DELINEAMENTO XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA APLICAÇÕES CLÍNICAS DA PESQUISA BÁSICA NA ASMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DELINEAMENTO XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA APLICAÇÕES CLÍNICAS DA PESQUISA BÁSICA NA ASMA"

Transcrição

1 XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA APLICAÇÕES CLÍNICAS DA PESQUISA BÁSICA NA ASMA José Roberto Lapa e Silva Instituto de Doenças do Tórax/Hospital Universitário Clementino Fraga Filho Universidade Federal do Rio de Janeiro DELINEAMENTO Impacto da pesquisa básica no conhecimento da patogenia da asma - Cascata inflamatória - Definição dos alvos para terapia Desenvolvimento de modelo experimentais em inflamação alérgica Modulação da resposta inflamatória por biofármacos Queda da incidência das moléstias infecciosas e aumento da incidência das moléstias imunitarias em meio século J.F. Bach N Engl J Med

2 NIHLB: EXPERT PANEL REPORT 3: GUIDELINES OF ASTHMA, 7 NIHLB: EXPERT PANEL REPORT 3: GUIDELINES OF ASTHMA, 7 NIHLB: EXPERT PANEL REPORT 3: GUIDELINES OF ASTHMA, 7

3 NIHLB: EXPERT PANEL REPORT 3: GUIDELINES OF ASTHMA, 7 Proposed T cell imbalance in atopy Early infections e.g. TB, measles, endotoxins IL- IL- IFN-γ Th cells Allergen Certain infections (RSV) Cigarette smoking? IL- Th cells IL-, IL-3, IL- From P. Barnes, Asthma models may involve the induction of acute or protracted bronchoconstriction by antigen and / or of subsequent lung inflammation and functional airways disturbances. Markers are: mast cell activation and release of mediators production and release of bronchoactive eicosanoids early reactions (bronchoconstriction, airways edema) airways infiltration by eosinophils, lymphocytes and basophils and their subsequent activation production of IL-, IL-, TNF-α, and other cytokines late reactions (chronic inflammation, hyperreactivity) mucosal metaplasia very late reactions (anatomical rearrangements) 3

4 Protocol for the study of the interactions between Inflammation of lungs and of airways, bronchopulmonary hyperreactivity and mucosal metaplasia Immunisation Allergy starts Booster Mice become allergic but remain asymptomatic Provocation Mice show asthma phenotypes Day Day 7 Day and later. hyperreativity. augmented gene expression and production of mediators 3. recruitment of inflammatory cells. Mucosal metaplasia Main morphological differences between inflamed human and murine bronchial wall Human Murine Ciliostasis Epithelial ulceration Submembrane fibrosis Eosinophils Lymphocytes Mast cells Smooth muscle hypertrophy Submucosal gland hyperplasia Ciliated cells Granulocytes Clara cells Lymphocytes Mucus cells Basal cells Mast cells A longitudinal section of the murine airways Extrapulmonary bronchi (with cartilage) Bronchioles Major intrapulmonary bronchi (partially with cartilage) Blood vessels Alveoli Pharmacologie cellulaire, INSERM U8, Institut Pasteur, 998

5 Epithelial changes and mucus production in bronchi and bronchioles of BP mice after one intranasal ovalbumin provocation Normal and 3-6 hours after provocation after hours after 8 hours after 7 hours to 6 days Epithelial cell size and cross-sectional width of smooth muscle in the major bronchi of mice 7 hours after one ovalbumin intra-nasal provocation Size in Micrometres 3 3 Epithelial cell length p = <, Saline Ovalbumin Width of smooth muscle p =,98 Saline Ovalbumin The murine model: evaluation of hyperreactivity Penh Penh 3 3 Saline hour 6 hours - Ovalbumin 3 hours hours Mus. Al Time (minutes)

6 controls Time-dependent cell infiltration after a single intranasal provocation with ovalbumin in BP mice N of cells/mm length of the epithelium Percentage of mucus secreting cells 3 Eosinophils CD CD8 3h 6h h 8h 7h 6d d Time after the intranasal provocation Mucosa brônquica normal de cobaia Mucosa brônquica de cobaia alérgica 6

7 Mucosa brônquica de cobaia sensibilizada mas não provocada Mucosa brônquica de cobaia sensibilizada e provocada BPNaive 7

8 Time-dependent mucosal metaplasia after a single intranasal provocation with ovalbumin in BP mice Infiltração brônquica de linfócitos T CD+ Citocinas pró- e anti-inflamatórias Pró-inflamatórias IL- TNF IL-6 IL-8 (quimiocina) IL- IL-/ IL-7 IL-8 Interferon-γγ (IFN-γγ) Anti-inflamatórias IL-Ra; stnf-r; sil-rii IL- IL-6 IL- IL-//3 IL- IL-3 Transforming growth factor-β β (TGF β ) 8

9 - IL- etc TH TH TH 3 IL- IL- - B + Eosinófilos IgE + RESPOSTA ALÉRGICA TGFβ e IL- TH INFγ B IgG Modificado de Durham, 3 e Aun, Pereira e Melo, 3 Estratégias para reduzir as citocinas. Redução das células produtoras (com citostáticos) Citocinas inibidoras (IL ) Inibidores da transdução do sinal Regulação da expressão gênica (glicocorticosteróides) Inibidores da liberação Redução das citocinas circulantes (anticorpos monoclonais, receptores solúveis) Bloqueadores de receptor (antagonistas ou anticorpos monoclonais). Mycobacterium bovis, BCG vivo atenuado Induz uma resposta imune de tipo Th (IFN-γ). Induz uma hipersensibilidade retardada à tuberculina. Associação inversa entre a intensidade da hipersensibilidade retardada e a asma (Shirakawa, 997). Estudos no camundongo mostram que a indução de uma resposta de tipo Th pode contrabalançar a resposta de tipo Th induzida pela ovalbumina. Papel das células apresentadoras de antígeno na iniciação da resposta de tipo Th após a administração de BCG. 9

10 Produção de IFN-γ pelos linfócitos T do gânglio linfático regional pg/ml 3 Newborns Adults 8 8 Weeks after BCG immunization Control Rectal route s.c. route Produção de IL- pelos linfócitos T do gânglio linfático regional Newborns Adults pg/ml 8 8 Weeks after BCG immunization Control Rectal route s.c. route Produção de IFN-γ pelo esplenócitos IFN-γ production by splenocytes pg/ml Newborns Adults 8 8 Weeks after BCG immunization Control Rectal route s.c. route

11 Produção de IL- pelos esplenócitos Newborns Adults pg/ml 8 8 Weeks after BCG immunization Control Rectal route s.c. route Conclusões O BCG induz o recrutamento células dendríticas no reto e nos gânglios mesentéricos. Este recrutamento, assim como sua capacidade de produzir IL-, são menores nos camundongos recémnascidos. As vias retal e s.c. permitem o recrutamento de células T de memória nos gânglions. O BCG induz uma resposta mista Th/Th. Effects of Mycobacterium bovis BCG on the development of allergic inflammation and bronchial hyperresponsiveness in hyper-ige BP mice vaccinated as newborns. Vaccine ; 9:8-9 Nahori M-A, Lagranderie M, Lefort J, Thouron F, Joseph D, Winter N, Gicquel B, Lapa e Silva JR, Vargaftig BB. Unités de Pharmacologie Cellulaire and Génétique Micobactérienne, Institut Pasteur, Paris, France Division of Pulmonary Medicine, Institute of Thoracic Diseases, Clementino Fraga Filho University Hospital Federal University of Rio de Janeiro, Brazil

12 6 l Figure : Inhibition of BHR by the intra-nasal vaccination with BCG of days old BP mice immunized with ovalbumin at different intervals 8 saline OA BCG + OVA 8 weeks post BCG immunization weeks post BCG immunization 6 weeks post BCG immunization Penh minutes minutes minutes BCG 73P - weeks injections at week interval of Al(OH)3 + OVA µg/kg µ s.c. week hours provocation OVA µg or saline i.n. BHR Figure : Interference with antigen-induced cytokine production in the BALF by the BCG vaccination of days old BP mice immunized with ovalbumin after different intervals Control BCG 73P IL- 3 IL- IFN γ Pg/ml Weeks post BCG immunization 8 6 BCG 73P i.n. 8, or 6 wks Al(OH)3 + OVA. wk s.c. injections at wk interval hours I.n.provocation BALF µg OVA or cytokines saline Figure 3: Interference with ex vivo cytokine production of the i.n. vaccination with BCG in days old BP mice immunized with OVA after 8, or 6 weeks pg/m Control IL- BCG 73P IFN-γ BCG 73P i.n. 8, or 6 wks Al(OH)3 + OVA. wk s.c. injections at wk interval I.n.provocation µg OVA or saline Culture of hours tracheobronchial ganglia cells, OVA stimulation at 7 h

13 e cels a rea Figure : Interference with eosinophil counts in the BALF and with IgE titers by the i.n. vaccination with BCG in days old BP mice immunized with OVA after 8, or 6 weeks Eosinophil counts (x ) Control Eosinophils in BALF 8 6 units/ml BCG 73P OA-specific IgE 8 6 Wks post BCG BCG 73P i.n. 8, or 6 wks Al(OH)3 + OVA. s.c. injections at wk interval wk I.n.provocation µg OVA or saline hours BALF eosinophil counts and serum IgE determination Figure 6 : Recruitment of immunocompetent cells to the lungs after i.n. vaccination with BCG in days old BP mice after 6 h and 3 days Control BCG 73P CD86 8 CD * 6 * * * e ls/u 6h 3d 6h 3d CD C CD 8 Class II (Ia) * * 3 * 3 * * * 6h 3d 6h 3d 6h 3d Number of + cells per unit area/time post BCG immunization / u Dendritic cells recruited to the lung shortly after intranasal delivery of Mycobacterium bovis BCG drive the primary immune response towards a Th-type cytokine production. Immunology 3: 8:-3 Lagranderie M, Nahori MA, Balazuc AM, Kiefer-Biasizzo H, Lapa e Silva JR, Milon G, Marchal G, Vargaftig BB. Unités de Pharmacologie Cellulaire, Institut Pasteur, Paris, France Division of Pulmonary Medicine, Institute of Thoracic Diseases, Clementino Fraga Filho University Hospital Federal University of Rio de Janeiro, Brazil 3

14 Murine model of asthma BP mice (Th background) s.c. i.n. aerosol d d 7 d d Alum - OVA ( µg) Sensitization Alum - OVA ( µg) OVA ( µg) Challenge Methacholine (6 mm) Protocol for lung cells isolation 6 BCG ( CFU). i.n. Bronchoalveolar lavages Lung digestion (Collagenase, Dnase, EDTA) Separation (MACS) Alveolar Mø (AMs) Gr-, F/8+, CDb- CDb + Interstitial Mø (IMs) F/8+, CDc- CDc + Dendritic cells (DCs) F/8+, CDb- Left: phagocytosis of BCG by lung DC (A, control non-labeled BCG; B, labeled BCG). Morphology of lung DC (C,D). Right: CDc marker in lung sections (A, naive BP; B and C, BP and C7BL/6, both 8 h after i.n. BCG)

15 Phagocytic capacity of APCs recruited to the lungs after the i.n. delivery of labeled BCG % of phagocytic cells 8 6 I Ms AMs DCs 6 8 Hours after BCG delivery Cell surface phenotype of lung DCs CD8 CD86 MHC Class II CD8 α CDb MHC Class II and CD86 Produção de IL- p por células apresentadoras de antigeno provenientes dos pulmões IMs AMs DCs Pg / ml Horas após BCG

16 Produção de IFN-γ por explantes pulmonares estimulados in vitro com anti-cd3 semanas apos a administração de BCG Control BCG immunized Pg / lung Days after BCG Mycobacterium bovis BCG killed by extended freeze-drying reduced bronchial hyperresponsiveness in two animal models. J. Allergy Clin. Immunol. 8: :7-8 Lagranderie M, Abolhassani M, Vanoirbeek JA, Lefort J, Nahori MA, Lapa e Silva JR, Huerre M, Vargaftig BB, Marchal G. Unités de Pharmacologie Cellulaire, Institut Pasteur, Paris, France Division of Pulmonary Medicine, Institute of Thoracic Diseases, Clementino Fraga Filho University Hospital Federal University of Rio de Janeiro, Brazil 6

17 BPOVA DILUENT PAS BP OVA EFD PAS CONCLUSÕES A pesquisa básica é o eixo para a compreensão dos mecanismos envolvidos na patogenia da asma, para a identificação de novos alvos moleculares e para o desenvolvimento de novas estratégias farmacológicas, inclusive de biofármacos. 7

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

O ressurgimento da tuberculose e o impacto do estudo da imunopatogenia pulmonar*

O ressurgimento da tuberculose e o impacto do estudo da imunopatogenia pulmonar* O ressurgimento da tuberculose e o impacto do estudo da imunopatogenia pulmonar* The resurgence of tuberculosis and the impact of the study of pulmonary immunopathogenesis JOSÉ ROBERTO LAPA E SILVA*, NEIO

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

Position Paper. Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões

Position Paper. Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões Position Paper Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões Luís César da Costa, Maíra Gatti, Paulo Rogerio Motta, Diego Bispo, Geisa Martins Faustino, Carlos J. P. Lucena Laboratório de Engenharia

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

Caracteristicas Clínicas dos Pacientes Alérgicos que Vivem em Cidade de Clima Tropical

Caracteristicas Clínicas dos Pacientes Alérgicos que Vivem em Cidade de Clima Tropical Artigo Original Caracteristicas Clínicas dos Pacientes Alérgicos que Vivem em Cidade de Clima Tropical Clinical Characteristics of Allergic Patients Living in a Topical Climate City Adriano Santana Fonseca*,

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IMUNOPARASITOLOGIA Monitor: Alessandro Almeida Sumário 1 Introdução...1

Leia mais

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim.

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Assinale com uma cruz no(s) quadrado(s) que antecede(m) a(s)resposta(s) verdadeira(s):

Leia mais

VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO

VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE COIMBRA VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO Dissertação de Doutoramento em Ciências da Saúde, no ramo de Ciências Biomédicas, pela Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR Saara Barros Nascimento (bolsista do PIBIC/CNPQ), Raimundo Nonato da Silva (colaborador, UFPI), Rubens de Sousa

Leia mais

Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade.

Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade.

Leia mais

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos?

Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Medidas Laboratoriais do Controle: onde estamos, para onde vamos? Marcia MM Pizzichini Professora de Medicina da UFSC NUPAIVA Asthma Research Center Florianópolis - Brasil Componentes das doenças das vias

Leia mais

Palavras-Chave: Células mononucleares; óxido nítrico; bovinos

Palavras-Chave: Células mononucleares; óxido nítrico; bovinos Efeito da estimulação com antígenos específicos do Mycobacterium sp na produção de óxido nítrico pelas células mononucleares de bovinos portadores de tuberculose Ediane Batista da SILVA 1 ; Arioldo C.

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Tuberculose e imunobiológicos Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Mycobacterium tuberculosis Mycobacterium tuberculosis 10 micrômetros. Domina o mundo Dois bilhões de pessoas

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal

Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal Luís Santos, Nilma Harilal e Ricardo Viais Farmacologia Molecular e Celular Mestrado em Bioquímica 5 de Junho de 2012 O que é a Farmacologia Paradoxal? Observações

Leia mais

Quem acredita em vacina alérgica?

Quem acredita em vacina alérgica? Ano 2 - Número 2 - Abril de 2008 Quem acredita em vacina alérgica? Dr. Raul Emrich Melo Dr. Raul Emrich Melo Especialista em Alergia pela Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia Mestre e Doutor

Leia mais

Asma Reflexo da apoptose e de fenótipos de regulação

Asma Reflexo da apoptose e de fenótipos de regulação ARTIGO PREMIADO / PRIZE-WINNING ARTICLE Asma Reflexo da apoptose e de fenótipos de regulação Asthma A reflex of apoptosis and regulatory phenotypes Rev Port Imunoalergologia 2007; 15 (3): 227-234 Ana Todo-Bom

Leia mais

Resposta Imune. O que determina essas fases tão distintas???

Resposta Imune. O que determina essas fases tão distintas??? Resposta Imune Resposta Imune O que determina essas fases tão distintas??? Memory T Cells, Zanetti, 2010 Rompimento homeostasia Resposta Imune: Orquestragem Sinalizam sincronizando a atividade das células

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 123 RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 RESUMOS DE PROJETOS 124 A GENÉTICA E NEUROFISIOLOGIA DO AUTISMO... 125 PAPEL DO POLIMORFISMO IL17A (RS7747909) NA TUBERCULOSE.... 126 PAPEL

Leia mais

Serviços - pressão de Inverno

Serviços - pressão de Inverno Serviços - pressão de Inverno Data: 11/08/2004 Autor: Cláudia Conceição (claudiac@esoterica.pt) Este documento procura mostrar, a partir de publicações que, pelo menos para alguns serviços, parece haver

Leia mais

DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM CAVALOS

DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM CAVALOS 1 DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM CAVALOS MARIANE ANGÉLICA POMMERENING FINGER 1, FLAVIA DO PRADO AUGUSTO AMARO 2, IVAN ROQUE DE BARROS FILHO 3, CAMILA SCHRODER 2, CHRISTIAN LEUTENEGGER

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco. Sumário. Primo-infecção. XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014

Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco. Sumário. Primo-infecção. XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014 Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014 Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Primo-infecção

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

Imunologia 06/07 Regulação da resposta imune Aula Teórica 10/11/06

Imunologia 06/07 Regulação da resposta imune Aula Teórica 10/11/06 Imunologia 06/07 Regulação da resposta imune Aula Teórica 10/11/06 Leitura recomendada: Immunology 7ed, Male et al, capítulo 11 Regulação pelo antigénio Regulação por anticorpos Regulação por linfócitos

Leia mais

Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva

Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva 17 Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Letícia Grando Mattuella 1, Léder Leal Xavier 1 (orientador) 1 Faculdade

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA Ledice I A PEREIRA, Hélio GALDINO Jr, Ildefonso Alves DA SILVA Jr, Valéria Bernadete

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

Biochem Biophys Res Commun 2006; 19;343:1286-9.

Biochem Biophys Res Commun 2006; 19;343:1286-9. Rev Port Imunoalergologia 2007; 15 (1): 103-107 Coordenação: José Pinto Mendes, Emília Faria MISSENSE MUTATIONS IN THE COAGULATION FACTOR XII (HAGEMAN FACTOR) GENE IN HEREDITARY ANGIOEDEMA WITH NORMAL

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Losartan e a Prevenção de Aneurisma de Aorta Habashi

Leia mais

MODULAÇÃO DA INFLAMAÇÃO POR ÔMEGA-3/6

MODULAÇÃO DA INFLAMAÇÃO POR ÔMEGA-3/6 MODULAÇÃO DA INFLAMAÇÃO POR ÔMEGA-3/6 Déborah Kristina Braga 1 Flávia Márcia Oliveira 2 Aline Castro Silva 3 Glecislene da Silva 3 Ricardo Ferreira Muradas 3 Leandro José Gusmão 4 Trycia Martins 5 1 Graduanda

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

Asma Brônquica. Informações Médicas Home Versão em PDF. Resposta Tardia da Asma. Linfócitos

Asma Brônquica. Informações Médicas Home Versão em PDF. Resposta Tardia da Asma. Linfócitos Informações Médicas Home Versão em PDF Copyright 1997-2015 Dr. Pierre d'almeida Telles Filho Asma Brônquica Resposta Tardia da Asma Linfócitos Os linfócitos contribuem para a imunopatologia da asma, sobretudo

Leia mais

Aspectos semiológicos das alergias respiratórias. Fernando Monteiro Aarestrup MD, PhD

Aspectos semiológicos das alergias respiratórias. Fernando Monteiro Aarestrup MD, PhD Aspectos semiológicos das alergias respiratórias Fernando Monteiro Aarestrup MD, PhD Diagnóstico alergia respiratória História clínica Exame Físico Exames complementares Doenças alérgicas mediadas por

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

Caso Clínico Mariana Sponholz Araujo Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caso Clínico Masculino, 59 anos Dispnéia

Leia mais

Asma Brônquica. Informações Médicas Home Home Versão em PDF. Novas Perspectivas no Tratamento da Asma. Genética. Bloqueadores da Adesão Celular

Asma Brônquica. Informações Médicas Home Home Versão em PDF. Novas Perspectivas no Tratamento da Asma. Genética. Bloqueadores da Adesão Celular Informações Médicas Home Home Versão em PDF Asma Brônquica Copyright 1997-2015 Dr. Pierre d'almeida Telles Filho Novas Perspectivas no Tratamento da Asma Avanços nos conhecimentos dos mecanismos imunológicos

Leia mais

Inflamação: - Do latim inflamare

Inflamação: - Do latim inflamare INFLAMAÇÃO CONCEITOS: Inflamação: - Do latim inflamare Reação dos tecidos vascularizados a um agente agressor caracterizada morfologicamente pela saída de líquidos e de células do sangue para o interstício.

Leia mais

Imunização Passiva e Ativa. Aldina Barral Faculdade de Medicina da Bahia UFBA - 2005

Imunização Passiva e Ativa. Aldina Barral Faculdade de Medicina da Bahia UFBA - 2005 Imunização Passiva e Ativa Aldina Barral Faculdade de Medicina da Bahia UFBA - 2005 Imunização Passiva Proteção transitória. Ac pré formados são transferidos para um receptor. Naturalmente: : Ac maternos

Leia mais

Subprojeto 18: Identification of anti-cd20 antibodies for the production of human monoclonal antibodies. Investigator: Dimas Covas.

Subprojeto 18: Identification of anti-cd20 antibodies for the production of human monoclonal antibodies. Investigator: Dimas Covas. Subprojeto 18: Identification of anti-cd20 antibodies for the production of human monoclonal antibodies. Investigator: Dimas Covas Abstract Cancer patients may produce antibodies against antigens on the

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Epidemiologia da infecção pelo HIV-1

Epidemiologia da infecção pelo HIV-1 Epidemiologia da infecção pelo HIV-1 Estrutura do HIV-1 http://www.w3.arizona.edu/~mbim/ahmad/lab.html Genoma viral e proteínas formadas Transporte nuclear do CPI Regulação da expressão viral anti-repressão

Leia mais

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES Neoplasias Histórico Classificação : linhagem celular, histomorfologia e comportamento clínicobiológico. Carcinogênese experimental

Leia mais

Inflamação do parênquima pulmonar na asma e sua relação com as vias aéreas*

Inflamação do parênquima pulmonar na asma e sua relação com as vias aéreas* 05/28-01/26 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2005 by ASBAI Inflamação do parênquima pulmonar na asma e sua relação com as vias aéreas* Pulmonary Parenchyma inflammation in asthma Simões SM, Santos

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP 2 Introdução Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DISCIPLINA MEDICINA II Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DOENÇA RESPIRATÓRIA ALÉRGICA DOCENTE que leccionou: Prof. Dr. Manuel Barbosa DISCENTE que realizou: Ana Isabel Gomes da Silva FISCALIZADOR:

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Tratamento Vacina Contra da Fase a Rubéola Aguda do Acidente Vascular Cerebral Academia Sociedade Brasileira de de Neurologia Pediatria Elaboração Final: 24 19 de Julho de 2001 2002 Autoria: Gagliardi

Leia mais

Predição da Pré-eclâmpsia no Primeiro Trimestre

Predição da Pré-eclâmpsia no Primeiro Trimestre Predição da Pré-eclâmpsia no Primeiro Trimestre JOSÉ PAULO DA SILVA NETTO 12w Specialist care 12-34w 22w 36w 41w PIRÂMIDE DE CUIDADO PRÉ-NATAL: PASSADO E PRESENTE Prevenção da pré-eclâmpsia Baixa dose

Leia mais

booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues:

booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues: booths remain open. Typical performance analysis objectives for the toll plaza system address the following issues: What would be the impact of additional traffic on car delays? Would adding Simulação

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 AUSÊNCIA DE ALTERAÇÕES CLÍNICAS EM BOVINOS APÓS A ADMINISTRAÇÃO PELA VIA SUBCUTÂNEA DE UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE IVERMECTINA E SULFÓXIDO DE ALBENDAZOL CARNEIRO, R. 1*, NASCIMENTO, G. A. M. 1, MARTINS, V.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Taciana de Figueiredo Soares Consultora Associada à Luis Borges Assessoria em Gestão Ltda. taciana.figueiredo@gmail.com tacianafigueiredo@luisborges.com.br Tel: (31) 8464-2927 FORMAÇÃO ACADÊMICA 2005 -

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO Eventos: P r o c e s s o o r d e n a d o Irritação liberação dos mediadores

Leia mais

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2 Sumário Detalhado Capítulo 1 Elementos do sistema imune e suas funções na defesa 1 1-1 Numerosos micro-organismos comensais habitam os corpos humanos saudáveis 2 1-2 Patógenos são organismos infecciosos

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas

A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas cpagliari@usp.br A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas Carla Pagliari Imuno-histoquímica: etapas Coleta, preservação e fixação Processamento e obtenção dos

Leia mais

Introdução ao sistema imune

Introdução ao sistema imune Introdução ao sistema imune Simone Aparecida Rezende Dep. de Análises Clínicas - Escola de Farmácia Fone: 3559-1032. Aulas, exercícios, exemplos de questões de prova e comunicação com alunos em: www.aulasecia.com/imunobasica

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO

A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO Oscar Morales Beatriz Cardoso D.M.V; M.Sc Vineland, E.U.A O aparelho digestivo pela sua própria natureza está em permanente contato com agentes e substâncias do meio externo.

Leia mais

Setor 06. Farmacologia da Inflamação e da Dor

Setor 06. Farmacologia da Inflamação e da Dor Setor 06. Farmacologia da Inflamação e da Dor 06.001 FORMALDÉIDO ALTERA A ATIVIDADE FUNCIONAL DE FAGÓCITOS DURANTE A INFLAMAÇÃO ALÉRGICA PULMONAR EM RATOS Lino dos Santos Franco, A. 1 ; Vanni Domingos,

Leia mais

BIOMARCADORES INFLAMATÓRIOS NA SILICOSE PULMONAR

BIOMARCADORES INFLAMATÓRIOS NA SILICOSE PULMONAR BIOMARCADORES INFLAMATÓRIOS NA SILICOSE PULMONAR Mateus Ramos Amorim 1 Nayara Felicidade Tomaz Braz 2,3 Ana Paula Scalia Carneiro 4 Kátia Cristina Costa Silva 3 Antonio Lúcio Teixeira 5 Vanessa Amaral

Leia mais

Imunologia Docente: Margarida Telhada Nuno Domingues e Nuno Gonçalves

Imunologia Docente: Margarida Telhada Nuno Domingues e Nuno Gonçalves Imunologia Docente: Margarida Telhada Nuno Domingues e Nuno Gonçalves Deaglio, D.; Dwyer, K.; Gao, W.; Friedman, D.; Usheva, A.; Erat, A.; Chen, J.; Enjyoji, K.; Linden, J.; Oukka, M.; Kuchroo, V.; Strom,

Leia mais

Respiratória. 1. Introdução. Nelson Guilherme Cordeiro Eduardo Costa de Freitas Silva

Respiratória. 1. Introdução. Nelson Guilherme Cordeiro Eduardo Costa de Freitas Silva Terapia Anti-IgE em Alergia Respiratória Nelson Guilherme Cordeiro Resumo A asma brônquica está entre as doenças crônicas mais prevalentes mundialmente. Apesar do avanço do conhecimento científico na fisiopatologia

Leia mais

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 INTRODUÇÃO A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra micro-organismos infecciosos. Entretanto, mesmo

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores ASTRAZENECA, CNPq e CAPES Unidos pelo desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação ASTRAZENECA Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

Sistema imune do intestino delgado: o que há de novo? Natália Oliveira e Silva R4-2013

Sistema imune do intestino delgado: o que há de novo? Natália Oliveira e Silva R4-2013 Sistema imune do intestino delgado: o que há de novo? Natália Oliveira e Silva R4-2013 Sistema imune do intestino delgado O tubo digestivo é constantemente exposto aos fatores do meio ambiente, como por

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

Biossíntese e Genética de Imunoglobulinas e Receptor para Ags em Linfócitos T (TCR):- BCR e Acs / TCR e Linfs. T

Biossíntese e Genética de Imunoglobulinas e Receptor para Ags em Linfócitos T (TCR):- BCR e Acs / TCR e Linfs. T Biossíntese e Genética de Imunoglobulinas e Receptor para Ags em Linfócitos T (TCR):- BCR e Acs / TCR e Linfs. T Prof. Helio José Montassier hjmonta@hotmail.com 1 Imunoglobulinas e TCR Moléculas Receptoras

Leia mais

Mecanismos da Imunidade contra Bactérias, Evelin Oliveira

Mecanismos da Imunidade contra Bactérias, Evelin Oliveira Mecanismos da Imunidade contra Bactérias, Vírus e Fungos. Evelin Oliveira Imunidade aos microorganismos O desenvolvimento de doenças infecciosas envolve a interação entre o sistema imune do hospedeiro

Leia mais

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Auto-imunidade Doenças auto-imunes Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Célula tronco-hematopoiética Pluripotente. - Progenitor linfóide comum - Progenitor

Leia mais

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Bruno Gualano Universidade de São Paulo Gualano et al., 2010. Autoimmunity Reviews, 569-573 Temas de pesquisa Espondiloartrite Síndrome Antifosfolípíde Sjogrën

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS

INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS MARIA JORGE ARROZ, MD INSA PORTUGAL CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DO VIH A infecção requer a proteína CD4 na superfície da célula como receptor, logo apenas pode infectar

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

Carla Cristina Squaiella

Carla Cristina Squaiella Carla Cristina Squaiella MODULAÇÃO DA REAÇÃO DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO I POR CÉLULAS APRESENTADORAS DE ANTÍGENOS DE CAMUNDONGOS TRATADOS COM Propionibacterium acnes OU SEU POLISSACARÍDEO SOLÚVEL Tese

Leia mais

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Cristiane Alves Fonseca 1,3 ; Andréia Juliana Leite 1,4 ; 1 Pesquisador Orientador 2 Voluntário Iniciação

Leia mais

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Disciplina de Imunologia Curso de Biomedicina Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Como o sistema imune exerce sua função fisiológica principal = Proteger o hospedeiro de infecções por agentes

Leia mais

Atualização. Asma: corticosteróide

Atualização. Asma: corticosteróide Asma: suas origens, seus mecanismos inflamatórios e o papel do corticosteróide Asthma: its origins, inflammatory mechanisms and the role of the corticosteroid Hisbello S. Campos 1 Asma: corticosteróide

Leia mais

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM PEDIATRIA E SAÚDE DA CRIANÇA Associação

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Transformação genética e suas aplicações em pesquisa e biotecnologia

Transformação genética e suas aplicações em pesquisa e biotecnologia GaTE Lab Genomics and Transposable Elements Transformação genética e suas aplicações em pesquisa e biotecnologia Profa. Dra. Magdalena Rossi Que é um organismo geneticamente modificado (OGM)? São aqueles

Leia mais

A Imuny Rheabiotech desenvolve e produz anticorpos para a

A Imuny Rheabiotech desenvolve e produz anticorpos para a A Imuny Rheabiotech desenvolve e produz anticorpos para a comunidade cientifica nacional desde 2004, atendendo rigorosas exigências de qualidade e prazo. Neste fim de ano temos ofertas especiais para atender

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais