FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA"

Transcrição

1 CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15, completos no ano da competição. - Adulto: 16 anos em diante, completos no ano da competição. PROVAS: a) Salto b) Paralelas Assimétricas c)trave d) Solo Tempo da série Trave e Solo 1 30, no máximo. Música É permitida a utilização da mesma música para toda a equipe. As séries são livres com elementos obrigatórios, de acordo com o Regulamento de Níveis da FESG. Para cada exigência obrigatória faltante a ginasta deixará de receber o valor desta exigência, descrito na tabela, mais a dedução de pts por omissão de elemento. *Todas as ginastas não premiadas receberão medalhas de participação *Havendo apenas uma ou duas ginastas estas farão uma apresentação CRITÉRIOS DE DESEMPATE: Não haverá empates. Para tanto serão utilizados os seguintes critérios de desempate: 1 - Maior nota de execução; 2 - Maior nota na trave; 3 - Maior nota no solo; 4 - Maior nota no salto; 5 - Maior nota nas paralelas. ARBITRAGEM: A convocação da arbitragem é de responsabilidade da FESG. EXIGÊNCIAS CATEGORIA MIRIM 7 e 8 anos (Mesmas exigências do nível 4) SALTO: Salto à parada de mãos COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES: Mínimo de 3 ginastas. PREMIAÇÃO: - Equipe: Serão premiadas com Troféus e medalhas as entidades classificadas do 1º ao 3º lugar de cada categoria (somatória das 3 melhores notas de cada aparelho) - Individual geral: Serão premiadas com Troféus as ginastas classificadas do 1º ao 3º lugar em cada categoria. - Aparelhos: Serão premiadas com medalhas as ginastas classificadas do 1º ao 3º lugar em cada categoria. O salto será realizado para cima de um plano alto, com prancha. O salto deve ser executado com a posição estendida do corpo e das pernas e com

2 os braços acima da cabeça, durante todo o salto. A aterrissagem será em decúbito dorsal com a postura firme do corpo. Altura:1,10 metros Valor: 2.0pts 1. Entrada: embalo do kipe + oitava + 2. Lançamento 3. Giro de quadril 4. Passagem para a barra alta 5. Dois embalos no barrote superior com saída atrás Dificuldade/Composição Máxima: 0.80 pts. 1. Entrada: Cavalgada 2. Avião mínimo 45º (2 ) 3. Giro de 180º em um dos pés 4. Dois battemants mínimo 90º, em releve (pernas direita e esquerda) Salto longo mínimo 90º 6. Parada de mãos (mínimo 30º da vertical) 7. Salto estendido 8. Salto grupado 9. Saída: corrida salto grupado Dificuldade/Composição: 2.60 pts. 1. Salto estendido + Salto no espacate mínimo 120º (afastamento ântero-posterior das pernas, saída e chegada nos dois pés) 2. Parada de mãos seguida de rolamento para frente com os cotovelos estendidos. 3. Ponte para trás ou para frente 4. Salto longo (mínimo 120º) 5. Rolamento para trás com os cotovelos estendidos e finalização livre. 6. Giro 360º 1. Rondada ou Rondada + Flic Dificuldade/Composição: 2.70 pts.

3 CATEGORIA PRÉ-INFANTIL 9 e 10 anos (Mesmas exigências do nível 5) SALTO SOBRE A MESA: Reversão para frente (1.01) Altura: 1,10 metros Valor: 2.40 pts Execução: 10.0 pts 1. Entrada: oitava 2. Lançamento até a horizontal 3. Giro de quadril 4. Passagem para a barra alta 5. Oitava no barrote superior 6. Saída: Sublance Dificuldade/Composição Máxima: 1.0 pts. 1. Entrada em esquadro, pernas em afastamento lateral 2. Avião (equilíbrio sobre 1 pé ) mínimo a 90º 3. Giro de 180º em um dos pés 4. Estrela 5. Salto de dança com impulso em 1 dos pés(leap) * 6. Salto com impulso nos 2 pés (jump) * 7. Parada de mãos no sentido longitudinal 8. Saída: - Reversão para frente ou rodante - Mortal para frente Grupad0 Dificuldade/Composição: 3.0 pts. 1. Salto com afastamento lateral das pernas 2. Mortal pra frente ou estrela sem mãos 3. Ponte para trás 4. Ligação de dança: mín. 2 (dois) saltos, um deles em afastamento ântero posterior das pernas* 5. Giro mínimo 360º 6. Reversão para frente de pernas unidas 7. Rondada, Flic ou Rondada, Flic + Flic

4 * Os saltos leaps podem ser iguais ou diferentes Dificuldade/Composição: 2.90 pts. CATEGORIA INFANTIL 11 e 12 anos (Mesmas exigências do nível 6) SALTO SOBRE A MESA: Reversão para frente (1.01) Altura: 1,10 metros Valor: 2.40 pts Execução: 10.0 pts 1. Entrada: oitava ou kipe 2. Lançamento acima da horizontal 3. Giro facial para trás BI ou Giro Livre para trás na horizontal ou acima na BI 4. Passagem para a barra alta 5. - Oitavão ou - Kipe ao apoio facial no BS 6. Saída - Sublançamento para frente com apoio dos pés em afastamento lateral/carpado ou - Mortal para trás grupado ou carpado Dificuldade/Composição Máxima: 2.80 pts. 1. Entrada em esquadro, pernas em afastamento lateral 2. Avião (equilíbrio sobre 1 pé ) 180º 3. Giro de 180º em um dos pés 4. Estrela 5. Reversão Lenta para trás/ponte para trás 6. Salto de dança com impulso em 1 dos pés(leap) * 7. Salto com impulso nos 2 pés (jump) * 8. Parada de mãos no sentido longitudinal 9. Saída: - Reversão para frente ou rodante - Mortal para frente Grupado Dificuldade/Composição: 3.50 pts.

5 1. Dois saltos com afastamento lateral das pernas 2. Mortal pra frente 3. Estrela sem mãos ou Reversão para frente sem mãos 4. Ponte para trás 5. Ligação de dança: mín. 2 (dois) saltos, um deles em afastamento ântero posterior das pernas* 6. Giro mínimo 360º 7. Reversão para frente com chegada alternada dos pés + reversão para frente com chegada alternada ou simultânea dos pés 8. - Rondada, Flic + Flic ou - Rondada, Flic, mortal pra trás grupado * Os saltos leaps podem ser iguais ou diferentes Dificuldade/Composição: 3.60 pts. CATEGORIA JUVENIL 13 e 15 anos (Mesmas exigências do nível 7) SALTO SOBRE A MESA: Reversão para frente (1.01) Altura: 1,20 metros Valor: 2.40 pts Execução: 10.0 pts 1. Entrada: kipe 2. - Impulso para trás acima de 45º ou - Impulso para trás acima de 30º ou + (impulso à parada de mãos pernas unidas ou afastadas) 3. - Giro Facial Livre para trás acima da horizontal ou - Giro Facial Livre para trás acima de 30º 4. Passagem para a barra alta 5. - Kipe ao apoio facial no BS 6. Oitavão ou Giro gigante para trás 7. Saída - Sublançamento para frente com apoio dos pés - Mortal para trás grupado ou carpado - Mortal estendido Dificuldade/Composição Máxima: 3.30 pts.

6 1. Entrada em esquadro, pernas em afastamento lateral e subida na parada de mãos na força 2, com finalização no esquadro afastado 2. Giro de 360º em um dos pés 3. Estrela 4. Reversão Lenta para trás/ponte para trás 5. salto de dança com grande afastamento ânteroposterior das pernas, impulso em 1 dos pés(leap) 6. Ligação de 2 saltos da dança, (jump, leap ou hop) 7. Flic flac com finalização livre 8. Saída: - Mortal para frente Grupado ou Carpado ou diretamente a um elemento acrobático mínimo A (Ex: estrela, ponte para trás, ponte para frente), executado sobre a trave ou diretamente a um elemento acrobático mínimo B (Ex: rodante, flic flac, reversão para frente) executado sobre a trave Valor de Ligação: Item 8 elemento B + A ou Dificuldade/Composição: 3.50 pts. 1. Ligação de dança- 2 saltos em grande afastamento lateral das pernas com impulsão simultânea dos pés(jump) 2. Mortal pra frente 3. Estrela sem mãos 4. Passagem de dança - 2 saltos com grande afastamento ântero-posterior das pernas(180º ) com impulso em 1 dos pés(leap)* 5. Giro 360º 6. - Reversão para frente com chegada alternada dos pés + reversão para frente com chegada alternada ou simultânea dos pés Ou - Reversão para frente com chegada simultânea dos pés, flic para frente 7. Rondada, Flic + Flic, salto estendido 8. Rondada, Flic, mortal pra trás grupado ou estendido Valor de Ligação: Reversão para frente + Flic para frente + mortal para frente grupado * Os saltos leaps podem ser iguais ou diferentes Dificuldade/Composição: 4.00 pts CATEGORIA ADULTO a partir de 16 anos (Mesmas exigências do nível 8)

7 SALTO SOBRE A MESA: 2 Saltos iguais ou diferentes Altura: 1.25m NOTA DIFICULDADE = Código de Pontuação FIG NOTA EXECUÇÃO = NOTA FINAL= Melhor Salto 1. Entrada: kipe 2. - Impulso para trás acima de 30º ou + (impulso à parada de mãos pernas unidas ou afastadas) 3. Giro Facial Livre para trás acima de 30º 4. Passagem para a barra alta 5. - Kipe ao apoio facial no BS 6. Giro Gigante para trás com ½ giro no Eixo Longitudinal 7. Giro Gigante para frente com ½ giro no Eixo Longitudinal 8. Giro Gigante para trás 9. Saída - Mortal para trás grupado ou carpado - Mortal estendido Dificuldade/Composição Máxima: 4.30 pts. 9. Entrada em esquadro, pernas em afastamento lateral e subida na parada de mãos na força 2, com finalização no esquadro afastado 10. Giro de 360º em um dos pés 11. Estrela 12. Reversão Lenta para trás/ponte para trás 13. salto de dança com grande afastamento ânteroposterior das pernas, impulso em 1 dos pés(leap) 14. Ligação de 2 saltos da dança, (jump, leap ou hop) 15. Flic flac com finalização livre 16. Saída: - Mortal para frente Grupado ou Carpado ou diretamente a um elemento acrobático mínimo A (Ex: estrela, ponte para trás, ponte para frente), executado sobre a trave ou diretamente a um elemento acrobático mínimo B (Ex: rodante, flic flac, reversão para frente) executado sobre a trave Valor de Ligação: Item 8 elemento B + A ou Dificuldade/Composição: 3.50 pts.

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL GENERALIDADES PARTICIPANTES: É aberta a participação no TNGAF a qualquer entidade filiada à federação ou de alguma forma ligada a esta.

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CAMPEONATO ESTADUAL 2014 PROVAS FEMININAS:. Salto (altura da mesa) Estreante 1.00m ou 1,10m - Iniciante 1,10m ou 1,20m. - Intermediário 1,20m ou 1,25m. - Avançado - 1,25m.. Barras Paralelas Assimétricas.

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 CATEGORIAS FEMININAS: REGULAMENTO Pré-Mirim: até 6 anos Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição Pré-Infantil: 09 e 10 anos, completos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica TROFÉU SÃO PAULO 2014 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA REGULAMENTO GERAL OBJETIVOS: Difundir a modalidade Ginástica Artística, incentivando sua prática em diversas faixas etárias e níveis de habilidade - visando

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO, DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA. COORDENADORIA DE DESPORTOS DESPORTO ESCOLAR CODESP REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 Art.

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015

REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 1- CATEGORIAS: Definidas pelo regulamento geral do Evento. 2- EXERCÍCIOS: a) Categoria

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS

FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA. FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Ginástica Olímpica CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: FAEFI PERÍODO/SÉRIE:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE. COORDENADORIA DE ESPORTE E LAZER

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE. COORDENADORIA DE ESPORTE E LAZER PORTARIA G.CEL 13/2016 6ª COPA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO O Coordenador de Esporte e Lazer, no uso de suas atribuições legais, expede a presente Portaria que estabelece o Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo I

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo I Regulamento Específico Ginástica Rítmica Módulo I 1 Art. 1º - A competição de ginástica rítmica será regida de acordo com as regras oficiais da Federação Internacional de Ginástica (FIG), reconhecidas

Leia mais

27ª OLIARQUI REGULAMENTO GERAL

27ª OLIARQUI REGULAMENTO GERAL 27ª OLIARQUI REGULAMENTO GERAL A organização da 27ª OLIARQUI (Olimpíada do Colégio Marista Arquidiocesano de São Paulo) está sob a responsabilidade do Setor Esportivo do Núcleo Cultural do Colégio Marista

Leia mais

Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição

Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição Planificações Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição física de base - Resistência aeróbia e anaeróbia - Força explosiva - Força resistente - Flexibilidade

Leia mais

II COPA OCEÂNICADE GINÁSTICA RÍTMICA

II COPA OCEÂNICADE GINÁSTICA RÍTMICA cademia Central do Corpo Itaipu Niterói RJ 2010 II COP OCEÂNICDE GINÁSTIC RÍTMIC Prezado(a) Senhor(a) É com imenso prazer que convidamos esta conceituada entidade para participar da II Copa Oceânica de

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE Regulamento Específico por Modalidade 1 FESTIVAL/COMPETIÇÃO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA E GINÁSTICA RÍTMICA DO G.D.V Ginástica Artística: Feminino Objetivo Estimular a

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Código Nacional Adaptado

Código Nacional Adaptado Código Nacional Adaptado Base & Infantis GINÁSTICA AERÓBICA 2017/20 0 Índice Secção A - Código Nacional de INFANTIS... 2 1. Estrutura Técnica do Programa... 2 1.1. Tempo e música... 2 1.2. Categorias e

Leia mais

Código Nacional Adaptado

Código Nacional Adaptado Código Nacional Adaptado Base & Infantis GINÁSTICA AERÓBICA 2017/20 1 Índice Introdução...3 Secção A - Código Nacional de INFANTIS... 3 1. Estrutura Técnica do Programa...3 1.1. Tempo e música...3 1.2.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL 2014

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL 2014 GENERALIDADES PARTICIPANTES: É aberta a participação no TNGAF a qualquer entidade filiada à federação ou de alguma forma

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Junho de 2010 2 Índice Informações gerais. 3 Solo 6 Cavalo de Arções.. 26 Argolas. 42

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 MARÇO 2013 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 ESCALÕES DE E O Código de Pontuação Adaptado é diferente para

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Fevereiro de 2010 2 Índice Informações gerais... 3 Salto de Cavalo... 7 Barra / Paralelas

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA GINÁSTICA AERÓBICA REGULAMENTOS TÉCNICOS TN 2014 PARTICIPANTES: TORNEIO NACIONAL É aberta a participação no TNGAE a qualquer entidade filiada às Federações Estaduais de Ginástica ou de alguma forma ligadas

Leia mais

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI)

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI) GINÁSTIA RÍTMIA JOGOS ESOLARES O PARANÁ. ELEMENTOS AAPTAOS (S e I) 1. IIULAE ORPORAL (1) Para todos os aparelhos: na ficha a sucessão das dificuldades deve seguir a mesma que a ginasta executa em sua coreografia.

Leia mais

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de Ginástica Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de soldados. A ginástica deve a sua história ao militarismo.

Leia mais

MATRIZ A Prova Global do Agrupamento

MATRIZ A Prova Global do Agrupamento Compor e realizar Ginástica. Destrezas elementares de solo e aparelhos (Plinto e mini trampolim), em esquemas individuais, aplicando os critérios de correcção técnica e apreciando os esquemas de acordo

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO - 2014 GINÁSTICA RÍTMICA TORNEIO NACIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO - 2014 GINÁSTICA RÍTMICA TORNEIO NACIONAL REGULAMENTO TÉCNICO - 2014 GINÁSTICA RÍTMICA TORNEIO NACIONAL 1) GENERALIDADES 1.1 É aberta a participação no TNGR a qualquer entidade filiada às Federações, ou não filiada (não federada). 1.2 Nos estados

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA

REGULAMENTO ESPECIFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECIFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA (CÓDIGO DE PONTUAÇÃO) 2002-2003 GINÁSTICA ARTÍSTICA Programa obrigatório: SOLO SALTOS APARELHO FACULTATIVO SOLO SALTOS

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 2º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas Cooperar com os companheiros para o alcance do objectivo

Leia mais

Educação Física - 6º AO 9º ANO

Educação Física - 6º AO 9º ANO Conteúdos Programáticos Propostos para a Disciplina: Bimestre 6º ano 7º ano 8º ano 9º ano 1º bimestre Jogo e : Competição e cooperação Jogos populares Jogos pré-desportivos Jogos cooperativos : modalidade

Leia mais

COPA BRASIL DE CONJUNTOS 2014 1) GENERALIDADES

COPA BRASIL DE CONJUNTOS 2014 1) GENERALIDADES COPA BRASIL DE CONJUNTOS 2014 1) GENERALIDADES 1.1 É aberta a participação na Copa Brasil de Conjuntos a qualquer entidade filiada ou não às Federações. 1.2 As inscrições deverão ser enviadas á CBG. 1.3

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Educação Física 2.º Ciclo do Ensino Básico As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

Jogos Champagnat 2013

Jogos Champagnat 2013 Jogos Champagnat 2013 Capítulo I Geral Art. 1º - Este Regulamento é o conjunto das disposições que regem os Jogos Champagnat 2013. Art. 2º - Os Jogos Champagnat são organizados pelo Colégio Marista Santa

Leia mais

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO ADAPTADO

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO ADAPTADO GINÁSTICA RÍTMICA CÓDIGO DE PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 QUADRO RESUMO... 3 EXERCÍCIOS INDIVIDUAIS... 5 ESCALÕES DE FORMAÇÃO... 5 BENJAMINS... 5 INFANTIS... 7 INICIADAS... 11 JUVENIS...

Leia mais

Federação de Ginástica de Portugal Instituição de Utilidade Pública e Utilidade Pública Desportiva Fundada em: 1950

Federação de Ginástica de Portugal Instituição de Utilidade Pública e Utilidade Pública Desportiva Fundada em: 1950 Instituição de Utilidade Pública e Utilidade Pública Desportiva Fundada em: 1950 Filiada na: Federação Internacional de Ginástica (FIG), União Europeia de Ginástica (UEG), União Ibero-Americana de Ginástica

Leia mais

Regulamento Específico GINÁSTICA ARTÍSTICA

Regulamento Específico GINÁSTICA ARTÍSTICA ÍNDICE Programa de competição... 3 Escalões etários... 3 Generalidades... 3 Desenrolar da competição... 3 Equipamento... 4 Pontuação... 4 Solo... 4 Barra fixa, Paralelas e Trave... 4 Saltos de Plinto...

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física 9º ANO - 1º PERÍODO UNIDADE DIDÁTICA TESTES DE C.F. ATLETISMO GINÁSTICA SOLO Conteúdos -

Leia mais

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Documento de Apoio a Professores Responsáveis por Grupo/Equipa de Ginástica Artística Janeiro 2008 Livro de Exercícios de Ginástica

Leia mais

Prof. Mª Alexandra Lopes. Módulo 8-Desportos Individuais. Trave Olímpica. Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015

Prof. Mª Alexandra Lopes. Módulo 8-Desportos Individuais. Trave Olímpica. Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015 Prof. Mª Alexandra Lopes Módulo 8-Desportos Individuais Trave Olímpica Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015 Índice Nome Página Introdução 3 Trave Olímpica- O que é?

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

FEDERAÇÃO DE GINÁSTICA DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DE GINÁSTICA DE SANTA CATARINA 1 GENERALIDADES TORNEIO ESTADUAL DE GINÁSTICA RÍTMICA REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1.1 É aberta a participação no Torneio Estadual de Ginástica Rítmica a qualquer entidade filiada ou não à FGSC. 1.2 As inscrições

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

PROGRESSÕES PEDAGÓGICAS PARA EXERCÍCIOS ACROBÁTICOS DA TRAVE - TEORIA E PRÁTICA

PROGRESSÕES PEDAGÓGICAS PARA EXERCÍCIOS ACROBÁTICOS DA TRAVE - TEORIA E PRÁTICA PROGRESSÕES PEDAGÓGICAS PARA EXERCÍCIOS ACROBÁTICOS DA TRAVE - TEORIA E PRÁTICA Rosangela Marques Busto 1 As séries de trave incluem exercícios acrobáticos e ginásticos. Dentre as primeiras, estão as várias

Leia mais

Osteologia e Artrologia. Constituição e caracterização funcional do sistema ósteo-articular

Osteologia e Artrologia. Constituição e caracterização funcional do sistema ósteo-articular Constituição e caracterização funcional do sistema ósteo-articular Tema A NOÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O ESTUDO DA ANATOMIA 1 Posição descritiva anatómica 2 Planos descritivos e noções associadas POSIÇÃO DESCRITIVA

Leia mais

FEDERAÇÃO AQUÁTICA NORTERIOGRANDENSE - Fone: CRITÉRIOS DA TEMPORADA

FEDERAÇÃO AQUÁTICA NORTERIOGRANDENSE  - Fone: CRITÉRIOS DA TEMPORADA FEDERAÇÃO AQUÁTICA NORTERIOGRANDENSE www.fanrn.com.br - aquaticarn@gmail.com Fone: 32018008 I- NATAÇÃO FEDERADOS: a) NATAÇÃO FEDERADOS: CRITÉRIOS DA TEMPORADA - 2016 I TORNEIO NORTE NORDESTE INTERFEDERATIVO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Cultura: A pluralidade na expressão humana. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6.1 Conteúdo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºANO DE ESCOLARIDADE

PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºANO DE ESCOLARIDADE Departamento Educação Física e Desporto Escolar PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2013/2014 Departamento Educação Física e Desporto Escolar Planificação Anual do 6.º ano escolarida Capacidas

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

10 Atletismo 10.1 Escalões: 10 - A, B, C, D e E, para masculinos e femininos Modalidades: Masculino Escalão B. Masculino Escalão C Corridas

10 Atletismo 10.1 Escalões: 10 - A, B, C, D e E, para masculinos e femininos Modalidades: Masculino Escalão B. Masculino Escalão C Corridas 10 Atletismo 10.1 Escalões: 10 - A, B, C, D e E, para masculinos e femininos. 10.2 Modalidades: N. Escalão A Escalão B Escalão C Corridas Escalão D Escalão E 1 50 m 2 60 m 3 100 m 100 m 100 m 4 200 m 200

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º ciclo) 1. Introdução

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º ciclo) 1. Introdução Departamento do Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS de MOURA Escola do Ensino Básico dos 2º e 3º Ciclos de Moura Ano letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 3º - Os corredores (as) deverão inscrever-se no endereço no período de 30 de setembro a 11 de dezembro de 2016.

REGULAMENTO. Art. 3º - Os corredores (as) deverão inscrever-se no endereço  no período de 30 de setembro a 11 de dezembro de 2016. DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ESPORTE DE IVAIPORÃ UEM MARINGÁ-CAMPUS IVAIPORÃ ACISI NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE IVAIPORÃ V CORRIDA RÚSTICA DE IVAIPORÃ PARE DE FUMAR CORRENDO Capítulo I - Das Disposições

Leia mais

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Data: 5 de março de 2016 Horário: 09h30 às 12h30 Organização: *Centro de Formação Desportiva de Atletismo Gonçalo Sampaio Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Leia mais

2.1- O clube de Nível A é aquele que já compete o Nado Sincronizado há mais de cinco (5) anos; e sua participação como Nível B não é permitida.

2.1- O clube de Nível A é aquele que já compete o Nado Sincronizado há mais de cinco (5) anos; e sua participação como Nível B não é permitida. 2015 CAMPEONATO ESTADUAL DE CATEGORIAS DE NADO SINCRONIZADO INFANTIL; JUVENIL; JÚNIOR E SÊNIOR - NÍVEL A e B e Principiante Das inscrições Art. 1 o - O Campeonato Estadual de Categorias será regido pelas

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Código de Pontuação Ginástica Rítmica

Código de Pontuação Ginástica Rítmica Federação de Ginástica de Portugal Código de Pontuação Ginástica Rítmica 2009-2012 Tradução Portuguesa Eunice Lebre Edição 2009 1 Índice 1ª Parte Generalidades Normas válidas para todos os exercícios individuais

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

GUIA DE JUIZES De acordo com o Regulamento de Volteio da CBH e Guia de Juizes da FEI 2006

GUIA DE JUIZES De acordo com o Regulamento de Volteio da CBH e Guia de Juizes da FEI 2006 GUIA DE JUIZES De acordo com o Regulamento de Volteio da CBH e Guia de Juizes da FEI 2006 A. PRINCÍPIOS GERAIS DE JULGAMENTO É a responsabilidade dos juizes - baseada no seguinte regulamentos - compreender

Leia mais

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1-HISTÓRIA DA GINÁSTICA... 3 2- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

Regulamento DA 2º COPA SINDGEL 2016 FUTEBOL DE 7

Regulamento DA 2º COPA SINDGEL 2016 FUTEBOL DE 7 Regulamento DA 2º COPA SINDGEL 2016 FUTEBOL DE 7.P - 1 01 - local da competição: Parque Esportivo Alpendre da Vila: Rua Armando Monteiro, 555 - Vila União. 02 - atletas: Funcionários nas Empresas da Categoria

Leia mais

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Educação Física e Esporte Campus de Ribeirão Preto A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística Myrian Nunomura Nadia 1976 http://www.youtube.com/watch?v=4m2yt-pikec

Leia mais

NOTA OFICIAL Nº 03/2016

NOTA OFICIAL Nº 03/2016 NOTA OFICIAL Nº 03/06 Prezados filiados, Campo Grande MS, 03 de Abril de 06. A Federação Escolar de Esportes de Mato Grosso do Sul vêm informar das seletivas para a Gymnasiade, que será realizada no período

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

1ª Copa de Judô "Dr. Valdomir Mandaliti"

1ª Copa de Judô Dr. Valdomir Mandaliti FEDERAÇÃO PAULISTA DE JUDÔ Rua Germaine Burchard, 451-3º Andar - sala 31 - Fone (011)38 62-0749 e TELEFAX (011)36730497 SÃO PAULO - SP - CEP 05002-062 3ª Delegacia Centro Sul Bauru Mandaliti Advogados

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO UNIDADE I CONTEÚDO Distribuição do material/apresentação O Atletismo Entidades de organização

Leia mais

2ª COPA CIDADE DE TERESINA DE JUDÔ TROFÉU DANYS QUEIROZ REGULAMENTO GERAL

2ª COPA CIDADE DE TERESINA DE JUDÔ TROFÉU DANYS QUEIROZ REGULAMENTO GERAL 2ª COPA CIDADE DE TERESINA DE JUDÔ TROFÉU DANYS QUEIROZ REGULAMENTO GERAL A 2ª COPA CIDADE DE TERESINA DE JUDÔ - TROFÉU DANYS QUEIROZ será disputada observando as Normas Gerais para Eventos Nacionais edição

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Participação 5 Artigo 2.º Escalões Etários 5 Artigo 3.º Equipamento

Leia mais

45º TORNEIO PERIQUITO DE JUDÔ C O N V I T E

45º TORNEIO PERIQUITO DE JUDÔ C O N V I T E 45º TORNEIO PERIQUITO DE JUDÔ C O N V I T E A SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS realizará no dia 03 de agosto de 2013 em comemoração ao 99º aniversario do clube o Tradicional TORNEIO PERIQUITO DE JUDÔ, no

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO - INDIVIDUAL GINÁSTICA RÍTMICA PRÉ-INFANTIL

REGULAMENTO TÉCNICO - INDIVIDUAL GINÁSTICA RÍTMICA PRÉ-INFANTIL REGULAMENTO TÉCNICO - INDIVIDUAL PRÉ-INFANTIL Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. a) Mãos livres. b) Corda (oficial). c) Bola (peso 300 gramas diâmetro 14 a 16 centímetros). d)

Leia mais

10 Atletismo 10.1 Escalões: 10 escalões - A, B, C, D e E, para masculinos e femininos Modalidades: Masculino Escalão B

10 Atletismo 10.1 Escalões: 10 escalões - A, B, C, D e E, para masculinos e femininos Modalidades: Masculino Escalão B 10 Atletismo 10.1 Escalões: 10 escalões - A, B, C, D e E, para masculinos e femininos. 10.2 Modalidades: N. Escalão A Escalão B Escalão C Corridas Escalão D Escalão E 1 50 m 2 60 m 3 100 m 100 m 100 m

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ATLETISMO PARALÍMPICO

REGULAMENTO ESPECÍFICO ATLETISMO PARALÍMPICO 1 REGULAMENTO ESPECÍFICO ATLETISMO PARALÍMPICO 2014 2 XXIII JOGOS INTERCOLEGIAIS - 2014 II JOGOS INTERCOLEGIAIS PARALÍMPICOS 2014 Atletismo Paralímpico Regulamento Específico Art.1º - A Competição de Atletismo

Leia mais

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística

I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística I Curso de Preparação Coreográfica Específica para a Ginástica Artística Local: Yashi Academia de Ginástica Olímpica Data: 1º de maio de 2009 Coordenação: Yumi Yamamoto Sawasato Professora: Valeria Lakerbai

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento motor A maturação motora da criança se dá nos sentidos: Caudal Céfalo Proximal Distal Desenvolvimento fetal Desenvolvimento

Leia mais

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1

GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS INICIAÇÃO NÍVEL 1 GUIA NORMATIVO DE ACESSO A PROVAS NACIONAIS 1. TESTES DE INICIAÇÃO GERAL Os elementos impostos, que deverão ser acompanhados por um tema musical, poderão ser executados numa ordem aleatória. A música poderá

Leia mais

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011 PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES Leiria, 12 de Novembro de 2011 Índice Objectivos do Treino -Gerais - Específicos - Prioritários Meios de Treino - Exemplos Objectivos do Treino GERAIS Gosto pelo

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º CICLO EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO Documento(s) Orientador(es): Programas nacionais de Educação Física; legislação em vigor

Leia mais

XXIII CAMPEONATO BRASILEIRO ABSOLUTO DE DE NADO SINCRONIZADO 12 a 15 de Novembro de 2015 SÃO PAULO - SP

XXIII CAMPEONATO BRASILEIRO ABSOLUTO DE DE NADO SINCRONIZADO 12 a 15 de Novembro de 2015 SÃO PAULO - SP Das inscrições XXIII CAMPEONATO BRASILEIRO ABSOLUTO DE DE NADO SINCRONIZADO 12 a 15 de Novembro de 2015 SÃO PAULO - SP Art. 1 o - O Campeonato Brasileiro Absoluto será regido pelas regras da FINA e pelo

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

Regulamento Específico. Atletismo Paralímpico

Regulamento Específico. Atletismo Paralímpico Regulamento Específico Atletismo Paralímpico 2014 2 Art. 1º - A competição de atletismo paralímpico do Programa Minas Olímpica/Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/2014 obedecerá às regras da Federação

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física (Prova Escrita + Prova Prática) 2016 Prova 311 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PLANO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO

PLANO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO PLANO ANUAL EDUCAÇÃO 3º CICLO Ano Letivo 2012/2013 Rua Marquês de Olhão Bairro da Madre de Deus Telefone 21 8610100 Fax 218683995 1900-330 Lisboa E-Mail: eb23.lantonioverney@escolas.min-edu.pt 1 Competências

Leia mais

CONTEÚDOS CONTEÚDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2015-2016

CONTEÚDOS CONTEÚDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2015-2016 PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Capacidades Condicionais e Coordenativas Gerais Resistência Geral; Força Resistente; Força Rápida; Força Rápida; Velocidade de Reação Simples e Complexa; Velocidade de

Leia mais

IV COPA BARRA MANSA UBM DE KARATE 2015

IV COPA BARRA MANSA UBM DE KARATE 2015 IV COPA BARRA MANSA UBM DE KARATE 2015 Aos Srs(as) Presidentes de Federações, Ligas e Associações. Temos a satisfação de convidá-los a participar da IV COPA BARRA MANSA UBM DE KARATE 2015. Dando continuidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA - Prova teórica e prática 2016 Prova 28. 2º Ciclo do Ensino Básico 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova de Educação Física tem por referência o programa

Leia mais

Um breve histórico da GA

Um breve histórico da GA Ginástica Artística Um breve histórico da GA Séc. XIX Alemanha O nome que mais se destaca na história da formação da ginástica moderna foi do alemão Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), grande nacionalista

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 311 2015 Prova Escrita e Prática Curso científico humanístico Ensino Secundário /12º Ano Decreto Lei n.º 139/2012 de 5 de julho O presente

Leia mais

LIGA FORMA ATIVA DE TÊNIS DE MESA DO NORTE DO PARANÁ 2016

LIGA FORMA ATIVA DE TÊNIS DE MESA DO NORTE DO PARANÁ 2016 IGA FORMA ATIVA DE TÊNIS DE MESA DO NORTE DO PARANÁ 06 OBJETIVO Esta iga tem por objetivo; promover a massificação, a integração e o desenvolvimento de Tênis de Mesa em toda região do norte do Paraná,

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão Mobilização da Coluna (fase 1) - ADM Ativa Deitado, pés no chão. Junte as palmas das mãos a frente com o braço esticado e mova para um lado, mantenha e mova para o outro. Alongamento da Coluna - Pernas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ITAJAIENSE DE TENIS DE MESA CNPJ: / END: RUA: Aristides Francisco Palumbo nº. 387, Bairro: Dom Bosco.

ASSOCIAÇÃO ITAJAIENSE DE TENIS DE MESA CNPJ: / END: RUA: Aristides Francisco Palumbo nº. 387, Bairro: Dom Bosco. REGULAMENTO VI LIGA ESCOLAR DE TÊNIS DE MESA DA CIDADE DE ITAJAÍ. Art. 1 º - A competição será realizada de acordo com as Regras da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF), Confederação Brasileira

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DOS ESPORTES EQUESTRES Ranking Gaucho de Alunos das Escolas de Equitação 2015 Regulamento. Capítulo I Generalidades

FEDERAÇÃO GAÚCHA DOS ESPORTES EQUESTRES Ranking Gaucho de Alunos das Escolas de Equitação 2015 Regulamento. Capítulo I Generalidades FEDERAÇÃO GAÚCHA DOS ESPORTES EQUESTRES Ranking Gaucho de Alunos das Escolas de Equitação 2015 Regulamento Capítulo I Generalidades Art. 1º - O Ranking Gaucho anual de Alunos das Escolas de Equitação é

Leia mais