RECURSOS HUMANOS Avaliação do desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECURSOS HUMANOS Avaliação do desempenho"

Transcrição

1 RECURSOS HUMANOS

2 ?

3 Origem,conceitos e definição Origem: Surge como analogia ao trabalho das máquinas e ao aumento da sua eficiência; Com a aplicação de determinado tipo de princípios era possível obter e melhorar a eficiência das organizações (teoria clássica da administração); Mas ao nível humano a reduzida eficiência mantinha-se e constituía um problema; Só com o aparecimento da escola das relações humanas é que foi possível começar a estudar a eficiência do trabalho humano (com a introdução da componente psicológica e social do trabalho); Assim, a avaliação do desempenho surge como uma forma de determinar a eficiência do desempenho humano no contexto das organizações;

4 Origem,conceitos e definição Noe, Hollenbeck, Gerhart & Wright (2004): É a avaliação de áreas específicas do desempenho/rendimento dos funcionários; Mejía, Balkin, & Cardy (1998): É a identificação, avaliação e gestão do desempenho/rendimento humano nas organizações; Origem,conceitos e definição Modelo de avaliação do desempenho: Identificação Avaliação Gestão

5 Origem,conceitos e definição Identificação: Determinação das áreas do trabalho que o gestor deverá examinar quando avalia o desempenho; deverá ser baseado na análise e descrição de cargos; Avaliação: É o aspecto nuclear do sistema de avaliação; Consiste na determinação do nível de desempenho dos funcionários; Gestão do desempenho/rendimento: É o objectivo final de qualquer sistema de avaliação do desempenho; A avaliação deverá ser mais do que a determinação do nível de desempenho da actividade passada dos funcionários; A avaliação deverá servir para determinar o que é que os funcionários deverão fazer para alcançarem o seu potencial na organização; Deste modo, os gestores deverão fornecer-lhes feed-back e orientá-los para níveis elevados de rendimento/desempenho.

6 da avaliação do desempenho: A avaliação do desempenho não é um fim em si própria, mas um meio para melhorar os resultados dos RH s nas organizações; Para além disso persegue um conjunto de objectivos intermédios: Adequação do indivíduo ao cargo; Identificação das necessidades de treino individuais; Identificação das necessidades de treino da organização; Promoções; Identificação das forças e fraquezas individuais; Incentivo salarial ao bom desempenho; Melhoria das relações humanas entre superiores e subordinados; Auto-aperfeiçoamento do funcionário; Informações básicas para pesquisa de RH s; Estimativa do potencial de desenvolvimento dos RH s; Estímulo À maior produtividade; Oportunidade de conhecimento dos padrões de desempenho da organização; Retorno de informação ao próprio indivíduo avaliado; Outras decisões de pessoal, como transferências, dispensas, etc,...

7 Critérios de avaliação Critérios de avaliação do desempenho: Consistem em: identificar as dimensões ou áreas de trabalho relevantes do cargo ou função; determinar os respectivos padrões de desempenho que permitem avaliar os RH s; A análise e descrição de cargos e funções serve de base para a escolha dos critérios de avaliação; São os gestores e os supervisores directos que determinam quais as dimensões mais significativas e que deverão apresentar um maior ou menor peso; Critérios de avaliação Factores, dimensões ou critérios de avaliação mais utilizados: Grupo I Desempenho objectivo: Quantidade de trabalho..44; Qualidade de trabalho... 31; Grupo II Conhecimento e desempenho do cargo: Conhecimento do cargo...25; Frequência.14; Pontualidade 12; Hábitos de segurança.7; Boa administração doméstica.3; Grupo III Características do indivíduo: Espírito de cooperação.. 37; Digno de confiança..36; Iniciativa. 35; Inteligência 27; Exactidão 17; Diligência....14; Adaptabilidade.14; Atitude.14; Personalidade... 13; Julgamento.13; Aplicação 12; Liderança...10; Conduta.6;.. Potencial..4.

8 Método da escala gráfica: É o método mais utilizado, mais divulgado e um dos mais simples; Características: O desempenho é analisado através de factores de avaliação definidos e graduados previamente; Utiliza um formulário de dupla entrada: As linhas representam os factores de avaliação; As colunas representam os graus de variação dos factores; Os factores são previamente seleccionados e descritos de forma sumária; Muitas organizações atribuem pontos aos factores p/ quantificar resultados e facilitar a comparação entre RH s.

9 Método da escolha forçada: Desenvolvido durante a II guerra mundial, p/ escolher oficiais a promover, na força aérea dos EUA. Características: Avalia o desempenho através de frases descritivas, relacionadas c/ o desempenho individual; Em cada conjunto de frases o avaliador escolhe uma ou duas das frases que mais se aplicam ao desempenho do funcionário; O tipo de frases pode variar, mas existem duas formas p/ a sua composição: os conjuntos de frases são formados por: duas frases de significado positivo e duas de significado negativo; o avaliador escolhe a frase que mais se aplica e a que menos se aplica ao desempenho do indivíduo; Os conjuntos de frases também podem ser constituídos por 4 frases de significado positivo. O avaliador escolhe as frases que mais se adequam ao desempenho; Método de pesquisa de campo: Utiliza as entrevistas realizadas por um especialista em avaliação, juntamente com o responsável dos RH s que estão a ser avaliados. Características: A avaliação é feita pelo responsável dos RH s, mas c/ a ajuda de um especialista em avaliação; O especialista entrevista o responsável dos RH s sobre o desempenho de cada funcionário; A entrevista ao responsável dos RH s é feita de acordo c/ os seguintes aspectos: A) Avaliação inicial: o desempenho de cada funcionário é avaliado em relação a cada uma das seguintes alternativas: desempenho mais que satisfatório (+); desempenho satisfatório (+-); desempenho menos que satisfatório (-); B) Avaliação complementar: o desempenho é avaliado c/ mais profundidade através de perguntas do especialista ao avaliador; C) Planeamento: após a avaliação faz-se um plano p/ o funcionário que passa por: aconselhamento ao funcionário; treino, substituição promoção, etc, D) Acompanhamento: consiste numa verificação ou comprovação do desempenho de cada funcionário.

10 Método de comparação aos pares: Recomenda-se a utilização sempre que os avaliadores não têm condições p/ utilizar outros métodos. Características: Um método de avaliação que compara os RH s 2 a 2, de cada vez; Anota-se o que é melhor relativamente ao desempenho; É um método que também pode utilizar factores/dimensões de avaliação: Método das frases descritivas: É ligeiramente diferente das escolhas forçadas, por não exigir a obrigatoriedade na escolha de frases. Características: O avaliador assinala simplesmente as frases que caracterizam o desempenho do indivíduo; No caso da frase identificar aspectos positivos o avaliador coloca um sinal + ou um S ; No caso da frase identificar aspectos negativos o avaliador coloca um sinal - ou um N.

11 Método dos incidentes críticos: É um método simples criado na II guerra mundial por especialistas da força aérea dos EUA. Características: Considera que no comportamento humano existem características extremas capazes de levar a resultados positivos ou negativos; Este método não se preocupa c/ as características situadas dentro do campo da normalidade, mas só c/ os aspectos extremamente positivos ou extremamente negativos. Método da auto-avaliação: É um método que permite ao próprio indivíduo, quando solicitado, realizar uma análise sincera das suas características de desempenho. Características: Pode utilizar diversos meios, como é o caso dos que se encontram nos métodos apresentados anteriormente.

12 Método da avaliação por resultados: É um método que se baseia numa comparação periódica entre os resultados fixados e esperados p/ cada RH e os resultados efectivamente obtidos. Métodos mistos: Aplicam-se em todas as organizações que apresentam cargos complexos; É frequente observar a utilização de vários métodos de avaliação diferentes, na mesma organização; Muitas vezes as organizações utilizam um método para os RH s de nível operacional, outro método p/ os supervisores e, ainda, um outro p/ os gestores.

13 Entrevista de avaliação do desempenho: É um aspecto fundamental da avaliação do desempenho dos RH s; Representa a possibilidade de comunicar o resultado da avaliação e fornecer feed-back; Pouco importa a avaliação se o principal interessado não tiver conhecimento dos respectivos resultados. da entrevista de avaliação do desempenho: 1. Permite ao funcionário melhores condições p/ realizar o seu trabalho, através da comunicação do respectivo padrão de desempenho; 2. Fornece ao funcionário uma ideia de como está a desempenhar o seu trabalho, referindo os aspectos positivos e os negativos e a respectiva comparação com os padrões de desempenho esperados; 3. Discutir entre funcionário e supervisor os planos p/ melhorar e utilizar as respectivas aptidões; 4. Construir relações pessoais mais fortes entre supervisor e funcionário, de modo a poderem falar abertamente sobre o trabalho; 5. Eliminar ou reduzir dissonâncias, ansiedades, tensões e incertezas que surgem quando não se tira partido das vantagens do aconselhamento planeado e orientado.

14 Complacência: O avaliador classifica os seus avaliados acima do ponto médio da escala de avaliação; Tendência central: O avaliador evita atribuir classificações nos extremos da escala; Severidade: Quando os avaliadores são muito rigorosos; Halo: Quando a nível individual a classificação num dos critérios se generaliza a todos os outros, a fim de manter a consistência na avaliação; Recenticidade: Quando a avaliação é determinada pelas acções mais recentes dos avaliados, não sendo considerada a globalidade do desempenho, ao longo do período de avaliação.

15 Chiavenato, I., Gestão de recursos humanos, Ed. Atlas, 4ª edição, São Paulo, 1997; Noe, R., Hollenbeck; J., Gerhart, B., Wright, P., Fundamentals of Human Resources Management, ed.: McGraw-Hill Irwin, 2004; Mejía, G., Balkin, D., Cardy, R., Managing Human Resources, ed.: Prentice Hall, London, 1998; Cunha, Rita C., A gestão de recursos humanos na estratégia da empresa, IEFP Núcleo de Informação e Relações Públicas, Lisboa, 1992;

Gestão de Pessoas Avaliação

Gestão de Pessoas Avaliação Gestão de Pessoas Avaliação de Desempenho CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 2 o bimestre / 2012 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos É a apreciação sistemática do desempenho de cada pessoa no cargo e o seu potencial

Leia mais

Avaliação do Desempenho

Avaliação do Desempenho Avaliação do Desempenho Professor : Glauco Zambonini Bibliografia base: Chiavenato, Idalberto Recursos humanos : o capital humano das organizações / Idalberto Chiavenato. 8. ed. São Paulo : Atlas, 2004

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Desempenho Humano Ato de executar uma meta, vinculada às condições de QUERER FAZER e SABER FAZER, possibilitando realizações com eficiência e eficácia. Avaliação de Desempenho Instrumento

Leia mais

Administração de Empresas. Indicadores de Desempenho

Administração de Empresas. Indicadores de Desempenho Administração de Empresas Indicadores de Desempenho Controle Administrativo Principio de Eficiência e Eficácia Indicadores de Desempenho Efetividade Os indicadores de desempenho são fundamentais por mensurar

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos Equipe: Administradores de Sucesso Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos CONCEITOS PERFIS DE CARGOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TIPOS DE AVALIAÇÃO FEEDBACK CASES SUMÁRIO

Leia mais

Avaliação de Desempenho Gestão de Pessoas

Avaliação de Desempenho Gestão de Pessoas Avaliação de Desempenho Gestão de Pessoas O que Medir? Resultado (quais os resultados concretos e finais que se pretende alcançar dentro de um certo período de tempo). Desempenho (qual o comportamento

Leia mais

Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH.

Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH. Análise e Descrição de Funções Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH. A análise de funções tem relevância em várias v vertentes: - Recrutamento e Selecção, - Avaliação

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Avaliação de desempenho

Avaliação de desempenho Avaliação de desempenho A avaliação de desempenho pode ser definida como a identificação e mensuração das ações que os colaboradores de uma organização realizaram durante determinado período. Tem como

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organização, Processo e Estruturas 1 Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista os objectivos que a empresa como um todo se propõe atingir. 2

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 02 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 02 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 02 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

F M RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DE CARGOS. XIII - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS:

F M RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DE CARGOS. XIII - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS: XIII - Mestrado Gestão do Desporto F M RECURSOS HUMANOS H ANÁLISE DE CARGOS OBJECTIVOS: Analisar o fluxo de trabalho, identificando as entradas, as actividades e as saídas na produção de bens e serviços;

Leia mais

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU QUADRO RESUMO DA CARREIRA Escalão Índice Duração Outros requisitos: Quotas, aulas assistidas 1 167 4 2 188 4 2 aulas assistidas 3 205 4

Leia mais

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas AULA 3 Administração de Recursos Humanos O papel do gestor

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL COMUNICAÇÃO E IMAGEM COMO FACTORES COMPETITIVOS A sua empresa tem problemas ao nível da comunicação interna? Promover a Comunicação assertiva no relacionamento

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2006 Administração Assunto: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Autor: THAIANA BARRETO ANDRADE 2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Autora: Thaiana Barreto Andrade 1. Conceitos 2. Objetivos da avaliação 3. Benefícios da avaliação

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas Professora: Sonia Regina Campos Recrutamento Pontos Importantes que Antecedem R&S Planejamento junto às competências

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Flexibilidade, Rigor e Objectividade na Identificação do Talento www.optimhom.pt A avaliação e o desenvolvimento de competências, são necessidades da gestão que, quando não são satisfeitas, desencadeiam

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

CCSQ. Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 Setembro 2013. www.ceb.shl.com

CCSQ. Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 Setembro 2013. www.ceb.shl.com CCSQ Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente Nome Sample Candidate Data 23 Setembro 2013 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este Relatório para o Gestor ajuda a compreender a adequação potencial

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

FÓRUM GESTÃO DE TALENTOS 2013 ASSESSMENT

FÓRUM GESTÃO DE TALENTOS 2013 ASSESSMENT FÓRUM GESTÃO DE TALENTOS 2013 ASSESSMENT Aplicações do Assessment Composição de um programa de Assessment Resultados do Assessment Etapas de Carreira Diferentes Etapas de Carreira Novas responsabilidades

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão.

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão. ANÚNCIO DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os novos procedimentos no regulamento de concursos, com o objectivo

Leia mais

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Gurus da Qualidade Gestão da Qualidade Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Walter Shewhart 1891-1967 Cartas de controlo Causas normais e causas especiais de variação Controlo estatístico do processo

Leia mais

Recrutamento e Seleção de Vendedores

Recrutamento e Seleção de Vendedores Recrutamento e Seleção de Vendedores Os cinco grupos de atividades: 1. Planejar o processo de Recrutamento e Seleção; 2. Recrutar um número adequado ; 3. Selecionar os candidatos mais adequados; 4. Contratar

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

Liderança e Gestão de Equipas

Liderança e Gestão de Equipas Liderança e Gestão de Equipas Procura-se que esta acção seja: prática, que forneça aos participantes soluções facilmente aplicáveis no quotidiano e permitam pilotar com eficácia e optimizar o funcionamento

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos

Gestão de Recursos Humanos Mestrado em Gestão de Empresas Gestão de Recursos Humanos Alexandra Costa Helena Martins Conteúdos da Unidade Curricular Ciclo da GRH Planeamento RH e Gestão Carreiras Definição e Análise de Funções Recrutamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS. Instrutora: Rafaela Sampaio

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS. Instrutora: Rafaela Sampaio AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS Instrutora: Rafaela Sampaio Esse não será um treinamento comum... Apresento a todos o EVOLUIR!!! EVOLUIR O EVOLUIR é o momento onde você terá a oportunidade, de

Leia mais

Trabalho em Equipa e Liderança

Trabalho em Equipa e Liderança Trabalho em Equipa e Liderança Luis M. Correia 1 Equipas em Engenharia A maioria das tarefas em Engenharia está organizada em Equipas, que são constituídas para a realização de Projectos. As Equipas são

Leia mais

PERFIS OPERACIONAIS E AVALIÇÃO DE DESEMPENHO

PERFIS OPERACIONAIS E AVALIÇÃO DE DESEMPENHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO EXECUTIVO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fabio Macambira, Dalma Noronha, Ricardo Miranda Nivea Santos PERFIS

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

O ambiente de trabalho desenvolve nos trabalhadores percepções coerentes e expectativas que os leva a comportarem-se de determinada forma.

O ambiente de trabalho desenvolve nos trabalhadores percepções coerentes e expectativas que os leva a comportarem-se de determinada forma. Tabela n.º1: Ferramentas de análise de clima de : aplicação, dimensões e objectivos. clima de Zohar (1980) Manufactura 20 Indústrias de aço, alimentar, química e têxteis; (400) (características que diferenciam

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM EMPRESA DE MÉDIO PORTE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Por: PRISCILLA CAROLINE CORRÊA PÜSCHEL REIS Orientador

Leia mais

Potencial PSI. Sistema RH. www.potencialpsi.com.br

Potencial PSI. Sistema RH. www.potencialpsi.com.br Sistema RH Sistema de RH RETENÇÃO ACOMPANHAMENTO CAPTAÇÃO DESLIGAMENTO Entrada do profissional no sistema DESENVOLVIMENTO Saída do profissional no sistema Recrutamento e Seleção Banco de talentos Projeto

Leia mais

A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FEEDBACK PARA OS COLABORADORES.

A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FEEDBACK PARA OS COLABORADORES. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FEEDBACK PARA OS COLABORADORES. Por: Luciana Batista Moreira Orientador Prof. Maria Esther de Araújo Rio de Janeiro 2009

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Faculdade de Medicina de Lisboa Instituto de Medicina Preventiva Disciplina de Medicina Geral e Familiar (5º Ano) Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Medicina Curativa e Medicina Preventiva Saúde versus

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal Prof. Robson Soares Capítulo 4 Aplicando Pessoas Na gestão de pessoas estudamos seis processos de administração de recursos humanos; processos de agregar pessoas,

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

PROPOSTA DE DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL: GESTÃO DE PESSOAS EM UMA ENTIDADE DE SEGURIDADE SOCIAL

PROPOSTA DE DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL: GESTÃO DE PESSOAS EM UMA ENTIDADE DE SEGURIDADE SOCIAL PROPOSTA DE DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL: GESTÃO DE PESSOAS EM UMA ENTIDADE DE SEGURIDADE SOCIAL Brigite Adriana Kich 1 Cristiane Luce Baião Pena 2 Ricardo Pina Pereira 3 RESUMO Como exigências da disciplina

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria das Relações Humanas Professor: Roberto César Abordagem Humanística Ênfase Tarefas Estrutura Pessoas Preocupação Máquina e Método Organização formal e princípios O

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças as Empresariais Planeamento e Controlo de Gestão Parte I António nio Samagaio Lisboa, 21 de Fevereiro de 2008 APRESENTAÇÃO I. Apresentação Docente Alunos

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINDELO

UNIVERSIDADE DO MINDELO UNIVERSIDADE DO MINDELO Sapientia Omnium Potentior Est DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Curso de Organização e Gestão de Empresas AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA EMPRESA BENTO S.A ESTUDO DE

Leia mais

Capítulo I Regras Gerais. Artigo 1.º Âmbito

Capítulo I Regras Gerais. Artigo 1.º Âmbito ANEXO REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DE INSTRUÇÃO DE CORPO DE ALUNOS Capítulo I Regras Gerais Artigo 1.º Âmbito 1. O presente regulamento aplica-se aos alunos do Instituto Superior de Ciências

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Membro do Conselho Geral do IPCG Comunicação apresentada na Conferência sobre Corporate Governance

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Solução Integrada de Gestão e Recuperação de Créditos

Solução Integrada de Gestão e Recuperação de Créditos Solução Integrada de Gestão e Recuperação de Créditos 201105 1 Empresa Perfil Caracterização One-Stop-Shop - Outsourcing Estratégico Cobrança Telefónica Cobrança por Interpelação Pessoal Apoio a Diligências

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 8: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho de cada pessoa em função das atividades que ela desempenha, das metas e resultados

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular LIDERANÇA, COACHING E NEGOCIAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular LIDERANÇA, COACHING E NEGOCIAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular LIDERANÇA, COACHING E NEGOCIAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão de Recursos Humanos e

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Módulo 9 Gerenciamento de RH

Módulo 9 Gerenciamento de RH Conteúdo Programático Neste módulo será estudado: Conceitos iniciais;. 1 Conceitos iniciais O gerenciamento de recursos humanos do projeto inclui os processos que organizam e gerenciam a equipe do projeto.

Leia mais

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes?

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes? Audit Medel Portugal Tendo em vista adoptar procedimentos de trabalho que viabilizem a obtenção, no tempo disponível e necessariamente limitado em que vai decorrer a visita dos auditores internacionais,

Leia mais