FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL GEOGRÁFICO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE BALSAS MA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL GEOGRÁFICO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE BALSAS MA"

Transcrição

1 1 FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL GEOGRÁFICO PARA O CORPO DE BOMBEIROS DE BALSAS MA Jean Martins Feitosa BALSAS - MARANHÃO 2010

2 2 FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Jean Martins Feitosa SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL GEOGRÁFICO PARA O CORPO DE BOMBEIROS. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para obtenção do título em Bacharel de Sistemas de Informação à Faculdade de Balsas. Professora Orientadora: Cassiana Fagundes da Silva. Professor Co-orientador: Rodrigo M. Ferreira BALSAS - MARANHÃO 2010

3 3 FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A Comissão Examinadora, abaixo assinada, aprova o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL GEOGRÁFICO PARA O CORPO DE BOMBEIROS. Elaborada por Jean Martins Feitosa como requisito parcial para obtenção de Bacharel em Sistemas de Informação BANCA EXAMINADORA BANCA EXAMINADORA Prof(a). Cassiana Fagundes da Silva Prof. Orientadora Prof(a) Membro da Banca Examinadora Prof(a) Membro da Banca Examinadora

4 4 Dedico este trabalho aos meus pais, Feitosa e Eunice, que sempre estiveram presentes na minha trajetória, acompanhando e incentivando meu trabalho.

5 5 AGRADECIMENTOS A DEUS por me dar força para continuar em busca de meus objetivos. Aos professores da Unibalsas, especificamente a Professora Cassiana Fagundes da Silva que sem sua importante ajuda e paciência não teria sido concretizado a realização deste trabalho. Ao colega de trabalho Cristian Vilfred Heimburg pelo apoio. Aos amigos pelo apoio na realização deste trabalho, e por dividirem comigo alegrias e tristezas vividas ao longo desses anos. À minha família pelo incentivo. Ao Corpo de Bombeiros de Balsas pela oportunidade de realizar este trabalho.

6 6 RESUMO Atualmente os Sistemas de Informação Gerenciais e Geográficos são utilizados em todas as áreas cujo segmento da informação por meio de transações e referências geográficas se fazem importantes. Este trabalho tem por finalidade desenvolver um Sistema de Informação Gerencial, mais precisamente um Sistema de Processamento de Transações como é classificado, bem como implantar um Sistema de Informação Geográfico para melhorar a análise e visualização dos dados espaciais de ocorrências atendidas à rotina de trabalho do Corpo de Bombeiros Municipal da cidade de Balsas MA. Dessa forma, através desse estudo, pretendese investigar a agilidade nos processos e organização dos dados rotineiros, permitindo ainda ao gestor do Corpo de Bombeiros melhor entendimento e visualização das ocorrências para tomadas de decisões. Palavras-chaves: Sistema de Informação Gerencial; Sistema de Informação Geográfico; Corpo de Bombeiros.

7 7 Lista de Figuras FIGURA 1 - EMPRESA E OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES FIGURA 2 - INTERAÇÃO DA INFORMAÇÃO COM O PROCESSO DECISÓRIO FIGURA 3 - EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FIGURA 4 - DIFERENTES REPRESENTAÇÕES MATRICIAIS PARA UM MAPA FIGURA 5 - SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO FIGURA 24 - FERRAMENTA FREE JUDE COMMUNITY FIGURA 6 - DIAGRAMA DE CLASSES DE CONTROLE DE CHAMADO DE SOCORRO FIGURA 7 - MODELO LÓGICO DO SISTEMA FIGURA 8 - TELA DE USUÁRIO E SENHA DO SISTEMA FIGURA 9 - TELA PRINCIPAL DO SISTEMA FIGURA 10 - TELA CONTROLE CHAMADO SOCORRO FIGURA 11 - CHAMADOS EM ABERTO FIGURA 12 - FICHA ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR FIGURA 13 - TELA DE CADASTROS FUNCIONAIS FIGURA 14 - TELA CADASTRO DE SERVIDORES FIGURA 15 - TELA CADASTRO DE OCORRÊNCIA FIGURA 16 - TELA CADASTRO DE VIATURAS FIGURA 17 - TELA CADASTRO TIPO DE OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR FIGURA 18 - RELATÓRIO DE OCORRÊNCIA ANUAL FIGURA 26 - CRIAÇÃO DO BANCO DE DADOS OCORRÊNCIAS FIGURA 19 - BASE CARTOGRÁFICA DA CIDADE, BANCO DE DADOS DE OCORRÊNCIAS FIGURA 20 - MAPA DE BALSAS COM TRATAMENTO DE PONTOS BAIRRO AÇUCENA FIGURA 21 - REPRESENTAÇÃO DAS OCORRÊNCIAS POR TURNO FIGURA 22 - REPRESENTAÇÃO DAS OCORRÊNCIAS POR TIPO DE ACIDENTE E SEXO FIGURA 23 - REPRESENTAÇÃO DA QUANTIDADE DE OCORRÊNCIAS POR BAIRROS FIGURA 27 - DIAGRAMA DE CLASSES DE OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR FIGURA 28 - DIAGRAMA DE CLASSES DE OCORRÊNCIA SIMPLES FIGURA 29 - DIAGRAMA DE CLASSES DE CERTIFICADO DE APROVAÇÃO... 70

8 8 Lista de Quadros QUADRO 1 - CLASSIFICAÇÃO DAS CARTAS CARTOGRÁFICAS QUADRO 2 - MODELO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SIG QUADRO 3 - CADASTRO DE SERVIDORES QUADRO 4 - CADASTRO DE VEÍCULOS QUADRO 5 - CADASTRO DE MATERIAIS QUADRO 6 - REGISTRO DE ABASTECIMENTOS QUADRO 7 - REGISTRO DE VALIDADE DE UM PRODUTO QUADRO 8 - REGISTRO DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULO QUADRO 9 - REGISTRO DE CHAMADA DE SOCORRO QUADRO 10 - REGISTRO DE OCORRÊNCIAS SIMPLES QUADRO 11 - REGISTRO DE OCORRÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR QUADRO 12 - REGISTRO DE OCORRÊNCIA DE ÓBITO QUADRO 13 - REGISTRO DE REQUERIMENTO DE VISTORIA TÉCNICA QUADRO 14 - REGISTRO DE LAUDO DE EXIGÊNCIAS QUADRO 15 - REGISTRO DE CERTIFICADO DE APROVAÇÃO QUADRO 16 - ACESSO ÀS FUNCIONALIDADES DO SISTEMA... 67

9 9 Lista de Siglas CBMMA SIG GIS SPT SESP GBM ABNT CAD SGBD UML PHP MySQL RF RNF JUDE UTM FDO Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão Sistema de Informação Gerencial Geographic Information System Sistema Processamento de Transação Secretaria de Estado da Segurança Pública Grupamento de Bombeiro Militar Associação Brasileira de Normas e Técnicas Computer Aided Design Sistema Gerenciador de Banco de Dados Unified Modeling Language Hypertext Preprocessor Structured Query Language Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Java and UML Developer Environment Universal Transverse Mercator Feature Data Object

10 10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO O CORPO DE BOMBEIROS SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL BENEFÍCIOS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA AS EMPRESAS NÍVEIS DE INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO MODELO DE IMPLANTAÇÃO SEGUNDO HUXHOLD (1995) MODELO DE IMPLANTAÇÃO SEGUNDO CLARKE (1991) DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL REQUISITOS DO SISTEMA ESPECIFICAÇÃO E FERRAMENTAS UTILIZADAS JUDE COMMUNITY MYSQL PHP DIAGRAMA DE CLASSES MODELO LÓGICO IMPLEMENTAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO LEVANTAMENTOS DE DADOS PROJETO E ESCOLHA DO SISTEMA ESPECIFICAÇÃO DO PROJETO FERRAMENTAS UTILIZADAS MICROSOFT ACCESS AUTOCAD MAP 3D RESULTADOS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS... 55

11 11 1. INTRODUÇÃO Com o advento da Internet e demais tecnologias de informação e comunicação, as empresas e instituições governamentais, em sua maioria, se deparam com uma grande quantidade de informações e serviços a serem prestados. Uma alternativa para esse controle de informações e gerenciamento de serviços são os Sistemas de Informações Gerenciais, que por sua vez, possibilitam as empresas e instituições governamentais o processo de transformação dos dados em informações que posteriormente possam ser utilizadas na estrutura decisória dessas, proporcionando, ainda, a sustentação administrativa para aperfeiçoar os resultados esperados. Sob esse contexto, o presente trabalho é uma contribuição ao Corpo de Bombeiros Municipal de Balsas - MA, uma vez que, esta instituição governamental na atualidade não dispõe de um sistema de informação gerencial automatizado, dificultando em tempo hábil qualquer consulta ou tomada de decisão sobre as ocorrências cadastradas em seu cotidiano. Além de se beneficiar da aplicação do desenvolvimento tecnológico, poderá também usufruir especificamente das práticas do geoprocessamento, no sentido de analisar as demandas não apenas em termos de número de ocorrências, mas espacialmente, o que significa a disponibilização de uma nova dimensão para visualizações de sua atuação. Nesse sentido a disponibilização de mapas temáticos traduzindo a atuação do Corpo de Bombeiros será fonte de análise para possíveis intervenções e planejamento municipal, a fim de reduzir o número de acidentes e demais problemas na cidade, por exemplo. Face às considerações apresentadas anteriormente, o presente trabalho tem como objetivo principal desenvolver um Sistema de Informação Gerencial Geográfico para o Corpo de Bombeiros da cidade de Balsas - MA. Para isso será necessário: Abordar os conceitos, fundamentos, características e classificações dos Sistemas de Informações Gerenciais e Sistemas de Informações Geográficos, visando suas aplicabilidades em diversas áreas do conhecimento; Conhecer e identificar no Corpo de Bombeiros como as informações são gerenciadas e organizadas; Estudar e adotar um modelo de Sistema de Informação Gerencial e Geográfico para o desenvolvimento e implantação do Sistema, respectivamente; Modelar, implementar e testar o Sistema de Informação Gerencial escolhido para o estudo de caso; Implantar o Sistema de Informação Geográfico escolhido através de

12 12 ferramentas de geoprocessamento livres; Validar o sistema desenvolvido juntamente com os bombeiros do CBMMA e dispor de treinamentos para os mesmos. Este trabalho está dividido em seis capítulos, dos quais a Introdução faz parte do capítulo um. O conteúdo de cada capítulo é apresentado a seguir: O segundo capítulo apresenta o trabalho do Corpo de Bombeiros e descreve suas principais atividades. O terceiro capítulo trata dos Sistemas de Informação Gerenciais, dando uma visão geral do que são estes sistemas. Inicialmente, faz-se uma breve introdução, descrevendo-se as características fundamentais de um SIG, seus benefícios e suas vantagens. O quarto capítulo trata dos Sistemas de Informação Geográficos, destacando suas principais características e metodologias de desenvolvimento segundo Huxhold e Clarke; O quinto capítulo tem o objetivo de apresentar o Desenvolvimento do Trabalho, aborda a parte de Especificação e Ferramentas utilizadas para a implantação do sistema de informação gerencial-geográfico para o posto de bombeiros de Balsas. O sexto capítulo apresenta as conclusões do trabalho realizado.

13 13 2. O CORPO DE BOMBEIROS O Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA) é uma instituição permanente, organizada com base na hierarquia e disciplina. Nos termos dos 5 e 6º do art. 144 da Constituição Federal e do art. 116 da Constituição do Estado do Maranhão é órgão central do Sistema de Defesa Civil Estadual; e do Decreto-Lei n 667, de 02 de julho de 1969, alterado pelo Decreto-Lei n 2010, de 12 de janeiro de 1983 é força auxiliar e reserva do Exército. Dentro da estrutura organizacional do Estado do Maranhão, o CBMMA é um órgão da Administração Pública Direta, integrante do Sistema Estadual de Segurança Pública, sendo subordinado à Secretaria de Estado da Segurança Pública (SESP). Enquanto ente da Segurança Pública, o Corpo de Bombeiros, tem suas principais atividades gerenciadas no Quartel do Comando Geral, situado à Avenida dos Portugueses, s/n, bairro do Bacanga, na capital São Luís, local sede onde são planejadas e alocadas as atividades para a prestação de serviços a sociedade maranhense, tais como: Prevenção e extinção de incêndios urbanos e florestais; Realização de serviços de busca e salvamento de pessoas, animais, bens e haveres 1 ; Realização de vistorias em edificações e execução de perícias de incêndios; Prestação de socorros nos casos de inundações, desabamentos e catástrofes, sempre que haja ameaçado de destruição de haveres, vítimas, ou pessoas em iminente perigo de vida; Estudo, análise, planejamento e fiscalização de todo serviço de segurança contra incêndio no Estado; Embargo e interditação de obras, serviços, habitações e locais de diversões públicas que não ofereçam condições de segurança de funcionamento; Desempenho de atividades educativas de prevenção de incêndios, pânicos coletivos e de proteção ao meio ambiente; 1 Haveres bens e riquezas

14 14 Exercício da defesa civil no Estado. De acordo com a Lei nº , de 06 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização do Corpo de Bombeiros Militares do Maranhão. O mesmo está estruturado em órgãos de direção geral, órgãos setoriais, órgãos de execução e órgãos de apoio. Os órgãos de direção realizam o comando e a administração da corporação, incumbindo-se do planejamento em geral, visando à organização do CBMMA em todos pormenores. Em contrapartida, os órgãos de apoio atendem às necessidades de pessoal e material de toda a corporação, realizando sua atividade-meio e atuam no cumprimento das diretrizes e ordens dos órgãos de direção. Os órgãos de execução, constituídos pelas Unidades Operacionais da corporação, realizam sua atividade-fim e cumprem as missões a elas destinadas. Para isso, executam as diretrizes e as ordens emanadas dos órgãos de direção e são apoiados em necessidades de pessoal e material pelos órgãos de apoio. Nesse contexto se insere o 4ºGBM, situado na cidade de Balsas, criado em 17 de outubro de 2006 por meio do Decreto nº A, publicado no Diário Oficial do Estado do Maranhão em 29 de outubro de 2006, com o objetivo de prevenção e combate a incêndios, busca e salvamento, atendimento pré-hospitalar, transporte de vítimas psiquiátricas, prevenção e extinção de incêndios urbanos e florestais, realização de serviços de busca e salvamento de pessoas, animais, bens e haveres, realização de vistorias em edificações e execução de perícias de incêndios, prestação de socorros nos casos de inundações, desabamentos e catástrofes, sempre que haja ameaçado de destruição de haveres, vítimas, ou pessoas em iminente perigo de vida, embargo e interditação de obras, serviços, habitações e locais de diversões públicas que não ofereçam condições de segurança de funcionamento, desempenho de atividades educativas de prevenção de incêndios, pânicos coletivos e de proteção ao meio ambiente; dentre outras. O Grupamento possui atualmente um efetivo de 3 (três) oficiais, 05 (cinco) praças e 23 guardas municipais distribuídos para os serviços de supervisor de dia, Chefe de socorro, guarda-vidas, mergulhador, motorista, operador de embarcação, auxiliar da guarnição, além do serviço administrativo. Dentre os recursos disponíveis pelo grupamento estão as viaturas: 01(um) caminhão tipo Auto Bomba Inflável (ABI), 01 (um) caminhão tipo Auto Comando de Área (ACA), 02 (duas) motos, 01 para Operações de Resgate (AR), 01 (um) carro

15 15 para parte administrativa e 01 (um) escaler e uma ambulância, esses dois últimos são emprestados pela prefeitura de Balsas. O capitulo a seguir apresenta definições de um Sistema de Informação Gerencial e conceitos básicos relacionados a ele.

16 16 3. SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Este estudo visa identificar os fatores responsáveis pela falta de informações corretas e o tempo hábil, bem como a falta de padronização das tarefas executadas e a falta de qualidade nessas informações hoje encontradas no Corpo de Bombeiro de Balsas, para tanto, foram levadas em consideração várias leituras que tratam sobre os referidos assuntos, e que serão aqui analisados como conteúdo necessário para se desenvolver uma análise mais objetiva do problema e ainda a fonte para possíveis soluções dos mesmos. A ausência de um sistema de informação gerencial (SIG) eficiente é destacada tão logo se inicia este projeto, a ideia é demonstrar a diferença entre a forma atual de gerenciamento de informações, e a forma proposta de gerenciamento de informações eficiente. Segundo Cruz (2008, p. 56), Sistemas de Informações Gerenciais são o conjunto de tecnologias que disponibiliza os meios necessários à operação do processo decisório em qualquer organização por meio do tratamento dos dados disponíveis. Para suporte deste trabalho pode-se mencionar ainda Oliveira (2007, p.26), onde este define que: Sistemas de informações gerenciais é o processo de transformação de dados em informações que são utilizadas na estrutura decisória da empresa, proporcionando, ainda, a sustentação administrativa para otimizar os resultados esperados. Assim pode dizer que o administrador com um sistema de informação gerencial eficiente, deixa de tomar decisões empíricas, passando a operacionalizar com dados e informações reais. As definições acima trazem para a administração pública os padrões das empresas particulares, buscando a eficiência e a eficácia da sua operacionalidade. Melo (1999), descreve, "sistema de informação, é todo e qualquer sistema que tem informações como entrada, visando gerar informações de saída", assim a expectativa de se obter tais informações, para satisfazer determinadas necessidades, corresponderá ao objetivo geral dos sistemas de informação.

17 17 Oliveira (2007) divide sistemas de informação como: Sistemas, Informação e Gerência, assim define: Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetua determinada função, então os sistemas apresentam alguns componentes, a saber: Objetivos, que se referem tanto aos objetivos dos usuários, quanto aos do próprio sistema, por ser o objetivo a própria razão da existência do sistema; As entradas do sistema, ou seja, as forças que fornecem ao sistema o material, a energia e a informação (que é item básico neste trabalho); O processo de transformação do sistema, ou seja, é o que transforma a entrada (insumo) em resultado (saída); As saídas do sistema, que nada mais é do que o resultado do processo de transformação; Os controles e as avaliações do sistema, onde verifica se as saídas estão coerentes com os objetivos estabelecidos; A retroalimentação, que pode ser considerado com a reintrodução de uma saída sob a forma de informação, é o feedback do sistema; Inicialmente Oliveira (2007, p.22) distingue dado de informação, onde: dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que por si só não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação, e informação é o dado trabalhado que permite ao executivo tomar decisões. O propósito básico da informação está em habilitar a empresa em alcançar seus objetivos pelo uso eficiente dos recursos disponíveis, então Oliveira (2007, p.22) afirma que a eficiência na utilização do recurso informação é medida pela relação do custo para obtê-la e o valor do benefício derivado do seu uso, assim pode-se perceber que o valor da informação associa-se ao seu uso final, e sua qualificação evidencia-se à medida que possibilita a redução de incerteza quando da tomada de decisão pelo administrador, não deixando de considerar que é também de vital importância a oportunidade e a prioridade. Também deve ser considerada a questão da qualidade das informações, que sofre influência, como: Boatos e fofocas; Rádio-Corredor que pode ter a situação de fofocas, bem como de verdades não ditas;

18 18 Situações desequilibradas de fatos versos suposições; Informações em "estado bruto" (dados) versus informações "lapidadas"; Informações Hardware versus Software. Para Oliveira (2007, p.24), gerencial é o desenvolvimento e a consolidação do processo administrativo, representado pelas funções de planejamento, organização, direção e controle voltados para resultados da empresa" e ainda enfatiza que: É importante apresentar o conceito gerencial de forma inerente ao processo administrativo porque, na maior parte das vezes, os executivos "esquecem" de percorrer todos os aspectos envolvidos e ficam apenas dirigindo sem qualquer sustentação administrativa, ou seja, não planejam a situação desejada nem os meios de chegar lá, não organizam os recursos para facilitar o alcance dos resultados delineados pelo planejamento e, consequentemente não podem controlar e avaliar nada, pois não estabeleceram antecipadamente os recursos a serem alcançados (idem Ibidem). Assim neste contexto, o executivo apenas "dá ordens", o que não pode ser definido como a função de dirigir. Ao considerar um sistema de informações gerencias, o executivo deve saber que está abordando apenas parte das informações globais da empresa, como se verifica a figura 1. Figura 1 - Empresa e os sistemas de informações. Fonte: Oliveira (2007) É necessário que o executivo lembre-se de que o sistema de informação gerencial é um sistema projetado para oferecer ao referido executivo informações seguras para a tomada de decisões sólidas e que resultem na concretização dos

19 19 objetivos previamente estabelecidos. Também se evidencia a interação da informação para com o processo decisório. Para melhor visualização, a figura 2 mostra de forma resumida esta interação. O sistema de informação não deve ser encarado como modismo em administração, isso porque o modismo lembra ideias prontas, acabadas e efêmeras, e que geralmente se seguidos à risca, levam as empresas aos caos administrativo. A atuação do sistema de informação gerencial pode ser considerada apenas um dos aspectos a serem atacados pelos executivos da empresa. Figura 2 - Interação da informação com o processo decisório. Fonte: Oliveira (2007) Segundo Oliveira (2007) os principais pontos, para os quais os executivos das empresas devem estar atentos são: Capacidade para investir gradualmente; Capacidade para produzir volumes crescentes; Produtividade em termos de qualidade, custos, tecnologia e recursos humanos; Capacidade tecnológica em termos de informação, engenharia de produto e de produção; Capacidade logística de distribuição;

20 20 Desenvolvimento de inovações quanto a novos processos, produtos e serviços; Capacidade de agregar serviços valorizados aos produtos; Comunicação segmentada eficiente; Eficácia mercadológica sustentada por marketing orientado; Flexibilidade empresarial Benefícios dos Sistemas de Informações Gerenciais para as Empresas Geralmente é difícil avaliar de forma quantitativa, qual o benefício de um SIG para a empresa, entretanto podem-se listar várias hipóteses sobre o impacto em que um SIG causa na empresa, e Oliveira (2007, p.32) revela que os sistemas de informação gerencial atuam como elementos polarizadores dos eventos empresariais provenientes dos ciclos de atividades tanto internos como externos à empresa, comenta ainda que o SIG, como geradores de informações de caráter decisorial, devem ser estabelecidos como processos de comunicação mediante os quais são fornecidos elementos básicos para as decisões nos vários pontos da empresa, o SIG auxilia os executivos a consolidarem o tripé básico de sustentação da empresa: Qualidade, Produtividade e Participação, onde a qualidade não deve estar associada apenas ao produto ou ao serviço final, mas também envolver o nível de satisfação das pessoas envolvidas associados à qualidade de vida que se estenda à sua estrutura pessoal, familiar e social. Nesse sentido, pode-se afirmar que o SIG pode trazer alguns benefícios importantes para as empresas, tais como: Redução nos custos de operação; Melhoria no acesso às informações, propiciando relatórios mais precisos e rápidos, com menor esforço; Melhoria na tomada de decisão, através do fornecimento de informação mais rápida e segura; Melhoria na estrutura organizacional, por facilitar o fluxo de informações; Melhoria na estrutura do poder, propiciando maior poder para aqueles que entendem e controlam o sistema; Redução no grau de centralização de decisões na empresa; Melhoria nas atitudes e atividades dos funcionários da empresa;

21 21 Aumento do nível de motivação das pessoas envolvidas; Redução dos custos operacionais e redução de mão-de-obra burocrática. A importância de um SIG para a empresa é então fator essencial para a sua sobrevivência, pois, permite gerar informações seguras, em tempo real trazendo com isso benefícios, em tempo, dinheiro e qualidade de serviços realizados Níveis de Influência do Sistema de Informação Gerencial Existem três níveis de influência dentro do sistema de informação gerencial, onde cada um deles pode ter um tipo e amplitude de influência separadamente sobre o SIG, conforme ilustra a figura 3. Figura 3 - Evolução dos sistemas de informação. Fonte: Adaptado Machado e Maia apud Dalbello (2008). Essa separação em níveis de influência do SIG possui vantagem de propiciar uma situação de interligação com os três tipos de planejamento nas empresas: planejamento estratégico, tático e operacional. O nível estratégico é utilizado no processamento de grupo de dados das atividades operacionais, na definição do planejamento estratégico da organização e transações gerenciais, ou seja, é a parte da tomada de decisão. Ele considera as informações do ambiente empresarial e as informações internas da empresa (MACHADO, MAIA apud DALBELLO, 2008).

22 22 Melo (1999), diz que no nível estratégico os trabalhos são todos intensamente envolvidos de forma criatividade e acima de tudo são de inteira responsabilidade do seu administrador. Assim os dados são trabalhados no nível macro, que são obtidos através das operações das funções empresariais da organização, levando em consideração, o meio ambiente interno ou externo, com a finalidade de auxiliar no processo de tomada de decisão da alta administração. Já no nível tático esse modelo é utilizado no controle dos planejamentos operacionais, definindo as metas ou táticas a serem cumpridas. Este sistema envolve a transmissão de conhecimento e informação entre os departamentos, que considera o agrupamento de informações de uma área de resultado e não da empresa como um todo (MACHADO, MAIA apud DALBELLO, 2008). O planejamento do nível tático tem por finalidade aperfeiçoar uma situação desejada no futuro de uma determinada área da empresa, é chamada de metodologia gerencial (REBOUÇAS apud DALBELLO, 2008). Melo (1999) afirma que no nível tático é traçado todos os planos e estratégias para que se possam alcançar os resultados desejados dentro da empresa. O nível operacional tem por finalidade ser utilizado no desenvolvimento das atividades diárias, ou seja, operações e transações rotineiras cotidianas, inclusive seus respectivos procedimentos dentro da empresa. É comum ser localizado em todas as empresas que sejam automatizadas. A formalização é considerada, principalmente através de documentos escritos, das varias informações estabelecidas nas empresas. Conceitua-se o planejamento do nível operacional como a formalização dos métodos de desenvolvimento e de melhoria de resultados específicos que serão alcançados pelos departamentos funcionais da instituição (REBOUÇAS apud DALBELLO, 2008). O nível operacional não pode executar as tarefas que estejam relacionadas diretamente a criatividade. É necessário seguir um padrão, que requer critérios preestabelecidos na execução do planejamento (MELO, 1999). Esse nível tem a finalidade de controlar os dados detalhados das operações existentes de forma imprescindíveis, ao funcionamento harmônico da organização. Com a finalidade de auxiliar a tomada de decisão do corpo técnico das unidades departamentais da empresa.

23 23 Neste trabalho, o nível operacional das atividades do Corpo de Bombeiros será realizado através do Sistema de Processamento de Transações (SPT). Para Stair (1996), os objetivos de um SPT podem ser classificados em: Processar Dados Gerados por e sobre transações - O principal objetivo de qualquer SPT é capturar, processar e armazenar transações e produzir uma variedade de documentos relacionados às atividades comerciais rotineiras. Manter Um Alto Grau de Precisão - Um objetivo de qualquer SPT é a entrada e o processo de dados sem erros. Lembremos que, mesmo antes da introdução da tecnologia de computador, os sistemas de processamento de transações já existiam nos negócios. Nestes antigos Sistemas manuais, uma ou mais pessoas inspecionavam visualmente todos os documentos e relatórios introduzidos no ou produzidos pelo SPT. Como as pessoas são falíveis, as transações resultantes eram frequentemente imprecisas, levando a uma perda de tempo e esforços e exigindo recursos para a sua correção. Assegurar a Integridade dos Dados e da Informação Um outro objetivo de um SPT é assegurar que todos os dados e informações armazenados nos bancos de dados computadorizados estejam exatos, atuais e apropriados. Os processos de verificação e edição também são usados para checar se os dados são exatos e atuais antes de serem armazenados. Com o aumento do volume de dados sendo processados e armazenados, torna-se mais difícil para as pessoas e máquinas revisarem todas as entradas de dados. Fazer isso, no entanto é de importância fundamental, porque os dados e informações gerados pelo SPT são frequentemente usados por outros sistemas de informação em uma organização. A organização deveria empregar esforços significativos para assegurar a integridade e a exatidão dos dados. Produzir Documentos e Relatórios em Tempo - Os sistemas de processamento de transações manuais podem levar dias, semanas ou mesmo meses para produzir documentos de rotina. Felizmente, os sistemas de processamento de transações computadorizados têm sido capazes de reduzir significativamente este tempo de respostas. Aumento da Eficiência do Trabalho - Antes dos computadores, os SPTs manuais constituíam um trabalho intenso. Eram necessárias salas cheias de

24 24 funcionários e equipamento para processar as transações manualmente. Hoje, os sistemas de processamento de transações podem reduzir substancialmente as exigências de trabalho de funcionários e outros. Ajuda no Fornecimento de Mais Serviços Melhorados - Sem dúvida, estamos nos tornando rapidamente uma economia orientada para os serviços. Mesmo as indústrias mais fortes, inclusive as de aplicações domésticas ou montadoras de automóveis, percebem a importância do fornecimento de serviços superiores ao cliente. Um objetivo de qualquer SPT é assistir a organização no fornecimento desse tipo de serviço. O capítulo a seguir descreve as principais definições, características e metodologias de um Sistema de Informação Geográfico.

Sistema de Informação Gerencial para o Corpo de Bombeiros de Balsas MA: Uma Proposta de Implantação

Sistema de Informação Gerencial para o Corpo de Bombeiros de Balsas MA: Uma Proposta de Implantação Sistema de Informação Gerencial para o Corpo de Bombeiros de Balsas MA: Uma Proposta de Implantação Jean Martins Feitosa 1, Cassiana Fagundes da Silva 1 1 Faculdade de Balsas Km 5 da BR 230, Fazenda Malidere

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Manual do Usuário Versão 01. Ficha de Oportunidade

Manual do Usuário Versão 01. Ficha de Oportunidade Versão 01 Ficha de Oportunidade HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 24/11/2011 01 Desenvolvimento do manual do usuário baseado nas informações do sistema junto com apoio dos técnicos de implantação.

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ Comando do Corpo de Bombeiros 4º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS

POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ Comando do Corpo de Bombeiros 4º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ Comando do Corpo de Bombeiros 4º GRUPAMENTO DE BOMBEIROS TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO SYSPROTOCOLO Cap. QOBM Amarildo Roberto Ribeiro Cb QPM 2-0 Emerson Finger de Souza CASCAVEL-

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Acadêmico: Diego Vicentini Orientador: Prof. Paulo R. Dias FURB Universidade Regional de Blumenau Julho/2007 Roteiro da apresentação Introdução

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

M A N U A L D O U S U Á R I O

M A N U A L D O U S U Á R I O M A N U A L D O U S U Á R I O S I S T E M A D E A B E R T U R A D E C H A M A D O S D E S E R V I Ç O S Sumário 1. Apresentação... 3 2. Introdução do GLPI... 4 3. Acessando o GLPI... 5 4. Abertura e Registro

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Ministério da Defesa Exército Brasileiro Maio/2012 Sumário 1- Introdução...2 1.1- O que é o BDGEx?...2 1.2- Entrando no Sistema...2 1.3- Apresentando a Área de Trabalho

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP PMAT Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações Manual 1 Índice 1. O que é o Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações PMAT... 3 2. Acessando o sistema pela primeira vez Download... 3 3. Fluxogramas

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais