É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo:"

Transcrição

1 Pressão Hidrostática É responsável pelos efeitos benéficos sobre a hemodinâmica e como resposta ao treinamento Estudo: Sentado, em repouso e imerso até altura do processo xifóide. Gera uma redistribuição do sangue na direção do centro do corpo de cerca de 700 ml, que resulta em de 34% no débito cardíaco (FC X VS) e de 700% na produção de urina. Redução na frequência cardíaca de 10 batimentos por minuto (Hall et. al. apud Baun, 2000). 1

2 Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000) Ensinar é a capacidade de estar atento e de utilizar as possíveis conexões com o aprendiz em todos os domínios do comportamento humano (Apolinário e cols. 2016). Métodos de ensino Segundo Gallahue e Donnelly (2008), método de ensino é um conjunto de decisões tomadas pelo professor para alcançar os objetivos de uma aula. Direto Indireto 2

3 Métodos de ensino direto 1. Consiste em um método tradicional, centrado no professor. 2. O Professor toma a maioria da decisões a respeito do que o aluno irá realizar, como e quando. Métodos de ensino direto Vantagens: Eficiente e centrado no objetivo Pequenas chances de equívocos e interpretações errôneas Desvantagem: Aprendizado estereotipado 3

4 Tipos de ensino direto Método por comando: A finalidade principal é que o aluno aprenda rapidamente. Ex. Realizar a propulsão de perna de crawl; Método por prática: É permitido um maior poder de decisão por aparte dos alunos, sobre a ordem, o início o intervalo, o ritmo, etc... Ex. Realizar uma tentativa de perna de crawl, uma de costas e uma de Adejamento; Método recíproco: Trata-se do ensino entre dois alunos ou dois grupos. Ex. O professor orienta o aluno a atuar como professor. Tipos de ensino direto Método por autoavaliação ou autoverificação: O objetivo é estimular a consciência corporal (cinestesia). Ex. Realizar 25 metros de crawl respirando para o lado de não domínio. Método por inclusão: Envolve os alunos nas decisões sobre o conteúdo da aula. Ex. Três de 50 metros de nado crawl em uma das três opções (braçada 3X1, 5X1 e 7X1) 4

5 Método de ensino indireto Este método é centrado no aluno e desempenham um papel importante na aprendizagem da habilidades motoras, principalmente nos primeiros estágios de aprendizagem de uma habilidade. (Gallahue e Donnelly, 2008) Método de ensino indireto Neste método o professor estimula o aluno a participar de descoberta de novos movimentos e a envolver-se em outras operações cognitivas. Favorecendo assim, a descoberta e o desenvolvimento de novos conceitos, bem como alternativas de movimentos. 5

6 Método de ensino indireto Vantagens: Maior envolvimento no processo de aprendizagem Estimula a exploração e a experimentação de movimentos variados Desvantagem: Consome muito tempo OS professores apresentam dificuldade em utilizar o método. Tipos de ensino indireto Descoberta guiada: O professor prepara uma sequencia de questões para ajudar o aprendiz a fazer uma descoberta. Descoberta convergente: Os alunos são desafiados a encontrarem as melhores soluções sem orientação do professor. Descoberta divergente: Estimulação de novas propostas motoras. Ex. Realizar a propulsão (variações???) de perna submersa por 10 metros. 6

7 1. Natação integrada na Educação Física escolar 2. Natação oferecida paralelamente ao horário escolar 7

8 Segurança na piscina Estatística o No Brasil, afogamentos são a segunda causa de morte e a oitava de hospitalização, entre os acidentes, na faixa etária de 1 a 14 anos. o Segundo o Ministério da Saúde, em 2007, crianças de até 14 anos morreram vítimas de afogamentos. o É importante salientar que os perigos não estão apenas nas águas abertas como mares, represas e rios. Para uma criança que está começando a andar, por exemplo, três dedos de água representam um grande risco. Assim elas podem se afogar em piscinas, cisternas e até em baldes, banheiras e vasos sanitários. Segurança na piscina Estatística o Segundo a OMS, 372 mil pessoas morrem afogadas todos os anos no mundo. o Mais da metade das mortes são menores de 25 anos o Crianças: maior taxa esta em crianças com menos de 5 anos Mortes por afogamento: 1º Rússia (12 mil mortes em 2011) 2º Japão (9 mil mortes em 2011) 3º Brasil (6487 mil mortes em 2011). 8

9 Segurança na piscina 1. Mais de 65% das mortes por afogamento ocorrem em água doce. 2. Crianças devem sempre estar sob a supervisão de um adulto. 89% das crianças não tem supervisão durante o banho de piscina. 3. Tenha grades com altura de 1.50 mts e 12 cm entre as verticais. Elas reduzem o afogamento em 50 a 70%. 4. Bóia de braço não é sinal de segurança - cuidado! 5. Tenha sempre telefone na área da piscina. 6. Cuidado ao mergulhar em local raso (coloque aviso) 7. Mais de 40% dos proprietários de piscinas não sabem realizar os primeiros socorros 9

10 Segurança na piscina Pontos primários 1. O número reduzido de alunos por professor. 2. Posicionamento (professor) correto na piscina 3. Primeiros socorros 4. Sobrevivência aquática (autosalvamento). Segurança na piscina Auto salvamento 1. Flutuação 2. Deslocamento: decúbito dorsal e ventral 3. Deslocamento: decúbito dorsal e ventral (com roupas) 10

11 Adaptação as aulas de natação 1) 1º Contato 2) Aproximação 3) Adaptação ao meio 4) Interação 5) Confiança Adaptação as aulas de natação 1. Antes de conversar com a criança converse com os pais 2. Lembre-se a criança não lhe conhece! 3. Estimule uma aproximação 4. Presença dos pais na borda da piscina 5. A criança nem sempre entrará na água no 1º dia 11

12 Adaptação as aulas de natação 1. Presença dos pais na borda da piscina 2. Crie atividades de interação: Fora da água 3. A criança nem sempre entrará na água no 2º dia Adaptação as aulas de natação 1. Presença dos pais na borda da piscina 2. Crie atividades de interação e aproximação com o meio líquido 3. A criança nem sempre entrará na água no 3º dia 12

13 Adaptação as aulas de natação 1. Presença dos pais na borda da piscina 2. Crie atividades de interação e aproximação com o meio líquido e com o professor 3. Gere um ambiente agradável e seguro Adaptação as aulas de natação 1. Saída dos pais da borda da piscina 2. Envolva ele em todas as atividades da aula 13

14 Habilidade de auto-salvamento 29/09/2017 Adaptação as aulas de natação 1. Criança adaptada as aulas e ao professor Processo pedagógico para as aulas de natação 1) Deslocamento com materiais: Decúbito ventral e dorsal 2) Domínio respiratório 3) Deslocamento sem materiais: Decúbito ventral e dorsal 4) Salto da borda 5) Coordenação entre pernas e braços: Com materiais e em decúbito ventral e dorsal 6) Coordenação entre pernas e braços: Sem materiais e em decúbito ventral e dorsal 7) Ensino dos nados formais 14

15 Processo pedagógico para as aulas de natação Organização da aula: Em geral 45 min Atividades: variadas com tempo médio de 10 min Determine o conteúdo (objetivo) principal Divida sua aula em 3 partes: Inicial, principal e final Inicial: comece a aula com conteúdos já conhecidos pela criança (reforce todos os estímulos já experimentados) Principal: Trabalhe novos conteúdos Final: reforçar o que foi aprendido e realizar uma volta a calma 15

16 Organização da aula: Adaptação ao meio líquido e ao professor Deslocamento com o professor Equilíbrio utilizando flutuadores Adaptação a água no rosto Estímulo a imersão voluntária Flutuação com bóia Deslocamento submerso Salto da borda Atividades lúdicas, músicas e histórias Sobrevivência no meio líquido Estratégias facilitadoras Atividades lúdicas Competições Jogos 16

17 O que é lúdico? O lúdico refere-se a uma dimensão humana que evoca os sentimentos de liberdade e espontaneidade de ação. Abrange atividades despretensiosas, descontraídas e desobrigadas de toda e qualquer espécie de intencionalidade ou vontade alheia. É livre de pressões e avaliações O que é lúdico? Assim, o jogo, a brincadeira, o lazer enquanto atividades livres, gratuitas são protótipos daquilo que representa a atividade lúdica e longe estão de se reduzirem apenas a atividades infantis. 17

18 O que é competição? Competição é a interação de indivíduos da mesma espécie ou espécies diferentes (humano, animal ou vegetal) que disputam algo. O que é jogo? O jogo é uma atividade física ou intelectual que integra um sistema de regras e define um indivíduo (ou um grupo) vencedor e outro perdedor. Jogos cooperativo Jogos competitivos Jogos de auto-superação 18

19 Aquecimento Parte principal Volta a calma Saltos da borda Lateralidade Jogos Apneia Técnica de nado Flutuação Equilíbrio dinâmico Coordenação de pernas e braços Reforço técnico... Ludicidade... X Meta a ser atingida (metros) - Capacidade aeróbia - Capacidade anaeróbia - Potência X 19

20 Ciclo - consiste de uma braçada direita, uma esquerda e um número variável de pernadas Ciclo - consiste de uma braçada direita, uma esquerda e um número variável de pernadas 1º Adaptação ao meio líquido 2º Propulsão de pernas 3º Propulsão de pernas + Respiração frontal 4º Propulsão de braços + Respiração lateral 5º Sincronização de pernas, braços e respiração 20

21 1º Adaptação ao meio líquido Entrar na piscina Caminhar: frente e costas Afundar o rosto na água Tocar uma das mão no fundo da piscina Sentar no fundo da piscina 1º Adaptação ao meio líquido 21

22 2º Propulsão de pernas Estático Dinâmico Professor auxiliando Variando os materiais de auxilio 3º Propulsão de pernas + Respiração frontal Estático Dinâmico Professor auxiliando Variando os materiais de auxilio 22

23 4º Propulsão de braços + Respiração lateral Estático Dinâmico Professor auxiliando Variando os materiais de auxilio 5º Sincronização de pernas, braços e respiração 23

24 Braçada do nado crawl 1) Entrada da mão na água 2) Varredura para baixo:aguarre 3) Varredura para dentro 4) Varredura para cima 5) Liberação da mão da água 6) Recuperação da braçada Entrada da mão na água 1. Efetuada a frente da cabeça e entre o plano referente a sua metade e a ponta do ombro 2. As pontas dos dedos iniciam o contato com a água 3. Palma da mão inclinada para fora 4. Alongamento: após entrar na água o braço estende-se a frente, imediatamente abaixo da superfície da água 24

25 Varredura para baixo e aguarre 1. A mão desloca-se para baixo num trajeto curvilíneo 2. Combinação da varredura para baixo e flexão do cotovelo (ângulo 140 graus) Varredura para dentro 1. Começa no momento em que o agarre é efetuado e caracteriza-se por ser um movimento semicircular desde o agarre até uma posição sob o corpo, em que a mão desloca-se para baixo, para dentro e para cima até que esteja ao nível da linha média, ou ultrapassando-a. 2. Palma da mão gira lentamente, inclinando para dentro e para cima. 25

26 Varredura para cima 1. Começa ao completar-se a varredura para dentro e tem continuidade até que a mão do nadador aproxíma-se da sua coxa 2. Manter as mãos voltadas para trás (hiperestensão de punho) 3. Neste momento gira-se a palma da mão para dentro 4. Estágio entre o final da varredura para fora e o início da recuperação Recuperação da braçada 1. O cotovelo deixa a água em 1º lugar 2. Palma da mão para dentro até a linha do ombro 3. Palma da mão projeta-se para fora 4. O polegar inicia um novo ataque a água 26

27 Fases da braçada Velocidade de nado 27

28 Sincronização dos braços 1. Enquanto um dos braços entra na água o outro ainda esta completando a varredura para dentro 2. A varredura para baixo só começa com o término da varredura para cima do braço oposto Propulsão e flutuação/sustentação Um corpo que se move através de um fluido sente uma força que pode ser dividida em duas componentes perpendiculares: o arrasto e a sustentação. O arrasto aponta na direção oposta à velocidade do corpo em relação ao meio, e a sustentação (quando existe) tem direção perpendicular à essa velocidade. Força de sustentação: decorre da diferença de pressão gerada pela maior velocidade de escoamento no lado externo da mão. 28

29 Propulsão e flutuação/sustentação Forças de arrasto e sustentação sobre um avião em vôo. Propulsão e flutuação 29

30 Propulsão e flutuação Pernada do nado crawl 30

31 Pernada do nado crawl Pernada para baixo Movimento parecido com uma chicotada, começa com a flexão do quadril, seguida por extensão do joelho Pernada para cima O início da pernada para cima sobrepõe-se ao final da pernada para baixo precedente, para que seja superada a inércia da mudança de direção das pernas de baixo para cima Pernada de adejamento Movimentos diagonais Ritmo das pernadas no nado crawl Ritmo de pernadas refere-se ao número de pernadas por ciclo de braços (duas braçadas) - Pernada de 02 tempos - Pernada de 04 tempos - Pernada de 06 tempos a sincronização favorece o rolamento do corpo e, desta forma, o alinhamento do corpo. 31

32 Erros comuns no nado crawl Recuperação e entrada I. Uso demasiado de esforço: Arrasto de onda II. Balanço do braço sobre a água com movimentos baixos e amplos: Projeção lateral dos quadris para os lados Recuperação e entrada Erros comuns no nado crawl I. Ultrapassagem do ponto correto da entrada da mão na água: Arrasto de onda, força para baixo e projeção do quadril para cima II. A não chegada ao ponto certo: Projeção de água para frente e consequente perda de velocidade 32

33 Erros comuns no nado crawl Varredura para baixo I. Cotovelo caído: Força de propulsão para baixo II. Deslizar demasiadamente a mão para fora: Retardo no aguarre Varredura para dentro Erros comuns no nado crawl I. Empurrar a mão sem mudar sua direção II. Inclinar a mão cedo demais e com um ângulo excessivo 33

34 Erros comuns no nado crawl Varredura para cima I. Extensão do braço sem hiperestender o punho I. Exercício de alcance: Braços estendidos a frente, uma sobre a outra e em seguida realiza-se uma braçada por vez (concentra a atenção em um braço por vez) II. Educativos para o nado crawl Natação com um braço: Braços estendidos a frente, enquanto o outro realiza as braçadas (concentra a atenção em um braço por vez) III. Natação com um punho: Geralmente um dos braços (dominante) é mais propulsivo que o outro. Sendo assim, realiza-se o nado com o punho cerrado (mão dominante), para gerar uma melhor percepção e contribuição na braçada. IV. Arrasto dos dedos na água: Elevação do cotovelo V. Deslizamento dos polegares: Deslizar o polegar pelo seu corpo até próximo da axila (elevação do cotovelo) 34

35 Saídas Saída - Atletismo 35

36 Saída - Carpada Viradas 36

37 Virada - Pivô Virada - Grampo 37

38 Virada - Olímpica 1- Aula iniciante Aquecimento Parte principal Volta a acalma 200m Ida correndo e volta mergulhando 600m 200m (50m, perna de crawl, c/ respiração frontal e c/prancha e 50m, braçada unilateral c/ respiração lateral) 200m (nado crawl) 200m (braço de crawl) Alongamento na borda da piscina 38

39 2 - Aula iniciante Aquecimento Parte principal Volta a acalma 200m livre 600m 200m (respiração bilateral) 200m (Educativo Toque no ombro) 200m (Perna de crawl) 200m (ida mergulhando e volta nado crawl) 3 - Aula iniciante Aquecimento Parte principal Volta a acalma 300m Crawl (aumentando a intensidade a cada 100m) 800m 400m (respiração progressiva, somente nas braçadas pares) 200m (Educativo punho fechado) 200m (nado crawl solto) 200m (apneia) 39

40 4 - Aula iniciante Aquecimento Parte principal Volta a acalma 10 minutos Ida nado crawl Volta respirando para lado não dominatne 900m 300m (melhor tempo) 300m (crawl com poliboia) 300m (30 acima do melhor tempo) 5 minutos flutuando com o spagueti 40

Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000)

Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000) Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista a objetivos específicos (Ferreira, 2000) Ensinar é a capacidade de estar atento e de utilizar as possíveis

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL

ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL ASPECTOS TÉCNICOS DO NADO CRAWL MÉTODOS DE ENSINO OBJETIVOS É indispensável que o professor apresente recursos didáticos, e contemplados nos métodos de ensino. Assim o professor conduz a aprendizagem com

Leia mais

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl

Unidade II. Unidade II. Técnica do Nado Crawl Posicionamento do corpo Permanece na horizontal em decubito ventral, realizando movimentos de rolamentos laterais, em seu eixo longitudinal. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água,

Leia mais

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca)

NATAÇÃO. Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NATAÇÃO Prof. Esp. Tiago Aquino (Paçoca) NADO CRAWL Nado Livre Significado Rastejar História do Nado Crawl Até 1844, era realizado com uma braçada de peito executado na lateral do corpo com batimentos

Leia mais

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito

Unidade IV. Unidade IV. Técnica do Nado Peito Técnica da pernada 1. A pernada de peito requer uma boa flexibilidade, Já que, para um bom posicionamento dos pés, no momento da flexão máxima das pernas e no decorrer da extensão, é necessário realizar

Leia mais

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS *

POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DE COSTAS * Autor: Antônio Hernández Tradução: Leonardo de A. Delgado POSIÇÃO DO CORPO A cabeça se manterá de maneira que a superfície da água esteja ao nível da nuca

Leia mais

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta

Unidade V. Técnica do Nado Borboleta Posicionamento do corpo O corpo permanece na horizontal em decubito ventral, e caracteriza-se por ações simultâneas de braços e pernas. Posicionamento da cabeça O rosto fica em contato com a água, mantendo-se

Leia mais

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo

Hidrodinâmica Arrasto Resistivo Hidrodinâmica Hidrodinâmica Estudo dos corpos em movimento na água ou em fluídos em movimento. Na natação a hidrodinâmica oferece conhecimentos para a aplicação dos elementos de propulsão e resistência,

Leia mais

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo:

MOVE NATAÇÃO. Treino 1 intermediário. Objetivo: Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração. 400 metros sendo: MOVE NATAÇÃO Treino 1 iniciante Treino 1 intermediário Treino 1 avançado Condicionamento cardiorrespiratório e controle da respiração 75 metros crawl 25 metros perna de crawl 4x Condicionamento cardiorrespiratório

Leia mais

Técnicas dos nados culturalmente determinados

Técnicas dos nados culturalmente determinados Técnicas dos nados culturalmente determinados NADOS CRAWL E COSTAS NADO CRAWL CRAWL POSIÇÃO DO CORPO EM DECÚBITO VENTRAL O CORPO PERMANECE O MAIS HORIZONTAL POSSÍVEL REALIZANDO MOVIMENTOS DE ROLAMENTOS

Leia mais

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros

TÉCNICA DE MARIPOSA. Características técnicas Erros TÉCNICA DE MARIPOSA Características técnicas Erros Equilíbrio dinâmico (I) corpo tão horizontal quanto possível durante as fases propulsivas da braçada; (ii) bacia para cima e frente durante a AD do 1º

Leia mais

Piscina Olímpica. Piscina curta 10/04/2015. Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog)

Piscina Olímpica. Piscina curta 10/04/2015. Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog) Prof. Esp. Dagnou Pessoa de Moura (Dog) Piscina Olímpica Comprimento:50 metros Largura: 25 metros Número de raias: 8 Largura das raias: 2,5 metros Temperatura da água: 25 C a 28 C Intensidade da luz: >1500

Leia mais

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito.

Velocidade e aceleração durante um ciclo de braçadas no nado peito. Física da Natação Anderson Johnson Licenciatura i em Física - UFRJ Orientador Carlos Eduardo Aguiar IF - UFRJ Introdução / Objetivos Apresentamos uma coletânea de tópicos de Física presentes na prática

Leia mais

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO

NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO NATAÇÃO ESTILO CRAWL: UMA SUGESTÃO DE ENSINO PARA FACILITAR O APRENDIZADO DAS AULAS DE NATAÇÃO Educação e produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Alessandro de Oliveira 1 Luciano Acordi da Silva

Leia mais

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física NOME: MATRÍCULA Nº DATA NASCIMENTO: / / IDADE: CID: DATA 1ª AVALIAÇÃO: / / DATA 3ª AVALIAÇÃO: / / DATA 5ª AVALIAÇÃO: / / DATA 2ª AVALIAÇÃO: / / DATA 4ª AVALIAÇÃO: / / DATA 6ª AVALIAÇÃO: / / A avaliação

Leia mais

APRENDER O REAL RITA PINTO

APRENDER O REAL RITA PINTO APRENDER O REAL RITA PINTO MUNDOHIDRO_RITAPINTO@YAHOO.COM INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA COMO PROFESSOR O QUE PENSO SOBRE OS PAIS? Aqueles pais espetaculares Que pais stressados Não percebem nada do que eu digo

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo AFOGAMENTO Afogamento é a aspiração de líquido, causado por submersão. Infelizmente, é uma ocorrência constante e recorrente. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),

Leia mais

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS

LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS LEONARDO DE A. DELGADO. APERFEIÇOAMENTO DO NADO COSTAS 2006 Índice 1 DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES... 3 2 POSIÇÃO DO CORPO... 3 3 POSIÇÃO DA CABEÇA... 3 4 AÇÃO DOS BRAÇOS... 4 4.1 Fase Área... 4 4.1.1 Recuperação...

Leia mais

Prova Avaliativa Natação

Prova Avaliativa Natação Nome: Data: / / Prova Avaliativa Natação 1- De acordo com o material, informe quais são os aspectos principais trabalhados na natação infantil? A - Desenvolver habilidades de salvamento; B - Desenvolvimento

Leia mais

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas

Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas Adapação ao meio aquático: Conceitos para a iniciação a atividades aquáticas O que significa adaptação ao meio liquídio (aquático): Fase preparatória para aprendizagem seguinte, deve proporcionar relação

Leia mais

Natação para Bebés. Nas aulas de B6 (dos 6 aos 11 meses) o seu bebé é desafiado a

Natação para Bebés. Nas aulas de B6 (dos 6 aos 11 meses) o seu bebé é desafiado a segurança, a independência e melhora a capacidade relacional da criança mesmo nesta idade precoce. O seu bebé está a aprender sobre o mundo de diferentes maneiras, usando a sua crescente capacidade de

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Conceitos e curiosidades da Natação

Conceitos e curiosidades da Natação Conceitos e curiosidades da Natação Problemas de bordo de piscina Susana Maria Soares Ribeiro 1. Partida de bloco A partida de bloco obedece às seguintes vozes : apito mais longo, aos seus lugares, apito

Leia mais

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia

Promover o equilíbrio em posição horizontal e Procurar um aumento da duração da apneia /NATAÇÃO De acordo com o nível das crianças, elas serão enquadradas em diferentes grupos com diferentes monitores. Promovendo a aprendizagem coerente procuraremos que cada professor seja responsável por

Leia mais

K1 Técnica de remada inclinada

K1 Técnica de remada inclinada Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Local: ITAIPU Plano de aula:semana 41 Data: Turma: Faixa Verde Professor: Fundamento da Semana: Técnica de remada Objetivo Geral: Recursos

Leia mais

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR)

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) Puxar uma perna para o tronco 1 - Alongamento da região posterior da coxa:

Leia mais

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA ANTÓNIO ALEIXO INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 Despacho normativo nº1-a/2017 de 10 de fevereiro DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Ano de Escolaridade:

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização.

PROVA DE APTIDÃO FÍSICA. 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. PROVA DE APTIDÃO FÍSICA 1. Os Candidatos ao IPE devem executar as provas físicas abaixo descriminadas de acordo com as instruções de realização. 2. As provas devem ser executadas corretamente e avaliadas

Leia mais

Conteúdos Programáticos 8º ano

Conteúdos Programáticos 8º ano Conteúdos Programáticos 8º ano DOMINIO SOCIO-AFETIVO Comuns a todas as áreas: Participação: - É assíduo e pontual - Participa com empenho nas atividades propostas Regras de Disciplina e higiene - Tem hábitos

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional.

Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Projeto Meninos do Lago Núcleo de Iniciação Itaipu Binacional. Plano de aula: Semana7/14/21/ 27/45 Professor (a): Fundamento da Semana: Objetivo Geral: Recursos Materiais: Turma: Faixa Verde CORREDEIRA

Leia mais

Formação de Árbitros Natação

Formação de Árbitros Natação Formação de Árbitros Natação O árbitro é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, no caso quando

Leia mais

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA ANEXO V AO EDITAL CBMERJ Nº 001/2015 TESTE DE CAPACIDADE FÍSICA E TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA Os Teste de Capacidade Física e de Habilidade Específica têm o objetivo de selecionar os candidatos cuja

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I SALTO EM ALTURA COLCHÃO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I SALTO EM ALTURA COLCHÃO SALTO EM ALTURA 1. Regras básicas do Salto em Altura FASQUIA POSTE COLCHÃO A prova do salto em altura disputa-se numa zona específica da pista de atletismo, e necessita de uma zona de balanço, um colchão

Leia mais

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos 1 Plano de Aula Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Hora: 10:20h 11h50 Duração: 90 (72 ) Espaço: Salão Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - REGULAMENTO ESPECÍFICO - NATAÇÃO - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Natação realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Bem-vindos! Ao HIDROESPORTE

Bem-vindos! Ao HIDROESPORTE INICIAÇÃO Bem-vindos! Ao HIDROESPORTE Ms. Nino Aboarrage Pós Graduado em Treinamento Desportivo (UNIMEP) SP Pós Graduado em Fisiologia do exercícios (UNIFESP) SP Mestre em Motricidade Humana (UCB) RJ Professor

Leia mais

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé

Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Massagem Shantala Método de massagem para o bebé Preparativos Para a massagem você vai precisar de: - um produto emoliente (como óleo), de uso exclusivo infantil e dermatologicamente testado pode ser óleo

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE NATAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Calendarização... 3 3. Escalões Etários... 3 4. Competições... 3 4.1. Quadro de provas... 3 4.2. Inscrição... 5 4.3. Classificação... 5 4.4.

Leia mais

TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional

TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional TEMA 3: Natação Formativa e iniciação competitiva aspectos profissionais, pedagógicos, sobrevivência aquática e organizacional Palestrante: prof. William Urizzi REFLEXÃO O BOM ATLETA É AQUELE QUE DESEJA

Leia mais

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa

Exercícios para Perder Barriga em Casa. OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa Exercícios para Perder Barriga em Casa OS 10 Exercícios para Perder Barriga em Casa A construção de uma barriga tanquinho é um sonho para todos. Ele é um dos objetivos principais entre os homens e mulheres.

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO NOTA: Com a apresentação deste texto, da autoria e responsabilidade do Director Técnico Regional (professor José Costa) pretende-se contribuir para auxiliar os professores com maiores dificuldades de Planificação

Leia mais

Adaptação ao Meio Aquático?

Adaptação ao Meio Aquático? CURSO DE NATAÇÃO ADAPTADA Janeiro 2011 Adaptação ao Meio Aquático Nelson Gomes Adaptação ao Meio Aquático? O conceito de adaptação ao meio aquático, usualmente, identifica se com a 1ª fase da formação

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais

Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais 12/10/2014 Os Estilos de Nados Estilos e Características Gerais Os Estilos Nado Livre (Crawl) Modalidade Olímpica Praticado bem antes do aparecimento da civilização O estilo mais utilizado e mais rápido

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA

DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DA CRIANÇA Maria Edmir Maranhão Padrão motor: é uma série de movimentos

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

Regulamento Específico Natação.

Regulamento Específico Natação. Regulamento Específico Natação Http://www02.madeira-edu.pt/dre Regulamento Específico Natação 2013-2014 Índice 1. INTRODUÇÃO...3 2. PARTICIPAÇÃO...3 3. ESCALÕES...3 4. INSCRIÇÕES...3 5. COMPETIÇÕES...4

Leia mais

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção Affordance A adaptação do homem ao seu envolvimento está normalmente associada a processos de apreciação e percepção das características dos diferentes objectos que o rodeiam: 1 se uma superfície/estrutura

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

Complexo Desportivo Paulo Pinto Rua de Ribes S. João da Madeira Telef E.mail:

Complexo Desportivo Paulo Pinto Rua de Ribes S. João da Madeira Telef E.mail: PROGRAMA ESCOLA DE NATAÇÃO 2013 2014 NATAÇÃO PARA BEBÉS Este processo é caracterizado como uma adaptação a um meio novo, com uma afectividade e desenvolvimento integrador, e não de aprendizagem das técnicas

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas:

A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: A natação é uma modalidade que engloba quatro disciplinas: NATAÇÃO a disciplina de natação pura desportiva (modalidade individual); a disciplina de pólo-aquático (jogo desportivo colectivo); a disciplina

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

REGULAMENTO E GUIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL DE ABERTURA DA ANM

REGULAMENTO E GUIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL DE ABERTURA DA ANM a REGULAMENTO E GUIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO FESTIVAL DE ABERTURA DA ANM I FESTIVAL MADEIRA A NADAR FESTIVAL DE NATAÇÃO Funchal, 4 de Novembro de 2017 Complexo Piscinas Olímpicas do Funchal / PISCINA DE 25

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Amadora 3 ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015. Plano de aula

Agrupamento de Escolas da Amadora 3 ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015. Plano de aula Parte Introdutória Plano de aula Etapa: 4ª Etapa Unidade de Ensino: 12ª UE Aula nº: 53 e 54 Ana Lares Data: 11/05/2015 14/05/2015 Turma: 7ºano Duração da aula: 45 90 Nº previsto de alunos: 28 Material:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara

Escola de Salto com Vara de Leiria. Princípios do salto com vara Princípios do salto com vara Caros amigos treinadores e atletas, Nesta breve exposição sobre os princípios do salto com vara pretendo expor o que entendo serem os princípios básicos do salto com vara.

Leia mais

Aptidão física e saúde

Aptidão física e saúde Aptidão física e saúde A aptidão física pode ser interpretada segundo duas perspetivas: aptidão física associada à saúde e aptidão física associada ao rendimento desportivo. Conceitos fundamentais Saúde

Leia mais

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO

ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA ESTUDOS TÉCNICOS DE NATAÇÃO Prevalência do Erro Técnico em Nadadores Pré Juniores de Nível Nacional Orientador: Mestre Luís Rama

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL *

TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * TÉCNICA DE NATAÇÃO POSIÇÃO, COORDENAÇÃO E RESPIRAÇÃO DO CRAWL * Autor: J. Antonio Hernández 1 POSIÇÃO DO CORPO Em todos os estilos de natação as posições do corpo têm de ser a mais hidrodinâmicas possíveis.

Leia mais

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves 2012 PLANEJAMENTO DE TRABALHO PERIODIZAÇÃO Periodização é o planejamento geral do tempo disponível para o treinamento, de acordo com as

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

SALTO EM COMPRIMENTO

SALTO EM COMPRIMENTO SALTO EM COMPRIMENTO 1. Regras Básicas do Salto em Comprimento Caixa de areia Corredor de Balanço Tábua de Chamada A prova do salto em comprimento disputa-se na pista de atletismo numa zona específica

Leia mais

EMAD - 1. Dia 1 Data / / / / / / / Método de circuíto Set 1 1 x Set 2 2 x Set 3 3 x Set 4 Set 5 Observação

EMAD - 1. Dia 1 Data / / / / / / / Método de circuíto Set 1 1 x Set 2 2 x Set 3 3 x Set 4 Set 5 Observação Plano de treino Meta Data de início Instruções Forma Perder peso e modelar Hora 5 EMAD - 1 Data de m Treino ABC, 5x para redução da % de gordura Dia 1 Data / / / / / / / Método de circuíto 1 x 2 x 3 x

Leia mais

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015 Parte Introdutória ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA 2014/2015 Etapa: 3ª Etapa Unidade de Ensino:10ª UE Aula nº: 64-65,66 Professor: Bernardo Tavares Data: 13/04/2015 + 16/04/2015 Turma: 7 Nº previsto

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA MILITAR

Leia mais

Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso. Prof. Dra. Bruna Oneda

Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso. Prof. Dra. Bruna Oneda Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso Prof. Dra. Bruna Oneda Exercícios Físicos Estimular de maneira equilibrada todos os sistemas corporais. Trabalhar postura, equilíbrio

Leia mais

Recomendações e orientações para a prática de exercícios. Prof. Dra. Bruna Oneda

Recomendações e orientações para a prática de exercícios. Prof. Dra. Bruna Oneda Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso Prof. Dra. Bruna Oneda Exercícios Físicos Estimular equilibradamente todos os sistemas corporais. Trabalhar postura, equilíbrio

Leia mais

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento plurianual Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento de longo prazo Procedimento determinante na formação de um atleta de alto desempenho É comum estruturações de treinamentos

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

A Estrutura Musical. É a unidade métrica em que se divide a música formado por tempos agrupados.

A Estrutura Musical. É a unidade métrica em que se divide a música formado por tempos agrupados. A Estrutura Musical Compasso É a unidade métrica em que se divide a música formado por tempos agrupados. Binário: 2 tempos Ternário: 3 tempos Quaternário: 4 tempos O 1º tempo de cada compasso é o mais

Leia mais

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006

COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA COPEL CONCURSO PÚBLICO N.º 02/2006 TESTES DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO I, FUNÇÃO DE ELETRICISTA APRENDIZ INFORMAÇÕES GERAIS : 1. TESTES DE APTIDÃO

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil.

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Senhores pais ou responsável: Iremos iniciar as matrículas das atividades extracurriculares. INÍCIO DAS

Leia mais

CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PSICOMOTRICIDADE CORPO E MOVIMENTO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PROF. MS. GUSTAVO ROBERTO DE GODOY Introdução Séc XIX Neurologia Dupré (1920) Psicomotricidade Desenvolvimento motor e intelectual Importanterecurso

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA FEDERAL

Leia mais

PI Instrução inicial: Exercícios/ Objectivos

PI Instrução inicial: Exercícios/ Objectivos 5º Unidade de Ensino 21.01 a 15.02 10 Aulas Professor Estagiário: João Santos Turma: 7º B Objectivos : Gestão rotinas organizativas; Desenvolvimento competências de instrução e questionamento; Garantir

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 EMENTA A disciplina estuda a Natação em ambiente escolar,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais