Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher"

Transcrição

1 Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher Deu início a um novo modelo de hermenêutica Utilizou o método histórico-crítico e o conceito de razão histórica Trouxe para a hermenêutica o caráter científico, não só técnico Dá ênfase aos processos mentais do intérprete e do autor: impossível separar o escrito do seu escritor; hermenêutica deve compreender o texto e o autor Elaborou uma teoria geral da hermenêutica (não apenas regras) Hermenêutica não é determinada pelas condições do objeto, mas do sujeito; em vez de como interpretar, o que é interpretar Falar/escrever é o lado externo do pensamento, por isso a hermenêutica tem dois momentos: interpretar texto e conteúdo Compreender - repetir na mente do intérprete os processos mentais do autor Influência sobre o Direito: psicologismo jurídico

2 Hermenêutica Filosófica - Dilthey Adota como ponto de partida o método de Schleiermacher Objetiva o reconhecimento científico da história (historicismo) Abre o plano da compreensão para o contexto sócio-temporal (cultura) Todas as experiências humanas se dão no meio de uma comunidade Chama a atenção para a existência de dois mundos: dado e construído Mundo dado - campo da ciência natural; mundo construído - história Razão científica x razão histórica Propõe a divisão da ciência em dois grupos: ciências da natureza e do espírito Ciência natural - método analítico-esclarecedor (causalidade) Ciência do espírito - método compreensivo-descritivo (compreensão) Mundo dado - distante do homem; mundo construído - próximo Objetivo das ciências do espírito: compreender o desenvolvimento histórico da consciência humana Influência no Direito: escolas histórica e teleológica

3 Hermenêutica Filosófica - Heidegger Discordou dos anteriores: objetivo da hermenêutica é a própria compreensão Ato de compreensão faz parte da essência do ser humano -> existência Hermenêutica: esforço de autocompreensão (estudo ontológico) Para estudar a compreensão, é necessário o esclarecimento das condições prévias para que ela se realize, o que ele chama de pré-compreensão. As pré-opiniões ou pré-conceitos provêm das percepções culturais na vida em comunidade e formam o ponto de partida de toda compreensão posterior. Cada intérprete, de acordo com essa pré-compreensão, tem uma percepção diferenciada das coisas do mundo e com isso elabora a sua compreensão Por exemplo: ao ler um texto, o leitor traça algumas expectativas, de acordo com o seu conhecimento prévio do assunto (projeto de leitura). A tarefa principal da compreensão da leitura é a confirmação desse projeto. Cada pessoa humana tem dentro de si uma parcela da racionalidade geral. Isso torna possível a aquisição de novos conhecimentos e a relação com os conhecimentos passados.

4 Hermenêutica Filosófica - Gadamer Discípulo de Heidegger, entende a compreensão como um diálogo entre o intérprete e o texto - não interessa muito o autor, mas o texto em si mesmo O intérprete interpela o texto, que responde, e isso suscita novas perguntas, que se incorporam à mente do intérprete - movimento circular interminável Cria o conceito de círculo da compreensão : pré-compreensão+compreensão Um texto sempre é lido e compreendido por muitas pessoas, em épocas distintas, formando uma fusão de compreensões que se incorporam a ele. Cada vez que lemos um texto e o compreendemos, estamos colaborando para a continuação desse círculo hermenêutico interminável - texto inesgotável Atividade própria da compreensão não é apenas teórica, mas teórica-prática Aplicação ao Direito: interpretação legislativa -> texto constitucional -> contexto sócio-cultural Integração do Direito aos valores sociais, de acordo com o entendimento do intérprete (Constituição: ponto de encontro Direito-Sociedade)

5 Hermenêutica Filosófica - J. P. Sartre Filósofo seguidor da doutrina existencialista: existência precede a essência Influenciado pela fenomenologia (Husserl): necessário partir da subjetividade Crítica da subjetividade formal (Kant), defesa da subjetividade intencional Rejeita a visão técnica do mundo, corroborada pelo conceito do Criador O homem cria a si mesmo através de suas decisões e ações na sociedade O homem é o que faz de si mesmo - princípio do existencialismo O homem tem responsabilidade total por sua existência-influencia os demais O homem se constrói num processo que demora toda a vida de decisões Assim constrói também a sociedade, a moral, o Direito, o Estado Na vida social, a liberdade de um depende da liberdade dos outros Aplicação para o Direito: não há direito desvinculado da vida concreta O significado das normas se relacionam a um tempo e lugar determinados Os valores se transformam e com eles a nossa compreensão das coisas A interpretação das normas acompanha a dinâmica da sociedade, não possui regras fixas nem sentido imutável (interpretação->aplicação).

6 Hermenêutica Filosófica - Paul Ricoeur Estudioso de psicanálise, linguística e hermenêutica, tradutor clássico Discorda do conceito de interpretação que vincula o autor ao tempo histórico Textos escritos contêm um conjunto próprio de significados, que ultrapassam o tempo histórico do autor e alcançam a pessoa do intérprete. Não é possível captar a intenção do autor nem as palavras se vinculam aos fatos históricos (contesta psicologismo e historicismo) Objetivo da hermenêutica é a própria narrativa (texto autônomo) O intérprete deve concentrar-se nas categorias do discurso (semântica), num diálogo onde se manifestam as polissemias (intencionalidade da narrativa). Interagem o fato narrado, o autor e o intérprete para realizar a interpretação Para isso, é necessário despsicologizar, desistorizar, desabsolutizar o texto Verdadeiro sentido está no movimento circular (texto, autor, leitor, história e sociedade) - impossível uma interpretação terminativa O sentido da obra escrita num mundo próprio do texto, sempre aberto Cada interpretação apreende um sentido atual, mas outros são possíveis.

7 Hermenêutica Filosófica - P.Ricoeur (cont) Contesta a divisão entre ciências da natureza e do espírito: a hermenêutica circula entre um modo e outro, não estando em apenas um deles Ciências humanas utilizam processos explicativos; ciências naturais utilizam intuição e sensibilidade, não se trata de escolher um ou outro Importância para o Direito: defesa da autonomia do texto reforça a corrente objetivista da interpretação (mens legis) Norma possui sentido autônomo, não vinculada à intenção do legislador Toda interpretação da norma é sempre parcial e incompleta, renovando-se na sua aplicação a cada caso concreto A interpretação da norma é um processo de construção e a compreensão atual serve de mediação para as interpretações futuras Hermenêutica é produtiva, não é reprodutiva (lógico-silogístico) Hermenêutica produtiva possibilita análise valorativa, buscando a melhor justiça.

1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO

1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO 1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Admitindo que a história da filosofia é uma sucessão de paradigmas, a ordem cronológica correta da sucessão dos paradigmas na história

Leia mais

HANS KELSEN ( )

HANS KELSEN ( ) HANS KELSEN (1881-1973) TEORIA PURA DO DIREITO Contextualização: O Movimento para o Direito Livre estava em plena ascensão na Alemanha e parecia que o formalismo jurídico havia sido superado. A diversidade

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

A psicologia humanista surgiu na década de 50, ganhando força nos anos 60 e 70; Reação às ideias psicológicas pré-existentes: o behaviorismo e a

A psicologia humanista surgiu na década de 50, ganhando força nos anos 60 e 70; Reação às ideias psicológicas pré-existentes: o behaviorismo e a Humanismo A psicologia humanista surgiu na década de 50, ganhando força nos anos 60 e 70; Reação às ideias psicológicas pré-existentes: o behaviorismo e a psicanálise Os principais constituintes deste

Leia mais

Questão metodológica. Sobre o existente. Aula Extra: Filosofia Contemporânea. Prof. Daniel Pansarelli

Questão metodológica. Sobre o existente. Aula Extra: Filosofia Contemporânea. Prof. Daniel Pansarelli Aula Extra: Filosofia Contemporânea Prof. Daniel Pansarelli Fenomenologia, Hermenêutica e Existencialismo INTRODUÇÕES Questão metodológica A HERMENÊUTICA contemporânea é uma das correntes filosóficas derivadas

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte Habilitação: Bacharelado e Licenciatura em Filosofia Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Renovação Atual de Reconhecimento - Port. nº286/mec de 21/12/12-DOU 27/12/12.Curso reconhecido pelo Decr.

Leia mais

SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise

SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise Carolina Casarin Paes * Marco Antônio Marco Faccione Berbel.** Bruno Eduardo Procopiuk Walter *** JUSTIFICATIVA No início do século, a humanidade vivia um

Leia mais

Unidade 04. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 04. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 04 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Apresentar o período moderno da filosofia que contribuiu como base pré-científica para o desenvolvimento da Psicologia.

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte Habilitação: Bacharelado e Licenciatura em Filosofia Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Renovação Atual de Reconhecimento - Port. nº286/mec de 21/12/12-DOU 27/12/12.Curso reconhecido pelo Decreto

Leia mais

Introdução ao Estudo do Direito

Introdução ao Estudo do Direito Introdução ao Estudo do Direito Interpretação e Hermenêutica Jurídica Prof. Rosane Terra Noções Introdutórias Para a aplicação justa do Direito, é imperioso que o intérprete lance mão de métodos, ou seja,

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

Fase Fase 02 2 CURRÍCULO DO CURSO. Currículo: Habilitação: Núcleo Fundamental - Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0

Fase Fase 02 2 CURRÍCULO DO CURSO. Currículo: Habilitação: Núcleo Fundamental - Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0 Habilitação: Núcleo Fundamental Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Curso reconhecido pelo Decreto Federal 6266, de 26/06/1959, publicado no Diário

Leia mais

METODOLOGIA JURÍDICA

METODOLOGIA JURÍDICA BOLETIM DA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE COIMBRA A. CASTANHEIRA NEVES METODOLOGIA JURÍDICA Problemas fundamentais Reimpressão 2013 Coimbra Editora STVDIA IVRIDICA 1 Comissão Redatora ALMEIDA COSTA

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO

A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO Jeannette Antonios Maman Professora Doutora do Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito

2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito 2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito O termo ciência não é unívoco O debate está voltado à questão da metodologia, mas cada ciência tem a sua... Direito: ciência ou técnica pertencente

Leia mais

JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA

JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA Ponto de partida: - idéia de sistema (influência de Schelling) - visão do Direito como um organismo vivo; Influência do idealismo alemão (Hegel): identificação entre

Leia mais

Prof. Ricardo Torques

Prof. Ricardo Torques Revisão de Filosofia do Direito para o XXI Exame de Ordem Prof. Ricardo Torques www.fb.com/oabestrategia INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FILOSOFIA CONCEITO GERAL DE FILOSOFIA: refletir e questionar o saber instituído,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Movimento para o Direito Livre

Movimento para o Direito Livre Movimento para o Direito Livre Reação ao conceitualismo e formalismo do Direito da pandectista alemã. Não era um grupo específico, mas eram iniciativas isoladas de juristas alemães. Direito = lei + conjunto

Leia mais

Teoria da Atividade: Um Paradigma Possível para Elicitação de Requisitos de Software. Luiz Eduardo Galvão Martins

Teoria da Atividade: Um Paradigma Possível para Elicitação de Requisitos de Software. Luiz Eduardo Galvão Martins Teoria da Atividade: Um Paradigma Possível para Elicitação de Requisitos de Software Luiz Eduardo Galvão Martins lgmartin@unimep.br FACEN - UNIMEP Estrutura da Apresentação Objetivo do trabalho Contextualização

Leia mais

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula 001-005 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Fontes Hierarquia (ordem de graduação) Autonomia (entre os diversos ramos) Aplicação (conflitos entre

Leia mais

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

Conforme nos ensina o constitucionalista J. J. Gomes Canotilho,

Conforme nos ensina o constitucionalista J. J. Gomes Canotilho, Interpretação da Constituição Vicente Paulo & Marcelo Alexandrino Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com (19) 8130-5005 Interpretação da Constituição. Interpretar as normas constitucionais

Leia mais

Unidade: GESTALT. Unidade I:

Unidade: GESTALT. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: GESTALT A ESCOLA DA GESTALT A ORIGEM E A HISTÓRIA DA GESTALT Para Bock e cols (1994) é uma das tendências teóricas mais coerentes e coesas da história da Psicologia. Seus articuladores

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

"O verdadeiro é o todo." Georg Hegel

O verdadeiro é o todo. Georg Hegel "O verdadeiro é o todo." Georg Hegel Hegel: o evangelista do absoluto By zéck Biografia Georg Wilhelm F. Hegel (1770-1831) 1831) Nasceu em Stuttgart. Foi colega de Schelling. Influências Spinoza, Kant

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Psicologia e Senso Comum. "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS

Psicologia e Senso Comum. ... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história. EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum O que é Psicologia? Como usamos o termo Psicologia? A Psicologia é recente

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE FILOSOFIA Currículo Novo (a partir de 2010/1) NÍVEL I HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA Reflexão acerca da transição do pensamento mítico ao filosófico. Estudo de problemas, conceitos e

Leia mais

Diálogo e praxis na hermenêutica filosófica de Gadamer Miranda Zabeu, Gabriela (UFSC)

Diálogo e praxis na hermenêutica filosófica de Gadamer Miranda Zabeu, Gabriela (UFSC) Diálogo e praxis na hermenêutica filosófica de Gadamer Miranda Zabeu, Gabriela (UFSC) Historicidade, finitude e a fusão de horizontes Apropriando-se da ontologia heideggeriana, a qual mostra um modo fundamental

Leia mais

ESCOLA DA LIVRE INVESTIGAÇÃO

ESCOLA DA LIVRE INVESTIGAÇÃO Iniciada por François Gény, contra o exagerado normativismo e literalismo da Escola da Exegese, defendendo a função social do Direito. Já haviam se passado mais de 100 anos da Revolução Francesa, várias

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

Husserl, Heidegger e a

Husserl, Heidegger e a Husserl, Heidegger e a fenomenologia Mariângela Areal Guimarães, professora de Filosofia do Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ, Doutora em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA HISTÓRIA DA PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA HISTÓRIA DA PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA HISTÓRIA DA PESQUISA QUALITATIVA Podemos considerada a pesquisa qualitativa uma tentativa de aproximação dos métodos de pesquisa nas quais pesquisa as ciências sociais. Sendo assim,

Leia mais

Mapeamento da aprendizagem de movimentos expressivos na dança clássica a partir da mesclagem conceitual

Mapeamento da aprendizagem de movimentos expressivos na dança clássica a partir da mesclagem conceitual Mapeamento da aprendizagem de movimentos expressivos na dança clássica a partir da mesclagem conceitual Ana Cristina C. Pereira Mestra em doutoramento Graduação e Pós-Graduação do Centro Universitário

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Língua Portuguesa

Leia mais

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO).

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO). Segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) Somente 26% dos brasileiros acima de 15 anos apresentam plenas habilidades de leitura e escrita; 74% dos brasileiros entre 15 e 64

Leia mais

Friedrich Karl von Savigny

Friedrich Karl von Savigny Friedrich Karl von Savigny No Curso de Inverno (1802), Savigny afirmava que a ciência da legislação (ciência do Direito) é primeiro uma ciência histórica e depois também uma ciência filosófica; a ciência

Leia mais

Trata sobre sua origem, significado, atuação e importância para o Direito.

Trata sobre sua origem, significado, atuação e importância para o Direito. Trata sobre sua origem, significado, atuação e importância para o Direito. Por Bianca Vieira Mello 1- Introdução De origem grega, a Hermenêutica (hermeneuein) é tida como filosofia da interpretação, sendo

Leia mais

NUMEROLOGIA CÁRMICA no 3º MILÊNIO

NUMEROLOGIA CÁRMICA no 3º MILÊNIO 1 NUMEROLOGIA CÁRMICA no 3º MILÊNIO 2 3 NUMEROLOGIA CÁRMICA no 3º MILÊNIO Como identificar e liberar os vínculos cármicos, que ainda nos prendem ao passado Anny Luz 1ª edição 2013 São Paulo 4 5 Agradeço

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Palavras-Chave: hermenêutica, sujeito, linguagem, interpretação

Palavras-Chave: hermenêutica, sujeito, linguagem, interpretação INTERPRETAÇÃO GRAMATICAL: Discussão sobre o caráter sistemático da hermenêutica de Schleiermacher 1 Ricardo Lavalhos Dal Forno 2 RESUMO: Com a superação das hermenêuticas regionais e técnicas, em Schleiermacher

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO 1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Um relato supõe uma seleção de fatos a partir da sua relevância, por critérios estabelecidos por alguém. Como ele o estuda? Porque? Quais os pressupostos teóricos

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto definitivo

Resolução da Questão 1 Texto definitivo Questão A filosofia não é outra coisa senão o exercício preparatório para a sabedoria. Não se trata de opor nem de separar a filosofia como modo de vida, por um lado, e um discurso filosófico

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA Liberdade O QUE É ÉTICA O comportamento moral: O bem e o mal A ética hoje LIBERDADE ÉTICA Primeiro... Supomos que o indivíduo é livre Normas - Diz como devemos agir - PODEMOS agir ou não agir conforme

Leia mais

#NOTAmanuscrita#. resenhas. Vitória-ES. 2012/01

#NOTAmanuscrita#. resenhas. Vitória-ES. 2012/01 A FENOMENOLOGIA ANOTAÇÕES [Lyotard, Jean-François. A Fenomenologia. Lisboa: Edições 70, 2008.] Caderno de Anotações, p. 099, 17.01.2012. O ceticismo Psicológico: inscreve-se a fenomenologia no combate

Leia mais

UNIDADE V PARADIGMAS PARA UMA NOVA HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL. 1. Perguntas e respostas dos questionamentos para aprofundamentos e fixação (Modelo)

UNIDADE V PARADIGMAS PARA UMA NOVA HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL. 1. Perguntas e respostas dos questionamentos para aprofundamentos e fixação (Modelo) 1 UNIDADE V PARADIGMAS PARA UMA NOVA HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL OBS: 1. Perguntas e respostas dos questionamentos para aprofundamentos e fixação (Modelo) 1) Por que a hermenêutica clássica não é mais

Leia mais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais 1 Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais Ana Maria Doimo Ernesto F. L. Amaral 21 de setembro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Banco Mundial. Monitorização e Avaliação: algumas

Leia mais

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO (Construção de normas jurídicas concretas a partir de fatos, normas jurídicas abstratas, enunciados normativos e valores) Aldemario Araujo Castro Mestre

Leia mais

Resenha. Heidegger y la Genealogía de la Pregunta por el Ser Una articulación temática y metodológica de su obra temprana

Resenha. Heidegger y la Genealogía de la Pregunta por el Ser Una articulación temática y metodológica de su obra temprana Resenha Heidegger y la Genealogía de la Pregunta por el Ser Una articulación temática y metodológica de su obra temprana DOI: http://dx.doi.org/10.12957/ek.2014.15183 por nerofil@live.com Universidade

Leia mais

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático.

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático. Aristóteles Nascido em Estagira - Macedônia (384-322 a.c.). Principal representante do período sistemático. Filho de Nicômaco, médico, herdou o interesse pelas ciências naturais Ingressa na Academia de

Leia mais

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política S u m á r i o Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política CAPÍTULO I Filosofia do Direito I: O Conceito de Justiça, O Conceito de Direito, Equidade, Direito e Moral...3 I. O conceito

Leia mais

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades de Aprendizagem CORDEIRO, Ingrydh FIGUEIREDO, Luciana Centro de Ciências da Saúde/ Departamento de Fonoaudiologia PROBEX Resumo Levando em

Leia mais

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo PROF. ALEMAR S. A. RENA www.fluxos.org SUJEITOS FICCIONAIS ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO CONCEITO INSEPARÁVEIS SUJEITO DA ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO EX. Maria escreveu um

Leia mais

Anneliese Gobbes Faria Acadêmica do 7º período de Direito da Universidade Positivo.

Anneliese Gobbes Faria Acadêmica do 7º período de Direito da Universidade Positivo. Anneliese Gobbes Faria Acadêmica do 7º período de Direito da Universidade Positivo. O objetivo do trabalho é explicitar os principais aspectos da hermenêutica filosófica de GADAMER e demonstrar como a

Leia mais

UNIDADE = LEI CONCEITO

UNIDADE = LEI CONCEITO UNIDADE = LEI CONCEITO Preceito jurídico (norma) escrito, emanado (que nasce) de um poder estatal competente (legislativo federal, estadual ou municipal ou poder constituinte) com características (ou caracteres)

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Tudo o que aparece na nossa mente, as representações ou os fenômenos, aparece sob certas condições. Os fenômenos dependem das impressões sensíveis e de nossa

Leia mais

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea A concepção do ser humano no Idealismo alemão Pré Romantismo - séc. XVIII Resistência à Ilustração: mecanicismo de newtoniamo e empirismo de Locke

Leia mais

Situação da Filosofia no Mundo Contemporâneo Alain Badiou (Conferência pronunciada na Universidade de São Carlos,1993)

Situação da Filosofia no Mundo Contemporâneo Alain Badiou (Conferência pronunciada na Universidade de São Carlos,1993) Situação da Filosofia no Mundo Contemporâneo Alain Badiou (Conferência pronunciada na Universidade de São Carlos,1993) Situação da Filosofia: herança conceitual da filosofia (SABER) Mundo Contemporâneo:

Leia mais

Resenha. Estética da comunicação: da consciência comunicativa ao eu digital (MARTINO, Luís Mauro Sá. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007)

Resenha. Estética da comunicação: da consciência comunicativa ao eu digital (MARTINO, Luís Mauro Sá. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007) Resenha Estética da comunicação: da consciência comunicativa ao eu digital (MARTINO, Luís Mauro Sá. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007) Danielle Vieira da SILVA 1 A abordagem do indivíduo, que é um Ser único,

Leia mais

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT TEORIA DO CONHECIMENTO

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT TEORIA DO CONHECIMENTO TEORIA DO CONHECIMENTO - Embora os filósofos da Antiguidade e da Idade Média tratassem de questões referentes ao conhecimento, não se pode dizer que a teoria do conhecimento existisse enquanto disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º FL211- HISTORIA DA FILOSOFIA ANTIGA 1 OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: FL233 FL233- HISTORIA DA FILOSOFIA ANTIGA FL252- INICIACAO A PESQUISA FILOSOFICA OBRIG 60 0 60 4.0 A PESQUISA: SUA CARACTERIZAÇÃO;

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Docente: Marcela Rodriguês dos Santos/ Rubinaldo da Silva Araújo Carga horária: 80h Disciplina: Produção Textual Serie: 6 Ano Plano de Curso I Unidade Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

I Noções e Problemas Elementares

I Noções e Problemas Elementares Introdução ao Estudo do Direito I 1.º Ano Noite, 2015/ 2016 Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa PROGRAMA 1 I Noções e Problemas Elementares 1. Primeiros olhares; ideias geralmente associadas ao «direito»

Leia mais

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR DEFINIÇÃO E FUNÇÕES DE TEORIA Prof. Bento QUESTÕES Pré-teste Doc. # 1 Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA

Leia mais

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º ANO DURAÇÃO DO EXAME: 120 minutos TOLERÂNCIA: 30 minutos INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 DISCIPLINA:

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

A escola de Frankfurt. Profª Karina Oliveira Bezerra

A escola de Frankfurt. Profª Karina Oliveira Bezerra A escola de Frankfurt Profª Karina Oliveira Bezerra Uma teoria crítica contra a opressão social Escola de Frankfurt é o nome dado ao grupo de pensadores alemães do Instituto de Pesquisas Sociais de Frankfurt,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS Prof. Dr. João Carlos Medeiros de Aragão Currículo Lattes: Lattes.cnpq.br/49114444160 OBJETIVOS Objetiva-se apresentar a definição de Sistema Jurídico, com base

Leia mais

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS Sumário Apresentação... 11 A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS 1. Razões de nosso interesse por este assunto. Por que usamos a imagem do vale de lágrimas... 21 2. A geologia do vale de lágrimas e

Leia mais

Sumário. Prefácio, 13. Primeira parte - Fundamentação, 15

Sumário. Prefácio, 13. Primeira parte - Fundamentação, 15 Sumário Prefácio, 13 Primeira parte - Fundamentação, 15 I. A teologia fundamental como ciência teológica básica, 17 1 Teologia como "fala de Deus", 17 1.1 Tipos básicos de teologia, 17 a) A teologia como

Leia mais

DISTANCIAMENTO E COMPREENSÃO NA NOÇÃO DE TEXTO EM PAUL RICOEUR: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE APROPRIAÇÃO DE UMA PROPOSIÇÃO DE MUNDO.

DISTANCIAMENTO E COMPREENSÃO NA NOÇÃO DE TEXTO EM PAUL RICOEUR: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE APROPRIAÇÃO DE UMA PROPOSIÇÃO DE MUNDO. Anais do V Congresso da ANPTECRE Religião, Direitos Humanos e Laicidade ISSN:2175-9685 Licenciado sob uma Licença Creative Commons DISTANCIAMENTO E COMPREENSÃO NA NOÇÃO DE TEXTO EM PAUL RICOEUR: UMA ANÁLISE

Leia mais

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia;

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia; FUNDAMENTOS DO DIREITO [11111] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A unidade curricular de Fundamentos do Direito visa fornecer aos alunos uma introdução ao conceito, problemas e método do Direito, construindo

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões

Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões Maria de Assis Straseio * A obra do professor Moacyr Motta da Silva trata, com objetividade, em linguagem científica, de temas de interesse de pesquisadores,

Leia mais

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Tercio Sampaio Ferrazjunior - INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Técnica, Decisão, Dominação 8ª Edição Revista e ampliada SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 1987 by Editora Atlas SA 1.ed. 1988; 2. ed. 1994;

Leia mais

O Humanismo Existencialista e a Questão da Má-fé Segundo o Pensamento de Jean-Paul Sartre.

O Humanismo Existencialista e a Questão da Má-fé Segundo o Pensamento de Jean-Paul Sartre. O Humanismo Existencialista e a Questão da Má-fé Segundo o Pensamento de Jean-Paul Sartre. O existencialismo sartreano apresenta-nos uma radicalização do humanismo em oposição às concepções tradicionais

Leia mais

Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia. LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS Construção de Tesauros Disciplina

Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia. LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS Construção de Tesauros Disciplina LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS Construção de Tesauros Disciplina 5962036 Prof.ª Dr.ª Deise Sabbag Teoria da Terminologia A Palavra TERMINOLOGIA na literatura (de forma geral) apresenta três significados: Primeiro

Leia mais

A HERMENÊUTICA DA FATICIDADE NO PENSAMENTO HEIDEGGERIANO

A HERMENÊUTICA DA FATICIDADE NO PENSAMENTO HEIDEGGERIANO A HERMENÊUTICA DA FATICIDADE NO PENSAMENTO HEIDEGGERIANO JANDIR SILVA DOS SANTOS Filosofia. Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR) jandirabm@hotmail.com Resumo: O presente artigo apresenta a contribuição

Leia mais

O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX

O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX PROJETO DE PESQUISA O DIÁLOGO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA NA FICÇÃO BRASILEIRA DO SÉCULO XX Profª. Ms. Patrícia Chanely da Silva Ricarte Coordenadora Prof. Paulo Alberto da Silva Sales Colaborador Acadêmica:

Leia mais

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer

Leia mais

Limitações ao Poder de Tributar no Brasil

Limitações ao Poder de Tributar no Brasil Curso de Direito Tributário Brasileiro. Livro I: Limitações ao Poder de Tributar no Brasil Análise crítica dos Artigos 150, 151 e 152 da Constituição Federal Brasileira (Direito, Economia & Filosofia Política)

Leia mais

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Instituições de Direito Público e Privado Profª. Joseane Cauduro Estrutura da Disciplina Unidade I Conceitos Gerais de Direito O Direito e suas divisões, orientações e a Lei jurídica Unidade

Leia mais

Aula 1: Métodos de pesquisa

Aula 1: Métodos de pesquisa Aula 1: Métodos de pesquisa Quanti/Qualitativos Professores: Jose Renato de Campos Araujo Rogério Mugnaini 1 Métodos de pesquisa Artigo de Turato (2005), com os seguintes objetivos: Oferecer maior clareza

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

*** Isso posto, passemos ao livro em epígrafe. A professora Constança César, da Pontifícia

*** Isso posto, passemos ao livro em epígrafe. A professora Constança César, da Pontifícia CESAR, Constança Marcondes (organizadora) A hermenêutica francesa Paul Ricoeur. Porto Alegre: EDIPUCRS (Editora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), 2002, 152 p. Os leitores não ignoram

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL

HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL Objetivo final do estudo da Herm. Jurídica Ponto de encontro entre o social e o jurídico Dinamismo da sociedade desafia o intérprete Novo padrão interpretativo: norma + contexto

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Hermenêutica Fenomenológica. Alexandre Rodrigues de Oliveira

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Hermenêutica Fenomenológica. Alexandre Rodrigues de Oliveira Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Hermenêutica Fenomenológica Alexandre Rodrigues de Oliveira Rio de Janeiro 2009 ALEXANDRE RODRIGUES DE OLIVEIRA Hermenêutica Fenomenológica Artigo Científico

Leia mais