Imunidade Adaptativa Humoral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imunidade Adaptativa Humoral"

Transcrição

1 Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf

2 Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula T Interação independente de célula T Plasmócito Célula de memória 4) 3) Regulação por anticorpo 5) 4) Mecanismo de ação: Neutralização Opsonização Ativação do complemento ADCC 5) Imunodeficiências 6) Caso clinico

3 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Falhas da regulação da Resposta Imune Resposta excessiva Doenças Auto-imunes Tumores linfóides Alergia Resposta defeituosa Câncer Aumento infecções

4 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Comparação Imunidade Adaptativa humoral e celular

5 Celula B secreta anticorpo BCR Célula B Anticorpo BCR e moléculas co-estimulatórias BCR Anticorpo

6 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Receptor de célula B (BCR) Ig de membrana: IgM e IgD BCR e moléculas co-estimulatórias BCR

7 Anticorpo 2 Cadeias pesadas identicas

8 Anticorpo Cadeia leve 2 Cadeias pesadas identicas 2 Cadeias leves identicas

9 Anticorpo 2 Regiões Fab (antibody): ligação Ag 1 Região Fc (cristalizable): ligação receptor Fc Região Fab Região Fab Região Fc

10 OBS Anticorpo Região constante Região variável 3 Regiões hipervariáveis CDRs 2 Sítios de ligação de antígeno Região variável Região constante CDR: região determinante de complementariedade

11 Anticorpo 2 Cadeias pesadas 2 Cadeias leves 2 Regiões Fab 1 Região Fc Região constante Região variável 3 Regiões hipervariáveis CDRs 2 Sítios de ligação de antígeno Sítios de ligação para complemento Glicolipídios

12 Diferentes Isotipos Localização : Distribuídos nos fluídos biológicos (plasma, secreções das mucosas, líquido intersticial)

13 Receptores para Fc de anticorpo Macrófago Neutrófilo Eosinófilo Célula NK. Linfócito B Monócito Plaquetas Mastócito Basófilo

14 Maturação de célula B

15 Resposta a infecção

16 Maturação da Célula B - Fator de crescimento - Rearranjo do gene do receptor Prereceptor de antigeno - Seleção do repertório - Competência funcional Resposta inicial Função efetora

17 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Recombinação Somática Medula óssea IMPORTANCIA Locus da cadeia H (pesada); cromossomo 14 Recombinação cadeia pesada Recombinação cadeia leve Locus da cadeia κ (leve); cromossomo 2 Locus da cadeia λ (leve); cromossomo 22

18 Remoção ou adição de nucleotídeos entre V,D e J no momento da junção

19 Seleção negativa e Edição de receptor Medula óssea Recombinação cadeia pesada Seleção negativa Edição do receptor Recombinação cadeia leve Doenças autoimunes: falha no reconhecimento do antígeno próprio Reativação dos genes RAG e recombinação dos genes V-J da cadeia leve adicional do outro cromossomo

20 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Imunodeficiências durante a maturação na medula óssea Medula óssea Seleção negativa Edição do receptor Recombinação cadeia pesada Recombinação cadeia leve IDCG (T- B-) Deficiencia de RAG ½: mutaçoes do gene RAG 1/2 Ig, LB, LT IDCG (T- B-) Sindrome de Omenn: mutaçoes do gene RAG 1/2 Ig, LB, LT Btk: Gene que codifica a tirosina kisanse de Bruton

21 Imunodeficiências durante a maturação na medula óssea IDCG (T- B-) Deficiencia de RAG ½ mutaçoes do gene RAG 1/2 Ig, LB, LT IDCG (T- B-) Sindrome de Omenn: Ig, LB, LT Btk: Gene que codifica a tirosina kisanse de Bruton

22 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Medula óssea Co-expressão de IgM e IgD Periferia Seleção negativa Edição do receptor Splicing alternativo Recombinação cadeia pesada Recombinação cadeia leve Splicing alternativo: rearranjo alternativo de segmentos de cadeias Cµ e ou Cδ Processamento do mrna X Membrane IgD

23 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Cascata de Ativação da Célula B Ligação cruzada da Ig de membrana pelo antígeno Eventos de fosforização da tirosina Intermediários bioquímicos Enzimas ativas Fatores de transcrição

24 Eventos celulares induzidos pela ativação da célula B

25 Resposta nos órgãos linfóides secundários Medula óssea Periferia Dependente de célula T Célula Th Polissacarídeo Acido nucléico Independente de célula T Glicolipídios Diferentes MICRÓBIOS interagem com diferentes BCR que geram diferentes CLONES DE CÉLULA B, que secretam ANTIPORPOS ESPECIFICOS contra o micróbio

26 Interação de Célula B e célula T CD40 CD40L B7 CD28 citocinas

27 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Interação de Célula B e célula T Expressão de B7 B7 CD28 Interaçao Interação de de CD40 CD40 e e CD40L CD40L e e secreçao secreção citocinas citocinas pela pela celula célula T T

28 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Mudança na estrutura do anticorpo: Forma de membrana para secretada

29 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Diferentes citocinas induzem diferentes trocas de isotipo Periferia Splicing alternativo Célula Th Polissacarídeo Troca de isotipo Acido nucléico Glicolipídios Limitada na resposta independente de célula T

30 Mudança de isotipo IgA

31 Função dos isotipos de imunoglobulinas Isotipo Concentração (mg/ml) Média de sobrevivência (dias) Atividade biológica IgG Opsonização - macrófagos e neutrófilos ADCC - NK e macrófagos Ativação via clássica do complemento Imunidade neonatal IgM Ativação via clássica do complemento Receptor de antígenos de célula B naive IgA Imunidade de mucosa Imunidade neonatal IgD 3 3 Receptor de antígeno de célula B naive IgE 0,03 2 ADCC - eosinófilos Eliminação de helmintos Hipersensibilidade - alergias

32 Maturação por afinidade: Células dendríticas foliculares Ativação e Migração Interação B e T Plasmócito Troca de isotipo Maturação por afinidade Centro germinativo

33 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Maturação da afinidade hipermutação somática Periferia Splicing alternativo OBS Célula Th Polissacarídeo Troca de isotipo Hipermutação somática Limitada na resposta independente de célula T Acido nucléico Glicolipídios Hipermutação somática Aumenta a afinidade pelo antígeno A seleção dirigida pelo antígeno causa predominância de mutações nos CDR Ocorre no centros germinais dos nódulos linfáticos e de forma aleatória

34 Periferia Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Imunodeficiência relacionada à interação célula T e B Splicing alternativo Célula Th Polissacarídeo Troca de isotipo Hipermutação somática Acido nucléico Glicolipídios Sindrome de Hiper-IgM: IgD X Troca de isotipo de Imunoglobulina IgM Número normal X ou normal Número e função normal

35 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Imunodeficiências de isotipos de Imunoglobulinas Periferia Splicing alternativo Célula Th Polissacarídeo Troca de isotipo Hipermutação somática Acido nucléico Glicolipídios Deficiência de IgA: Diferenciação isotipica ou ausência Número normal Deficiência de IgG: Diferenciação isotipica Número normal

36 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Plasmócito e Memória Periferia Splicing alternativo Polissacarídeo Célula Th Troca de isotipo Hipermutação somática Acido nucléico Glicolipídios Célula B de memória Ativação e Migração Interação B e T Plasmócito Troca de isotipo Maturação por afinidade Centro germinativo Plasmócito e Memória Limitada na resposta independente de interação com célula T

37 Memória

38 Imunodeficiências de produção de anticopos e memória Periferia Splicing alternativo Polissacarídeo Célula Th Troca de isotipo Hipermutação somática X Acido nucléico Glicolipídios Célula B de memória CVID: Imunodeficiência variável comum Base genética desconhecida

39 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Produção de Anticorpos em resposta a infecção Infecção Toxoplasmose Infecção HBV

40 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Características clínicas e tratamento Tratamento: pulso com Ig deficiente e/ou antibióticos

41 Resposta de anticorpos independente de célula T

42 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP Resposta de anticorpos independente de célula T Função do receptor do complemento NOVIDADE: A estimulação de TLR regula positivamente a expressão de moléculas, que podem mediar a troca de isotipo independente de DC40 e DC40L.

43 Regulação da ativação de células B Feedback de Anticorpos

44 Como os Ac protegem o nosso corpo?

45 Funções Efetoras dos Anticorpos Neutralização de Antigenos e toxinas Opsonização e fagocitose de microbios Citotoxicidade celular dependente de anticorpo Ativação do complemento

46 1- NEUTRALIZAÇÃO DE ANTÍGENOS Bloqueio da infecção de células adjacentes Inibe a interação do microrganismo com o receptor celular

47

48

49 2 OPSONIZAÇÃO E FAGOCITOSE (FcγR e FcαR)

50 2 OPSONIZAÇÃO E FAGOCITOSE (FcγR e FcαR)

51 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP 3 ATIVAÇÃO DE COMPLEMENTO

52 Programa de Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada FMRP-USP 4 - ADCC: citotoxicidade celular dependente de Ac

53 Caso clínico Menino, 6 anos, branco, procedente de Sertãozinho

54 Queixa principal: pneumonias de repetição (uma a cada dois meses) desde 1 ano de idade. Outras infecções: diarréia aos 5 meses. Outras queixas: monoartrite de joelho direito com dificuldade para deambular há um ano. Antecedentes familiares: pais não consanguineos; duas irmãs saudáveis. Exames laboratoriais:

55 ?????

56 Diagnóstico: Agamaglobulinemia ligada ao cromossomo X com manifestações articulares

57 RECAPTULANDO.

58 Resposta Célula efetora HUMORAL CELULAR Receptor BCR TCR TCR Micróbio Interação OU Polissacarídeo Acido nucléico Glicolipídios Mecanismo efetor Citocinas e Receptores Bloqueia infecções e elimina micróbios extracelulares Ativa macrofagos a matar microbios fagocitados Mata células infectadas

59 Estrutura Diversidade Recombinação somática Adição de nucleotídeos Especificidade Antígeno Alta afinidade Maturação de afinidade Regulação por anticorpo Feedback de Anticorpo Mecanismo de ação: Neutralização Opsonização Ativação do complemento ADCC Isotipos Troca de isotipo Função Memória

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas ANTÍGENO E ANTICORPO SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA Aviso: Início das aulas práticas Laboratório de Imunologia, Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia, Instituto

Leia mais

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO Por definição, anticorpos são moléculas de glicoproteína, também chamadas de imunoglobulinas. São glicoproteínas altamente específicas sintetizadas em resposta a um antígeno,

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

Ativação de linfócitos B mecanismos efetores da resposta Humoral Estrutura e função de imunoglobulinas

Ativação de linfócitos B mecanismos efetores da resposta Humoral Estrutura e função de imunoglobulinas Ativação de linfócitos B mecanismos efetores da resposta Humoral Estrutura e função de imunoglobulinas Estrutura de uma molécula de anticorpo Imunoglobulinas. São glicoproteínas heterodiméricas e bifuncionais

Leia mais

NOÇÕES DE IMUNOGENÉTICA E DA GENÉTICA DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO e RH

NOÇÕES DE IMUNOGENÉTICA E DA GENÉTICA DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO e RH NOÇÕES DE IMUNOGENÉTICA E DA GENÉTICA DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO e RH A RESPOSTA IMUNE 1. O Sistema Imune Inato: É formado pelos FAGÓCITOS, LINFÓCITOS killer e SIST. COMPLEMENTO O Sistema Imune Adaptativo

Leia mais

Resposta Imunológica humoral. Alessandra Barone

Resposta Imunológica humoral. Alessandra Barone Resposta Imunológica humoral Alessandra Barone Estimulada por antígenos extracelulares Mediada por anticorpos produzidos por plasmócitos. Linfócito B Resposta T independente: Estimulada diretamente por

Leia mais

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim.

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Assinale com uma cruz no(s) quadrado(s) que antecede(m) a(s)resposta(s) verdadeira(s):

Leia mais

Receptores de Antígeno no Sistema Imune Adaptativo

Receptores de Antígeno no Sistema Imune Adaptativo Receptores de Antígeno no Sistema Imune Adaptativo Captura e apresentação dos Ag microbianos ativação dos linfócitos: ocorre após ligação do Ag a receptores: Linfócito B: Ac ligados à membrana Linfócito

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

Imunologia. Introdução ao Sistema Imune. Lairton Souza Borja. Módulo Imunopatológico I (MED B21)

Imunologia. Introdução ao Sistema Imune. Lairton Souza Borja. Módulo Imunopatológico I (MED B21) Imunologia Introdução ao Sistema Imune Módulo Imunopatológico I (MED B21) Lairton Souza Borja Objetivos 1. O que é o sistema imune (SI) 2. Revisão dos componentes do SI 3. Resposta imune inata 4. Inflamação

Leia mais

Resposta imune adquirida

Resposta imune adquirida Resposta imune adquirida Resposta imune adquirida Também denominada: - Resposta imune tardia - Resposta imune adaptativa É caracterizada por ocorrer em períodos mais tardios após o contato com um agente

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Disciplina de Imunologia Curso de Biomedicina Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Como o sistema imune exerce sua função fisiológica principal = Proteger o hospedeiro de infecções por agentes

Leia mais

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

IV - IMUNOGLOBULINAS

IV - IMUNOGLOBULINAS Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IV - IMUNOGLOBULINAS Sumário Monitor: Bruno Bezerril 1. Definição....

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2 Sumário Detalhado Capítulo 1 Elementos do sistema imune e suas funções na defesa 1 1-1 Numerosos micro-organismos comensais habitam os corpos humanos saudáveis 2 1-2 Patógenos são organismos infecciosos

Leia mais

Imunidade adaptativa (adquirida / específica):

Imunidade adaptativa (adquirida / específica): Prof. Thais Almeida Imunidade inata (natural / nativa): defesa de primeira linha impede infecção do hospedeiro podendo eliminar o patógeno Imunidade adaptativa (adquirida / específica): após contato inicial

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Expansão clonal de Linfócitos T Helper

Expansão clonal de Linfócitos T Helper Expansão clonal de Linfócitos T Helper Ativação dos linfócitos T Entrada do antígeno no organismo Captura do antígeno pelas células dendríticas Migração da célula dendrítica para gânglio linfático ou baço

Leia mais

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE 1 Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE O sistema imune tem como principal finalidade a defesa do organismo contra as doenças infecciosas, ou seja, resistência

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

Estrutura e função dos anticorpos. Alessandra Barone

Estrutura e função dos anticorpos. Alessandra Barone Estrutura e função dos anticorpos Alessandra Barone Estrutura e função dos anticorpos Anticorpos Glicoproteínas produzidas e excretadas por plasmócitos derivadas dos linfócitos B após exposição a antígenos

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais

Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais Disciplina de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia (MIP) Mecanismos de resposta inespecífica Barreiras anatômicas

Leia mais

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Auto-imunidade Doenças auto-imunes Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Célula tronco-hematopoiética Pluripotente. - Progenitor linfóide comum - Progenitor

Leia mais

TECIDOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS ONTOGENIA DE LINFÓCITOS

TECIDOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS ONTOGENIA DE LINFÓCITOS TECIDOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS ONTOGENIA DE LINFÓCITOS Organização anatômica do sistema imune De onde vêm e para onde vão as células do sistema imune Como é a organização dos tecidos/órgãos linfóides Tecidos

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

AULA: ANTICORPOS E IMUNOGLOBULINAS. Prof. Helio José Montassier

AULA: ANTICORPOS E IMUNOGLOBULINAS. Prof. Helio José Montassier AULA: ANTICORPOS E IMUNOGLOBULINAS Prof. Helio José Montassier Imunoglobulinas são Glico-Proteínas de conformação globular (Imunoglobulinas) que são os principais mediadores da Resposta Imune Adquirida

Leia mais

Ontogenia de Linfócito T. Alessandra Barone

Ontogenia de Linfócito T. Alessandra Barone Ontogenia de Linfócito T Alessandra Barone Ontogenia de Linfócitos Desenvolvimento dos linfócitos Necessidade de desenvolvimento e maturação de linfócitos para produção de receptores de antígenos Estímulos

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Hematopoiese. Aarestrup, F.M.

Hematopoiese. Aarestrup, F.M. Hematopoiese Stem cells - pluripotencial Baixa frequência -1/10 4 cels da M.O Proliferação e diferenciação - linhagens linfóide e mielóide (3.7 X 10 11 cels/dia) Cels do estroma M.O - hematopoietic-inducing

Leia mais

Bases celulares, histológicas e anatômicas da resposta imune. Pós-doutoranda Viviane Mariguela

Bases celulares, histológicas e anatômicas da resposta imune. Pós-doutoranda Viviane Mariguela Bases celulares, histológicas e anatômicas da resposta imune Pós-doutoranda Viviane Mariguela As células do SI inato e adaptativo estão presentes como: - células circulantes no sangue e na linfa; - aglomerados

Leia mais

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos.

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Ä Os anticorpos apenas reconhecem algumas regiões da membrana do antigénio

Leia mais

O SISTEMA IMUNITÁRIO

O SISTEMA IMUNITÁRIO O SISTEMA IMUNITÁRIO Orgãos do Sistema Immunitário Nódulos linfáticos Timo Baço Medula Óssea ORIGEM DOS DIFERENTES COMPONENTES CELULARES Medula Óssea Linfócitos T Osso Células NK Células progenitoras linfoides

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 2006/2007. IMUNOGLOBULINAS Drª Renata Ramalho

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 2006/2007. IMUNOGLOBULINAS Drª Renata Ramalho Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 2006/2007 IMUNOGLOBULINAS Drª Renata Ramalho A desgravação desta aula está organizada da seguinte forma: em Times New Roman é feita a transcrição integral

Leia mais

IMUNOLOGIA CAPÍTULO QUATRO IMUNOGLOBULINAS ESTRUTURA E FUNÇÃO

IMUNOLOGIA CAPÍTULO QUATRO IMUNOGLOBULINAS ESTRUTURA E FUNÇÃO 1 http://pathmicro.med.sc.edu/portuguese/immuno-port-chapter4.htm IMUNOLOGIA CAPÍTULO QUATRO IMUNOGLOBULINAS ESTRUTURA E FUNÇÃO Dr. Gene Mayer Tradução: PhD. Myres Hopkins EM INGLÊS EM ESPANHOL SHQIP -

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

Prática 00. Total 02 Pré-requisitos 2 CBI257. N o. de Créditos 02. Período 3º. Aprovado pelo Colegiado de curso DATA: Presidente do Colegiado

Prática 00. Total 02 Pré-requisitos 2 CBI257. N o. de Créditos 02. Período 3º. Aprovado pelo Colegiado de curso DATA: Presidente do Colegiado 1 Disciplina IMUNOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Departamento DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Carga Horária Semanal Pré-requisitos Teórica 02 Prática 00 Total 02 Pré-requisitos Unidade ICEB Código CBI126

Leia mais

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio. Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio. Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos O Sistema Imune e os agentes infecciosos Introdução Introdução: Sistema

Leia mais

Células do Sistema Imune

Células do Sistema Imune Células Células do Sistema Imune Linfócitos NK Células Dendríticas Macrófagos e Monócitos Neutrófilos Eosinófilos Mastócitos Basófilos 1 2 Linfócitos São as únicas células com receptores específicos para

Leia mais

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio O Sistema Imune e os agentes infecciosos Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos Órgãos do sistema linfóide Introdução:

Leia mais

IMUNOLOGIA Aula 3: ANTICORPOS

IMUNOLOGIA Aula 3: ANTICORPOS IMUNOLOGIA Aula 3: ANTICORPOS Antígenos e anticorpos 1- Entender a estrutura e função do anticorpo; 2- Compreender as interações anticorpo-antígeno; 3- Diferenciar antígenos de imunógenos; 4- Conhecer

Leia mais

Antígenos e Imunoglobulinas

Antígenos e Imunoglobulinas Curso: farmácia Componente curricular: Imunologia Antígenos e Imunoglobulinas DEYSIANE OLIVEIRA BRANDÃO Antígenos (Ag) São estruturas solúveis ou particuladas reconhecidas pelo organismo como estranha

Leia mais

Biossíntese e Genética de Imunoglobulinas e Receptor para Ags em Linfócitos T (TCR):- BCR e Acs / TCR e Linfs. T

Biossíntese e Genética de Imunoglobulinas e Receptor para Ags em Linfócitos T (TCR):- BCR e Acs / TCR e Linfs. T Biossíntese e Genética de Imunoglobulinas e Receptor para Ags em Linfócitos T (TCR):- BCR e Acs / TCR e Linfs. T Prof. Helio José Montassier hjmonta@hotmail.com 1 Imunoglobulinas e TCR Moléculas Receptoras

Leia mais

Células e moléculas que reconhecem antígenos: ontogenia das células B.

Células e moléculas que reconhecem antígenos: ontogenia das células B. Células e moléculas que reconhecem antígenos: ontogenia das células B. 1. Estrutura dos anticorpos; 2. Ligação antígeno-anticorpo; 3. Recombinação somática; 4. Desenvolvimento de linfócitos B. Anticorpos

Leia mais

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 INTRODUÇÃO A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra micro-organismos infecciosos. Entretanto, mesmo

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

O sistema imune é composto por células e substâncias solúveis.

O sistema imune é composto por células e substâncias solúveis. Definição: estudo do sistema imune (SI) e dos mecanismos que os seres humanos e outros animais usam para defender seus corpos da invasão de microorganimos Eficiente no combate a microorganismos invasores.

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Imunologia. Diferenciar as células e os mecanismos efetores do Sistema imune adquirido do sistema imune inato. AULA 02: Sistema imune adquirido

Imunologia. Diferenciar as células e os mecanismos efetores do Sistema imune adquirido do sistema imune inato. AULA 02: Sistema imune adquirido Imunologia AULA 02: Sistema imune adquirido Professor Luiz Felipe Leomil Coelho Departamento de Ciências Biológicas E-mail: coelho@unifal-mg.edu.br OBJETIVO Diferenciar as células e os mecanismos efetores

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

SISTEMA IMUNOLÓGICO UM SOFISTICADO SISTEMA DE DEFESA

SISTEMA IMUNOLÓGICO UM SOFISTICADO SISTEMA DE DEFESA 2009 Congregação das Filhas do Amor Divino Colégio Nossa Senhora das Neves Natal / RN. NOME: Nº ENSINO MÉDIO 2ª série TURMA Turno: matutino 1º Trimestre Data: / /2009 Componente curricular: Biologia Professora:

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA

Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA CB Virtual 5 Universidade Federal da Paraíba Universidade Aberta do Brasil UFPB VIRTUAL COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS À DISTÂNCIA Caixa Postal 5046 Campus Universitário -

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Sistema Imunitário Parte II Fundamentos da resposta imunológica mediada por linfócitos T e B

Sistema Imunitário Parte II Fundamentos da resposta imunológica mediada por linfócitos T e B ARTIGO DE REVISÃO Sistema Imunitário Parte II Fundamentos da resposta imunológica mediada por linfócitos T e B Danilo Mesquita Júnior 1, Júlio Antônio Pereira Araújo 2, Tânia Tieko Takao Catelan 3, Alexandre

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º Avisos 1. Este documento apenas serve como apoio parcial às aulas de Biologia 12.º ano parte da Unidade 2 e Unidade 3 - leccionadas na Escola Secundária Morgado

Leia mais

Órgãos linfoides e Células do Sistema Imune. Profa. Alessandra Barone

Órgãos linfoides e Células do Sistema Imune. Profa. Alessandra Barone Órgãos linfoides e Células do Sistema Imune Profa. Alessandra Barone Órgãos linfoides e Células do Sistema Imune Células do sistema imune Localizadas na circulação sanguínea, linfa, órgãos linfoides e

Leia mais

Unidade: RESPOSTA IMUNOLÓGICA ADQUIRIDA. Unidade I:

Unidade: RESPOSTA IMUNOLÓGICA ADQUIRIDA. Unidade I: Unidade: RESPOSTA IMUNOLÓGICA ADQUIRIDA Unidade I: 0 Unidade: RESPOSTA IMUNOLÓGICA ADQUIRIDA A resposta imune adquirida é caracterizada por ocorrer em períodos mais tardios após o contato com um agente

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Carlos Sinogas Imunologia 2016/17

Carlos Sinogas Imunologia 2016/17 Teoria de Paul-Ehrlich (1900) Características da resposta imune Especificidade Discriminação entre diferente moléculas e resposta apenas às relevantes Adaptabilidade Capacidade de resposta a entidades

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Imunologia Professor: Ana Lucila dos Santos Costa E-mail: anafar2@yahoo.com.br Código: Carga Horária: 40h Créditos:

Leia mais

Senha para inscrição no Moodle Mecanismos de Agressão e Defesa turma E. #aluno-mad1e

Senha para inscrição no Moodle Mecanismos de Agressão e Defesa turma E. #aluno-mad1e Senha para inscrição no Moodle Mecanismos de Agressão e Defesa turma E #aluno-mad1e Células do Sistema Imunitário e órgãos linfóides Neutrófilo fagocitando Candida albicans Professora Patrícia Albuquerque

Leia mais

Imunidade Humoral. Células efectoras: Linfócitos B. (Imunoglobulinas)

Imunidade Humoral. Células efectoras: Linfócitos B. (Imunoglobulinas) Imunidade Humoral Células efectoras: Linfócitos B (Imunoglobulinas) Determinantes antigénicos Também conhecidos como epítopos, são porções do antigénio que reúnem aspectos físicos e químicos que favorecem

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IMUNOPARASITOLOGIA Monitor: Alessandro Almeida Sumário 1 Introdução...1

Leia mais

A Resposta Imune Adaptativa

A Resposta Imune Adaptativa A Resposta Imune Adaptativa Defesa Inata Infecção domina Acúmulo de antígeno Replicação do patógeno Mudanças no ambiente celular Ativação da Resposta Imune Adaptativa Envolve células T e B antígenoespecíficas

Leia mais

Resposta imunológica contra vírus

Resposta imunológica contra vírus Resposta imunológica contra vírus 9 Luiz Carlos Kreutz 1 Introdução...3 2 Resposta imune inata...3 2.1 Células dendríticas (DCs)...4 2.1.1 Interação entre as DCs e células NK...5 2.2 Células natural killer

Leia mais

Resposta imune a vírus. Regis Mariano de Andrade/Cleonice Alves de Melo Bento Médico Infectologista (FIOCRUZ)/Professora de Imunologia(UNIRIO)

Resposta imune a vírus. Regis Mariano de Andrade/Cleonice Alves de Melo Bento Médico Infectologista (FIOCRUZ)/Professora de Imunologia(UNIRIO) Resposta imune a vírus Regis Mariano de Andrade/Cleonice Alves de Melo Bento Médico Infectologista (FIOCRUZ)/Professora de Imunologia(UNIRIO) Conceitos básicos sobre vírus Tamanho: 30 300nm Estrutura:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA

FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA FUNDAMENTOS DE IMUNOLOGIA Imunidade Adquirida Específica ou Adaptativa: Respostas a antígenos específicos Imunidade Adquirida Incluem linfócitos e seus produtos, como os anticorpos; Substâncias estranhas

Leia mais

Introdução ao sistema imune

Introdução ao sistema imune Introdução ao sistema imune Simone Aparecida Rezende Dep. de Análises Clínicas - Escola de Farmácia Fone: 3559-1032. Aulas, exercícios, exemplos de questões de prova e comunicação com alunos em: www.aulasecia.com/imunobasica

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Imunidade adaptativa celular

Imunidade adaptativa celular Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina RIM 5757 Integração Imunologia Básica-Clínica Imunidade adaptativa celular Cássia

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA UNIOESTE PROF. RAFAEL ANDRADE MENOLLI

ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA UNIOESTE PROF. RAFAEL ANDRADE MENOLLI ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA UNIOESTE PROF. RAFAEL ANDRADE MENOLLI Imunologia Definição: estudo do sistema imune (SI) e dos mecanismos que os seres humanos e outros animais usam para defender

Leia mais

BIOLOGIA Sistema imunológico e excretor

BIOLOGIA Sistema imunológico e excretor Sistema imunológico Módulo 31 Página 01 à 14 O Pulso - Titãs Composição: Arnaldo Antunes O pulso ainda pulsa O pulso ainda pulsa... Peste bubônica Câncer, pneumonia Raiva, rubéola Tuberculose e anemia

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema IMUNOLOGIA BÁSICA Elaborador Texto Introdutório João Renato Rebello Pinho, Médico Patologista Clínico, Doutor em Bioquímica, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e Hospital Israelita

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Capítulo 1. Imunologia

Capítulo 1. Imunologia 19 Capítulo 1 Imunologia Antônio Teva José Carlos Couto Fernandez Valmir Laurentino Silva 1. Introdução à Imunologia A imunologia é uma ciência recente. Sua origem é atribuída, por alguns autores, a Edward

Leia mais

O que é Imunologia?... 7

O que é Imunologia?... 7 1 Conteúdo O que é Imunologia?... 7 A resposta imune reconhece e relembra diferentes antígenos. A imunidade específica é caracterizada por três propriedades:... 7 Os principais tecidos e órgãos do sistema

Leia mais

Cooperação e Coevolução em um Sistema Imune Artificial

Cooperação e Coevolução em um Sistema Imune Artificial Cooperação e Coevolução em um Sistema Imune Artificial Marcio Argollo de Menezes Universidade Federal Fluminense Veit Schwämmle University of Southern Denmark Edgardo Brigatti Universidade Federal Fluminense-PUVR

Leia mais

Expressões lesionais das reacções de hipersensibilidade 20 Novembro 2006 Aula leccionada por Prof. Elsa Fonseca

Expressões lesionais das reacções de hipersensibilidade 20 Novembro 2006 Aula leccionada por Prof. Elsa Fonseca Expressões lesionais das reacções de hipersensibilidade 20 Novembro 2006 Aula leccionada por Prof. Elsa Fonseca Antes de começar a ver as lesões propriamente ditas vamos recapitular algo sobre o sistema

Leia mais

MECANISMOS DE AGRESSÃO E DEFESA NAS PARASITOSES

MECANISMOS DE AGRESSÃO E DEFESA NAS PARASITOSES MECANISMOS DE AGRESSÃO E DEFESA NAS PARASITOSES 1) Resposta Imune Uma breve introdução 2) Resposta inflamatória: É definida como um complexo processo defensivo local, acionado por injúria determinada por

Leia mais

Imunidade aos Agentes Infecciosos

Imunidade aos Agentes Infecciosos Imunidade aos Agentes Infecciosos Juliana Micássio Agentes Infecciosos Roteiro de aula : Imunidade aos agentes infecciosos Primeira linha de defesa: Barreiras epiteliais Segunda linha defesa : Mecanismos

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Introdução. Desenvolvimento dos linfócitos T e B 18/04/2013. Dr. Ronei Luciano Mamoni. Abril de 2013

Introdução. Desenvolvimento dos linfócitos T e B 18/04/2013. Dr. Ronei Luciano Mamoni. Abril de 2013 Desenvolvimento dos linfócitos T e B Dr. Ronei Luciano Mamoni Abril de 2013 Introdução Reconhecimento de PAMPs, DAMPs e Ags RI inata e adaptativa Receptores da RI inata Reconhecimento de PAMPs e DAMPs

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Mecanismos de resistência ao tratamento com anticorpos monoclonais Gustavo Stefanoff Grupo de Pesquisa Translacional em Linfomas Coordenação de

Mecanismos de resistência ao tratamento com anticorpos monoclonais Gustavo Stefanoff Grupo de Pesquisa Translacional em Linfomas Coordenação de Mecanismos de resistência ao tratamento com anticorpos monoclonais Gustavo Stefanoff Grupo de Pesquisa Translacional em Linfomas Coordenação de Pesquisa Clínica/INCA cgstefanoff@inca.gov.br AcM terapêuticos

Leia mais