Conforme nos ensina o constitucionalista J. J. Gomes Canotilho,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conforme nos ensina o constitucionalista J. J. Gomes Canotilho,"

Transcrição

1 Interpretação da Constituição Vicente Paulo & Marcelo Alexandrino Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero (19) Interpretação da Constituição. Interpretar as normas constitucionais significa compreender, investigar o conteúdo semântico dos enunciados lingüísticos que formam o texto constitucional. Trata-se de tarefa não só dos tribunais do Poder Judiciário, mas também dos Poderes Legislativo e Executivo. Sabe-se que a Constituição protege, simultaneamente, diferentes bens e direitos (integridade física e moral, liberdade de imprensa, liberdade de crença religiosa, propriedade, etc.), espelhando valores que poderão conflitar ou colidir em determinadas relações. Conforme nos ensina o constitucionalista J. J. Gomes Canotilho, toda a norma é significativa, mas o significado não constitui um dado prévio; é, sim, o resultado da tarefa interpretativa. Métodos de interpretação. Nos dias atuais, a interpretação das normas constitucionais realiza-se pela aplicação de um conjunto de métodos desenvolvidos pela doutrina e pela jurisprudência com base em critérios ou premissas diferentes, mas, em geral, reciprocamente complementares, o que confirma a natureza unitária da atividade interpretativa. Apresentamos, a seguir, uma síntese da lição do renomado constitucionalista luso J. J. Gomes Canotilho acerca das características dos diferentes métodos. Métodos de Interpretação. O método jurídico (método hermenêutico clássico); O método tópico-problemático; O método hermenêutico-concretizador; O método científico-espiritual; O método normativo-estruturante; A interpretação comparativa.

2 O método jurídico (método hermenêutico clássico). O sentido das normas constitucionais desvenda-se através da utilização, como elementos interpretativos: a) do elemento filológico (literal, gramatical, textual); b) do elemento lógico (sistemático); c) do elemento histórico (análise do contexto em que se desenrolaram os trabalhos do constituinte e dos registros dos debates então travados); d) do elemento teleológico (perquirição da finalidade da norma); e) do elemento genético (investigação das origens dos conceitos empregados no texto constitucional). O método tópico-problemático. O método tópico-problemático, no âmbito do Direito Constitucional, parte das seguintes premissas: 1) A interpretação constitucional deve ter um caráter prático, buscando resolver problemas concreto; 2) As normas constitucionais têm caráter fragmentário (não abrangem todas as situações passíveis de ocorrer na realidade social, mas só as mais relevantes) e indeterminado (possuem elevado grau de abstração e generalidade); 3) As normas constitucionais são abertas, por isso, não podem ser aplicadas mediante simples operações de subsunção (enquadramento direto de casos concretos nas hipóteses nelas descritas), o que implica deva ser dada preferência à discussão do problema. Para Gomes Canotilho a adoção desse método merece sérias reticências, pois além de poder conduzir a um casuísmo sem limites, a interpretação não deveria partir do problema para a norma, mas desta para os problemas. O método hermenêutico-concretizador; O método hermenêutico-concretizador reconhece a importância do aspecto subjetivo da interpretação, ou seja, da pré-compreensão que o intérprete possui acerca dos elementos envolvidos no texto a ser por ele interpretado. Esse método reconhece que a interpretação implica um preenchimento de sentido juridicamente criador, em que o intérprete efetua uma atividade prático-normativa, concretizando a norma, a partir de uma situação histórica concreta, para a esta aplicá-la. Não autoriza, entretanto, uma criação de sentido livre, exclusivamente a partir da pré-compreensão de conceitos que o intérprete traz consigo. Exige o método que o intérprete, paulatinamente, encontre o sentido do texto, comparando o resultado que advém de diversas leituras cada qual baseada na sua précompreensão, sucessivamente reformulada com a realidade a que ele deve ser aplicado.

3 No fundo, esse método vem realçar e iluminar vários pressupostos da tarefa interpretativa: 1) os pressupostos subjetivos, dado que o intérprete desempenha um papel criador (pré-compreensão) na tarefa de obtenção do sentido do texto constitucional; 2) os pressupostos objetivos, isto é, o contexto, atuando o intérprete como operador de mediações entre o texto e a situação em que se aplica; 3) relação entre o texto e o contexto com a mediação criadora do intérprete, transformando a interpretação em movimento de ir e vir (circulo hermenêutico). O método científico-espiritual. O método científico-espiritual é um método de cunho sociológico, que analisa as normas constitucionais não tanto pelo seu sentido textual, mas precipuamente a partir da ordem de valores subjacentes ao texto constitucional, a fim de alcançar a integração da Constituição com a realidade espiritual da comunidade. O método normativo-estruturante. Este método dá relevância ao fato de não haver identidade entre norma jurídica e texto normativo. A norma constitucional abrange um pedaço da realidade social ; ela é conformada não só pela atividade legislativa, mas também pela jurisdicional e pela administrativa. Pretende-se que o conteúdo da norma, assim determinado, exatamente por levar em conta a concretização da Constituição na realidade social, seja aplicável à tomada de decisões na resolução de problemas práticos. A interpretação comparativa. A interpretação comparativa pretende captar a evolução de institutos jurídicos, normas e conceitos nos vários ordenamentos jurídicos, identificando suas semelhanças e diferenças, com intuito de esclarecer o significado que deve ser atribuído a determinados enunciados lingüísticos utilizados na formulação das normas constitucionais. Por meio dessa comparação, é possível estabelecer uma comunicação entre várias Constituições e descobrir critérios aplicáveis na busca da melhor solução para determinados problemas concretos. Princípios de Interpretação. Ao lado dos métodos descritos e como diretrizes de sua aplicação -, a doutrina identifica a existência de determinados princípios específicos de interpretação constitucional. Mais uma vez, adotamos como referência a doutrina do constitucionalista lusitano J. J. Gomes Canotilho.

4 Princípios de Interpretação. Princípio da unidade da Constituição; Princípio do efeito integrador; Princípio da máxima efetividade; Princípio da justeza; Princípio da harmonização; Princípio da força normativa da Constituição. Princípio da unidade da Constituição. Segundo este princípio o texto de uma Constituição deve ser interpretado de forma a evitar contradições (antinomias) entre suas normas e, sobretudo, entre os princípios constitucionalmente estabelecidos. O intérprete, os juízes e as demais autoridades encarregadas de aplicar os comandos constitucionais devem compreendê-los, na medida do possível, como se fossem obras de um só autor, exprimindo uma unidade harmônica e sem contradições. Como decorrência do princípio da unidade da Constituição, temos que: a) Todas as normas contidas numa Constituição formal têm igual dignidade não há hierarquia, relação de subordinação entre os dispositivos da Lei Maior; b) Não existem normas constitucionais originárias inconstitucionais devido à ausência de hierarquia entre os diferentes dispositivos constitucionais, não se pode reconhecer a inconstitucionalidade de uma norma constitucional em face de outra, ainda que uma delas constitua cláusula pétrea; c) Não existem antinomias normativas verdadeiras entre os dispositivos constitucionais o texto constitucional deverá ser lido e interpretado de modo harmônico e com ponderação de seus princípios, eliminando-se com isso eventuais antinomias aparentes. Princípio do efeito integrador. Corolário do princípio da unidade da Constituição, o princípio integrador significa que, na resolução dos problemas jurídico-constitucionais, deve-se dar primazia aos critérios ou pontos de vista que favoreçam a integração política e social e o reforço da unidade política.

5 Princípio da máxima efetividade. O princípio da máxima efetividade (ou princípio da eficiência, ou princípio da interpretação efetiva) reza que o intérprete deve atribuir à norma constitucional o sentido que lhe dê maior eficácia, mais ampla efetividade social. Embora sua origem esteja ligada à eficácia das norma programáticas, é hoje princípio operativo em relação a todas e quaisquer normas constitucionais, sendo, sobretudo, invocado no âmbito dos direitos fundamentais (em caso de dúvida, deve-se preferir a interpretação que lhes reconheça maior eficácia). Princípio da justeza. O princípio da justeza (ou da conformidade funcional) estabelece que o órgão encarregado de interpretar a Constituição não pode chegar a um resultado que subverta ou perturbe o esquema organizatório-funcional estabelecido pelo legislador constituinte. Assim, a aplicação das normas constitucionais propostas pelo intérprete não pode implicar alteração na estrutura de repartição de poderes e exercício das competências constitucionais estabelecida pelo poder constituinte originário. Princípio da harmonização. Este princípio é decorrência lógica do princípio da unidade da Constituição, exigindo que os bens jurídicos constitucionalmente protegidos possam coexistir harmoniosamente, sem predomínio, em abstrato, de uns sobre os outros. Fundamenta-se na idéia de igualdade de valor de bens constitucionais (ausência de hierarquia entre os dispositivos constitucionais) que, no caso de conflito ou concorrência, impede, como solução, a aniquilação de uns pela aplicação de outros, e impõe o estabelecimento de limites e condicionamentos recíprocos de forma a conseguir uma harmonização ou concordância prática entre esses dispositivos. Princípio da força normativa da Constituição. Este princípio impõe que, na interpretação constitucional, seja dada prevalência aos pontos de vista que, tendo em conta os pressupostos da Constituição (normativa), contribuem para uma eficácia ótima da Lei Fundamental. Segundo esse postulado, o intérprete deve valorizar as soluções que possibilitem a atualização normativa, a eficácia e a permanência da Constituição. Enfim, o intérprete não deve negar eficácia ao texto constitucional, mas sim lhe conferir a máxima aplicabilidade.

6 Interpretação conforme a Constituição. O princípio da interpretação conforme a Constituição impõe que, no caso de normas polissêmicas ou plurissignificativas (que admitem mais de uma interpretação), dê-se preferência à interpretação que lhes compatibilize o sentido com o conteúdo da Constituição. Como decorrência desse princípio, temos que: a) dentre as várias possibilidades de interpretação, deve-se escolher a que não seja contrária ao texto da Constituição; b) a regra é a conservação da validade da lei, e não a declaração de sua inconstitucionalidade; uma lei não deve ser declarada inconstitucional quando for possível conferir a ela uma interpretação em conformidade com a Constituição. Teoria dos poderes implícitos. Essa doutrina, desenvolvida pelo constitucionalismo norte-americano, adota a premissa de que a atribuição, pela Constituição, de uma determina competência a um órgão, ou o estabelecimento de um fim a ser por ele atingido, implicitamente confere os poderes necessários à execução dessa competência ou a consecução desse fim (se a Constituição pretende o fim, entende-se que tenha assegurado os meios para a satisfação desse fim). Segundo esse postulado, a atribuição de competências constitucionais implica a correspondente atribuição de capacidade para o seu exercício. Dessa forma, na interpretação da abrangência ou do conteúdo de um poder constitucionalmente atribuído, todos os meios ordinários e apropriados a executá-lo devem ser vistos como parte desse próprio poder. Vale dizer, sempre que a Constituição outorga um poder, uma competência, ou indica um fim a ser atingido, incluídos estão, implicitamente, todos os meios necessários à sua efetivação, desde que guardada uma relação de adequação entre os meios e o fim (princípio da proporcionalidade). Em resumo, para os que propugnam essa doutrina, a outorga constitucional de uma competência, ou a indicação de um objetivo a ser atingido, deve ser interpretada presumindo-se que às autoridades públicas foram, simultânea e implicitamente, conferidos os poderes necessários e suficientes para o desempenho daquela competência ou para a concretização material daquele objeto.

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula 001-005 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Fontes Hierarquia (ordem de graduação) Autonomia (entre os diversos ramos) Aplicação (conflitos entre

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora:Ms. Marilu Pohlenz marilupohlenz@hotmail.com Período/Fase: 2º Semestre: 1º Ano: 2014

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS QUANTO A SUA EFICÁCIA. Traz a classificação das normas do direito norte-americano.

1. CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS QUANTO A SUA EFICÁCIA. Traz a classificação das normas do direito norte-americano. 1 DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: Classificação das Normas Constitucionais quanto a sua eficácia PONTO 2: Interpretação da Constituição PONTO 3: Tipologia das Normas Constitucionais

Leia mais

HANS KELSEN ( )

HANS KELSEN ( ) HANS KELSEN (1881-1973) TEORIA PURA DO DIREITO Contextualização: O Movimento para o Direito Livre estava em plena ascensão na Alemanha e parecia que o formalismo jurídico havia sido superado. A diversidade

Leia mais

Notas prévias à 12ª edição 7 Agradecimentos (1ª edição) 9 Abreviaturas 11 Prefácio (1ª edição) 15 Sumário 19 Notas introdutórias 21

Notas prévias à 12ª edição 7 Agradecimentos (1ª edição) 9 Abreviaturas 11 Prefácio (1ª edição) 15 Sumário 19 Notas introdutórias 21 Índice geral Notas prévias à 12ª edição 7 Agradecimentos (1ª edição) 9 Abreviaturas 11 Prefácio (1ª edição) 15 Sumário 19 Notas introdutórias 21 1ª P A R T E O Sistema dos Direitos Fundamentais na Constituição:

Leia mais

Teoria do Estado e da Constituição Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero ENTRADA EM VIGOR DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO

Teoria do Estado e da Constituição Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero ENTRADA EM VIGOR DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO Teoria do Estado e da Constituição Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com ENTRADA EM VIGOR DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino As normas de uma nova Constituição

Leia mais

Noções de Direito Administrativo e Constitucional

Noções de Direito Administrativo e Constitucional Considerações iniciais Considera-se Direito como um sistema normativo do qual são extraídos imperativos de conduta. Embora seja único e indivisível, a subdivisão se torna uma prática importante para o

Leia mais

Prof. Ricardo Torques

Prof. Ricardo Torques Revisão de Filosofia do Direito para o XXI Exame de Ordem Prof. Ricardo Torques www.fb.com/oabestrategia INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FILOSOFIA CONCEITO GERAL DE FILOSOFIA: refletir e questionar o saber instituído,

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. a DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

DIREITO CONSTITUCIONAL. a DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS a 1 SUMÁRIO I. Constituição e Constitucionalismo... 003 II. Poder Constituinte... 008 III. Princípios Fundamentais... 011 IV. Os Direitos e Garantias Fundamentais... 013 V. Da Organização do Estado...

Leia mais

FONTES DO DIREITO. Prof. Thiago Gomes

FONTES DO DIREITO. Prof. Thiago Gomes Prof. Thiago Gomes 1. CONTEXTUALIZAÇÃO QUAL FONTE VOCÊ PRECISA? 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Expressão designa todas as representações que, de fato, influenciam a função criadora e aplicadora do Direito.

Leia mais

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO (Construção de normas jurídicas concretas a partir de fatos, normas jurídicas abstratas, enunciados normativos e valores) Aldemario Araujo Castro Mestre

Leia mais

DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL

DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL 1 Surgimento do Estado de Direito e o Direito Moderno Necessidade de ordenamento jurídico sob tutela do Estado. Criação de órgãos jurisdicionais.

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Repartição de Competência Repartição de Competência na CF/88 Noções Básicas: Em 1988, a Assembleia Nacional Constituinte tinha numa das mãos

Leia mais

I Noções e Problemas Elementares

I Noções e Problemas Elementares Introdução ao Estudo do Direito I 1.º Ano Noite, 2015/ 2016 Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa PROGRAMA 1 I Noções e Problemas Elementares 1. Primeiros olhares; ideias geralmente associadas ao «direito»

Leia mais

2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito

2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito 2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito O termo ciência não é unívoco O debate está voltado à questão da metodologia, mas cada ciência tem a sua... Direito: ciência ou técnica pertencente

Leia mais

I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC)

I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC) SUMÁRIO Agradecimentos... 19 Nota do autor... 21 Prefácio... 23 Capítulo I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC) 1. Introdução ao estudo do Direito... 25 2. Características, conteúdo e funções da

Leia mais

IUS RESUMOS. Interpretação e Integração da Lei Penal. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Interpretação e Integração da Lei Penal. Organizado por: Samille Lima Alves Interpretação e Integração da Lei Penal Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEI PENAL... 3 1. Entendo o que é a interpretação... 3 1.1 Espécies de interpretação...

Leia mais

Introdução...1. Parte I A Religião e o Mundo do Trabalho

Introdução...1. Parte I A Religião e o Mundo do Trabalho SUMÁRIO Introdução...1 Parte I A Religião e o Mundo do Trabalho Capítulo 1 Religião, Direitos Humanos e Espaço Público: Algumas Nótulas Preliminares...7 1. Religião e Direitos Humanos...7 2. O Regresso

Leia mais

Sumário. Capítulo I A Lei de Introdução

Sumário. Capítulo I A Lei de Introdução Sumário Nota do autor à segunda edição... 21 Nota do autor à primeira edição... 23 Prefácio à segunda edição... 25 Prefácio à primeira edição... 31 Capítulo I A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro

Leia mais

I Aspectos Gerais da Metodologia Jurídica

I Aspectos Gerais da Metodologia Jurídica Introdução ao Estudo do Direito II 1.º Ano Noite, 2016 Programa da disciplina I Aspectos Gerais da Metodologia Jurídica 1. Decisão do caso à luz da lei 1.1 A distinção entre «interpretação» e «aplicação»

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A aplicabilidade da norma jurídica frente o problema da revogação e o controle da constitucionalidade Rafael Damaceno de Assis SUMÁRIO: 1. Teoria da Norma Jurídica 2. Poder Constituinte

Leia mais

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política S u m á r i o Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política CAPÍTULO I Filosofia do Direito I: O Conceito de Justiça, O Conceito de Direito, Equidade, Direito e Moral...3 I. O conceito

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

Interpretação da Constituição

Interpretação da Constituição 5/8/17 Semana 5 Interpretação da Constituição A interpretação no direito A interpretação das normas constitucionais Introdução ao problema da "judicialização" Onde paramos na semana passada... 1 A Teoria

Leia mais

1) INTERPRETAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS: Quando se promulga a Constituição, a soberania popular se converte em supremacia da Constituição.

1) INTERPRETAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS: Quando se promulga a Constituição, a soberania popular se converte em supremacia da Constituição. 1 DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: Interpretação das normas constitucionais. PONTO 2: Tipologia das normas constitucionais. PONTO 3: Teoria geral dos direitos e garantias fundamentais. 1) INTERPRETAÇÃO

Leia mais

A PROIBIÇÃO TOTAL DA PUBLICIDADE DE PRODUTOS DE TABACO É CONSTITUCIONAL

A PROIBIÇÃO TOTAL DA PUBLICIDADE DE PRODUTOS DE TABACO É CONSTITUCIONAL A PROIBIÇÃO TOTAL DA PUBLICIDADE DE PRODUTOS DE TABACO É CONSTITUCIONAL Apesar de restrita aos pontos de venda, a publicidade de produtos derivados do tabaco continua forte nesses meios e tem o público

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO CONSTITUCIONAL I

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO CONSTITUCIONAL I COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO CONSTITUCIONAL I Código: DIR - 163 Pré-Requisito: CPTGE Período Letivo: 2013.1

Leia mais

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia;

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia; FUNDAMENTOS DO DIREITO [11111] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A unidade curricular de Fundamentos do Direito visa fornecer aos alunos uma introdução ao conceito, problemas e método do Direito, construindo

Leia mais

HERMENÊUTICA. Elementos de interpretação tradicionais. Princípios de interpretação constitucional

HERMENÊUTICA. Elementos de interpretação tradicionais. Princípios de interpretação constitucional HERMENÊUTICA Barroso sugere três planos ou prismas: PLANO JURÍDICO OU DOGMÁTICO Regras de hermenêutica Elementos de interpretação tradicionais Princípios de interpretação constitucional PLANO TEÓRICO OU

Leia mais

0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2.

0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2. 0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60

Leia mais

HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional.

HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional. 23 HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional. Renata Coelho Padilha Gera Juíza Federal Substituta no Espírito Santo; Mestre em Direito Constitucional; Especialista

Leia mais

Programa da disciplina de Direitos Fundamentais Ano letivo de 2014/15

Programa da disciplina de Direitos Fundamentais Ano letivo de 2014/15 Programa da disciplina de Direitos Fundamentais Ano letivo de 2014/15 Regente: Jorge Reis Novais Colaboradores: Prof. Doutor Domingos Soares Farinho Mestre Tiago Fidalgo de Freitas Mestre Tiago Antunes

Leia mais

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia No Brasil, vigora o princípio da Supremacia da Constituição, segundo

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23 CAPÍTULO 1 EM BUSCA DA DEFINIÇÃO DO PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA..29 1.1. O direito e a segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL 1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Em relação às emendas à constituição é verdadeiro: I. No sistema brasileiro cabe a sua propositura ao presidente da república, aos

Leia mais

Sumário. A. Delimitação do tema I B. Objetivo da investigação 3 C. Objeto e método do presente trabalho 11. D. Especificidades e plano da pesquisa 12

Sumário. A. Delimitação do tema I B. Objetivo da investigação 3 C. Objeto e método do presente trabalho 11. D. Especificidades e plano da pesquisa 12 Sumário Trabalhos do Autor Nota à 3 g edição Nota à 2 g edição Nota à edição brasileira Abreviaturas Apresentação... Prefácio VII XIII XV XVII XIX XXXV XXXVII I. Introdução... I A. Delimitação do tema

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB 6ª PARTE RIA. Prof. JOSÉ HABLE

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB 6ª PARTE RIA. Prof. JOSÉ HABLE PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB 6ª PARTE LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com A Legislação tributária ria A palavra lei, como tantas outras usadas na linguagem

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO. MARATONA DO PONTO FCC Prof. Luiz Lima

DIREITO ADMINISTRATIVO. MARATONA DO PONTO FCC Prof. Luiz Lima DIREITO ADMINISTRATIVO MARATONA DO PONTO FCC Prof. Luiz Lima MARATONA DO PONTO CESPE Foco na Banca FCC Estudo das Leis e seus principais artigos / atualização jurisprudencial Aulas ao vivo (1h40 min de

Leia mais

Questão 1. Em relação ao controle repressivo de constitucionalidade das leis é correto afirmar:

Questão 1. Em relação ao controle repressivo de constitucionalidade das leis é correto afirmar: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CONSTITUCIONAL P á g i n a 1 Questão 1. Em relação ao controle repressivo de constitucionalidade das leis é correto afirmar: I. No sistema brasileiro é abstrato

Leia mais

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 PROGRAMA DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 INTRODUÇÃO 1. O objecto e o método do Direito constitucional

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão de texto contemporâneo... 3 Reconhecimento de modos de organização de diferentes gêneros de texto...9 Reconhecimento do uso significativo dos diferentes recursos gramaticais

Leia mais

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO 1 AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Movimento teórico de revalorização do direito constitucional, de uma nova abordagem do papel da constituição no sistema jurídico 2 Surgiu a partir da segunda metade do

Leia mais

Profa. Me. Larissa Castro

Profa. Me. Larissa Castro Profa Me Larissa Castro EFEITOS DE NOVA CONSTITUIÇÃO E DE REFORMAS CONSTITUCIONAIS Revogação: A obra do Constituinte originário opera a completa revogação da Constituição anterior, pois não pode haver

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITOS FUNDAMENTAIS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITOS FUNDAMENTAIS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITOS FUNDAMENTAIS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITOS FUNDAMENTAIS (02314)

Leia mais

HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL

HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL Objetivo final do estudo da Herm. Jurídica Ponto de encontro entre o social e o jurídico Dinamismo da sociedade desafia o intérprete Novo padrão interpretativo: norma + contexto

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

METODOLOGIA JURÍDICA

METODOLOGIA JURÍDICA BOLETIM DA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE COIMBRA A. CASTANHEIRA NEVES METODOLOGIA JURÍDICA Problemas fundamentais Reimpressão 2013 Coimbra Editora STVDIA IVRIDICA 1 Comissão Redatora ALMEIDA COSTA

Leia mais

Programa da disciplina de Direitos Fundamentais. Ano lectivo de 2011/2012

Programa da disciplina de Direitos Fundamentais. Ano lectivo de 2011/2012 Programa da disciplina de Direitos Fundamentais Ano lectivo de 2011/2012 Regente: Jorge Reis Novais 1- Apresentação da disciplina: programa, bibliografia, aulas e método de avaliação. O objectivo da disciplina:

Leia mais

UNIDADE = LEI CONCEITO

UNIDADE = LEI CONCEITO UNIDADE = LEI CONCEITO Preceito jurídico (norma) escrito, emanado (que nasce) de um poder estatal competente (legislativo federal, estadual ou municipal ou poder constituinte) com características (ou caracteres)

Leia mais

A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII. 1. O ordenamento jurídico como sistema:

A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII. 1. O ordenamento jurídico como sistema: A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII 1. O ordenamento jurídico como sistema: - No capítulo anterior ao falar da unidade do ordenamento jurídico, o autor demonstrou que esta pressupõe uma norma fundamental,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA COOPERATIVA

FUNDAMENTOS DE UMA SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA COOPERATIVA FUNDAMENTOS DE UMA SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA COOPERATIVA Marco Túlio de Rose I. EXPOSIÇÃO INICIAL II. PERSONALIDADE E PATRIMONIALIDADE III. PROBLEMÁTICA PATRIMONIALIDADE IV. SISTEMÁTICA TRIBUTÁRIA DECORRENTE

Leia mais

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Instituições de Direito Público e Privado Profª. Joseane Cauduro Estrutura da Disciplina Unidade I Conceitos Gerais de Direito O Direito e suas divisões, orientações e a Lei jurídica Unidade

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Libras I 160h Não há Sujeito Surdo, Diferença,

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

Comentários às questões de Direito Constitucional Prova: Técnico do Seguro Social Professor: Jonathas de Oliveira

Comentários às questões de Direito Constitucional Prova: Técnico do Seguro Social Professor: Jonathas de Oliveira Comentários às questões de Direito Constitucional Prova: Professor: Jonathas de Oliveira 1 de 5 Comentário às questões de Direito Constitucional Técnico do INSS Caderno Beta 1 No cômputo do limite remuneratório

Leia mais

2º Ciclo Disciplina de História e Geografia de Portugal 3º Ciclo (7º ano) Disciplina de História

2º Ciclo Disciplina de História e Geografia de Portugal 3º Ciclo (7º ano) Disciplina de História CRITÉRIOS DE CORREÇÃO / CLASSIFICAÇÃO DOS TESTES ESCRITOS DE AVALIAÇÃO ENSINO BÁSICO Ano letivo 2016/2017 2º Ciclo Disciplina de História e Geografia de Portugal 3º Ciclo (7º ano) Disciplina de História

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Sumário: Obrigatoriedade de comunicação ao Ministério Público de todas as queixas, participações ou denúncias que sejam apresentadas nas forças policiais, ainda que prima facie possam não incorporar factos

Leia mais

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O

ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O ORIENTAÇO ES PARA DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE INTERVENÇA O O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO? Na perspectiva do desenvolvimento das habilidades e competência do eixo do Programa de Aprendizagem em Atenção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO POLÍTICO- ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO COMPETÊNCIAS FEDERATIVAS

ORGANIZAÇÃO POLÍTICO- ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO COMPETÊNCIAS FEDERATIVAS ORGANIZAÇÃO POLÍTICO- ADMINISTRATIVA DO ESTADO BRASILEIRO COMPETÊNCIAS FEDERATIVAS COMPETENCIAS FEDERATIVAS Conceito Segundo Uadi Bulos, sao parcelas de poder atribuidas, pela soberania do Estado Federal,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Introdução ao Estudo do Direito Código TDI0011 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 1º II Ementário O direito como fenômeno social e universal.

Leia mais

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO Prof. Me. Edson Guedes 1. Introdução ao Direito 1.1 Origem do Direito: Conflitos humanos; Evitar a luta de todos contra todos; 1. Introdução ao Direito 1.2 Conceito de

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO TCM/RJ TÉCNICO DE CONTROLE EXTERNO

CONTROLE DE CONTEÚDO TCM/RJ TÉCNICO DE CONTROLE EXTERNO CONTROLE DE CONTEÚDO TCM/RJ TÉCNICO DE CONTROLE EXTERNO 1 Compreensão de texto contemporâneo. LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULA LEITURA LEITURA QUESTÕES REVISÃO 2 Reconhecimento de modos de

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO Se negativa a providência supra, diante da responsabilidade dos sócios conforme artigos 592 e 596 do C.P.C c/c o inciso V do artigo 4º da

Leia mais

JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA

JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA JUPRUDÊNCIA DOS CONCEITOS - PUCHTA Ponto de partida: - idéia de sistema (influência de Schelling) - visão do Direito como um organismo vivo; Influência do idealismo alemão (Hegel): identificação entre

Leia mais

DIREITO CIVIL III - CONTRATOS CONTRATOS TEORIA GERAL DOS. Interpretação Contratual (Hermenêutica) 24/09/09 Prof a. Esp.

DIREITO CIVIL III - CONTRATOS CONTRATOS TEORIA GERAL DOS. Interpretação Contratual (Hermenêutica) 24/09/09 Prof a. Esp. DIREITO CIVIL III - CONTRATOS TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Interpretação Contratual (Hermenêutica) 24/09/09 Prof a. Esp. Helisia Góes CONCEITOS RELEVANTES INTERPRETAR é estender ou explicar o sentido, as

Leia mais

EDITAL THCURSOS Nº 001, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015.

EDITAL THCURSOS Nº 001, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015. EDITAL THCURSOS Nº 001, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015. REGULAMENTA O PRIMEIRO SIMULADO PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO EM CARGOS DE TÉCNICO DE CONTROLE EXTERNO NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO MUNICÍPIO

Leia mais

Grelha de Correção Exame de Direito Administrativo I Turma Noite

Grelha de Correção Exame de Direito Administrativo I Turma Noite Grelha de Correção Exame de Direito Administrativo I - 2014-2015 - Turma Noite Responda, justificando, às seguintes questões: I 1. Qualifique, do ponto de vista da sua natureza jurídico-administrativa

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal

Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal Prof. Arlindo Carvalho Rocha e2acr@udesc.br Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO I. Constituição Federal... 002 II. Dos Direitos e Garantias Fundamentais... 009 III. Da Organização Político-Administrativa... 053 IV. Organização dos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 133.536 - SP (2014/0094067-4) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES SUSCITANTE : JUÍZO FEDERAL DA 24A VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SUSCITADO : JUÍZO

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES. Prof. Eduardo Casassanta

DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES. Prof. Eduardo Casassanta DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES Prof. Eduardo Casassanta Ementa Separação das funções Estatais Poder Legislativo Poder Executivo Poder Judiciário Funções Essenciais à Justiça Organização dos Poderes Separação

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AULA 6. Prof. Eduardo Casassanta

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AULA 6. Prof. Eduardo Casassanta CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE AULA 6 Prof. Eduardo Casassanta ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Previsão constitucional e infraconstitucional A ADPF está prevista no art. 102, 1º da

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA SUMÁRIO

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA SUMÁRIO GUIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA SUMÁRIO 1. INTODUÇÃO...01 1. 1. Importância do Projeto...01 1.2. Modelo de Projeto de Pesquisa...03. 2. O TEMA...04 2.1. Delimitação do Tema...04 3 JUSTIFICATIVA...

Leia mais

Aula 3. LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO LINDB Dec. Lei n /42 Lei n /2010

Aula 3. LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO LINDB Dec. Lei n /42 Lei n /2010 Aula 3 LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO LINDB Dec. Lei n. 4.657/42 Lei n. 12.376/2010 Lei de introdução ao Direito Civil X Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Principais

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO Atualizado em 13/01/2016 PRINCÍPIOS DO DIREITO DO TRABALHO PRINCÍPIO PROTETOR Nas relações empregatícios sempre existe o conflito entre o detentor

Leia mais

Sumário. Introdução... 31

Sumário. Introdução... 31 Sumário Introdução..................................................................... 31 Parte I. Teoria e significado da igualdade jurídica............................ 33 Capítulo I. Teorias fundamentais

Leia mais

Com a aprovação da Emenda Constitucional n. 22/2015 e da Lei Estadual n /2015 extingue-se a licença prêmio?

Com a aprovação da Emenda Constitucional n. 22/2015 e da Lei Estadual n /2015 extingue-se a licença prêmio? 13.471/2015 extingue-se a licença prêmio? O direito a licença prêmio em conformidade com o quanto previsto no art. 3º da Lei Estadual n. 13.471.2015, apenas será garantido aos servidores ocupantes de cargo

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: Direito Período: 3 o DEPARTAMENTO: Ano: 2016 DISCIPLINA: Direito Constitucional (Teoria Geral da Constituição) CARGA HORÁRIA:

Leia mais

UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES

UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES Secção A Judicatura e o Ministério Público na Reforma da Justiça UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES Depois da ideia geral da virtude, não conheço outra ideia mais bela do que a dos direitos, ou melhor,

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2015/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

PROVA ESCRITA DE NOÇÕES DE DIREITO E DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

PROVA ESCRITA DE NOÇÕES DE DIREITO E DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROVA ESCRITA DE NOÇÕES DE DIREITO E DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Nesta prova, faça o que se pede, utilizando, caso deseje, os espaços indicados para rascunho no presente caderno. Em seguida, escreva

Leia mais

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO -

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Trabalho finalizado em julho/2015.

Leia mais

Direito Administrativo. Lista de Exercícios. Poderes Administrativos

Direito Administrativo. Lista de Exercícios. Poderes Administrativos Direito Administrativo Lista de Exercícios Poderes Administrativos 1. Considere que a prefeitura de determinado município tenha concedido licença para reforma de estabelecimento comercial. Nessa situação

Leia mais

O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido

O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido 13/10/2016 O Artigo 98 do CTN Comentários sobre o dispositivo que nunca deveria ter existido Sergio André Rocha sergio.andre@sarocha.com.br www.sarocha.com.br O Artigo 98 do CTN foi Consequência de um

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES

AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES AULA 1: ORGANIZAÇÃO DOS PODERES EMENTÁRIO DE TEMAS: São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (Art. 2º, da CRFB/88) Organização dos Poderes: separação

Leia mais

Direitos Humanos e Direito Penal. Apresentação e a Estrutura do Estado Constitucional Prof. Murillo Sapia Gutier

Direitos Humanos e Direito Penal. Apresentação e a Estrutura do Estado Constitucional Prof. Murillo Sapia Gutier Direitos Humanos e Direito Penal Apresentação e a Estrutura do Estado Constitucional Prof. Murillo Sapia Gutier Ementa da Disciplina As gerações dos direitos humanos. A indivisibilidade dos direitos humanos.

Leia mais

A REGULAÇÃO COMO DIREITO FUNDAMENTAL E O PRINCÍPIO DA

A REGULAÇÃO COMO DIREITO FUNDAMENTAL E O PRINCÍPIO DA 1 / N A REGULAÇÃO COMO DIREITO FUNDAMENTAL E O PRINCÍPIO DA VEDAÇÃO DO RETROCESSO Liliane Sonsol Gondim Bacharela em Direito, Especialista em Direito Constitucional e em Direito Ambiental, Universidade

Leia mais

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 21 INTRODUÇÃO... 23 Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 1. Processo e procedimento... 25 1.1. Procedimentos legislativos... 26 2. Princípios

Leia mais

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz Asociedade depende fundamentalmente da linguagem. O que é a linguagem, porém?

Leia mais

26/08/2012 PROCESSO PENAL I. PROCESSO PENAL I Relação com os outros ramos do direito

26/08/2012 PROCESSO PENAL I. PROCESSO PENAL I Relação com os outros ramos do direito I 5ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 I Relação com os outros ramos do direito 2 1 Relação do direito Processual Penal com outros ramos do Direito e ciências auxiliares Direito Constitucional.

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO DNIT ANALISTA DE INFRAESTRUTURA ENGENHARIA CIVIL

CONTROLE DE CONTEÚDO DNIT ANALISTA DE INFRAESTRUTURA ENGENHARIA CIVIL 1 Ordenação de frases (compreensão textual). 2 Sintaxe: termos da oração. Pontuação. 3 Sintaxe: período composto por coordenação. Pontuação. 4 Sintaxe: período composto por subordinação. Pontuação. 5 Sintaxe:

Leia mais

Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1

Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1 S u m á r i o Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1 1.1. Introdução e Conceito de Direito Administrativo... 1 1.2. Taxinomia do Direito Administrativo... 2 1.3. Fontes do Direito

Leia mais

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL João Albuquerque PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL (Ano Lectivo de 2010/2011) Faculdade de Direito da Universidade de Macau 2 CAPÍTULO I O POLÍTICO I A noção de Política em sentido

Leia mais

Organização Administrativa BOM DIA!!!

Organização Administrativa BOM DIA!!! BOM DIA!!! 1. Introdução 2. Administração Pública 3. Órgão Público 4. Classificação dos Órgãos 5. Descentralização e Desconcentração 6. Função Pública 7. Cargo Público 8. Agente Público 1. Introdução Regime

Leia mais

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: Nosso ordenamento jurídico estabelece a supremacia da Constituição Federal e, para que esta supremacia

Leia mais