Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000)"

Transcrição

1 Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000) Ensinar é a capacidade de estar atento e de utilizar as possíveis conexões com o aprendiz em todos os domínios do comportamento humano (Apolinário e cols. 2016). Métodos de ensino Segundo Gallahue e Donnelly (2008), método de ensino é um conjunto de decisões tomadas pelo professor para alcançar os objetivos de uma aula. Direto Indireto 1

2 Métodos de ensino direto 1. Consiste em um método tradicional, centrado no professor. 2. O Professor toma a maioria das decisões a respeito do que o aluno irá realizar, como e quando. Métodos de ensino direto Vantagens: Eficiente e centrado no objetivo Pequenas chances de equívocos e interpretações errôneas Desvantagem: Aprendizado estereotipado 2

3 Tipos de ensino direto Método por comando: A finalidade principal é que o aluno aprenda rapidamente. Ex. Realizar a propulsão de perna de crawl; Método por prática: É permitido um maior poder de decisão por aparte dos alunos, sobre a ordem, o início o intervalo, o ritmo, etc... Ex. Realizar uma tentativa de perna de crawl, uma de costas e uma de Adejamento; Método recíproco: Trata-se do ensino entre dois alunos ou dois grupos. Ex. O professor orienta o aluno a atuar como professor. Tipos de ensino direto Método por autoavaliação ou autoverificação: O objetivo é estimular a consciência corporal (cinestesia). Ex. Realizar 25 metros de crawl respirando para o lado de não domínio. Método por inclusão: Envolve os alunos nas decisões sobre o conteúdo da aula. Ex. Três de 50 metros de nado crawl em uma das três opções (braçada 3X1, 5X1 ou 7X1) 3

4 Método de ensino indireto Este método é centrado no aluno e desempenham um papel importante na aprendizagem da habilidades motoras, principalmente nos primeiros estágios de aprendizagem de uma habilidade. (Gallahue e Donnelly, 2008) Método de ensino indireto Neste método o professor estimula o aluno a participar da descoberta de novos movimentos e a envolver-se em outras operações cognitivas. Favorecendo assim, a descoberta e o desenvolvimento de novos conceitos, bem como alternativas de movimentos. 4

5 Método de ensino indireto Vantagens: Maior envolvimento no processo de aprendizagem Estimula a exploração e a experimentação de movimentos variados Desvantagem: Consome muito tempo Os professores apresentam dificuldade em utilizar o método. Tipos de ensino indireto Descoberta guiada: O professor prepara uma sequencia de questões para ajudar o aprendiz a fazer uma descoberta. Descoberta convergente: Os alunos são desafiados a encontrarem as melhores soluções sem orientação do professor. Descoberta divergente: Estimulação de novas propostas motoras. Ex. Realizar a propulsão (variações???) de perna submersa por 10 metros. 5

6 1. Natação integrada na Educação Física escolar 2. Natação oferecida paralelamente ao horário escolar 6

7 Segurança na piscina Estatística o No Brasil, afogamentos são a segunda causa de morte e a oitava de hospitalização, entre os acidentes, na faixa etária de 1 a 14 anos. o Segundo o Ministério da Saúde, em 2007, crianças de até 14 anos morreram vítimas de afogamentos. o É importante salientar que os perigos não estão apenas nas águas abertas como mares, represas e rios. Para uma criança que está começando a andar, por exemplo, três dedos de água representam um grande risco. Assim elas podem se afogar em piscinas, cisternas e até em baldes, banheiras e vasos sanitários. Segurança na piscina 1. Mais de 65% das mortes por afogamento ocorrem em água doce. 2. Crianças devem sempre estar sob a supervisão de um adulto. 89% das crianças não tem supervisão durante o banho de piscina. 3. Tenha grades com altura de 1.50 mts e 12 cm entre as verticais. Elas reduzem o afogamento em 50 a 70%. 4. Bóia de braço não é sinal de segurança - cuidado! 5. Tenha sempre telefone sem fio na área da piscina. 6. Cuidado ao mergulhar em local raso (coloque aviso) 7. Mais de 40% dos proprietários de piscinas não sabem realizar os primeiros socorros 7

8 Segurança na piscina Pontos primários 1. O número reduzido de alunos por professor. 2. Posicionamento (professor) correto na piscina 3. Primeiros socorros 4. Sobrevivência aquática (autosalvamento). 8

9 Segurança na piscina Auto salvamento 1. Flutuação 2. Deslocamento: decúbito dorsal e ventral 3. Deslocamento: decúbito dorsal e ventral (com roupas) Adaptação as aulas de natação 1) 1º Contato 2) Adaptação ao meio 3) Aproximação 4) Interação 5) Confiança 9

10 Adaptação as aulas de natação 1. Antes de conversar com a criança converse com os pais 2. Lembre-se a criança não lhe conhece! 3. Estimule uma aproximação 4. Presença dos pais na borda da piscina 5. A criança nem sempre entrará na água no 1º dia Adaptação as aulas de natação 1. Presença dos pais na borda da piscina 2. Crie atividades de interação: Fora da água 3. A criança nem sempre entrará na água no 2º dia 10

11 Adaptação as aulas de natação 1. Presença dos pais na borda da piscina 2. Crie atividades de interação e aproximação com o meio líquido 3. A criança nem sempre entrará na água no 3º dia Adaptação as aulas de natação 1. Presença dos pais na borda da piscina 2. Crie atividades de interação e aproximação com o meio líquido e com o professor 3. Gere um ambiente agradável e seguro 11

12 Adaptação as aulas de natação 1. Saída dos pais da borda da piscina 2. Envolva ele em todas as atividades da aula Adaptação as aulas de natação 1. Criança adaptada as aulas e ao professor 12

13 Habilidade de auto-salvamento 20/08/2016 Processo pedagógico para as aulas de natação 1) Deslocamento com materiais: Decúbito ventral e dorsal 2) Domínio respiratório 3) Deslocamento sem materiais: Decúbito ventral e dorsal 4) Salto da borda 5) Coordenação entre pernas e braços: Com materiais e em decúbito ventral e dorsal 6) Coordenação entre pernas e braços: Sem materiais e em decúbito ventral e dorsal 7) Ensino dos nados formais Processo pedagógico para as aulas de natação 13

14 Organização da aula: Em geral 45 min Atividades: variadas com tempo médio de 10 min Determine o conteúdo (objetivo) principal Divida sua aula em 3 partes: Inicial, principal e final Inicial: comece a aula com conteúdos já conhecidos pela criança (reforce todos os estímulos já experimentados) Principal: Trabalhe novos conteúdos Final: reforçar o que foi aprendido e realizar uma volta a calma Organização da aula: Adaptação ao meio líquido e ao professor Deslocamento com o professor Equilíbrio utilizando flutuadores Adaptação a água no rosto Estímulo a imersão voluntária Flutuação com bóia Deslocamento submerso Salto da borda Atividades lúdicas, músicas e histórias Sobrevivência no meio líquido 14

15 Estratégias facilitadoras Atividades lúdicas Competições Jogos O que é lúdico? O lúdico refere-se a uma dimensão humana que evoca os sentimentos de liberdade e espontaneidade de ação. Abrange atividades despretensiosas, descontraídas e desobrigadas de toda e qualquer espécie de intencionalidade ou vontade alheia. É livre de pressões e avaliações 15

16 O que é lúdico? Assim, o jogo, a brincadeira, o lazer enquanto atividades livres, gratuitas são protótipos daquilo que representa a atividade lúdica e longe estão de se reduzirem apenas a atividades infantis. O que é competição? Competição é a interação de indivíduos da mesma espécie ou espécies diferentes (humano, animal ou vegetal) que disputam algo. 16

17 O que é jogo? O jogo é uma atividade física ou intelectual que integra um sistema de regras e define um indivíduo (ou um grupo) vencedor e outro perdedor. Jogos cooperativo Jogos competitivos Jogos de auto-superação Aquecimento Parte principal Volta a calma Saltos da borda Lateralidade Jogos Apneia Técnica de nado Flutuação Equilíbrio dinâmico Coordenação de pernas e braços Reforço técnico... Ludicidade... X Meta a ser atingida (metros) - Capacidade aeróbia - Capacidade anaeróbia - Potência X 17

18 Ciclo - consiste de uma braçada direita, uma esquerda e um número variável de pernadas 18

19 Ciclo - consiste de uma braçada direita, uma esquerda e um número variável de pernadas 1º Adaptação ao meio líquido 2º Propulsão de pernas 3º Propulsão de pernas + Respiração frontal 4º Propulsão de braços + Respiração lateral 5º Sincronização de pernas, braços e respiração 1º Adaptação ao meio líquido Entrar na piscina Caminhar: frente e costas Afundar o rosto na água Tocar uma das mão no fundo da piscina Sentar no fundo da piscina 19

20 1º Adaptação ao meio líquido 2º Propulsão de pernas Estático Dinâmico Professor auxiliando Variando os materiais de auxilio 20

21 3º Propulsão de pernas + Respiração frontal Estático Dinâmico Professor auxiliando Variando os materiais de auxilio 4º Propulsão de braços + Respiração lateral Estático Dinâmico Professor auxiliando Variando os materiais de auxilio 21

22 5º Sincronização de pernas, braços e respiração Braçada do nado crawl 1) Entrada da mão na água 2) Varredura para baixo:aguarre 3) Varredura para dentro 4) Varredura para cima 5) Liberação da mão da água 6) Recuperação da braçada 22

23 Entrada da mão na água 1. Efetuada a frente da cabeça e entre o plano referente a sua metade e a ponta do ombro 2. As pontas dos dedos iniciam o contato com a água 3. Palma da mão inclinada para fora 4. Alongamento: após entrar na água o braço estende-se a frente, imediatamente abaixo da superfície da água Varredura para baixo e aguarre 1. A mão desloca-se para baixo num trajeto curvilíneo 2. Combinação da varredura para baixo e flexão do cotovelo (ângulo 140 graus) 23

24 Varredura para dentro 1. Começa no momento em que o agarre é efetuado e caracteriza-se por ser um movimento semicircular desde o agarre até uma posição sob o corpo, em que a mão desloca-se para baixo, para dentro e para cima até que esteja ao nível da linha média, ou ultrapassando-a. 2. Palma da mão gira lentamente, inclinando para dentro e para cima. Varredura para cima 1. Começa ao completar-se a varredura para dentro e tem continuidade até que a mão do nadador aproxíma-se da sua coxa 2. Manter as mãos voltadas para trás (hiperestensão de punho) 3. Neste momento gira-se a palma da mão para dentro 4. Estágio entre o final da varredura para fora e o início da recuperação 24

25 Recuperação da braçada 1. O cotovelo deixa a água em 1º lugar 2. Palma da mão para dentro até a linha do ombro 3. Palma da mão projeta-se para fora 4. O polegar inicia um novo ataque a água Fases da braçada 25

É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo:

É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo: Pressão Hidrostática É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo: Sentado, em repouso e imerso até altura do processo xifóide. Gera uma redistribuição

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta Posicionamento do corpo O corpo permanece na horizontal em decubito ventral, e caracteriza-se por ações simultâneas de braços e pernas. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água, mantendo-se

Leia mais

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca)

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NATAÇÃO Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NADO CRAWL Nado Livre Significado Rastejar História do Nado Crawl Até 1844, era realizado com uma braçada de peito executado na lateral do corpo com batimentos

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

Técnicas dos nados culturalmente determinados

Técnicas dos nados culturalmente determinados Técnicas dos nados culturalmente determinados NADOS CRAWL E COSTAS NADO CRAWL CRAWL POSIÇÃO DO CORPO EM DECÚBITO VENTRAL O CORPO PERMANECE O MAIS HORIZONTAL POSSÍVEL REALIZANDO MOVIMENTOS DE ROLAMENTOS

Leia mais

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo Hidrodinâmica Hidrodinâmica Estudo dos corpos em movimento na água ou em fluídos em movimento. Na natação a hidrodinâmica oferece conhecimentos para a aplicação dos elementos de propulsão e resistência,

Leia mais

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo:

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo: MOVE NATAÇÃO Treino 1 iniciante Treino 1 intermediário Treino 1 avançado Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração 75 metros crawl 25 metros perna de crawl 4x Condicionamento cardiorrespiratório

Leia mais

APRENDER O REAL RITA PINTO

APRENDER O REAL RITA PINTO APRENDER O REAL RITA PINTO MUNDOHIDRO_RITAPINTO@YAHOO.COM INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA COMO PROFESSOR O QUE PENSO SOBRE OS PAIS? Aqueles pais espetaculares Que pais stressados Não percebem nada do que eu digo

Leia mais

Prova Avaliativa Natação

Prova Avaliativa Natação Nome: Data: / / Prova Avaliativa Natação 1- De acordo com o material, informe quais são os aspectos principais trabalhados na natação infantil? A - Desenvolver habilidades de salvamento; B - Desenvolvimento

Leia mais

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física NOME: MATRÍCULA Nº DATA NASCIMENTO: / / IDADE: CID: DATA 1ª AVALIAÇÃO: / / DATA 3ª AVALIAÇÃO: / / DATA 5ª AVALIAÇÃO: / / DATA 2ª AVALIAÇÃO: / / DATA 4ª AVALIAÇÃO: / / DATA 6ª AVALIAÇÃO: / / A avaliação

Leia mais

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas O que significa adaptação ao meio liquídio (aquático): Fase preparatória para aprendizagem seguinte, deve proporcionar relação

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Calendarização... 3 3. Escalões Etários... 3 4. Competições... 3 4.1. Quadro de provas... 3 4.2. Inscrição... 5 4.3. Classificação... 5 4.4.

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo AFOGAMENTO Afogamento é a aspiração de líquido, causado por submersão. Infelizmente, é uma ocorrência constante e recorrente. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),

Leia mais

Piscina Olímpica. Piscina curta 10/04/2015. Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog)

Piscina Olímpica. Piscina curta 10/04/2015. Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog) Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog) Piscina Olímpica Comprimento:50 metros Largura: 25 metros Número de raias: 8 Largura das raias: 2,5 metros Temperatura da água: 25 C a 28 C Intensidade da luz: >1500

Leia mais

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros TÉCNICA DE MARIPOSA Características técnicas Erros Equilíbrio dinâmico (I) corpo tão horizontal quanto possível durante as fases propulsivas da braçada; (ii) bacia para cima e frente durante a AD do 1º

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Natação realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Formação de Árbitros Natação

Formação de Árbitros Natação Formação de Árbitros Natação O árbitro é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, no caso quando

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Natação para Bebés. Nas aulas de B6 (dos 6 aos 11 meses) o seu bebé é desafiado a

Natação para Bebés. Nas aulas de B6 (dos 6 aos 11 meses) o seu bebé é desafiado a segurança, a independência e melhora a capacidade relacional da criança mesmo nesta idade precoce. O seu bebé está a aprender sobre o mundo de diferentes maneiras, usando a sua crescente capacidade de

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional

TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional Palestrante: prof. William Urizzi REFLEXÃO O BOM ATLETA É AQUELE QUE DESEJA

Leia mais

Regulamento Específico Natação.

Regulamento Específico Natação. Regulamento Específico Natação Http://www02.madeira-edu.pt/dre Regulamento Específico Natação 2013-2014 Índice 1. INTRODUÇÃO...3 2. PARTICIPAÇÃO...3 3. ESCALÕES...3 4. INSCRIÇÕES...3 5. COMPETIÇÕES...4

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

Complexo Desportivo Paulo Pinto Rua de Ribes S. João da Madeira Telef E.mail:

Complexo Desportivo Paulo Pinto Rua de Ribes S. João da Madeira Telef E.mail: PROGRAMA ESCOLA DE NATAÇÃO 2013 2014 NATAÇÃO PARA BEBÉS Este processo é caracterizado como uma adaptação a um meio novo, com uma afectividade e desenvolvimento integrador, e não de aprendizagem das técnicas

Leia mais

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS 2006 Índice 1 DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES... 3 2 POSIÇÃO DO CORPO... 3 3 POSIÇÃO DA CABEÇA... 3 4 AÇÃO DOS BRAÇOS... 4 4.1 Fase Área... 4 4.1.1 Recuperação...

Leia mais

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas:

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: NATAÇÃO a disciplina de natação pura desportiva (modalidade individual); a disciplina de pólo-aquático (jogo desportivo colectivo); a disciplina

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção Affordance A adaptação do homem ao seu envolvimento está normalmente associada a processos de apreciação e percepção das características dos diferentes objectos que o rodeiam: 1 se uma superfície/estrutura

Leia mais

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia /NATAÇÃO De acordo com o nível das crianças, elas serão enquadradas em diferentes grupos com diferentes monitores. Promovendo a aprendizagem coerente procuraremos que cada professor seja responsável por

Leia mais

REGULAMENTO E GUIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL DE ABERTURA DA ANM

REGULAMENTO E GUIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL DE ABERTURA DA ANM a REGULAMENTO E GUIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL DE ABERTURA DA ANM I FESTIVAL MADEIRA A NADAR FESTIVAL DE NATAÇÃO Funchal, 4 de Novembro de 2017 Complexo Piscinas Olímpicas do Funchal / PISCINA DE 25

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Conceitos e curiosidades da Natação

Conceitos e curiosidades da Natação Conceitos e curiosidades da Natação Problemas de bordo de piscina Susana Maria Soares Ribeiro 1. Partida de bloco A partida de bloco obedece às seguintes vozes : apito mais longo, aos seus lugares, apito

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO NATAÇÃO. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO NATAÇÃO. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO NATAÇÃO Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Participação 5 Artigo 2.º Escalões Etários 5 Artigo 3.º Equipamento 6

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

Adaptação ao Meio Aquático?

Adaptação ao Meio Aquático? CURSO DE NATAÇÃO ADAPTADA Janeiro 2011 Adaptação ao Meio Aquático Nelson Gomes Adaptação ao Meio Aquático? O conceito de adaptação ao meio aquático, usualmente, identifica se com a 1ª fase da formação

Leia mais

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA ANTÓNIO ALEIXO INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 Despacho normativo nº1-a/2017 de 10 de fevereiro DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Ano de Escolaridade:

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PSICOMOTRICIDADE CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PROF. MS. GUSTAVO ROBERTO DE GODOY Introdução Séc XIX Neurologia Dupré (1920) Psicomotricidade Desenvolvimento motor e intelectual Importanterecurso

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil.

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Senhores pais ou responsável: Iremos iniciar as matrículas das atividades extracurriculares. INÍCIO DAS

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO

CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO ESTRUTURA DE TRABALHO Os CCEB atendem a comunidade escolar no contra turno com oficinas diversificadas que atendem os alunos da faixa etária de 6 à 12 anos que estudam

Leia mais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais 12/10/2014 Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais Os Estilos Nado Livre (Crawl) Modalidade Olímpica Praticado bem antes do aparecimento da civilização O estilo mais utilizado e mais rápido

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES LOCALIZAÇÃO E CONTATOS

MISSÃO VISÃO VALORES LOCALIZAÇÃO E CONTATOS CARTA QUALIDADE A Piscina Municipal de Peniche é propriedade do Município de Peniche, sendo a Câmara Municipal, representada pelo seu Presidente, a entidade competente e responsável pela sua administração

Leia mais

[Type text] [Type text] [Type text] FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 10 E 11 DE JUNHO 2017 FPN CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1

[Type text] [Type text] [Type text] FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 10 E 11 DE JUNHO 2017 FPN CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 [Type text] [Type text] [Type text] FPN FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 10 E 11 DE JUNHO 2017 CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 12º Festival de

Leia mais

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Preparativos Para a massagem você vai precisar de: - um produto emoliente (como óleo), de uso exclusivo infantil e dermatologicamente testado pode ser óleo

Leia mais

TUMBLIGANDO 1 (ACROBACIA DE SOLO PARA ADOLESCENTES)

TUMBLIGANDO 1 (ACROBACIA DE SOLO PARA ADOLESCENTES) OFICINA Nº: 01 TUMBLIGANDO 1 (ACROBACIA DE SOLO PARA ADOLESCENTES) ÁREA: Circo FAIXA ETÁRIA: 13 a 16 anos. CARGA HORÁRIA: 03 horas. OBJETIVOS: Conhecer o universo do circo e suas vertentes. Realizar uma

Leia mais

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento plurianual Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento de longo prazo Procedimento determinante na formação de um atleta de alto desempenho É comum estruturações de treinamentos

Leia mais

2014 2ª semana 06-11 JAN

2014 2ª semana 06-11 JAN 1ª semana 30-04 JAN 2014 2ª semana 06-11 JAN 3ª semana 13-18 JAN 4ª semana 20-25 JAN 5ª semana 27-01 FEV * Aceitar água no rosto. * Sustentação na barra. * Mergulho em direção a barra. * Equilibrio no

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVO GERAL Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, consolidar hábitos

Leia mais

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA Os Teste de Capacidade Física e de Habilidade Específica têm o objetivo de selecionar os candidatos cuja

Leia mais

Departamento: Educação Física Unidade: Faculdade de Educação Física. Código: Vigência: 2011 Carga Horária: 90 Período: 1

Departamento: Educação Física Unidade: Faculdade de Educação Física. Código: Vigência: 2011 Carga Horária: 90 Período: 1 Departamento: Educação Física Unidade: Faculdade de Educação Física Curso: Licenciatura Grade Curricular Disciplina: Metodologia de ensino e pesquisa em natação Código: Vigência: 2011 Carga Horária: 90

Leia mais

Conteúdos Programáticos 8º ano

Conteúdos Programáticos 8º ano Conteúdos Programáticos 8º ano DOMINIO SOCIO-AFETIVO Comuns a todas as áreas: Participação: - É assíduo e pontual - Participa com empenho nas atividades propostas Regras de Disciplina e higiene - Tem hábitos

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula: Semana7/14/21/ 27/45 Professor (a): Fundamento da Semana: Objetivo Geral: Recursos Materiais: Turma: Faixa Verde CORREDEIRA

Leia mais

[Type text] [Type text] [Type text] FPN 9º FESTIVAL DE ESTRELAS DO MAR 7 E 8 DE JUNHO CORUCHE CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1

[Type text] [Type text] [Type text] FPN 9º FESTIVAL DE ESTRELAS DO MAR 7 E 8 DE JUNHO CORUCHE CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 [Type text] [Type text] [Type text] FPN 9º FESTIVAL DE ESTRELAS DO MAR 7 E 8 DE JUNHO CORUCHE CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 9º Festival

Leia mais

A Influência da Natação no Desenvolvimento dos Aspectos Psicomotores em Crianças da Educação Infantil

A Influência da Natação no Desenvolvimento dos Aspectos Psicomotores em Crianças da Educação Infantil BORGES, Raphaella Khareniny Fernandes de Melo [1] MACIEL, Rosana Mende [2] BORGES, Raphaella Khareniny Fernandes de Melo; MACIEL, Rosana Mendes. A influência da natação no desenvolvimento dos aspectos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA Maria Edmir Maranhão Padrão motor: é uma série de movimentos

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR)

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) Puxar uma perna para o tronco 1 - Alongamento da região posterior da coxa:

Leia mais

Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido

Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido Atividades Aquáticas: Grandezas Físicas com Atuação no Meio Líquido Sendo a natação um esporte praticado em meio diferente daquele no qual normalmente o homem vive, torna-se necessário lembrar algumas

Leia mais

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito.

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito. Física da Natação Anderson Johnson Licenciatura i em Física - UFRJ Orientador Carlos Eduardo Aguiar IF - UFRJ Introdução / Objetivos Apresentamos uma coletânea de tópicos de Física presentes na prática

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS GERAIS Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, a melhoria

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO 1. Cumprir os pré-requisitos abaixo até dia 20/01/2007, antes do teste físico: - Ter ciência e assinar o regulamento do curso. - Ter efetuado o pagamento integral do

Leia mais

PROVA DE TRAVESSIA EQUIPADO COM MATERIAL BÁSICO DE MERGULHO REVEZAMENTO 4X200

PROVA DE TRAVESSIA EQUIPADO COM MATERIAL BÁSICO DE MERGULHO REVEZAMENTO 4X200 PROVA DE TRAVESSIA EQUIPADO COM MATERIAL BÁSICO DE MERGULHO REVEZAMENTO 4X200 físico, resistência e na aptidão em transpor um curso d água com a utilização do material básico de mergulho. 1. Prova de Travessia

Leia mais

A natação como um dos conteúdos aplicados na Educação Física Escolar no Ensino Fundamental I e II nas escolas particulares do Distrito Federal

A natação como um dos conteúdos aplicados na Educação Física Escolar no Ensino Fundamental I e II nas escolas particulares do Distrito Federal A natação como um dos conteúdos aplicados na Educação Física Escolar no Ensino Fundamental I e II nas escolas particulares do Distrito Federal RESUMO Cateliane Isabela Menezes Nilza Martinovic Este estudo

Leia mais

K1 Técnica de remada inclinada

K1 Técnica de remada inclinada Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: ITAIPU Plano de aula:semana 41 Data: Turma: Faixa Verde Professor: Fundamento da Semana: Técnica de remada Objetivo Geral: Recursos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA

DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA DESENVOLVIMENTO E ESTIMULAÇÃO MOTORA EM MEIO LÍQUIDO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA Roseli Fernandes* Shana Machado* Judite Filgueiras** Deficiência física é toda e qualquer alteração no corpo humano,

Leia mais

Escola Municipal de Natação

Escola Municipal de Natação Município de Reguengos de Monsaraz Escola Municipal de Natação Documento de Orientação Pedagógica Índice Introdução... 3 Objectivos... 4 Inscrições / Renovações... 5 Entrada nas Classes... 6 Alterações

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES Infantil ao 5º ANO MÚSICA

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES Infantil ao 5º ANO MÚSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES Infantil ao 5º ANO MÚSICA OBJETIVOS GERAIS Explorar e identificar elementos da música para se expressar e interagir com

Leia mais

25/05/2017 OBJETIVOS DA AULA AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE CONCEITO CONCEITO. O que é Flexibilidade? Flexibilidade x Alongamento

25/05/2017 OBJETIVOS DA AULA AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE CONCEITO CONCEITO. O que é Flexibilidade? Flexibilidade x Alongamento OBJETIVOS DA AULA AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE TEÓRICA: Conceitos importantes; Tipos de flexibilidade; Fatores que influenciam a flexibilidade; Importância da flexibilidade; Como avaliar a flexibilidade.

Leia mais

I FESTIVAL DE NATAÇÃO SPEEDY GONZALEZ

I FESTIVAL DE NATAÇÃO SPEEDY GONZALEZ I FESTIVAL DE NATAÇÃO SPEEDY GONZALEZ Comemoração do 11º Aniversário do Clube Escola O Liceu - TANQUE INFANTIL E PISCINA DE 25 METROS - Funchal, 4 de Fevereiro de 2017 Época Desportiva 2016/2017 1 FESTIVAL

Leia mais

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011 PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES Leiria, 12 de Novembro de 2011 Índice Objectivos do Treino -Gerais - Específicos - Prioritários Meios de Treino - Exemplos Objectivos do Treino GERAIS Gosto pelo

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS º PERÍODO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: BIOQUÍMICA CELULAR Componentes responsáveis pelo funcionamento bioquímico dos seres vivos, em especial o ser humano, manifestos

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Amadora 3 ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015. Plano de aula

Agrupamento de Escolas da Amadora 3 ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015. Plano de aula Parte Introdutória Plano de aula Etapa: 4ª Etapa Unidade de Ensino: 12ª UE Aula nº: 53 e 54 Ana Lares Data: 11/05/2015 14/05/2015 Turma: 7ºano Duração da aula: 45 90 Nº previsto de alunos: 28 Material:

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15,

Leia mais

10. FESTIVAL DE NATAL - ESCOLAS Piscina de Machico / Piscina de 25 metros

10. FESTIVAL DE NATAL - ESCOLAS Piscina de Machico / Piscina de 25 metros 10. FESTIVAL DE NATAL - ESCOLAS Piscina de Machico / Piscina de 25 metros Funchal, 17 de dezembro 2016 Época Desportiva 2016/2017 1 FESTIVAL DE NATAL Portugal a Nadar / Escolas 1. DATA: Machico, 17 de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas. I N S T

Leia mais

Fase dos Movimentos Reflexos

Fase dos Movimentos Reflexos 07/10/2014 Fase dos Movimentos Reflexos Os movimentos do Bebê Movimentos Reflexos O estudo dos reflexos e dos padrões de comportamento estereotipados dos bebês revela informações úteis para a compreensão

Leia mais

ESCALA COGNITIVA (SCOPA Cog) Marque uma cruz indicando o estado do paciente no momento da avaliação.

ESCALA COGNITIVA (SCOPA Cog) Marque uma cruz indicando o estado do paciente no momento da avaliação. ESCALA COGNITIVA (SCOPA Cog) Marque uma cruz indicando o estado do paciente no momento da avaliação. ON OFF Memória e Aprendizagem 1. Recordação verbal: Nota: Coloque o caderno adequadamente orientado

Leia mais

25 Situação de Exercício critério, teste escrito, relatório e/ou trabalho escrito.

25 Situação de Exercício critério, teste escrito, relatório e/ou trabalho escrito. 10º 8 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE DESPORTO PLANIFICAÇÃO MODULAR DISCIPLINA: DESPORTOS INDIVIDUAIS CONTEÚDOS MÓDULO N.º 01 - GINÁSTICA ELEMENTOS TÉCNICOS GERAIS EQUILÍBRIOS DE BASE O PRESSUPOSTOS TÉCNICOS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 2017 SUMÁRIO 1. SOBRE O ENSINO BÁSICO DE MÚSICA... 3 2. SOBRE A ETAPA DA MUSICALIZAÇÃO INFANTIL... 3 3. SOBRE A ETAPA DA INICIAÇÃO MUSICAL... 3 4. SOBRE AS PRÁTICAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

SALTO EM COMPRIMENTO

SALTO EM COMPRIMENTO SALTO EM COMPRIMENTO 1. Regras Básicas do Salto em Comprimento Caixa de areia Corredor de Balanço Tábua de Chamada A prova do salto em comprimento disputa-se na pista de atletismo numa zona específica

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

ARTES VISUAIS 1º ANO. Arte Pré-Colombiana (Olmecas, Maias, Astecas, Incas e Indígena Brasileira).

ARTES VISUAIS 1º ANO. Arte Pré-Colombiana (Olmecas, Maias, Astecas, Incas e Indígena Brasileira). ARTES VISUAIS Conteúdos Teóricos Introdução ao estudo das Artes Visuais. Gêneros e modalidades das Artes Visuais. Arte na Pré-História (Paleolítico e Neolítico). Arte Pré-Colombiana (Olmecas, Maias, Astecas,

Leia mais

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL *

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * Autor: J. Antonio Hernández 1 POSIÇÃO DO CORPO Em todos os estilos de natação as posições do corpo têm de ser a mais hidrodinâmicas possíveis.

Leia mais