HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR"

Transcrição

1 A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC.

2 Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte da energia metabolizada dos compostos orgânicos vai para o crescimento dos microorganismos e, deste modo passa a compor imediatamente a estrutura trófica da comunidade, enquanto que a porção detrítica que é colonizada pela biota (bactérias, fungos, protozoos, etc...) pode ser ingerida pelos peixes, retornando a água em forma de fezes, dando continuidade ao ciclo

3 A suinocultura é responsável atualmente por mais de postos de trabalho, sendo um dos setores que mais gera impostos em Santa Catarina. Em Santa Catarina são produzidos anualmente toneladas de esterco de suínos, sendo que a maior parte destes eram lançados diretamente nos rios. A população de suínos estimada atualmente no estado é de e cada tonelada produz 6.8 kg de NPK Mais da metade das fontes de água das regiões produtores de suínos, estão contaminadas por coliformes fecais provenientes de lançamentos de dejetos nestes mananciais..

4 O uso de estercos animais na produção de peixes inicialmente foi utilizado como forma de baratear a fertilização dos viveiros, favorecendo assim o desenvolvimento de alimento natural. Os dejetos de suínos tem uma digestibilidade de matéria seca de 48%, 24% de proteína bruta e 15% de fibra bruta. A característica da piscicultura integrada, consiste em se obter uma produção máxima de peixes. A fertilização com fezes de suínos e o uso de ração balanceada, permite a produção com limite superior a 35 kg de crescimento/há/dia, com densidades peixes/ há. Israel, China, Filipinas e Taiwan.

5 Piscicultura Integrada em Santa Catarina Integração com AVES Integração com ARROZ Integração com SUÍNOS

6 LANÇAMENTOS DE EFLUENTES CONAMA LEI N /06/86 CLASSE II Materiais sedimentáveis até 1,0 ml/litro ph 6,0 a 9,0 Fósforo total até 1,0 mg/litro Nitrogênio total até 10,0 mg/litro Ferro total até 15,0 mg/litro Ortofosfato até 0,025 mg/litro DBO cinco dias a 20 0 C. até 5 mg/litro OD não inferior a 0,5 mg/litro Coliformes totais até 5.000/100 ml. Coliformes fecais até 1.000/100 ml.

7 MODELO INICIAL DE PISCICULTURA INTEGRADA Tanques comuns ao sistema extensivo de cultivo (Interceptação) Utilização de um grande número de suínos (sem controle) Renovação constante de água do viveiro Sistema de monocultivo intensivo de carpas Baixo índice de produtividade Nenhum controle sanitário densidades qualidade de água Oferta irregular de pescado Servia como alternativa de despejo dos dejetos de suínos

8 MODELO ALTO VALE DE PISCICULTURA INTEGRADA Permite o ingresso de pequenos produtores atividade Modelo baseado no policultivo Tilápias 80% - Carpas 15% e Bagres 5% Aeradores (a noite) no período final do cultivo Controle de abastecimento e escoamento de água Controle no aporte de matéria orgânica (60 suínos/ha) Últimos 60 dias oferta de 2% biomassa - ração 28% PB Despesca com redes sem esgotamento do tanque Custo total de produção R$ 0,67 por peixe

9 MODELO ALTO VALE DE PISCICULTURA INTEGRADA Granja com área inundada 1 m largura/0,15 m profund. Fundo de ardósia ou ripado de madeira Durante o cultivo água do tanque é reposta para evitar apenas as perdas Utilizado alevinos com mais de 8 gr. Realizado biometrias mensais nos peixes de cultivo Controle da qualidade da água (ph/oxigênio/temperatura amônia) * Sistema praticado por grande número de produtores

10 SISTEMA ALTO VALE DE PISCICULTURA INTEGRADA Parâmetros de Produtividade Área do tanque Conv.alimen. Ganho diario Prod. ha/ano MV ,61 3, MI ,60 2, MG ,61 2,

11 SISTEMA ALTO VALE DE PISCICULTURA INTEGRADA IMPACTO AMBIENTAL DO SISTEMA Os testes foram para nitratos e fosfatos 2 testes em 12 tanques com 5 há de área alagada 350 metros entre o antes e depois dos tanques. Piscicultura Venturini Nitratos Fosfatos A 0,97 D 0,71 A 3,47 D 1,08 Piscicultura Lehmkuhl Nitratos Fosfatos A 1,85 D 1,40 A 1,48 D 1,39

12 MODELO OESTE DE PISCICULTURA INTEGRADA QUALIDADE DA ÁGUA Modelos: Vertical Horizontal Variável Número médio de suínos: 60/há Tabela 1 Valores médios de algumas variáveis físico-químicas e microbiológicas obtidos em viveiros de cultivos de peixes em sistemas integrados à suinocultura no município de Chapecó Variáveis observadas e padrões legais Modelo Vertical Modelo Horizontal Modelo Variável para o corpo receptor (rios e riachos) Cultivo Efluente Cultivo Efluente Cultivo Efluente Transparência (cm) 27, ,4 - ph (A) (6 a 9)** 6,7 8,0 6,7-7,9 6,8-8,4 6,7-8,5 6,8-8,7 6,-8,5 N-Nitrito < 1,0 mg L -1 ** 0,051 0,065 0,066 0,079 0,068 0,071 N-Nitrato < 10,0 mg L -1 ** 0,264 0,266 0,234 0,242 0,27 0,28 N-Amônia < 0,50 mg L -1 ** 0,86 0,9 1,13 1,56 0,88 0,93 Oxigênio Dissolvido -1 ** > 5,0 mg L 4,81 5,7 4,9 5,17 5,25 5,51-1 *** > 4,0 mg L Coliformes totais (% amostras) < NMP 100 ml -1 ** < NMP 100 ml -1 *** Coliformes fecais (% amostras) < NMP 100 ml -1 ** 75,2 74,8 79,1 88,9 94, ,7 97,1 98,5 98, ,9 83,6 80,0 86,8 86,5 < NMP 100 ml -1 *** 88,6 88, ,8 98,1 100 Nota: Pela legislação vigente, número mais provável (NMP) de coliformes totais e fecais para 80 % de cinco amostras consecutivas para águas de classe 2** e para águas de classe 3***, decreto nº de 1981 (A) Valores obtidos pela manhã e à tarde.

13 MODELO OESTE DE PISCICULTURA INTEGRADA CUSTO DE PRODUÇÃO - (Abril 2002) Custo de implantação (Hora máq. m. de obra sist. Abast./esc.)/há: R$4.494,00 Custos Fixos Depreciação anual: R$ 249,03 Juros 6% sobre custos de implantação: R$ 269,67 Salário Gerência: R$ 180,00 Custos Variáveis Custos Variáveis Alevinos: R$ 330,00 Mão de Obra: R$ 360,00 Calagem: R$ 105,00 Transporte: R$ 42,50 CUSTO DE PRODUÇÃO DO PEIXE: R$ 0,34 Considerando o custo de R$ 6,00 a Ton. de esterco: PEIXE R$ 0,43 CUSTO TOTAL DO CULTIVO: R$ 1.536,20 PRODUÇÃO TOTAL kg x1,20: R$ 5.400,00 (receita bruta) LUCRO...R$ 3.863,00 ou R$ 3.475,00 2 ANOS O TEMPO DE RETORNO DO CAPITAL INVESTIDO

14 CONCLUSÕES SISTEMA ALTO VALE E OESTE DE PISCICULTURA INTEGRADA BAIXO CUSTO DE PRODUÇÃO DO PEIXE BAIXO CUSTO DE PRODUÇÃO DO PEIXE SISTEMA PERMITE A RECICLAGEM DE NUTRIENTES POSSIBILITA PRODUÇÕES ANUAIS POSSIBILITA INTEGRAÇÃO COM OUTROS SISTEMAS NÃO CAUSA IMPACTO AMBIENTAL AO CORPO RECEPTOR MELHORA A QUALIDADE AMBIENTAL PRODUTIVIDADES ENTRE E kg

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

Pesca Marinha Pesca Continental Maricultura Aquic. Continental

Pesca Marinha Pesca Continental Maricultura Aquic. Continental Custo de produção, análise de rentabilidade e formação de preço João Donato Scorvo Filho Célia M. Dória Frascá Scorvo Pesquisadores da Apta Pólo Leste Paulista APTA/SAA SP SP Produção Brasileira i de Pescado

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998 QUALIDADE DA ÁGUA NA PRODUÇÃO DE PEIXES PARTE I Por Fernando Kubitza, especialista em Nutrição e Produção de Peixes, mestre em Engenharia Agrônoma pela ESALQ USP e Ph.D pela Auburn University Alabama,

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA - Propostas para o Esgotamento Sanitário - Sistema de Informações em Saneamento Responsabilidades da Concessionária: - Realizar o

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

GABARITO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE 2ºD

GABARITO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE 2ºD GABARITO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE 2ºD Questão 01 A) A acidez média do efluente de entrada é 89,45 e da saída é 34,35, sendo que houve uma redução de 70,00% neste parâmetro. B) A acidez média do efluente

Leia mais

Projeto integrado de recuperação de recursos em Colcata, Índia

Projeto integrado de recuperação de recursos em Colcata, Índia Projeto integrado de recuperação de recursos em Colcata, Índia Sumita Gupta - rahul.gupta@boci.co.in Centre for Built Environment, Kolkata, Índia; As cidades consomem recursos e produzem resíduos tanto

Leia mais

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com Para aumentar a produtividade e os lucros, no caso dos tanques escavados, não é necessário aumentar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 2 COMPOSIÇÃO Função dos usos a qual a água é submetida e forma com que são exercidos. Variação com o clima Situação social e econômica Hábitos da população Água: 98 99,9 % Sólidos: 2 0,1 % Esgoto SÓLIDOS

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua Imagem Serviços em Aquicultura fernando@acquaimagem.com.br entre os peixes amazônicos, o tambaqui é a espécie de maior destaque na América Latina, em especial no Brasil.

Leia mais

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16 SUMÁRIO Introdução... 1 Objetivo... 3 Geral... 3 Específicos... 3 Justificativa... 3 Metodologia... 3 Área de Estudo... 3 Resultados e Discussões... 5 Análise dos Parâmetros Físico-Químicos... 5 Demanda

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh. Tratamento de Efluentes

Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh. Tratamento de Efluentes Alunos: Gabriel Ruivo Guilherme Vilares Ricardo Franzan Willian Koh Tratamento de Efluentes Usos da Água e Geração de Efluentes: Abastecimento Doméstico Água potável + Impurezas devido ao uso = Efluentes

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência

Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência 28 Hydro Agosto 29 Equipamentos Lagoa aerada superficialmente: uma solução de baixo custo para o aumento de eficiência Marcelo Pohlmann, da Brasworld Consultoria Ambiental, Josué Tadeu Leite França, Carlos

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS Paulo Armando V. de Oliveira, Engº Agrícola, PhD Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Área de construções rurais/engenharia

Leia mais

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Alex Frederico de Novaes Consultor Técnico Guabi Novaes & Martins Aquicultura - T Ó P I C O S - MERCADO LOCALIZAÇÃO DA PISCICULTURA ESTRUTURA: TANQUES,

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS

NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS NORMA TÉCNICA COLIFORMES FECAIS PADRÃO DE LANÇAMENTO PARA EFLUENTES DOMÉSTICOS E/OU INDUSTRIAIS CPRH Nº 2007 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. PADRÃO DE

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede

Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede Sistema Grande Volume Baixa Densidade - GVBD COOPERÇU Agosto de 2013 1 ---------------------------------------------------------

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB.

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. Elton Silva Cruz, Engenheiro Civil; Djalena M. de Melo, Engenheira Civil; Melissa F. da Silveira, Graduanda da UFCG. Departamento

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

Qualidade da água em corpos d água urbanos das cidades de Corumbá e Ladário e no rio Paraguai, MS

Qualidade da água em corpos d água urbanos das cidades de Corumbá e Ladário e no rio Paraguai, MS ISSN 1517-1965 36 Circular Técnica Corumbá, MS Dezembro, 2002 Autores Márcia Divina de Oliveira Pesquisadora, MSc. Limnologia Débora Fernandes Calheiros Pesquisadora, MSc. Limnologia Marly B.F. Santos

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO. SPSD / DVSD - Sandra Parreiras Pereira Fonseca

TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO. SPSD / DVSD - Sandra Parreiras Pereira Fonseca TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO SPSD / DVSD - Sandra Parreiras Pereira Fonseca TRATAMENTO X CUSTOS FONTE: Von Sperling (1997). INTRODUÇÃO Tipos de tratamento de esgoto por disposição

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ Marjory Barbosa Leite Tavares (1); Alana Karen Damasceno Queroga (2); Caroliny

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões SNatural Ambiente Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões Apostila 3: Aeração em Viveiros de Camarões e Peixes Aeração de Tanques pequenos em Série Apostila 1: Teoria de Aeração Apostila 2:

Leia mais

I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA. 15 de Outubro 2004 Silva jardim. Presidente da OADS Vice Presidente da OADS

I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA. 15 de Outubro 2004 Silva jardim. Presidente da OADS Vice Presidente da OADS AUTOMAÇÃO EM AQÜICULTURA I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA DULCÍCOLA 15 de Outubro 2004 Silva jardim Ronald Cruz Ubirajara S. Japiassu Presidente da OADS Vice Presidente da OADS Introdução Introdução

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11 162 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL NORTE 163 -.1 - Compondo uma rede hidrográfica relativamente densa e perene, as águas superficiais do Litoral Norte refletem, através de sua qualidade, o estado

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

Apresentação ECTEL S T A R T

Apresentação ECTEL S T A R T Apresentação ECTEL START Quem Somos A Luftech atua no mercado desde 1992 desenvolvendo soluções para problemas ambientais causados por Resíduos Perigosos. Trabalhamos visando racionalidade econômica, segurança

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Tratamento das Águas Residuais dos Dejetos de Suínos com Aguapé, um Estudo de Caso no Campus Nilo Peçanha- Pinheiral RJ

Tratamento das Águas Residuais dos Dejetos de Suínos com Aguapé, um Estudo de Caso no Campus Nilo Peçanha- Pinheiral RJ ISSN 1984-9354 Tratamento das Águas Residuais dos Dejetos de Suínos com Aguapé, um Estudo de Caso no Campus Nilo Peçanha- Pinheiral RJ Claudia Maria Baronto Pereira Jorge (LATEC/UFF) Resumo: O trabalho

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS A) - QUANDO O CORPO HÍDRICO FOR UM AQUÍFERO (ÁGUA SUBTERRÂNEA/POÇO) 01 - Para todos os usos apresentar:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

Gestão de resíduos urbanos. João Paulo Nardin Tavares

Gestão de resíduos urbanos. João Paulo Nardin Tavares Gestão de resíduos urbanos João Paulo Nardin Tavares POLUIÇÃO DO SOLO O Solo É a formação natural na porção superficial da crosta terrestre. Permite o desenvolvimento vegetal na superfície terrestre Compreende

Leia mais

Eficiência de ETE Com Mesmo Processo de Tratamento Estudo de Casos: Lençois, Canavieiras, Camacan e Sauípe

Eficiência de ETE Com Mesmo Processo de Tratamento Estudo de Casos: Lençois, Canavieiras, Camacan e Sauípe Eficiência de ETE Com Mesmo Processo de Tratamento Estudo de Casos: Lençois, Canavieiras, Camacan e Sauípe Eng. Virgílio Bandeira Eng. Taís Meireles Eng. Kelly Galvão OBJETIVO O estudo consiste em realizar

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

!" # " " $ %&' ( ' # ) *# '" +' + "", ' "' ' " ' -# '.. ) ' " ' ( / # 0 &' # ' 1223

! #   $ %&' ( ' # ) *# ' +' + , ' ' '  ' -# '.. ) '  ' ( / # 0 &' # ' 1223 !"#" " $%&'(' #)*# '"+'+"",'"' '"'-#'..)'" '( / #0&'#' 1223 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA DA F.E.A. UNICAMP C314a Cavalett, Otávio Análise emergética da piscicultura integrada à criação

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais.

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais. ESTUDO BACTERIOLÓGICO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO TOCANTINS, NO TRECHO COMPREENDIDO ENTE OS MUNÍCIPIOS DE CORONEL VALENTE E RETIRO (TO), A JUSANTE DA UHE SERRA DA MESA-GO. Ricardo H. P. B. Peixoto* Mestre

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2012, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo - asm.adrimelo@gmail.com Ecologia de Ecossistemas Aula 4: Produtividade e Decomposição Produção primária

Leia mais

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt Biogás Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt O que é o Biogás? É um gás produzido através de resíduos orgânicos que estão em

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº 12/05 de 12 de Janeiro Considerando o disposto no Decreto nº 39/00. de 10 de Outubro, sobre a protecção do ambiente no decurso das actividades petrolíferas

Leia mais

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS.

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR: SEBASTIÃO ABICEU / PROFESSORA: JANILDA FRÓES Poluição das Águas A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema A questão

Leia mais

Natural Ambiente Ar Difuso e Aquicultura - Aeração. 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4.

Natural Ambiente Ar Difuso e Aquicultura - Aeração. 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4. 1 Ar Difuso e Aquicultura - Aeração 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4. 2) Aeração em Viveiros de Camarões e Piscicultura e Aeração de Tanques pequenos em Série pg 8. 3) Aeração em

Leia mais

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação Panorama da AQÜICULTURA, setembro/outubro, 2008 1 Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua & Imagem Serviços Ltda. fernando@acquaimagem.com.br Na edição passada, iniciamos uma série de artigos sobre práticas

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe 1 Controle de plantas aquáticas em viveiros de criação de peixe Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda fernando@acquaimagem.com.br lantas aquáticas e algas filamentosas podem tomar conta

Leia mais

TRATAMENTO: RESÍDUOS DE SUÍNOS

TRATAMENTO: RESÍDUOS DE SUÍNOS CATI - Coordenadoria de Assistência Técnica Integral IAC Instituto Agronômico de Campinas TRATAMENTO: RESDUOS DE SUNOS Eng Agr : Rinaldo 0. Calheiros : IAC Eng Sanit : Luciene Michella Baschiera : CATI

Leia mais

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA V023 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA Ivo Luís Ferreira Macina (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS

ALTERNATIVAS PARA TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS ALTERNATIVAS PARA TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS Isaac Weber PITZ 1, Jardel POSSAMAI 2, Graciane Regina PEREIRA 3 RESUMO O presente trabalho teve como objetivo identificar um método prático, econômico e

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ETEs TRATAMENTO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO

DIMENSIONAMENTO DE ETEs TRATAMENTO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO DIMENSIONAMENTO DE ETEs TRATAMENTO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO Aníbal Oliveira Freire / DTDT Sandra Parreiras P. Fonseca / DVSD INTRODUÇÃO ETE-ROÇAS NOVAS/CAETÉ ROÇAS NOVAS : 1500 habitantes Encontro Técnico

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Agricultura, Pecuária e Abastecimento CRIAÇÃO DE PEIXE Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO

Leia mais

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Ecossistemas

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Ecossistemas BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental Ecossistemas Programa Introdução Módulo I: Organismos Módulo II: Populações Módulo III: Comunidades Módulo IV: Ecossistemas - Ecossistemas

Leia mais

USO SUSTENTÁVEL DE DEJETO SUÍNOS COMO FERTILIZANTES. Alunos: CPF.: 045.424.079-18 CPF.: 833.061.109-49 CPF.: 044.320.009-29 CPF.: 051.804.

USO SUSTENTÁVEL DE DEJETO SUÍNOS COMO FERTILIZANTES. Alunos: CPF.: 045.424.079-18 CPF.: 833.061.109-49 CPF.: 044.320.009-29 CPF.: 051.804. USO SUSTENTÁVEL DE DEJETO SUÍNOS COMO FERTILIZANTES. Alunos: CPF.: 045.424.079-18 CPF.: 833.061.109-49 CPF.: 044.320.009-29 CPF.: 051.804.729-62 Orientador.: 068.561.208-26 Joaçaba 2014 RESUMO Este trabalho

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima

Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos. Leandro Kanamaru Franco de Lima Compostagem como alternativa para minimizar impactos ambientais em pequenos empreendimentos Leandro Kanamaru Franco de Lima Classificação de resíduos sólidos Resíduos sólidos, segundo a NBR 10.004 (ABNT,

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

A água é a substância mais importante da Terra! Os seres humanos estamos compostos por 75% de água.

A água é a substância mais importante da Terra! Os seres humanos estamos compostos por 75% de água. 3 1. A ÁGUA A água é a substância mais importante para a vida no planeta. Sem a existência da água teria sido impossível a evolução dos seres vivos na Terra. Todas as funções das plantas e animais são

Leia mais