"O verdadeiro é o todo." Georg Hegel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""O verdadeiro é o todo." Georg Hegel"

Transcrição

1 "O verdadeiro é o todo." Georg Hegel Hegel: o evangelista do absoluto By zéck

2 Biografia Georg Wilhelm F. Hegel ( ) 1831) Nasceu em Stuttgart. Foi colega de Schelling. Influências Spinoza, Kant e Rousseau. Era também fascinado pela Revolução Francesa.

3 Principais obras A Fenomenologia do Espírito (1806); A ciência da Lógica (1812); A Filosofia da História (1818); e a Filosofia do Direito 1821).

4 Teoria Suas obras de fato são difíceis de serem lidas. Hegel não apreciava a clareza de pensamento, da qual era crítico. Para ele, a totalidade (o infinito, a coisa-em em-si) era necessariamente obscura, daí a conclusão de que a clareza não era adequada para conceituar o objeto.

5 Filósofo da Totalidade Em certo sentido, a filosofia de Hegel pode ser vista como uma fusão das filosofias de Fichte e de Schelling. Como Schelling, Hegel via a realidade como uma unidade orgânica, uma unidade que não estava numa condição estável, mas num constante processo de desenvolvimento;

6 meta final desse desenvolvimento, segundo Hegel e Schelling, era a obtenção do auto-reconhecimento e do auto- entendimento. A Contudo, Hegel discordava de Schelling ao afirmar que a essência deste processo era espiritual e não material: O real é racional, o racional é real.

7 Noutras palavras, a mente ou espírito não é um produto do processo da natureza, mas é a sua própria realidade constituinte. Assim, o Espírito (Geist) é o sujeito do processo histórico que constitui a realidade.

8 Geist Geist é uma palavra que designa algo entre a mente e o espírito. É a existência mesmo. A essência última do ser: e o processo histórico inteiro que constitui a realidade é desenvolvimento de Geist rumo à autoconsciência e ao autoconhecimento. Essa posição ficou idealismo absoluto. conhecida como

9

10 A Lei da Mudança Hegel, assim como Heráclito, via tudo como tendo se desenvolvido. Tudo o que existe é o resultado de um processo; portanto pensava ele, entender, em qualquer área ampla da realidade, envolve sempre entender um processo de mudança. Esta mudança é sempre inteligível, nunca totalmente arbitrária.

11 Todo estado de coisas contém em si elementos conflitantes, e estes elementos são desestabilizadores. Estes conflitos têm de se processar até alcançarem uma solução, e esta constituirá então um novo estado de coisas. Hegel denominou dialético. este processo de

12 A Dialética Tese estado de coisas inicial; Antítese reação que a tese sempre provoca, são as forças que se contrapõem à tese; Síntese a tensão ou o conflito entre a tese e a antítese resultam numa nova situação que elimina elementos de ambas, mas retém também elementos de ambas.

13

14 A Síntese Mas, o novo estado de coisas gerado pela síntese contém em germe novos conflitos, e se torna o início de uma nova tríade de tese, antítese e síntese. É por isso, diz Hegel, que nada permanece o mesmo, e tudo está sempre mudando: ideias, religião, artes, ciências, economia, etc...

15 Zeitgeist Mudanças são o produto de forças históricas, portanto, nós enquanto indivíduos nada podemos fazer para dirigi- las. Cabe-nos humildemente obedecer o Zeitgeist, o espírito do tempo.

16 A alienação A alienação é um processo de estranhamento em relação a algo com que deveríamos nos identificar. Por exemplo as instituições sociais.

17 O fim da história A única coisa que poderia por fim ao processo de desenvolvimento seria uma situação livre de conflitos. Segundo Hegel, este estado ideal ocorreria quando o indivíduo comportar-se harmoniosamente em relação à totalidade orgânica social.

18 Esta situação livre de conflito ocorrerá quando o indivíduo livrar-se do seu estado de alienação, isto é, quando o Geist vier a se conhecer a si mesmo como a realidade última, e se aperceber de que tudo o que até então ele tinha considerado como alheio a si mesmo é de fato uma parte de si mesmo, não em conflito consigo mesmo.

19 O culto do Estado Do ponto de vista histórico e social, esta situação livre de conflitos foi interpretada pelos hegelianos de direita (C. F. Göschel, J. E. Erdmann) como sendo a monarquia constitucional da Prússia do século XIX. Estes intérpretes utilizam a razão hegeliana para justificar as verdades religiosas. Isto vai desembocar em uma espécie de culto do Estado que culminará com a ascensão de Adolf Hitler, no século XX.

20 A esquerda hegeliana Os hegelianos de esquerda (Max Stirner, Ludwig Feuerbach, Karl Marx) acreditavam que era necessária uma mudança radical, revolucionária, antes que a sociedade ideal pudesse ser alcançada. Como sabemos, Karl Marx vai afirmar que o fim da história ocorreria quando a sociedade Comunista fosse alcançada.

21 Três ideias-chave 1. A realidade é um processo histórico que, portanto, só pode ser entendido em termos de como vem a ser o que é, e também de como, neste exato momento, está se tornando algo diferente.

22 2. A história do mundo tem uma estrutura racional e que a chave para entender a estrutura é a lei da mudança, em outras palavras, a dialética.

23 3. A alienação ohomem, no processo de construção de sua própria civilização, cria toda sorte de instituições e regras e ideias (Estado, Religião, Escola, etc) que então se tornam coerções sobre ele, externas a ele, apesar de terem sido sua própria invenção.

24 O legado de Hegel O grau de influência da filosofia de Hegel no pensamento posterior pode ser demonstrado pelo fato de que muito que foi escrito depois foi, ou um desdobramento de suas ideias, ou uma reação a elas. Assim, enquanto que o existencialismo de Kierkegaard pode ser visto como uma virulenta reação a Hegel, o marxismo pode ser visto como uma interessante interpretação do hegelianismo.

25

26

27

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de COLÉGIO CEC Professor: Carlos Eduardo Foganholo Conceito de Dialética DIALÉTICA Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de ideias que leva a outras ideias. O conceito de dialética, porém,

Leia mais

Capitulo 16 - Filosofia -

Capitulo 16 - Filosofia - Capitulo 16 - Filosofia - Pensamento do século XIX Século XIX: Expansão do capitalismo e os novos ideais De acordo com a periodização tradicional considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época

Leia mais

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX MARX Nasceu em Tréveris (na época pertencente ao Reino da Prússia) em 5 de Maio de 1818 e morreu em Londres a 14 de Março de 1883. Foi filósofo, jornalista e revolucionário

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX)

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX) ROMANTISMO E IDEALISMO O Idealismo alemão sofreu forte influência, na sua fase inicial, do Romantismo, movimento cultural que se manifestou na Arte, na Literatura e na Filosofia. No seu ponto culminante,

Leia mais

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea A concepção do ser humano no Idealismo alemão Pré Romantismo - séc. XVIII Resistência à Ilustração: mecanicismo de newtoniamo e empirismo de Locke

Leia mais

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 13) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com (...) embora todo conhecimento comece com a experiência, nem por isso ele se origina justamente da experiência. Pois poderia bem acontecer

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

MARX E ENGELS: VIDA E OBRA

MARX E ENGELS: VIDA E OBRA MARX E ENGELS: VIDA E OBRA OBJETIVO DO DEBATE APLICAR O MATERIALISMO HISTÓRICO AO PRÓPRIO MARXISMO ASSIMILAR OS ASPECTOS MAIS IMPORTANTES DA VIDA E DA OBRA DE MARX E ENGELS, NO CONTEXTO HISTÓRICO-POLÍTICO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

Introdução a Filosofia

Introdução a Filosofia Introdução a Filosofia Baseado no texto de Ludwig Feuerbach, A essência do homem em geral, elaborem e respondam questões relacionadas a este tema. 1- Quem foi Feuerbach? PERGUNTAS 2- Qual é a diferença

Leia mais

Pensamento do Século XIX

Pensamento do Século XIX Pensamento do Século XIX Século XIX Expansão do capitalismo e os novos ideais De acordo com a periodização tradicional considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea, pois junto

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

A questão da Expressão no processo de criação artístico na Estética de Hegel.

A questão da Expressão no processo de criação artístico na Estética de Hegel. A questão da Expressão no processo de criação artístico na Estética de Hegel. Paulo Roberto Monteiro de Araujo. Professor do Programa em Pós-graduação em Educação, Arte e História da Cultura da Universidade

Leia mais

A Razão na História.

A Razão na História. A Razão na História http://groups.google.com/group/digitalsource Georg Wilhelm Friedrich Hegel A Razão na História Uma Introdução Geral à Filosofia da História Introdução de Robert S. Hartman Tradução:

Leia mais

O Marxismo de Karl Marx. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

O Marxismo de Karl Marx. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior O Marxismo de Karl Marx Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior Karl Marx (1818-1883). Obras principais: Manifesto Comunista (1847-1848). O Capital em 3 volumes.volume 1(1867) Volume 2 e 3 publicado por

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz KARL MARX. Tiago Barbosa Diniz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz KARL MARX. Tiago Barbosa Diniz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz KARL MARX Tiago Barbosa Diniz Piracicaba, 29 de abril de 2016 CONTEXTO HISTÓRICO Início da Segunda fase da Revolução Industrial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO

A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO Maria Edna Bertoldo UFAL edna_bertoldo@hotmail.com Mário André Pacifico UFAL macp_crvg@hotmail.com RESUMO O objetivo desse artigo é analisar

Leia mais

A filosofia da história hegeliana e a trindade cristã

A filosofia da história hegeliana e a trindade cristã A filosofia da história hegeliana e a trindade cristã Resumo: Lincoln Menezes de França 1 A razão, segundo Hegel, rege o mundo. Essa razão, ao mesmo tempo em que caracteriza o homem enquanto tal, em suas

Leia mais

A Ideia de Europa de Kant a Hegel. A Ideia de Europa. de Kant a Hegel. Cláudia Oliveira. Universidade Católica Editora

A Ideia de Europa de Kant a Hegel. A Ideia de Europa. de Kant a Hegel. Cláudia Oliveira. Universidade Católica Editora 3 A Ideia de Europa de Kant a Hegel coordenação Universidade Católica Editora 5 Índice Introdução 7 Kant e a Ideia de Europa: uma Interpretação do Opúsculo para a Paz Perpétua 11 A Revolução Francesa e

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL BASTOS, Rachel Benta Messias Faculdade de Educação rachelbenta@hotmail.com Os seres humanos produzem ações para garantir a produção e a reprodução da vida. A ação

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

Comte, Marx, Durkheim e Weber

Comte, Marx, Durkheim e Weber Comte, Marx, Durkheim e Weber Texto e atividade extraída no blog Sociologia aplicada ao aluno Mestres das Ciências Sociais MESTRES DAS CIÊNCIAS SOCIAIS A Sociologia e as demais ciências sociais têm sido

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares AULA 2 - Sociologia Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares 1 Sociologia O modo de produção da vida material é que condiciona o processo da vida social, política e espiritual. Não é a consciência

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

Movimentos Políticoideológicos XIX

Movimentos Políticoideológicos XIX Movimentos Políticoideológicos séc. XIX SOCIALISMO UTÓPICO Refere-se à primeira fase do pensamento socialista que se desenvolveu entre as guerras napoleônicas e as revoluções de 1848 ( Primavera dos povos

Leia mais

Sociedade como fonte do pensamento lógico

Sociedade como fonte do pensamento lógico Sociedade como fonte do pensamento lógico E. Durkheim Antropologia I Prof. Vagner Gonçalves da Silva Grupo: Nara G. R. Castillo - NºUSP 7131083 Milena C. Gomes - NºUSP 9765938 Paula R. Jorge - NºUSP 9825177

Leia mais

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A POLÍTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO PLATÃO (428-347 a.c.) Foi o primeiro grande filósofo que elaborou teorias políticas. Na sua obra A República ele explica que o indivíduo possui três almas que correspondem aos princípios: racional, irascível

Leia mais

Karl Marx ( ) Alunos: Érick, Lucas e Pedro Profª: Neusa

Karl Marx ( ) Alunos: Érick, Lucas e Pedro Profª: Neusa Karl Marx (1818-1883) Alunos: Érick, Lucas e Pedro Profª: Neusa Vida Nasceu em Trèves - Prússia (Reino alemão). Em 1835 e 18h36, estudou Direito, História, Filosofia, Arte, e Literatura na Universidade

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SOCIOLOGIA. A Geografia Levada a Sério

FUNDAMENTOS DA SOCIOLOGIA.  A Geografia Levada a Sério FUNDAMENTOS DA SOCIOLOGIA 1 Eu não sei o que quero ser, mas sei muito bem o que não quero me tornar. Friedrich Nietzsche 2 PERFEIÇÃO Legião Urbana (1993) 3 A Sociologia É uma palavra com dois vocábulos

Leia mais

índice geral PARTE I - A SABEDORIA DO ORIENTE, 15

índice geral PARTE I - A SABEDORIA DO ORIENTE, 15 Sumário, 7 Introdução, 9 PARTE I - A SABEDORIA DO ORIENTE, 15 1. A filosofia da índia Antiga, 17 I. O período védico, 18 1. Cultura e religião no tempo dos hinos, 20 2. O tempo da mística sacrificial o

Leia mais

Abril Sociologia 2ª Série Marx

Abril Sociologia 2ª Série Marx Abril Sociologia 2ª Série Marx O alemão Karl Marx (1818-1883) é, provavelmente, um dos pensadores que maior influência exerceu sobre a filosofia contemporânea. Sua importância foi destacada pelo pensador

Leia mais

A Filosofia de Hegel - Fenomenologia

A Filosofia de Hegel - Fenomenologia Faculdade de Letras da Universidade do Porto 2014/2015 A Filosofia de Hegel - Fenomenologia Licenciatura: Filosofia Unidade Curricular: Filosofia Contemporânea I Docente: Professor Doutor Rui Romão Aluno:

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FILOSOFIA DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60110) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR )

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. RUBENS Todo RAMIRO exemplo JR (TODOS citado

Leia mais

Historismo é revolução cultural e epistemológica produzida por. Guillermo Dilthey dentro da Escola Histórica Alemã por ele

Historismo é revolução cultural e epistemológica produzida por. Guillermo Dilthey dentro da Escola Histórica Alemã por ele Historismo é revolução cultural e epistemológica produzida por Guillermo Dilthey dentro da Escola Histórica Alemã por ele fundada com o lançamento em 1883 e na Alemanha de sua obra Einleitung in die Geisteswissenschaften

Leia mais

AULA 02 FILOSOFIA DO DIREITO RACIONALISMO IDEALISTA DE HEGEL

AULA 02 FILOSOFIA DO DIREITO RACIONALISMO IDEALISTA DE HEGEL AULA 02 FILOSOFIA DO DIREITO RACIONALISMO IDEALISTA DE HEGEL Georg Wilhelm Friedrich Hegel ( 1770-1831) JUVENTUDE Nascido em Stuttgart, em 1770 Educação: Liceu ou Ginásio de Stuttgart Seminário Teológico

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA Liberdade O QUE É ÉTICA O comportamento moral: O bem e o mal A ética hoje LIBERDADE ÉTICA Primeiro... Supomos que o indivíduo é livre Normas - Diz como devemos agir - PODEMOS agir ou não agir conforme

Leia mais

DOUTRINAS ÉTICAS FUNDAMENTAIS PROFA. ME. ÉRICA RIOS

DOUTRINAS ÉTICAS FUNDAMENTAIS PROFA. ME. ÉRICA RIOS DOUTRINAS ÉTICAS FUNDAMENTAIS PROFA. ME. ÉRICA RIOS ERICA.CARVALHO@UCSAL.BR Ética e História Como a Ética estuda a moral, ou seja, o comportamento humano, ela varia de acordo com seu objeto ao longo do

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher

Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher Deu início a um novo modelo de hermenêutica Utilizou o método histórico-crítico e o conceito de razão histórica Trouxe para a hermenêutica o caráter científico,

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

A ABORDAGEM DIALÉTICA NA PESQUISA DE TEATRO E EDUCAÇÃO

A ABORDAGEM DIALÉTICA NA PESQUISA DE TEATRO E EDUCAÇÃO A ABORDAGEM DIALÉTICA NA PESQUISA DE TEATRO E EDUCAÇÃO Para Gerd Bornheim. JOÃO PEDRO ALCANTARA GIL Professor do Departamento de Arte Dramática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. RESUMO: Este

Leia mais

Aula 2 Fato Social e Ação Social

Aula 2 Fato Social e Ação Social 1 Fato Social Émile Durkheim Aula 2 Fato Social e Ação Social Constitui o objeto de estudo da Sociologia pois decorre da vida em sociedade. Fato social é todo o fato que é coletivo, exterior ao indivíduo

Leia mais

Sumário. 1 Sobre a Filosofia, 1 A filosofia como tradição, 1 A filosofia como práxis, 5

Sumário. 1 Sobre a Filosofia, 1 A filosofia como tradição, 1 A filosofia como práxis, 5 Sumário Nota, xi 1 Sobre a Filosofia, 1 A filosofia como tradição, 1 A filosofia como práxis, 5 2 Sobre a Filosofia do Direito, 10 A especificidade da filosofia do direito, 11 Filosofia do direito e filosofia,

Leia mais

Marx e a Arte. Mariana Rio

Marx e a Arte. Mariana Rio Marx e a Arte Mariana Rio O interesse duradouro de Karl Marx por arte e literatura não é tão notório, ao menos entre o grande público, quanto sua apaixonada inclinação pela investigação dos temas econômicos

Leia mais

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture Filosofia e Ética Professor Ronaldo Coture Quais os conceitos da Disciplina de Filosofia e Ética? Compreender os períodos históricos do pensamento humano. Conceituar a teoria axiológica dos valores. Conceituar

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

Recordando algumas reflexões racionalistas: Descartes, Leibniz e Espinosa enalteceram a racionalidade humana. A razão é a única fonte de conhecimento

Recordando algumas reflexões racionalistas: Descartes, Leibniz e Espinosa enalteceram a racionalidade humana. A razão é a única fonte de conhecimento ILUMINISMO E O PENSAMENTO MODERNO A LUZ DA RAZÃO A razão no Iluminismo Recordando algumas reflexões racionalistas: Descartes, Leibniz e Espinosa enalteceram a racionalidade humana. A razão é a única fonte

Leia mais

FILOSOFIA, PRÁXIS E EDUCAÇÃO.

FILOSOFIA, PRÁXIS E EDUCAÇÃO. FILOSOFIA, PRÁXIS E EDUCAÇÃO. José Rômulo Soares Graduando em Filosofia da Universidade Estadual do Ceará- UECE José Nilton Alves Pereira Júnior Professor do Instituto Federal de Educação do Ceará- IFCE

Leia mais

O CONHECIMENTO CIENTÍFICO SOBRE A SOCIEDADE

O CONHECIMENTO CIENTÍFICO SOBRE A SOCIEDADE O CONHECIMENTO CIENTÍFICO SOBRE A SOCIEDADE 1. O homem como produtor de conhecimento 2. O conhecimento, tipos de conhecimento e a ciência 3. A construção da Sociologia como ciência 4. O que é um fato social,

Leia mais

A COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CIVIL E PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS DESIÇÕES POLÍTICAS: UMA ANÁLISE DA DEMOCRACIA PELAS OBRAS DE KARL MARX

A COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CIVIL E PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS DESIÇÕES POLÍTICAS: UMA ANÁLISE DA DEMOCRACIA PELAS OBRAS DE KARL MARX A COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CIVIL E PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS DESIÇÕES POLÍTICAS: UMA ANÁLISE DA DEMOCRACIA PELAS OBRAS DE KARL MARX Rodrigo Lima do Nascimento 1 1 INTRODUÇÃO Ao analisar a atual realidade

Leia mais

1 OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA

1 OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL EVERARDO BACKHEUSER DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: CARLOS WEINMAN TURMA: 1ª, 2ª E 3ª SÉRIE ANO LETIVO: 2014 1 OBJETIVO GERAL

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Ficha de Disciplina Ano Lectivo 2010/2011

Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Ficha de Disciplina Ano Lectivo 2010/2011 (DESCRITOR) Estabelecimento de Ensino Unidade Orgânica Plano de Estudos Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciência Política Área Científica Unidade Curricular Equipa Docente Pré-Requisitos

Leia mais

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Positivismo de Augusto Comte, Émile Durkheim e Karl Marx Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo;

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA E QUANTITATIVA: DEFINIÇÕES E CONCEITOS

PESQUISA QUALITATIVA E QUANTITATIVA: DEFINIÇÕES E CONCEITOS PESQUISA QUALITATIVA E QUANTITATIVA: DEFINIÇÕES E CONCEITOS Prof. Dr. Alexandre Mantovani mantovani@eerp.usp.br EPISTEMOLOGIA Epistemologia: ramo da filosofia que se dedica ao estudo do conhecimento. Mais

Leia mais

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS

OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS OS FILÓFOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS São chamados de filósofos da natureza. Buscavam a arché, isto é, o elemento ou substância primordial que originava todas as coisas da natureza. Dirigiram sua atenção e suas

Leia mais

KARL JENSEN E OS MOVIMENTOS SOCIAIS

KARL JENSEN E OS MOVIMENTOS SOCIAIS KARL JENSEN E OS MOVIMENTOS SOCIAIS Nildo Viana Sociólogo, Filósofo, Professor da Faculdade de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Goiás, Doutor em

Leia mais

1 Aluno do curso de Licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras PB.

1 Aluno do curso de Licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras PB. A DIALÉTICA HEGELIANA E O MATERIALISMO DIALÉTICO DE MARX Daniel Leite da Silva Justino 1 RESUMO Hegel foi um dos últimos filósofos a construir um sistema filosófico que visava compreender a realidade e

Leia mais

A. Independência e dependência da consciência de si: dominação e escravidão

A. Independência e dependência da consciência de si: dominação e escravidão A. Independência e dependência da consciência de si: dominação e escravidão [Primeira secção do capítulo IV A verdade da certeza de si mesmo] As etapas do itinerário fenomenológico: 1. CONSCIÊNCIA (em

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL 1 ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL Wellington de Lucena Moura Mestrando em Filosofia Universidade Federal da Paraíba O objetivo deste trabalho é o exame das críticas à filosofia

Leia mais

Positivismo ou sociologia da ordem. Comte e Durkheim

Positivismo ou sociologia da ordem. Comte e Durkheim Positivismo ou sociologia da ordem Comte e Durkheim Por que a palavra positivismo? Positivo: o que é palpável, baseado nos fatos; o que pode ser observado. Para Comte, o termo positivo designa o real em

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 KARL MARX E A EDUCAÇÃO Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 BIOGRAFIA Karl Heinrich Marx (1818-1883), nasceu em Trier, Alemanha e morreu em Londres.

Leia mais

A escola de Frankfurt. Profª Karina Oliveira Bezerra

A escola de Frankfurt. Profª Karina Oliveira Bezerra A escola de Frankfurt Profª Karina Oliveira Bezerra Uma teoria crítica contra a opressão social Escola de Frankfurt é o nome dado ao grupo de pensadores alemães do Instituto de Pesquisas Sociais de Frankfurt,

Leia mais

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels Resenha Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels José Claudinei LOMBARDI (AUTOR) 2 Cláudio Rodrigues da SILVA 3 O livro Educação e ensino na obra

Leia mais

HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO

HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO Ítalo Alessandro Lemes Silva (Mestrando) italo.filosofia@gmail.com, Veralúcia Pinheiro (Orientadora) veraluciapinheiro27@gmail.com Universidade

Leia mais

A querela do conceito de massa na filosofia dos jovens hegelianos. The quarrel of the concept of mass in young hegelian philosophy

A querela do conceito de massa na filosofia dos jovens hegelianos. The quarrel of the concept of mass in young hegelian philosophy A querela do conceito de massa na filosofia dos jovens hegelianos The quarrel of the concept of mass in young hegelian philosophy Rafael Duarte Oliveira Venancio Universidad Federal de Uberlândia rdovenancio@gmail.com

Leia mais

A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo.

A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. As soluções encontradas por Weber para os intrincados problemas metodológicos que ocuparam a atenção dos cientistas sociais do começo do século XX permitiram-lhe

Leia mais

ESTADO DE DIREITO Crítica marxiana perante a concepção hegeliana de Estado.

ESTADO DE DIREITO Crítica marxiana perante a concepção hegeliana de Estado. ESTADO DE DIREITO Crítica marxiana perante a concepção hegeliana de Estado. Milton Eduardo Antunes Bolz Graduando em Direito eduardobolz@hotmail.com Leonardo Saldanha Mestre em Direito Resumo: O presente

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/UEFS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/UEFS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Componente Curricular: Filosofia Código: CTB - 110 CH Total: 60h Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2014. 2 Turma: 1º semestre Professor: Ana Paula dos Santos Lima

Leia mais

Sartre, liberdade & existencialismo. Julian Dutra Filosofia 2017

Sartre, liberdade & existencialismo. Julian Dutra Filosofia 2017 Sartre, liberdade & existencialismo Julian Dutra Filosofia 2017 EXISTENCIALISMO O QUE É O EXISTENCIALISMO? ORIGENS INTELECTUAIS FRIEDRICH NIETZSCHE (1844 1900) SOREN KIERKEGAARD (1813 1855) Outros filósofos

Leia mais

Sartre, liberdade & existencialismo. Julian Dutra Filosofia 2017

Sartre, liberdade & existencialismo. Julian Dutra Filosofia 2017 Sartre, liberdade & existencialismo Julian Dutra Filosofia 2017 EXISTENCIALISMO O QUE É O EXISTENCIALISMO? ORIGENS INTELECTUAIS FRIEDRICH NIETZSCHE (1844 1900) SOREN KIERKEGAARD (1813 1855) Outros filósofos

Leia mais

ROMANTISMO KIERKEGAAR PROF. ANDERSON W.

ROMANTISMO KIERKEGAAR PROF. ANDERSON W. FILOSOFIA ROMANTISMO KIERKEGAAR PROF. ANDERSON W. (1813 1855) SUAS PRINCIPAIS OBRAS: Migalhas Filosóficas (1884), Ou isso/ou aquilo (1843), Temor e Tremor (1843) O conceito de angústia (1844). SUBJETIVISMO:

Leia mais

Apresentação. BAVARESCO, Agemir; LARA, Eduardo Garcia. Apresentação Revista Opinião Filosófica, Porto Alegre, v. 05; nº.

Apresentação. BAVARESCO, Agemir; LARA, Eduardo Garcia. Apresentação Revista Opinião Filosófica, Porto Alegre, v. 05; nº. Apresentação A Revista Opinião Filosófica, em número organizado por Michela Bordignon e José Henrique Souza Assai, traz aos seus leitores reflexões sobre Problemas de Lógica e Epistemologia em Kant e Hegel.

Leia mais

PROMETEUS FILOSOFIA EM REVISTA

PROMETEUS FILOSOFIA EM REVISTA PROMETEUS FILOSOFIA EM REVISTA VIVA VOX - DFL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Ano 3 - no.6 Julho-Dezembro / 2010 REFLEXÃO SOBRE A ALIENAÇÃO E A IDEOLOGIA NO PENSAMENTO DE FRIEDRICH HEGEL Fábio Luiz Tezini

Leia mais

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre Marxismo. Ao final desta, esperase que você aprenda sobre as contribuições que as idéias de

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre Marxismo. Ao final desta, esperase que você aprenda sobre as contribuições que as idéias de Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre Marxismo. Ao final desta, esperase que você aprenda sobre as contribuições que as idéias de Karl Marx deram às ciências sociais, especificamente à

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte Habilitação: Bacharelado e Licenciatura em Filosofia Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Renovação Atual de Reconhecimento - Port. nº286/mec de 21/12/12-DOU 27/12/12.Curso reconhecido pelo Decr.

Leia mais

Disciplina: História Contemporânea I. Créditos: 04. Carga Horária: Ementa

Disciplina: História Contemporânea I. Créditos: 04. Carga Horária: Ementa Disciplina: História Contemporânea I Código: HIS040 Créditos: 04 Carga Horária: Departamento: 60h História Ementa Protestos populares e formação da classe operária: controvérsias e debates. A Revolução

Leia mais

ESTUDAR MARX para iniciantes

ESTUDAR MARX para iniciantes 1 ESTUDAR MARX para iniciantes Breve introdução Se você pudesse ter acesso ao melhor instrumento possível, o mais avançado criado até hoje, para atingir determinado fim, não o utilizaria? Ora, se o objetivo

Leia mais

A CONSCIÊNCIA NA INTRODUÇÃO DA FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO DE HEGEL

A CONSCIÊNCIA NA INTRODUÇÃO DA FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO DE HEGEL A CONSCIÊNCIA NA INTRODUÇÃO DA FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO DE HEGEL Samuel Silva (Bolsista do Grupo PET-Filosofia da UFSJ) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora Tutora do Grupo PET-Filosofia da UFSJ)

Leia mais

Introdução O QUE É FILOSOFIA?

Introdução O QUE É FILOSOFIA? O QUE É FILOSOFIA? A filosofia não é uma ciência, nem mesmo um conhecimento; não é um saber a mais: é uma reflexão sobre os saberes disponíveis. É por isso que não se pode aprender filosofia, dizia kant:

Leia mais

Sociologia. Resumo e Lista de Exercícios LIVE 01/10/17

Sociologia. Resumo e Lista de Exercícios LIVE 01/10/17 Sociologia Resumo e Lista de Exercícios LIVE 01/10/17 1. Imaginação Sociológica a. História x Biografia i. História à entender o que formou e influenciou o contexto em que o indivíduo está inserido ii.

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal

Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal Profª Karina Oliveira Bezerra Aula 05 Unidade 1, capítulo 5: p. 63 Unidade 8, capítulo 5: p. 455 Filme: Germinal No século XIX, em decorrência do otimismo trazido pelas idéias de progresso (positivismo),

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Hermenêutica jurídica Maria Luiza Quaresma Tonelli* Hermenêutica é um vocábulo derivado do grego hermeneuein, comumente tida como filosofia da interpretação. Muitos autores associam

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

SOCIEDADE, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO Karl Marx

SOCIEDADE, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO Karl Marx SOCIEDADE, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO Karl Marx Adriano, Dominique, João Gabriel, Lunara, Victoria, Felipe, Valéria, Daiane, Janice, Luiza Sociologia da Educação I A Prof. Neusa Chaves Batista Porto Alegre,

Leia mais

Filosofia Moderna. Antecedentes e pensamento cartesiano (epistemologia racionalista)

Filosofia Moderna. Antecedentes e pensamento cartesiano (epistemologia racionalista) Filosofia Moderna Antecedentes e pensamento cartesiano (epistemologia racionalista) O projeto moderno se define, em linhas gerais, pela busca da fundamentação da possibilidade de conhecimento e das teorias

Leia mais