UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA PROCESSO PRODUTIVO AGOSTO/SETEMBRO 2009 NATIV PESCADOS U.N.E. 1. CHAPECÓ SC 2009

2 MARCIO PEDROSO BARBOSA PROCESSO PRODUTIVO AGOSTO/SETEMBRO 2009 NATIV PESCADOS U.N.E. 1. Relatório de estágio de conclusão, apresentado ao curso de Zootecnia, como requisito parcial para obtenção do título de Zootecnista, realizado na área de piscicultura. Orientador: DSc. Dimas Estrasulas de Oliveira. Co-orientador: MSc. Régis Canton. Supervisor: Fábio Ken Tamaki. CHAPECÓ SC 2009

3

4 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço a Deus e aos meus pais, pois sem eles não existiria vida. Eu agradeço aos meus irmãos Ricardo e Rodrigo por estarem sempre comigo, onde quer que eu esteja. À minha querida e amada Inajara que, na ausência dos supracitados, sempre foi um porto seguro, o meu muito obrigado. Muito obrigado, a tia Cleusa, pelo acolhimento necessário na hora precisa. A todos os professores e servidores do curso de Zootecnia CEO UDESC, principalmente aos professores Régis e Dimas, deixo aqui meu agradecimento. A todos os funcionários da empresa Nativpescados, em especial ao Bruno Turini e ao Fábio Ken, obrigado pelo conhecimento transmitido. Por fim, agradeço a todos os amigos que acreditaram neste guerreiro.

5 RESUMO Este trabalho tem como objetivo relatar as atividades exercidas em estágio de conclusão de curso. Estágio que tende a contemplar as exigências propostas pelo curso de Zootecnia, do Centro de Educação Superior do Oeste CEO, da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC como parte integrante do processo de formação acadêmica do curso referido. O estágio foi realizado na empresa Nativ Indústria Brasileira de Pescados Amazônicos S.A., esta que é uma das grandes empresas nacionais no ramo da produção e industrialização de peixes. As atividades realizadas na empresa corresponderam ao manejo de espécies nativas da bacia amazônica criadas em cativeiro, e que são corriqueiras à piscicultura intensiva, compreendendo os processos que vão desde a reprodução de espécies reofílicas, alojamento em ambientes de cultivo, manejo de peixes em seus diferentes estádios de desenvolvimento, até a entrega de animais para a indústria de beneficiamento. Estas atividades foram de suma importância para o desenvolvimento profissional do acadêmico. Palavras-chave: Produção e industrialização de peixes, Piscicultura intensiva, Espécies nativas, Manejo de peixes.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Foto aérea da Unidade Nativ de Engorda 1 localizada no município de Sorriso MT (12º S, 55º O) Figura 2 Pintado Amazônico (esquerda), fruto do cruzamento do Jundiá - Leiarius marmoratus (centro) com alguma espécie do gênero Pseudoplatystoma, como o cachara - P. fasciatum (direita) Figura 3 Surubim produzido pela Nativ Figura 4 Tambaqui (Colossoma macropomum) Figura 5 Tilápia nilótica (Oreochromis niloticus) Figura 6 Kit utilizado para análise dos parâmetros de qualidade de água Figura 7 Calagem manual (cal virgem CaO) de fundo de viveiro Figura 8 Povoamento de alevinos de tilápias (esquerda). Grande mortalidade de animais durante o procedimento (direita) Figura 9 Processo de canulação em matriz da espécie Leiarius marmoratus (Jundiá) Figura 10 Coleta de sêmen de macho de Tambaqui para fertilização dos ovócitos Figura 11 Extrusão de fêmea de tambaqui (esquerda). Desova de fêmea de pacu (centro). E alojamento de óvulos fecundados em incubadora (direita) Figura 12 Animais, durante processo de biometria, sendo pesados e medidos Figura 13 Alimentação de tanque escavado no setor de alevinagem (esquerda). Equipamento utilizado para lançar ração nos tanques do setor de engorda (direita) Figura 14 Processo de carregamento de alevinos: enchimento e transporte de balde com alevinos, e alojamento dos animais na caixa de transporte Figura 15 Despesca: rede de arrasto sendo passada (esquerda), colo formado (centro). Retro escavadeira levantando cesto de peixes até as caixas de transporte do caminhão (direita) Figura 16 Aeradores de emergência utilizados para incorporar oxigênio atmosférico na água....36

7 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Protocolo de hipofisação da desova-treino Quadro 2: Valores de hora-grau e tempo aproximado para ocorrência da ovulação após indução hormonal Quadro 3: Preferências alimentares das espécies produzidas na U.N.E Quadro 4: Exigências nutricionais em rações para o crescimento de peixes....30

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO DO ESTÁGIO A NATIV ESPÉCIES CULTIVADAS PINTADO AMAZÔNICO SURUBIM TAMBAQUI TILÁPIA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS DURANTE O PERÍODO DE ESTÁGIO ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA DOS TANQUES ESCAVADOS E DOS POÇOS DA U.N.E Oxigênio Dissolvido Temperatura ph (Potencial Hidrogeniônico) Alcalinidade Total Dureza Total PREPARAÇÃO DE VIVEIROS RECEBIMENTO DE ALEVINOS DE TILÁPIA, ACLIMATAÇÃO E POVOAMENTO CAPTURA, SELEÇÃO, CANULAÇÃO E INDUÇÃO HORMONAL DE REPRODUTORES EXTRUSÃO BIOMETRIA CLASSIFICAÇÃO MANEJO ALIMENTAR E NUTRICÃO CARREGAMENTO DE ALEVINOS DESPESCAS ROTINA NOTURNA VISITA AO FRIGORÍFICO ELABORAÇÃO DE PO s CONSIDERAÇÕES FINAIS...38

9 1. INTRODUÇÃO A bacia amazônica conta com uma imensa rede hidrográfica formada por milhares de rios e córregos, proporcionando um ambiente com uma diversificada ictiofauna apresentando mais de mil espécies descritas, sendo considerada a mais rica bacia em espécies de água doce. Mediante o processo de desenvolvimento da região norte do Mato Grosso (década de 70), a quantidade de peixes presentes nos rios passou a diminuir, sendo que a atividade pesqueira passou a não mais atender o consumo da população em função de seu crescimento. Neste cenário, surge na região, a piscicultura como atividade econômica que a exemplo de outras regiões do país faz uso de espécies já conhecidas pelos criadores, como o tambaqui. A piscicultura no Brasil está em fase de crescimento e junto a ela aumenta a necessidade de desenvolvimento e melhoria das técnicas de cultivo empregadas, principalmente para as espécies nativas do nosso país. Assim surge a importância da criação de peixes Siluriformes (Bagres), especialmente para o pintado (Pseudoplatystoma sp) por ser um peixe nobre e muito apreciado, porém de difícil produção devido aos seus hábitos noturnos. A introdução de um peixe com hábitos diurnos (Jundiá - Leiarius marmoratus) no cruzamento dessas espécies está viabilizando o cultivo. Obtendo-se um hibrido que apresenta melhores índices de produção, quando comparado com o cultivo das espécies puras. Além do cultivo de bagres, a produção de peixes exóticos, como a tilápia, sempre foi uma atividade lucrativa, de mercado expansivo e que é capaz de gerar divisas à produtores e beneficiadores. Assim, a Nativ aposta na produção e industrialização de espécies que possam ser cultivadas e beneficiadas dentro de um contexto de rastreabilidade e de qualidade total dos produtos. Utilizando-se das boas práticas em todos os processos, desde a reprodução até a engorda e a transformação dos peixes nas mais variadas mercadorias, atendendo consumidores nacionais e internacionais. 8

10 2. OBJETIVO DO ESTÁGIO O objetivo do estágio foi preparar o acadêmico para exercer na prática profissional a supervisão da produção de peixes em todas as fases do processo produtivo, tais como: adequação e manutenção de benfeitorias, aquisição e utilização de insumos, manutenção, reprodução, recria e entrega dos peixes até o seu beneficiamento. 3. A NATIV A Nativ Indústria Brasileira de Pescados Amazônicos S.A. nasceu como uma das maiores produtoras de peixes de água doce do Brasil. Esta indústria possui uma estrutura composta por quatro unidades de engorda, denominadas U.N.E. s (Unidades Nativ de Engorda) além de um centro de produção de alevinos, localizado na U.N.E. 1. O estágio de conclusão foi realizado na U.N.E. 1, que é formada pelo Centro Tecnológico com 90 hectares de lâmina de água e um laboratório de larvicultura e alevinagem composto por incubadoras, circulares, calhas e raceways (sistemas de alto fluxo de renovação de água), considerado o maior e mais moderno do país. Esta unidade conta atualmente com 121 tanques escavados na fazenda, com dimensões que variam entre 0,3 e 2,8 ha, sendo os de maiores dimensões destinados à engorda e os menores à alevinagem. As outras três U.N.E. s trabalham com sistemas de tanques-rede e fazem somente a engorda dos animais, sejam oriundos da U.N.E. 1 ou adquiridos de outros centros de produção. A Nativ trabalha atualmente com sistema de parceria, em que grande parte dos alevinos são produzidos pela própria empresa. O departamento de parceria conta com um corpo técnico capacitado a trabalhar na implantação e acompanhamento do cultivo das espécies. Hoje a empresa tem como foco trabalhar com espécies nobres da Bacia Amazônica, como o Pintado da Amazônia, o Surubim e o Tambaqui, e ainda com Tilápia, espécie exótica que se desenvolve muito bem em ambientes de cultivo de clima tropical. O frigorífico construído no distrito industrial do município de Sorriso-MT possui capacidade inicial de abate de 10 toneladas de peixe/dia. Entretanto, atualmente beneficia cerca de 6 toneladas de peixe/dia. 9

11 A U.N.E. 1 está situada a 50 km do centro da cidade de Sorriso MT (12º S, 55º O), distante 420 km da capital, Cuiabá. Possui área total de 225 hectares, com 112,5 hectares de área construída e 90 hectares de lâmina d água. Esta unidade tem capacidade de produzir até cinco milhões de alevinos por ano. Sua infra-estrutura conta com 83 tanques escavados (destinados à produção de alevinos), 38 tanques escavados (que se destinam a engorda), laboratório de reprodução com incubadoras, circulares, calhas e raceways, laboratório de análise físico/química e patologia, instalações administrativas, depósitos de máquinas, de equipamentos, de ração e de medicamentos. Figura 1 Foto aérea da Unidade Nativ de Engorda 1 localizada no município de Sorriso MT (12º S, 55º O). 4. ESPÉCIES CULTIVADAS A empresa trabalha basicamente com quatro espécies, que são: o Surubim, o Pintado Amazônico, o Tambaqui e a Tilápia. Sendo que destes, os três primeiros são reproduzidos em grande parte pela própria empresa e a Tilápia é adquirida para a engorda, de outros centros produtores ou ainda comprada com peso de abate indo diretamente para o beneficiamento. 10

12 4.1 PINTADO AMAZÔNICO O Pintado Amazônico é um híbrido produzido pelo cruzamento de animais do gênero Pseudoplatystoma, principalmente pelas espécies Pseudoplatystoma fasciatum (Cachara), P. corruscans (Pintado) ou ainda Pseudoplatystoma sp. (Surubim do Teles Pires), com a espécie Leiarius marmoratus (Jundiá). Sob o ponto de vista comercial, qualquer uma destas espécies do gênero Pseudoplatystoma supracitadas, cruzadas com a espécie Leiarius marmoratus formará a espécie produzida pela Nativ, o Pintado Amazônico. A idéia deste cruzamento é a introdução de uma espécie onívora (Jundiá) na produção desses outros bagres que possuem o hábito alimentar totalmente piscívoro tornando, assim, mais fácil o manejo alimentar/nutricional devido a obtenção de animais que mais facilmente vem à tona em busca do alimento, e diminuindo a exigência de proteína bruta por parte deste híbrido, em relação às raças puras. Além destes aspectos supracitados, o Pintado Amazônico produzido pela Nativ é um excelente produto, visto que possui extraordinárias características organolépticas de sua carne: branca, de consistência firme, sem mioespinhas e de sabor agradável, colocando esse peixe em posição de destaque para o mercado consumidor. Figura 2 Pintado Amazônico (esquerda), fruto do cruzamento do Jundiá - Leiarius marmoratus (centro) com alguma espécie do gênero Pseudoplatystoma, como o cachara - P. fasciatum (direita). 11

13 4.2 SURUBIM O Surubim produzido pela Nativ é o cruzamento das espécies puras do gênero Pseudoplatystoma. As grandes diferenças que existem entre o Pintado Amazônico e o Surubim são as exigências pelos níveis de proteína bruta e a facilidade de buscar o alimento na superfície. Mesmo assim, a qualidade do produto final é muito parecida com a do Pintado Amazônico, ou seja, possui ótimas qualidades organolépticas além de bons índices zootécnicos. Figura 3 Surubim produzido pela Nativ. 4.3 TAMBAQUI O tambaqui (Colossoma macropomum) é uma espécie autóctone da bacia amazônica e que desperta grande interesse para a piscicultura no Brasil devido à grande preferência por parte dos consumidores, além de ser um peixe que alcança um excelente valor de mercado. É um peixe onívoro, que apresenta excelente sabor, carne branca e de boa consistência, pouca presença de espinhos intramusculares e fácil obtenção de filés. Pode atingir 1 m de comprimento e 30 kg. 12

14 Figura 4 Tambaqui (Colossoma macropomum). 4.4 TILÁPIA A tilápia (Oreochromis niloticus) é uma espécie que apresenta grande potencial para o cultivo, se adapta facilmente a qualquer ambiente (inclusive a baixos níveis de oxigênio na água) e é resistente a altas temperaturas. É originária do continente africano, sendo assim, é uma espécie exótica ao nosso país. Está presente em quase todas as grandes e médias bacias hidrográficas do Brasil e em todos os continentes do mundo. Como hábito alimentar, tem preferência por elementos do fitoplâncton, mas pode consumir pequenas larvas, insetos e vermes, além de aceitar facilmente o tratamento com ração. Além do filé, a Nativ industrializa os subprodutos resultantes do processo de filetagem, processando e transformando-os em fishburguers e empanados. 13

15 Figura 5 Tilápia nilótica (Oreochromis niloticus). 5. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS DURANTE O PERÍODO DE ESTÁGIO Neste capítulo serão apresentadas as atividades que foram desenvolvidas durante o período de estágio (27/07/2009 a 25/09/2009) e que fizeram parte do processo produtivo da empresa na U.N.E. 1. Além disso, algumas considerações a respeito deste processo serão enunciadas sob a visão crítica do autor. Atividades, estas, que visaram contemplar a disciplina de Estágio Curricular de Conclusão do Curso de Zootecnia, do Centro de Educação Superior do Oeste, da Universidade do Estado de Santa Catarina. 5.1 ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA DOS TANQUES ESCAVADOS E DOS POÇOS DA U.N.E. 1 Primeiramente, cabe salientar que existem duas formas de captação de água na U.N.E. 1. A primeira é feita de águas superficiais, mais especificamente, do Rio Ouro. A água deste é conduzida por um canal, que começa a uma distância de, aproximadamente, 12 km da fazenda. Enquanto o referido rio passa a alguns metros da unidade, a distância do canal se 14

16 deve a necessidade de causar uma diferença de nível, para que a água possa vir por gravidade até o tanque escavado de engorda número 20 (CE 20). O CE 20 serve como um reservatório de água que a partir dele, esta é destinada para os demais tanques também por gravidade em tubulações subterrâneas. Exceto, alguns poucos tanques escavados do setor de engorda, que se situam próximo ao canal de abastecimento, recebem água diretamente deste canal. A segunda forma de captação de água é feita de águas subterrâneas, ou seja, poços perfurados construídos no local. Inicialmente ao período de estágio, haviam três poços perfurados, que abasteciam o refeitório, banheiros e demais benfeitorias. Além disso, o laboratório de reprodução recebia água tanto do tanque pulmão (águas do Rio Ouro) como também de poço escavado. Porém, o referido laboratório estava em reforma e começará a receber água exclusivamente de poços perfurados. Ainda no período de estágio estavam sendo perfurados dois novos poços que servirão para atender a demanda do laboratório de reprodução. Os parâmetros de qualidade de água analisados, nos tanques escavados, durante o período de estágio foram: oxigênio dissolvido, temperatura, ph e alcalinidade total (Anexo A). Os parâmetros analisados nos poços foram ph, alcalinidade total e dureza total (Anexo B). O oxigênio dissolvido e temperatura são os únicos parâmetros que possuem acompanhamento apenas no período noturno, pré-estabelecido na U.N.E. 1 sob o ponto de vista de qualidade de água dos tanques escavados que foram monitorados constantemente no processo produtivo da unidade durante o período de estágio. Os demais parâmetros foram avaliados esporadicamente e, portanto, não havia um controle sobre o recurso mais importante que se utiliza na piscicultura: A Água. O acadêmico, durante o período de estágio, sugeriu algumas possíveis modificações como: aquisição de frascos de tampa com rosca (para coleta de amostra de água), o que facilitaria nas análises; o treinamento de funcionários para realização destas análises; e uma padronização na periodicidade do intervalo destas mensurações. 15

17 5.1.1 Oxigênio Dissolvido A concentração de oxigênio dissolvido é essencial para que haja um desenvolvimento adequado e sobrevivência dos peixes. A concentração de oxigênio dissolvido pode ser medida com o auxílio de aparelhos digitais (oxímetros) e expressa em mg/l (ppm). Níveis ideais para o bom desenvolvimento dos peixes, para concentrações de oxigênio dissolvido estão em torno de 4 mg/l. Entre 2 e 4 mg/l, os peixes até sobrevivem porém, cessam seu desenvolvimento. E níveis abaixo de 2 mg/l ocorre excessivo estresse e risco de mortalidade. Na U.N.E. 1, quando os níveis de oxigênio dissolvido, durante a noite, decresciam de 2,5 mg/l, eram instalados imediatamente aeradores de emergência. Estes aeradores, que ligados à tomada de potência de um trator, são capazes de incorporar o oxigênio atmosférico à água com extrema eficiência Temperatura A temperatura é um dos grandes fatores que influenciam no desenvolvimento dos peixes visto que são animais pecilotermos possuindo a sua temperatura interna regulada pela ambiental. Assim a temperatura ambiental tem um profundo efeito sobre o crescimento, taxa de alimentação e o metabolismo desses animais. Desta forma, a temperatura é um dos principais limitantes numa grande variedade de processos biológicos, desde a velocidade de simples reações químicas até a distribuição ecológica de uma espécie animal (ARANA, 2004). Espécies de peixes tropicais, como as produzidas na Nativ, demonstram seu melhor desempenho em temperaturas de 26 a 30ºC. 16

18 5.1.3 ph (Potencial Hidrogeniônico) O ph é um termo atribuído à concentração dos íons H + na água, definido como o logaritmo da concentração deste cátion em moles/l. Os íons H + demonstram reação ácida na água, sendo assim, o seu íon complementar OH - apresenta reação básica ou alcalina. Desta forma, os valores de ph indicam se a água possui reação ácida ou básica (KUBITZA, 2003). Usualmente, a faixa de ph é representada por uma escala que vai de 0 a 14, na qual o ph 7 indica absoluta neutralidade. As influências deste parâmetro no desenvolvimento dos organismos aquáticos estão relacionadas com a permeabilidade das membranas; com a excreção e absorção de íons; com os processos biológicos e até mesmo na distribuição dos organismos na coluna de água. As águas que abastecem os viveiros da U.N.E. 1 são ácidas por natureza, além disso, o solo onde está localizada a unidade também é ácido. Desta forma, é recomendável que se faça a correção do ph de fundo do viveiro antes de seu enchimento e que a água de abastecimento ou dos próprios viveiros seja corrigida, a fim de melhorar este parâmetro de qualidade de água. Dos quatro poços analisados durante o período de estágio (de um total de cinco, sendo que um deles ainda estava em processo de perfuração), apenas dois deles apresentavam bons valores de ph para o cultivo de peixes. Lembrando que os poços abastecem apenas o laboratório de reprodução e benfeitorias, e não os tanques escavados Alcalinidade Total A alcalinidade total é um termo que se refere à concentração de bases na água, expressa em miligramas por litro do equivalente de carbonato de cálcio (mg de CaCO 3 /l). As bases na água incluem: hidróxido, amônia, borato, fosfato, silicato, bicarbonato e carbonato (BOYD, 1990). Porém, os íons bicarbonatos (HCO - 3 ) e carbonatos (CO 2-3 ) são os mais abundantes e responsáveis por praticamente toda a alcalinidade total das águas naturais. Este parâmetro está diretamente ligado à capacidade tampão da água, ou seja, a capacidade de manter seu equilíbrio ácido-básico. Águas com alcalinidade total inferior a 17

19 20mg de CaCO 3 /l apresentam reduzido poder tampão e, desta forma, demonstram expressivas variações diárias nos valores de ph (KUBITZA, 2003). As águas provindas da captação do Rio Ouro, que abastecem os viveiros escavados da U.N.E. 1 apresentam valores de alcalinidade total muito abaixo dos níveis ideais deste parâmetro para o cultivo de peixes, sendo que este nível seria de no mínimo 30mg de CaCO 3 /l. Uma ação corretiva seria a utilização de calcário calcítico, tanto no momento da preparação dos viveiros, como após o enchimento dos mesmos corrigindo a água, antes ou após seu abastecimento. Apenas dois, do total de quatro poços analisados durante o período de estágio apresentavam bons valores de Alcalinidade Total para o cultivo de peixes Dureza Total A dureza total expressa a concentração de íons metálicos livres na água, em sua maioria representados pelo cálcio (Ca 2+ ) e o magnésio (Mg 2+ ). Assim como a alcalinidade total, a dureza total é indicada em equivalentes de carbonato de cálcio por litro (mg de CaCO 3 /l). Os valores de dureza total geralmente se equiparam a alcalinidade total, visto que, os cátions Ca 2+ e Mg 2+ geralmente estão associados aos ânions bicarbonatos e carbonatos (KUBITZA, 2003). As águas superficiais que alimentam os viveiros escavados da U.N.E. 1 possuem a dureza total equiparada a alcalinidade. Assim, os valores de dureza total destas águas são muito abaixo dos níveis ideais deste parâmetro para o cultivo de peixes, sendo que o ideal seria de no mínimo 30mg de CaCO 3 /l. Uma ação corretiva seria a utilização de calcário calcítico, tanto no momento da preparação dos viveiros, como após o seu enchimento, corrigindo a água do próprio viveiro ou a de abastecimento, pois com a adição deste corretivo, estaria sendo aumentada a concentração de íons Ca 2+ e Mg

20 Figura 6 Kit utilizado para análise dos parâmetros de qualidade de água. 5.2 PREPARAÇÃO DE VIVEIROS A preparação de um viveiro começa ao término de seu último cultivo, sendo que as atenções necessárias para a próxima safra devem começar no momento da retirada total dos peixes da cultura anterior. Além disso, é necessário o perfeito escoamento da água do viveiro para expor ao sol o fundo do mesmo, pelo menos por 10 dias. Com o viveiro seco deve-se verificar as condições de taludes, de registros de entrada e de saída d água, das telas nos filtros de saída, pois, havendo necessidade de algum reparo, é o momento certo para fazê-los. Após a exposição solar do viveiro, deve-se fazer análise de ph de fundo de viveiro, com o intuito de corrigi-lo. Esse procedimento pode ser executado com o auxílio de um phmetro de solo, medindo a acidez de vários pontos do viveiro e corrigindo-a com a utilização de calcário. Junto à utilização de calcário, deve-se calar o viveiro com cal virgem a fim de promover uma boa desinfecção. Por fim, abre-se o registro de entrada de água e faz-se o enchimento. Durante o período de estágio vários viveiros foram preparados para o recebimento de peixes, tanto para receber alevinos, quanto animais de engorda ou matrizes. Na U.N.E. 1, durante o período de estágio, após poucos dias de exposição aos raios do sol, os viveiros eram apenas calados com cal virgem, não sendo realizada a aferição do ph 19

21 do solo. De maneira geral, fazia-se uma averiguação do estado das estruturas, como nível ( ladrão ) de saída d água, registros de entrada e registros de saída, e telas nos filtros de saída. Outro passo importante na preparação de um viveiro é a fertilização. Está pode ser feita com adubos orgânicos ou inorgânicos, ou ainda uma mescla dos dois. Isso dependerá de fatores como a disponibilidade na região de determinado insumo, custo do insumo e perfil de nutrientes desejáveis para a fertilização. Pode ser realizada com 1/3 do viveiro submerso. Os objetivos da fertilização são, principalmente, estimular a produção primária (fitoplâncton, zooplâncton, fitobentos e zoobentos), que serve de alimento para pós-larvas, e produzir um saudável ambiente aquático para a promoção de uma adequada qualidade de água. Poucos foram os viveiros adubados, na U.N.E. 1, durante o estágio. As adubações foram feitas com uréia e farelo de arroz. A uréia, fonte de nitrogênio (N), ajuda a estimular um rápido desenvolvimento do fitoplâncton, o que, consequentemente, promoverá uma evolução de toda a comunidade bentônica. Já o farelo de arroz causa pouco impacto na qualidade da água, é mais eficiente (rápidos) no estímulo da produção de zooplâncton e, geralmente, resulta em uma melhor relação custo-benefício na adubação de viveiros, quando comparado aos estercos animais (KUBITZA, 2003). As quantidades utilizadas de cada um desses insumos foram de 5 kg de uréia/1000 m² e duas aplicações de farelo de arroz, sendo a primeira na quantidade de 10 kg/1000 m² e a segunda de 6 kg/1000m². Figura 7 Calagem manual (cal virgem CaO) de fundo de viveiro. 20

22 5.3 RECEBIMENTO DE ALEVINOS DE TILÁPIA, ACLIMATAÇÃO E POVOAMENTO No processo produtivo de agosto/setembro de 2009 da U.N.E. 1, ocorreu o recebimento de duas cargas de alevinos de tilápia. A primeira tinha a procedência da cidade de Toledo PR, havia no caminhão quatro caixas de transporte, próprias para animais aquáticos, contendo um total aproximado de alevinos. No momento da chegada do caminhão haviam sido calibrados o phmetro e o oxímetro para aferição dos parâmetros de qualidade, tanto da água das caixas de transporte, quanto do tanque escavado onde seriam estocados os alevinos. Com a finalidade de fazer a aclimatação dos animais e, ao mesmo tempo, monitorar os parâmetros de qualidade da água que podem causar mortalidade dos peixes, durante o povoamento (principalmente ph e temperatura). Porém, chegando ao tanque escavado que receberia os alevinos (tanque escavado do setor de alevinagem número 24 CA-24) a aclimatação já estava sendo realizada sem a aferição destes parâmetros. Após esta prática aclimatação, foi realizado tratamento com um ectoparasiticida e deu-se início ao povoamento. O povoamento foi realizado em baldes, primeiramente, foi feita a estimativa da quantidade de alevinos que existiam nas caixas de transporte. Posteriormente a esta estimativa, colocavam-se os animais em baldes e liberava-os no tanque escavados. Observouse uma grande mortalidade de alevinos na hora do povoamento propriamente dito, sendo desconhecida à causa, tanto podendo ser estresse causado pelo transporte, ou ainda uma errada aclimatação. A segunda foi uma pequena carga de tilápias que procedia do próprio frigorífico. Possuía cerca de alevinos e vieram transportados em caminhão da própria empresa Nativ, possuindo caixas para o transporte de peixes vivos. Estes alevinos foram aclimatados na água do canal de abastecimento, ou seja, não foi aclimatado com água do viveiro de destino/estocagem. Também, receberam tratamento com ectoparasiticida e foram destinados ao tanque escavado. 21

23 Figura 8 Povoamento de alevinos de tilápias (esquerda). Grande mortalidade de animais durante o procedimento (direita). 5.4 CAPTURA, SELEÇÃO, CANULAÇÃO E INDUÇÃO HORMONAL DE REPRODUTORES Durante o período de estágio, o acadêmico participou de processos de captura, seleção, canulação e indução hormonal de alguns reprodutores. As espécies reproduzidas na U.N.E. 1 são denominadas reofílicas que, na natureza, se reproduzem em águas correntes e na época da piracema estes animais sobem os rios para fazer as desovas. Desta forma, não é possível reproduzi-los em águas paradas, dentro de um viveiro, por isso utiliza-se a indução hormonal como estímulo à liberação das células reprodutivas, tanto das fêmeas, quanto dos machos. O processo de seleção de reprodutores começa com a captura dos animais, primeiramente, faz-se uma checagem de materiais e utensílios necessários para a realização desse processo, tais como: rede de captura, hapas, mortos, aparelho leitor de chip, seringa e cânula. A partir daí, dirige-se ao tanque onde se encontra o estoque de matrizes. A primeira experiência com esse procedimento aconteceu logo no início do estágio, onde o acadêmico, juntamente com o supervisor Fábio Ken Tamaki e o gerente agropecuário Bruno Turini, destinaram-se a uma estufa onde se encontravam alguns reprodutores. Neste local, foram capturados cerca de dezoito (18) animais e em todos foi realizado o seguinte processo: após a captura, fazia-se a leitura do chip, identificando-se o animal. Assim, como estas espécies não apresentam dimorfismo sexual, procedia-se com a canulação a fim de 22

24 identificar o sexo da matriz e observar se havia algum sinal de desenvolvimento gonadal ou não. Esses animais que estavam na estufa, ainda receberam uma dose de hormônio com o intuito de tentar antecipar o processo de reprodução, visto que o desenvolvimento de seus órgãos reprodutivos na natureza é estacional, coincidindo com o período das chuvas na região centro-oeste do país. Além desta dose hormonal, o motivo dos animais estarem na estufa era o de criar um micro-clima, também de forma a mimetizar a natureza e antecipar o período reprodutivo. Neta estufa havia animais das espécies: Pseudoplatystoma fasciatum (Cachara), P. corruscans (Pintado), Pseudoplatystoma sp. (Surubim do Teles Pires) e Leiarius marmoratus (Jundiá). A segunda experiência do acadêmico foi no momento da seleção de reprodutores de Tambaqui (Colossoma macropomum), para uma desova-treino. Anteriormente a esta desova foram instaladas algumas incubadoras de forma improvisada para o alojamento dos ovos frutos dessa desova treino. No dia programado para a extrusão, foi controlado o fluxo de água nessas incubadoras, sendo que a vazão ficou estabelecida em, aproximadamente 8 l/min (oito litros por minuto). Após orientação, dirigiram-se ao tanque escavado do setor de alevinagem número 74 (CA 74) onde se deu o processo de captura dos animais. Imediatamente, constatou-se que este tanque não armazenava reprodutores da espécie requerida (Tambaqui), contendo matrizes de outras espécies como Pseudoplatystoma fasciatum (Cachara), P. corruscans (Pintado) e Leiarius marmoratus (Jundiá), mesmo assim foram realizadas canulações em vários destes reprodutores e avaliado o grau de desenvolvimento reprodutivo destas espécies. Figura 9 Processo de canulação em matriz da espécie Leiarius marmoratus (Jundiá). 23

25 Em outro tanque havia matrizes da espécie pretendida além de reprodutores de outras espécies. Os animais foram capturados, canulados, selecionados e destinados ao laboratório de reprodução para serem induzidos hormonalmente. Nesta atividade foram selecionados dois machos de tambaqui, uma fêmea de tambaqui e uma fêmea de pacu (Piaractus mesopotamicus). Procedeu-se o preparo da solução de extrato hipofisário, seguido da primeira aplicação nas fêmeas. Posteriormente, foi preparada a solução de hormônio para a aplicação durante a madrugada do dia seguinte. No início da manhã foi feita a leitura da temperatura da água para cálculo do horário previsto de desova (graus hora acumulado), sendo registrada uma temperatura de 25,9 C. Quadro 1: Protocolo de hipofisação da desova-treino. Tanque Espécie Sexo Peso Horário Horário Chip Dose 1 Dose 2 (kg) dose 1 dose 2 RW 25 Tambaqui F 12, ,0 mg 15:00 60,0 mg 03:00 RW 25 Pacu F 6,7 S/I 3,5 mg 15:00 35,0 mg 03:00 RW 24 Tambaqui M 6, X X 3,5 mg 03:00 RW 24 Tambaqui M 11, X X 5,5 mg 03:00 A solução de extrato hipofisário é composta por hipófise macerada e soro fisiológico. A quantidade de hipófise e de soro utilizada é dada em função do peso vivo do animal. As fêmeas recebem duas doses de solução, sendo a primeira de 0,5 mg de hipófise/kg de peso vivo do peixe e a segunda de 5,0 mg de hipófise/ kg de peso vivo aplicada doze (12) horas após a primeira. Já os machos recebem apenas uma dose de 0,5 mg de hipófise/kg de peso vivo no mesmo período da segunda aplicação às fêmeas. Após algumas horas desse procedimento iniciou-se a verificação para possível extrusão das matrizes. Observou-se que, por se tratar do início da safra as fêmeas tiveram uma ovulação tardia. A fêmea de pacu desovou uma quantidade inferior a esperada - 171g (2,6% do peso vivo) enquanto a fêmea de tambaqui liberou 1316g (11% do peso vivo). Também foi realizada coleta de sêmen dos machos para fecundação dos ovócitos utilizando-se uma seringa e compressão abdominal manual nos animais. Após coletar o sêmen, adicionava-se soro fisiológico e fazia-se a fertilização despejando esta solução (sêmen 24

26 e soro fisiológico) em cima dos ovócitos. Então, procedia-se com a hidratação dos ovos, aclimatação à água da incubadora de destino e por fim o alojamento. Figura 10 Coleta de sêmen de macho de Tambaqui para fertilização dos ovócitos. 5.5 EXTRUSÃO O processo de extrusão compreende os eventos que sucedem a indução hormonal até o momento de fertilização dos ovócitos. Para cada espécie de peixe existe um período determinado pela temperatura (hora-grau) da água para que sejam liberados os ovócitos da fêmea e o sêmen do macho. O monitoramento da temperatura da água, bem como o conhecimento teórico a respeito da espécie que se está trabalhando e o acompanhamento dos animais induzidos são essenciais para o sucesso do método. Assim, o conceito de hora-grau deve ser entendido para prever o tempo entre a segunda dose hormonal e a ovulação. Hora-grau é o somatório da temperatura da água, medido de hora em hora, formando, assim, um acumulado. A partir daí recorre-se a literatura ou ao próprio conhecimento prático e acompanham-se os animais deste determinado momento (KUBITZA, 2004). 25

27 Quadro 2: Valores de hora-grau e tempo aproximado para ocorrência da ovulação após indução hormonal. Espécie Tempo aproximado Temperatura da Hora-grau entre a última dose água e a ovulação. Pacu 25 a 29 ºC a 10 horas. Tambaqui 28 a 30 ºC a 9 horas. Adaptado de Kubitza, A extrusão dos ovos e do sêmen foi realizada através de compressão do abdômen dos peixes. A fêmea de tambaqui, com sua própria contração muscular expulsou os ovos da cavidade ovariana. Durante o processo de extrusão, deve-se evitar o contato tanto dos óvulos quanto do sêmen, com a água. Assim, a região ventral dos animais extrusados foi seca com toalhas antes do momento da extrusão propriamente dita. Este procedimento evita a hidratação dos ovócitos, o que levaria ao fechamento precoce do ponto de entrada do espermatozóide no óvulo, chamado de micrópila (KUBITZA, 2004). Os ovócitos foram coletados em bacias, rigorosamente secas e fertilizados. Após a fertilização, foi realizada a hidratação dos óvulos fecundados e o alojamento dos mesmos nas incubadoras, onde ocorreu todo o processo embrionário e o nascimento das larvas. Figura 11 Extrusão de fêmea de tambaqui (esquerda). Desova de fêmea de pacu (centro). E alojamento de óvulos fecundados em incubadora (direita). 26

28 5.6 BIOMETRIA A biometria é a forma de acompanhamento do desenvolvimento dos peixes nos ambientes de cultivo. Com ela pode-se avaliar o crescimento dos animais bem como a diferença de tamanho em um mesmo lote. Os parâmetros analisados na biometria foram: o peso médio dos animais estocados nos ambientes de cultivo e o comprimento dos mesmos. Para a produção de peixes piscívoros, como o pintado amazônico e o surubim, a importância deste procedimento diz respeito à capacidade de decidir pela realização de uma classificação dos animais ou não. Em função do hábito alimentar, a desuniformidade do lote aumenta o canibalismo dessas espécies. Além disso, a biometria é um procedimento que faz parte de quase todos os processos na piscicultura, desde a despesca, ou na transferência entre tanques, a fim de se dimensionar quantos animais serão despescados e, até mesmo, quantos animais serão colocados nas caixas de transporte. No momento do recebimento de alevinos, também é necessário a medida do peso e comprimento dos mesmos. O peso, para saber a capacidade de suporte do ambiente ao qual se destinará os peixes e do comprimento, para ver se há necessidade de combater algum tipo de predador natural como larvas aquáticas de odonatas. Durante o período de estágio foi realizada a biometria dos animais estocados nos tanques escavados do setor de alevinagem, além daquelas realizadas no momento das despescas e seleção de reprodutores para a desova-treino. Para a realização da biometria, são necessários alguns instrumentos e ou equipamentos que devem ser checados antes de se dirigir aos tanques. Dentre eles estão: rede de captura, balança, régua, baldes, luvas, coletes salva-vidas, puçás, entre outros. O primeiro passo da biometria é a captura dos peixes. Após esta, avalia-se visualmente o tamanho dos animais e toma-se a decisão de quantos serão pesados por balde. Se forem de tamanho pequeno (até 100 g), pode-se pesar dez (10) animais por balde. Se possuírem tamanho maior, recomenda-se pesar menos animais ou até mesmo pesá-los individualmente. A quantidade de peixes a ser pesada deve ser uma amostragem considerável, em relação à quantidade total de animais estocados em determinado tanque (5 10%). 27

29 Após a mensuração do peso médio desses animais, deve-se medir o comprimento dos mesmos. Por exemplo, se são pesados dez peixes por balde, mede-se o comprimento do maior e do menor constante em cada balde. Figura 12 Animais, durante processo de biometria, sendo pesados e medidos. 5.7 CLASSIFICAÇÃO A classificação é o processo de separação de peixes de um mesmo lote em tamanhos diferentes: pequeno, médio e grande. Para peixes onívoros como a tilápia e o tambaqui, o objetivo da classificação é a uniformização dos lotes, pela padronização do tamanho dos animais estocados em um mesmo ambiente. Já para os peixes piscívoros como o pintado amazônico e o surubim, além da importância de uniformidade dos lotes, a classificação serve para se evitar o canibalismo dessas espécies. Este deve ser um processo contínuo, que precisa começar desde as primeiras semanas de vida larval dos animais e seguir até os tanques de engorda, a fim de evitar uma diminuição muito grande de estoque. Como em qualquer espécie zootécnica, existem sempre aqueles animais chamados de dominantes que possuem um rápido desenvolvimento. Desta forma, se justifica mais uma vez a importância da classificação para o cultivo de peixes, independentemente do hábito alimentar dos mesmos. No período de estágio houve inúmeras classificações de animais, tanto no setor de alevinagem quanto no de engorda. Essas classificações foram realizadas manualmente ou com 28

30 o auxílio de algumas tecnologias como caixa de classificação ou mesa de classificação. Estas são utilizadas exclusivamente no setor de alevinagem. Já no setor de engorda, as classificações foram realizadas de forma manual, geralmente acompanhadas de um processo de despesca (total ou parcial), destinada para abate ou simples transferência entre tanques. De maneira geral, faz-se a captura dos animais, observa-se o tamanho e peso dos mesmos e realiza-se a classificação propriamente dita, permanecendo no tanque aqueles animais de determinado tamanho transferindo-se os outros. 5.8 MANEJO ALIMENTAR E NUTRICÃO Para se implantar um manejo nutricional primeiramente é necessário entender o hábito alimentar das espécies cultivadas. Na piscicultura intensiva os gastos com alimentação compreendem de 50 a 80% dos custos variáveis de produção. A tilápia é uma espécie planctófaga que se alimenta de forma eficiente do plâncton. Estes peixes mantêm a preferência planctófaga mesmo na fase adulta de seu desenvolvimento. Peixes planctófagos utilizam seus rastros branquiais para filtrar e concentrar o plâncton presente na água bombeada através da câmara branquial. O tambaqui na natureza tem preferência alimentar variada embora frutos e sementes predominem em sua dieta. Este peixe possui dentes molariformes com as margens afiadas usados para triturar frutos e castanhas, sendo classificado como herbívoro/frugívoro (KUBITZA, 2002). O surubim e o pintado amazônico apresentam preferência por organismos animais de maior porte em sua alimentação, como insetos, crustáceos, peixes, anfíbios, entre outros. O surubim apresenta um exclusivo hábito alimentar piscívoro (KUBITZA, 2002), sendo necessário um condicionamento alimentar estrategicamente realizado desde os primeiros dias após a eclosão dos ovos. Já o pintado amazônico não apresenta tanta exigência de condicionálo devido ao cruzamento das espécies do gênero Pseudoplatystoma com o jundiá (Leiarius marmoratus). 29

31 Quadro 3: Preferências alimentares das espécies produzidas na U.N.E. 1. Espécie Preferência alimentar Alimentação em cultivo intensivo Tilápia Onívora PL/Juv/Ad: Ração, fitoplâncton, zooplâncton e outros alimentos naturais. Tambaqui Frugívora/onívora PL: alimento natural; Juv/Ad: ração, frutos e sementes. Surubim e Pintado amazônico Carnívora PL: alimento natural (canibalismo pode se severo); Juv/Ad: peixes menores, crustáceos e insetos; aceitam ração após período de condicionamento alimentar. Adaptado de Kubitza, 2002, onde PL: pós-larva; Juv/Ad: juvenis e adultos. Sobre as exigências nutricionais dos peixes cultivados pela U.N.E. 1, apenas a tilápia possui bem definido tais níveis de nutrição. Das espécies nativas, o tambaqui é o que demonstra um maior estudo científico e, o surubim e o pintado amazônico ainda são muito incipientes as pesquisas abordando tal assunto. Quadro 4: Exigências nutricionais em rações para o crescimento de peixes. Nutrientes Tilápia Tambaqui Surubim Pintado amazônico Proteína bruta (%) ND ND Energia Digestível (kcal/kg) ND ND P disponível (%) 0,45 ND ND ND Vitamina C (mg/kg) ND ND Adaptado de Kubitza, 2002, onde ND: não definido. A estratégia de alimentação utilizada pela empresa está relacionada com a espécie ou hábito alimentar, o que irá diferenciar as exigências de cada animal, à categoria animal, o que influenciará no tamanho das partículas da ração (granulometria) e exigência nutricional, ao peso médio e número de animais estocados, que determinará a quantidade de ração fornecida além de outros fatores, como temperatura da água, qualidade dos parâmetros da mesma e sanidade dos animais. As características das rações para cada espécie, bem como para cada categoria animal podem ser vistas no Anexo C, sendo o arraçoamento realizado duas vezes ao dia. 30

32 Nos tanques do setor de alevinagem a alimentação era feita de forma manual, lançando a ração com o auxílio de uma vasilha. Este setor possui tanques de pequenas dimensões, permitindo que a alimentação seja feita desta maneira. A quantidade de ração fornecida depende da saciedade dos animais, o alimentador recebia do supervisor um objetivo (quantidade de ração pré-determinada, relativa à biomassa) e fornecia de forma gradativa aos peixes, caso o objetivo não fosse suficiente, fornecia-se mais ração até que houvesse redução do consumo. No setor de engorda, os tanques possuem grandes dimensões, era utilizado uma tecnologia de arraçoamento mecanizado, controlado manualmente. Um equipamento que, acoplado a tomada de potência de um trator, conseguia jogar a ração a certa distância. A quantidade de ração fornecida aos animais era referente à biomassa estocada em determinado tanque na proporção de 2%. Dentro do laboratório de reprodução, em calhas e raceways, ocorre o treino alimentar para as espécies carnívoras e piscívoras. No início do estágio, alguns animais estavam presentes nesses ambientes e o manejo alimentar adotado foi o de fornecer ração o maior número de vezes por dia sem a preocupação com conversão alimentar ou biomassa, mas sim com exclusiva atenção ao condicionamento alimentar para que no momento da estocagem destes animais em outros ambientes de cultivo os mesmos possuíssem a capacidade de vir à tona em busca de alimento. Figura 13 Alimentação de tanque escavado no setor de alevinagem (esquerda). Equipamento utilizado para lançar ração nos tanques do setor de engorda (direita). 31

33 5.9 CARREGAMENTO DE ALEVINOS A U.N.E. 1 tem a responsabilidade de produzir e fornecer alevinos das espécies nativas, reproduzidas no local, aos seus parceiros. No período de estágio, houve diversos carregamentos de alevinos, tanto de pintado amazônico, quanto de surubim. O processo de carregamento de alevinos começava ainda no dia anterior quando fazia-se a interrupção do fornecimento de ração, a fim de esvaziar o trato gastrintestinal dos peixes. Geralmente, no dia anterior, também se mobilizava todo o material necessário para captura e carregamento dos peixes, deixando-os dormindo a beira do tanque onde seriam capturados os animais. A quantidade de animais armazenada em cada caixa de transporte era dada em função do tamanho da caixa e do peso médio dos animais. No momento da chegada do caminhão de transporte à fazenda, as caixas eram cheias com água proveniente do tanque pulmão onde ainda eram colocados aproximadamente 12,5 kg de sal (NaCl) em cada caixa de l. O sal estimula a produção de muco, recobrindo possíveis arranhões surgidos durante a despesca e carregamento dos peixes. Além disso, o aumento da permeabilidade das membranas das células do epitélio branquial, em resposta a elevação dos níveis de corticosteróides no sangue dos peixes (estresse), gera uma excessiva difusão de íons, o sal, também, estimula o aumento da secreção de muco sobre o epitélio branquial, reduzindo a passagem destes íons através das membranas celulares (KUBITZA, 2000). Enquanto o caminhão era abastecido com água, uma equipe de funcionários dava início à captura dos animais. Os animais eram carregados em baldes e depois transferidos para as caixas de transporte do caminhão. Em alguns carregamentos, fazia-se uma estimativa (média) de quantos peixes eram colocados em cada balde e calculava-se o número necessário de baldes para completar a quantidade em cada caixa. Já em outros, utilizava-se um balde maior e contava-se o número exato de peixes a serem alojados em cada caixa de transporte. Durante o carregamento, eram monitorados os parâmetros oxigênio dissolvido e temperatura da água das caixas de transporte do caminhão. Às vezes, monitoravam-se os mesmos parâmetros da água do tanque que estavam sendo despescados os alevinos. Após o carregamento de cada caixa de transporte, colocava-se gelo na mesma, fechava-se à tampa e partia-se para o carregamento da próxima. A empresa possuía dois caminhões com caixas de transporte de peixes vivos, um contendo cinco (5) caixas e outro 32

34 seis (6). Depois do fechamento da tampa da caixa, continuavam sendo monitorados os valores de temperatura e oxigênio dissolvido, sendo que a primeira deveria se encontrar em valores de ºC e o segundo entre 6 9 mg/l. A redução da temperatura da água diminui a atividade metabólica e, consequentemente, a excitação dos peixes, o consumo de oxigênio e a excreção de metabólitos tóxicos. A utilização de gelo pode ser para manter a temperatura da água mais ou menos constante e para diminuir a temperatura da água, para certo valor desejado, permitindo o transporte de uma maior carga de peixes (KUBITZA, 2000). O grande problema encontrado nos carregamentos de alevinos, ocorridos na U.N.E. 1 durante o período de estágio, foi a falta de controle de estoque dos tanques escavados do setor de alevinagem. A quantidade de animais solicitada dos tanques era sempre muito superior a real quantidade de animais estocados nos mesmos, de maneira que para completar uma carga de alevinos, era sempre necessário fazer a captura de animais em diferentes tanques, o que gerava atraso no momento da partida do caminhão, maior estresse dos animais e desuniformidade dos lotes. Figura 14 Processo de carregamento de alevinos: enchimento e transporte de balde com alevinos, e alojamento dos animais na caixa de transporte DESPESCAS A Unidade Nativ de Engorda 1 também fazia parte do abastecimento do frigorífico com matéria prima, sendo que no período de estágio várias despescas ocorreram na unidade com o objetivo atender a demanda do processo de beneficiamento de peixes. 33

35 A despesca é uma etapa intermediária na cadeia de produção do pescado. Os peixes podem ser capturados e transportados diversas vezes antes do momento do abate e dependendo do seu tamanho poderão seguir destinos diferentes, tais como: podem ser capturados para a mudança de tanque visando o término do seu crescimento ou seguir para a indústria de beneficiamento, quando o pescado já estiver com peso ideal de abate. O procedimento de despesca pode ser total (coletando-se todos os peixes do viveiro) ou parcial. Em ambos os casos, podem-se retirar os peixes do tanque utilizando-se redes de arrastos no início do manejo, enquanto o viveiro vai sendo drenado (MACEDO-VIÉGAS & SOUZA, 2004). As espécies trabalhadas nesse processo foram, o pintado amazônico e o surubim. O peso de abate dos animais dependia do mercado ao qual se destinaria o produto beneficiado. Para a comercialização de produtos no Brasil, os animais despescados possuíam peso de no mínimo g. Já para animais que seriam exportados, o peso variava de g. Além de peixes destinados ao abate, houve várias transferências de animais entre tanques, onde a despesca foi etapa fundamental de tal processo, seguida de classificação manual dos peixes e transporte até o viveiro de destino. O processo de despesca, assim como o carregamento de alevinos, começava ainda no dia anterior ao procedimento propriamente dito, com a suspensão da alimentação e abertura da saída de água do viveiro, com o intuito de se diminuir o nível (profundidade) do mesmo. Devido às grandes dimensões dos tanques escavados do setor de engorda, utilizava-se rede de arrasto para a captura dos animais, sendo que esta rede era puxada por tratores em suas extremidades. Após o cerco dos animais, entrava-se com uma outra rede por dentro daquela e fazia-se a captura de uma parte dos peixes contidos no grande cerco. Armava-se uma estrutura, denominada de colo e de dentro deste, manualmente, coletava-se os peixes e colocava-os em um grande cesto, que era erguido até o caminhão com auxílio de uma retroescavadeira, ou em sacos de ráfia (sacos de rações vazios) que eram manualmente levados até as caixas de transporte. Os cuidados com os animais dentro das caixas de transporte eram os mesmos feitos com os alevinos, verificando-se constantemente a temperatura e oxigênio dissolvido da água das caixas, e acrescentava-se sal e gelo. Nos processos de transferência interna, além do monitoramento dos parâmetros referidos, não se utilizava gelo, mas fazia-se tratamento com ectoparasiticida (Masoten - triclorfone). 34

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões SNatural Ambiente Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões Apostila 3: Aeração em Viveiros de Camarões e Peixes Aeração de Tanques pequenos em Série Apostila 1: Teoria de Aeração Apostila 2:

Leia mais

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com Para aumentar a produtividade e os lucros, no caso dos tanques escavados, não é necessário aumentar

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua Imagem Serviços em Aquicultura fernando@acquaimagem.com.br entre os peixes amazônicos, o tambaqui é a espécie de maior destaque na América Latina, em especial no Brasil.

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

Situação Atual e Desafios

Situação Atual e Desafios III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA Políticas para o Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura da Amazônia CADEIA PRODUTIVA DOS SURUBINS Situação Atual e Desafios Thiago Tetsuo Ushizima

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

As principais espécies e os híbridos

As principais espécies e os híbridos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. (Acqua & Imagem) fernando@acquaimagem.com.br U m grande número de estudos científicos já foi realizado sobre diversos aspectos da biologia e cultivo dos peixes do gênero

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante.

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. 61 Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. Coagulação/Floculação: Logo na chegada da água bruta ocorre

Leia mais

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Por: Fernando Kubtiza, Ph.D. - Consultoria e Treinamento em Aqüicultura Devido a sua extensão, o texto Nutrição e alimentação foi dividido em duas partes.

Leia mais

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 28 Estados-Membros; 507 milhões de habitantes; Maior importadora mundial de alimentos; Alta demanda por qualidade, segurança

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=430>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=430>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Uso de corretivos em tanques de piscicultura Fernanda Mara Cunha Freitas 1, Cássio Roberto

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ.

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Naiane Ramilio 1, Ana Cristina Franzoi TEIXEIRA 2, Adriano MARTENDAL 3 1 Estudante do Curso Técnico em

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Reprodução de Pomacea bridgesii

Reprodução de Pomacea bridgesii Reprodução de Pomacea bridgesii Olá a todos! Desde 2006 venho mantendo e acompanhando a reprodução das ampulárias (Pomacea bridgesii), particularmente gosto muito desses gastrópodes e acho que possuem

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

Qualidade da Água na Produção de Peixes - Parte II

Qualidade da Água na Produção de Peixes - Parte II Qualidade da Água na Produção de Peixes Parte II Por Fernando Kubitza, especialista em Nutrição e Produção de Peixes, mestre em Agronomia pela ESALQ USP e Ph.D em aqüicultura pela Auburn University Alabama,

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão?

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão? CUIDADOS NO MANUSEIO DO SÊMEN CONGELADO O manuseio adequado do sêmen congelado é essencial para manter ótimos resultados nos programas de inseminação artificial, tanto no sêmen sexado como no sêmen convencional.

Leia mais

CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE

CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE Semana de Sustentabilidade 16 a 19 de setembro de 2014 CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE UMA ALTERNATIVA DE RENDA E DE INSERÇÃO SOCIAL, PARA PRODUTORES RURAIS DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UHE BARRA

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho.

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Mateus J.R. Paranhos da Costa (Grupo ETCO, Departamento de Zootecnia,

Leia mais

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico I - INTRODUÇÃO II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico III - TANQUES REDE E GAIOLAS 1. Estruturas para tanque redes ou gaiolas 2. Abertura de malhas 3. Comedouros 4. Flutuadores

Leia mais

Equipamentos de Ordenha

Equipamentos de Ordenha Equipamentos de Ordenha Recomendações do Comitê de Equipamentos Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite Comitê de Equipamentos Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755e Conselho Brasileiro

Leia mais

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No \ Ver-o-peixe é o nome de um projeto de desenvolvimento da piscicultura familiar realizado em parceria entre agricultores, pesquisadores e técnicos da extensão rural para criação de peixes nos sistemas

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia da UFPR apresentou uma boa distribuição de conteúdos ao longo das nove questões. O grau de dificuldade variou entre questões médias e fáceis, o que está

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com. Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.br E stamos chegando ao final do inverno nas regiões sul e sudeste, que

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

Construção de Charcos*

Construção de Charcos* Construção de Charcos* O que são, e para que servem? Os charcos são massas de água parada ou de corrente muito reduzida, de carácter permanente ou temporário, de tamanho superior a uma poça e inferior

Leia mais

Técnicas de manipulação cromossomica

Técnicas de manipulação cromossomica Técnicas de manipulação cromossomica Introdução Genética Contribuição Aquacultura Moderna Utilização de técnicas usadas em biotecnologia e engenharia genética Facilmente aplicadas nos peixes: Geralmente,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO PROGRAMA GESTÃO DE PROPRIEDADES DE SUCESSO DE MA T O GROSSO Qual a finalidade da planilha? Hoje em dia, e no futuro cada vez mais, a realidade econômica irá exigir uma maior

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Alex Frederico de Novaes Consultor Técnico Guabi Novaes & Martins Aquicultura - T Ó P I C O S - MERCADO LOCALIZAÇÃO DA PISCICULTURA ESTRUTURA: TANQUES,

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e boas práticas de manejo

Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e boas práticas de manejo Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e 54 Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e Recebimento dos

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais