Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008"

Transcrição

1 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário, postergar a construção da tabela de símbolos até após o parsing ter sido concluído. É mais fácil construir a tabela de símbolos com informações vindas do scanner e parser. 2 Principais Operações As principais operações na tabela de símbolos são: Inserir: Usada para armazenar informações, tais como, tipo e escopo, na tabela de símbolos. Verificar: Usada para recuperar informações associadas a um nome, quando esse nome é utilizado como um código. Remover: Usada para remover informações quando estas não serão mais utilizadas. Estrutura da Tabela de Símbolos Tipicamente, a tabela de símbolos é uma estrutura de dados do tipo de um dicionário. A eficiência das três operações básicas varia de acordo com a organização da estrutura de dados. Implementações típicas de estruturas de dicionários são listas lineares, árvores de busca e tabelas de hashing. A lista linear implementa inserção com tempo O(1) e de verificação e remoção com tempo O(n). 3 4 Estrutura da Tabela de Símbolos A tabela de hashing implementa inserção, verificação e remoção com tempo O(1). A maior desvantagem da tabela de hashing são as colisões de mapeamento, que degradam o desempenho das funções de verificação e remoção. A árvore de busca binária implementa as operações de inserção e verificação O(log(n)). Entretanto, a operação de deleção é bastante ineficiente. O comportamento de uma tabela de símbolos depende fortemente das propriedades das declarações da linguagem. A forma como as operações inserir e remover manipulam a tabela, quando elas devem ser ativadas, quais atributos devem ser inseridos, id etc. variam para cada linguagem. Até mesmo o momento em que a tabela deve ser construída, e por quanto tempo ela deve existir, pode variar entre diferentes linguagens

2 Existem 4 tipos básicos de declarações: 1. Declaração de Constantes: 2. Declaração de Tipos: Declaração type em Pascal: 3. Declaração de Variável: 4. Declaração de Procedimentos e Funções: Declaração struct e union em C: 7 8 Declaração de Constantes de Tipos Declaração de Constante = Associação de valores a nomes (ou seja, ligação entre valores) Valores de uma constante: O Pascal necessita que os valores na declaração de uma constante sejam estáticos C permite que as constantes sejam dinâmicas (somente computáveis durante a execução) uma única atribuição. Tipos de uma constante: Em Pascal, tipos de dados de constantes são implicitamente determinados de seus valores estáticos Em C, os tipos de dados são providos explicitamente, assim como em declarações de variáveis. de tipos = associação de um nome a uma tipo construído recentemente ou criação de um alias para um tipo nomeado existente. Nomes de tipos são comumente utilizados em conjunto com um algoritmo de equivalência de tipo para realizar a verificação de tipo de um programa de acordo com as regras da liguagem Declaração de Variáveis Declaração de Variáveis = associação de um nome a um tipo de dado. Declaração de variável pode também associar outros atributos implicitamente. O escopo de uma declaração define a região do programa onde a declaração é aplicada, ou seja, onde a variável definida pela declaração é acessível. É indicado pela posição da declaração dentro do programa. Pode ser afetado por notações sintáticas explícitas e interações com outras declarações. O tempo de vida da declaração define a duração da alocação de memória para uma variável declarada. 11 Declaração de Variáveis Em C, todas as variáveis cuja as declarações são externas a funções são alocadas estaticamente e assim tem tempo de vida igual ao do programa principal. Em C, todas as variáveis que são declaradas dentro de funções são alocadas apenas para a duração de cada chamada de função (chamada, alocação automática). O C também permite para o tempo de vida de uma declaração dentro de uma função ser alterado de automática para estático através do uso da palavra reservada static na declaração, tal como: 12 2

3 de Variáveis Considerações sobre declaração de variáveis: int a, b [100]; => define a e b e aloca memória para eles. static int a, b [100]; => declara as variáveis locais para o procedimento, mas elas não são colocadas na pilha do procedimento. extern int a, b [100]; => informa o compilador que o ligador irá encontrar estas variáveis alocadas e inicializadas em outra parte do programa. register int x; => aloca a variável em um registro ao invés da memória. Regra de Escopo e Estrutura de Blocos As regras de escopo em linguagens de programação varia muito, entretanto existem alguns em comum, tais como: Declaração antes do uso Regra de aninhamento mais próximo para estrutura do bloco Declaração antes do Uso Estrutura de Blocos A declaração explícita antes do uso ajuda o programador a reduzir erros de referência de tipo. Isto simplifica a operação com a tabela de símbolos, pois torna mais fácil a detecção de variáveis que não foram declaradas. Ela também habilita uma compilação em uma única passada. Linguagem onde declaração explícita e antes do uso não são exigidas, não podem ser facilmente compiladas em um único passo. 15 Um bloco em uma linguagem de programação é qualquer construção que possa conter declarações. Ex: Em Pascal: Programa principal, declaração de procedimentos e funções e registros. Em C: Unidades de compilação (arquivos de código), declarações de procedimentos e funções, declarações compostas (como seqüências de declarações entre chaves), estruturas e uniões, Em linguagens orientadas a objetos: classes. 16 Estrutura de Blocos Uma linguagem é estruturada em blocos se: Permitir o aninhamento de blocos dentro de outros blocos. E se o escopo das declarações em um bloco for limitado a aquele bloco e aos blocos nele contidos. Regra do aninhamento mais próximo: dadas diversas declarações diferentes para o mesmo nome, a declaração que se aplica a uma referência é aquela no bloco de aninhamento mais próximo à referência. Exemplo 1 O int i não local não pode ser alcançado de dentro da declaração composta da função f, isso é chamado buraco de escopo. O int j não local pode ser alcançado de dentro da declaração composta da função f, mas não de dentro de um de seus dois blocos. Em Pascal as funções podem ser aninhadas, complicando o ambiente em tempo de execução

4 Exemplo 2 Esse código Pascal reflete uma estrutura de tabela de símbolos que o exemplo 1. Entretanto, durante o tempo de execução um problema de acesso e escopo aparece, dado que f, g e h podem ser chamadas umas pelas outras de várias formas diferentes. Para implementar os escopo aninhado e a regra de aninhamento mais próximo, a operação inserir da tabela de símbolos não pode sobrescrever declarações anteriores, mas deve ocultá las temporariamente para que a operação verificar encontre apenas a declaração inserida mais recentemente. De maneira similar, a operação remover não pode remover todas as declarações que correspondam a um nome, mas apenas a mais recente A construção da tabela de símbolos pode acontecer a seguinte forma: Realize operações inserir para todos os nomes declarados ao entrar em cada bloco de código. Realize operações remover correspondentes para os mesmos nomes declarados ao sair de cada bloco. A tabela de símbolos se comporta como uma pilha durante o processamento de escopos aninhados. Uma implementação possível para escopo aninhado: Construir uma nova tabela de símbolos para cada escopo Vincular essas tabelas de escopo mais interno com o mais externo. Dessa forma, a operação verificar continua automaticamente a busca em uma tabela mais externa se não conseguir encontrar um nome na tabela corrente. Utilizando esta abordagem, abandonar o escopo requer menor esforço, pois as declarações não precisam ser removidas uma a uma Para a construção de tabelas diferentes para conter informações de escopos diferentes são necessárias duas novas operações: Abrir escopo: Deve ser executada sempre que se entra em um novo bloco. Seu resultado é a criação de uma nova tabela de símbolos para cada novo bloco e a colocação no topo da pilha. Fechar escopo: Executada sempre que se sai de um bloco. Sua função é apagar o conteúdo da tabela de símbolos do bloco e tirá la do topo da pilha. Utilizando a alternativa de implementar aninhamento de escopo em uma mesma tabela de símbolos. É necessária a identificação de cada espoco por um nome e o prefixo de cada nome declarado dentro de um escopo com os nomes acumulados de seus escopos aninhados. Adicionalmente, pode ser necessário atribuir um nível de aninhamento ou profundidade de aninhamento a cada escopo e registrar em cada célula da tabela de símbolos o nível de aninhamento de cada nome

5 Um requisito típico das linguagens é a não reutilização do mesmo nome em declarações de mesmo nível. Portanto, o exemplo em C: Deve levar a um erro de compilação. Este erro é detectado utilizando a tabela de símbolos A tabela de símbolos não pode permitir que uma variável seja inserida mais de uma vez para um dado nível. 25 Uma questão mais difícil de se resolver é a seguinte: Qual é o valor impresso por j? 2 ou 3 O valor impresso por j é 3 porque as declarações não processadas seqüencialmente. Algumas ling. permitem declarações colaterais, nesse casso o valor de j é derivado do i externo, porque o i interno ainda não é conhecido. 26 Há também o caso das declarações recursivas, em que as declarações podem se auto referenciar ou referenciar outras declarações. Em casos mais complexos, pode se ter grupos de funções mutuamente exclusivas. Neste caso, uma declaração de protótipo de função é necessária para resolver o problema, tal como em C: Neste caso, o nome da função gcd deve ser adicionado a tabela de símbolos antes do corpo da função ser processado, senão a função não será conhecida quando o compilador encontrar a sua chamada recursiva. Essa declaração é vista como um modificador de escopo, que estende o escopo do nome g para incluir f

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário

Síntese. Compiladores. Geração de código intermediário. Linguagens Intermediárias. Modelo Clássico. Linguagens Intermediárias. Código intermediário Síntese Compiladores Código intermediário 1 Os assuntos apresentados trazem respostas às perguntas seguintes: 1. Pode a memória ser alocada dinamicamente? 2. Pode a memória ser liberada explicitamente?

Leia mais

Linguagens de Programação Aula 10

Linguagens de Programação Aula 10 Linguagens de Programação Aula 10 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada As sentenças de controle das LP imperativas ocorrem em diversas categorias: seleção, seleção múltipla, iteração

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica Análise Semântica Introdução Verifica se as construções sintaticamente corretas possuem significado lógico dentro da linguagem Verifica a consistência da declaração e uso dos identificadores Além disso,

Leia mais

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Front-end Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Back-End Geração de código de máquina Sistema Operacional? Conjunto de Instruções do processador? Ambiente de Execução O

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Algoritmos e Linguagem de Programação I

Algoritmos e Linguagem de Programação I Algoritmos e Linguagem de Programação I Roberto Ferreira roberto.ferreira@lapa.ifbaiano.edu.br 2014.1 Módulo I Aula 4 Introdução ao C Linguagem de Programação É um conjunto de regras sintáticas e semânticas

Leia mais

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010 Construção de Compiladores Prof. Raimundo Santos Moura (http://www.ufpi.br/rsm) Construção de Compiladores Livro-Texto: AHO, Alfred V.; ULLMAN, Jeffrey D.; SETHI, R. Compiladores: princípios, técnicas

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação -

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação - Descrição Formal de Linguagens Linguagens de Programação Ciência da Computação DIN UEM CTC Prof. Jucimar Aula 4 Descrição Formal de Linguagens -Sumário - 1. Fundamentos de Linguagens de Programação 2.

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado - 2 Ponteiro é uma variável que possui o endereço de outra variável; É um poderoso recurso

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Estrutura de Dados. Unidade VI. -Tabela Hash -Grafos. Prof. Ms. Amilton Souza Martha

Estrutura de Dados. Unidade VI. -Tabela Hash -Grafos. Prof. Ms. Amilton Souza Martha Estrutura de Dados Unidade VI -Tabela Hash -Grafos Prof. Ms. Amilton Souza Martha Tabela Hash - Conceitos Um dos maiores problemas encontrados, quando se estuda a alocação de estruturas de dados, é o tempo

Leia mais

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipo de dados, tipo abstrato de dados, estruturas de dados Termos parecidos, mas com significados diferentes Tipo de dado Em linguagens de programação

Leia mais

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO Introdução a POO Marcio Santi Linguagem C++ Introdução a Linguagem C++ e POO Programação Orientada a Objetos (POO) e C++ Recursos C++ não relacionados às classes Incompatibilidades entre C e C++ Classes

Leia mais

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos?

Análise semântica. Análise Semântica. Estrutura de um compilador. Anotação da árvore sintática. Tipos de comunicação de atributos? Estrutura de um compilador Análise semântica Tradução orientada pela sintaxe 1 2 Análise Semântica Anotação da árvore sintática Análise semântica: Tipos (& Declarações) Escopo Checagens estáticas: Idéia:

Leia mais

-Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada;

-Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada; FILAS (Queues) -Estrutura linear de acesso seqüencial que ordena seus elementos pela seqüência cronológica de sua entrada; -Estrutura FIFO (First In First Out) a ordem de saída é a mesma ordem de entrada

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada Programação Estruturada Programação Estruturada Paradigmas de Linguagens de Programação As linguagens desse paradigma são muitas vezes chamadas de linguagens convencionais, procedurais ou imperativas.

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Pesquisa: Recuperação de informação em um grande volume de dados Informação é dividida em registros e cada

Leia mais

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores

INE5317 Linguagens Formais e Compiladores. AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores INE5317 Linguagens Formais e Compiladores AULA 2: Es trutura geral dos Compiladores bas eado em material produzido pelo prof Olinto Jos é Varela Furtado Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Pilhas A estrutura de dados Pilha emula a forma de organização de objetos intuitiva que é utilizada diariamente nos mais diversos contextos da vida humana. Containeres são empilhados e desempilhados diariamente

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Tipos de Dados Aula 5 Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Tipos de Dados Sistema de tipos Tipos de Dados e Domínios Métodos

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

Introdução a Java. Hélder Nunes

Introdução a Java. Hélder Nunes Introdução a Java Hélder Nunes 2 Exercício de Fixação Os 4 elementos básicos da OO são os objetos, as classes, os atributos e os métodos. A orientação a objetos consiste em considerar os sistemas computacionais

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Introdução à Programação em C++ (Continuação) Relembrando da Última Aula... Funções Classes de armazenamento

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

Hashing. Estruturas de Dados. Motivação

Hashing. Estruturas de Dados. Motivação Estruturas de Dados Hashing Prof. Ricardo J. G. B. Campello Parte deste material é baseado em adaptações e extensões de slides disponíveis em http://ww3.datastructures.net (Goodrich & Tamassia). Motivação

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Trabalho Prático 2

Algoritmos e Estruturas de Dados II. Trabalho Prático 2 Algoritmos e Estruturas de Dados II Entrega: 24/09/08 Devolução: 15/10/08 Trabalho individual Prof. Jussara Marques de Almeida Trabalho Prático 2 Você foi contratado pela XOL X Online para desenvolver

Leia mais

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico Desenvolvimento Software CLP - Básico Lista de exercícios utilizados nas vídeo aulas e manual de referência das instruções utilizadas em cada aula. Setor de capacitação técnica Branqs Automação Santos

Leia mais

Programação aplicada de computadores Andréa Maria Pedrosa Valli

Programação aplicada de computadores Andréa Maria Pedrosa Valli Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Computação de Alto Desempenho - LCAD Programação aplicada de computadores Andréa Maria Pedrosa Valli 1 Classes Parte 1 1. Classes, variáveis e funções

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo Programação Orientada a Objetos em java Polimorfismo Polimorfismo Uma característica muito importante em sistemas orientados a objetos Termo proveniente do grego, e significa muitas formas Em POO, significa

Leia mais

Programação II. Aula 2

Programação II. Aula 2 Programação II Aula 2 Introdução Para que serve programação? Resolver algum problema computacionalmente. Desenvolver um programa de computador (solução) cuja execução leve a um resultado (aceitável) de

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 2009-1 O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

1 Funções básicas de implementação de arquivos

1 Funções básicas de implementação de arquivos 1 Funções básicas de implementação de arquivos 1.1 Definindo registros Depois de um objeto do mundo real ter sido modelado, ou seja, após seus atributos importantes (e relevantes) terem sido identificados,

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL;

DIFERENÇAS ENTRE FUNÇÃO E BLOCO FUNCIONAL; CRIAÇÃO DE FUNÇÃO / BLOCO FUNCIONAL; UTILIZAÇÃO NO LADDER; EXEMPLO DE BLOCO FUNCIONAL; Boletim Técnico EP3 11/07 Utilizando Funções e Blocos Funcionais de usuário pelo software A1 19 de outubro de 2007 O objetivo deste boletim é mostrar como utilizar o recurso de Funções (Functions) e Blocos

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados II

Algoritmos e Estrutura de Dados II Universidade Federal do Vale do São Francisco Algoritmos e Estrutura de Dados II Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Árvores B, grafos e tabelas de hash: alocação

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash Algoritmos de pesquisa Tabelas de dispersão/hash Introdução Motivação: Considerar o problema de pesquisar um determinado valor num vetor (array). Se o vetor não está ordenado, a pesquisa requer O(n) de

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sumário 1) Introdução à Pesquisa em Memória Primária 2) Pesquisa Sequencial 3) Pesquisa Binária 4) Árvore

Leia mais

Árvores Trie e Patricia. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com

Árvores Trie e Patricia. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Árvores Trie e Patricia Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Árvores Trie Definida em 1960 por Edward Fredkin Vêm de Retrieval (Relacionado à Recuperação de Informações) Para

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS

PHP INTRODUÇÃO CLASSES E OBJETOS INTRODUÇÃO PHP AULA 8 ORIENTAÇÃO A OBJETOS Professor: Leonardo Pereira E-mail: leongamerti@gmail.com Facebook: leongamerti Material de Estudo: http://www.leonti.vv.si A orientação a objetos ou OO é o paradigma

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 20 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º Pesquisa Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) Ficheiro (ou tabela) Campos Nome Endereço Telefone Antunes, João A. R. P. António Viera, 23 720456

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

HASHING. Katia Guimarães. katia@cin.ufpe.br 1

HASHING. Katia Guimarães. katia@cin.ufpe.br 1 HASHING Katia Guimarães katia@cin.ufpe.br 1 HASHING Suponha que você pudesse criar um array onde qualquer item pudesse ser localizado através de acesso direto. Isso seria ideal em aplicações do tipo Dicionário,

Leia mais

Introdução à Linguagem

Introdução à Linguagem Introdução à Linguagem Curso de Nivelamento do PPGMNE Janeiro / 2011 Juliano J. Scremin jjscremin@jjscremin.t5.com.br Um pouco de história Um pouco de história: Nascimento do Python Um pouco de história:

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

DICIONÁRIOS. template class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor()

DICIONÁRIOS. template<class K,class T> class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor() DICIONÁRIOS Esta estrutura inclui-se nos chamados contentores associativos, que não são mais do que uma colecção de estruturas de tipo Par, com dois membros de dados (chave de pesquisa e valor associado),

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Processamento de Consultas Ambiente com SGBD Distribuído Processamento

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Hashing. Rafael Nunes LABSCI-UFMG

Hashing. Rafael Nunes LABSCI-UFMG Hashing Rafael Nunes LABSCI-UFMG Sumário Mapeamento Hashing Porque utilizar? Colisões Encadeamento Separado Endereçamento Aberto Linear Probing Double Hashing Remoção Expansão Quando não usar! Mapeamento

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição

Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição Edson Luiz França Senne Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição Visual Books Sumário Prefácio da Terceira Edição 9 Prefácio da Primeira Edição 11 Aula 1 13 Regras de sintaxe de uma linguagem de programação...

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa

Web site. Objetivos gerais. Introdução. http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados. Profa. Patrícia Dockhorn Costa Web site http://www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino/2009-1-estruturas-de-dados Estruturas de Dados Aula 1: Introdução e conceitos básicos Profa. Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br 01/03/2010

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis.

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis. 3. Tabelas de Hash As tabelas de hash são um tipo de estruturação para o armazenamento de informação, de uma forma extremamente simples, fácil de se implementar e intuitiva de se organizar grandes quantidades

Leia mais

Universidade de São Paulo São Carlos, SP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. SSC0206 1/2010 Introdução à Compilação

Universidade de São Paulo São Carlos, SP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. SSC0206 1/2010 Introdução à Compilação Universidade de São Paulo São Carlos, SP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação SSC0206 1/2010 Introdução à Compilação Trabalho 3: Analisador Semântico e Gerador de Código Prof. Dr. Thiago A.

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Binárias Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Pilhas. Profa Morganna Diniz

Pilhas. Profa Morganna Diniz Pilhas Profa Morganna Diniz Pilhas Geralmente pilhas são úteis em situações em que dados devem ser recuperados em ordem inversa a do armazenamento É uma estrutura de dados linear que permite acesso por

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Organização de arquivos

Organização de arquivos Organização de arquivos Por que ver sistema de arquivos? O sistema de arquivos é quem realmente se responsabiliza por guardar os dados que um aplicativo ou mesmo o banco de dados gerencia. Não é tarefa

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador Programas operam sobre dados Dados são relacionados e possuem estrutura Como representar e manipular dados em um computador Para representar um baralho precisamos: Representar cartas: naipe e valor struct

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Reuso com Herança a e Composiçã

Reuso com Herança a e Composiçã Java 2 Standard Edition Reuso com Herança a e Composiçã ção Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Como aumentar as chances de reuso Separar as partes que podem mudar das partes que não mudam. Exemplo:

Leia mais

PARTE I A Linguagem C#

PARTE I A Linguagem C# PARTE I A Linguagem C# Capítulo 1, C# 3.0 e o.net 3.5 Capítulo 2, Iniciando: Hello World Capítulo 3, Fundamentos da Linguagem C# Capítulo 4, Classes e Objetos Capítulo 5, Herança e Polimorfismo Capítulo

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais