UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO FABIO MIGUEL JUNGES A GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA A PROMOÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO NO SETOR DE TI DO RIO GRANDE DO SUL São Leopoldo 2011

2 2 FABIO MIGUEL JUNGES A GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA A PROMOÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO NO SETOR DE TI DO RIO GRANDE DO SUL Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós- Graduação em Administração de Empresas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Orientador: Prof. Dr. Cláudio Reis Gonçalo São Leopoldo 2011

3 3 Ficha catalográfica J95g Junges, Fábio Miguel A gestão do conhecimento para a promoção do desempenho organizacional : um estudo no setor de TI do Rio Grande do Sul / por Fabio Miguel Junges f. : il., 30cm. Dissertação (mestrado) Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Administração, Orientação: Prof. Dr. Cláudio Reis Gonçalo. 1. Gestão do conhecimento. 2. Vantagem competitiva. 3. KIBS. 4. Tecnologia da informação. I. Título. Catalogação na Fonte: Bibliotecária Vanessa Borges Nunes - CRB 10/1556 CDU 658:004

4 4 FABIO MIGUEL JUNGES A GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA A PROMOÇÃO DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO NO SETOR DE TI DO RIO GRANDE DO SUL Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós- Graduação em Administração de Empresas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Aprovado em 31 de março BANCA EXAMINADORA Prof a. Dr a. Gabriela Silveira Fiates UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA Prof a. Dr a. Amarolinda Zanela Saccol UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Prof. Dr. Ivan Lapuente Garrido UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

5 5 Dedico este trabalho aos meus pais, que incondicionalmente estiveram ao meu lado e me apoiaram em todas as decisões e desafios da minha vida. Esta conquista também é de vocês.

6 6 AGRADECIMENTOS - À minha esposa Marinei Carvalho, por ser uma mulher forte, autêntica e intensa na nossa relação, e por demonstrar um amor profundo e uma dedicação singular; - Ao Prof. orientador Cláudio Gonçalo, pela dedicação e empenho na realização deste trabalho, e por ter se tornado um grande amigo ao longo desses últimos anos. A sutileza e a profundidade de seus ensinamentos foram fundamentais são só para a conclusão do mestrado, mas também para a definição dos próximos capítulos dessa caminhada; - Aos meus pais, de quem eu recebi apoio em todos os momentos da minha vida. Serei eternamente grato por ter recebido de vocês essa integridade de caráter; - Às pessoas da minha família que estão tão próximas, minha irmã Deisi, o Eduardo, a Fernanda e a Sara, mas que parecem tão distantes. Sou grato pelo carinho e também compartilho com vocês essa conquista; - À toda a minha equipe de trabalho, com quem compartilhei desafios e aprendizados, e por fazerem parte da realização deste projeto de vida; - Aos meus sócios Rodrigo e Robertson, com quem compartilho as responsabilidades de aprender, de empreender, e de dividir os desafios do mundo corporativo; - Aos meus colegas do mestrado, aos que se tornaram amigos, e aos que ficarão na lembrança. Todos fazem parte e contribuíram nessa caminhada; - À todos os professores do Programa de Pós-Graduação em Administração da Unisinos, e a todos que fazem parte da estrutura que nos foi oferecida durante o mestrado; - Agradeço também ao apoio das entidades que apoiaram a realização desse projeto, às empresas que participaram da pesquisa, e às pessoas que de alguma forma, direta ou indiretamente, contribuíram para a conclusão deste trabalho.

7 7 RESUMO Organizações de serviços intensivas em conhecimento (KIBS) operam nos setores mais dinâmicos da sociedade e englobam uma série de subsetores da economia, entre os quais o de tecnologia da informação (TI). Essas organizações são assim classificadas por terem no conhecimento sua principal matéria-prima e porque frequentemente é ele o próprio produto final de suas operações. A gestão do conhecimento (GC) se apresenta neste contexto como um elemento estratégico que pode contribuir para o desenvolvimento dessas organizações, seja através da geração de vantagem competitiva, da inovação ou do desenvolvimento de competências individuais e organizacionais. Esta pesquisa insere-se no campo das estratégias organizacionais baseadas em recursos (RBV) e tem como objetivo identificar como a GC pode ser estruturada para promover o desempenho em organizações de serviços intensivas em conhecimento, focando a análise nas organizações do setor de TI do Rio Grande do Sul. Propôs-se uma modelo conceitual a partir da revisão teórica e da realização de uma etapa de investigação exploratória, estruturada por meio de um estudo de caso em uma organização do setor de TI. O modelo conceitual sugere que a GC pode ser um dos fatores de promoção do desempenho organizacional, e que os seus efeitos podem ser verificados a partir de três dimensões de negócio: (1) relacionamentos externos de negócio, (2) competência em inovação, e (3) estruturas e relacionamentos internos. Realizou-se uma survey para verificação empírica desse modelo, e uma base de dados com 811 organizações do setor de TI do RS foi consolidada. Uma escala foi criada e validada especificamente para a realização dessa pesquisa, cuja etapa final de coleta de dados foi concluída com uma amostra composta por 222 respondentes. Como técnica estatística, utilizou-se a modelagem de equações estruturais (MEE), e os testes realizados validaram o modelo conceitual e confirmaram as hipóteses de pesquisa definidas. Os resultados indicam que a GC é um dos fatores na promoção do desempenho em organizações de serviço intensivas em conhecimento, e que seus efeitos podem ser observados a partir das três dimensões de negócio definidas. Destacaram-se como elementos facilitadores para o desenvolvimento da GC a cultura, a tecnologia da informação, a estrutura organizacional e o foco no desenvolvimento de competências. Verificou-se, também, que os estudos empíricos que relacionam a GC com o desempenho organizacional ainda são incipientes, especificamente os que investigam essa relação em organizações de pequeno e médio porte. Sugere-se, portanto, estudos complementares que avancem na compreensão dos elementos relacionados à GC que podem promover a geração de vantagem competitiva e desempenho superior. Palavras-chave: Gestão do Conhecimento. KIBS. Vantagem Competitiva. Tecnologia da Informação.

8 8 ABSTRACT Knowledge-intensive business services (KIBS) operate in the most dynamic sectors of society and involve a number of sub-sectors of the economy, including the information technology (IT). They are so classified because they have knowledge as their main raw material, and often knowledge is the end product of their operations. Knowledge management (KM) is presented here as a strategic element that can contribute to the development of these organizations, either through the generation of competitive advantage, innovation, or development of individual and organizational competencies. This research belongs to the field of organizational strategies based on resources, and it aims at identifying how KM can be structured to promote performance in organizations of knowledge-intensive services, focusing on organizations in the IT sector in RS. We proposed a conceptual model from the literature review and by conducting an exploratory stage of research, in the form of a case study in an organization in the IT market. The conceptual model suggests that KM can be one of the factors contributing to organizational performance, and that its effects can be perceived on three dimensions of business: external business relationships, internal structures and relationships, and competence in innovation. We conducted a survey in order to verify this model empirically, and we consolidated a database with 811 organizations in the IT sector of the RS. A scale was created and validated specifically for the purposes of this survey, whose final stage of data collection was completed with a sample of 222 respondents. We have used the statistical technique of structural equation modeling (SEM), and tests have validated the conceptual model and confirmed the research hypotheses set. The results indicate that KM is a factor in promoting the performance of service organizations in knowledge-intensive, and that its effects can be observed from the three business set. The following have stood out as the enablers for the development of KM: culture, information technology, organizational structure, and focus on skill development. We also concluded that the empirical studies relating KM with organizational performance are still incipient, specially those investigating this relationship in small and medium organizations. Therefore, we suggest further studies to advance the understanding of the elements related to KM that can promote the generation of competitive advantage and superior performance. Key-words: Knowledge Management. KIBS. Competitive Advantage. Information Tecnology.

9 9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Delimitação do tema de pesquisa Figura 2 Estrutura geral da pesquisa Figura 3 Modelos tradicionais de formulação de estratégias Figura 4 RBV: modelo de vantagem competitiva Figura 5 Análise de estratégia sob a ótica da RBV Figura 6 Relação recursiva entre dados, informação e conhecimento Figura 7 Modelo SECI de conversão do conhecimento Figura 8 Conceito de BA Figura 9 GC segundo Gonçalo e Jacques Figura 10 Etapas da GC segundo Bhatt Figura 11 Processos de GC segundo Alavi e Leidner Figura 12 GC integrada segundo Wiig Figura 13 Estratégia de conhecimento versus capacidade Figura 14 Perspectiva organizacional de estratégia do conhecimento Figura 15 Modelo de GC de Sveiby Figura 16 Modelo de GC e domínios de valor segundo Allee Figura 17 GC e desempenho segundo Gold, Malhotra e Seagars Figura 18 EVA: modelo de mensuração dos ativos intangíveis Figura 19 Modelo de avaliação Skandia Navigator Figura 20 Dimensões de avaliação do Skandia Navigator Figura 21 Modelo de avaliação COST Figura 22 Componentes do capital intelectual Figura 23 Modelo de maturidade da GC Figura 24 Áreas-chave do modelo de maturidade da GC Figura 25 Círculo virtuoso da interação entre KIBS e PMEs Figura 26 GC e desempenho organizacional segundo Keskin Figura 27 Estratégias de GC segundo Choi e Lee Figura 28 GC e desempenho organizacional segundo Paliszkiewicz Figura 29 GC e desempenho organizacional segundo Marqués e Simón Figura 30 Dimensões da GC segundo Kalling... 92

10 10 Figura 31 GC e desempenho organizacional segundo Zack, McKeen e Singh Figura 32 GC e desempenho organizacional segundo Darroch Figura 33 GC e desempenho organizacional segundo Adams e Lamont Figura 34 GC e desempenho organizacional segundo Tseng Figura 35 GC e desempenho organizacional segundo Gold, Malhotra e Seagars Figura 36 GC e desempenho organizacional segundo Lee e Choi Figura 37 Modelo de GC segundo Lee e Choi Figura 38 GC e desempenho organizacional segundo Zheng, Yang e McLean Figura 39 GC e desempenho organizacional segundo Chen e Mohamed Figura 40 GC e desempenho organizacional segundo Lim e Kuo Figura 41 Estrutura geral da metodologia de pesquisa Figura 42 Processo de GC segundo Alavi e Leidner Figura 43 Modelo conceitual da pesquisa Figura 44 Análise do modelo conceitual de pesquisa Figura 45 Modelo conceitual e hipóteses de pesquisa Figura 46 Diagrama de caminhos do modelo de avaliação Figura 47 Diagrama de caminhos e cargas fatoriais

11 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Constructos teóricos e autores pesquisados Tabela 2 Conceitos de gestão do conhecimento Tabela 3 Indicadores de GC sugeridos pela BSI Tabela 4 Indicadores de GC sugeridos pela IMC Tabela 5 Indicadores de GC sugeridos pelo CMA Tabela 6 Perspectivas do modelo Skandia Navigator Tabela 7 Indicadores de GC sugeridos pelo Skandia Navigator Tabela 8 Perspectivas e questões do modelo COST Tabela 9 Modelo de avaliação Technology Broker Tabela 10 Indicadores de GC sugeridos por Sveiby Tabela 11 Modelos de níveis de maturidade de GC Tabela 12 Comparação dos modelos de avaliação da GC Tabela 13 Classificação de KIBS segundo Miles Tabela 14 Classificação de KIBS segundo NACE Tabela 15 Dimensões e perspectivas de GC Tabela 16 Constructos associados ao processos de GC Tabela 17 Análise empírica da relação entre GC e desempenho organizacional Tabela 18 Modelos de GC e desempenho organizacional Tabela 19 Classificação das atividades do setor de TI Tabela 20 Descrição das empresas participantes da etapa exploratória Tabela 21 Análise comparativa da etapa exploratória Tabela 22 Caracterização do perfil dos entrevistados Tabela 23 Análise do estudo de caso Tabela 24 Estrutura metodológica da pesquisa Tabela 25 Descrição das empresas: etapa exploratória Tabela 26 Contribuições da etapa de validação de conteúdo e de variáveis Tabela 27 Primeira etapa de pré-teste Tabela 28 Segunda etapa do pré-teste Tabela 29 Etapa final de coleta de dados Tabela 30 Dimensões do modelo conceitual

12 12 Tabela 31 Hipóteses da pesquisa Tabela 32 Análise estatística da primeira etapa de pré-teste Tabela 33 Análise estatística da segunda etapa de pré-teste Tabela 34 Composição da amostra da pesquisa Tabela 35 Índices de ajustamento utilizados na MEE Tabela 36 Análise fatorial confirmatória: constructo relacionamentos de negócio Tabela 37 Análise fatorial confirmatória: constructo estruturas internas Tabela 38 Análise fatorial confirmatória: constructo competência em inovação Tabela 39 Análise fatorial confirmatória: constructo gestão do conhecimento Tabela 40 Análise fatorial confirmatória: constructo desempenho organizacional Tabela 41 Análise fatorial confirmatória dos constructos Tabela 42 Análise da validade discriminante Tabela 43 Análise de multicolinearidade Tabela 44 Análise do Alpha de Cronbach Tabela 45 Demografia das empresas respondentes Tabela 46 Índices finais de ajustamento do modelo Tabela 47 Cargas fatoriais padronizadas do modelo Tabela 48 Cargas fatoriais resultantes dos indicadores de cada constructo Tabela 49 Comparação de médias: GC e desempenho organizacional Tabela 50 Comparação de médias: constructo relacionamentos de negócio Tabela 51 Comparação de médias: constructo estruturas e relacionamentos internos Tabela 52 Comparação de médias: constructo competência em inovação Tabela 53 Comparação de médias dimensões de negócio e GC Tabela 54 Nível médio de GC por grupo de empresas Tabela 55 Comparação de média de GC versus número de colaboradores Tabela 56 Resultados das hipóteses de pesquisa

13 13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Número de empresas da IBSS no Brasil Gráfico 2 Concentração das empresas e receita líquida por região Gráfico 3 Número de empresas de TI no Rio Grande do Sul Gráfico 4 Participação relativa das empresas de TI na economia do RS Gráfico 5 Distribuição da IBSS em relação ao número de pessoas ocupadas Gráfico 6 Quantidade de pessoas empregadas em empresas de TI do RS Gráfico 7 Participação relativa do setor de TI no emprego do RS Gráfico 8 Percentual de empresas que implementaram inovações de 2003 a Gráfico 9 Distribuição da IBSS e brasileira em relação ao tempo de mercado Gráfico 10 Número de colaboradores da organização Gráfico 11 Receita anual da organização Gráfico 12 Segmento de atuação da organização Gráfico 13 Tempo de atuação da organização Gráfico 14 Área de atuação da organização Gráfico 15 Interesse em receber os resultados da pesquisa

14 14 LISTA DE SIGLAS AFC Análise Fatorial Confirmatória ASSESPRO Associação das Empresas de Processamento de Dados do RS BSC Balanced Scorecard BSI British Standards Institute CEMPRE Cadastro Central de Empresas CGI Comitê Gestor da Internet CMM Capability Maturity Model CMMI Capability Maturity Model Integration CLT Consolidação das Leis Trabalhistas CMA Canadian Management Accountants CNAE Cadastro Nacional de Atividades Econômicas COST Customer, Organization, Supplier, Technology EFQM European Foundation for Quality Management EVA Economic Value Added FEE Fundação de Estudos Estatísticos GC Gestão do Conhecimento IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBSS Indústria Brasileira de Software e Serviços IMC Intellectual Management Group KIBS Knowledge Intensive Business Services KMCA Knowledge Management Capital Assessment KMMM Knowledge Management Maturity Model KMPI Knowledge Management Process Indicator MCT Ministério de Ciência e Tecnologia MEE Modelagem de Equações Estruturais MPE Micro e Pequena Empresa MVA Market Value Added OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico PDA Personal Digital Assistants PAS Pesquisa Anual de Serviços

15 15 PIB Produto Interno Bruto PINTEC Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica PMI Project Management Institute RAIS Relação Anual de Informações Sociais RBV Resource Based View SEI Software Engineering Institute SEPIN Secretaria de Política de Informática SEPRORGS Sindicato das Empresas de Processamento de Dados do RS TI Tecnologia da Informação

16 16 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DELIMITAÇÃO DO TEMA E DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos ABORDAGENS TEÓRICAS E DIAGRAMA DA PESQUISA RELEVÂNCIA DA PESQUISA ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO DA PESQUISA REFERENCIAL TEÓRICO ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL RBV Resource Based View GESTÃO DO CONHECIMENTO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS Estratégias de Conhecimento Modelos de Avaliação da Gestão do Conhecimento O modelo de avaliação Skandia Navigator O modelo de avaliação COST O modelo de avaliação Technology Broker O modelo de avaliação de Sveiby KMMM: knowledge management maturity model Comparação entre os modelos de avaliação da GC OPERAÇÕES DE SERVIÇOS INTENSIVAS EM CONHECIMENTO (KIBS) KIBS e a gestão do conhecimento KIBS e o processo de inovação DESEMPENHO ORGANIZACIONAL E A GESTÃO DO CONHECIMENTO Modelos de GC e desempenho organizacional Análise de modelos conceituais de GC e desempenho organizacional ESTUDO EXPLORATÓRIO: GC E DESEMPENHO ORGANIZACIONAL CARACTERIZAÇÃO DO SETOR DE TI DO RS ANÁLISE EXPLORATÓRIA EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE TI

17 A percepção dos entrevistados ESTUDO DE CASO: GC E DESEMPENHO ORGANIZACIONAL PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO E METODOLOGIA DE PESQUISA Pré-pesquisa Pesquisa Validação de conteúdo e de variáveis Relações institucionais Plano de amostragem da pesquisa Coleta de dados Pós-pesquisa O MODELO CONCEITUAL E A PESQUISA EMPÍRICA HIPÓTESES DE PESQUISA A relação entre a gestão do conhecimento e o desempenho organizacional A relação entre a gestão do conhecimento e as três dimensões de negócio Relacionamentos de negócio Estruturas e relacionamentos internos Desenvolvimento da competência em inovação O INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS Validação do instrumento de coleta PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA ANÁLISE DOS DADOS Preparação dos dados Análises estatísticas ANÁLISE DE RESULTADOS ADAPTAÇÃO E VALIDAÇÃO DAS ESCALAS O constructo relacionamentos de negócio O constructo estruturas e relacionamentos internos O constructo competência em inovação O constructo gestão do conhecimento O constructo desempenho organizacional Validade convergente, validade discriminante e multicolinearidade CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA DESEMPENHO ORGANIZACIONAL BASEADO EM CONHECIMENTO

18 Revisão do modelo conceitual e hipóteses de pesquisa Análise do modelo final ANÁLISE DESCRITIVA DAS HIPÓTESES DE PESQUISA A relação entre GC e desempenho organizacional A relação entre as dimensões de negócio e a GC Gestão do conhecimento e relacionamentos de negócio Gestão do conhecimento e estruturas e relacionamentos internos Gestão do conhecimento e competência em inovação ANÁLISES ESTATÍSTICAS COMPLEMENTARES CONFIRMAÇÃO DAS HIPÓTESES CONSIDERAÇÕES FINAIS OS MODELOS ESTRATÉGICOS E DE AVALIAÇÃO DA GC BARREIRAS E FACILITADORES PARA A ADOÇÃO DA GC ESTRUTURA DE GC PARA PROMOÇÃO DO DESEMPENHO ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE PESQUISA OBJETIVO GERAL E ANÁLISE DESCRITIVA DA PESQUISA EMPÍRICA IMPLICAÇÕES ACADÊMICAS IMPLICAÇÕES GERENCIAIS LIMITAÇÕES DA PESQUISA SUGESTÕES PARA PESQUISAS FUTURAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A ANÁLISE DE ASSIMETRIA E CURTOSE (PRÉ-TESTE 1) APÊNDICE B ANÁLISE DE ASSIMETRIA E CURTOSE (PRÉ-TESTE 2) APÊNDICE C ANÁLISE DE ASSIMETRIA E CURTOSE (FINAL) APÊNDICE D GRÁFICO DE DISPERSÃO APÊNDICE E MATRIZ DE CORRELAÇÃO DA PESQUISA ANEXO A PESQUISA EXPLORATÓRIA ANEXO B PESQUISA EXPLORATÓRIA: ESTUDO DE CASO ANEXO C SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA ESTUDO DE CASO ANEXO D SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO

19 ANEXO E INSTRUMENTO DE PESQUISA

20 20 1 INTRODUÇÃO O final do Século XX foi marcado por transformações na base da economia e na estrutura social, configurando um novo ambiente econômico em que o conhecimento passou a representar um ativo crítico para o desenvolvimento e para sustentabilidade das organizações (PRAHALAD; HAMEL, 1990; GRANT, 1991; DRUCKER, 1993; CASTELLS, 1999, ZACK; MCKEEN; SINGH, 2009). Nesse contexto, o conhecimento representa um recurso estratégico muitas vezes mais importante do que os ativos físicos da organização, delineando o que se caracteriza como a era do conhecimento. O conhecimento vem sendo reconhecido como uma das mais importantes fontes de vantagem competitiva e de desempenho sustentável, uma vez que recursos baseados em conhecimento são difíceis de imitar e socialmente complexos. Nesse cenário, observa-se que as empresas que passaram para o centro da economia mundial caracterizam-se mais pela criação e distribuição do conhecimento do que a produção de bens físicos (DRUCKER, 1993; TEECE, 2000; ALAVI; LEIDNER, 2001; KALLING, 2003). Castells (1999) define essa nova economia como informacional, global e em rede. Informacional porque a produtividade e a competitividade estão associadas ao uso eficiente do conhecimento; global porque as principais atividades produtivas e o consumo ocorrem em escala mundial; e em rede porque os sistemas que sustentam esta nova configuração estão interligados em uma estrutura tecnológica de redes baseada na internet. O conhecimento pode representar, portanto, um dos principais insumos do desenvolvimento sustentável das organizações, e diferente das revoluções anteriores em que o conhecimento era utilizado para agir sobre a tecnologia, agora são utilizadas novas tecnologias para agir sobre o conhecimento, ampliando o potencial deste recurso em criar valor e gerar desempenho superior nas organizações (CASTELLS, 1999). A busca pela vantagem competitiva sustentável está na base do conceito de estratégia, e implica no estabelecimento de um diferencial competitivo que não pode ser facilmente copiado pela concorrência, e que garanta retornos consistentemente superiores aos do setor (PORTER, 1985; BARNEY, 1991; GRANT, 1991). Na economia da era do conhecimento, o debate teórico sobre o desenvolvimento de vantagem competitiva sustentável tem se tornado mais relevante, e maior tem sido o destaque para a abordagem da visão estratégica baseada em recursos, a Resource Based View (RBV)

21 21 (PRAHALAD; HAMEL, 1990; BARNEY, 1991; GRANT, 1991), que contrapõe o modelo estratégico baseado na avaliação do ambiente externo para definir o posicionamento estratégico da organização (PORTER, 1985). A RBV define que a estratégia pode ser estabelecida a partir da identificação dos recursos críticos da organização, aqueles que são raros, de difícil replicação em outro contexto, reconhecidos e valorizados pelos clientes, e de difícil substituição. A gestão do conhecimento (GC) surge como opção estratégica no estabelecimento de alternativas teóricas e empíricas através de um conjunto de processos que incluem a criação, o armazenamento, a utilização e a distribuição do conhecimento na organização (DAVENPORT; PRUSAK, 1998; ALAVI; LEIDNER, 2001), que pode se apresentar na forma de conhecimento tácito, relacionado ao saber fazer, ou na forma de conhecimento explícito, representado em palavras, imagens ou números, e compartilhado na forma de manuais, documentos, padrões estabelecidos, entre outros (NONAKA; TAKEUCHI, 1997). As práticas de GC definem ações através das quais a organização cria seu próprio fluxo de informações e conhecimentos, criando um ambiente propício ao aprendizado organizacional, enquanto que os métodos de avaliação constituem a forma de controle dos resultados alcançados com o uso do conhecimento como recurso crítico para a criação de vantagem competitiva (TOBIN; VOLAVSEK, 2006). O debate teórico e empírico sobre a possível relação que há entre a GC e o desempenho atraiu pesquisadores pela relevância do estudo em estratégias organizacionais. Pesquisas empíricas validam a relação entre a GC e o desempenho organizacional, embora lacunas teóricas ainda indiquem a necessidade de pesquisas complementares (KALLING, 2003; DARROCH, 2005; MARQUÉS; SIMÓN, 2006; CHEN; MOHAMED; 2008; MOUSTAGHFIR, 2008). Esse debate se torna mais complexo devido à natureza multidimensional dos efeitos gerados pelas iniciativas relacionadas ao uso do conhecimento como recurso crítico, o que frequentemente limita a possibilidade de identificar a relação direta de causa e efeito entre uma ação de GC e uma dimensão específica do desempenho organizacional (LEE; CHOI, 2003; CARLUCCI; MARR; SCHIUMA, 2004). O impacto da GC no desempenho organizacional é mais intensamente percebido em organizações com foco em operações de serviços, que podem ser entendidas como uma resposta ao esgotamento do modelo produtivo que se estabeleceu no mundo até a metade do Século XX. A incapacidade de redução dos custos de produção, a rigidez das linhas de produção e a desaceleração do crescimento da produtividade foram sinais da necessidade de uma nova matriz estratégica e de operações (DRUCKER, 1993; GARTNER; ZWICKER;

22 22 RÖDDER, 2009), o que provocou o crescimento dos investimentos em tecnologia da informação como apoio para as operações baseadas em serviços, especialmente aquelas baseadas em conhecimento. Os estudos sobre as operações de serviços ganharam destaque a partir da década de 1990, e o aumento da importância dos serviços intensivos em conhecimento constitui uma das características da expansão do que compreende-se por economia do conhecimento (MULLER; ZENKER, 2001). O setor de serviços está diretamente ligado às principais transformações na estrutura da economia no final do Século XX, e aproximadamente 70% do PIB das principais economias mundiais advém de operações de serviços (MACHUCA; ZAMORA; ESCOBAR, 2006). As organizações intensivas em conhecimento 1 (KIBS) são definidas como organizações que realizam serviços em que há aplicação, desenvolvimento e combinação de vários tipos de conhecimentos sobre uma situação, problema ou contexto específico (DEN HERTOG, 2000; MULLER; ZENKER, 2001). Abordagens recentes em inovação e crescimento econômico enfatizam a relevância das KIBS na geração, disseminação e acumulação de conhecimento como fonte de recursos para o sistema econômico (MULLER; ZENKER, 2001; TOIVONEN, 2007; MULLER; DOLOREUX, 2009), e a capacidade de aprender, inovar, e a habilidade de direcionar esforços em inovação tem sido percebidos como determinantes no posicionamento relativo de organizações, regiões e países (ASLESEN; ISAKSEN, 2007). A análise teórica da pesquisa e a realização de uma etapa exploratória ofereceram sustentação para a proposição de um modelo conceitual, que foi testado com uma amostra de empresas do setor de TI do Rio Grande do Sul. Foram pesquisados os conceitos seminais de GC e analisados os principais modelos estratégicos teóricos para a gestão dos ativos baseados em conhecimento. Além disso, foram identificados os principais modelos de avaliação dos impactos da GC no desempenho das organizações, bem como pesquisada a literatura sobre as organizações intensivas em conhecimento. O modelo conceitual proposto sugere a interação entre três dimensões de negócio: (1) relacionamentos de negócio, (2) estruturas e relacionamentos internos, e (3) competência em inovação. O modelo utiliza como fundamentação conceitual as pesquisas teóricas em Allee (2000) e Sveiby (2001), adaptando-se a dimensão da competência em inovação a partir dos estudos teóricos sobre KIBS (MILES et al., 1995; MULLER; ZENKER, 2001; MULLER; DOLOREUX, 2009). Com o objetivo de explorar a relação entre a GC e o desempenho da 1 Em inglês KIBS: Knowledge Intensive Business Services.

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NÍVEL MESTRADO FABIO MIGUEL JUNGES GESTÃO DO CONHECIMENTO E A GERAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Gestão do Conhecimento, Operações de Serviço, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Gestão do Conhecimento, Operações de Serviço, Sustentabilidade. SUSTENTABILIDADE DEPENDE DA GESTÃO DO CONHECIMENTO? UMA ANÁLISE EM OPERAÇÕES DE SERVIÇO INTENSIVAS EM CONHECIMENTO DO SETOR DE TI DO RIO GRANDE DO SUL FABIO JUNGES UNISINOS CLAUDIO GONÇALO UNISINOS MARIA

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

TCC I. Administração de Empresas

TCC I. Administração de Empresas TCC I Administração de Empresas Fabio Miguel Junges 5/31/2008 1 Identificação do nível de maturidade do alinhamento entre o planejamento estratégico de negócios e de TI em empresas de pequeno e médio porte.

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria

Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria Greice de Bem Noro (UNIFRA) gbgreice@gmail.com Aline Dalmolin (UNIFRA) alinedalmolin@yahoo.com.br Lisandra

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM OPERAÇÕES DE SERVIÇOS INTENSIVAS EM CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM OPERAÇÕES DE SERVIÇOS INTENSIVAS EM CONHECIMENTO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

José Benedito Alves Junior

José Benedito Alves Junior 1 José Benedito Alves Junior Gerenciamento de Projetos de TI: Uma análise sobre a possibilidade de aplicação da estrutura motivacional sugerida pelo Project Management Body of Knowledge - PMBOK - em uma

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO QUALIFICAÇÃO DO DESEMPENHO DE SERVIÇOS HOSPITALARES :O Conhecimento Organizacional como

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

MÉTODO PARA IMPLANTAR O CRM APOIADO A GESTÃO DO CONHECIMENTO

MÉTODO PARA IMPLANTAR O CRM APOIADO A GESTÃO DO CONHECIMENTO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MÉTODO PARA IMPLANTAR O CRM APOIADO A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A SERVIÇOS DIGITAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Aluno: Fábio Schmidt

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado Nathalia Tavares Barbosa Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração PUC-Rio como requesito parcial

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Daniel Catunda Marreco Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

Retenção do Conhecimento no Contexto do Desenvolvimento de Software: Estudo de Múltiplos Casos. Fernando Hadad Zaidan

Retenção do Conhecimento no Contexto do Desenvolvimento de Software: Estudo de Múltiplos Casos. Fernando Hadad Zaidan Retenção do Conhecimento no Contexto do Desenvolvimento de Software: Estudo de Múltiplos Casos Fernando Hadad Zaidan Introdução As organizações têm demonstrado uma crescente preocupação com a gestão das

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto Brasília, 26 de Agosto de 2014 Sumário APRESENTAÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ESTUDO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Fausto de Bessa Braga, MBA Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro fausto.bessa@amrj.mar.mil.br Nélio Domingues Pizzolato, Ph.D

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Jéssica Mattoso da Fonseca Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL

ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL Miguel Augusto Zydan Soria, Edson Pinheiro de Lima, Jaime

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 S u m á r i o INTRODUÇÃO XIX PARTE I - DEFINIÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS E SUA GESTÃO Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 1.1 Sua fundamentação teórica: a teoria

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PROCESSO ORGANIZACIONAL: O CONTEXTO DA GESTÃO PÚBLICA PROF. HEITOR JOSÉ PEREIRA ( Doutor em Administração EAESP/ FGV - Presidente da SBGC Gestão 2005-2007 ) Revolução

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014. Fone: (47) 433.2351 www.simpesc.org.br

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014. Fone: (47) 433.2351 www.simpesc.org.br PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014 Sumário - Desafios das Organizações - Histórico do Trabalho - Breve Conceituação BSC - Apresentação do Mapa Estratégico - Objetivos Estratégicos

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Intranets, portais corporativos e gestão do conhecimento : análise das experiências de organizações brasileiras e portuguesas

Intranets, portais corporativos e gestão do conhecimento : análise das experiências de organizações brasileiras e portuguesas Resumos de Teses Intranets, portais corporativos e gestão do conhecimento : análise das experiências de organizações brasileiras e portuguesas CARVALHO, Rodrigo Baroni. Intranets, portais corporativos

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

Principais conceitos Etapas do planejamento Gestão Estratégica. Prof. Marcelo Marques. 5. Elaboração dos Planos Setoriais

Principais conceitos Etapas do planejamento Gestão Estratégica. Prof. Marcelo Marques. 5. Elaboração dos Planos Setoriais Principais conceitos Etapas do planejamento Gestão Estratégica Prof. Marcelo Marques 1. Priorização das iniciativas estratégicas 2. Criação do mapa estratégico 3. Definição de indicadores e metas institucionais

Leia mais

O Papel das Redes Sociais no Crescimento Empresarial

O Papel das Redes Sociais no Crescimento Empresarial Escola de Economia e Gestão Pedro Miguel Pinto Ribeiro O Papel das Redes Sociais no Crescimento Empresarial Dissertação de Mestrado Trabalho realizado sob orientação do Professor Doutor Vasco Eiriz Fevereiro

Leia mais

Desenvolvimento conceptual. 1.1. História e desenvolvimento conceptual 25

Desenvolvimento conceptual. 1.1. História e desenvolvimento conceptual 25 Índice ÍNDICE DE FIGURAS E TABELAS 13 PREFÁCIO 17 INTRODUÇÃO 19 Parte 1 Desenvolvimento conceptual CAPÍTULO 1 Gestão por competências 1.1. História e desenvolvimento conceptual 25 1.1.1. Operacionalização

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities uma perspetiva focada na estratégia de inovação MARIANA PITA. UNIVERSIDADE DE AVEIRO PROGRAMA DOUTORAL EM MARKETING & ESTRATÉGIA. CONHECIMENTO

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais