TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO"

Transcrição

1 TEORIA E PRÁTICA DA NATAÇÃO TÉCNICAS DOS NADOS 1

2 Defender um determinado estilo ou forma em detrimento de outro: Ex.: mundo seguindo campeões; Poucos campeões possuem o background necessário para explicar a ação mecânica ou fisiológica do treinamento; Não prezar pela tentativa e erro; Batida de pernas para baixo: Propulsão no crawl e golfinhada; Recuperação no costas; Batida de pernas para cima: Propulsão no costas; Recuperação no crawl e golfinhada; Batida de pernas para fora: Primeiro movimento na pernada do nado peito; Batida de perna para dentro: Varredura circular das pernas na pernada de peito. 2

3 Varredura para fora durante a parte submersa da braçada nos nados borboleta e peito. Maglischo, Varredura para baixo durante a parte submersa da braçada nos nados crawl e costas. Maglischo,

4 Varredura para dentro: o segundo movimento utilizado em todos os estilos de competição. Maglischo, Varredura para cima no movimento final nos nados crawl e borboleta. Maglischo,

5 Esforços propulsivos deverão cessar quando as mãos aproximarem das pernas: Aplicação de força nesse momento gera impulso para baixo; Agarre: Ponto da braçada subaquática em que o nadador começa a acelerar o corpo para frente com os braços; Movimentos de entrada e recuperação de braços e pernas: Suaves e homogêneos para reduzir o arrasto; 5

6 Movimentos diagonais são necessários para vencer a inércia; Palmateio: qualquer padrão de movimento de membros que não seja diretamente para trás; Remada: movimentos diretamente para trás, ainda que com componentes laterais e verticais; Arrasto x sustentação: quem contribui mais para as forças propulsivas? Arrasto, logo, a remada produz mais propulsão do que o palmateio; Padrões de velocidade demonstram que os nadadores aceleram o corpo para frente apenas quando seus braços se movimentam para trás; 6

7 Aproveitamento submerso após as viradas: evitar a interferência do efeito marola ; Antebraços e braços desempenham um papel significativo na propulsão dos nados; Paradoxo: nadar mais depressa aumenta o arrasto resistivo; Ombro de nadador: dor crônica resultante da fricção entre a cabeça proximal do úmero e os tecidos moles que circundam a articulação do ombro (tendão supraespinal e do bíceps, ligamento coracoacromial). TÉCNICA DO NADO CRAWL 7

8 Nado crawl Mais rápido dos quatro estilos competitivos; Livre = crawl? Propulsão: ~ 75% MMSS x 25% MMII; Braçada: 5 fases; Ciclos de pernadas. Crawl: braçada Padrão S 1: entrada e deslize; 2: varredura para baixo até o agarre; 3: varredura para dentro; 4: varredura para cima; 5: finalização e recuperação. 8

9 Crawl: braçada Bolhas de ar em torno das mãos e braços: indícios de turbulência e perda de força propulsiva; Prancha: alinhamento dos braços e das mãos; Palmateios; Rolamento do corpo é a origem da propulsão? Crawl: pernada Adejamento: Alternância de movimentos diagonais das pernas; Direções: cima, baixo e componentes laterais; Pernada lateral: Permitir a pernada diagonal que estabiliza o corpo; Minimizar os movimentos laterais do corpo; Pernada com duas ou seis batidas/tempos: X batidas por ciclo de duas braçadas; Consumo de energia das pernadas é desproporcionalmente maior que a propulsão adicional que pode ser produzida por elas. 9

10 Outros exercícios Pernada lateral; Pernada com nadadeiras; Pernada com joelhos estendidos; Pernada subaquática; Nado com um braço; Punhos cerrados; Deslizando o polegar; Variações com ou sem materiais. TÉCNICA DO NADO COSTAS 10

11 Nado costas Crawl de costas; Evoluiu do nado de peito invertido; Inspiração e expiração à vontade; Golfinhada submersa (até 15 m). Padrão S Costas: braçada 1: primeira varredura para baixo; 2: agarre e primeira varredura para cima (pico propulsivo); 3: segunda varredura para baixo (pico propulsivo); 4: segunda varredura para cima; 5: finalização e saída. 11

12 Costas: braçada Bolhas de ar em torno das mãos e braços: indícios de turbulência e perda de força propulsiva; Braço da recuperação deve entrar na água quando o outro braço estiver completando a segunda varredura para baixo; Costas: pernada Adejamento: Sustentação e propulsão: costas x crawl; Alinhamento lateral e horizontal x recuperações e componentes diagonais das varreduras; Pernada lateral: Não apenas na direção vertical; Permitir a pernada diagonal que estabiliza o corpo; Facilitar o rolamento; Minimizar os movimentos laterais do corpo; Pernada com seis batidas: predominante; (6 batidas de perna por ciclo de duas braçadas). 12

13 Erros comuns Corpo não deve estar 100% na horizontal: aumento de eficiência na pernada; Braçada curta ou alongada; Colisão do dorso da mão com a água; Colocação da ponta dos dedos na água antes do braço; Agarre muito raso ou profundo; Orientar demasiadamente a mão para cima durante a segunda varredura para cima; Erros comuns Pedalar com as pernas (levantar demais as coxas); Executar pernadas muito profundas (reduzem a velocidade frontal); Nadar com a cabeça muito alta; Ficar com a cintura excessivamente afundada. 13

14 Outros exercícios Traçar um S imaginário em decúbito lateral; Nado com um braço (e variações); Meia braçada; Braçada submersa; Punhos cerrados; Dois braços simultâneos; Nado na raia; Pernada lateral; Pernada com uma das mãos para fora; Objeto na cabeça; Golfinhadas submersa. TÉCNICA DO NADO BORBOLETA 14

15 Nado borboleta Maior dificuldade ao treinador na formulação de exercícios; Segundo nado mais rápido; Evoluiu do nado de peito no início dos anos 1930: Atletas perceberam que podiam nadar mais rápido recuperando os braços acima da cabeça; Introdução da pernada de golfinho tornou o borboleta distinto oficialmente do peito em 1955; Respiração frontal ou lateral (*cabeça alta submerge o quadril?). Golfinhadas por no máximo 15 metros. Borboleta: braçada 1: entrada e deslize; 2: varredura para fora e agarre; 3: varredura para dentro; 4: varredura para cima; 5: finalização e recuperação. 15

16 Borboleta: pernada Uma golfinhada: uma batida para cima e outra para baixo; Batida para baixo: Chicotada ; Início na flexão dos quadris; Continua com a extensão dos joelhos; Primeira e segunda golfinhadas: Ambas contribuem para a propulsão; Primeira é mais longa que a segunda: quadris ficam mais baixos durante a fase aérea. Erros comuns Trombada das mãos e braços na entrada da braçada; Arrastar os braços na água durante a fase aérea; Recuperar os braços com força excessiva; Muito esforço na varredura para fora (esta fase ainda não gera propulsão); Varredura para cima com força excessiva empurra o corpo para baixo; 16

17 Erros comuns Flexão dorsal do tornozelo somada a baixa capacidade de extensão do tornozelo; Força excessiva na segunda golfinhada; Flexão excessiva dos joelhos; Não sincronização (pernas e braços, respiração); Deslize por um trecho muito longo depois da entrada; Execução da pernada apenas uma vez durante cada ciclo de braçadas. Exercícios Nado com um braço (braço parado estendido acima da cabeça ou junto ao corpo); Nado completo com flutuador; Nado completo com nadadeiras; Nado com um ciclo de braçadas por vez e pausa entre cada ciclo; Pernadas com variações de pegadas na prancha ou sem prancha; Pernada submersa; Golfinhada de costas; Golfinhadas laterais. 17

18 TÉCNICA DO NADO PEITO Nado peito Primeiro nado utilizado em competições; Todos os demais evoluíram a partir dele; Era permitido nadar submersamente até 1950; Uma respiração para cada ciclo de braçada e pernada; Nado mais lento dos quatro estilos; Estilo plano x ondulatório (a partir de 1970). 18

19 Peito: braçada 1: varredura para fora e início do agarre; 2: varredura para dentro; 3: finalização e recuperação. Peito: pernada Pernada em chicotada : varredura para trás diagonal e semicircular das pernas, em que os pés se deslocam para fora, pra trás, para baixo e para dentro até se unirem; Solas dos pés: atuam como remos, pois são as principais superfícies propulsivas; Cinco fases: Recuperação; Agarre; Varredura para fora (*tensão na região medial do joelho); Varredura para dentro; Levantamento e deslize das pernas. 19

20 Erros comuns Movimentar pouco os braços para fora; Movimentar os braços muito para fora; Aplicar muito esforço na varredura para fora; Orientar as mãos para frente; Pressionar as coxas para baixo e para frente, contra a água; Recuperação das pernas com os joelhos demasiadamente afastados; Erros comuns Pés em má posição hidrodinâmica; Pouca flexibilidade para o agarre na pernada; Respirar com muita antecedência; Manter a cabeça acima da água durante a pernada; Propulsão pré filipina demasiadamente longa; Movimentação dos braços e pernas para frente com demasiada força. 20

21 Exercícios Nado com um braço (braço parado estendido acima da cabeça ou junto ao corpo); Braçada com punhos cerrados; Menor número de pernadas para uma distância fixa; Pernada de peito na posição de costas; Pernadas com as mãos para trás; Pernadas com ou sem prancha; Duas braçadas e uma pernada ou vice-versa; Nado submerso. 21

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo Hidrodinâmica Hidrodinâmica Estudo dos corpos em movimento na água ou em fluídos em movimento. Na natação a hidrodinâmica oferece conhecimentos para a aplicação dos elementos de propulsão e resistência,

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo:

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo: MOVE NATAÇÃO Treino 1 iniciante Treino 1 intermediário Treino 1 avançado Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração 75 metros crawl 25 metros perna de crawl 4x Condicionamento cardiorrespiratório

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais 12/10/2014 Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais Os Estilos Nado Livre (Crawl) Modalidade Olímpica Praticado bem antes do aparecimento da civilização O estilo mais utilizado e mais rápido

Leia mais

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS 2006 Índice 1 DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES... 3 2 POSIÇÃO DO CORPO... 3 3 POSIÇÃO DA CABEÇA... 3 4 AÇÃO DOS BRAÇOS... 4 4.1 Fase Área... 4 4.1.1 Recuperação...

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO Prevalência do Erro Técnico em Nadadores Pré Juniores de Nível Nacional Orientador: Mestre Luís Rama

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL

APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL APERFEIÇOAMENTO DO NADO DE CRAWL 2008 2 SUMÁRIO LISTA SIGLAS... 4 1 INTRODUÇÃO... 5 1.1 Origem e Evolução... 6 1.2 Regulamentação... 7 2 PRINCÍPIOS BIOMECÂNICOS DO NADO CRAWL... 9 2.1 Principio da Redução

Leia mais

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL *

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * Autor: J. Antonio Hernández 1 POSIÇÃO DO CORPO Em todos os estilos de natação as posições do corpo têm de ser a mais hidrodinâmicas possíveis.

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito.

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito. Física da Natação Anderson Johnson Licenciatura i em Física - UFRJ Orientador Carlos Eduardo Aguiar IF - UFRJ Introdução / Objetivos Apresentamos uma coletânea de tópicos de Física presentes na prática

Leia mais

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia /NATAÇÃO De acordo com o nível das crianças, elas serão enquadradas em diferentes grupos com diferentes monitores. Promovendo a aprendizagem coerente procuraremos que cada professor seja responsável por

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

Série Natação em Academias. Apoio SEEAATESP. Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo

Série Natação em Academias. Apoio SEEAATESP. Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo Copyright 1997. Ícone Editora Ltda Série Natação em Academias Apoio SEEAATESP Sindicato dos Estabelecimentos de Esportes aquáticos, aéreos e terrestres do Estado de São Paulo Coordenador Prof. Gilberto

Leia mais

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos

Ergonomia Perímetros. Técnicas gerais. Técnicas gerais. Pontos anatômicos. Pontos anatômicos Perímetros Ergonomia 2007 Antropometria: Técnicas e aplicações Essa medida antropométrica é o perímetro máximo de um segmento corporal medido em ângulo reto em relação ao seu maior eixo. Estudo da composição

Leia mais

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas:

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: NATAÇÃO a disciplina de natação pura desportiva (modalidade individual); a disciplina de pólo-aquático (jogo desportivo colectivo); a disciplina

Leia mais

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 PRINCÍPIOS DA NATAÇÃO (KURT WILKE) - Máximo aproveitamento da flutuabilidade estática - Redução da resistência frontal - Constante pegada de águas - Paradas

Leia mais

Guias de treinamento Desenvolvimento de Estilo

Guias de treinamento Desenvolvimento de Estilo Guias de treinamento Desenvolvimento de Estilo Desenvolvimento de Estilo Os Estilos Nado Livre/ Crawl Frontal Progressão de habilidade Nado Livre/ Crawl Frontal Postura corporal Ação de Perna Ação de Braço

Leia mais

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca

APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas. Prof Adolfo Deluca APOSTILA DE NATAÇÃO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO Técnica de Nados, Saídas e Viradas Prof Adolfo Deluca 1999 2 ÍNDICE PONTOS IMPORTANTES A SE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO... 4 1. Controle da Respiração... 4 2.

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Calendarização... 3 3. Escalões Etários... 3 4. Competições... 3 4.1. Quadro de provas... 3 4.2. Inscrição... 5 4.3. Classificação... 5 4.4.

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas O que significa adaptação ao meio liquídio (aquático): Fase preparatória para aprendizagem seguinte, deve proporcionar relação

Leia mais

Apontamentos para o ensino do nado Costas

Apontamentos para o ensino do nado Costas Apontamentos para o ensino do nado Costas Guilherme Tucher 1, guitucher@yahoo.com.br; Daniel Oliveira Furlani 2, Emerson Filipino Coelho 3 1. Especialista em Natação e Atividades Aquáticas, e em Treinamento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46

Escrito por Isabel Amaral Domingo, 12 Outubro :49 - Actualizado em Sábado, 29 Novembro :46 Após um AVC, a sensibilidade e o controlo dos movimentos do doente encontram-se muitas vezes diminuídos. Por isso, é muito importante ter cuidado com a posição em que se põem, pois podem não ser capazes

Leia mais

Guias de treinamento Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos

Guias de treinamento Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos Guias de treinamento Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos Regras Protocolo e Etiqueta de Esportes Aquáticos Ensinando as Regras dos Esportes Aquáticos Exemplos de Categorização para Esportes

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15,

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS

APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS APÊNDICE III MOVIMENTOS BÁSICOS 1 Execução de uma Perna de Ballet Partir da Posição Básica Dorsal. Um membro inferior mantém-se à superfície durante toda a execução. O pé do outro membro inferior desliza

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

Flávio Castro & Jefferson Loss 34

Flávio Castro & Jefferson Loss 34 CASTRO, F. A. S. ; LOSS, J. F. Forças no meio líquido. In: Paula Hentschel Lobo da Costa. (Org.). Natação e Atividades Aquáticas. Subsídios para o ensino. 1 ed. Barueri: Manole, 2010, v., p. 34-46. A movimentação

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

(1) Jogos de invasão (2) Jogos de rede/parede (3) Jogos de rebatida/campo (4) Jogos de alvo

(1) Jogos de invasão (2) Jogos de rede/parede (3) Jogos de rebatida/campo (4) Jogos de alvo Questão 01 Sadi (2012) apresenta um sistema de classificação dos jogos em função das suas condições, objetivos e táticas. De acordo com esse sistema, os jogos podem ser classificados em quatro categorias

Leia mais

Formação de Árbitros Natação

Formação de Árbitros Natação Formação de Árbitros Natação O árbitro é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, no caso quando

Leia mais

1.2 A Importância da Técnica nas Diferentes Modalidades Desportivas

1.2 A Importância da Técnica nas Diferentes Modalidades Desportivas FATORES DO RENDIMENTO DESPORTIVO * 1 FATOR TÉCNICO DESPORTIVO 1.1 Definição de Técnica Desportiva DJATSCHKOW (1974) define técnica desportiva como "um sistema especializado de ações motoras simultâneas

Leia mais

K1 Técnica de remada inclinada

K1 Técnica de remada inclinada Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: ITAIPU Plano de aula:semana 41 Data: Turma: Faixa Verde Professor: Fundamento da Semana: Técnica de remada Objetivo Geral: Recursos

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ CURSO DE FISIOTERAPIA Diagnóstico Cinético-Funcional e Imaginologia: Membros Superiores, Cabeça e Tórax Unidade II OMBRO 1 2 3 4 5 Luxação anterior 6 Fratura de cabeça

Leia mais

Corfebol. Sinais dos Árbitros

Corfebol. Sinais dos Árbitros Corfebol Sinais dos Árbitros 2006 Este livro deve ser considerado um apêndice às Regras de Corfebol. Contém os sinais aprovados para serem utilizados pelos Árbitros de Corfebol. Todos os sinais devem ser

Leia mais

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA Os Teste de Capacidade Física e de Habilidade Específica têm o objetivo de selecionar os candidatos cuja

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO NATAÇÃO. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO NATAÇÃO. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO NATAÇÃO Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Participação 5 Artigo 2.º Escalões Etários 5 Artigo 3.º Equipamento 6

Leia mais

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO

CINEMÁTICA DO MOVIMENTO HUMANO Formas Elementares de : O movimento humano énormalmente descrito como sendo um movimento genérico, i.e., uma combinação complexa de movimentos de translação e de movimentos de rotação. Translação (Rectilínea)

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA MILITAR

Leia mais

ANÁLISE QUANTITATIVA DA TÉCNICA EM NATAÇÃO *

ANÁLISE QUANTITATIVA DA TÉCNICA EM NATAÇÃO * ANÁLISE QUANTITATIVA DA TÉCNICA EM NATAÇÃO * Antonio Torre García (Espanha) RESUMO Com esta síntese se pretende resumir os conceitos básicos que rodeiam à análise da competição ou análise quantitativa

Leia mais

NATAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO * Susana Soares

NATAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO * Susana Soares NATAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO * Susana Soares 1 INTRODUÇÃO A natação é, dentro da expressão e educação físico-motora, uma das modalidades de mais difícil abordagem na escola, o que se deve, principalmente,

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 CATEGORIAS FEMININAS: REGULAMENTO Pré-Mirim: até 6 anos Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição Pré-Infantil: 09 e 10 anos, completos

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 TESTES DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO I, FUNÇÃO DE ELETRICISTA APRENDIZ INFORMAÇÕES GERAIS : 1. TESTES DE APTIDÃO

Leia mais

The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano)

The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano) (Artigo Publicado: Jonal da Aquática Paulista - Setembro de 1999.) The New Australian Crawl (Novo Crawl Australiano) Eles não estão treinando mais do que nós... mas estão, na verdade, treinando com mais

Leia mais

Processo de Aquisição do Conhecimento Especialidade: estilos de natação

Processo de Aquisição do Conhecimento Especialidade: estilos de natação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA CMP 08 - TÓPICOS ESPECIAIS EM COMPUTAÇÃO VIII - AQUISIÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força

O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força O corpo em repouso somente entra em movimento sob ação de forças Caminhada em bipedia = pêndulo alternado A força propulsiva na caminhada é a força de reação exercida pelo piso sobre os pés. Um corpo em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Giovanna Neubhaher ANÁLISE DA TÉCNICA DOS ESTILOS CRAWL E COSTAS EM PRATICANTES DE NATAÇÃO.

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DA MÃO DE UM NADADOR NOS QUATRO ESTILOS DA NATAÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE MODELO TEÓRICO E ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL

ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DA MÃO DE UM NADADOR NOS QUATRO ESTILOS DA NATAÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE MODELO TEÓRICO E ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2011, 10(1):38-46 ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DA MÃO DE UM NADADOR NOS QUATRO ESTILOS DA NATAÇÃO: COMPARAÇÃO ENTRE MODELO TEÓRICO E ANÁLISE CINEMÁTICA TRIDIMENSIONAL

Leia mais

Locomoção dos animais

Locomoção dos animais Locomoção dos animais Página 42 1. A locomoção 1.1 O que é a locomoção? A locomoção é a capacidade que a maioria dos animais tem de se deslocar no meio onde vivem. Os animais estão adaptados à locomoção

Leia mais

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CAMPEONATO ESTADUAL 2014 PROVAS FEMININAS:. Salto (altura da mesa) Estreante 1.00m ou 1,10m - Iniciante 1,10m ou 1,20m. - Intermediário 1,20m ou 1,25m. - Avançado - 1,25m.. Barras Paralelas Assimétricas.

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão)

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) Nome do paciente: Data do teste - hora: Nome do avaliador: Duração do teste: min Dominância: direita/esquerda

Leia mais

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Preparativos Para a massagem você vai precisar de: - um produto emoliente (como óleo), de uso exclusivo infantil e dermatologicamente testado pode ser óleo

Leia mais

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105

TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 1 -CRISTO REDENTOR (abraço universal) 2- SAUDAÇÃO ORIENTAL (respeito e humildade) 3 -MEDITAÇÃO TAl CHI CHUAN -SQN 104/105 PARTE I - ALONGAMENTO 4 -ROT AÇÃO DO TRONCO 1. Abrir mãos alternadas (acompanhar

Leia mais

* Saltos para a água. * Águas abertas. * Natação sincronizada. * Masters. * Mergulho Aquático. 1) Natacao pura

* Saltos para a água. * Águas abertas. * Natação sincronizada. * Masters. * Mergulho Aquático. 1) Natacao pura A natação é conhecida desde tempos pré-históricos, o registro mais antigo sobre a natação remonta às pinturas rupestres de cerca de 7.000 anos atrás. As referências escritas remontam a 2000 a. C. Algumas

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Turma: Faixa Verde. ÁGUAS CALMAS Técnica de remada DVD NÍVEL 1

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Turma: Faixa Verde. ÁGUAS CALMAS Técnica de remada DVD NÍVEL 1 Plano de aula: Semana 02 Professor (a): Fundamento da Semana: 02 Objetivo Geral: Recursos Materiais: Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Turma: Faixa Verde ÁGUAS CALMAS Técnica

Leia mais

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta.

Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Um breve estudo sobre o Nado Borboleta. Fábio Rodrigues de Souza Frederico Engel de Oliveira Minkos Guilherme Estevam Dantas João Marcello Paes Zanco Paulo Sérgio Santos de Souza 1 Bárbara Pereira de Souza

Leia mais

Wods Chicks And Barbells Goiânia 01/04 Todos os eventos foram criados pelo Coach Zé Murillo

Wods Chicks And Barbells Goiânia 01/04 Todos os eventos foram criados pelo Coach Zé Murillo Wods Chicks And Barbells Goiânia 01/04 Todos os eventos foram criados pelo Coach Zé Murillo Evento 1 Por tempo: 10 Chest-to-Bar Pull-Ups / Pull-Ups / Push-Ups 15 Squat Snatch (95lbs/75lbs/55lbs) 25 Toes-to-Bar

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula: Semana15 Professor (a): Fundamento da Semana: Objetivo Geral: Recursos Materiais: Turma: Faixa Amarela Ciclo de remada com

Leia mais

MELHORE SEU DESEMPENHO NA EXECUÇÃO EM SUA BATERIA Walter Torres Música finalidade da bateria/percussão

MELHORE SEU DESEMPENHO NA EXECUÇÃO EM SUA BATERIA Walter Torres Música finalidade da bateria/percussão MELHORE SEU DESEMPENHO NA EXECUÇÃO EM SUA BATERIA Walter Torres torres@waltertorres.com.br Música finalidade da bateria/percussão Resumo Este artigo tem como objetivo melhorar a absorção de exercícios,

Leia mais

AULAS TÉCNICAS DE CRAWL Musculatura Utilizada. Posição do Corpo e de Seus Segmentos. Posição do Corpo Erros Causas Correções

AULAS TÉCNICAS DE CRAWL Musculatura Utilizada. Posição do Corpo e de Seus Segmentos. Posição do Corpo Erros Causas Correções SUMÁRIO AULAS TÉCNICAS DE CRAWL... 3 Respiração Lateral... 6 Entrada de Mão... 8 Recuperação da Braçada de Crawl... 11 Puxada... 13 Deslize... 15 Posição do Pé para Execução da Pernada de Crawl... 17 Aceleração...

Leia mais

Eduardo Flor Nascimento Francisco A.P. Júnior Mayara Cordeiro França Pedro Henrique Almeida Lima

Eduardo Flor Nascimento Francisco A.P. Júnior Mayara Cordeiro França Pedro Henrique Almeida Lima Eduardo Flor Nascimento Francisco A.P. Júnior Mayara Cordeiro França Pedro Henrique Almeida Lima Introdução A ciência e os métodos Objetivo Geral Analisar os efeitos da hidrodinâmica na natação. Objetivos

Leia mais

ESCALA DE FULG MEYER. NOME: Sexo: Prontuário: Data da Lesão: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR. PACIENTE DEITADO Amplitude Dor Pontuação

ESCALA DE FULG MEYER. NOME: Sexo: Prontuário: Data da Lesão: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR. PACIENTE DEITADO Amplitude Dor Pontuação ESCALA DE FULG MEYER NOME: Sexo: Prontuário: Lado dominante ou parético: (D) (E) Diagnóstico: Idade: Data da Lesão: Data da Avaliação: Avaliador: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR PACIENTE DEITADO Amplitude

Leia mais

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Ombro articulação mais móvel do corpo. Mas também a mais instável. Composta por 4 ossos, 20 músculos e 5 articulações. Ossos: úmero, escápula, clavícula e costela. Articulações

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 02/2012 ANEXO II TAF TESTE DE APTIDÃO FÍSICA E EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS MASCULINO E FEMININO 1 - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O TAF Teste de aptidão Física é um instrumento usado para medir e avaliar as condições

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO Palhoça 2010 ALCINDO VALDAIR SCHÜLLER EXERCÍCIOS COM MEDICINEBOL PARA ATLETAS DE NATAÇÃO

Leia mais

Identificação das principais faltas técnicas nas partidas e viragens durante o ensino da natação pura desportiva

Identificação das principais faltas técnicas nas partidas e viragens durante o ensino da natação pura desportiva 1 de 8 Comece já a Emagrecer Plano para Emagrecer com resultados comprovados em 30 dias. Ligue Já! www.bodyslim.pt/em Linepool Piscinas Construção Piscinas Betão Armado Garantia Robustez Qualidade www.linepool.pt

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 )

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 ) Complexo Articular do Ombro Articulação mais móvel do corpo humano, porém muito instável = estabilidade dinâmica. Posição de referência Graus de Liberdade 3 graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180

Leia mais

Anexo 40. Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Anexo 40. Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Carmelinda Vieira / Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 7º Turma: B Nº Alunos: 20 Aula Nº: 60 Aula U.D. Nº: 1 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 12-04-2010 Hora: 12h00m Duração: 35 minutos Unidade

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 Protocolo da semana de avaliação Testes de remo ergômetro e de Força Máxima OLIMPICO E PARALIMPICO ESCLARECIMENTOS SOBRE A

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012.

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS E CADASTRO DE RESERVA PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 002, DE 24/01/2012. ANEXO V CRITÉRIOS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA RETIFICADO EM

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO III ANEXO III RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS O mobiliário deve estar de acordo com as informações contidas nas determinações da Norma Regulamentadora 17, que estabelece: 17.4.2. Nas atividades que envolvam leitura

Leia mais

TECNOLOGIA EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES BIOMECÂNICA OCUPACIONAL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira DEFINIÇÃO Estuda as interações entre o trabalho e o homem sob o ponto de vista dos movimentos

Leia mais

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004

CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1 CENSO PARA DETECÇÃO DE DESCONFORTO EM MEMBROS SUPERIORES Autor: Hudson de Araújo Couto Versão Julho de 2004 1- Você sente atualmente algum desconforto nos membros superiores ou coluna relacionado ao

Leia mais

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada

Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Enfº. Mário Lopes Dr. Salvador Massada Técnicas de Trauma ELABORADO POR: Dr. Miguel Soares Oliveira Médico Interno Complementar de Cirurgia Pediátrica-HSJ Enfº. Mário Lopes Enfermeiro Graduado do Serviço de Urgência Geral-HSJ Dr. Salvador Massada

Leia mais

June 2015 Monstar Games Events

June 2015 Monstar Games Events June 2015 Monstar Games Events SEXTA-FEIRA (05/06) - ELITE Individual Evento # 1 Fifth Gear 5x for time: 40 Double-Unders 30 Kettlebell Swings (24/16 kg) 20 Dumbbell Push Press (24/16 kg) Time Cap: 15

Leia mais

Parques Desportivos Saudáveis, acessíveis a toda a população. O conceito "Desporto para Todos" finalmente concretizado!

Parques Desportivos Saudáveis, acessíveis a toda a população. O conceito Desporto para Todos finalmente concretizado! Parques Desportivos Saudáveis, acessíveis a toda a população. O conceito "Desporto para Todos" finalmente concretizado! Pag. 1 de 9 Centro Empresarial Ral 2 - Pav. M 2709-503 Terrugem - Sintra Tel.: 21

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais