m. ȳ p = c p1 x c pn x n + d p1 ū d pm u m onde ȳ = y y s e c ij = h i x j s e d ij = h i u j s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 20 / 69

21 Espaço de Estados: LTI continuação Em notação vetorial { x = A x + Bū, x 0 = 0 ȳ = C x + Dū LTI Os elementos das matrizes A, B, C e D são invariantes no tempo. Na grande maioria dos casos D = 0: não existe uma conexão direta de u em y. Ela ocorre através dos estados x. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 21 / 69

22 6 Espaço de Estados: LTI estudo de caso Tanque de Aquecimento com Agitação vetores Estudo de Caso x = (h, T T : vetor de estado u = (Fi1, Ti1, Fi2, Ti2, Fst, Tst T : vetor de entrada y = (h, T T : vetor de saída f = (f 1, f 2 T : funções não-lineares: estados h = (h 1, h 2 T : funções não-lineares: saídas. E 6 E 6 I J 3 D 8 = F H. I J A I E 6 E. 6 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 22 / 69

23 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação equações de estado dh dt = k h A = 1 A + Fi1 A + Fi2 A = f 1 Fi1 + Fi2 + afstb ρc p h T + 1 A Fi1Ti1 h + 1 Fi2Ti2 + 1 afst b Tst A h A ρc p h = f 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 23 / 69

24 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação equações de saída y 1 = x 1 = h(h 1 e y 2 = x 2 = T (h 2 modelo LTI { ẋ = Ax + Bu, x0 = 0 y = Cx + Du Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 24 / 69

25 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação A(2 2 a 11 = f 1 = 1 h s 2 k A a 12 = f 1 h s T s = 0 a 21 = f 2 = 1 [( Fi1 s + Fi2 s + afstb s T s h s A ρc p ] Fi1 s Ti1 s Fi2 s Ti2 s afstb s 1 Tst s ρc p hs 2 = 0 (BE no EE a 22 = f 2 = 1 Fi1 s + Fi2 s + afstb s ρc p T s A h s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 25 / 69

26 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação B(2 6 b 11 = f 1 Fi1 = 1 s A b 12 = f 1 Ti1 = 0 s b 13 = f 1 Fi2 = 1 s A b 14 = f 1 Ti2 = 0 s b 15 = f 1 Fst = 0 b 16 = f 1 s Tst = 0 s b 21 = f 2 Fi1 = 1 s Ah s (Ti1 s T s b 22 = f 2 Ti1 b 23 = f 2 Fi2 = 1 s Ah s (Ti2 s T s b 24 = f 2 Ti2 b 25 = f b 1 2 s Fst Ah sρc p (Tst s T s b 26 = f 2 Tst s = abfst = Fi1s s Ah s = Fi2s s Ah s = afstb s s Ah sρc p Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 26 / 69

27 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação C(2 2 c 11 = h 1 h c 21 = h 2 h = 1 c 12 = h 1 s T = 0 s = 0 c 22 = h 2 s T s = 1 C = ( 10 = I 01 D(2 6 D = 0 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 27 / 69

28 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação Aplicando os valores dos parâmetros e variáveis no estado estacionário h s = 1m e T s = 104, 5 o C parâmetros: k = m 5/2 /min a = 3, kcal/min 2/3.m. o C b = 1/3 ρ = kg/m 3 C p = 1 kcal/kg. o C A = 1 m 2 especificações: Fi1 s = m 3 /min Ti1 s = 18 o C Fi2 s = m 3 /min Ti2 s = 20 o C Fst s = m 3 /min Tst s = 120 o C Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 28 / 69

29 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação obtém-se as seguintes matrizes do sistema ( 0, 10 0 A = 0 1, 30 B = ( 1, , , 52 0, 10 84, 52 0, , 04 1, 10 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 29 / 69

30 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação O modelo LTI fica, então, igual a ḣ «««0, 10 0 h = + Ṫ 0 1, 30 T {z } {z } {z } ẋ A x 0 1 Fi1 «Ti1 1, , Fi2 86, 52 0, 10 84, 52 0, , 04 1, 10 {z } BTi2, x 0 = 0 FstA B Tst {z } u «««h 1 0 h = T 0 1 T {z } {z } {z } y C x Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 30 / 69

31 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação Comparando os comportamentos dos modelos não-linear e linearizado h (m degrau nl+ degrau l+ degrau nl degrau l Degrau em Fi1 (± 10% t (min T ( o C degrau nl+ degrau l+ degrau nl degrau l t (min Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 31 / 69

32 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação h (m Degrau em Fst (± 50% degrau nl+ degrau l+ degrau nl degrau l t (min T ( o C degrau nl+ degrau l+ degrau nl degrau l Observa-se o efeito das não-linearidades, especialmente para perturbações com amplitudes elevadas. Isto é, quando se afasta muito do ponto de linearização t (min Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 32 / 69

33 Espaço de Estados: LTI estudo de caso (continuação 6 6? = > D D Diagrama de Fluxo de Sinal O diagrama de fluxo de sinal facilita a visualização das relações envolvidas em sistemas multivariáveis:. I J > # 6 E. E 6 I J > $ > > " > 6 E >!. E >!? = Figura: Diagrama fluxo de sinais da representação linear do sistema Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 33 / 69

34 Graus de Liberdade para Controle O controle desejado de um processo químico será alcançado quando um número suficiente de variáveis forem especificadas para reduzir o número de graus de liberdade a zero: f = V E Um processo cuidadosamente modelado apresentará f > 0. Nestes casos, o sistema ficará completamente especificado quando f equações adicionais forem introduzidas ao modelo, seja pelo: Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 34 / 69

35 Graus de Liberdade para Controle continuação Meio Externo especificando os valores das perturbações, adiciona-se uma equação de especificação para cada uma d i = constante Sistema de Controle a presença de uma malha de controle introduz uma equação adicional entre y i e m j P: m j = K cij (y isp y i Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 35 / 69

36 Graus de Liberdade para Controle continuação Portanto, não se deve especificar mais objetivos de controle do que é possível para determinado processo, do contrário o sistema ficará superespecificado (f < 0; isto é, sem graus de liberdade suficientes para atender aos objetivos de controle. com isso, o número de graus de liberdade para o controle indica a dimensão do problema de controle a ser enfrentado. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 36 / 69

37 Graus de Liberdade para Controle estudo de caso Tanque de Aquecimento com Agitação número de graus de liberdade inicial V: Fi1, Ti1, Fi2, Ti2, Fst, Tst, h, T = 8 E: f 1, f 2 = 2 ( f = 6 6 graus de liberdade devem ser especificados para que f 0. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 37 / 69

38 Graus de Liberdade para Controle estudo de caso (continuação reduzir o número de graus de liberdade 1 meio externo: especificar perturbações especificando Fi1 = constante, Ti1 = constante, Ti2 = constante, Tst = constante f = 6 4 = 2 2 sistema de controle: especificar malhas malha #1 Fi2 = f (h por realimentação malha #2 Fst = f (T por realimentação f = 2 2 = 0 possibilidades de diferentes configurações de controle 2! = 2 1 = 2 (apenas com as variáveis manipuladas escolhidas acima! Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 38 / 69

39 Modelos Não-Linear e Linear Exemplo Verifique o efeito do ponto de linearização na resposta de um tanque de nível de seção reta uniforme de área A = 0, 3 m 2, ao qual é adaptado uma resistência ao fluxo. Suponha que a vazão volumétrica F, através da resistência, se relaciona com a altura de líquido h pela relação F = 8 h. Uma vazão volumétrica F o de líquido e massa específica constante ρ alimenta o tanque. Considere, para efeito de análise, os níveis médios de operação de h s = 1 e 3 m de altura de líquido. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 39 / 69

40 Modelos Não-Linear e Linear D D Exemplo (continuação.. Figura: Tanque de nível Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 40 / 69

41 Modelos Não-Linear e Linear Solução Modelo Não-Linear: equação de estado (espaço de estado Balanço de Massa Global dh = F o A k h A, h(0 = h s Modelo Linear: LTI linearizando o termo F = k h k h = k h s + Substituindo na equação não-linear { k h s + dh = F o A 1 A k 2 h s (h h s k } 2 (h h s h s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 41 / 69

42 Modelos Não-Linear e Linear continuação Modelo Linear: LTI linearizando o termo F = k h Definindo as variáveis-desvio h = h h s e F o = F o F os d h = F o + F os A 1 A { k h s + k } 2 h h s Como Fo s A k h s A = 0 (estado estacionário d h = F o A k 2A h s h + =0(EE hs { }} { F os A k A d h = F o A k 2A h, h(0 = 0 h s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 42 / 69

43 Modelos Não-Linear e Linear continuação Comparando os Comportamentos Dinâmicos dos Modelos Não-Linear e Linear Resolvem-se as seguintes equações diferenciais não-linear: dh linear: d h = F o A k h A, h(0 = h s k 2A h, h(0 = 0 h s = F o A para duas condições estacionárias distintas: 1 h s = 1 m F os = F s = 8 m 3 /min 2 h s = 3 m F os = F s = 13, 86 m 3 /min Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 43 / 69

44 Modelos Não-Linear e Linear continuação Espaço de Estados (CP1 Figura: Degrau em torno h s = 1 m DEQ/UFSCar 44 / 69 Comparando os Comportamentos Dinâmicos dos Modelos Não-Linear e Linear Condições estacionárias 1 h s = 1 m F os = F s = 8 m 3 /min 1.45 Degrau Unitário em Fo: op. 1 h (m não linear linear op. 1 linear op t (min

45 Modelos Não-Linear e Linear continuação Espaço de Estados (CP1 Figura: Degrau em torno h s = 3 m DEQ/UFSCar 45 / 69 Comparando os Comportamentos Dinâmicos dos Modelos Não-Linear e Linear Condições estacionárias 2 h s = 3 m F os = F s = 13, 86 m 3 /min 3.5 Degrau Unitário em Fo: op h (m não linear linear op.1 linear op t (min

46 Modelos Não-Linear e Linear continuação Observe que o modelo linear representa bem a resposta do tanque de nível (não-linear somente quando a linearização é realizada em torno do ponto de operação escolhido. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 46 / 69

47 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação Exemplo Determine as equações de estado, o modelo LTI (linear e o número de graus de liberdade para controle para o sistema representado por dois tanques sem interação, onde F 1 = K 1 h1 e F 2 = K 2 h2. Apresente uma configuração de controle por realimentação para o mesmo. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 47 / 69

48 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação D. Exemplo (continuação. E D. 6 = G K A.! 6 = G K A Figura: Tanques de nível sem interação Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 48 / 69

49 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação Solução Balanço de Massa Global: tanque 1 dm 1 d(ρa 1 h 1 dh 1 ρa 1 dh 1 = ρf i ρf 1, com m 1 = ρv 1 = ρa 1 h 1 = ρf i ρf 1 = ρf i ρf 1 = F i A 1 F 1 A 1 Balanço de Massa Global: tanque 2 dh 2 = F 1 A 2 + F 3 A 2 F 2 A 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 49 / 69

50 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação continuação Equações Auxiliares: fenômenos de transporte tanque #1: F 1 = K 1 h1 tanque #2: F 2 = K 2 h2 Modelo Não-Linear: equações de estado (espaço de estado dh 1 dh 2 = F i F 1 = F i K 1 A 1 A 1 A 1 = F 1 A 2 + F 3 A 2 F 2 h1 A 1 h1, h 1 (0 = h 1s = K 1 + F 3 K 2 A 2 A 2 A 2 h2 A 2, h 2 (0 = h 2s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 50 / 69

51 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação continuação Modelo Não-Linear: equações de estado (espaço de estado ẋ = dx = f(x, u, x 0 (0 = x s y = h(x, u onde f = [f 1 f 2 ] T, x = [h 1 h 2 ] T, u = [F i F 3 ] T, y = [h 1 h 2 ] T e dh 2 dh 1 = F i K 1 h1 f 1 = F i K 1 h1 A 1 A 1 A 1 h1 h2 h1 = K 1 + F 3 K 2 f 2 = K 1 + F 3 K 2 A 2 A 2 A 2 A 2 A 2 A 1 h2 A 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 51 / 69

52 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação continuação Modelo Linear: LTI ẋ = dx = Ax + Bu, x 0 (0 = 0 y = Cx onde x, u e y são variáveis-desvio e a ij = f i x j ij = f i s u j s e c ij = h i x j s. Assim, A(2 2: a 11 = f 1 = 1 K 1 h 1/2 h 1 s 2 A 1s e a 12 = f 1 = 0 1 h 2 s a 21 = f 2 = 1 K 1 h 1/2 h 1 s 2 A 1s e a 22 = f 2 = 1 K 2 h 1/2 2 h 2 s 2 A 2s 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 52 / 69

53 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação continuação B(2 2: C(2 2: C = I b 11 = f 1 F i b 21 = f 2 F i a 11 = 1 e b 12 = f 1 s A 1 F 3 = 0 e b 22 = f 2 F 3 Desta forma, ( dh 1 = 1 ( K 1 h 1/2 1 2 A 1s h 1 + F i, h 1 (0 = 0 } {{ 1 A } } {{ 1 } dh 2 = ( 1 K 1 h 1/2 2 A 1s } 2 {{ } a 21 s ( h 1 + b 11 K 2 1 h 1/2 2 A 2s } {{ 2 } a 22 s ( 1 h 2 + = 0 s = 1 A 2 A 2 } {{ } b 22 F 3, h 2 (0 = 0 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 53 / 69

54 > D =? D Modelo LTI e Sistemas Sem Interação continuação. E D >? D = =.! Figura: Diagrama fluxo de sinais da representação linear do sistema Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 54 / 69

55 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação Graus de Liberdade para Controle balanço de informação: f = V E V: F i, F 3, h 1, h 2 = 4 E: f 1, f 2 = 2 (- f = 2 2 graus de liberdade devem ser especificados para que f 0 reduzir o número de graus de liberdade 1 meio externo: especificar perturbações especificando F i = constante f = 2 1 = 1 2 sistema de controle: especificar malhas malha #1 F 3 = f (h 2 por realimentação f = 1 1 = 0 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 55 / 69

56 Modelo LTI e Sistemas Sem Interação continuação D.. E D 6 = G K A..! 6 = G K A + Figura: Sistema de controle por realimentação Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 56 / 69

57 Modelo LTI e Sistemas Com Interação Exemplo Determine as equações de estado, o modelo LTI (linear e o número de graus de liberdade para controle para o sistema representado por dois tanques com interação, onde F 1 = K 1 h1 h 2 e F 2 = K 2 h2. Apresente uma configuração de controle por realimentação para o mesmo. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 57 / 69

58 Modelo LTI e Sistemas Com Interação Exemplo (continuação. E.!. D D. 6 = G K A 6 = G K A Figura: Tanques de nível com interação Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 58 / 69

59 Modelo LTI e Sistemas Com Interação Solução Balanço de Massa Global: tanque 1 dm 1 d(ρa 1 h 1 dh 1 ρa 1 dh 1 = ρf i ρf 1, com m 1 = ρv 1 = ρa 1 h 1 = ρf i ρf 1 = ρf i ρf 1 = F i A 1 F 1 A 1 Balanço de Massa Global: tanque 2 dh 2 = F 1 A 2 + F 3 A 2 F 2 A 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 59 / 69

60 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação Equações Auxiliares: fenômenos de transporte tanque #1: F 1 = K 1 h1 h 2 tanque #2: F 2 = K 2 h2 Modelo Não-Linear: equações de estado (espaço de estado dh 1 dh 2 = F i F 1 = F i K 1 h1 h 2, h 1 (0 = h 1s A 1 A 1 A 1 A 1 = F 1 + F 3 F 2 = K 1 h1 h 2 + F 3 K 2 h2, A 2 A 2 A 2 A 2 A 2 A 2 h 2 (0 = h 2s Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 60 / 69

61 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação Modelo Não-Linear: equações de estado (espaço de estado ẋ = dx = f(x, u, x 0 (0 = x s y = h(x, u onde f = [f 1 f 2 ] T, x = [h 1 h 2 ] T, u = [F i F 3 ] T, y = [h 1 h 2 ] T e dh 2 dh 1 = F i K 1 h1 h 2 f 1 = F i A 1 A 1 = K 1 h1 h 2 + F 3 K 2 h2 f 2 = K 1 h1 h 2 A 2 A 2 A 2 K 2 h2 A 2 K 1 h1 h 2 A 1 A 1 A 2 + F 3 A 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 61 / 69

62 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação Modelo Linear: LTI ẋ = dx = Ax + Bu, x 0 (0 = 0 y = Cx onde x, u e y são variáveis-desvio e a ij = f i x, b j ij = f i s u j s e c ij = h i x j s. Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 62 / 69

63 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação Assim, A(2 2: a 11 = f 1 = 1 K 1 (h 1s h 2s 1/2 h 1 s 2 A 1 a 12 = f 1 = 1 K 1 (h 1s h 2s 1/2 h 2 s 2 A 1 a 21 = f 2 = 1 K 1 (h 1s h 2s 1/2 h 1 s 2 A 2 a 22 = f 2 = 1 K 1 (h 1s h 2s 1 K 2 h 1/2 h 2 s 2 A 2 2 A 2s 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 63 / 69

64 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação B(2 2: C(2 2: C = I b 11 = f 1 F i b 21 = f 2 F i = 1 e b 12 = f 1 s A 1 F 3 = 0 e b 22 = f 2 F 3 s s = 0 s = 1 A 2 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 64 / 69

65 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação Desta forma, dh 1 dh 2 = = [ 1 ] [ ] K 1 (h 1s h 2s 1/2 1 K 1 h 1 + (h 1s h 2s 1/2 h A 1 2 A 1 } {{ } } {{ } a 11 a 12 ( 1 F i, h 1 (0 = 0 A 1 } {{ } b 11 K 1 [ ] 1 (h 1s h 2s 1/2 h A 2 } {{ } a 21 [ 1 K 1 (h 1s h 2s 1/2 1 ] K 2 h 1/2 2s 2 A 2 2 A 2 } {{ } a 22 h 2 (0 = 0 ( 1 h 2 + A 2 } {{ } b 22 F 3, Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 65 / 69

66 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação > D =? D. E D >? D = = =.! Figura: Diagrama fluxo de sinais da representação linear do sistema Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 66 / 69

67 Modelo LTI e Sistemas Com Interação Graus de Liberdade para Controle balanço de informação: f = V E V: F i, F 3, h 1, h 2 = 4 E: f 1, f 2 = 2 (- f = 2 2 graus de liberdade devem ser especificados para que f 0 reduzir o número de graus de liberdade 1 meio externo: especificar perturbações especificando F i = constante f = 2 1 = 1 2 sistema de controle: especificar malhas malha #1 F 3 = f (h 2 por realimentação f = 1 1 = 0 Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 67 / 69

68 Modelo LTI e Sistemas Com Interação continuação. E.!. D D. + 6 = G K A 6 = G K A Figura: Sistema de controle por realimentação Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 68 / 69

69 Leitura I Leitura Complementar Próxima aula: apostila do Prof. Wu a, capítulos 9 e 10 (volume I. livro do Stephanopoulos b, capítulos 9 e 10. livro do Seborg et al. c, capítulos 4 e 5. a Kwong, W. H., Introdução ao Controle de Processos Químicos com MATLAB. Volumes I e II, EdUFSCar, São Carlos, Brasil, b Stephanopoulos, G., Chemical Process Control. An Introduction to Theory and Practice. Prentice Hall, Englewood Cliffs, USA, c Seborg, D. E., Edgar, T. F., Mellichamp, D. A., Process Dynamics and Control. 1 st Edition, John Wiley, New York, USA, Espaço de Estados (CP1 DEQ/UFSCar 69 / 69

Variáveis de Estado e Equações de Estado Desenvolvimento de Modelos Matemáticos

Variáveis de Estado e Equações de Estado Desenvolvimento de Modelos Matemáticos Variáveis de Estado e Equações de Estado Desenvolvimento de Modelos Matemáticos Modelos Matemáticos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 40 Roteiro 1 Variáveis de Estado e Equações

Leia mais

Comportamento Dinâmico de Sistemas de Primeira Ordem. Sistemas de Primeira Ordem (CP1) DEQ/UFSCar 1 / 46

Comportamento Dinâmico de Sistemas de Primeira Ordem. Sistemas de Primeira Ordem (CP1)  DEQ/UFSCar 1 / 46 Comportamento Dinâmico de Sistemas de Primeira Ordem Sistemas de Primeira Ordem (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 46 Roteiro 1 Sistemas de Primeira Ordem Função de Transferência

Leia mais

Modelos Variáveis de Estado

Modelos Variáveis de Estado Modelos Variáveis de Estado Introdução; Variáveis de Estados de Sistemas Dinâmicos; Equação Diferencial de Estado; Função de Transferência a partir das Equações de Estados; Resposta no Domínio do Tempo

Leia mais

Identificação e Controle Adaptativo

Identificação e Controle Adaptativo Identificação e Controle Adaptativo Prof. Antonio A. R. Coelho 1 Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC Grupo de Pesquisa em Tecnologias de Controle Aplicado, GPqTCA Departamento de Automação e Sistemas,

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 04 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo para Aula 04 Aplicação de Produto Escalar - Interpretação do produto escalar

Leia mais

TRABALHO: CONTROLE DE UM SISTEMA PÊNDULO-CARRO

TRABALHO: CONTROLE DE UM SISTEMA PÊNDULO-CARRO TRABALHO: CONTROLE DE UM SISTEMA PÊNDULO-CARRO Professor: Tiago Dezuo 1 Objetivos Desenvolver técnicas de controle por variáveis de estado clássicas e ótimas, realizando comparações de desempenho entre

Leia mais

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática balsa@ipb.pt Mestrados em Engenharia da Construção Métodos de Aproximação em Engenharia 1 o

Leia mais

. Determine os valores de P(1) e P(22).

. Determine os valores de P(1) e P(22). Resolução das atividades complementares Matemática M Polinômios p. 68 Considere o polinômio P(x) x x. Determine os valores de P() e P(). x x P() 0; P() P(x) (x x)? x (x ) x x x P()? 0 P() ()? () () 8 Seja

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92)

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) ADL22 4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) A transformada de Laplace fornece: (4.93) (4.94) A fim de separar X(s), substitua sx(s)

Leia mais

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA.

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Aulas anteriores Tipos de Sinais (degrau, rampa, exponencial, contínuos, discretos) Transformadas de Fourier e suas

Leia mais

Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estados 1

Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estados 1 Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estado Os estados de um sistema podem ser definidos como o conjunto mínimo de sinais que descrevem o comportamento dinâmico do sistema. Sendo assim, dado o valor

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

5. Diagramas de blocos

5. Diagramas de blocos 5. Diagramas de blocos Um sistema de controlo pode ser constituído por vários componentes. O diagrama de blocos é uma representação por meio de símbolos das funções desempenhadas por cada componente e

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Introdução ao Controle de Processos. Introdução ao Controle de Processos (CP1) DEQ/UFSCar 1 / 49

Introdução ao Controle de Processos. Introdução ao Controle de Processos (CP1)  DEQ/UFSCar 1 / 49 Introdução ao Controle de Processos Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 49 Roteiro 1 Incentivos ao Controle de Processos 2 Principais Objetivos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO Vlademir Aparecido Freire Junior vlad_freire@hotmail.com Alessandro do Nascimento Vargas avargas@utfpr.edu.br Cristiano Marcos

Leia mais

Filtro de Kalman. Plano Básico Processos Estocásticos

Filtro de Kalman. Plano Básico Processos Estocásticos Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Educação Tutorial - PET Plano Básico Processos Estocásticos Filtro de Kalman Autores: Abnadan de Melo

Leia mais

Problemas sobre Sistemas Não Lineares

Problemas sobre Sistemas Não Lineares Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo em Espaço de Estados Problemas sobre Sistemas Não Lineares Organizada por J. Miranda Lemos 0 J. M. Lemos IST P. (Construção do

Leia mais

2 - Modelos em Controlo por Computador

2 - Modelos em Controlo por Computador Modelação, Identificação e Controlo Digital 2-Modelos em Controlo por Computador 1 2 - Modelos em Controlo por Computador Objectivo: Introduzir a classe de modelos digitais que são empregues nesta disciplina

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace. Região de convergência. Propriedades da transformada de aplace. Sistemas caracterizados

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

1 Descrição do Trabalho

1 Descrição do Trabalho Departamento de Informática - UFES 1 o Trabalho Computacional de Algoritmos Numéricos - 13/2 Métodos de Runge-Kutta e Diferenças Finitas Prof. Andréa Maria Pedrosa Valli Data de entrega: Dia 23 de janeiro

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS. Espaço dos estados Representação da dinâmica de um sistema de ordem n usando n equações diferenciais de primeira ordem. Sistema é escrito

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

canal 1 canal 2 t t 2 T

canal 1 canal 2 t t 2 T ircuito L (Prova ) --7 f [khz] L T [s] s canal canal t t T Fig. ircuito usado Tarefas: ) Monte o circuito da figura usando o gerador de funções com sinais harmônicos como força eletromotriz. Use um resistor

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 01 - A figura mostra um sistema massa-mola que pode oscilar livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal e com resistência do ar desprezível. Nesse

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

CI202 - Métodos Numéricos

CI202 - Métodos Numéricos CI202 - Métodos Numéricos Lista de Exercícios 2 Zeros de Funções Obs.: as funções sen(x) e cos(x) devem ser calculadas em radianos. 1. Em geral, os métodos numéricos para encontrar zeros de funções possuem

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

Palavras-chave: Modelo de Lotka-Volterra, Lagarta do Cartucho do milho, Controle Biológico.

Palavras-chave: Modelo de Lotka-Volterra, Lagarta do Cartucho do milho, Controle Biológico. ISSN 177-9139 MODELAGEM MATEMÁTICA APLICADA AO CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM LAVOURAS DE MILHOS. Jéssica C. S. Bueno E-mail: jessica_bsaldivia@hotmail.com Universidade Federal de Pelotas, Departamento

Leia mais

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de processos

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos III

Análise de Circuitos Elétricos III Análise de Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais Introdução à Transformada de Laplace A Transformada

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Retroação de estados: Projeto por alocação de pólos cassiano@ieee.org 1 Projeto por alocação de pólos Na abordagem convencional, usando por exemplo o método do lugar das

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Controlo Em Espaço de Estados. Exame

Controlo Em Espaço de Estados. Exame Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo Em Espaço de Estados 4/5 Eame 9 de Junho de 5, 5h horas salas F, F Duração horas Não é permitida consulta nem uso de calculadoras

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Departamento de Engenharia Mecânica COPPE UFRJ STIC-AMSUD, Novembro de 2009 Conteúdo Preliminares

Leia mais

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler Determinação da viscosidade Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler A viscosidade é uma das variáveis que caracteriza reologicamente uma substância. O que vem a ser reologicamente? Num sentido amplo,

Leia mais

GILBERTO ORENGO 1 O LANÇAMENTO OBLÍQUO COM RESISTÊNCIA DO AR

GILBERTO ORENGO 1 O LANÇAMENTO OBLÍQUO COM RESISTÊNCIA DO AR Publicação Interna: série MESTRADO EM ENSINO DE FÍSICA, Vol. ), pp. 5, Setembro/007 UNIFRA Centro Universitário Franciscano Fone: 55)0-00 FAX: 55)-484 Rua dos Andradas, 4 CEP: 9700-0 Santa Maria/RS/Brasil

Leia mais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática Aplicada - Mestrados Eng. Química

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont.

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Matemática para arquitetura Ton Marar 1. Posições relativas Posição relativa entre pontos Dois pontos estão sempre alinhados. Três pontos P 1 = (x 1,

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1 597 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Movimentos Periódicos Para estudar movimentos oscilatórios periódicos é conveniente ter algum modelo físico em mente. Por exemplo, um

Leia mais

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl 1. Apresentação Com o uso do conceito do Interruptor PWM apresentado por Vorpérian [1,2], torna-se extremamente simples

Leia mais

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

AULA #12. Estabilidade de Sistemas de Controle por

AULA #12. Estabilidade de Sistemas de Controle por AULA #12 Estabilidade de Sistemas de Controle por Realimentação Estabilidade de Sistemas de Controle por Realimentação A presença de medidores, controladores e elementos finais de controle afetam as características

Leia mais

Apresentação MATLAB Simulink & Toolboxes

Apresentação MATLAB Simulink & Toolboxes Apresentação MATLAB Simulink & Toolboxes Tel: (011)816-3144 / Fax:(011)816-7864 Email: info.vendas@opencadd.com.br 24.08.1999. Programa da Apresentação MATLAB 5.3: conceitos Toolboxes Symbolic Math Toolbox;

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução:

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução: PRATICA 2: Corpos em queda livre PRATICA EXPERIMENTAL Introdução: Ao deixar um corpo cair próximo da terra, este corpo será atraído verticalmente para baixo. Desprezando-se se a resistência do ar, todos

Leia mais

A função do primeiro grau

A função do primeiro grau Módulo 1 Unidade 9 A função do primeiro grau Para início de conversa... Já abordamos anteriormente o conceito de função. Mas, a fim de facilitar e aprofundar o seu entendimento, vamos estudar algumas funções

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS Capítulo II INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS A Análise Factorial de Correspondências é uma técnica simples do ponto de vista matemático e computacional. Porém, devido ao elevado suporte geométrico desta

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

MA 37 - Modelagem Matemática

MA 37 - Modelagem Matemática MA 37 - Modelagem Matemática Márcio Antônio de Andrade Bortoloti Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas - DCET Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Modelagem Matemática PROFMAT mbortoloti@uesb.edu.br

Leia mais

Sistemas Lineares e Escalonamento

Sistemas Lineares e Escalonamento Capítulo 1 Sistemas Lineares e Escalonamento Antes de iniciarmos nos assuntos geométricos da Geometria Analítica, vamos recordar algumas técnicas sobre escalonamento de matrizes com aplicações na solução

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

Movimentos Periódicos: representação vetorial

Movimentos Periódicos: representação vetorial Aula 5 00 Movimentos Periódicos: representação vetorial A experiência mostra que uma das maneiras mais úteis de descrever o movimento harmônico simples é representando-o como uma projeção perpendicular

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara Sistemas de Equações Lineares Método de Eliminação de Gauss Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

Título: Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Interpretações Algébrica e Gráfica

Título: Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Interpretações Algébrica e Gráfica Autor Letícia Guimarães Rangel Co-autor(es): Fernando Celso Villar Marinho Lílian Káram Parente Cury Spiller Rita Maria Cardoso Meirelles Tipo de Pesquisa Ensino Médio Números e Operações Componente Curricular

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga

TRANSFORMAÇÕES LINEARES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga TRANSFORMAÇÕES LINEARES Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga INTRODUÇÃO Estudaremos um tipo especial de função, onde o domínio e o contradomínio são espaços vetoriais reais. Assim, tanto

Leia mais

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO Luciano Pereira Magalhães - 8º - noite lpmag@hotmail.com Orientador: Prof Gustavo Campos Menezes Banca Examinadora: Prof Reinaldo Sá Fortes, Prof Eduardo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO Sumário I Controle Contínuo Introdução 3. Sistemas de Controle

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Função Logarítmica Função Exponencial

Função Logarítmica Função Exponencial ROTEIRO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2014 Aluno (a): nº 1ª Série Turma: Data: /10/2014. 3ª Etapa Professor: WELLINGTON SCHÜHLI DE CARVALHO Caro aluno, O objetivo desse roteiro é orientá-lo em relação aos conteúdos

Leia mais

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS Após a realização de um experimento, deseja-se estabelecer a função matemática que relaciona as variáveis do fenómeno físico estudado. Nos nossos experimentos

Leia mais

M. Eisencraft 6.5 Processos aleatórios gaussianos 86. t1 +T. x(t)y(t+τ)dt. (6.35) t 1 T. x(t)y(t+τ)dt R xy (τ) = R XY (τ). (6.36)

M. Eisencraft 6.5 Processos aleatórios gaussianos 86. t1 +T. x(t)y(t+τ)dt. (6.35) t 1 T. x(t)y(t+τ)dt R xy (τ) = R XY (τ). (6.36) M. Eisencraft 6.5 Processos aleatórios gaussianos 86 R 0 (t 1 +2T) = 1 2T t1 +T t 1 Assim, tomando t 1 = 0 e assumindo que T é grande, temos x(t)y(t+τ)dt. (6.35) R 0 (2T) = 1 2T x(t)y(t+τ)dt R xy (τ) =

Leia mais

Controle de um Pêndulo Invertido

Controle de um Pêndulo Invertido Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia Departamento de Eletrônica e Telecomunicações Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Disciplina: Sistemas Lineares Professor:

Leia mais

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Americo Barbosa da Cunha Junior Departamento de Engenharia Mecânica Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 1 Introdução A dinâmica de um sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

2.3- DIAGRAMAS DE BLOCOS E DE FLUXO DE SINAL. FÓRMULA DE MASON DIAGRAMA DE BLOCOS DB

2.3- DIAGRAMAS DE BLOCOS E DE FLUXO DE SINAL. FÓRMULA DE MASON DIAGRAMA DE BLOCOS DB 2.3 DIRMS DE BLOOS E DE FLUXO DE SINL. FÓRMUL DE MSON DIRM DE BLOOS DB Os sistemas de controle, geralmente, são constituídos por vários componentes ou partes interligadas. Para mostrar estas interconexões

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

CONTROLE PID PARA VAZÃO, UMA AULA DIDÁTICA USANDO SIMULAÇÃO NA UFERSA

CONTROLE PID PARA VAZÃO, UMA AULA DIDÁTICA USANDO SIMULAÇÃO NA UFERSA CONTROLE PID PARA VAZÃO, UMA AULA DIDÁTICA USANDO SIMULAÇÃO NA UFERSA Alexandre Henrique Soares de Oliveira ahso_eu@hotmail.com Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Bacharelado em Ciência

Leia mais