FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA"

Transcrição

1 FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa

2 Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento

3 Questões O que é o conhecimento? Para que serve o conhecimento? Porquê o conhecimento? Para quê o conhecimento? Como podemos conhecer? O que é a fenomenologia? Quais são os elementos constituintes do ato de conhecer? Que relações estabelecem entre si? Quais os tipos de conhecimento?

4 Exercício Ao longo da sua vida, o homem constrói vários conhecimentos, desde coisas, pessoas, modos de proceder, valores, ideias, opiniões diversas, teorias científicas, entre tantas outras coisas. O modo como estas formas de conhecimento chegam ao ser humano não são todas iguais; isto significa que se podem estabelecer algumas distinções, quer da parte de quem conhece, quer da parte do que é conhecido, ou seja, quer da parte do sujeito, quer da parte do objeto.

5 Escher 1. Observe a imagem e interprete o que vê. 2. Olhe para fora da janela da sala de aula e descreva o que vê. 3. Coloque algumas questões filosóficas.

6 Explicação Galeria de Arte resultou da ideia de que teria de ser possível realizar um alargamento em forma circular. No canto inferior direito, vemos a entrada duma galeria, onde há uma exposição de quadros. Se nos voltarmos para a esquerda vemos um jovem em pé, olhando um quadro na parede. Neste quadro ele vê um barco e mais acima à esquerda, algumas casas ao longo dum cais. Se agora olharmos para cima para a direita, este quarteirão de casas continua e, à direita, na parte mais extrema da composição, o nosso olhar desvia-se para descobrir, em baixo, uma casa de esquina, com uma entrada que conduz a uma galeria de arte, onde se mostra uma exposição de quadros... Assim o nosso jovem faz parte do mesmo quadro que está a observar. Toda esta ilusão baseia-se no facto de que Escher criou como estrutura para esta gravura uma rede que marca um alargamento em círculo fechado que não tem nem princípio, nem fim.

7 A realidade como a vemos O nosso conhecimento depende da maneira como o interpretamos e da maneira como agimos no mundo. O nosso mundo é sempre circunstancial e prefigurado na própria linguagem. A realidade diz-se de diferentes maneiras e apresenta-se em contextos diferentes com significados diferentes, daí termos diferentes discursos sobre a realidade: filosófico, político, religioso, artístico, científico... Cada um deles corresponde a uma interpretação da realidade que pretende ser verdadeira.

8 Fenomenologia Fenómeno é tudo o que se apresenta à nossa consciência. O fenómeno é absoluto, pois dá-se ao sujeito de modo evidente e imediato. A fenomenologia descreve o conhecimento, pondo em evidência o processo do conhecer, indicando os elementos que intervêm neste processo (sujeito e objeto) e as relações que tais elementos estabelecem entre si. A fenomenologia não estabelece qualquer primado do sujeito ou do objeto. Limita-se a reconhecer a sua mútua necessidade no ato de conhecer.

9 Problema da possibilidade do conhecimento Pode o sujeito aprender o objeto?

10 Teorias Dogmatismo É a crença de que podemos obter conhecimentos certos e seguros e que o nosso poder de conhecimento pode abarcar progressivamente toda a realidade.

11 Teorias Ceticismo É a posição oposta. Na sua versão moderada, consiste em duvidar não só do que seja possível conhecer toda a realidade, mas sobretudo de que seja possível alcançar conhecimentos firmes e seguros, racionalmente justificáveis. Na sua versão radical, nega que seja possível semelhante tipo de conhecimento.

12 Teorias Criticismo A razão pode alcançar conhecimentos firmes e seguros, embora limitados no âmbito dos objetos empíricos. O conhecimento é conhecimento de um objeto. No entanto, nem sempre o objeto é o mesmo e, consoante esse objeto muda, também muda o tipo de conhecimento.

13 Tipos de conhecimento - O João sabe andar de Skate. Esta frase descreve um saber-fazer. É o que os filósofos chamam de conhecimento prático.

14 Tipos de conhecimento O João conhece o presidente da República Esta frase descreve uma entidade, objeto ou lugar. Refere-se a um conhecimento imediato e directo de uma entidade exterior. É o que os filósofos chamam conhecimento por contacto ou conhecimento de objetos.

15 Tipos de conhecimento O João sabe que D. Afonso Henriques foi o primeiro rei de Portugal. Esta frase descreve um tipo de conhecimento diferente a que os filósofos chamam conhecimento proposicional. O que se diz que o João conhece é uma proposição, isto é, algo que é verdadeiro ou falso. Na verdade, o que esta frase diz é que João sabe que a proposição: D. Afonso Henriques foi o primeiro rei de Portugal, é verdadeira. O conhecimento proposicional é, destes três tipos, o único que interessa aos filósofos.

16 Problema Quais são as condições necessárias e suficientes para que um sujeito conheça uma proposição?

17 Crença e verdade Duas condições normalmente aceites para que uma proposição seja considerada um conhecimento: - que ela seja uma crença - que seja verdadeira. Isto é assim, porque quando conhecemos uma proposição acreditamos que ela descreve a realidade tal como é.

18 No entanto, podemos acreditar em proposições falsas, embora julguemos que são verdadeiras. Neste caso não podemos dizer que temos conhecimento, pois embora possamos acreditar no que não é verdade, não podemos conhecer o que não é a verdade. Se aquilo em que acreditávamos não é a verdade, então não conhecíamos. Julgávamos apenas que conhecíamos.

19 Não basta ter uma crença para ter um conhecimento. É preciso que essa crença seja verdadeira. S conhece P se e só se 1) S acredita em P 2) P é verdadeira A maior parte dos filósofos pensa que não basta ter uma crença verdadeira para ter conhecimento. O primeiro a expressar esta ideia foi Platão num diálogo chamado Teeteto.

20 Justificação TEETETO A justificação pode ser de dois tipos: Um argumento para justificar afirmações por intermédio de outras. Algo que pode ser conhecido diretamente, por intermédio dos sentidos. Uma vez então que a justificação é uma das condições necessárias para que haja conhecimento, podemos reformular o esquema: S conhece P se e só se 1) S acredita em P 2) P é verdadeira 3) S tem uma justificação para acreditar em P

21 Teoria clássica sobre o conhecimento Teoria da Crença Verdadeira Justificada.

22 Gettier Em 1963, o filósofo americano Edmund L. Gettier publicou um artigo com o título: A crença verdadeira justificada é conhecimento? Nesse artigo apresentou duas experiências mentais (experiências imaginadas que servem para testar teorias quando não é possível testálas por intermédio da experiência) que afirma serem contraexemplos (exemplos que pretendem mostrar que uma afirmação é falsa) à teoria da crença verdadeira justificada.

23 Gettier Este autor mostra que a teoria da crença verdadeira justificada não descreve adequadamente o conhecimento, uma vez que é possível deduzir proposições verdadeiras de proposições falsas.

24 Exemplo de Bertrand Russel O relógio da igreja da tua terra é fiável e costumas confiar nele para saber as horas. Esta manhã quando vinhas para a escola, olhaste para o relógio e viste que marcava 8h20m. Em consequência formulaste a crença de que eram 8h20m. O facto do relógio ter sido fiável no passado justifica a tua crença. Contudo, sem que o soubesses, o relógio avariou no dia anterior exatamente quando marcava 8h20m. assim, tens uma crença verdadeira justificada que não é um conhecimento. Problema: Que condições deve uma proposição satisfazer para estar justificada?

O que é o conhecimento?

O que é o conhecimento? Disciplina: Filosofia Ano: 11º Ano letivo: 2012/2013 O que é o conhecimento? Texto de Apoio 1. Tipos de Conhecimento No quotidiano falamos de conhecimento, de crenças que estão fortemente apoiadas por

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

Racionalidade argumentativa e Filosofia

Racionalidade argumentativa e Filosofia Racionalidade argumentativa e Filosofia Conteúdos Competências a desenvolver / objetivos a concretizar Estratégias Recursos Avaliação Tempos 1. Argumentação e lógica formal 1.1 Distinção validade/verdade

Leia mais

Filosofia. IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA

Filosofia. IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA Filosofia IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA 1.2 Teorias Explicativas do Conhecimento René Descartes

Leia mais

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB RESUMO Filosofia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de

Leia mais

TEMA: tipos de conhecimento. Professor: Elson Junior

TEMA: tipos de conhecimento. Professor: Elson Junior Ciências Humanas e suas Tecnologias. TEMA: tipos de conhecimento. Professor: Elson Junior Plano de Aula Conhecimento O que é? Como adquirir Características Tipos Recordar é Viver... Processo de pesquisa

Leia mais

Temas/Conteúdos Tempos Letivos Domínios/Desempenhos Avaliação. Racionalidade Argumentativa e Filosófica. 1º Período 15/09/13 a 16/12/14

Temas/Conteúdos Tempos Letivos Domínios/Desempenhos Avaliação. Racionalidade Argumentativa e Filosófica. 1º Período 15/09/13 a 16/12/14 1º Período 15/09/13 a 16/12/14 2º Período 05/01/15 a 20/03/15 3º Período 07/04/15 a 05/06/15 TOTAL Aulas Previstas 52 42 34 128 Apresentação 1 1 Diagnose/ Gestão de Conteúdos e Avaliação 129 Temas I e

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Dúvida Metódica Em Descartes Antonio Wardison Canabrava da Silva* A busca pelo conhecimento é um atributo essencial do pensar filosófico. Desde o surgimento das investigações mitológicas,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO-2017/2018

PLANIFICAÇÃO-2017/2018 PLANIFICAÇÃO-2017/2018 ENSINO SECUNDÁRIO - PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FILOSOFIA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS 11º ANO DE ESCOLARIDADE MATERIAIS

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

Hume e o empirismo radical

Hume e o empirismo radical Hume e o empirismo radical Premissas empiristas de David Hume (que partilha com os outros empiristas) Não há ideias inatas A mente é uma tábula rasa/folha em branco Todo o conhecimento deriva da experiência

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Metafísica: Noções Gerais (por Abraão Carvalho in:

Metafísica: Noções Gerais (por Abraão Carvalho in: : Noções Gerais (por Abraão Carvalho in: www.criticaecriacaoembits.blogspot.com) é uma palavra de origem grega. É o resultado da reunião de duas expressões, a saber, "meta" e "physis". Meta significa além

Leia mais

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação 1 1. Artigo Tema: Ensino de argumentação filosófica Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação Gabriel Goldmeier Conhecimento: crença verdadeira corretamente justificada A Teoria do Conhecimento

Leia mais

A Teoria do Conhecimento

A Teoria do Conhecimento A Teoria do Conhecimento Objeto Conhecimento Objetivo Estudar a origem, natureza, valor e limites do conhecimento e da nossa capacidade de conhecer Problemas As formas do conhecimento A definição de conhecimento

Leia mais

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNITIVA

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNITIVA 110-136 2008.02.11 2 22:49 Página 110 DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNITIVA Capítulo 5. Estrutura do acto de conhecer, 111 Capítulo 6. A possibilidade do conhecimento, 137 Van Gogh a Pintar

Leia mais

Teoria do conhecimento de David Hume

Teoria do conhecimento de David Hume Hume e o empirismo radical Premissas gerais empiristas de David Hume ( que partilha com os outros empiristas ) Convicções pessoais de David Hume: Negação das ideias inatas A mente é uma tábua rasa/folha

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA Mariluze Ferreira de Andrade e Silva Laboratório de Lógica e Epistemologia DFIME - UFSJ Resumo: Propomos investigar

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 Escrita 10.º e 11.º de Escolaridade (Portaria n.º 207/2008, de 25 de Fevereiro - Cursos Tecnológicos de informática; Contabilidade

Leia mais

FILOSOFIA. 1º ano: Módulo 07. Professor Carlos Eduardo Foganholo

FILOSOFIA. 1º ano: Módulo 07. Professor Carlos Eduardo Foganholo FILOSOFIA 1º ano: Módulo 07 Professor Carlos Eduardo Foganholo Como podemos ter certeza de que estamos acordados e que tudo o que vivemos não é um sonho? Qual é a fonte de nossos conhecimentos? É possível

Leia mais

O verdadeiro conhecimento ética utilitarista procede da razão

O verdadeiro conhecimento ética utilitarista procede da razão CONTEÚDO FILOSOFIA Avaliação Mensal Professora Célia Reinaux 6º ANO Módulo Unidade 3 A sombra na madrugada Páginas 34 até 39 Um obstáculo na trilha Páginas 40 até 46 Filósofos trabalhados: René Descartes

Leia mais

Descartes filósofo e matemático francês Representante do racionalismo moderno. Profs: Ana Vigário e Ângela Leite

Descartes filósofo e matemático francês Representante do racionalismo moderno. Profs: Ana Vigário e Ângela Leite Descartes filósofo e matemático francês 1596-1650 Representante do racionalismo moderno Razão como principal fonte de conhecimento verdadeiro logicamente necessário universalmente válido Inspiração: modelo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015 PLANIFICAÇÃO de Filosofia 11º ANO Gestão Temporal do Programa UNIDADE CONTEÚDO TEMPOS unidade CONTEÚDO LETIVOS TEMPOS LETIVOS Racionalidade

Leia mais

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido.

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2011.12 Cap1 Lógica pg 1 I- Lógica Informal Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Afirmação

Leia mais

Exemplos de frases e expressões que não são proposições:

Exemplos de frases e expressões que não são proposições: Matemática Discreta ESTiG\IPB Lógica: Argumentos pg 1 Lógica: ramo da Filosofia que nos permite distinguir bons de maus argumentos, com o objectivo de produzirmos conclusões verdadeiras a partir de crenças

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/202, de de julho Prova 74/2.ª Fase Critérios de Classificação Páginas 204 Prova 74/2.ª F. CC

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

MATEMÁTICA PARA A VIDA

MATEMÁTICA PARA A VIDA MATEMÁTICA PARA A VIDA B2 6 Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação usando processos e procedimentos matemáticos. Utilizar a moeda única europeia e outra familiar em actividades do dia

Leia mais

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo IF UFRJ Mariano G. David Mônica F. Corrêa 1 O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo Aula 1: O conhecimento é possível? O

Leia mais

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO-EXAME FILOSOFIA 2017 Exame a Nível de Escola 225 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características do exame

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO DISCIPLINA: FILOSOFIA ANO: 11º CURSO: Todos os cursos do ensino secundário Total de aulas previstas: 90 Aulas (50 ) 2014/2015-1º Período Mês SET UNIDADE 1 ARGUMENTAÇÃO E LÓGICA FORMAL CAPÍTULO 1: NOÇÕES

Leia mais

Guião de Visionamento do vídeo: Sisyphus - the real struggle

Guião de Visionamento do vídeo: Sisyphus - the real struggle Documento 1 Guião de Visionamento do vídeo: Sisyphus - the real struggle Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=lrj-rsxvvua Duração: 3 minutos e 59 segundos Questões: 1. Partindo do Mito de Sísifo, esclarece

Leia mais

Aula 01 O conhecimento vivo

Aula 01 O conhecimento vivo Metodologia da Pesquisa Científica Aula 01 O conhecimento vivo Bloco 1 Dra. Rita Mazaro Na nossa vida diária utilizamos e convivemos com conhecimentos construídos ao longo da história por diferentes povos

Leia mais

Origem do conhecimento

Origem do conhecimento 1.2.1. Origem do conhecimento ORIGEM DO CONHECIMENTO RACIONALISMO (Racionalismo do século XVII) EMPIRISMO (Empirismo inglês do século XVIII) Filósofos: René Descartes (1596-1650) Gottfried Leibniz (1646-1716)

Leia mais

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler ÍNDICE 1. Introdução... 5 2. Competências essenciais do aluno... 6 3. Como ler um texto... 7 4. Como ler uma pergunta... 8 5. Como fazer um trabalho... 9 6. Conteúdos/Temas 11.º Ano... 11 III Racionalidade

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 3

Lógica Proposicional Parte 3 Lógica Proposicional Parte 3 Nesta aula, vamos mostrar como usar os conhecimentos sobre regras de inferência para descobrir (ou inferir) novas proposições a partir de proposições dadas. Ilustraremos esse

Leia mais

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. Dra. Renata Cristina da Penha França E-mail: renataagropec@yahoo.com.br -Recife- 2015 MÉTODO Método, palavra que vem do

Leia mais

O que é a Ciência? Fernando Casal. Metodologia nas Ciências Sociais Marketing, Publicidade e Relações Públicas ISPAB

O que é a Ciência? Fernando Casal. Metodologia nas Ciências Sociais Marketing, Publicidade e Relações Públicas ISPAB O que é a Ciência? Marketing, Publicidade e Relações Públicas Ciência Objecto Método Linguagem Objecto da Ciência Objecto é o assunto de que uma ciência se ocupa; É o campo da realidade abragida por cada

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina ENSINO SECUNDÁRIO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

A construção do conhecimento e do objeto nas Ciências Sociais. Métodos e Técnicas de Pesquisa I 2015 Márcia Lima

A construção do conhecimento e do objeto nas Ciências Sociais. Métodos e Técnicas de Pesquisa I 2015 Márcia Lima A construção do conhecimento e do objeto nas Ciências Sociais Métodos e Técnicas de Pesquisa I 2015 Márcia Lima Roteiro da aula Ressalvas importantes: dificuldades na leitura textos; captar o básico; argumentos

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Renato Matoso Ribeiro Gomes Brandão. O Problema da Falsidade no Discurso. Ontologia e Linguagem em Parmênides e Platão. Dissertação de Mestrado

Renato Matoso Ribeiro Gomes Brandão. O Problema da Falsidade no Discurso. Ontologia e Linguagem em Parmênides e Platão. Dissertação de Mestrado Renato Matoso Ribeiro Gomes Brandão O Problema da Falsidade no Discurso Ontologia e Linguagem em Parmênides e Platão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo

O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo IF UFRJ Mariano G. David Mônica F. Corrêa O conhecimento e a incerteza do ponto de vista do ceticismo Aula 1: O conhecimento é possível? O ceticismo

Leia mais

Tópicos de Pesquisa em Administração

Tópicos de Pesquisa em Administração Tópicos de Pesquisa em Administração Professor LUCIEL HENRIQUE DE OLIVEIRA luciel@uol.com.br Do conhecimento ao saber científico Do conhecimento ao saber científico CERVO e BERVIAN (década 1970) estabelecem

Leia mais

Searle: Intencionalidade

Searle: Intencionalidade Searle: Intencionalidade Referências: Searle, John, The background of meaning, in Searle, J., Kiefer, F., and Bierwisch, M. (eds.), Speech Act Theory and Pragmatics, Dordrecht, Reidel, 1980, pp 221-232.

Leia mais

AVALIAÇÕES 4ª ETAPA/ º ano. História Inglês. 20/11/12 (3ª feira)

AVALIAÇÕES 4ª ETAPA/ º ano. História Inglês. 20/11/12 (3ª feira) 6º ano 18/10/12 Intrepretação Matemática 1º tempo 7h15min às 8h05min aula normal 1º tempo 13h15min às 14h05min aula normal 2º e 3º tempo 8h05min às 9h45min PROVAS 2º e 3º tempo 14h05min às 15h45min PROVAS

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização Informação-prova FILOSOFIA 2018 Prova 714 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do ensino secundário

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Lógica e Metodologia Jurídica

Lógica e Metodologia Jurídica Lógica e Metodologia Jurídica Argumentos e Lógica Proposicional Prof. Juliano Souza de Albuquerque Maranhão julianomaranhao@gmail.com Puzzle 2 pessoas A e B fazem uma oferta um ao outro. O problema é identificar

Leia mais

Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino

Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino TELE AULA 1 Cientificidade do conhecimento Resumo Unidade de Ensino: 1 Competência da Unidade de Ensino: Resumo: Palavras-chave:

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência".

Epistemologia deriva de episteme, que significa ciência, e Logia que significa estudo, etimologia como o estudo da ciência. Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência". Epistemologia é a teoria do conhecimento, é a crítica, estudo ou tratado

Leia mais

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 PROVA 225 Cursos Científicos Humanísticos Artigo 20.º do Decreto- Lei n.º 3 / 2008, de 7 de janeiro 11.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 120 minutos

Leia mais

Grupo I Para cada uma das questões que se seguem assinala a opção correta

Grupo I Para cada uma das questões que se seguem assinala a opção correta Grupo I Para cada uma das questões que se seguem assinala a opção correta 1. A filosofia é: a) Um conjunto de opiniões importantes. b) Um estudo da mente humana. c) Uma atividade que se baseia no uso crítico

Leia mais

Afirmações Matemáticas

Afirmações Matemáticas Afirmações Matemáticas Na aula passada, vimos que o objetivo desta disciplina é estudar estruturas matemáticas, afirmações sobre elas e como provar essas afirmações. Já falamos das estruturas principais,

Leia mais

Versão B. GRUPO I (10 X 3 = 30 pontos) Assinala a única alternativa correta

Versão B. GRUPO I (10 X 3 = 30 pontos) Assinala a única alternativa correta Versão B GRUPO I (10 X 3 = 30 pontos) Assinala a única alternativa correta 1.O discurso filosófico é sobretudo um discurso: a) Demonstrativo b) Argumentativo c) Científico d) Racional 2. Dizer que a filosofia

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

UNIDADE III RACIONALIDADE UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE UNIDADE V DESAFIOS ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

UNIDADE III RACIONALIDADE UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE UNIDADE V DESAFIOS ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Í N D I C E UNIDADE III RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Argumentação e lógica formal Cálculo proposicional Argumentação e retórica Argumentação e filosofia UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

CONCEITOS BASILARES. Vejamos um caso de Interpretação Bíblica:

CONCEITOS BASILARES. Vejamos um caso de Interpretação Bíblica: CONCEITOS BASILARES Claro está que para início de nossos estudos precisaremos compreender alguns conceitos primários e entre eles está o da Hermenêutica. Entenda-se pois Hermenêutica como um viés da Filosofia

Leia mais

A RACIONALIDADE DA CRENÇA EM DEUS NA EPISTEMOLOGIA RELIGIOSA DE ALVIN PLANTINGA

A RACIONALIDADE DA CRENÇA EM DEUS NA EPISTEMOLOGIA RELIGIOSA DE ALVIN PLANTINGA A RACIONALIDADE DA CRENÇA EM DEUS NA EPISTEMOLOGIA RELIGIOSA DE ALVIN PLANTINGA Ana Paula da Silva Mendes; Fatrine Leire Guimarães Borges; Hellen Viola Dondossola. Resumo: Este artigo apresenta a defesa

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 1. A frase mostra um dos principais objetivos de Francis Bacon (Chico Toicinho): demonstrar que o conhecimento consistia simplesmente em acreditar

Leia mais

Planificação Anual Filosofia 11º Ano de Escolaridade. Ano letivo 2014/2015. Prof. João Manuel Amaral da Silva

Planificação Anual Filosofia 11º Ano de Escolaridade. Ano letivo 2014/2015. Prof. João Manuel Amaral da Silva Governo dos Açores Escola Básica e Secundária Velas Planificação Anual Filosofia 11º Ano Escolarida Ano letivo 2014/2015 Prof. João Manuel Amaral da Silva Primeiro Período Temas/Conteúdos Percurso Aprendizagens

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÂO E CIÊNCIA DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia 10.º e 11.º

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

IV Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento - Trabalho de investigação e debate Descartes versus Hume

IV Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento - Trabalho de investigação e debate Descartes versus Hume IV. 1-1.2 Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento - Trabalho de investigação e debate Descartes versus Hume I - Proposta A - Fundamentação Propõe-se um debate entre grupos de trabalho

Leia mais

Lógica Matemática. Definição. Origem. Introdução

Lógica Matemática. Definição. Origem. Introdução Lógica Matemática Introdução 1 Definição A Lógica tem, por objeto de estudo, as leis gerais do pensamento, e as formas de aplicar essas leis corretamente na investigação da verdade. 2 Origem Aristóteles

Leia mais

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade Resumo de Filosofia Capítulo I Argumentação e Lógica Formal Validade e Verdade O que é um argumento? Um argumento é um conjunto de proposições em que se pretende justificar ou defender uma delas, a conclusão,

Leia mais

Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher

Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher Hermenêutica Filosofica - Schleiermacher Deu início a um novo modelo de hermenêutica Utilizou o método histórico-crítico e o conceito de razão histórica Trouxe para a hermenêutica o caráter científico,

Leia mais

Os Quatro Subespaços Fundamentais

Os Quatro Subespaços Fundamentais Álgebra Linear e Geometria Analítica Texto de apoio Professor João Soares 7 páginas Universidade de Coimbra 26 de Novembro de 29 Os Quatro Subespaços Fundamentais Seja A uma matriz m n de elementos reais.

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 20.04.2012 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março 1. 2. COTAÇÕES GRUPO I 1.1.... 10 pontos

Leia mais

Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP CONFAP

Data: Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com ensino secundário CIREP FERLAP CONFAP Prova de Exame Nacional de Filosofia Prova 714 2012 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspeção-Geral

Leia mais

Introdução O QUE É FILOSOFIA?

Introdução O QUE É FILOSOFIA? O QUE É FILOSOFIA? A filosofia não é uma ciência, nem mesmo um conhecimento; não é um saber a mais: é uma reflexão sobre os saberes disponíveis. É por isso que não se pode aprender filosofia, dizia kant:

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA E ARTISTÍCA Serviço Educativo do Museu do Abade de Baçal

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA E ARTISTÍCA Serviço Educativo do Museu do Abade de Baçal PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA E ARTISTÍCA Serviço Educativo do Museu do Abade de Baçal Programa de Educação Estética e Artística Ministério da Educação Intenção Pedagógica VER, DIALOGAR e EXPERIMENTAR

Leia mais

O que é a epistemologia?

O que é a epistemologia? O que é a epistemologia? Michael Williams Universidade de Johns Hopkins O que é a epistemologia? A resposta é: o ramo da filosofia que se ocupa do conhecimento humano, pelo que também é designada de "teoria

Leia mais

Exercícios do manual. Página 105 Exercício V

Exercícios do manual. Página 105 Exercício V Exercícios do manual 1. Falácia do apelo à ignorância Página 105 Exercício V 2. Falácia contra a pessoa ou ad hominem (hipocrisia ou tu quoque tu também não fazes o que defendes) 3. Falso dilema (quer

Leia mais

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso 1 Sumário O que é a fenomenologia? Fenomenologia Busca da verdade Os três tipos de fenómenos Etimologia do termo fenomenologia Mas como lá chegar? Jaspers: Compreender e Explicar Evolução da fenomenologia

Leia mais

Sofistas ou Sophistés

Sofistas ou Sophistés - Sofista (sophistés) vem da palavra sophos que significa sábio. Sofistas ou Sophistés Principais sofistas: - Protágoras de Abdera 480-410 a.c. - Gógias de Leontini 487?-380? a.c. - Isócrates de Atenas

Leia mais

HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO

HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO Hermenêutica e Interpretação não são sinônimos: HERMENÊUTICA: teoria geral da interpretação (métodos, estratégias, instrumentos) INTERPRETAÇÃO: aplicação da teoria geral para

Leia mais

SIGNIFICADOS DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES. Como fazer

SIGNIFICADOS DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES. Como fazer SIGNIFICADOS DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES Como fazer Biblioteca 2017 Os verbos usados nas questões correspondem a objetivos cognitivos de diversos graus de complexidade. Conhecer o significado desses

Leia mais

SPN DESAFIOS PARA O FUTURO: Uma organização focada na estratégia

SPN DESAFIOS PARA O FUTURO: Uma organização focada na estratégia Editorial SPN DESAFIOS PARA O FUTURO: UMA ORGANIZAÇÃO FOCADA NA ESTRATÉGIA Rev Port Nefrol Hipert 2004; 19 (4) : 187-192 SPN DESAFIOS PARA O FUTURO: Uma organização focada na estratégia José Vinhas Presidente

Leia mais

AULA Nº 2 METODOLOGIA CIENTÍFICA A NATUREZA DO CONHECIMENTO: TIPOS DE CONHECIMENTO. Prof. MSc. Fernando Soares da Rocha Júnior

AULA Nº 2 METODOLOGIA CIENTÍFICA A NATUREZA DO CONHECIMENTO: TIPOS DE CONHECIMENTO. Prof. MSc. Fernando Soares da Rocha Júnior AULA Nº 2 METODOLOGIA CIENTÍFICA A NATUREZA DO CONHECIMENTO: TIPOS DE CONHECIMENTO Prof. MSc. Fernando Soares da Rocha Júnior 1 AGENDA DA AULA Tipos de conhecimento; Conhecimento Empírico; Conhecimento

Leia mais

Extremos e o Teste da Derivada Primeira

Extremos e o Teste da Derivada Primeira UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Extremos e o Teste

Leia mais

MATEMÁTICA PARA A VIDA

MATEMÁTICA PARA A VIDA MATEMÁTICA PARA A VIDA B3 6 Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação processos e procedimentos matemáticos Sequencializar as tarefas elementares de um projecto; Usar relações de conversão

Leia mais