TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )"

Transcrição

1 TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

2 Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da Razão Prática (1788) Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1785) Estética - Crítica da Faculdade de Julgar (1791) Filosofia da Religião - A Religião nos Limites da Simples Razão (1793)

3 Temas principais da filosofia do conhecimento de Kant Método da crítica Dupla ordem de realidades: Fenômeno: coisa para nós Noumeno: coisa em si Doutrina das formas a priori da sensibilidade Formas puras da sensibilidade (espaço e tempo) Percebemos um objeto de acordo com propriedade espaciais e temporais.

4 Temas principais da filosofia do conhecimento de Kant KANT operou, na epistemologia, uma síntese entre o Racionalismo de DESCARTES, onde impera a forma de raciocínio e a tradição empírica inglesa (de Hume, Locke, que valoriza a INDUÇÃO).

5 Temas principais da filosofia do conhecimento de Kant KANT é famoso sobretudo pela elaboração do denominado Idealismo Transcendental, pelo qual considera que todos nós trazemos formas e conceitos a priori (aqueles que não vêm da experiência) para a experiência concreta do mundo, os quais seriam de outra forma impossíveis de determinar.

6 Temas principais da filosofia do conhecimento de Kant A questão do método e da busca de FUNDAMENTOS SEGUROS para o CONHECIMENTO é um problema para Kant.

7 Qual é o sentido da Crítica à Razão para Kant? "Só a crítica pode cortar pela raiz o materialismo, o fatalismo, o ateísmo, a incredulidade dos espíritos fortes, o fanatismo e a superstição, que se podem tornar nocivos a todos e, por último, também o idealismo e o ceticismo, que são sobretudo perigosos para as escolas e dificilmente se propagam no público. (CRP)

8 Qual é o sentido da Crítica à Razão para Kant? A crítica não é contraposta ao procedimento dogmático da razão no seu conhecimento puro como ciência (...), mas sim ao dogmatismo, isto é, à pretensão de progredir apenas com um conhecimento puro a partir de conceitos (o filósofo) segundo princípios há tempo usados pela razão, sem se indagar contudo de que modo e com que direito chegou a eles. (CRP)

9 RESUMINDO: O que conduziu Kant à idéia crítica não foi a rejeição das conclusões metafísicas, mas sim, a consciência da incerteza dessas conclusões e da fraqueza dos argumentos em que assentavam.

10 Como é possível Conhecer? Há duas formas de conhecimento: Empírico ou a posteriori (dados oferecidos pela experiência). Puro ou a priori (não depende de nenhuma experiência sensível e distinguese do conhecimento empírico pela universalidade e necessidade. A experiência sensível por si só jamais produz juízos necessários e universais. Todas as vezes em que se está diante desse tipo tem-se um conhecimento puro ou a priori.

11 Conhecimento: analítico e sintético JUÍZO ANALÍTICO: o predicado já está contido no sujeito de tal forma que o juízo em questão consiste apenas em um processo de análise, através do qual se extrai do sujeito aquilo que já está contido nele. Ex: O círculo é redondo. JUÍZO SINTÉTICO: une o conceito expresso pelo predicado ao conceito do sujeito, constituindo o único tipo de juízo que enriquece o conhecimento. Ex: Todos os corpos se movimentam.

12 TIPOS DE JUÍZOS Juízos sintéticos a posteriori: também carecem de importância, pois por depender da experiência são contingentes e particulares. Juízos sintéticos a priori: Universais e necessários; enriquece e faz progredir o conhecimento porque independem da experiência. ATENÇÃO ANOTAR AS DEFINIÇÕES

13 Kant mostra que tempo e espaço são formas fundamentais de percepção (formas da sensibilidade) que existem como ferramentas da mente, mas que só podem ser usadas na experiência.

14 Tente imaginar alguma coisa que existe fora do tempo e que não tem extensão no espaço. A mente humana não pode produzir tal idéia. Nada pode ser percebido exceto através destas formas, e os limites da física são os limites da estrutura fundamental da mente. Assim, já vemos que não podemos conhecer fora do espaço e do tempo.

15 Espaço e Tempo São duas as formas a priori da sensibilidade: Espaço e Tempo. São apriorísticas e, portanto, independentes da experiência sensível. ESPAÇO: Se pode abstrair todas as coisas que estão no espaço, mas não se pode abstrair o próprio espaço. TEMPO: A argumentação em relação ao tempo: todas as coisas que se enquadram dentro do tempo podem desaparecer, mas o próprio tempo não pode ser suprimido.

16 Os limites do Conhecimento RESUMO: Da dedução da nossa capacidade de conhecimento a priori, na primeira parte da Metafísica, extrai-se um resultado insólito e aparentemente muito desfavorável à sua finalidade, da qual trata a segunda parte; ou seja, que deste modo não podemos nunca ultrapassar os limites da experiência possível, o que é precisamente a questão mais essencial desta ciência. Porém, a verdade do resultado que obtemos nesta primeira apreciação do nosso conhecimento racional a priori é-nos dada pela contra-prova da experimentação, pelo fato desse conhecimento apenas se referir a fenómenos e não as coisas em si que, embora em si mesmas reais, se mantém para nos incognoscíveis. (CRP Prefácio)

17 Os limites do Conhecimento Resultado: Não podemos conhecer o que ultrapassa os limites da experiência, ou seja só podemos conhecer os fenômenos (os objetos tal como nos são dados e nunca as coisas em si). Nos domínios da metafísica é possível pensar, mas não é possível conhecer. Qual é a distinção que Kant estabelece para resolver o problema dos objetos que ultrapassam os limites da experiência possível? Resposta: A distinção FENOMENO / NOUMENO

18 1º nível do conhecimento A construção do conhecimento, numa primeira fase - sensibilidade ou receptividade é feita através desta faculdade que está equipada com as intuições puras do espaço e do tempo. Podemos organizar os fenómenos em percepções. A este nível do conhecimento podemos chamar nível da intuição. Percepções Espaço Sensibilidade Tempo 1º nível: Conhecimento sensível Fenómenos Númeno = coisa em si

19 2º nível do conhecimento Numa segunda etapa - a do entendimento - os fenómenos estabelecem relações entre si, organizando as percepções correspondentes, através da faculdade da imaginação, num nível superior que chamaremos de representação ou de conhecimento, através do auxílio de um conjunto de regras a priori designadas de categorias - quantidade, qualidade, relação e modalidade. Em sentido próprio só neste momento podemos falar de conhecimento, pois só aqui os objectos são pensados. Este conhecimento será constituído por um conjunto de juízos sintéticos a priori que se identificam, na prática, com o conhecimento científico. Juízos sintéticos a priori Qualidade Quantidade Entendimento Conceitos puros Relação Modalidade 2º nível: Conhecimento Científico Conhecer Percepções Percepções Sensibilidade Conhecimen Espaço Tempo 1º nivel: sensível Fenómenos Númeno = coisa em si

20 Pensar A razão Ideais reguladores Alma Deus Razão Mundo Conceitos racionais Juízos sintéticos a priori Este edifício não ficaria completo se Kant não pensasse um nível superior completamente metafísico constituído, não por conhecimentos mas, por um conjunto de ideias reguladoras do qual faz parte a faculdade da razão. Estes ideais, por oposição à sensibilidade, são perfeitamente vazios, tendo como finalidade estabelecer a unidade racional de todo o conhecimento. A nível científico, os objectos nunca serão conhecidos em si mesmos enquanto noumeno); só podem mesmo ser conhecidos como algo para nós (como fenómenos) porquanto têm de se submeter a um conjunto de regras ou princípios a priori.

21 Pensar Esquema do processo de conhecimento em Kant Ideais reguladores Alma Deus Razão Mundo Conceitos racionais Juízos sintéticos a priori Qualidade Quantidade Entendimento Causalidade Conceitos puros Relação Modalidade 2º nível: Conhecimento Científico Conhecer Espaço Percepções Sensibilidade Tempo 1º nivel: Conhecimento Sensivel Intuições Sensíveis Fenómenos = objectos Númeno = coisa em si

22 Deste modo, a razão especulativa concede-nos, ainda assim, campo livre para essa extensão, embora o tivesse que deixar vazio, competindo-nos a nós preenchê-lo, se pudermos, com os dados práticos, ao que por ela mesmo somos convidados. (CRP Prefácio) QUESTÃO: Qual a solução de Kant para o problema do conhecimento apresentado aqui? RESPOSTA: A distinção entre coisas dadas (fenómeno) e coisas em si (noumeno). QUESTÃO: Se o incondicionado (as coisas em si) não podem ser conhecidas como é possível pensar nelas? RESPOSTA: A partir da faculdade da razão que regula e estabelece os limites do entendimento. QUESTÃO: Depois de traçar estes limites ao conhecimento, como é possível falarmos de Deus, alma e mundo? RESPOSTA: Só é possível ultrapassar os limites do conhecimento apenas do ponto de vista prático (moral).

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA 1. A VIDA DE EMANUEL KANT (1724 1804) Nasceu em Königsberg, cidade da Prússia, em 1724. A condição de sua família era modesta. Foi educado no Colégio

Leia mais

Empirismo. Principais ideias e autores

Empirismo. Principais ideias e autores Empirismo Principais ideias e autores EMPIRISMO Empeiria (grego): forma de saber derivado da experiência sensível e de dados acumulados com base nessa experiência. Nada esta no intelecto que não tenha

Leia mais

"A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde)

A verdade jamais é pura e raramente é simples. (Oscar Wilde) "A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde) Qual é a verdade? São possíveis várias realidades? É possível que haja mais verdades na realidade do que podemos perceber? As sensações podem

Leia mais

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 1 LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 Diego Carlos Zanella 2 Liliana Souza de Oliveira 3 Resumo: O texto tem a pretensão de discorrer sobre um dos principais problemas da ética kantiana, a saber, como é possível

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

Kalagatos - Revista de Filosofia. Fortaleza, CE, v. 12 n. 23, Inverno Os limites do conhecimento humano na

Kalagatos - Revista de Filosofia. Fortaleza, CE, v. 12 n. 23, Inverno Os limites do conhecimento humano na Recebido em ago. 2015 Aprovado em out. 2015 Os limites do conhecimento humano na Filosofia de Immanuel Kant Daniel Richardson de Carvalho Sena * Victor Leandro da Silva ** Resumo Este escrito toma como

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Inatismo e empirismo: questões e respostas Vimos, no capítulo anterior, que a razão enfrenta problemas sérios quanto à sua intenção

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS FILOSOFIA - BACHARELADO PADRÃO DE RESPOSTA a) aborde pelo menos duas das seguintes consequências: aumento da emissão de poluentes atmosféricos; aumento da emissão de gases de efeito

Leia mais

A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1

A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1 A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1 Ednilson Gomes Matias PPG Filosofia, Universidade Federal do Ceará (CNPq / CAPES) ednilsonmatias@alu.ufc.br Resumo A seguinte pesquisa tem por objetivo analisar a filosofia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE KANT SOBRE A HISTORIOGRAFIA CIENTÍFICA

A INFLUÊNCIA DE KANT SOBRE A HISTORIOGRAFIA CIENTÍFICA A INFLUÊNCIA DE KANT SOBRE A HISTORIOGRAFIA CIENTÍFICA André Vinícius Dias Senra*, Adílio Jorge Marques** * Doutorando em História das Ciências, das Técnicas e Epistemologia (UFRJ/HCTE). Professor da Faculdade

Leia mais

FILOSOFIA 2ª SÉRIE. Capítulo 6 David Hume e as dúvidas céticas acerca do entendimento

FILOSOFIA 2ª SÉRIE. Capítulo 6 David Hume e as dúvidas céticas acerca do entendimento FILOSOFIA 2ª SÉRIE Capítulo 6 David Hume e as dúvidas céticas acerca do entendimento Introdução: A ambição de David Hume, filósofo nascido na Escócia, seria para a filosofia o que Isaac Newton (1643-1727)

Leia mais

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Teoria do conhecimento em Descartes Objetivos Compreender as principais escolas da teoria do conhecimento da modernidade. Abordar a epistemologia cartesiana. Introdução

Leia mais

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO A CIÊNCIA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Ciência propõe a aquisição sistemática de conhecimentos sobre a natureza com a finalidade de melhoria da qualidade de vida, intelectual

Leia mais

A FILOSOFIA KANTIANA: IMPOSSIBILIDADE OU POSSIBILIDADE DE UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA?

A FILOSOFIA KANTIANA: IMPOSSIBILIDADE OU POSSIBILIDADE DE UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA? A FILOSOFIA KANTIANA: IMPOSSIBILIDADE OU POSSIBILIDADE DE UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA? Monalisa M. Lauro Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF Docente do Departamento

Leia mais

Unesp PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENSINO DE CIÊNCIAS. Plano de Ensino

Unesp PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENSINO DE CIÊNCIAS. Plano de Ensino Unesp PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PARA A CIÊNCIA - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENSINO DE CIÊNCIAS Plano de Ensino Designação da Disciplina: Teoria do Conhecimento e Filosofia da Ciência Domínio Específico ( X )

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 CH Total: 60 h Pré-requisito: - Período Letivo: 2016.1 Turma: 2º semestre Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino,

Leia mais

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA 25 ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA Carolina Saito Danilo Galan Favoretto Ricardo Camarotta Abdo RESUMO: O presente trabalho tem como principal

Leia mais

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna OSHO - INTUIÇÃO EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna Maestri 2016/1 O LIVRO três partes

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ENF 304 Pré requisito: Nenhum Período Letivo: 2014.1 Professor:

Leia mais

filosofia alemã: idealismo e romantismo

filosofia alemã: idealismo e romantismo filosofia alemã: idealismo e romantismo não possuímos conceitos do entendimento e, portanto, tão-pouco elementos para o conhecimento das coisas, senão quando nos pode ser dada a intuição correspondente

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

IMMANUEL KANT: considerações sobre a teoria do homem como cidadão de dois mundos

IMMANUEL KANT: considerações sobre a teoria do homem como cidadão de dois mundos IMMANUEL KANT: considerações sobre a teoria do homem como cidadão de dois mundos Dr. Luciano Carlos Utteich 1 Vanessa Brun Bicalho 2 RESUMO: Este artigo tem como principal objetivo apresentar a concepção

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

Immanuel Kant ( )

Immanuel Kant ( ) Instituto de Psicologia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aula 07? História de Psicologia - Prof. William B. Gomes, PhD - 2005 Immanuel Kant (1724-1804) Excerto do texto: Hearnshaw, L. S. (1987).

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE FILOSOFIA Currículo Novo (a partir de 2010/1) NÍVEL I HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA Reflexão acerca da transição do pensamento mítico ao filosófico. Estudo de problemas, conceitos e

Leia mais

*RACIONALISMO X EMPIRISMO

*RACIONALISMO X EMPIRISMO *RACIONALISMO X EMPIRISMO *As transformações ocorridas a partir da modernidade levaram ao questionamento dos critérios e métodos para elaboração de um conhecimento verdadeiro. *As 02 principais correntes

Leia mais

A QUESTÃO SOBRE AS CONDIÇÕES DE POSSIBILIDADE DA EXPERIÊNCIA COMO UM PASSO ATRÁS DO EMPIRISMO MODERNO

A QUESTÃO SOBRE AS CONDIÇÕES DE POSSIBILIDADE DA EXPERIÊNCIA COMO UM PASSO ATRÁS DO EMPIRISMO MODERNO A QUESTÃO SOBRE AS CONDIÇÕES DE POSSIBILIDADE DA EXPERIÊNCIA COMO UM PASSO ATRÁS DO EMPIRISMO MODERNO Adriano Bueno Kurle 1 Resumo: Busca-se apresentar a perspectiva transcendental de Kant, na obra Crítica

Leia mais

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito P á g i n a 29 Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Sumário: 1 Introdução; 2 A ética de Kant; 3 Ética,

Leia mais

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO QUESTÃO 0 Kant mostrou que a estrutura do pensamento se dá sob a forma de juízos. A partir dessa hipótese, elaborou as doze formas de juízos

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

Crítica da Razão Pura

Crítica da Razão Pura 1 Immanuel Kant Crítica da Razão Pura I - DOUTRINA TRANSCENDENTAL DOS ELEMENTOS Segunda Parte: Lógica Transcendental Primeira Divisão: Analítica Transcendental LIVRO II: ANALÍTICA DOS PRINCÍPIOS Capítulo

Leia mais

Dignidade Humana e Justiça Social

Dignidade Humana e Justiça Social Dignidade Humana e Justiça Social Francisco José Vilas Bôas Neto Francisco José Vilas Bôas Neto Dignidade Humana e Justiça Social Belo Horizonte 2013 Lista de Siglas 1) CKTM Construtivismo Kantiano na

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 13 Conforme o gabarito da prova de Filosofia, a resposta correta da questão 13 sobre a ética em Aristóteles é a alternativa d) II, III, V. A formulação do último número, V. O ato virtuoso pressupõe

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

Idealismo ou Realismo - Notas sobre a teoria do conhecimento em Kant, Herbart e Hegel. I

Idealismo ou Realismo - Notas sobre a teoria do conhecimento em Kant, Herbart e Hegel. I do conhecimento em Kant, Herbart e Hegel. I II O problema, como está anunciado por Kant, em sua generalidade é este: determinar as condições a priori da possibilidade da experiência. Antes de entrar na

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO Inscrição Título do Projeto RESULTADO A EXPRESSÃO DO INEXPRIMÍVEL NA ARTE: SOBRE O TEOR COGNITIVO DO CONCEITO DE CONTEÚDO DE VERDADE DAS D001 OBRAS DE ARTE E SUA

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31)

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) Descartes René Descartes ou Cartesius (1596-1650) Naceu em La Haye, França Estudou no colégio jesuíta de La Flèche Ingressa na carreira militar Estabeleceu contato com Blayse Pascal Pai da filosofia moderna

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. Patrícia Ruiz Spyere

MÉTODO CIENTÍFICO. Patrícia Ruiz Spyere MÉTODO CIENTÍFICO Introdução Método científico Modelos de método científico INTRODUÇÃO Mitos Explicação da realidade e dos fenômenos naturais de forma simbólica, por meio de deuses, semi-deuses e heróis

Leia mais

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza Jesus

Leia mais

Interpretação da Ciência de todos os princípios da sensibilidade a priori na Crítica da razão pura de Immanuel Kant 1

Interpretação da Ciência de todos os princípios da sensibilidade a priori na Crítica da razão pura de Immanuel Kant 1 Interpretação da Ciência de todos os princípios da sensibilidade a priori na Crítica da razão pura de Immanuel Kant 1 Roberto S. Kahlmeyer-Mertens 2 Resumo: O texto pretende apresentar e esclarecer os

Leia mais

Madelon Pires Palmeira *

Madelon Pires Palmeira * A JUSTIFICAÇÃO DA VONTADE MORAL FRENTE AO MUNDO CONTEMPORÂNEO (DA SENSAÇÃO À VONTADE, O PERCURSO NATURAL DO DESENVOLVIMENTO DA MORALIDADE NA CONSCIÊNCIA HUMANA) Madelon Pires Palmeira * Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

Racionalidade argumentativa e Filosofia

Racionalidade argumentativa e Filosofia Racionalidade argumentativa e Filosofia Conteúdos Competências a desenvolver / objetivos a concretizar Estratégias Recursos Avaliação Tempos 1. Argumentação e lógica formal 1.1 Distinção validade/verdade

Leia mais

Fase Fase 02 2 CURRÍCULO DO CURSO. Currículo: Habilitação: Núcleo Fundamental - Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0

Fase Fase 02 2 CURRÍCULO DO CURSO. Currículo: Habilitação: Núcleo Fundamental - Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0 Habilitação: Núcleo Fundamental Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Curso reconhecido pelo Decreto Federal 6266, de 26/06/1959, publicado no Diário

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/UEFS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/UEFS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Componente Curricular: Filosofia Código: CTB - 110 CH Total: 60h Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2014. 2 Turma: 1º semestre Professor: Ana Paula dos Santos Lima

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS UMA COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE CADA HEMISFÉRIO esquerdo Verbal: usa palavras para nomear, descrever e definir; Analítico: decifra as coisas de maneira sequencial e por partes;

Leia mais

Sumário. Manuel Sumaras Kierkeoaard on Paul: ' EithergeniusJoI Apostle' 20 Kierkegaard sobre Paulo: 'Ou génio ou Apóstolo' I.Z ZI.

Sumário. Manuel Sumaras Kierkeoaard on Paul: ' EithergeniusJoI Apostle' 20 Kierkegaard sobre Paulo: 'Ou génio ou Apóstolo' I.Z ZI. Sumário LI. I.Z Secção 1 - AlUgos Arnaldo de Pinho O Pensamento A:lulino nas Encruzilhadas do Ocidente 9 Manuel Sumaras Kierkeoaard on Paul: ' EithergeniusJoI Apostle' 20 Kierkegaard sobre Paulo: 'Ou génio

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

O ESQUEMATISMO TRANSCENDENTAL KANTIANO

O ESQUEMATISMO TRANSCENDENTAL KANTIANO O ESQUEMATISMO TRANSCENDENTAL KANTIANO Fábio César da Silva Resumo: O objetivo desse artigo é descrever o termo esquematismo, bem como sua articulação no idealismo transcendental de Immanuel Kant (1724-1804).

Leia mais

O DESPERTAR DO SONHO DOGMÁTICO 1

O DESPERTAR DO SONHO DOGMÁTICO 1 O DESPERTAR DO SONHO DOGMÁTICO 1 Orlando Bruno Linhares 2 RESUMO: Neste artigo argumento contra a interpretação muito difundida segundo a qual o ano de 1769 representou um marco na formação da filosofia

Leia mais

Resenha à Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Immanuel Kant *

Resenha à Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Immanuel Kant * civilistica.com a. 3 n. 1 2014 1 Resenha à Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Immanuel Kant * Gilberto MIRANDA JÚNIOR Introdução Pensamento Kantiano e Contexto da Obra Kant nasceu e morreu na

Leia mais

Kant: Ética e Estética

Kant: Ética e Estética Kant: Ética e Estética 1. (UEM 2012) O filósofo Immanuel Kant (1724-1804) estabelece uma íntima relação entre a liberdade humana e sua capacidade de pensar autonomamente, ao afirmar: Esclarecimento é a

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 O Método do Simbolismo em Kant

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 O Método do Simbolismo em Kant O Método do Simbolismo em Kant SILVA, Fabiano Queiroz da. Unicamp/Doutorando em Filosofia - IFCH Resumo Neste trabalho, temos por objetivo uma investigação do papel do procedimento analógico, que constitui

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE FILOSOFIA E DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE FILOSOFIA E DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE FILOSOFIA E DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA ADRIANO BUENO KURLE O CONCEITO DE EU NA FILOSOFIA CRÍTICA TEÓRICA

Leia mais

SUMÁRIO PRIMEIRA PARTE 31 CONSIDERAÇÃO PREVIA 15 DETERMINAÇÃO POSITIVA DA FILOSOFIA A PARTIR DO CONTEÚDO DA QUESTÃO DA LIBERDADE

SUMÁRIO PRIMEIRA PARTE 31 CONSIDERAÇÃO PREVIA 15 DETERMINAÇÃO POSITIVA DA FILOSOFIA A PARTIR DO CONTEÚDO DA QUESTÃO DA LIBERDADE SUMÁRIO CONSIDERAÇÃO PREVIA 15 1. A aparente contradição entre a questão "particular" acerca da essência da liberdade humana e a tarefa "geral" de uma introdução à filosofia 15 a) O "particular" do tema

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA

REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA REFLEXÕES SOBRE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA DISCIPLINAS DE PESQUISA 2016-2 PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA CIÊNCIA Etimologia: Ciência vem da palavra latina scientia, que significa conhecimento;

Leia mais

Psicologia Percepção Visual

Psicologia Percepção Visual Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Processos sensoriais e perceptivos Conceitos básicos A sensação A percepção Sensação vs. percepção José Farinha, ESEC da

Leia mais

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL Um dos temas mais interessantes abordados pela Filosofia Jurídica abrange a questão da relação entre o direito e a moral, permitindo uma infinita

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

A possibilidade dos juízos sintéticos a priori na Crítica da Razão Pura

A possibilidade dos juízos sintéticos a priori na Crítica da Razão Pura A possibilidade dos juízos sintéticos a priori na Crítica da Razão Pura PEDRO MANUEL CABRAL DA FONSECA 1º Ano Turma C TRABALHO FINAL PARA A CADEIRA DE TRABALHO FILOSÓFICO ÍNDICE: I -Introdução 1. Problema

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência".

Epistemologia deriva de episteme, que significa ciência, e Logia que significa estudo, etimologia como o estudo da ciência. Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência". Epistemologia é a teoria do conhecimento, é a crítica, estudo ou tratado

Leia mais

Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias

Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias Disciplina de Filosofia Ciências Humanas e suas tecnologias 2º ano Prof. Queridos Alunos, A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original. Pois, [...] não existem sonhos impossíveis

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA

A PESQUISA CIENTÍFICA A PESQUISA CIENTÍFICA CONCEITO e DEFINIÇÕES - A pesquisa surge quando temos consciência de um problema e nos sentimos impelidos a buscar a sua solução. (R. Mandolfo, citado em Asti Vera, 1976) - Investigação

Leia mais

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração como Arte Os administradores possuem habilidade inatas, uma espécie de talento com o qual já nascem. A administração pode ser aperfeiçoada

Leia mais

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS São chamados de filósofos da natureza. Buscavam a arché, isto é, o elemento ou substância primordial que originava todas as coisas da natureza. Dirigiram sua atenção e suas

Leia mais