Fundamentação ética em Kant versus posição ética de Nietzsche

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentação ética em Kant versus posição ética de Nietzsche"

Transcrição

1 Fundamentação ética em Kant versus posição ética de Nietzsche Leandro José Kotz * Na tradição filosófica há um mosaico de posições e fundamentações éticas e morais. Entre elas retomamos e confrontamos ensaisticamente duas posições, quais sejam, a fundamentação kantiana e a posição nietzschiana. As duas partem do mesmo ponto, a saber, a crítica, entretanto seguem vias diametralmente (absolutamente) antitéticas. A moralidade kantiana do dever é o substractum da liberdade, entretanto, para Nietzsche, essa moralidade é um ataque à vida (é um dizer não ao eu quero que resultará no sacrifício do eu no altar da moral). Então, quais são os principais contrastes entre os dois filósofos? E que pistas relevantes emergem desse confronto para que o sujeito possa adotar um posicionamento ético? O itinerário que adotaremos como referencial segue os seguintes passos: num primeiro momento a reflexão é sobre a compreensão moral de Kant; num segundo, a posição de Nietzsche; momentos nos quais se procura frisar algumas críticas e estabelecer confrontos e; por último, pretende-se alcançar pistas para uma possível res-posta à problemática acima ex-posta. Para Kant a natureza da ética é racional. Deduz-se daí que os sentimentos e as emoções não participam na determinação da vontade moral. Logo, os princípios práticos 1 são estabelecidos pela razão de forma a priori, como leis da razão. Na Fundamentação da Metafísica dos Costumes, 2 Kant anuncia a revolução copernicana na moral. Segundo ele, é a partir da lei moral que se deduz o bem/mal. Kant expressa o escopo de sua obra nos seguintes * Acadêmico do V Semestre do Curso de Filosofia IFIBE. Ensaio apresentado na disciplina Ética I (2010/1), sob a orientação do prof. Paulo César Carbonari. 1 Em Kant há dois tipos de princípios, a saber, as máximas (a subjetividade da vontade) e os imperativos (objetivos e universais, isto é, valem para todos). Os imperativos se dividem em hipotéticos e categóricos. 2 Referiremos doravante por FMC seguido da página conforme a edição cuja referência completa está ao final deste ensaio. Filosofazer. Passo Fundo, n. 36, jan./jun

2 termos: A presente fundamentação nada mais é, do que a busca e fixação do princípio supremo da moralidade, o que constitui só por si no seu propósito uma tarefa completa e bem distinta de qualquer outra investigação moral (FMC, p. 200). A boa vontade é boa em si, pelo seu querer, isto é, transcende os meios, de sorte que só pode ser um bem supremo. Portanto, fica evidenciada a revolução, pois, o que era meio em outras propostas de fundamentação da moral, em Kant vira fim. A ação moral, para ter sentido, deverá ser perpassada pela boa vontade, isto é, tem que ser por dever. Portanto, o dever é substractum da ação. 3 O valor da moral é concernente ao princípio da vontade que, por sua vez, resulta da síntese entre o a priori (a objetividade da lei) com o a posteriori (máxima subjetiva do querer). É no dever que se realiza essa síntese. Disso conclui-se que a máxima que orienta a ação deve ser regulada pela lei. Portanto, é tarefa da moral operar essa conjugação entre o pólo objetivo e subjetivo. Dever é a necessidade de uma ação por respeito à lei. [...] Ora, se uma ação realizada por dever deve eliminar totalmente a influência da inclinação e com ela todo o objeto da vontade, nada mais resta à vontade que a possa determinar do que a lei objetivamente, e, subjetivamente, o puro respeito por esta lei prática, e por conseguinte a máxima que manda obedecer a essa lei, mesmo com prejuízo de todas as minhas inclinações (FMC, p ). A universalidade da lei moral é objetivada se, e somente se, o agir (a máxima subjetiva) tem por escopo ser lei universal. Ou seja, no agir é preciso conciliar o desejo do eu com o de qualquer outro ser racional. [...] devo proceder sempre de maneira que eu possa querer também que a minha máxima se torne uma lei universal (FMC, p. 209). Em Kant a ação deve ser por dever e nisto está a síntese entre o subjetivo e o objetivo e que a lei que orienta a ação deve ser um imperativo categórico que em nada seja tributário às inclinações contingentes. Este é assim expresso: Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que ela se torne lei universal (FMC, p. 223). 4 3 Ver FMC, p. 206 onde Kant mostra que o dever contém em si a boa vontade. 4 Para Kant o imperativo categórico é um, porém ele o reformula em modos distintos, sendo que, em qualquer hipótese, como ele mesmo esclarece, cada um contem em si os outros dois. Cabe frisar ainda que o imperativo categórico serve de princípio para todos os outros imperativos do dever.

3 Haveria teleologia na ação moral? Se houvesse, qual é a teleologia da ação moral em Kant? A teleologia da ação moral é a autonomia, ou seja, o homem obedece apenas às máximas que emanam dele próprio e que se tornam leis universais. Autonomia é, pois, o fundamento da dignidade da natureza humana e de toda natureza racional (FMC, p. 235). Sendo assim, o homem age porque é livre e a autonomia da vontade aparece na liberdade. Deste modo, não ser livre significa obedecer a leis de outrem, de terceiros. Ser livre é agir e não obedecer. 5 Se na Crítica da Razão Pura não se pode atingir a liberdade por meio da faculdade do intelecto, pela razão prática pode-se atingir o reino dos fins, o mundo inteligível, isto é, a liberdade, sempre que for possível pensar-se como livre, mesmo que se permaneça também como parte do mundo sensível. No modelo kantiano de crítica, um mesmo, a razão, é réu e juiz. Nietzsche não aceita essa proposta, pois lhe parece contraditória, não obtém êxito e acaba se ancorando em princípios transcendentais, faltando-lhe a gênese interna, a gênese das categorias e do entendimento. Nesta perspectiva, Nietzsche faz emergir a genealogia, que esmiúça a base do sentido que foi atribuído a um valor. Acredita que desta maneira torna-se possível realizar a crítica máxima aos valores, a genealogia como filosofia crítica. 6 No dizer de Deleuze: É verdade, no entanto, que os princípios em Nietzsche nunca são princípios transcendentais; estes últimos são precisamente substituídos pela genealogia. Só a vontade de poder como princípio genético e genealógico, como princípio legislador, é capaz de realizar a crítica interna. Só ela torna possível uma transmutação (DELEUZE, 1976, p. 44). Nietzsche infere, pelo estudo da história da moral, que ninguém havia posto o problema de maneira adequada. Todos tomaram como pressuposto de suas fundamentações que a moral era algo dado e que tinha valor per si. Para romper com essa posição Nietzsche anuncia que [...] não existem fenômenos morais, mas uma interpretação moral dos fenômenos (NIETZSCHE, 2009, p. 82). Portanto o que existe são interpretações e avaliações. Avaliar pressupõe valores e valores pressupõem avaliações. 5 A fala de Nietzsche é semelhante, ou seja, para ele só o forte age e, por conseguinte, é feliz e livre, isto porque ele pode agir, ou seja, expressar sua natureza robusta; o escravo, por sua vez, só reage, e precisa de um ideal para garantir a possibilidade de felicidade. 6 Deleuze explica o conceito de genealogia como filosofia crítica (1976, p. 4). Filosofazer. Passo Fundo, n. 36, jan./jun

4 O filósofo terá que radicalizar indagando sobre a gênese dos valores, isto é, quem criou os valores morais? O que quer aquele que cria os valores? Essas problematizações conduzirão a reflexão a uma terceira questão, ou seja, qual é o valor dos valores? 7 Para Nietzsche, os modernos pautavam suas reflexões nas máximas da razão com o escopo de alcançar sua universalidade (esse paradigma tem seu ápice em Kant) e uma vez atingida a universalidade de uma norma moral, por exemplo, tem-se a propriedade para afirmar, tu deves. Ora, isso passa a ser justificado e fundamentado pela metafísica. 8 No entender de Nietzsche, a metafísica tem seu bojo recheado de dualidades e não responde mais ao modo de ser e de existir, mesmo que se coloque como proposta autêntica e veraz. Com o anúncio da morte de Deus, em A Gaia Ciência (aforismo125), ele abala esse paradigma filosófico. Nietzsche quer o homem livre das patologias criadas pelas morais do ressentimento, isto é, aquelas que não permitem a manifestação da natureza forte e assim causam a má consciência, pois essa natureza é internalizada e passa a agredir o próprio self. O ideal ascético é substractum desse paradigma. Para ir além do bem e do mal confeccionados pela moral e que são a gênese das patologias é preciso reportar-se ao além-do-homem, vontade de potência (Cf. NIETZSCHE, 2009, p. 28 e p. 48) e eterno retorno do mesmo, pois nessa perspectiva se transcende ao niilismo (GIACÓIA, 2000, p. 65). O além-do-homem (Übermensch) diz que o homem deve procurar se superar, isto é, construir para além de si. Trata-se, de superar o homem decadente, produto da cultura (niilista), das morais de ressentimento, do ideal ascético e do próprio período moderno. O além-do- 7 Com isso Nietzsche anuncia uma nova tarefa para a filosofia prática (Cf. NIETZSCHE, 2008, p. 12). 8 Vimos em Kant que o empírico não participa da natureza ética pois, se participasse, seria uma regra prática e jamais uma lei moral (Cf. FMC, p. 198). Para Nietzsche, a natureza da ética não pode centrar-se apenas na racionalidade, pois a vida é mais que razão (corre-se o risco de absolutizar a razão). Logo, deve-se tomar em conta a vida, os impulsos vitais. O instintivo não pode ser rebaixado em detrimento da racionalidade. Por isso, a proposta de Kant para ele se configura, além de tartufice, em agressão à vida, pois é preciso negar o eu quero em função do tu deves. Por seu turno, Kant responderia a Nietzsche dizendo que essa postura não passa de uma regra prática que não se constitui em lei universal. 164 Filosofazer. Passo Fundo, n. 36, jan./jun

5 -homem manifesta a super abundância de vida (querer ser o que se é) e que não se aterroriza diante do sofrimento; vive o sofrimento com a consciência de que é intrínseco à vida. Para Nietzsche, a humanidade tem que focar no além-do-homem como alvo e procurar atingi-lo. Mas, para tal, é necessário considerar a vontade de poder e o eterno retorno. O eterno retorno é uma concepção de tempo cíclica segundo a qual tudo aquilo que já ocorreu vai ocorrer infinitas vezes da mesma forma como já aconteceu. Nesse sentido, o eterno retorno é traduzido por justificação estética da existência, ou seja, o indivíduo teria que viver de tal maneira que cada ato e ação o realizassem plenamente e, assim, ele desejaria que isso se repetisse infinitas vezes 9 sem se preocupar e sem viver em função do tu deves. Portanto, em Nietzsche, a vida (Lebensphilosophie) é o centro das reflexões. Assim, destrona qualquer tipo de absoluticidade da razão. Insere um novo paradigma na filosofia prática e pretende uma transmutação de todos os valores. O princípio desse novo paradigma seria o imperativo eu quero, 10 em substituição ao tu deves. O que faz o indivíduo querer ser ele mesmo é a vontade de potência, mas uma vontade de potência que não se esgota e é insaciável. A expressão dessa vontade está na tipologia do forte. 11 Em suma, os dois paradigmas fomentam uma postura crítica (sem pretensão de absolutização). Uma racionalidade que reflete e está radicada nas propostas morais. Isto é, o sujeito passa os modelos morais pelo crivo racional para averiguar se são aceitáveis. O único ser capaz de ética é o homem. A ética tem a expectativa de garantir e enaltecer a vida. Se a ética é consistente na síntese entre o subjetivo e o objetivo e tem em seu cerne a vida, é o crivo maior e põe ao sujeito a tarefa de agir de tal modo que sua ação seja sempre em prol da vida. 9 Nietzsche estética da existência versus Kant e a ética normativa. 10 Para Kant isso não é problema, desde que essa máxima subjetiva se conforme com a máxima objetiva e se expresse em lei universal. 11 A posição nietzschiana poderia ser caracterizada como relativista, ou seja, tudo vale, tudo pode. Isto poderia ser sustentado a partir do conceito de vontade de potência. Entretanto, Nietzsche não afirma minha vontade de potência (plano individualista), fala sim, que a humanidade deve focar o além-homem. O que Nietzsche deixa em aberto é: quais as condições para afirmar o eu quero para objetivar o além-homem? Essas problemáticas vão além do campo moral e desembocam no político. Filosofazer. Passo Fundo, n. 36, jan./jun

6 Referências bibliográficas DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Trad. R. Joffily Dias e E. Fernandes Dias. Rio de Janeiro: Editora Rio, GIACÓIA, Oswaldo. Folha Explica Nietzsche. São Paulo: Publifolha, KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes [FMC]. Trad. Paulo Quintela. São Paulo: Abril Cultural, Os Pensadores. NIETZSCHE, Friedrich. Além do Bem e do Mal. Trad. Mário Ferreira dos Santos. Petrópolis: Vozes, Friedrich. Genealogia da Moral: uma polêmica. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, Filosofazer. Passo Fundo, n. 36, jan./jun

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade O PRINCÍPIO MORAL NA ÉTICA KANTIANA: UMA INTRODUÇÃO Jaqueline Peglow Flavia Carvalho Chagas Universidade Federal de Pelotas 1 Introdução O presente trabalho tem como propósito analisar a proposta de Immanuel

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Autonomia da vontade é aquela sua propriedade graças à qual ela é para si mesma a sua lei (independentemente da natureza dos objetos do querer). O princípio

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

Preocupações do pensamento. kantiano

Preocupações do pensamento. kantiano Kant Preocupações do pensamento Correntes filosóficas Racionalismo cartesiano Empirismo humeano kantiano Como é possível conhecer? Crítica da Razão Pura Como o Homem deve agir? Problema ético Crítica da

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

Marcelo Gonçalves 2. Programa de Pós-Graduação em Direito Lato Sensu da Universidade de Passo Fundo 2

Marcelo Gonçalves 2. Programa de Pós-Graduação em Direito Lato Sensu da Universidade de Passo Fundo 2 A SUPERAÇÃO DA MORAL KANTIANA PELA TEORIA DO AGIR COMUNICATIVO DE HABERMAS 1 THE OVERCOMING OF KANTIAN MORALITY BY THE HABERMAS COMMUNICATIVE ACTION THEORY Marcelo Gonçalves 2 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

A MORAL DEONTOLÓGICA KANTIANA SOB O VÉU DO IMPERATIVO CATEGÓRICO. Luzia Cunha Cruz Universidade Iguaçu

A MORAL DEONTOLÓGICA KANTIANA SOB O VÉU DO IMPERATIVO CATEGÓRICO. Luzia Cunha Cruz Universidade Iguaçu A MORAL DEONTOLÓGICA KANTIANA SOB O VÉU DO IMPERATIVO CATEGÓRICO Luzia Cunha Cruz Universidade Iguaçu RESUMO: Neste artigo pretende-se mostrar, de forma concisa, a questão do dever kantiano. A vontade

Leia mais

O PONTO DE VISTA DA LIBERDADE: A CRÍTICA KANTIANA E HERMENÊUTICA À AUFKLÄRUNG. Introdução

O PONTO DE VISTA DA LIBERDADE: A CRÍTICA KANTIANA E HERMENÊUTICA À AUFKLÄRUNG. Introdução O PONTO DE VISTA DA LIBERDADE: A CRÍTICA KANTIANA E HERMENÊUTICA À AUFKLÄRUNG Viviane Magalhães Pereira 1 Introdução O problema ético vem sendo tematizado, desde os gregos, a partir do pressuposto de que

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado

Leia mais

Aula 21. Boa Tarde! Filosofia Moderna Nietzsche

Aula 21. Boa Tarde! Filosofia Moderna Nietzsche Aula 21 Boa Tarde! Filosofia Moderna Nietzsche Friedrich Nietzsche 1844-1900 Não sou Homem, sou Dinamite Uma Filosofia para Espíritos Livres A FILOSOFIA A GOLPES DE MARTELO A Filosofia Aforismos: Estilo

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura Adriano Bueno Kurle 1 1.Introdução A questão a tratar aqui é a do conceito de eu na filosofia teórica de Kant, mais especificamente na Crítica da

Leia mais

Álvaro Luiz Montenegro Valls

Álvaro Luiz Montenegro Valls Álvaro Luiz Montenegro Valls Formação: -Doutorado em Filosofia (1981) Atuação profissional: - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, Brasil. São Leopoldo - RS Linha de pesquisa: Sistemas éticos

Leia mais

Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant

Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant 72 Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant João Emiliano Fortaleza de Aquino I Filosofia crítica e metafísica Ao Fábio, com amor. A metafísica, tal como Kant a entende, 1 não teria

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

Kant e a filosofia crítica. Professora Gisele Masson UEPG

Kant e a filosofia crítica. Professora Gisele Masson UEPG Kant e a filosofia crítica Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson UEPG Immanuel Kant (1724-1804) Principais obras Crítica da razão pura - 1781 Fundamentação da Metafísica dos Costumes

Leia mais

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 1 LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 Diego Carlos Zanella 2 Liliana Souza de Oliveira 3 Resumo: O texto tem a pretensão de discorrer sobre um dos principais problemas da ética kantiana, a saber, como é possível

Leia mais

Ética e gestão organizacional Aula 04. Virgílio Oliveira UFJF FACC

Ética e gestão organizacional Aula 04. Virgílio Oliveira UFJF FACC Aula 04 Virgílio Oliveira UFJF FACC 1 As fontes dos preceitos morais no presente A compreensão de nossos próprios preceitos morais requer: uma espécie de arqueologia das instituições sociais contemporâneas

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO. Aulas 2, 3, 4,5 - Avaliação 1 Joyce Shimura

TEORIA DO CONHECIMENTO. Aulas 2, 3, 4,5 - Avaliação 1 Joyce Shimura TEORIA DO CONHECIMENTO Aulas 2, 3, 4,5 - Avaliação 1 Joyce Shimura - O que é conhecer? - Como o indivíduo da imagem se relaciona com o mundo ou com o conhecimento? Janusz Kapusta, Homem do conhecimento

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA 1. A VIDA DE EMANUEL KANT (1724 1804) Nasceu em Königsberg, cidade da Prússia, em 1724. A condição de sua família era modesta. Foi educado no Colégio

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

Guyer and Fredrick Rauscher. Cambridge: Cambrigde University Press, AA Pr 136, 19:184.

Guyer and Fredrick Rauscher. Cambridge: Cambrigde University Press, AA Pr 136, 19:184. 5 Conclusão A obra Sobre a pedagogia reúne notas tomadas por um aluno de Kant. Sendo assim, é bem evidente o fato de o texto não ser muito comentado e desenvolvido, cabendo ao leitor, a todo instante,

Leia mais

( 1 ) Ein jedes Ding der Natur, propriamente: «Cada coisa da natureza.» (P.Q.) // BA 36,

( 1 ) Ein jedes Ding der Natur, propriamente: «Cada coisa da natureza.» (P.Q.) // BA 36, bem que, se não estivermos de posse desta, não digo só que será vão querer determinar exactamente para o juízo especulativo o carácter moral do dever em tudo o que é conforme ao dever, mas até que será

Leia mais

LISTA - KANT. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir.

LISTA - KANT. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. As leis morais juntamente com seus princípios não só se distinguem essencialmente, em todo o conhecimento prático, de tudo o mais onde haja um elemento empírico qualquer,

Leia mais

Kant: Ética e Estética

Kant: Ética e Estética Kant: Ética e Estética 1. (UEM 2012) O filósofo Immanuel Kant (1724-1804) estabelece uma íntima relação entre a liberdade humana e sua capacidade de pensar autonomamente, ao afirmar: Esclarecimento é a

Leia mais

PESQUISA EM FOCO: Educação e Filosofia V. 8, ANO 8, ABRIL 2015 ISSN: O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT

PESQUISA EM FOCO: Educação e Filosofia V. 8, ANO 8, ABRIL 2015 ISSN: O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT 1 Leandro Rodrigues de Oliveira Resumo : Este artigo tem por objetivo apresentar o conceito de liberdade em Kant como uma proposta diferente

Leia mais

O conceito de liberdade em Kant *

O conceito de liberdade em Kant * O conceito de liberdade em Kant * Leandro Rodrigues de Oliveira ** Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar o conceito de liberdade em Kant como uma proposta diferente do que se associou o termo

Leia mais

A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania. Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela

A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania. Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela A Liberdade e a Igualdade em Kant: fundamentos da cidadania Simone Carneiro Carvalho I- Introdução Sob a égide do Estado Democrático de Direito, instituído pela Constituição da República de 1988, batizada

Leia mais

KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA. Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense

KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA. Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense marcos_giusti@uol.com.br Resumo: A crítica kantiana à metafísica, diferentemente do que exprimem

Leia mais

Ética deontológica (do dever) de I. Kant. Influências

Ética deontológica (do dever) de I. Kant. Influências Ética deontológica (do dever) de I. Kant Influências Ética Kantiana Influências Iluminismo* Séc. XVII/XVIII ( 1650-1790) Revolução francesa Séc. XVIII (1789) Pietismo** Séc. XVII Física Newtoniana Sec.

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

NIETZSCHE E A HISTÓRIA: A RELAÇÃO COM O PASSADO

NIETZSCHE E A HISTÓRIA: A RELAÇÃO COM O PASSADO NIETZSCHE E A HISTÓRIA: A RELAÇÃO COM O PASSADO Dagmar Manieri Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar); professor Adjunto de História (Teoria da História) da Universidade

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES

JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES Sequência da Jurisprudência Teleológica, de Jhering: Direito vinculado a um determinado fim desejado pela sociedade. Decisões judiciais: objetivam satisfazer as necessidades

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALLES

FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALLES FACULDADES INTEGRADAS CAMPOS SALLES CURSO DE GRADUAÇÃO DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE, RESPONSABILIDADE SOCIAL E ÉTICA Professor: Paulo S. Ribeiro Aula 04 Leituras para a aula. CHAUÍ, Marilena. Convite à

Leia mais

Filosofia da Comunicação:

Filosofia da Comunicação: MÍLOVIC, Míroslav. Filosofia da Comunicação: Para uma crítica da Modernidade. Tradução do manuscrito em inglês por Verrah Chamma. Brasília: Plano Editora, 2002, 310 p. Paulo Roberto Andrade de Almeida

Leia mais

Immanuel Kant. Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis".

Immanuel Kant. Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis. Immanuel Kant Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis". Em Kant, há duas principais fontes de conhecimento no sujeito: A sensibilidade,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Dúvida Metódica Em Descartes Antonio Wardison Canabrava da Silva* A busca pelo conhecimento é um atributo essencial do pensar filosófico. Desde o surgimento das investigações mitológicas,

Leia mais

FILOSOFIA CRÍTICA Prof. Anderson W.

FILOSOFIA CRÍTICA Prof. Anderson W. IMMANUEL KANT FILOSOFIA CRÍTICA Prof. Anderson W. 476 QUEDA DE ROMA 1789 REVOLUÇÃO FRANCESA PRÉ- HISTÓRIA IDADE ANTIGA IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE CONTEMP. 4.000 a.c. INVENÇÃO DA ESCRITA 1453 QUEDA

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA 25 ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA Carolina Saito Danilo Galan Favoretto Ricardo Camarotta Abdo RESUMO: O presente trabalho tem como principal

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

Os imperativos kantianos: sobre a finalidade categórica e a hipotética

Os imperativos kantianos: sobre a finalidade categórica e a hipotética Os imperativos kantianos: sobre a finalidade categórica e a hipotética João Paulo Rissi Mestrando em Filosofia pela UFSCar Bolsista CAPES jp.rissi@yahoo.com.br Palavras-chave Immanuel Kant, imperativos,

Leia mais

1. A ética kantiana: o indivíduo entre os imperativos hipotéticos e categórico

1. A ética kantiana: o indivíduo entre os imperativos hipotéticos e categórico A administração da justiça entre a ética e o direito: contribuição e limites da filosofia kantiana para a compreensão do processo de judicialização dos conflitos sociais Fernanda Vecchi Pegorini * A administração

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Leia o texto a seguir. Kant, mesmo que restrito à cidade de Königsberg, acompanhou os desdobramentos das Revoluções Americana e Francesa e foi levado a

Leia mais

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA

Revista Pandora Brasil Número 57, Agosto de 2013 ISSN Alisson Flores Caires VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA VIDA ENQUANTO VONTADE DE POTÊNCIA RESUMO: O presente artigo pretende investigar a concepção Nietzscheana de Vida e natureza, buscando esclarecer a relação que há entre essas duas forças contrárias e únicas.

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA: Ética vem do grego ethos que significa modo de ser. É a forma que o homem deve se comportar no seu meio social. A ética pode ser o estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV RESUMO EXPANDIDO (2009-2010) A ÉTICA NA FORMAÇÃO DOS PEDAGOGOS

Leia mais

3 Tempo e Espaço na Estética transcendental

3 Tempo e Espaço na Estética transcendental 3 Tempo e Espaço na Estética transcendental 3.1. Exposição metafísica dos conceitos de tempo e espaço Kant antecipa então na Dissertação alguns argumentos que serão posteriormente, na Crítica da razão

Leia mais

APOLINÁRIO, J. A. F. Nietzsche e Kant: sobre a crítica e a fundamentação da moral. Recife: Ed. da UFPE, 2012.

APOLINÁRIO, J. A. F. Nietzsche e Kant: sobre a crítica e a fundamentação da moral. Recife: Ed. da UFPE, 2012. ISSN 2179-3441 Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] APOLINÁRIO, J. A. F. Nietzsche e Kant: sobre a crítica e a fundamentação da moral. Recife: Ed. da UFPE, 2012. [I] (A) [A] Rodrigo Barbosa

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA. Professores Daniel Hortêncio de Medeiros, Eduardo Emerick e Ricardo Luiz de Mello

COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA. Professores Daniel Hortêncio de Medeiros, Eduardo Emerick e Ricardo Luiz de Mello COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA Professores Daniel Hortêncio de Medeiros, Eduardo Emerick e Ricardo Luiz de Mello Excelente prova. Clara, direta, coerente e consistente. Os alunos e alunas prepararam-se

Leia mais

Sobre a motivação do agir: a ética fenomenológica de Husserl complementaria a ética deontológica de Kant?

Sobre a motivação do agir: a ética fenomenológica de Husserl complementaria a ética deontológica de Kant? Sobre a motivação do agir: a ética fenomenológica de Husserl complementaria a ética deontológica de Kant? Édison Martinho da Silva Difante * Segundo Immanuel Kant a vontade humana é constantemente afetada

Leia mais

Notas sobre a filosofia prática de Kant

Notas sobre a filosofia prática de Kant Notas sobre a filosofia prática de Kant Thomas Matiolli Machado 1 Resumo: O espírito questionador de Kant, cuja extraordinária força voluntária, em decênios de laborioso estudo, levou-o a um posicionamento

Leia mais

Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões

Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões Maria de Assis Straseio * A obra do professor Moacyr Motta da Silva trata, com objetividade, em linguagem científica, de temas de interesse de pesquisadores,

Leia mais

A LIBERDADE DA VONTADE NA FUNDAMENTAÇÃO MORAL DE KANT THE FREE WILL IN THE MORAL REASONS OF KANT

A LIBERDADE DA VONTADE NA FUNDAMENTAÇÃO MORAL DE KANT THE FREE WILL IN THE MORAL REASONS OF KANT 181 A LIBERDADE DA VONTADE NA FUNDAMENTAÇÃO MORAL DE KANT THE FREE WILL IN THE MORAL REASONS OF KANT ADRIELE MEHANNA MORMUL VANESSA FURTADO FONTANA 2 1 RESUMO: Essa pesquisa buscou analisar e refletir

Leia mais

Ética Prof. Vitor Maciel. iversidade Federal da Bahia

Ética Prof. Vitor Maciel. iversidade Federal da Bahia Ética Prof. Vitor Maciel iversidade Federal da Bahia A Ética responde à pergunta: - Como viver? O que é a Ética? A palavra ética vem do grego ethos, que significa, caráter do sujeito, maneira habitual

Leia mais

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 13) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com (...) embora todo conhecimento comece com a experiência, nem por isso ele se origina justamente da experiência. Pois poderia bem acontecer

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1

A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1 A TEORIA DINÂMICA DE KANT 1 Ednilson Gomes Matias PPG Filosofia, Universidade Federal do Ceará (CNPq / CAPES) ednilsonmatias@alu.ufc.br Resumo A seguinte pesquisa tem por objetivo analisar a filosofia

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

AÇÃO MORAL E SUBJETIVIDADE: APROXIMAÇÕES E INCOMPATIBILIDADES ENTRE KANT E SARTRE

AÇÃO MORAL E SUBJETIVIDADE: APROXIMAÇÕES E INCOMPATIBILIDADES ENTRE KANT E SARTRE AÇÃO MORAL E SUBJETIVIDADE: APROXIMAÇÕES E INCOMPATIBILIDADES ENTRE KANT E SARTRE Fabiane Schneider Machado * RESUMO: O texto tem como objetivo contrastar as posições kantiana e sartriana acerca das condições

Leia mais

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 1. A frase mostra um dos principais objetivos de Francis Bacon (Chico Toicinho): demonstrar que o conhecimento consistia simplesmente em acreditar

Leia mais

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito P á g i n a 29 Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Sumário: 1 Introdução; 2 A ética de Kant; 3 Ética,

Leia mais

A ilusão transcendental da Crítica da razão pura e os princípios P1 e P2: uma contraposição de interpretações

A ilusão transcendental da Crítica da razão pura e os princípios P1 e P2: uma contraposição de interpretações A ilusão transcendental da Crítica da razão pura e os princípios P1 e P2: uma contraposição de interpretações Marcio Tadeu Girotti * RESUMO Nosso objetivo consiste em apresentar a interpretação de Michelle

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture Filosofia e Ética Professor Ronaldo Coture Quais os conceitos da Disciplina de Filosofia e Ética? Compreender os períodos históricos do pensamento humano. Conceituar a teoria axiológica dos valores. Conceituar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CAMPUS DE CHAPECÓ CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA LUANA PAGNO ÉTICA E DIREITO EM KANT

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CAMPUS DE CHAPECÓ CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA LUANA PAGNO ÉTICA E DIREITO EM KANT UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CAMPUS DE CHAPECÓ CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA LUANA PAGNO ÉTICA E DIREITO EM KANT CHAPECÓ 2014 LUANA PAGNO ÉTICA E DIREITO EM KANT Trabalho de Conclusão de

Leia mais

BOA VONTADE E DEVER NA IMPUTABILIDADE MORAL EM KANT

BOA VONTADE E DEVER NA IMPUTABILIDADE MORAL EM KANT BOA VONTADE E DEVER NA IMPUTABILIDADE MORAL EM KANT Everton Souza Ponce Prof. Dr. Aguinaldo Pavão (Orientador) Meu objetivo na seguinte argumentação é expor e analisar a importância da boa vontade e do

Leia mais

gênio na antiguidade, mostrando como os gregos consideraram o tema, e como o romantismo se apropriou da idéia, com forte inspiração kantiana.

gênio na antiguidade, mostrando como os gregos consideraram o tema, e como o romantismo se apropriou da idéia, com forte inspiração kantiana. Conclusão Levando em conta as discussões sobre o tema na tradição filosófica, Nietzsche escapa de um procedimento metafísico e coloca a idéia de gênio para além de um simples ideal. Por ideal, Nietzsche

Leia mais

Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica

Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica Os pontos elencados são tópicos da obra de Norberto Bobbio, sempre presente nas provas dos concursos públicos, o que provavelmente se repetirá

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

RESENHA. ALESSANDRO PINZANI (UFSC / Brasil)

RESENHA. ALESSANDRO PINZANI (UFSC / Brasil) TONETTO, Milene C. Direitos Humanos em Kant e Habermas. Florianópolis: Insular, 2010. RESENHA ALESSANDRO PINZANI (UFSC / Brasil) O livro de Milene Tonetto é mais ambicioso do que o título poderia deixar

Leia mais

Dignidade Humana e Justiça Social

Dignidade Humana e Justiça Social Dignidade Humana e Justiça Social Francisco José Vilas Bôas Neto Francisco José Vilas Bôas Neto Dignidade Humana e Justiça Social Belo Horizonte 2013 Lista de Siglas 1) CKTM Construtivismo Kantiano na

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

A teoria do prazer na introdução à Crítica da Faculdade do Juízo

A teoria do prazer na introdução à Crítica da Faculdade do Juízo A teoria do prazer na introdução à Crítica da Faculdade do Juízo The theory of pleasure in the introduction to the Critic of Power of Judgment Danilo Citro Mestrando pela Universidade Federal de Ouro Preto

Leia mais

O CONCEITO DE FELICIDADE NA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL EM KANT

O CONCEITO DE FELICIDADE NA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL EM KANT O CONCEITO DE FELICIDADE NA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL EM KANT THE CONCEPT OF HAPPINESS IN THE KANT S GROUNDWORK OF MORALS Diego Carlos Zanella * RESUMO: Na Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Immanuel

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

TEORIA DOS VALORES. Quais são os valores que você mais preza? Introdução

TEORIA DOS VALORES. Quais são os valores que você mais preza? Introdução TEORIA DOS VALORES Quais são os valores que você mais preza? Introdução Os filósofos tentaram determinar a boa conduta segundo dois princípios fundamentais: considerando alguns tipos de conduta bons em

Leia mais

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Questão nº 1 - Resposta B Justificativa: O amante do mito é de certo modo também um filósofo, uma vez que o mito se compõe de maravilhas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE FILOSOFIA Currículo Novo (a partir de 2010/1) NÍVEL I HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA Reflexão acerca da transição do pensamento mítico ao filosófico. Estudo de problemas, conceitos e

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) No caso específico da disciplina de FILOSOFIA, do 10º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível do

Leia mais

AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE 2016/2 - NOITE FILOSOFIA E ÉTICA

AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE 2016/2 - NOITE FILOSOFIA E ÉTICA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE 2016/2 - NOITE FILOSOFIA E ÉTICA QUESTÃO 01: (ENADE 2006) A formação da consciência ética, baseada na promoção dos valores éticos, envolve a identificação de alguns conceitos como:

Leia mais

Ética. Doutrinas Éticas. Doutrinas Éticas. Doutrina. Histórico da Ética. Prof. Luiz A. Nascimento

Ética. Doutrinas Éticas. Doutrinas Éticas. Doutrina. Histórico da Ética. Prof. Luiz A. Nascimento Ética Prof. Luiz A. Nascimento Doutrina Conjunto de princípios que servem de base a um sistema político, religioso, filosófico, científico, etc. A moral, propriamente dita, não é a doutrina que nos ensina

Leia mais

CARDOSO, Renato César. A ideia de justiça em Schopenhauer. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2008, 160 p.

CARDOSO, Renato César. A ideia de justiça em Schopenhauer. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2008, 160 p. CARDOSO, Renato César. A ideia de justiça em Schopenhauer. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2008, 160 p. Juliana Fischer de Almeida Mestranda em Filosofia pela PUCPR No rol das preocupações centrais de Arthur

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO Inscrição Título do Projeto RESULTADO A EXPRESSÃO DO INEXPRIMÍVEL NA ARTE: SOBRE O TEOR COGNITIVO DO CONCEITO DE CONTEÚDO DE VERDADE DAS D001 OBRAS DE ARTE E SUA

Leia mais

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea

As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea As concepções do Ser humano na filosofia contemporânea A concepção do ser humano no Idealismo alemão Pré Romantismo - séc. XVIII Resistência à Ilustração: mecanicismo de newtoniamo e empirismo de Locke

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

O objetivo desta palestra é discutirmos alguns aspectos fundamentais sobre ÉTICA E DIGNIDADE HUMANA:

O objetivo desta palestra é discutirmos alguns aspectos fundamentais sobre ÉTICA E DIGNIDADE HUMANA: INTRODUÇÃO O objetivo desta palestra é discutirmos alguns aspectos fundamentais sobre ÉTICA E DIGNIDADE HUMANA: 1) Historicamente como a Ética foi entendida. 2. Aspectos gerais. 3. Reflexão Filosófica.

Leia mais

Friedrich Nietzsche. Não sou Homem, sou Dinamite Uma Filosofia para Espíritos Livres. Professor Ricardo da Cruz Assis Filosofia - Ensino Médio

Friedrich Nietzsche. Não sou Homem, sou Dinamite Uma Filosofia para Espíritos Livres. Professor Ricardo da Cruz Assis Filosofia - Ensino Médio Professor Ricardo da Cruz Assis Filosofia - Ensino Médio Friedrich Nietzsche Não sou Homem, sou Dinamite Uma Filosofia para Espíritos Livres A FILOSOFIA A GOLPES DE MARTELO 1 "Conheço a minha sorte. Alguma

Leia mais