GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT"

Transcrição

1 Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores na Bacia Hidrográfica do Rio Paraguai Pesquisadores Responsáveis Edilaine Theodoro, M Sc. Sanny Costa Saggin Bióloga José Augusto, Ferraz de Lima, D. Sc CUIABÁ/Fevereiro 2002

2 Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores, na Bacia Hidrográfica do Rio Paraguai. Edilaine Theodoro, M Sc. Sanny Costa Saggin Bióloga José Augusto, Ferraz de Lima, D. Sc Introdução O monitoramento das atividades reprodutivas dos peixes migradores é um instrumento valioso para o entendimento da biologia pesqueira em estudos de impacto ambiental. Os estudos obtidos em uma única amostragem servem para antever os eventos acontecidos e prever os eventos futuros, no caso da falta de amostragens em continuidade, ou amostragens pouco abundantes. Entretanto, cada ciclo biológico tem que ser analisado considerando os fatores de influência dos meios físicos e biológicos, concernentes ao ciclo em análise. Considerando que a principal concentração de esforço de pesca e agressões ambientais está incidentes nos rios Cuiabá, Paraguai, Itiquira, São Lourenço, propomos que as amostragens para "Acompanhamento e Monitoramento da Ictiofauna para Definição do Período de Piracema de 2001/2002", sejam realizadas nas regiões de Cuiabá/Santo Antônio, Poconé/Porto Jofre; Rondonópolis/Itiquira e Cáceres/Barra do Jaurú. Neste relatório, apresentamos os resultados do monitoramento realizado nos locais acima especificados, no período de 29/01 a 02/02/02. Objetivo Obtenção de informações a respeito do ciclo de vida dos peixes migradores, para determinação do período de piracema 2001/2002, na Bacia Hidrográfica do Rio Paraguai. Metodologia As pescarias experimentais foram realizadas com redes e tarrafas de malhagens diversas, linha e anzol.

3 Para todos os exemplares amostrados foi medido o comprimento total, devido esta ser uma medida referencial para o estabelecimento do tamanho em que poderia haver incidência de indivíduos jovens (Ferraz de Lima, 1993). Os critérios adotados para a classificação dos estágios de maturação gonadal, adaptados de informações bibliográficas e experiência pessoal (Godoy, 1946; Ferraz de Lima, 1984), foram: Análise visual das gônadas. Para a análise visual foi considerado o volume das gônadas, a coloração, a existência de hematomas, óvulos atrésicos, vascularização do órgão, aderência dos ovócitos, e estabelecidos três estágios de evolução da dinâmica de maturação gonadal, conforme descritos abaixo: I - Juvenil/imaturo = gônadas vestigiais, de coloração pálida transparente, às vezes com dificuldade na distinção entre machos e fêmeas, para o grupo dos peixes Characiformes. II -Maduro = Óvulos mais uniformes e soltos na cavidade ovariana; testículos brancos leitosos, liberando sêmen viscoso ao leve toque. Neste estágio a coloração tem pouca importância, porque varia de espécie para espécie. O volume do ovário e a liberação dos óvulos são os parâmetros mais consistentes. III - Esgotado/Repouso = Ovários esvaziados, com manchas arroxeadas e vasos sanguíneos distendidos (aspecto de varizes), óvulos em atresia (degenerados). Testículos esvaziados com sinais hemorrágicos, coloração róseo/avermelhada, com manchas roxas dispersas ao longo do órgão e com sêmen fluindo sem viscosidade a partir da sua porção distal e ovários alaranjados/transparente (salmão) bastante vascularizados ou testículos pálidos transparentes, ambos os tecidos com ausência de sinais hemorrágicos e gametas imperceptíveis ao olho nú.

4 RESULTADOS Estádio Gonadal: I Imaturo; II Maturo; III Esgotado (Gônadas esvaziadas) Local da Coleta: Rio Cuiabá- Engenho Velho - Região do Aricá Mirim ou Aricazinho Data da Coleta : 29/01/2002 ESPÉCIES TAMANHO cm SEXO ESTÁDIO GONADAL Cachara (Pseudoplatystoma fasciatum) 84 Fêmea III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 103 Fêmea III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 66 Macho III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 64 Macho III Dourado (Salminus maxilosus) 54 Fêmea III Dourado (Salminus maxilosus) 53 Macho III Dourado (Salminus maxilosus) 54 Macho III Local: Porto Jofre- rio Cuiabá-região do rio Piquiri Data: 30/01/02 ESPÉCIES TAMANHO cm SEXO ESTÁDIO GONADAL Pacu (Piaractus mesopotamicus)) 35 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 56 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 42 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 35 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 38 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 34 Macho III Local: Barra do Piquiri Data 30/01/02 Pacu (Piaractus mesopotamicus) 55 Fêmea II Dourado (Salminus maxilosus) 63 Fêmea III Jaú (Paulicea luetkeni) 96 Fêmea III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 83 Fêmea III

5 Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 88 Macho III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 70 Macho III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 80 Macho III Cachara (Pseudoplatystoma fasciatum) 83 Fêmea III Local: Rio Cuiabá região da Barra do rio Piquiri Data: 31/01/02 Cachara (Pseudoplatystoma fasciatum) 88 Fêmea III Cachara (Pseudoplatystoma fasciatum) 76 Macho III Cachara (Pseudoplatystoma fasciatum) 78 Macho III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 79 Macho III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 132 Fêmea III Dourado (Salminus maxilosus) 58 Fêmea III Dourado (Salminus maxilosus) 62 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 46 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 52 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 46 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 41 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 45 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 42 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 44 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 46 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 44 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 42 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 48 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 42 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 41 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 40 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 45 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 42 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 42 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 48 Fêmea II Pacu (Piaractus mesopotamicus) 41 Fêmea III

6 Pacu (Piaractus mesopotamicus) 45 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 47 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 47 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 46 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 45 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 44 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 44 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 46 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 42 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 48 Fêmea II Pacu (Piaractus mesopotamicus) 45 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 38 Macho III Local: Rio Paraguai região da Barra do rio Jauru Data: 01/02/02 Barbado (Pinirampus pinirampu) 62 Macho III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 49 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 47 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 47 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 41 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 48 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 44 Fêmea III Pacu (Piaractus mesopotamicus) 45 Fêmea III Local: Rio Itiquira, Pantanal do Itiquira Data: 31/01 a 01/02/02 Pacu (Piaractus mesopotamicus) 47 Fêmea III Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 80 Fêmea III

7 DISCUSSÕES E CONCLUSÕES Não obstante a pequena quantidade de peixes capturados, nas regiões média/altas dos rios Cuiabá e Itiquira, os resultados são suficientes para demonstrarem que nestas regiões não se encontra mais concentração de cardumes de peixes migradores nesta época do ano. Em todos os demais locais estudados, na Bacia do Rio Paraguai (planície de inundação) a maioria dos peixes apresentaram as gonadas esvaziadas, em adiantado estado de repouso gonadal, conforme é conhecido para o período pós desovas (fotos 01, 02, 03 e 04). Os resultados deste monitoramento evidenciam que os peixes já desovaram em toda a bacia hidrográfica do rio Paraguai. EQUIPE TÉCNICA Pesquisadores FEMA - MT Edilaine Theodoro, M Sc. Sanny Costa Saggin Bióloga IBAMA José Augusto Ferraz de Lima, D. Sc Agradecimento fraterno às pessoas que participaram direta e indiretamente das coletas e ainda muito especialmente ao: Senhor JAMIL RODRIGUES DA COSTA proprietário do Hotel Porto Jofre Pantanal Norte no município de Poconé-MT - ; Senhor Marco Aurélio (Lélo) da Pousada Baiazinha no município de Cáceres; Ao companheiro e pescador Jozino, ao companheiro e colega Júlio Reinners da FEMA-MT e ao companheiro e colega Bathilde Abdalla da JUVAM-MT.

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FERRAZ DE LIMA, J. A., l984. Piracema e reprodução no Pantanal. Jornal da Pesca Nº.6, SUDEPE, Brasília. FERRAZ DE LIMA, J. A., A pesca no Pantanal de Mato Grosso (Rio Cuiabá: importância dos peixes migradores). Revista Acta Amazônica, 16/17: FERRAZ DE LIMA, J.A., Recursos pesqueiros em ambientes inundáveis (Rio Cuiabá: Pantanal de Mato Grosso). In: Encontro Brasileiro de Ictiologia, 10, Universidade de São Paulo, SP. Programas e Resumos... p GODOY, M. P A piracema de 1944/1945 no rio Mogi Guaçu, SP. Boletim Ministério da Agricultura, 34:

9 ANEXO I (fotos)

10 GONODAS (Aparelho Reprodutor) Foto 01 Pintado (Pseudoplatystoma corruscans) em estádio gonadal esgotado - Capturado no rio Cuiabá / Porto Jofre Poconé (Pantanal-MT) em 30 de janeiro de 2002 GONODAS (Aparelho Reprodutor) Foto 02 Pintado (Pseudoplatystoma corruscans), Macho em estádio gonadal esgotado - capturado no rio Cuiabá / Porto Jofre Poconé (Pantanal-MT) em 30 de janeiro de 2002

11 GONODA (Aparelho Reprodutor) Foto 03 Dourado (Salminus maxillosus), Femea em estádio gonadal esgotado/repouso - capturado no rio Cuiabá / Porto Jofre Poconé (Pantanal-MT) em 30 de janeiro de 2002 GONODAS (Aparelho Reprodutor) Foto 04 Pacu (Piaractus mesopotamicus), Macho em estádio gonadal esgotado - capturado no rio Cuiabá / Porto Jofre Poconé (Pantanal-MT) em 30 de janeiro de 2002

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

Influência da Pesca Seletiva sobre o Comprimento Médio de. Maturação em Populações de Dourado (Salminus brasiliensis),

Influência da Pesca Seletiva sobre o Comprimento Médio de. Maturação em Populações de Dourado (Salminus brasiliensis), Influência da Pesca Seletiva sobre o Comprimento Médio de Maturação em Populações de Dourado (Salminus brasiliensis), Piraputanga (Brycon hilarii) e Curimbatá (Prochilodus lineatus) no Rio Miranda, Mato

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

Pesca Experimental e Biologia Reprodutiva de Grandes Bagres na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Tefé (AM) Brasil

Pesca Experimental e Biologia Reprodutiva de Grandes Bagres na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Tefé (AM) Brasil Centro Universitário de Brasília UniCEUB Faculdade de Ciências da Saúde FCS Pesca Experimental e Biologia Reprodutiva de Grandes Bagres na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Tefé (AM) Brasil

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE PESQUEIRA COMERCIAL NO ALTO RIO PARAGUAI, MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES, MATO GROSSO 1

CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE PESQUEIRA COMERCIAL NO ALTO RIO PARAGUAI, MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES, MATO GROSSO 1 1 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE PESQUEIRA COMERCIAL NO ALTO RIO PARAGUAI, MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES, MATO GROSSO 1 HEITOR QUEIROZ MEDEIROS 2, VIVIANE LUCAS AMARAL 3, LÚCIA APARECIDA DE FÁTIMA MATEUS 4,5,

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Carlos Bernardo Mascarenhas Alves Projeto Manuelzão - UFMG Roteiro da apresentação Aspectos gerais Plano Diretor de Recursos Hídricos Ictiofauna

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Prof. Dr. CARMINO HAYASHI Professor Visitante Nacional Sênior

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

MATO GROSSO DO SUL INDICADORES BÁSICOS DE

MATO GROSSO DO SUL INDICADORES BÁSICOS DE Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Planejamento e de Ciência e Tecnologia Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Estudos Socioeconômicos INDICADORES BÁSICOS DE MATO GROSSO

Leia mais

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil:

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: dificuldades e necessidades do usuário Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes (CTPeixes) UFMG agodinho@ufmg.br Sumário da Apresentação Espécies

Leia mais

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT I Workshop de Avaliação da Rede de Sustentabilidade da Pesca no Pantanal I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT PARECER

Leia mais

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece normas e define os locais, formas e quantidades de captura de peixes oriundos da pesca amadora e profissional nas bacias hidrográficas dos Rios Paraná,

Leia mais

Lúcia A. F. Mateus & Jerry M. F. Penha

Lúcia A. F. Mateus & Jerry M. F. Penha Avaliação dos estoques pesqueiros de quatro espécies de grandes bagres (Silurif ifor ormes, Pimelodidae) na bacia do rio Cuiabá, Pantanal norte, Brasil, utilizando alguns Pontos de Referência erência Biológicos

Leia mais

PIRACEMA. Contra a corrente

PIRACEMA. Contra a corrente PIRACEMA A piracema é um fenômeno que ocorre com diversas espécies de peixes ao redor do mundo. A palavra vem do tupi e significa subida do peixe. A piracema é o período em que os peixes sobem para a cabeceira

Leia mais

Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos

Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos AGOSTINHO CARLOS CATELLA 1,4, RODRIGO DE OLIVEIRA MASCARENHAS 2,5, SELENE PEIXOTO ALBUQUERQUE 3,6, FRANCISCA FERNANDES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria de Estado do Meio Ambiente Superintendência de Biodiversidade Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria de Estado do Meio Ambiente Superintendência de Biodiversidade Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros MEMÓRIA 1ª REUNIÃO DE DISCUSSÃO SOBRE A NECESSIDADE DE ALTERAÇÃO DA COTA MÁXIMA DE TRANSPORTE PARA A PESCA AMADORA Data: 08/11/2011 Local: Auditório Pantanal da SEMA-MT Hora de início: 14h30. PAUTA: 1.

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

A vida de uma enguia

A vida de uma enguia Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Castelo Branco A vida de uma enguia Texto de apoio Piscicultura António Moitinho Rodrigues Castelo Branco 2002 Introdução Além dos peixes como o salmão

Leia mais

Tabela oficial de Medidas para Captura de Peixes

Tabela oficial de Medidas para Captura de Peixes Tabela oficial de Medidas para Captura de Peixes ESTADO DE GOIÁS NOME VULGAR TAMANHO MÍNIMO PARA CAPTURA Aruanã 50 cm Barbado 50 cm Bargada 80 cm Cachorra 50 cm Caranha/Pirapitinga 40 cm Curimatã 20 cm

Leia mais

RECOMENDAÇÃO nº 003/2011. Ao Ministério do Meio Ambiente,

RECOMENDAÇÃO nº 003/2011. Ao Ministério do Meio Ambiente, Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul Procuradoria da República em Mato Grosso MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL RECOMENDAÇÃO nº 003/2011 Ao Ministério do Meio Ambiente, O MINISTÉRIO

Leia mais

O que é gametogênese?

O que é gametogênese? O que é gametogênese? É o processo pelo qual os gametas são produzidos nos organismos dotados de reprodução sexuada. Nos animais, a gametogênese acontece nas gônadas, órgãos que também produzem os hormônios

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO BUGRES Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo REGULAMENTO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO BUGRES Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo REGULAMENTO REGULAMENTO Das Disposições e Objetivos: Art. 1º. O 21º Festival Regional de Pesca de Barra do Bugres(FEST BUGRES 2015), será realizado no dia 07/06/2015 e está regulamentado por este instrumento, é uma

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006

LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Figura 2 Figura 3 - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006 - Municípios Abrangidos Pela Zona de Amortecimento

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA RELATÓRIO 2007 USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO Água e Terra Planejamento Ambiental Ltda. PATOS DE MINAS, MARÇO DE 2008. 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA Água e Terra Planejamento Ambiental

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 155, 13 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação da pesca nas Bacias Hidrográficas do Leste, no Estado de Minas Gerais, excetuando-se as bacias dos rios Grande, Paranaíba e São Francisco,

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada;

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada; 413 - Escritório de apoio administrativo e Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Local para a disposição final

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

POTENCIALIDADE DA PESCA E DA AQÜICULTURA NO MUNICÍPIO DE BARRA, REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, BAHIA, BRASIL.

POTENCIALIDADE DA PESCA E DA AQÜICULTURA NO MUNICÍPIO DE BARRA, REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, BAHIA, BRASIL. POTENCIALIDADE DA PESCA E DA AQÜICULTURA NO MUNICÍPIO DE BARRA, REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, BAHIA, BRASIL. 1-Ricardo Castelo Branco ALBINATI 2-Gisele Baiana SANTOS 1-Professor Associado I - Medicina

Leia mais

XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este - Uruguay

XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este - Uruguay XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este - Uruguay ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL - AIDIS DETERMINAÇÃO

Leia mais

PULSO DE INUNDAÇÃO processo ecológico essencial à vida no Pantanal

PULSO DE INUNDAÇÃO processo ecológico essencial à vida no Pantanal PULSO DE INUNDAÇÃO processo ecológico essencial à vida no Pantanal Emiko Kawakami de Resende 1 RESUMO---O pulso de inundação, o ir e vir das águas ou o processo de enchente e seca é o processo ecológico

Leia mais

Amor Peixe Modelo de desenvolvimento sustentável

Amor Peixe Modelo de desenvolvimento sustentável PROJETO BR 2011 Comunidade Sustentabilidade Amor Peixe Modelo de desenvolvimento sustentável Projeto desenvolvido por um grupo de mulheres pantaneiras com o apoio do WWF-Brasil gerou sustentabilidade ambiental,

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A CRIAÇÃO DE PEIXES EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA PEQUENOS PRODUTORES DO MUNICÍPIO

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

FLORA AUXILIADORA XIMENES

FLORA AUXILIADORA XIMENES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTERIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS FLORA AUXILIADORA XIMENES

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR Roteiro de Geografia - Professor: Vilson P. Rodrigues - 7 Ano A Primeiro Bimestre de 2010 Observações Gerais: Alunos e Senhores Pais de Alunos - O roteiro sempre estará

Leia mais

CRÉDITOS. Foto Capa: Ascom/ Arout

CRÉDITOS. Foto Capa: Ascom/ Arout Peixes 2013 CRÉDITOS Foto Capa: Ascom/ Arout Edição e Texto: - Diego de Oliveira Tavares - James Blanco Nunes - Kauana Peixoto Mariano - Tatiane Santiago Lopes - Marina Alberti Macedo - Laryssa Lorrany

Leia mais

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002 PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002 POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE DA CESP Princípios: 1. Planejar, projetar e desenvolver suas atividades levando em consideração todas as implicações ambientais.

Leia mais

ANAL ANAL ANTANAL PANT

ANAL ANAL ANTANAL PANT Garças Considerado como Santuário Ecológico por conter um valioso banco genético, forma um ecossistema complexo e frágil, pois as teias de relações ou interações entre seus elementos são muito delicadas.

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Técnico ambiental Analista ambiental. Estagiário 2. Contrato temporário (brigadista)

RECURSOS HUMANOS. Técnico ambiental Analista ambiental. Estagiário 2. Contrato temporário (brigadista) RECURSOS HUMANOS Cargo Quantidade Técnico ambiental Analista ambiental 3 4* Estagiário 2 Contrato temporário (brigadista) 14 Ameaças Criação de gado no entorno (Centro-sul da Ilha do Bananal); Ameaças

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 154, 13 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação da pesca na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, no Estado de Minas Gerais, no período da piracema, e dá outras providências. O

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

HISTOLOGIA DE GONADAS DE HIBRIDOS DE SURUBINS EXPLORADOS COMERCIALMENTE

HISTOLOGIA DE GONADAS DE HIBRIDOS DE SURUBINS EXPLORADOS COMERCIALMENTE HISTOLOGIA DE GONADAS DE HIBRIDOS DE SURUBINS EXPLORADOS COMERCIALMENTE Milene Aguirre Aranda 1 ; Andrea Maria de Araújo Gabriel²; Fabiana Cavichiolo 2 ; Arlene Ventura Sobrinho 3 ; Carolina Queiroz Carollo

Leia mais

Projeto de Pesquisa ANALISE DA ENTOMOFAUNA LIMNÉTICA ASSOCIADA A MESO-HABITATS DE DOIS CÓRREGOS DE NOVA XAVANTINA GESTÃO AMBIENTAL

Projeto de Pesquisa ANALISE DA ENTOMOFAUNA LIMNÉTICA ASSOCIADA A MESO-HABITATS DE DOIS CÓRREGOS DE NOVA XAVANTINA GESTÃO AMBIENTAL ANALISE DA ENTOMOFAUNA LIMNÉTICA ASSOCIADA A MESO-HABITATS DE DOIS CÓRREGOS DE NOVA XAVANTINA O projeto tem como objetivo estudar a preferencia de especies de ordonata e ephemeroptera aos mes-habitats

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural REFERÊNCIA UNIDADE SOLICITANTE EMENTA 1 INTRODUÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural LAUDO TÉCNICO Nº 036/2011-4ªCCR PA n.º 1.00.000.009374/2009-81

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Grupo de Pesquisa: Agropecuária, Meio-Ambiente, e Desenvolvimento Sustentável

Grupo de Pesquisa: Agropecuária, Meio-Ambiente, e Desenvolvimento Sustentável IMPLICAÇÕES DA ALTERAÇÃO DO NÍVEL DE ÁGUA DO RIO CUIABÁ NA OFERTA DE PESCADO: UM ESTUDO DE CASO DA COLÔNIA Z5 DE BARÃO DE MELGAÇO-MT rogeriocba2@gmail.com APRESENTACAO ORAL-Agropecuária, Meio-Ambiente,

Leia mais

Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA

Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus Purus : Gestão, Biodiversidade e Conservação Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Instituto Piagaçu - IPi Os caminhos

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Boletim da Sociedade Brasileira de Limnologia n o 38 (1). NENHUM PEIXE É UMA ILHA

Boletim da Sociedade Brasileira de Limnologia n o 38 (1). NENHUM PEIXE É UMA ILHA NENHUM PEIXE É UMA ILHA Ronaldo Angelini 1 ; Léo Caetano Ferreira da Silva 2 ; Michel Lopes Machado 3 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Departamento de Engenharia Civil. ronangelini@yahoo.com.br

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 48, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2007

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS <!ID669947-0> PORTARIA Nº 48, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2007 DOU Nº 213, terça-feira, 6 de novembro de 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 48, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2007 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO

Leia mais

Maringá, Brasil, abril de 2004

Maringá, Brasil, abril de 2004 PROPOSTA DO TESE PADRÕES DE MIGRAÇÃO DE PEIXES NO ALTO RIO URUGUAI E CAPACIDADE DE TRANSPOSIÇÃO DE OBSTÁCULOS Maringá, Brasil, abril de 2004 Lisiane Hahn Universidade Estadual de Maringá 1 Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA CAROLINY OLIVEIRA MELO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REPRODUÇÃO INDUZIDA DE ESPÉCIES DE PEIXES NATIVOS Trabalho

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

DIAGNÓSTICO ANALÍTICO DO PANTANAL E BACIA DO ALTO PARAGUAI

DIAGNÓSTICO ANALÍTICO DO PANTANAL E BACIA DO ALTO PARAGUAI IMPLEMENTAÇÃO DE PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE BACIA HIDROGRÁFICA PARA O PANTANAL E BACIA DO ALTO PARAGUAI ANA/GEF/PNUMA/OEA Subprojeto 9.4A - Elaboração do Diagnóstico Analítico do Pantanal e

Leia mais

De olho no Sinos: esgoto doméstico se tornou principal vilão

De olho no Sinos: esgoto doméstico se tornou principal vilão Reportagem Multimídia De olho no Sinos: esgoto doméstico se tornou principal vilão Jornal NH Link para a matéria no site: http://www.jornalnh.com.br/_conteudo/2014/07/noticias/regiao/67637-de-olho-no-sinosesgoto-domestico-se-tornou-principal-vilao.html

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 38 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

- Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat;

- Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat; A reprodução: - Tem importância nos mecanismos de evolução e Seleção Natural dos seres vivos; - Mantém o equilíbrio ecológico e alimentar de um habitat; - E, principalmente, ajuda a perpetuar uma espécie

Leia mais

Situação Atual e Desafios

Situação Atual e Desafios III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA Políticas para o Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura da Amazônia CADEIA PRODUTIVA DOS SURUBINS Situação Atual e Desafios Thiago Tetsuo Ushizima

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. VALTENIR PEREIRA) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. VALTENIR PEREIRA) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. VALTENIR PEREIRA) Requer o envio de Indicação à Presidência da República, relativa à criação da CODEPAN Companhia de Desenvolvimento do Pantanal. Senhor Presidente: Nos termos do artigo

Leia mais

A força bruta dos PEIXES DE COURO

A força bruta dos PEIXES DE COURO Texto: Rubinho de Almeida Prado Fotos: arquivo Pescaventura A força bruta dos PEIXES DE COURO Revista Pesca 28 Embora nos dias de hoje muito se fale da pesca esportiva com iscas artifi ciais, não há como

Leia mais

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG.

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG. Estudo da Fauna de Peixes do Rio dos Cochos e da Relação com a Comunidade em seu Entorno. Deborah Mattos Guimarães Apgaua¹; Paulo dos Santos Pompeu²; Áureo Eduardo Magalhães Ribeiro³ ¹Estudante de graduação

Leia mais

Exercícios de Reprodução Comparada

Exercícios de Reprodução Comparada Exercícios de Reprodução Comparada Material de apoio do Extensivo 1. (PUC) Os seres vivos podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente. Sobre este assunto, destaque a afirmativa correta: a) A reprodução

Leia mais

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino [ meio ambiente ] Ameaçado de extinção, o Pirarucu, o maior peixe de escamas de nossas águas, ganhou programa de manejo e seus exemplares voltam a atingir número e tamanhos que permitem anualmente sua

Leia mais

PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002.

PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002. PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002. O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, nomeado por Decreto de 13 de maio de 2002, publicado no

Leia mais

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra Sistema Reprodutor 1. Sistema genital feminino a) Órgãos - Clítoris - Vagina - Útero - Tubas uterinas - Ovários b) Hormônios sexuais femininos c) Controle hormonal do ciclo menstrual d) Fecundação O sistema

Leia mais

MELHORAMENTO ANIMAL NO BRASIL: UMA VISÃO CRÍTICA ESPÉCIES AQUÁTICAS

MELHORAMENTO ANIMAL NO BRASIL: UMA VISÃO CRÍTICA ESPÉCIES AQUÁTICAS MELHORAMENTO ANIMAL NO BRASIL: UMA VISÃO CRÍTICA ESPÉCIES AQUÁTICAS Emiko Kawakami de Resende 1, Carlos Antonio Lopes de Oliveira 2, Angela Puchnick Legat 3, Ricardo Pereira Ribeiro 2 1- Pesquisadora da

Leia mais

5 Ecologia e biologia do peixe Mugil liza (tainha)

5 Ecologia e biologia do peixe Mugil liza (tainha) 5 Ecologia e biologia do peixe Mugil liza (tainha) 5.1. Mugil liza (tainha) Nesta dissertação serão feitos estudos para a medição de metabólitos de HPAs na bílis de tainhas, sendo este um dos peixes mais

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

UTILIZANDO SÊMEN FRESCO E CONGELADO DURANTE O PROCESSO DE REPRODUÇÃO INDUZIDA

UTILIZANDO SÊMEN FRESCO E CONGELADO DURANTE O PROCESSO DE REPRODUÇÃO INDUZIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AQÜICULTURA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQÜICULTURA APERFEIÇOAMENTO DAS TÉCNICAS DE FERTILIZAÇÃO DE OVÓCITOS DE DOURADO,

Leia mais

Ecologia e Etnoecologia de Robalos na Baía de Paraty-RJ, Brasil. Sugestões para o processo de co-manejo (parte II)

Ecologia e Etnoecologia de Robalos na Baía de Paraty-RJ, Brasil. Sugestões para o processo de co-manejo (parte II) Ecologia e Etnoecologia de Robalos na Baía de Paraty-RJ, Brasil. Sugestões para o processo de co-manejo (parte II) Vinicius Nora Orientador(a): Prof.ª Dr.ª Alpina Begossi Co-orientador (a): Prof.ª Dr.ª

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.25 - Programa de Monitoramento da Ictiofauna Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA Fernanda Teixeira e Marciano

Leia mais

Aspectos biológicos e emocionais

Aspectos biológicos e emocionais Aspectos biológicos e emocionais a. Biologia da reprodução humana Do ponto de vista biológico, o objectivo do sexo é fundir dois grupos de informações genéticas, um da mãe e outro do pai, para formar um

Leia mais

Curso Técnico Logística. Curso Técnico Segurança do Trabalho. Engenharia Sustentável: Desenvolvimento de um Filtro para Reaproveitamento da Água.

Curso Técnico Logística. Curso Técnico Segurança do Trabalho. Engenharia Sustentável: Desenvolvimento de um Filtro para Reaproveitamento da Água. Curso Técnico Logística Alunos Logística: Mayara Cristina Lima Macena e Túlio de Moura Carneiro Curso Técnico Segurança do Trabalho Alunos Tec. Segurança do Trab.: Cristovão Costa Barbosa e Lucas Marçal

Leia mais

Redes de cerco. Redes de cerco

Redes de cerco. Redes de cerco Redes de cerco Capturam os peixes, rodeando pelos lados e por baixo Com algumas exceções trata-se de rede de superfície São sustentadas por números flutuadores Se manobram com um ou dois barcos Redes de

Leia mais

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária INTRODUÇÃO REVISÃO DOS ASPECTOS ANATÔMICOS http://www.fao.org/wairdocs/ilri/x5442e/x5442e05.gif 1- corno uterino

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA PROCESSO PRODUTIVO AGOSTO/SETEMBRO 2009 NATIV PESCADOS U.N.E. 1. CHAPECÓ

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR Roteiro de Geografia - Professor: Vilson P. Rodrigues - 7 Ano B Primeiro Bimestre de 2010 Observações Gerais: Alunos e Senhores Pais de Alunos - O roteiro sempre estará

Leia mais

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES

REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES REPRODUÇÃO MECANISMO DE PERPETUAÇÃO DAS ESPÉCIES Reprodução: Mecanismo pelo qual os seres vivos se multiplicam. Duas modalidades de reprodução: SEXUADA ASSEXUADA REPRODUÇÃO SEXUADA Eventos fundamentais:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO,

EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO, ESTADO DE RONDÔNIA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA MENSAGEM N 183/2010. EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO, O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RONDÔNIA encaminha a Vossa Excelência para

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais