Modelo Transteórico. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Departamento de Nutrição Grupo de Desenvolvimento Humano em Nutrição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo Transteórico. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Departamento de Nutrição Grupo de Desenvolvimento Humano em Nutrição"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Departamento de Nutrição Grupo de Desenvolvimento Humano em Nutrição Modelo Transteórico Intervenção: Acompanhamento para mudança Discente: Ariele Sousa

2 Modelo Transteórico Instrumento promissor de auxílio à compreensão da mudança comportamental relacionada à saúde. Pesquisadores norte-americanos: James O. Prochaska e Carlo DiClemente - década de 80. Abandono do vício sem auxílio de psicoterapia ou com o tratamento. A elaboração foi hipótese de que os princípios básicos explicariam a estrutura da mudança de comportamento na presença ou não de psicoterapia. (TORAL; SLATER, 2007 )

3 Modelo Transteórico Outros comportamentos: alcoolismo, uso de drogas, manifestação de distúrbios de ansiedade e pânico, realização de mamografia, prática de atividade física, entre outras situações. Recentemente: consumo de gordura, frutas, hortaliças, fibras e cálcio e para o controle do peso e do diabetes. Teoria de estágios de mudança ou modelo de estágio de mudança de comportamento. Descreve a mudança de comportamento através de uma série de fases discretas ou estágios de mudança. Cada estágio dimensão temporal da mudança do comportamento (quando ocorre e qual é seu grau de motivação). (ASSIS; NAHAS, 1999; TORAL; SLATER, 2007 )

4 Estágios Pré-contemplação; Contemplação; Preparação; Ação; Manutenção; Recaída

5 Estágios Pré- contemplação: - Não percebeu o problema ou que precisa de mudança. - É necessário informações e feedback. - O aconselhamento nutricional é contraproducente. - É comum que não percebem ou recusam o risco, ou ainda decidiram por alguma razão não adotar o padrão. Contemplação: - Depois da consciência do problema período de ambivalência. - Objetivo: trabalhar sobre vantagens e desvantagens. (ASSIS; NAHAS, 1999; MAHAN; ESCOTT-STUMP, 2007)

6 Estágios Preparação: - Janela de oportunidades avanço ou retrocedo na contemplação. - Precisa de ajuda buscar uma estratégia ou meta de mudança aceitável, atingível e apropriada. Ação: - Paciente envolve-se em ações mudanças. - Objetivo: produzir uma mudança na área problemática. - Indivíduos implementam o seu plano de mudança do comportamento e começam de uma maneira consistente.

7 Estágios Manutenção: - Desafio: manter a mudança realizada e evitar recidivas. - Estágio final a prática comportamental solidificada e incorporada na rotina caracterizada por esforços prevenir relapsos. Recaídas: - Se ocorrer individualizado iniciar o processo de mudança novamente. - Escorregadelas e recaídas. - Ocorrências esperadas procurar mudar qualquer padrão de longa duração. - Objetivo: retomar os esforços para a ação. (ASSIS; NAHAS, 1999; MAHAN; ESCOTT-STUMP, 2007)

8 Entrevista Motivacional Ajudar os clientes identificar e começar a resolver as suas preocupações e problemas. Aumentar a motivação intrínseca. A persuação e o apoio. As mudanças comportamentais prontas para mudar. Diferentes fases de mudança e manutenção das suas alterações dietéticas. Intervenções específicas e diferentes fases de motivação prontidão, ambivalência e um desejo de permanecer no atual.

9 Entrevista Motivacional A ambivalência é um fator dissuasor intervenção. A resistência e a negação atrapalham o cumprimento das metas comportamentais. Estudos influência positiva mudanças no comportamento. Carência na literatura ensaios randomizados controlados única modalidade de tratamento mudança comportamental. Superação da resistência e o estabelecimento de motivação evidente pronto para fazer uma mudança (terapia comportamental e terapia cognitivo-comportamental).

10 Atitudes que facilitam a mudança comportamental Etapas para mudança no comportamento 1. Expressar empatia 2. Compreender os fatores culturais 3. Desenvolver discrepância 4. Evitar argumentos ou defensiva 5. Lidar com a resistência 6. Apoiar autoeficácia

11 Modelo de Intervenção Motivacional Intervenções planejamento do nutricionista. O primeiro passo é a entrevista. As habilidades em obter informações sobre os hábitos são importantes à medida que a avaliação da dieta do cliente avança. Estágios em termos de fases: - Fase 1: Ainda não está pronto para mudar - Fase 2: Inseguro sobre o cumprimento das metas - Fase 3: Pronto para mudar. * Algoritmo de intervenção motivacional.

12 Avaliação Objetivo: identificar o estágio e prestar assistência para facilitar as mudanças. Conclusão: primeira consulta ou próxima sessão. A disponibilidade para a mudança avaliada e documentada.

13

14

15 Sessões de aconselhamento para clientes que não estão prontos para mudar Objetivos: 1. Facilitar a capacidade considerar mudanças 2. Identificar e reduzir a resistência e as barreiras. 3. Identificar as etapas comportamentais em direção a mudanças. Competências de comunicação: perguntas abertas, ouvir de maneira reflexiva, afirmar, resumir e produzir declarações automotivacionais. Cliente defensivo e autoritário. Evitar pressionar, convencer, confrontar, persuadir ou falar o que fazer. Não espere que ele esteja pronto para fazer alguma coisa durante a consulta. Ao termino: questões reexaminadas após o tempo para pensar.

16 Sessões de aconselhamento para clientes inseguros sobre a mudança Objetivo: construir a disponibilidade para a mudança. As mudanças podem expandir-se. Transição do não estar preparado para lidar com um problema para preparar-se para continuar a mudança. Reafirmação das declarações automotivacionais alcançar sucesso. Discutir a ambivalência. Refazer qualquer declaração que ele tenha feito sobre as intenções ou planos ou para melhorar no futuro.

17 Sessões de aconselhamento para clientes inseguros sobre a mudança Discussão dos pensamento e sentimentos sobre o estado atual. Uso de perguntas abertas estimula a discutição do progresso e as dificuldades das mudanças. Cenários novos e frequentemente positivos. Próximo passo: negociar uma mudança. Três partes para o processo de negociação: 1º. Estabelecer objetivos. O que é que você gostaria de mudar. 2º. Considerar opções. 3º. Chegar a um plano, estabelecido pelo cliente. Término: Qual o próximo passo?

18 Sessões de aconselhamento para clientes que estão prontos para mudar Objetivo: colaborar na definição de metas incluindo um plano de ação. Fornecer recursos para atingir as metas. Discutir pensamentos e sentimentos do cliente estado atual. Perguntas abertas confirmam e justificam a decisão de mudança. Ajuda na identificação das opções de mudança perguntar o que gostaria de mudar e qual o primeiro passo. Plano de Ação. Acordo para o Próximo Contato - Evitar a dizer o que ele deve fazer. - É fundamental a expressão de ideias funcionamento melhor.

19 Comportamentos de resistência e potenciais estratégias para modificá-los Resistência à mudança - estado - dificuldades com a adesão à dieta. Reflexão Reflexão de Dupla Face Mudança de foco Aceitação da Mudança Ressignificação Autoeficácia e Autogestão Encerramento - Resumir; - Agendar horários.

20 Limitações no uso do modelo transteórico no comportamento alimentar Complexidade do tema. O tratamento do tabagismo abandono do vício. Intervenção nutricional não pode eliminar a prática alimentação manter. Estudos de intervenção grupos populacionais resultados satisfatórios. Engloba dimensões do comportamento (equilíbrio de decisões, autoeficácia, processo de mudança). (TORAL; SLATER, 2007 )

21 Conclusão O Modelo Transteórico é um instrumento de apoio na mudança do comportamento alimentar do indivíduo, sendo necessário utilizar outros métodos (terapia comportamental e terapia cognitivocomportamental). É importante considerar que qualquer relação de aconselhamento com o objetivo de mudança comportamental iniciase com a avaliação da disponibilidade do cliente para mudar, muitas vezes isso é esquecido e o cliente fica frustrado e o nutricionista sente-se ineficaz. No entanto, é necessário o nutricionista considerar o contexto em que o indivíduo vive, dialogar com o mesmo, para que as dificuldades e inseguranças sejam superadas e as intervenções sejam efetivas e os resultados alcancem seu objeto e as metas conquistadas.

22 Referências MAHAN, Kathleen L.; ESCOTT-STUMP, Sylvia. Alimentos Krause & Nutrition Therapy. 12ª ed. Cidade. Editora Elsevier Health Sciences.p. v TORAL, Natacha; SLATER, Betzabeth. Abordagem do modelo transteórico no comportamento alimentar. Ciência saúde coletiva. Rio de Janeiro, n. 6, vol.12, Nov./Dec Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em 13 agos ASSIS, Maria A. Altenburg; NAHAS, Markus V. Aspectos motivacionais em programas de mudança de comportamento alimentar. Revista de Nutrição, Campinas, 12(1):p , jan./abr

A Motivação no Tratamento da Dependência Química

A Motivação no Tratamento da Dependência Química Seja bem vindo! A Motivação no Tratamento da Dependência Química Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRO 06/99198 Especialista em Dependência Química UNIAD/UNIFESP Mestranda UNIFESP Perguntas Por

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

Processo de Mudança & Entrevista motivacional

Processo de Mudança & Entrevista motivacional Processo de Mudança & Entrevista motivacional Ruth Borges Dias GESF 17/11/2008 Etapas do Processo de mudança de Prochaska e DiClemente Pré-contemplação Contemplação Preparação Ação Manutenção Recaída

Leia mais

A Experiência do Autocuidado Apoiado na APS da SMS Curitiba

A Experiência do Autocuidado Apoiado na APS da SMS Curitiba Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Experiência do Autocuidado Apoiado na APS da SMS Curitiba LIACC Educação Permanente Suporte à decisão

Leia mais

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde 1 Carmen Luiza Correa Fernandes e Lêda Chaves Dias Curra Médicas de Família e Comunidade / Terapeutas de Família e Casais

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

ENTREVISTA MOTIVACIONAL

ENTREVISTA MOTIVACIONAL ENTREVISTA MOTIVACIONAL Marcelo Ribeiro, MSc Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (UNIAD ~ UNIFESP) Nos últimos trinta anos, a idéia da Ciência sobre a dependência mudou muito......porém muitas pessoas

Leia mais

Habilidades motivacionais

Habilidades motivacionais Habilidades motivacionais Sandra Odebrecht Vargas Nunes Márcia Regina Pizzo de Castro SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NUNES, SOV., and CASTRO, MRP. Habilidades Motivacionais. In NUNES, SOV.,

Leia mais

Ser essencial para continuidade do tratamento. Objetiva, acolhedora, empática, simples e breve. Foco sempre no indivíduo e substâncias utilizadas

Ser essencial para continuidade do tratamento. Objetiva, acolhedora, empática, simples e breve. Foco sempre no indivíduo e substâncias utilizadas Abordagem inicial Introdução O grande desafio da enfermagem no tratamento da dependência química é a abordagem inicial pois neste momento que avaliaremos no paciente: - estágios de prontidão de mudança,

Leia mais

Diretrizes de intervenção quanto à mudança de comportamento - A Entrevista Motivacional

Diretrizes de intervenção quanto à mudança de comportamento - A Entrevista Motivacional Diretrizes de intervenção quanto à mudança de comportamento - A Entrevista Motivacional Ruth Borges Dias A mudança comportamental é um processo, e as pessoas têm diversos níveis de motivação. A motivação

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve BREVE CURTA DURAÇÃO INTERVENÇÃO QUALQUER INTERFERÊNCIA NOS ASSUNTOS DE OUTROS! INTERVENÇÃO BREVE CONSISTE

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

TRABALHO EM EQUIPA MOTIVAÇÃO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. Como puderam imaginar todos esses sábios que o homem precisa de uma vontade normal virtuosa?

TRABALHO EM EQUIPA MOTIVAÇÃO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. Como puderam imaginar todos esses sábios que o homem precisa de uma vontade normal virtuosa? TRABALHO EM EQUIPA NA Como puderam imaginar todos esses sábios que o homem precisa de uma vontade normal virtuosa? Onde foram buscar essa ideia de que o homem precisa de desejar de maneira sensata e proveitosa?

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Programa Bassett/UNIFESP/Hopkins em métodos de comunicação para saúde mental no atendimento primário à criança e ao adolescente

Programa Bassett/UNIFESP/Hopkins em métodos de comunicação para saúde mental no atendimento primário à criança e ao adolescente For technical reasons, this is a non-working copy of the materials for Session 2 of the Bassett/Hopkins training program, adapted for use in Brazil. This slide set is used by a trainer to lead a semi-structured,

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas DIFERENTES NÍVEIS DE CONSUMO ÁLCOOL ABSTINÊNCIA USO EXPERIMENTAL USO MODERADO ABUSO Leve DEPENDÊNCIA Moderada Grave Cerca de 10

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

Intervenção psicológica

Intervenção psicológica 8. Intervenção psicológica A motivação tem sido uma variável intrapsíquica muito associada ao sucesso terapêutico, constituindo-se como elemento fundamental para a concretização de mudanças estáveis. No

Leia mais

Unidade 9: Diálogos deliberativos

Unidade 9: Diálogos deliberativos Unidade 9: Diálogos deliberativos Como podemos utilizar as sínteses de evidências? Informar os grupos de interesse Divulgação da síntese de políticas Informações adaptadas derivadas da síntese Meios de

Leia mais

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica A Experiência de Curitiba na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária Sociedade Brasileira de Nefrologia Brasília, 2012

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação São Paulo agosto 2012 A Tríade Corpo Relacionamento e Comunicação A busca de resultados através das pessoas Alma Mente 1 2 Agenda "Não há maior sinal de LOUCURA do que fazer uma coisa repetidamente e esperar

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Terapia motivacional

Terapia motivacional Terapia motivacional Florence Kerr-Correa Professora Titular de Psiquiatria Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria Faculdade de Medicina de Botucatu www.viverbem.unesp.br UNESP Objetivos

Leia mais

Paul Persuader. Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal. Dimensões do Comportamento

Paul Persuader. Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal. Dimensões do Comportamento Perfil Comportamental DiSC de: Paul Persuader Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal Estratégias para Gerenciar em Vendas Dimensões do Comportamento 16/07/07 W2.0.0.5

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Atenção individualizada

Atenção individualizada Atenção individualizada Proposta: A atenção individualizada deve seguir o estabelecido nas Diretrizes e realizado pelo profissional médico ou enfermeiro em consulta individual (face a face). Operacionalização:

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

O Coaching pode ajudar uma pessoa a:

O Coaching pode ajudar uma pessoa a: O que é o Coaching O que é o Coaching É um processo compartilhado de desenvolvimento pessoal e profissional focado em ações no presente, para tornar real suas intenções de atingir objetivos e alcançar

Leia mais

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS Autor: Maria Rita Gramigna Como identificar potenciais e competências em um processo seletivo? Como agir com assertividade

Leia mais

Baralho da. Motivação. Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado. Renata Brasil Araujo

Baralho da. Motivação. Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado. Renata Brasil Araujo Baralho da Motivação Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado Renata Brasil Araujo Baralho da Motivação Refletindo sobre a mudança do comportamento exagerado Renata Brasil Araujo 2015 Sinopsys

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

WORKSHOP DE COACHING PARA GESTORES. www.diogohudson.com.br

WORKSHOP DE COACHING PARA GESTORES. www.diogohudson.com.br WORKSHOP DE COACHING PARA GESTORES www.diogohudson.com.br APRESENTAÇÃO & EXPECTATIVAS Se apresentem e discutam: O que você esperadeste workshop? COACHING PARA GESTORES 7 papéis de um gestor Como o coaching

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

Abordagem Contextual do Usuário de Maconha

Abordagem Contextual do Usuário de Maconha Abordagem Contextual do Usuário de Maconha Carla Bicca Psiquiatra Especialista em DQ FIPAD/UNIFESP Terapeuta Cognitiva / Instituto Beck Mestre em Ciências Médicas UFRGS Diretora da Villa Janus Resolução

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha Negociação e Vendas Marketing e vendas Quais são as relações entre marketing e vendas casos e causos de negociação

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

COACHING EMPRESARIAL. Two Fill

COACHING EMPRESARIAL. Two Fill COACHING EMPRESARIAL Two Fill O QUE É COACHING Esperar algo mágico acontecer para mudar de vida: está é a atitude de 92% das pessoas. Conhecendo essa realidade fica mais fácil entender por que somente

Leia mais

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH Liderança Roberto Carvalho robertjc@uol.com.br Ambientes Turbulentos & Competitivos 10/30/2009 1 Passado Pensamentos mecanicistas! Você não é pago para questionar

Leia mais

O que é e como tratar a codependência?

O que é e como tratar a codependência? Seja Bem Vindo! O que é e como tratar a codependência? Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra ProMulher IPq-HC-FMUSP CREMESP

Leia mais

Administração de Pessoas Inovação e Mudança Meta:Excelência

Administração de Pessoas Inovação e Mudança Meta:Excelência Administração de Pessoas Inovação e Mudança Meta:Excelência Prof. Walter Lerner Lernerwl@terra.com.br Mudança Organizacional Por que não mudar pode levar ao declínio organizacional? É importante discutir

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, possibilitando o alcance de resultados planejados, através de metodologias, ferramentas e técnicas, conduzidas

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Código de. Conduta e Melhores Práticas

Código de. Conduta e Melhores Práticas Código de Conduta e Melhores Práticas PRESSUPOSTOS Ser complementar ao Código de Ética do Administrador e harmônico a este Aproveitar a experiência de entidades de contextos onde Coaching é uma atividade

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Calendário das Aulas 12/08 19/08 26/08 02/09 06/09 Atividade Extra 09/09 16/09 23/09 30/09 07/10 - Avaliação

Leia mais

Estudos Avançados em Atividade Física Relacionada à Saúde: Avaliação de programas de saúde pela proposta RE-AIM

Estudos Avançados em Atividade Física Relacionada à Saúde: Avaliação de programas de saúde pela proposta RE-AIM March 6, 2014 Estudos Avançados em Atividade Física Relacionada à Saúde: Avaliação de programas de saúde pela proposta RE-AIM Fabio Almeida, PhD, MSW (falmeida@vt.edu) Virginia Tech Translational Obesity

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO SUÍÇO-BRASILEIRA Comitê de Recursos humanos

CÂMARA DE COMÉRCIO SUÍÇO-BRASILEIRA Comitê de Recursos humanos PALESTRA COACHING CÂMARA DE COMÉRCIO SUÍÇO-BRASILEIRA Comitê de Recursos humanos COACHING: A EVOLUÇÃO AO SEU ALCANCE. REGINA NOGUEIRA COACHING DE VIDA E EXECUTIVO 3 QUANDO NASCEU Em 1950 foi introduzida

Leia mais

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda.

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda. Teste Página 2 % Especialista Barganhador Confrontador Provedor Articulador Sonhador MIN 47,04 37,00 23,02 46,15 27,05 18,24 AUTO 15,49 0,40 25,58 73,78 99,00 82,34 MÁX 79,07 54,9 52,91 75,53 52,57 46,59

Leia mais

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva da esquizofrenia IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva e as medicações Parte do trabalho da TCC é promover o aumento da adesão à medicação. As evidências de melhora

Leia mais

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes.

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Administração de Vendas Planejamento, direção e controle

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R C A R R E I R A DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 Data: 12,

Leia mais

Lições em Liderança. Russ Salzman, CAE, IOM, RCE Chief Executive Officer, IREM. www.irem.org

Lições em Liderança. Russ Salzman, CAE, IOM, RCE Chief Executive Officer, IREM. www.irem.org Lições em Liderança Russ Salzman, CAE, IOM, RCE Chief Executive Officer, IREM Chego um tempo de transição e transformação Etapas Crescimento Apogeu Transição Crise Oportunidade Decisões Mudança Reinvenção

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Amanda Oliveira. E-book prático AJUSTE SEU FOCO. Viabilize seus projetos de vida. www.escolhas-inteligentes.com

Amanda Oliveira. E-book prático AJUSTE SEU FOCO. Viabilize seus projetos de vida. www.escolhas-inteligentes.com E-book prático AJUSTE SEU FOCO Viabilize seus projetos de vida CONTEÚDO À QUEM SE DESTINA ESSE E-BOOK:... 3 COMO USAR ESSE E-BOOK:... 4 COMO ESTÁ DIVIDIDO ESSE E-BOOK:... 5 O QUE É COACHING?... 6 O SEU

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Tratamento: Estratégias Integradas para o Crack. Sibele Faller

Tratamento: Estratégias Integradas para o Crack. Sibele Faller Tratamento: Estratégias Integradas para o Crack Sibele Faller Tratamentos Entrevista Motivacional Terapia Cognitivo-Comportamental Incentivos Motivacionais Gerenciamento de Casos Modelo Matrix Entrevista

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

Motivação e Comprometimento

Motivação e Comprometimento Motivação e Comprometimento Mesa II Como vender meu peixe Envolvendo toda equipe IX Simpósio Estadual de Infecção Hospitalar Prof. Armando Ribeiro das Neves Neto INSPER / Hospital Beneficência Portuguesa

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

NÚCLEO. Coaching com PNL. A Paixão de Fazer Acontecer. Coaching com PNL. Coaching com PNL. Programação Neurolinguística: PNL no Coaching

NÚCLEO. Coaching com PNL. A Paixão de Fazer Acontecer. Coaching com PNL. Coaching com PNL. Programação Neurolinguística: PNL no Coaching 1 Coaching com PNL Pensamento & Ação Programação Neurolingüística Coaching A Paixão de Fazer Acontecer O processo de apoiar uma pessoa na identificação e criação de estados desejados, desenvolvendo e acessando

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Métodos e Técnicas COORDENADOR: Paola Espósito de Moraes Almeida PROFESSORES: Alice Maria de Carvalho Dellitti, Denigés Maurel Regis Neto,

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIA EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL. Discente: Jéssica Rocha

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIA EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL. Discente: Jéssica Rocha DESENVOLVENDO COMPETÊNCIA EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL Discente: Jéssica Rocha Indivíduos atribuem... Sentimentos Acontecimentos Significado Pessoas Comportar de uma determinada maneira Demais aspectos

Leia mais

Aprendendo a vencer a Ansiedade

Aprendendo a vencer a Ansiedade Rua Conde de Bonfim 232/301 Tijuca Rio de Janeiro RJ Tel:2234-2399 Email: eliane@epvpsicologia.com Home Page:www.epvpsicologia.com Aprendendo a vencer a Ansiedade Um guia para os pais sobre a ansiedade

Leia mais

Competências Essenciais de Coaching. Nick Cheong 张 炳 栋 Sócio - Diretor Berners Coaching 2010 BERNERSCONSULTING

Competências Essenciais de Coaching. Nick Cheong 张 炳 栋 Sócio - Diretor Berners Coaching 2010 BERNERSCONSULTING Competências Essenciais de Coaching Nick Cheong 张 炳 栋 Sócio - Diretor Berners Coaching 2010 BERNERSCONSULTING Por que estamos aqui? Estamos aqui para: Conhecer quais são as competências essências do um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais