Estruturas das Sessões em TCC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estruturas das Sessões em TCC"

Transcrição

1 Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental - Diretora do CETCC Centro de Estudos em Terapia Cognitiva Comportamental

2 Entrevista Inicial Tornar o processo da terapia compreensível

3 Entrevista Inicial Tornar o processo da terapia compreensível Confortável para o paciente: saber como será o tratamento, o que fará na sessão e durante a semana e o que esperar do terapeuta

4 Entrevista Inicial Tornar o processo da terapia compreensível Confortável para o paciente: saber como será o tratamento, o que fará na sessão e durante a semana e o que esperar do terapeuta Terapeutas de outras linhas podem sentir desconforto a princípio: o paciente não gostará disso ; ele se sentirá controlado ; posso perder material importante ou isso é rígido demais...

5 Entrevista Inicial Tornar o processo da terapia compreensível Confortável para o paciente: saber como será o tratamento, o que fará na sessão e durante a semana e o que esperar do terapeuta Terapeutas de outras linhas podem sentir desconforto a princípio: o paciente não gostará disso ; ele se sentirá controlado ; posso perder material importante ou isso é rígido demais... Testar esses pensamentos, anotando os resultados: como essa forma de trabalho pode melhorar o desempenho e o trabalho em si

6 Metas e Estrutura da 1ª. Entrevista Exame diagnóstico completo Queixa manifesta Funcionamento atual Sintomas História de vida Conceitualização Inicial Plano de terapia geral Anotações da sessão a posteriori:

7 Anotações de terapia Nome do paciente: Data: Sessão no.:_ Escores objetivos: BDI BAI BHS Humor antes: Humor depois: bjetivos do Terapeuta: Pontos importantes da sessão: Tarefa de Casa: (escrita ou anexada) Sessão seguinte ou sessões futuras:

8 Metas do Terapeuta na Entrevista Inicial Estabelecer Confiança e Rapport Mostrar o modelo cognitivo de terapia

9 Metas do Terapeuta na Entrevista Inicial Estabelecer Confiança e Rapport Mostrar o modelo cognitivo de terapia Educar o paciente sobre seu transtorno Definir as dificuldades e promover esperança

10 Metas do Terapeuta na Entrevista Inicial Estabelecer Confiança e Rapport Mostrar o modelo cognitivo de terapia Educar o paciente sobre seu transtorno Definir as dificuldades e promover esperança Verificar as expectativas do paciente com relação à terapia

11 Metas do Terapeuta na Entrevista Inicial Estabelecer Confiança e Rapport Mostrar o modelo cognitivo de terapia Educar o paciente sobre seu transtorno Definir as dificuldades e promover esperança Verificar as expectativas do paciente com relação à terapia Coletar informações adicionais sobre as dificuldades do paciente

12 Metas do Terapeuta na Entrevista Inicial Estabelecer Confiança e Rapport Mostrar o modelo cognitivo de terapia Educar o paciente sobre seu transtorno Definir as dificuldades e promover esperança Verificar as expectativas do paciente com relação à terapia Coletar informações adicionais sobre as dificuldades do paciente Desenvolver uma lista de metas Terapeuta experiente X terapeuta iniciante

13 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda

14 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos)

15 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta

16 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta Estabelecer metas para a terapia

17 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta Estabelecer metas para a terapia Mostrar o modelo cognitivo

18 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta Estabelecer metas para a terapia Mostrar o modelo cognitivo Identificar as expectativas do paciente quanto à terapia

19 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta Estabelecer metas para a terapia Mostrar o modelo cognitivo Identificar as expectativas do paciente quanto à terapia Educar o paciente sobre o seu transtorno

20 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta Estabelecer metas para a terapia Mostrar o modelo cognitivo Identificar as expectativas do paciente quanto à terapia Educar o paciente sobre o seu transtorno Estabelecer a tarefa de casa

21 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta Estabelecer metas para a terapia Mostrar o modelo cognitivo Identificar as expectativas do paciente quanto à terapia Educar o paciente sobre o seu transtorno Estabelecer a tarefa de casa Fazer um resumo da sessão

22 Estrutura da 1ª. Entrevista Estabelecimento da Agenda Checagem de Humor (incluindo escores objetivos) Esmiuçar a queixa manifesta Estabelecer metas para a terapia Mostrar o modelo cognitivo Identificar as expectativas do paciente quanto à terapia Educar o paciente sobre o seu transtorno Estabelecer a tarefa de casa Fazer um resumo da sessão Pedir feedback ao paciente

23 Itens Relevantes da Agenda Medicação Abuso de álcool ou drogas Casos especiais:

24 Itens Relevantes da Agenda Medicação Abuso de álcool ou drogas Casos especiais: Ideação suicida Desesperança Paciente em perigo Representante de perigo para os outros

25 Confiança e Rapport Fácil com pacientes sem transtornos de personalidade. Paciente sente-se valorizado com a compreensão do terapeuta de seus problemas e ideias através de suas perguntas e declarações atenciosas.

26 Confiança e Rapport Fácil com pacientes sem transtornos de personalidade. Paciente sente-se valorizado com a compreensão do terapeuta de seus problemas e ideias através de suas perguntas e declarações atenciosas. A segurança do terapeuta é entendida de forma explícita e implícita pelo paciente. Mostra que podem trabalhar juntos e tudo fará para entender e ajudá-lo, visto que já o fez com outras pessoas com problemas semelhantes.

27 Confiança e Rapport Fácil com pacientes sem transtornos de personalidade. Paciente sente-se valorizado com a compreensão do terapeuta de seus problemas e ideias através de suas perguntas e declarações atenciosas. A segurança do terapeuta é entendida de forma explícita e implícita pelo paciente. Mostra que podem trabalhar juntos e tudo fará para entender e ajudá-lo, visto que já o fez com outras pessoas com problemas semelhantes. E que a TCC pode realmente ser o tratamento adequado para melhorar o seu quadro.

28 Confiança e Rapport Pedir feedback ao paciente no final de cada sessão pode ajudar o terapeuta na avaliação de si mesmo e do processo terapêutico. Ajuda a reforçar a aliança terapêutica. Corrige concepções errôneas por parte do terapeuta. Pacientes gostam dessas avaliações. Aumentam a sincronia de ambos: terapeuta e paciente.

29 Estabelecendo a agenda A dupla decide junta o que vai falar na sessão. Num primeiro momento o terapeuta poderá sugerir alguns tópicos

30 Estabelecendo a agenda A dupla decide junta o que vai falar na sessão. Num primeiro momento o terapeuta poderá sugerir alguns tópicos Rápido e objetivo Facilita a compreensão do processo Torna clara a participação ativa do paciente de forma estruturada e produtiva

31 Estabelecendo a agenda A dupla decide junta o que vai falar na sessão. Num primeiro momento o terapeuta poderá sugerir alguns tópicos Rápido e objetivo Facilita a compreensão do processo Tornando clara a participação ativa do paciente de forma estruturada e produtiva Tarefa de casa: tem como objetivo o estabelecimento de um novo tópico a ser trabalhado na sessão seguinte

32 Estabelecendo a agenda A dupla decide junta o que vai falar na sessão. Num primeiro momento o terapeuta poderá sugerir alguns tópicos Rápido e objetivo Facilita a compreensão do processo Tornando clara a participação ativa do paciente de forma estruturada e produtiva Tarefa de casa: tem como objetivo o estabelecimento de um novo tópico a ser trabalhado na sessão seguinte Para a maioria dos pacientes esse processo é fácil de ser entendido. Vídeo 3 (Wright)

33 Checagem de Humor Escala Analógica ( de 0 a 100%) Uso dos inventários (BDI, BAI, BHS e outros) para uma verificação mais objetiva e de relatos que não foram feitos pelo paciente.

34 Checagem de Humor Escala Analógica ( de 0 a 100%) Uso dos inventários (BDI, BAI, BHS e outros) para uma verificação mais objetiva e de relatos que não foram feitos pelo paciente. Colocar em forma de gráficos.

35 Revisão da queixa apresentada, identificação de outros problemas e estabelecimento de metas Resumo da queixa

36 Revisão da queixa apresentada, identificação de outros problemas e estabelecimento de metas Resumo da queixa Preparar junto com o paciente objetivamente as metas que gostaria de atingir com a terapia.

37 Revisão da queixa apresentada, identificação de outros problemas e estabelecimento de metas Resumo da queixa Preparar junto com o paciente objetivamente as metas que gostaria de atingir com a terapia. Fazer o paciente especificar o que quer dizer com ser mais feliz ou sentir-se melhor.

38 Revisão da queixa apresentada, identificação de outros problemas e estabelecimento de metas Resumo da queixa Preparar junto com o paciente objetivamente as metas que gostaria de atingir com a terapia. Fazer o paciente especificar o que quer dizer com ser mais feliz ou sentir-se melhor. Verificando sempre se há ideação suicida.

39 Revisão da queixa apresentada, identificação de outros problemas e estabelecimento de metas Resumo da queixa Preparar junto com o paciente objetivamente as metas que gostaria de atingir com a terapia. Fazer o paciente especificar o que quer dizer com ser mais feliz ou sentir-se melhor. Verificando sempre se há ideação suicida. Auxiliar o paciente com o envolvimento de escrever.

40 Revisão da queixa apresentada, identificação de outros problemas e estabelecimento de metas Resumo da queixa Preparar junto com o paciente objetivamente as metas que gostaria de atingir com a terapia. Fazer o paciente especificar o que quer dizer com ser mais feliz ou sentir-se melhor. Verificando sempre se há ideação suicida. Auxiliar o paciente com o envolvimento de escrever. Pode-se pedir ao paciente que elabore melhor a lista de metas em casa.

41 Modelo Cognitivo vídeos 4 e 5 (Wright)

42 Percepção do modelo cognitivo pelo paciente 3 ou 4 exemplos de como seu pensamento influencia seu sentimento e seu comportamento.

43 Percepção do modelo cognitivo pelo paciente 3 ou 4 exemplos de como seu pensamento influencia seu sentimento e seu comportamento. Difícil de identificar, utilizar outras técnicas. (serão vistas a posteriori)

44 Percepção do modelo cognitivo pelo paciente 3 ou 4 exemplos de como seu pensamento influencia seu sentimento e seu comportamento. Difícil de identificar, utilizar outras técnicas. (serão vistas a posteriori) Pensamento automático pode ser verbal ou uma imagem.

45 Percepção do modelo cognitivo pelo paciente 3 ou 4 exemplos de como seu pensamento influencia seu sentimento e seu comportamento. Difícil de identificar, utilizar outras técnicas. (serão vistas a posteriori) Pensamento automático pode ser verbal ou uma imagem. Tarefa de casa: trazer por escrito situações onde identificou um PAD.

46 Expectativas para a Terapia Eliminar a expectativa de a terapia ser algo místico ou inexplicável: Como melhorei?

47 Expectativas para a Terapia Eliminar a expectativa de a terapia ser algo místico ou inexplicável: Como melhorei? A TCC é ordenada e racional, os pacientes se entendem melhor, resolvem seus problemas e aprendem ferramentas que podem aplicar.

48 Expectativas para a Terapia Eliminar a expectativa de a terapia ser algo místico ou inexplicável: Como melhorei? A TCC é ordenada e racional, os pacientes se entendem melhor, resolvem seus problemas e aprendem ferramentas que podem aplicar. s pacientes tem a responsabilidade de progredir na terapia.

49 Expectativas para a Terapia Eliminar a expectativa de a terapia ser algo místico ou inexplicável: Como melhorei? A TCC é ordenada e racional, os pacientes se entendem melhor, resolvem seus problemas e aprendem ferramentas que podem aplicar. s pacientes tem a responsabilidade de progredir na terapia. Dar uma noção geral de quanto tempo a terapia vai durar...

50 Educando o paciente sobre seu transtorno

51 Educando o paciente sobre seu transtorno Explicar ao paciente o transtorno pode facilitar a compreensão de como seus problemas ocorrem na atualidade. Utilização de metáforas pode ajudar. Evitar os rótulos com os transtornos de personalidade. Aumenta a esperança do paciente de solucionar seu problema e a confiança de que o terapeuta tem conhecimento suficiente para ajudá-lo.

52 Educando o paciente sobre seu transtorno Explicar ao paciente o transtorno pode facilitar a compreensão de como seus problemas ocorrem na atualidade. Utilização de metáforas pode ajudar. Evitar os rótulos com os transtornos de personalidade. Aumenta a esperança do paciente de solucionar seu problema e a confiança de que o terapeuta tem conhecimento suficiente para ajudá-lo.

53 Resumo de final de sessão e tarefa de casa Une e reforça os pontos importantes trabalhados na sessão. Revisão do que o paciente concordou em fazer como tarefa de casa. No início o terapeuta resume e depois encoraja o paciente a fazê-lo. Verifique se tarefa de casa remete ao paciente algo desagradável. Primeiras tarefas: leituras, monitoramento de atividades e ou agendamento.

54 Resumo de final de sessão e tarefa de casa Une e reforça os pontos importantes trabalhados na sessão. Revisão do que o paciente concordou em fazer como tarefa de casa. No início o terapeuta resume e depois encoraja o paciente a fazê-lo. Verifique se tarefa de casa remete ao paciente algo desagradável. Primeiras tarefas: leituras, monitoramento de atividades e ou agendamento.

55 Resumo de final de sessão e tarefa de casa Une e reforça os pontos importantes trabalhados na sessão. Revisão do que o paciente concordou em fazer como tarefa de casa. No início o terapeuta resume e depois encoraja o paciente a fazê-lo. Verifique se tarefa de casa remete ao paciente algo desagradável. Primeiras tarefas: leituras, monitoramento de atividades e ou agendamento.

56 Resumo de final de sessão e tarefa de casa Une e reforça os pontos importantes trabalhados na sessão. Revisão do que o paciente concordou em fazer como tarefa de casa. No início o terapeuta resume e depois encoraja o paciente a fazê-lo. Verifique se tarefa de casa remete ao paciente algo desagradável. Primeiras tarefas: leituras, monitoramento de atividades e ou agendamento.

57 Resumo de final de sessão e tarefa de casa Une e reforça os pontos importantes trabalhados na sessão. Revisão do que o paciente concordou em fazer como tarefa de casa. No início o terapeuta resume e depois encoraja o paciente a fazê-lo. Verifique se tarefa de casa remete ao paciente algo desagradável. Primeiras tarefas: leituras, monitoramento de atividades e ou agendamento.

58 Feedback Pode ser verbal ou por escrito Fortalece o rapport (terapeuta se importa com o que o paciente pensa). Chance para se resolver qualquer mal entendido. Paciente testa suas conclusões Exemplo de feedback por escrito:

59 feedback por escrito: exemplo 1. que você vivenciou hoje que é importante para se lembrar? 2. Quanto você sentiu que poderia confiar no seu terapeuta hoje? 3. Houve qualquer coisa que incomodou você em relação à terapia hoje? Se houve, o que foi? 4. Quanta tarefa de casa você fez para a terapia hoje? Quão propenso você está a fazer a nova tarefa de casa? 5. que você deseja certificar-se de abordar na próxima sessão?

60 feedback por escrito: exemplo 1. que você vivenciou hoje que é importante para se lembrar? 2. Quanto você sentiu que poderia confiar no seu terapeuta hoje? 3. Houve qualquer coisa que incomodou você em relação à terapia hoje? Se houve, o que foi? 4. Quanta tarefa de casa você fez para a terapia hoje? Quão propenso você está a fazer a nova tarefa de casa? 5. que você deseja certificar-se de abordar na próxima sessão?

61 feedback por escrito: exemplo 1. que você vivenciou hoje que é importante para se lembrar? 2. Quanto você sentiu que poderia confiar no seu terapeuta hoje? 3. Houve qualquer coisa que incomodou você em relação à terapia hoje? Se houve, o que foi? 4. Quanta tarefa de casa você fez para a terapia hoje? Quão propenso você está a fazer a nova tarefa de casa? 5. que você deseja certificar-se de abordar na próxima sessão?

62 feedback por escrito: exemplo 1. que você vivenciou hoje que é importante para se lembrar? 2. Quanto você sentiu que poderia confiar no seu terapeuta hoje? 3. Houve qualquer coisa que incomodou você em relação à terapia hoje? Se houve, o que foi? 4. Quanta tarefa de casa você fez para a terapia hoje? Quão propenso você está a fazer a nova tarefa de casa? 5. que você deseja certificar-se de abordar na próxima sessão?

63 feedback por escrito: exemplo 1. que você vivenciou hoje que é importante para se lembrar? 2. Quanto você sentiu que poderia confiar no seu terapeuta hoje? 3. Houve qualquer coisa que incomodou você em relação à terapia hoje? Se houve, o que foi? 4. Quanta tarefa de casa você fez para a terapia hoje? Quão propenso você está a fazer a nova tarefa de casa? 5. que você deseja certificar-se de abordar na próxima sessão?

64 Em duplas: Um colega será o terapeuta e o outro paciente. paciente poderá ter um problema de depressão ou de um transtorno de ansiedade (pânico ou fobia social). Você escolhe. Treinem a sessão inicial e escrevam o que for necessário para depois fazer uma apresentação para os outros colegas e discussão com a turma toda. Exercício prático

65 Sessão 2 em diante: Estrutura e Forma 1. Breve atualização e verificação do humor (e da medicação, uso de álcool e ou drogas, quando for o caso). 1. Ponte com a sessão anterior. 2. Estabelecimento da Agenda. 3. Revisar Tarefa de Casa. 4. Discussão de tópicos do roteiro, estabelecimento de nova tarefa de casa e resumos periódicos. 5. Resumo Final e Feedback.

66 Sessão 2 em diante: Estrutura e Forma 1. Breve atualização e verificação do humor (e da medicação, uso de álcool e ou drogas, quando for o caso). 1. Ponte com a sessão anterior. 2. Estabelecimento da Agenda. 3. Revisar Tarefa de Casa. 4. Discussão de tópicos do roteiro, estabelecimento de nova tarefa de casa e resumos periódicos. 5. Resumo Final e Feedback.

67 Sessão 2 em diante: Estrutura e Forma 1. Breve atualização e verificação do humor (e da medicação, uso de álcool e ou drogas, quando for o caso). 1. Ponte com a sessão anterior. 2. Estabelecimento da Agenda. 3. Revisar Tarefa de Casa. 4. Discussão de tópicos do roteiro, estabelecimento de nova tarefa de casa e resumos periódicos. 5. Resumo Final e Feedback.

68 Sessão 2 em diante: Estrutura e Forma 1. Breve atualização e verificação do humor (e da medicação, uso de álcool e ou drogas, quando for o caso). 1. Ponte com a sessão anterior. 2. Estabelecimento da Agenda. 3. Revisar Tarefa de Casa. 4. Discussão de tópicos do roteiro, estabelecimento de nova tarefa de casa e resumos periódicos. 5. Resumo Final e Feedback.

69 Sessão 2 em diante: Estrutura e Forma 1. Breve atualização e verificação do humor (e da medicação, uso de álcool e ou drogas, quando for o caso). 1. Ponte com a sessão anterior. 2. Estabelecimento da Agenda. 3. Revisar Tarefa de Casa. 4. Discussão de tópicos do roteiro, estabelecimento de nova tarefa de casa e resumos periódicos. 5. Resumo Final e Feedback.

70 Sessão 2 em diante: Estrutura e Forma 1. Breve atualização e verificação do humor (e da medicação, uso de álcool e ou drogas, quando for o caso). 1. Ponte com a sessão anterior. 2. Estabelecimento da Agenda. 3. Revisar Tarefa de Casa. 4. Discussão de tópicos do roteiro, estabelecimento de nova tarefa de casa e resumos periódicos. 5. Resumo Final e Feedback.

71 Verificação do Humor Breve Combinada com uma atualização da semana Verificação dos escores objetivos e comparação Construção da agenda As melhoras e ou pioras devem ser questionadas por conta dos pensamentos positivos ou negativos que passaram pela cabeça do paciente, reforçando o modelo cognitivo. Desta forma o paciente tem controle sobre a responsabilidade do seu progresso.

72 Verificação do Humor Cria várias oportunidades: Preocupação com o estado de humor do paciente na semana anterior. Monitorar como progrediu de uma sessão a outra. Verificação da medicação (auxilia na administração da mesma) e ou ingestão de álcool e ou drogas. Explicar o progresso ou sua falta. Reforçar o modelo cognitivo: quanto o pensamento influencia humor. Em vários diagnósticos apresentados. Pode sugerir um encaminhamento para o psiquiatra.

73 Ponte com a sessão anterior Saber que será indagado sobre a sessão anterior motiva o paciente a se preparar para a sessão atual. Caso o paciente não se lembre da sessão anterior o terapeuta tenta junto ao paciente relembrá-lo mentalmente ou fazendo perguntas por escrito. Aproveitar para socializar o paciente com o processo terapêutico e solucionar possíveis incômodos ocorridos entre as sessões

74 Roteiro de Ligação de sessão Adaptado com permissão de Thomas Ellis, Ph.D. 1. Sobre o que nós falamos na sessão anterior, o que foi importante? que você aprendeu? (1 a 3 frases) 2. Houve algo que incomodou você na nossa última sessão? Qualquer coisa que você esteja relutante em dizer? 3. Como foi a sua semana? Como estava o seu humor, comparado a outras semanas? (1 a 3 frases) 4. Alguma coisa aconteceu nesta semana que seja importante discutir? (1 a 3 frases) 5. Que problema você deseja colocar no roteiro? (1 a 3 frases) 6. Que tarefa de casa você fez/não fez? que você aprendeu?

75 bserve que: Uma razão pela qual existe uma falha de o paciente esquecer o conteúdo da sessão é a falha do terapeuta em não encorajar o paciente a escrever os pontos importantes da sessão.

76 Estabelecer o roteiro ou agenda da sessão Nas sessões iniciais esse é um trabalho maior para o terapeuta. Depois o paciente é encorajado a tomar essa iniciativa. objetivo dessa habilidade é fazer com que o paciente seja seu próprio terapeuta ao término da terapia. Que problemas você deseja focalizar hoje? que você deseja colocar no roteiro para obter ajuda hoje? Sobre o que nós deveríamos trabalhar hoje? Priorizar itens quando existem muitos.

77 Nem sempre dá para seguir o roteiro Paciente bastante aflito sobre um tópico. Um tópico novo surge e é bastante relevante. humor do paciente muda para pior durante a sessão. Terapeuta engaja o paciente em uma conversação mais casual para alcançar uma meta mais específica: falar sobre um filme, a família ou sua opinião sobre um evento com o objetivo de melhorar seu humor, facilitar a aliança ou aliviar seu funcionamento cognitivo ou habilidades sociais

78 Revisão da Tarefa de Casa Estudos sugerem: pacientes que fazem tarefa de casa melhoram mais do que os que não fazem (Persons et al.,1988; Niemeyer & Feixas, 1990). Reforçar esse comportamento é nosso dever pois o paciente pode não fazer por falta de cobrança. Terapeutas experientes podem integrar a tarefa de casa à discussão de assuntos relevantes. Terapeutas iniciantes devem se ater ao roteiro para não pular itens relevantes da tarefa de casa.

79 Discussão dos tópicos da agenda, Estabelecimento de uma Nova Tarefa de Casa e Resumos Periódicos Perguntar ao paciente com qual ítem do roteiro ele quer começar = mais ativo, assertivo assume mais responsabilidade. Às vezes o terapeuta pode sugerir quando achar relevante e mais eficaz no momento. Na discussão o terapeuta procura: a) Relacionar o tópico às metas propostas b) Reforçar o modelo cognitivo c) Ensinar a identificar os Pensamentos Automáticos d) Prover algum alívio de sintomas e) Construir e manter rapport através de entendimento genuíno

80 Resumos Periódicos 2 tipos: Breve sumário do que foi dito para esclarecer o que foi feito e o que farão a seguir.

81 Resumos Periódicos Tipo 1: Breve sumário do que foi dito para esclarecer o que foi feito e o que farão a seguir. Tipo 2: Resumo do conteúdo dito pelo paciente, usando suas palavras, para que o terapeuta se certifique de que entendeu a problemática e a torne de forma mais concisa e clara para o paciente.

82 Resumo final e Feedback Tornar claro para o paciente os pontos mais importantes trabalhados na sessão de um modo otimista.

83 Resumo final e Feedback Tornar claro para o paciente os pontos mais importantes trabalhados na sessão de um modo otimista. No início o terapeuta faz esse resumo.

84 Resumo final e Feedback Tornar claro para o paciente os pontos mais importantes trabalhados na sessão de um modo otimista. No início o terapeuta faz esse resumo. paciente é encorajado a fazê-lo posteriormente.

85 Resumo final e Feedback Tornar claro para o paciente os pontos mais importantes trabalhados na sessão de um modo otimista. No início o terapeuta faz esse resumo. paciente é encorajado a fazê-lo posteriormente. Pode ser encorajado a fazer anotações dos pontos importantes para facilitar esse tipo de resumo.

86 Da sessão 3 em diante Mantém o mesmo formato da sessão 2. conteúdo varia de acordo com as metas estabelecidas entre terapeuta e paciente. Um plano de tratamento vai sendo delineado. terapeuta inicialmente assume a liderança em sugerir itens do roteiro, ajudar o paciente a identificar Pas, projetar TC e fazer os resumos de sessão. No decorrer do processo o paciente vai assumindo essas funções.

87 Da sessão 3 em diante Mudança gradual de uma ênfase dos pensamentos automáticos para as crenças subjacentes e centrais. Mudança de comportamento de uma forma menos previsível. Pacientes deprimidos são encorajados a se tornarem mais ativos para depois se trabalhar o cognitivo. Prática de técnicas que estimulem habilidades novas, como a assertividade. Preparar o paciente para o término da terapia e prevenção de recaída

88 Da sessão 3 em diante Uso da conceitualização cognitiva para orientar os estágios da terapia. Importante as anotações de terapia para o terapeuta estar melhor preparado e dar continuidade às metas propostas no início. Com isso refina-se a conceitualização, monitora-se o que está sendo trabalhado em terapia e se planeja as sessões futuras. Tudo deve ser anotado para que o terapeuta não se perca. Mesmo terapeutas experientes tem dificuldade em se lembrar de todos esses itens.

89 Caso Judith Beck. Ler, reconhecer os conceitos da TCC. Fazer um RPD com um Pensamento Automático Disfuncional Exercício Prático

Objetivos Gerais. Psicólogo. Paciente. tratamento

Objetivos Gerais. Psicólogo. Paciente. tratamento Terapia Cognitivo-Comportamental Avaliação Inicial 1ª. Sessão Eliana Melcher Martins Doutoranda em Ciências pelo depto.psiquiatria da UNIFESP Mestre em Ciências pelo depto de Psicobiologia da UNIFESP Especialista

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB A ansiedade social é provavelmente o menos conhecido e o mais

Leia mais

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO O Processo de Design Vamos começar! Nós sabemos por experiência que o único jeito de aprender o design centrado no ser humano é aplicando-o. Por isso,

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

Plano de Aula de Matemática. Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade.

Plano de Aula de Matemática. Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade. Plano de Aula de Matemática Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade. Habilidade: H27. Resolver situações-problema de adição ou subtração envolvendo medidas ou

Leia mais

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE ANDRADE 1, Fernando C. B. de; SANTOS 2, Carmen S. G. dos; VASCONCELOS 3, Maria Helena Venâncio; Centro de Educação/Departamento

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva da esquizofrenia IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva e as medicações Parte do trabalho da TCC é promover o aumento da adesão à medicação. As evidências de melhora

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Desperdiçadores Psicológicos de Tempo. Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina.

Desperdiçadores Psicológicos de Tempo. Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina. Desperdiçadores Psicológicos de Tempo Procrastinação, Perfeccionismo, Desorganização e Falta de disciplina. Desperdiçadores Psicológicos de Tempo Marciliana Corrêa (CRP 06 6519-5) Master Coach pelo International

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc.

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. DEPRESSÃO A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. BDI- Inventário de Depressão Beck: a medição é feita por escores

Leia mais

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento MÓDULO 1 Psicoeducação, organização e planejamento Psicoeducação e introdução a habilidades de organização e planejamento Sessão 1 (Corresponde aos Capítulos 1, 2 e 4 do Manual do paciente) MATERIAIS NECESSÁRIOS

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

1- É importante conhecer os nossos pensamentos?

1- É importante conhecer os nossos pensamentos? DEFEITOS NO PENSAMENTO. E AGORA? Nosso pensamento ocorre de modo contínuo e automático, continuamos produzindo pensamentos até quando dormimos. São eles que determinam se teremos emoções e comportamentos

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática 2012 Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 2012 Designação: Aprender com o scratch Enquadramento curricular

Leia mais

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIA EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL. Discente: Jéssica Rocha

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIA EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL. Discente: Jéssica Rocha DESENVOLVENDO COMPETÊNCIA EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL Discente: Jéssica Rocha Indivíduos atribuem... Sentimentos Acontecimentos Significado Pessoas Comportar de uma determinada maneira Demais aspectos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria Diretrizes Assistenciais Medicina Psicossomática e Psiquiatria Versão eletrônica atualizada em fev/2012 TRATAMENTO DE TABAGISMO Indicação: Pacientes tabagistas atendidos na SBIBAE Contraindicação: Não

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

Conversando com a Família Práticas Narrativas

Conversando com a Família Práticas Narrativas Conversando com a Família Práticas Narrativas Projeto Reciclando Mentes Conversando sobre o trauma A abordagem narrativa no trabalho com trauma Considerações importantes no trabalho com trauma A terapia

Leia mais

Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais

Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais Terapia Cognitivo- Comportamental para Casais Edson Vizzoni Psicólogo Especialista em TCC Terapia Cognitivo-Comportamental para Casais Casal A&B - Crenças irracionais ou expectativas irrealistas. Casal

Leia mais

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 Feedback é um termo da língua inglesa sem um significado preciso em português, usualmente traduzido como realimentação. Inicialmente empregado no campo da mecânica, com

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

Modelos de mudanças comportamentais: da teoria à prática

Modelos de mudanças comportamentais: da teoria à prática Modelos de mudanças comportamentais: da teoria à prática Paula Marques Vidal Hospital São Camilo - Pompéia Modelos de Mudanças Comportamentais Team STEPPS - Christina Felsen CUSP - Linda Greene Positive

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7 HTTP://WWW.SUPEREDESAFIOS.COM.BR/SEGREDO/FORMULANEGOCIOONLINE E8BOOKCURSODE ORATÓRIA Prof.DaniloMota Prof.&Danilo&Mota& &Blog&Supere&Desafios& 1 Introdução:Tempodeouvir,tempodefalar. Não saber ouvir bem,

Leia mais

Nada a Ver. Nunca entenderei muito bem por que os pássaros são considerados símbolos de despreocupação,

Nada a Ver. Nunca entenderei muito bem por que os pássaros são considerados símbolos de despreocupação, Parte I: Língua Portuguesa Texto I Universidade Federal Fluminense Nada a Ver 5 10 Nunca entendi muito bem por que os pássaros são considerados símbolos de despreocupação, Não conheço um passarinho que

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR

TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR Na Educação Superior, para que o processo de ensino se torne mais adequado aos conteúdos e objetivos propostos, visando obter bons resultados,

Leia mais

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP)

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) Casos Maringá 2011 Instituto de Psicoterapia e Análise do Comportamento tel/fax: (43) 3324-4740 fconte@sercomtel.com.br Erros podem ajudar. Ex. T atendia sempre

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS

PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS CURSO ORÇAMENTO PÚBLICO Brasília 2014 PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS: LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 Índice 1. Regulamento, Procedimento e Programação em Recursos Humanos...3 2. Aprendizagem...3 3. Como melhorar a aprendizagem...5 4. Avaliação

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Sobre Este Livro. O Que Você Não Lerá. 2 Dieta Para Leigos, 2 a Edição

Sobre Este Livro. O Que Você Não Lerá. 2 Dieta Para Leigos, 2 a Edição 2 Dieta Para Leigos, 2 a Edição depois do nascimento). Engordei e emagreci 110 quilos em meus 50 anos e passei 30 anos fazendo dietas. Mas não fiz mais dieta desde que meu filho se afastou, 11 anos atrás.

Leia mais

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO 15.1 Como se Preparar para as Entrevistas É absolutamente essencial treinar-se para as entrevistas. Se você não praticar, poderá cometer todos os tipos

Leia mais

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net ENTREVISTA DE EMPREGO Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net CNPJ: 13.103.583/0001-28 Rua Tomé de Souza, 418, Sarandi. Candeias-Ba E-mail: aprimore.capacitacao@hotmail.com

Leia mais

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record)

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) O GERENTE MINUTO Como Tomar Decisões Rápidas (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) Este livro relata a história de um jovem que andava a procura de um Gerente

Leia mais

Manejo do TDAH na escola Esta vivência de fracasso pode ser um forte desencadeante para transtornos de comportamento, de humor e de ansiedade que associam-sese como comorbidades nos indivíduos com TDAH.

Leia mais

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada.

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada. 10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS Para administrar CONFRONTAÇÃO; dar FEEDBACK, dizer NÃO, expressar DESACORDO ou SATISFAÇÃO Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada CONSTRUINDO MELHORES

Leia mais

Você gostaria de atingir os objetivos que traçou para sua vida de maneira mais consistente e sustentável? Gostaria de melhorar o seu aproveitamento, trabalhar menos pressionado ou estressado, e ainda aumentar

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

Criação de Orçamentos

Criação de Orçamentos Criação de Orçamentos As pessoas primeiro, depois o as coisas. Suze Orman, Consultora financeira H á muitas maneiras de gastar seu dinheiro. Será que você deve comprar aquele livro que você está querendo

Leia mais

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes.

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Administração de Vendas Planejamento, direção e controle

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

APRESENTANDO A OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS AMWAY. Guia do participante

APRESENTANDO A OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS AMWAY. Guia do participante APRESENTANDO A OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS AMWAY Guia do participante Esta página foi deixada intencionalmente em branco. Sumário Introdução do curso i Como usar este Manual do participante ii Como o Manual

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

Elaboração do Plano de Aula

Elaboração do Plano de Aula Elaboração do Plano de Aula Componentes do Plano de Aula Identificação Objetivos Conteúdos Estratégias Avaliação Cronograma Bibliografia Identificação Universidade Curso Série Ano Disciplina Professor

Leia mais

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 38 anos de idade chegou ao atendimento por pressão de amigos, pois está convencido de que em seu caso não se trata de doença. Lúcido, fala espontaneamente

Leia mais

AUTOCONHECIMENTO: DESCUBRA O TESOURO QUE HÁ DENTRO DE VOCÊ

AUTOCONHECIMENTO: DESCUBRA O TESOURO QUE HÁ DENTRO DE VOCÊ Silvia Cristina Correia Romin Você sabe como o autoconhecimento é importante ou pelo menos já ouviu falar, mas realmente, O QUANTO VOCÊ SE CONHECE? Neste E-book, vamos entender os três principais benefícios

Leia mais

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I:

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I: Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional Unidade I: 0 Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional http://pro.corbis.com/enlarge ment/enlargement.aspx?id=4 2-22634984&caller=search

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: Duas vezes Judite

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: Duas vezes Judite Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: Duas vezes Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4 Conduzindo

Leia mais

MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens

MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens O que são Modelos Mentais? Segundo Peter Senge, modelos mentais são pressupostos profundamente arraigados, generalizações, ilustrações,

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante Joana Gonçalves Perturbação da Personalidade Borderline Provavelmente a perturbação de personalidade

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose?

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose? REIKI O Reiki é uma técnica japonesa de canalização de energia, passada através do toque das mãos para a harmonização dos corpos físico, emocional, mental e energético e baseia-se na ideia de que uma "energia

Leia mais

O meu filho e o psicólogo

O meu filho e o psicólogo O meu filho e o psicólogo Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com As 10 questões de muitos pais antes de marcarem consulta do seu filho 1)O meu filho não é maluco! Algumas crianças bem como alguns

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas?

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? hoganjudgement.com www.hoganbrasil.com.br/hoganjudgement 2014 Hogan Assessment Systems

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Iniciar com qualidade

Iniciar com qualidade Iniciar com qualidade Depois de ver as dicas da Diretora Nacional Executiva de Vendas Independente Glória Mayfield lembre se de compartilhar com suas Consultoras que na Mary Kay elas nunca começam sozinhas.

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br

Intervenção Breve. Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve Cultura da Paz! Luca Santoro Gomes lucasantorogomes@yahoo.com.br Intervenção Breve BREVE CURTA DURAÇÃO INTERVENÇÃO QUALQUER INTERFERÊNCIA NOS ASSUNTOS DE OUTROS! INTERVENÇÃO BREVE CONSISTE

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos:

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: TIPOS DE REUNIÕES Mariangela de Paiva Oliveira mariangela@fonte.org.br As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: no âmbito do pensar: quando acontece uma troca de idéias, opiniões ou informações;

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

ANAMNESE PSIQUIÁTRICA

ANAMNESE PSIQUIÁTRICA ANAMNESE PSIQUIÁTRICA I) INTRODUÇÃO A anamnese psiquiátrica é o principal instrumento que o psiquiatra clínico tem para conhecer seu paciente, colher sua história de doença, estabelecer um diagnóstico

Leia mais

como a arte pode mudar a vida?

como a arte pode mudar a vida? como a arte pode mudar a vida? LONGE DAQUI, AQUI MESMO 1 / 2 Longe daqui, aqui mesmo 1 Em um caderno, crie um diário para você. Pode usar a escrita, desenhos, recortes de revista ou jornais e qualquer

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

DISLEXIA PERGUNTAS E RESPOSTAS

DISLEXIA PERGUNTAS E RESPOSTAS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DISLEXIA PERGUNTAS E RESPOSTAS A avaliação é importante? Muito importante. Ela é fundamental para

Leia mais

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI_RMP 1 Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI-RMP marlene@prorisks.com.br www.prorisks.com.br Neste artigo

Leia mais

Equipe OC- Olimpíadas Científicas

Equipe OC- Olimpíadas Científicas Equipe OC- Olimpíadas Científicas Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho 1 de outubro de 2012 Resumo Bem vindo a equipe do OC! Aqui está o resumo de todas as regras que temos no site até o presente momento.

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO LOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: JOGOS - A MANEIRA DIVERTIDA DE FICAR INTELIGENTE PROFESSORA ORIENTADORA:

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

1 O que é terapia sexual

1 O que é terapia sexual 1 O que é terapia sexual Problemas, das mais diversas causas, estão sempre nos desafiando, dificultando o nosso diaa-dia. A vida é assim, um permanente enfrentamento de problemas. Mas existem alguns que

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR 178 RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR Renan Meirelles da Silva Luciano Haussen Pinto Centro Universitário Franciscano Resumo

Leia mais