O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura"

Transcrição

1 O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas na modernidade, afirmando-se como posição filosófica, derrubando as compreensões estabelecidas até então. É comum o ser humano questionar-se em relação às suas ações, dependentes ou livres de algum pensamento ou conhecimento crítico já fundado, ou então em relação às suas ações perante uma constituição de leis que o obriga, em certo sentido, a ser livre dentro dessa ou daquela determinação. Como entender então a liberdade da autonomia da vontade? E ainda, como exercer uma liberdade moral? Kant, entre seus escritos, publica em 1785 a Fundamentação da Metafísica dos Costumes, desdobrada em três seções, sendo elas: Transição do conhecimento moral da razão vulgar para o conhecimento filosófico; Transição da Filosofia moral popular para a Metafísica dos Costumes e Último passo da Metafísica dos Costumes para a Crítica da razão pura prática. Tratemos, pois, da natureza da ética. Todo ou qualquer conhecimento racional é constituído materialmente, considerando qualquer objeto; ou formalmente, tendo ocupação somente da razão e da forma do entendimento em si próprias, e das regras universais do pensamento, sem que se diferenciem dos objetos. Temos então o que nominamos de Física, ou Teoria da Natureza; e de Ética, ou Teoria dos Costumes, ambas tendo, portanto, uma parte empírica e outra racional, numa dupla metafísica (KANT, 1980, p. 103). O ser humano é então o único objeto disponível no mundo que ao mesmo tempo é suscetível às leis da natureza e às leis da liberdade. * Acadêmico do terceiro Semestre do Curso de Bacharelado em Filosofia do IFIBE. Artigo apresentado à disciplina de Ética ministrada pelo professor Paulo César Carbonari. 171

2 A partir das suas críticas da razão, Kant apresenta a liberdade como base para o caminhar do ser humano. Assim, uma metafísica dos costumes faz-se existente, uma vez que esses mesmos costumes costumem opor-se à natureza por se tornarem inválidos ao mínimo resquício de própria natureza presente neles. Se, de alguma forma, a ação humana apoiar-se no mínimo que for natural, será então no máximo chamada de regra prática, ou seja, nunca será chamada de lei universal. Ficando os costumes sujeitos à perversão, a metafísica dos costumes, com seu dever de investigar a ideia e os princípios de uma possível vontade pura, supre aquela falta do fio condutor quando necessário, bem como a forma suprema do seu exato julgamento. É de total importância que se afirme, nesse ponto, uma razão prática, ou seja, uma razão suficiente em si, sem o mínimo de auxílio de impulsos sensíveis, para um deslocamento da vontade. A moral, sendo boa por buscar sua pureza e autenticidade numa filosofia pura, sem prejudicar a pureza dos costumes e a sua própria finalidade, não depende do Bem, depende apenas da vontade. A vontade é então o único bem sem limitação, sendo encontrada apenas no ser humano. Não é desejo nem mesmo é um espasmo. Não se trata de um voluntarismo. É uma produção da razão boa em si mesma. É o bem supremo. Entende-se com facilidade que somente em circunstâncias de leis morais com valor universal é possível que existam princípios morais válidos, sem exceção para todos os humanos. Mas porque o mundo inteligível contém o fundamento do mundo sensível, e portanto também das suas leis, sendo assim, com respeito a minha vontade (que pertence totalmente ao mundo inteligível), imediatamente legislador e devendo também ser pensado como tal, resulta daqui que, posto por outro lado me conheça como ser pertencente ao mundo sensível, terei, como inteligência, de reconhecer-me submetido à lei do mundo inteligível, isto é, à razão, que na ideia de liberdade contém a lei desse mundo, e portanto à autonomia da vontade; por conseguinte terei de considerar as leis do mundo inteligível como imperativos para mim e as ações conformes a este princípio como deveres (KANT, 1980, p. 155). O núcleo da moral é a boa vontade, e isso se dá no conceito de De ver. Diz Kant: Vamos encarar o conceito do Dever que contém em si o da boa vontade, posto que sob certas limitações e obstáculos subjetivos [...] a fazem antes ressaltar por contraste e brilhar com luz mais clara 172

3 (1980, p. 112). Não levando em conta aquilo que é contrário ao dever, nem aquelas ações que são resultados de alguma força natural, é fácil distinguir se a ação realizada conforme o dever foi praticada por dever ou com intenções egoístas. É importante distinguir o por dever do conforme o dever. Uma coisa é ser bom por dever. Outra é sê-lo conforme o dever. Para o homem agir, segundo Kant, existem regras gerais, princípios básicos práticos, determinações gerais da vontade, que se valerão da objetividade: princípio imperativo 1 e da subjetividade: máxima. 2 Na ação, o bem não está na mediedade. Ele está no princípio que o determina, sendo que este pode ser hipotético 3 ou categórico. 4 O querer, como vontade, não tem nada a ver com desejo em seu sentido de inclinação. Está em questão o respeito que em nenhuma hipótese pode ser entendido como submissão. O dever é uma necessidade de ação por respeito à lei, e somente aos imperativos categóricos pode-se chamar de leis práticas, ou então de leis morais. Não se trata de leis físicas. São universais e necessárias por valerem para todo e qualquer ser racional, sem exceção. Somente se é bom pelo bem, e por nenhum outro domínio que não esse, e esse bem só pode ser captado pelo sentimento moral. A ideia de liberdade faz, ao mesmo tempo, com que o indivíduo seja parte do inteligível e do mundo sensível, assegurando que os imperativos categóricos são possíveis porque todas as ações devem ser realizadas em total conformidade com essa autonomia. E, mesmo assim, esse dever categórico continua representando uma proposição a priori, porque acima da vontade que tende a inclinações, a apetites sensíveis, sobrepõe-se essa mesma vontade, pura em si mesma, pertencente ao mundo inteligível. Nada, senão a representação da lei em si mesma e enquanto lei que determina a vontade pode construir o bem excelente ao qual Kant chama de Moral. Ela, a lei moral, independe de conteúdo. É o imperativo categórico, incondicionado, válido por si mesmo. Se por algum motivo a lei moral for subordinada ao conteúdo, há um desviar de caminho para o 1 Entenda-se aqui por imperativo os princípios práticos objetivos, ou seja, válidos para todos. São mandamentos ou deveres, isto é, regras que expressam a necessidade objetiva da ação. 2 Princípios práticos que têm valor somente para os sujeitos que as propõem, mas não para todos os homens, sendo assim, subjetivos. 3 Que apresenta necessidade de ação possível como meio de alcançar qualquer coisa que seja querida (Meio-fim). 4 Que representa uma ação objetivamente necessária por si mesma, sem relação com qualquer outra finalidade. É fim em si mesmo. 173

4 empirismo e utilitarismo. Assim, a essência do imperativo categórico, da lei moral, consiste sua racionalidade, e nada mais. Ela não ordena aquilo que se deve querer, mas o como se deve querer aquilo que é querido. A moralidade constitui-se então no como fazer aquilo que se deve fazer, o dever fazer. Kant apresenta como imperativos categóricos: Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que ela se torne lei universal. [...] Age como se a máxima da tua ação se devesse tornar, pela tua vontade, em lei universal da natureza. [...] Age de tal maneira que uses a humanidade, tanto na tua pessoa como na pessoa de qualquer outro, sempre e simultaneamente como fim e nunca simplesmente como meio (KANT, 1980, p ). A ação do homem deve ser tal, que a sua máxima (subjetiva) seja lei universal (objetiva). O homem não é uma coisa entre outras coisas. Ele renuncia a qualquer conceito de fim. A razão natural existe como fim em si mesma e, dessa forma, ao estarmos submetidos a uma lei, deve-se perceber a autonomia da vontade da lei moral, por essa lei ser fruto de nossa racionalidade e depender de nós. A vontade é determinada a priori, movida objetivamente na proposição do imperativo categórico. É prática a razão pura em si mesma pelo fato de determinar a vontade sem levar em questão outros fatores. Da mesma forma, a lei moral existe sem que precise ser justificada ou provada. Ela é imposta como fato da razão, fato que só pode ser explicado pela liberdade. Como define Kant ao iniciar a terceira seção da Fundamentação da Metafísica dos Costumes: A vontade é uma espécie de causalidade dos seres vivos, enquanto racionais, e liberdade seria a propriedade dessa causalidade, pela qual ela pode ser eficiente, independentemente de causas estranhas que a determinem; assim como necessidade natural é a propriedade da causalidade de todos os seres irracionais de serem determinados à atividade pela influência de causas estranhas (1980, p. 149). A liberdade é a propriedade da vontade de todos os seres racionais. Assim como uma causa é apresentada, necessariamente trazemos para junto dela um efeito, no entendimento de lei, mas não sem antes essa 174

5 ser causalidade imutável, pois se nos fosse apresentado de outro modo, uma vontade livre seria um absurdo (KANT, 1980, p. 149). Apenas podemos ter consciência da liberdade porque anterior a qualquer ato realizado temos a consciência do dever, da lei moral, e esse imperativo que nos conduz à lei é que por conseqüência nos conduzirá também à liberdade. O conceito da liberdade é a chave da explicação da autonomia da vontade (KANT, 1989, p. 149). A liberdade, que apresenta como aspecto próprio e positivo a autonomia, é independência da vontade em relação à lei natural dos fenômenos; é a característica singular da vontade, determinada sem conteúdo pela pura forma da lei. O contrário de tudo isso seria fazer a vontade depender e ser determinada por algo diferente, que não por ela mesma. Importa reconhecer e orientar-se por uma conexão não simplesmente acidental, mas universal e necessária. Precisa-se, na vida prática, ter em primeiro plano a lei moral, o dever, como puramente fato da razão, para que depois dela se possa inferir a liberdade como seu fundamento e como sua condição. A liberdade tem de pressupor-se como propriedade da vontade de todos os seres racionais (KANT, 1980, p. 150). O ser humano age sobre a liberdade, está ligado à liberdade sendo a sua vontade livre em si mesma. Ele somente poderá agir livremente se naturalmente for atribuída a ideia de liberdade em sua vontade. Não se pode pensar em liberdade sem buscar o mundo inteligível e sem reconhecer a autonomia da vontade. Assim, pensemos na moralidade como obrigados pelo dever e, da mesma forma, pensemo-nos pertencentes ao mundo sensível sem deixar de pertencer ao mundo inteligível. Não basta que minhas ações sejam conformes à autonomia da vontade por eu participar do inteligível. É preciso que minhas ações devam ser puras e práticas em si mesmas. A razão, em sua autonomia, além de possível, é necessária para que essa vontade, distinta dos desejos e das inclinações, seja condição de suas próprias ações voluntárias. A razão é então pura e prática por poder agir não só na ideia, mas também no real, sem depender de fatores empíricos. Realizado o exercício da autonomia sem nenhum tipo de intuição, o princípio da moral é visto pelo homem como fato, não podendo explicar-se por nada sensível. 175

6 Referências bibliográficas KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Trad. T. M. Barnkopf. São Paulo: Abril Cultural, Os Pensadores. REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia: do Humanismo a Kant. 3. ed. São Paulo: Paulus, Coleção Filosofia. 176

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade O PRINCÍPIO MORAL NA ÉTICA KANTIANA: UMA INTRODUÇÃO Jaqueline Peglow Flavia Carvalho Chagas Universidade Federal de Pelotas 1 Introdução O presente trabalho tem como propósito analisar a proposta de Immanuel

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Autonomia da vontade é aquela sua propriedade graças à qual ela é para si mesma a sua lei (independentemente da natureza dos objetos do querer). O princípio

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado

Leia mais

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 1 LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 Diego Carlos Zanella 2 Liliana Souza de Oliveira 3 Resumo: O texto tem a pretensão de discorrer sobre um dos principais problemas da ética kantiana, a saber, como é possível

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

O PONTO DE VISTA DA LIBERDADE: A CRÍTICA KANTIANA E HERMENÊUTICA À AUFKLÄRUNG. Introdução

O PONTO DE VISTA DA LIBERDADE: A CRÍTICA KANTIANA E HERMENÊUTICA À AUFKLÄRUNG. Introdução O PONTO DE VISTA DA LIBERDADE: A CRÍTICA KANTIANA E HERMENÊUTICA À AUFKLÄRUNG Viviane Magalhães Pereira 1 Introdução O problema ético vem sendo tematizado, desde os gregos, a partir do pressuposto de que

Leia mais

A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania. Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela

A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania. Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania Simone Carneiro Carvalho I- Introdução Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela Constituição da República de 1988, batizada

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

Kant: Ética e Estética

Kant: Ética e Estética Kant: Ética e Estética 1. (UEM 2012) O filósofo Immanuel Kant (1724-1804) estabelece uma íntima relação entre a liberdade humana e sua capacidade de pensar autonomamente, ao afirmar: Esclarecimento é a

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant

Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant 72 Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant João Emiliano Fortaleza de Aquino I Filosofia crítica e metafísica Ao Fábio, com amor. A metafísica, tal como Kant a entende, 1 não teria

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

PESQUISA EM FOCO: Educação e Filosofia V. 8, ANO 8, ABRIL 2015 ISSN: O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT

PESQUISA EM FOCO: Educação e Filosofia V. 8, ANO 8, ABRIL 2015 ISSN: O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT 1 Leandro Rodrigues de Oliveira Resumo : Este artigo tem por objetivo apresentar o conceito de liberdade em Kant como uma proposta diferente

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Dignidade Humana e Justiça Social

Dignidade Humana e Justiça Social Dignidade Humana e Justiça Social Francisco José Vilas Bôas Neto Francisco José Vilas Bôas Neto Dignidade Humana e Justiça Social Belo Horizonte 2013 Lista de Siglas 1) CKTM Construtivismo Kantiano na

Leia mais

A MORAL DEONTOLÓGICA KANTIANA SOB O VÉU DO IMPERATIVO CATEGÓRICO. Luzia Cunha Cruz Universidade Iguaçu

A MORAL DEONTOLÓGICA KANTIANA SOB O VÉU DO IMPERATIVO CATEGÓRICO. Luzia Cunha Cruz Universidade Iguaçu A MORAL DEONTOLÓGICA KANTIANA SOB O VÉU DO IMPERATIVO CATEGÓRICO Luzia Cunha Cruz Universidade Iguaçu RESUMO: Neste artigo pretende-se mostrar, de forma concisa, a questão do dever kantiano. A vontade

Leia mais

Notas sobre a filosofia prática de Kant

Notas sobre a filosofia prática de Kant Notas sobre a filosofia prática de Kant Thomas Matiolli Machado 1 Resumo: O espírito questionador de Kant, cuja extraordinária força voluntária, em decênios de laborioso estudo, levou-o a um posicionamento

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

O CONHECIMENTO PRÁTICO, EM KANT

O CONHECIMENTO PRÁTICO, EM KANT O CONHECIMENTO PRÁTICO, EM KANT Aluno: Daniel Leite Cabrera Pereira da Rosa Orientador: Edgard José Jorge Filho Introdução Um conhecimento prático é, em poucas palavras, um conhecimento que diz respeito

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Hélio José dos Santos e Souza SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOUZA, HJS. O problema da motivação moral em Kant [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura

Leia mais

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA 1. A VIDA DE EMANUEL KANT (1724 1804) Nasceu em Königsberg, cidade da Prússia, em 1724. A condição de sua família era modesta. Foi educado no Colégio

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito P á g i n a 29 Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Sumário: 1 Introdução; 2 A ética de Kant; 3 Ética,

Leia mais

Os imperativos kantianos: sobre a finalidade categórica e a hipotética

Os imperativos kantianos: sobre a finalidade categórica e a hipotética Os imperativos kantianos: sobre a finalidade categórica e a hipotética João Paulo Rissi Mestrando em Filosofia pela UFSCar Bolsista CAPES jp.rissi@yahoo.com.br Palavras-chave Immanuel Kant, imperativos,

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

A LIBERDADE DA VONTADE NA FUNDAMENTAÇÃO MORAL DE KANT THE FREE WILL IN THE MORAL REASONS OF KANT

A LIBERDADE DA VONTADE NA FUNDAMENTAÇÃO MORAL DE KANT THE FREE WILL IN THE MORAL REASONS OF KANT 181 A LIBERDADE DA VONTADE NA FUNDAMENTAÇÃO MORAL DE KANT THE FREE WILL IN THE MORAL REASONS OF KANT ADRIELE MEHANNA MORMUL VANESSA FURTADO FONTANA 2 1 RESUMO: Essa pesquisa buscou analisar e refletir

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

ÉTICA - a. lei moral. (Crítica da razão prática: Kritik der praktischen Vernunft, KpV: de A 1-59)

ÉTICA - a. lei moral. (Crítica da razão prática: Kritik der praktischen Vernunft, KpV: de A 1-59) ÉTICA - a. lei moral (Crítica da razão prática: Kritik der praktischen Vernunft, KpV: de A 1-59) A vontade > A vontade é uma faculdade de apetição, do querer que produz objetos, daí, portanto, o seu caráter

Leia mais

1. A ética kantiana: o indivíduo entre os imperativos hipotéticos e categórico

1. A ética kantiana: o indivíduo entre os imperativos hipotéticos e categórico A administração da justiça entre a ética e o direito: contribuição e limites da filosofia kantiana para a compreensão do processo de judicialização dos conflitos sociais Fernanda Vecchi Pegorini * A administração

Leia mais

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza?

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? O princípio básico da soberania popular, segundo Rousseau, é: a) o poder absoluto b) o poder do suserano c) a vontade de todos

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas Prova Escrita de Filosofia Versão A 10.º Ano de Escolaridade Março de 2016 Duração da prova: 90 minutos 3 Páginas Leia atentamente o enunciado Para cada resposta, identifique o grupo e o item. Apresente

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

Roteiro 16. Livre-arbítrio. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 16. Livre-arbítrio. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 16 Livre-arbítrio FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Correlacionar o conceito de livre-arbítrio ao de ética, moral, vontade,

Leia mais

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal.

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Sobre Kant Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Foi um dos últimos europeus a dominar toda a ciência do seu tempo, incluindo a física, a geografia,

Leia mais

BOA VONTADE E DEVER NA IMPUTABILIDADE MORAL EM KANT

BOA VONTADE E DEVER NA IMPUTABILIDADE MORAL EM KANT BOA VONTADE E DEVER NA IMPUTABILIDADE MORAL EM KANT Everton Souza Ponce Prof. Dr. Aguinaldo Pavão (Orientador) Meu objetivo na seguinte argumentação é expor e analisar a importância da boa vontade e do

Leia mais

Justiça Equitativa e Autonomia Política em John Rawls

Justiça Equitativa e Autonomia Política em John Rawls Justiça Equitativa e Autonomia Política em John Rawls XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Bolsista Apresentador: Iuri Hummes Specht 1, Thadeu Weber 2 (orientador) 1 Faculdade de Filosofia, PUCRS, 2

Leia mais

COMO É POSSÍVEL A IMPUTABILIDADE DAS AÇÕES IMORAIS NA FILOSOFIA PRÁTICA DE KANT?

COMO É POSSÍVEL A IMPUTABILIDADE DAS AÇÕES IMORAIS NA FILOSOFIA PRÁTICA DE KANT? Thaumazein, Ano III, número 06, Santa Maria (Outubro de 2010), pp. 02-12. COMO É POSSÍVEL A IMPUTABILIDADE DAS AÇÕES IMORAIS NA FILOSOFIA PRÁTICA DE KANT? HOW CAN POSSIBLE THE IMPUTABILITY OF IMMORAL ACTIONS

Leia mais

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA 25 ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA Carolina Saito Danilo Galan Favoretto Ricardo Camarotta Abdo RESUMO: O presente trabalho tem como principal

Leia mais

Sobre a motivação do agir: a ética fenomenológica de Husserl complementaria a ética deontológica de Kant?

Sobre a motivação do agir: a ética fenomenológica de Husserl complementaria a ética deontológica de Kant? Sobre a motivação do agir: a ética fenomenológica de Husserl complementaria a ética deontológica de Kant? Édison Martinho da Silva Difante * Segundo Immanuel Kant a vontade humana é constantemente afetada

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

Kant e os Fundamentos do Direito Moderno

Kant e os Fundamentos do Direito Moderno Kant e os Fundamentos do Direito Moderno Professoras Doutoras Regina Coeli Barbosa Pereira e Rosilene de Oliveira Pereira - Universidade Federal de Juiz de Fora Immanuel Kant (1724 1804) foi um grande

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

The Kantian ethics: regulatory instance of human actions.

The Kantian ethics: regulatory instance of human actions. A ÉTICA KANTIANA: INSTÂNCIA REGULADORA DAS AÇÕES HUMANAS 1. The Kantian ethics: regulatory instance of human actions. Sérgio Henrique do Nascimento 2 Resumo: Age exteriormente de tal modo que O exercício

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 Escrita 10.º e 11.º de Escolaridade (Portaria n.º 207/2008, de 25 de Fevereiro - Cursos Tecnológicos de informática; Contabilidade

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

O CONCEITO DE FELICIDADE NA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL EM KANT

O CONCEITO DE FELICIDADE NA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL EM KANT O CONCEITO DE FELICIDADE NA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL EM KANT THE CONCEPT OF HAPPINESS IN THE KANT S GROUNDWORK OF MORALS Diego Carlos Zanella * RESUMO: Na Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Immanuel

Leia mais

Informação-Exame Final Nível de Escola para N.E.E. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Prova de Filosofia 10º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 225 2015 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB RESUMO Filosofia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP ÉTICA PROFISSIONAL Curso de Engenharia UNIP O QUE É ÉTICA? O QUE É ÉTICA? Tradicionalmente é entendida como um estudo ou uma reflexão sobre os costumes ou sobre as ações humanas. Pode ser entendida também

Leia mais

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza Introdução Eduardo Ramos Coimbra de Souza SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOUZA, ERC. Introdução. In: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato: uma teoria sobre as representações

Leia mais

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Filosofia 2016 Prova 161 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:.

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:. ARBLS PITAGORAS Nº 28 Fundação : 21 de Abril de 1965 Rua Júlio Cesar Ribeiro, 490 CEP 86001-970 LONDRINA PR JOSE MARIO TOMAL TRABALHO PARA O PERÍODO DE INSTRUÇÃO RENE DESCARTES LONDRINA 2015 JOSE MARIO

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Ética Protestante

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

Metafísica & Política

Metafísica & Política Aristóteles (384-322 a.c.) Metafísica & Política "0 homem que é tomado da perplexidade e admiração julga-se ignorante." (Metafisica, 982 b 13-18). Metafísica No conjunto de obras denominado Metafísica,

Leia mais

Ricardo Terra. Kant & o direito. Rio de Janeiro

Ricardo Terra. Kant & o direito. Rio de Janeiro Ricardo Terra Kant & o direito Rio de Janeiro Copyright 2004, Ricardo Terra Copyright desta edição 2004: Jorge Zahar Editor Ltda. rua México 31 sobreloja 20031-144 Rio de Janeiro, RJ tel.: (21) 2108-0808

Leia mais

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático.

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático. Aristóteles Nascido em Estagira - Macedônia (384-322 a.c.). Principal representante do período sistemático. Filho de Nicômaco, médico, herdou o interesse pelas ciências naturais Ingressa na Academia de

Leia mais

Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino

Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino Engenharias Metodologia Científica 1º semestre Iolanda Cláudia Sanches Catarino TELE AULA 1 Cientificidade do conhecimento Resumo Unidade de Ensino: 1 Competência da Unidade de Ensino: Resumo: Palavras-chave:

Leia mais

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 Antes de elaborar um resumo do conteúdo das AULAS 4, 5 e 6, é necessário entender o panorama geral dentro do qual as discussões destas aulas fazem sentido. Isto é,

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO lugafap@yahoo.com.br jlgabriel.blogspot.com POSITIVISMO JURÍDICO: O NORMATIVISMO DE HANS KELSEN BITTAR e ALMEIDA, Curso de Filosofia do

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

3 Belo Artístico Do agrado e desagrado sensíveis

3 Belo Artístico Do agrado e desagrado sensíveis 3 Belo Artístico 3.1. Do agrado e desagrado sensíveis Com a Crítica da razão pura vimos que certas representações da mente, chamadas por Kant de idéias da razão, embora não pudessem ser condições de possibilidade

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FILOSOFIA DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60110) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA Liberdade O QUE É ÉTICA O comportamento moral: O bem e o mal A ética hoje LIBERDADE ÉTICA Primeiro... Supomos que o indivíduo é livre Normas - Diz como devemos agir - PODEMOS agir ou não agir conforme

Leia mais

Resenha à Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Immanuel Kant *

Resenha à Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Immanuel Kant * civilistica.com a. 3 n. 1 2014 1 Resenha à Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Immanuel Kant * Gilberto MIRANDA JÚNIOR Introdução Pensamento Kantiano e Contexto da Obra Kant nasceu e morreu na

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2013-2014 1ºSemestre O mundo é a minha representação. - Esta proposição é uma verdade para todo o ser vivo e cognoscente, embora só no homem chegue a transformar-se

Leia mais

JUÍZOS INFINITOS E DETERMINAÇÃO EM KANT

JUÍZOS INFINITOS E DETERMINAÇÃO EM KANT SÍLVIA ALTMANN JUÍZOS INFINITOS E DETERMINAÇÃO EM KANT Sílvia Altmann UFRGS/CNPQ Na tábua dos juízos, sob o título da qualidade, Kant introduz três momentos: juízos afirmativos, negativos e infinitos.

Leia mais

RESENHA. ALESSANDRO PINZANI (UFSC / Brasil)

RESENHA. ALESSANDRO PINZANI (UFSC / Brasil) TONETTO, Milene C. Direitos Humanos em Kant e Habermas. Florianópolis: Insular, 2010. RESENHA ALESSANDRO PINZANI (UFSC / Brasil) O livro de Milene Tonetto é mais ambicioso do que o título poderia deixar

Leia mais

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Tudo o que aparece na nossa mente, as representações ou os fenômenos, aparece sob certas condições. Os fenômenos dependem das impressões sensíveis e de nossa

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

O CONCEITO DE ILUMINISMO EM KANT E SUA IMPLICAÇÃO COM A MORALIDADE E A POLÍTICA

O CONCEITO DE ILUMINISMO EM KANT E SUA IMPLICAÇÃO COM A MORALIDADE E A POLÍTICA O CONCEITO DE ILUMINISMO EM KANT E SUA IMPLICAÇÃO COM A MORALIDADE E A POLÍTICA Carlos Weinman * Resumo No presente artigo se discorre sobre os conceitos de iluminismo, de moralidade e de política sob

Leia mais

Ética Prof. Vitor Maciel. iversidade Federal da Bahia

Ética Prof. Vitor Maciel. iversidade Federal da Bahia Ética Prof. Vitor Maciel iversidade Federal da Bahia A Ética responde à pergunta: - Como viver? O que é a Ética? A palavra ética vem do grego ethos, que significa, caráter do sujeito, maneira habitual

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES SARTRE (UFU) Liberdade, para Jean-Paul Sartre (1905-1980), seria assim definida: A) o estar sob o jugo do todo para agir em conformidade consigo mesmo, instaurando

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais