Ética deontológica (do dever) de I. Kant. Influências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ética deontológica (do dever) de I. Kant. Influências"

Transcrição

1 Ética deontológica (do dever) de I. Kant Influências Ética Kantiana Influências Iluminismo* Séc. XVII/XVIII ( ) Revolução francesa Séc. XVIII (1789) Pietismo** Séc. XVII Física Newtoniana Sec. XVII Razão Liberdade Igualdade Interioridade Pureza de coração Dever Ordem Lei *Movimento cultural da elite intelectual europeia do século XVIII que procurou mobilizar o poder da razão, a fim de reformar a sociedade e o conhecimento herdado da tradição medieval. **conversão pessoal, a santificação, a experiência religiosa, diminuição na ênfase aos credos e confissões, a necessidade de renunciar ao mundo Qual é o supremo BEM para I. Kant? (a boa vontade)

2 Torna AGIR VONTADE Querer, intenção, motivação AÇÃO CONSEQUÊNCIAS da AÇÃO CONTROLAMOS (somos moralmente responsáveis) CONTROLAMOS PARCIALMENTE NÃO CONTROLAMOS (não moralmente somos responsáveis) O valor moral das ações depende unicamente da vontade com que são praticadas. Moralidade da ação = boa ou má ação Se só a Vontade importa para a moralidade da ação. ENTÃO Só uma BOA VONTADE BOA uma AÇÃO Pergunta: o que é a boa vontade?

3 Princípios Precisamos saber o que determina/orienta a VONTADE? São os seus princípios Intenções Motivos VONTADE Precisamos de saber: QUAL A ORIGEM/NATUREZA DOS PRINCÍPIOS QUE DETERMINAM O QUERER? Temos de recorrer à ANTROPOLOGIA (teoria do homem) KANTIANA

4

5 Contudo a vontade pode querer cumprir o dever de duas formas: Cumprir o dever por ele mesmo (como fim da ação) = dever tem um valor absoluto Cumprir o dever como meio para outro fim = dever tem um valor relativo Ação imoral (má) Ação legal (boa, mas não moral) Ação moral

6 O que é então uma BOA VONTADE? VONTADE é aquela que QUER segundo duas condições: Quer aquilo que a razão lhe apresenta como sendo BOM = quer cumprir o dever Quer pelos motivos/intenções corretas = quer cumprir o dever pelo dever Motivos Da esmola Teve compaixão Fá-lo sentir-se bem consigo mesmo Quis ficar bem visto aos olhos dos outros Espera um Obrigada em troca Pensa que é o seu dever auxiliar os menos afortunados Ação legal Ação não moral Ação Boa Ação Moral

7 Se amais os que vos amam, que galardão tereis? E, se saudais unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Mateus 5:46,47

8 Critério moral Perguntas: Como saber se alguém está a agir bem, com BOA VONTADE, isto é, por dever e não apenas conforme ao dever? Como saber se alguém (inclusive eu próprio) está ou pretende agir por dever ou conforme ao dever? Temos de saber qual foi o tipo de ordem ou imperativo pelo qual a vontade se determinou (decidiu) a agir?

9 A Razão apresenta à Vontade as suas indicações sempre sob a forma de deveres ou imperativos (porque a vontade não sendo perfeita, nem sempre quer cumprir o que a razão lhe indica)

10 Ora há duas formas de dar ordens (imperativos): Forma hipotética (condicional) Forma categórica (absoluta) Qual dos dois imperativos torna a vontade BOA no sentido moral?

11 O imperativo categórico. Porquê? Porque a Boa Vontade é aquela que quer: o Cumprir o dever, mas de uma certa forma. o Cumprir o dever por dever (sem condições, mas por ele mesmo) Porque só o Imperativo categórico ordena segundo aquelas duas condições: o Ordena o cumprimento do dever o Ordena sem condições (mas apenas por dever) e é isso que torna a vontade uma Boa Vontade.

12 Como saber se estamos a agir por dever ou conforme o dever? Se a vontade se determina a agir por um Imperativo Hipotético Imperativo Categórico Quer conforme ao dever? Não é livre, é legal e não moral Quer por dever, é livre, é boa e moral Já sabemos o que é a atitude moral = querer obedecer ao dever por ele mesmo, desinteressadamente

13 Mas como é que alguém sabe o que fazer, em concreto, nas várias situações, sem violar a moralidade? Kant dá-nos 3 fórmulas (maneiras de o expressar) do imperativo categórico: 1ª Fórmula do Imperativo Categórico (da universalização) Age de tal modo que possas querer que a máxima (intenção) da ação se transforme em lei universal? Temos de querer tornar a nossa intenção numa lei moral, isto é, a universalizá-la Temos de poder querer, coerentemente (a nossa vontade não pode contradizer-se), que ela se universalize Se pudermos querer, a nossa intenção/máxima é coerente, racional e moral Se não pudermos querer, a nossa intenção/máxima é incoerente, irracional e não moral

14 2ª Fórmula do Imperativo Categórico (dos meios e fins ou humanidade) Age de tal modo que trates a humanidade tanto na tua pessoa como na dos outros, sempre simultaneamente como um fim, e nunca simplesmente como um meio Respeita a humanidade Humanidade = agentes racionais e morais, isto é, dotados de autonomia(determinarem por si mesmos) Trata-as sempre como fins e nunca SÓ como meios (nunca as uses tratando a sua racionalidade e autonomia como coisas/objetos, que não são)

15 Qual é a função destas duas fórmulas? Para que servem? Têm a função de critérios para determinar se uma máxima da ação (intenção) expressa ou não um dever moral (lei) Será que esta minha intenção é moralmente boa ou constitui um dever

16 Assim para sabermos, em concreto em cada circunstância da vida, se a ação que queremos praticar está, ou não, de acordo com a moral. Só temos de perguntar a nós próprios, se aquilo que nos propomos fazer: 1ª fórmula Se pode servir de modelo para todos os outros (se pode ser universalizado. Tornado lei)? 2ª fórmula Se não transforma os outros em simples meios ao serviço dos meus interesses? Se puder servir de modelo, então é moral Se não trata os outros como fins, então não é moral

17 Embora diferentes estas fórmulas permitiam atingir os mesmos fins: Cumprir o nosso dever Respeitar a dignidade humana Conseguir agir moralmente Ser livre Ler texto 11 página 132/133 Ler texto 12 página 13 Conclusão Perguntas Qual o bem supremo? O que é agir bem? Qual o critério da ação moralmente correta? Respostas A boa vontade Cumprir o nosso dever Agir segundo o imperativo categórico

18 Críticas à ética kantiana 1º Pouca ajuda dá a quem quer saber como agir: a) Por ser formal: Por apenas nos indicar a estrutura ou forma do nosso querer, não nos indica o que devemos querer fazer em concreto em cada situação. Isso pode ser de pouca ajuda a quem tem de decidir o que fazer em situações muito concretas. b) Por ser absolutista, não consegue resolver conflitos de deveres: Em situações de conflitos de deveres como se aplica a forma do dever. Segundo Kant, temos deveres absolutos, isto é, que nunca podem ser violados, numa situação em que dois deveres absolutos entram em conflito, por qual é que decidimos? 2ºAfasta as emoções do campo das motivações morais Kant não dá às emoções qualquer papel moral: compaixão, simpatia, piedade, remorso, amor, são moralmente irrelevantes para Kant, só conta como motivação moral o sentido do dever (respeito pela lei). Ora há quem pense que há emoções distintamente morais como o remorso e a compaixão e separá-las da moral será ignorar um aspeto central da vida e do comportamento morais. 3º Não tem em conta as consequências dos nossos atos: Isso pode acabar por justificar algumas ações absurdas, tais como dizer a um louco com um machado onde se escondeu uma pessoa, em vez de o afastar, mentindo-lhe. E também que idiotas bem-intencionados que, involuntariamente, causem desastres, podem ser considerados absolutamente inocentes. Mas em certas situações as consequências das ações são relevantes para a apreciação do seu valor moral.

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS 1º PERÍODO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Planificação Anual da Disciplina de EMRC 10º ano Ano Letivo de 2014/2015 Manual adotado: Alicerces Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos I. UM

Leia mais

Maquiavel ( 1469 1527 )

Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel tentou ir ao cerne da questão e tratar a política não como uma parte da filosofia moral ou ética, mas simplesmente em termos práticos e realistas. Ao colocar a utilidade

Leia mais

19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos?

19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos? 19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos? GUIA PROTECTOR Sens, 1862 Essas pessoas têm mais egoísmo do

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) PREÂMBULO Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui

Leia mais

IPERON - ABRIL VERDE/2016 5 PASSOS PARA UMA LIDERANÇA DE RESULTADOS

IPERON - ABRIL VERDE/2016 5 PASSOS PARA UMA LIDERANÇA DE RESULTADOS IPERON - ABRIL VERDE/2016 5 PASSOS PARA UMA LIDERANÇA DE RESULTADOS Adm. Ramiro Vieira, Msc Coach Abril/2016 O Líder Nasce ou se Torna Líder? Nem todos os que se esforçam para ser líderes têm condições

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1.

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. O Brasil é um País Multirracial. Contextualização. Teleaula 1. Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br O Brasil é um País Multirracial Letras Contextualização

Leia mais

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes Ideias políticas Platão Pp. 311-312 A utopia platônica Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia Educação e política: as três classes A utopia platônica é elaborada na época da decadência,

Leia mais

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de primeiro grau Introdução Equação é toda sentença matemática aberta que exprime

Leia mais

Tratamento e Análise de Dados e Informações (TADI)

Tratamento e Análise de Dados e Informações (TADI) Tratamento e Análise de Dados e Informações (TADI) Apresentação do Curso Prof. André Martins A USP http://www4.usp.br/index.php/a-usp http://www.webometrics.info/ http://www.arwu.org/ By all means let's

Leia mais

Questionário de avaliação diagnóstica / Preliminary questionnaire

Questionário de avaliação diagnóstica / Preliminary questionnaire Este questionário foi aplicado durante o mês de Outubro a 105 alunos do 7º e 8º ano e pretende avaliar o nível de conhecimento que os alunos têm sobre Direitos da Criança. This questionnaire has been applied

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus Direitos iguais e inalienáveis é o fundamento

Leia mais

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo:

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: A produção teórica dos clássicos da Sociologia. 2 Habilidade: Conhecer as teorias sociológicas clássicas e seus principais objetos de estudos.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA ESAF PR Seminário Paranaense de Educação Fiscal RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA Fabiane L.B.N.Bessa Papel do Estado e suas relações com a sociedade civil e o mercado -> apoio recíproco Reformas

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 26 A FREQUÊNCIIA RELATIIVA PARA ESTIIMAR A PROBABIILIIDADE Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL

Leia mais

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa.

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. 1. Hipnose é causada pelo poder do hipnotizador Naturalmente o hipnotizador deve ter o devido conhecimento e a força mental

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

Evangelizadora, antes de mais, em razão do seu nome. A Universidade Católica não é

Evangelizadora, antes de mais, em razão do seu nome. A Universidade Católica não é A UNIVERSIDADE CATÓLICA E A SUA PROJECÇÃO EVANGELIZADORA A Universidade Católica, pela sua identidade e missão, tem um indeclinável projecto de evangelização. A Universidade Católica é, por definição,

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL "Que a água seja refrescante. Que o caminho seja suave. Que a casa seja hospitaleira. Que o Mensageiro conduza em paz nossa Palavra." Benção Yoruba

Leia mais

mies_de_amor@yahoo.com.ar

mies_de_amor@yahoo.com.ar Pautas para publicar artigos na Revista Espírita Mies de Amor Os artigos: podem ser escritos em espanhol ou em português; serão desconsiderados se não seguirem as pautas estabelecidas; serão recusados

Leia mais

Página 2 EDITORIAL. Dhenyfe Lorrany Samarah Christina. Oficinista: Elma Torres. Legenda da imagem ou do elemento gráfico.

Página 2 EDITORIAL. Dhenyfe Lorrany Samarah Christina. Oficinista: Elma Torres. Legenda da imagem ou do elemento gráfico. VIDA ESCOLAR Página 2 VIDA ESCOLAR EDITORIAL Dhenyfe Lorrany Samarah Christina Oficinista: Elma Torres Legenda da imagem ou do elemento gráfico. Página 3 Política na Escola Assim como o Brasil, a escola

Leia mais

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS PRISMAS Os prismas são sólidos geométricos muito utilizados na construção civil e indústria. PRISMAS base Os poliedros representados a seguir são denominados prismas. face lateral base Nesses prismas,

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Módulo. Gerência de Marketing de Produtos e Serviços. Direito do Consumidor e o Marketing. Direito do Consumidor e o Marketing

Módulo. Gerência de Marketing de Produtos e Serviços. Direito do Consumidor e o Marketing. Direito do Consumidor e o Marketing Módulo Gerência de Marketing de Produtos e Serviços Prof. Mardônio da Silva Girão Direito do Consumidor e o Marketing Direito,Lei e Marketing - reflexão Direito do Consumidor e o Marketing 1. Os Direitos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 8.242/16

PROJETO DE LEI Nº 8.242/16 PROJETO DE LEI Nº 8.242/16 DETERMINA A AFIXAÇÃO DE CARTAZES NAS SALAS DE AULA DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO BÁSICA PERTENCENTES AO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de Planos de saúde: Sete perguntas para fazer antes de contratar Antes de aderir a um plano de saúde, o consumidor precisa se informar sobre todas as condições do contrato, para não correr o risco de ser

Leia mais

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil!

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Nathália Norgi Weller 1 RESUMO: A partir do ano de 2001, entra em vigor a lei 3.708, que assegura a negros e pardos 20% das vagas nas universidades

Leia mais

http://www.worldday.org 22-10-2008

http://www.worldday.org 22-10-2008 " Cuidados Paliativos como Direito Humano - Reflexão Ética " Maria Teresa Flor de Lima Unidade de Dor, Hospital do Divino Espírito Santo, EPE Av. D. Manuel I, 9500-370, Ponta Delgada, Açores mtflordelima@gmail.com

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

Como acertar na contratação do consultor de TI

Como acertar na contratação do consultor de TI Como acertar na contratação do consultor de TI Esse profissional especializado normalmente atua com prazos custos e por isso é imperativo localizar o perfil adequado. A contratação de um consultor de TI

Leia mais

COMO ELABORAR UM CURRÍCULO

COMO ELABORAR UM CURRÍCULO COMO ELABORAR UM CURRÍCULO Sandra Salgadinho O CURRÍCULO É UMA DAS MELHORES FORMAS DE MARKETING PESSOAL. É POR MEIO DESTE QUE UMA EMPRESA AVALIA O PERFIL DE UM PROFISSIONAL. É a forma convencionada de

Leia mais

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo O Abril de 2008 Daniela Alexandra Diogo 16 1 Ambos os métodos podem criar severos danos ambientais, portanto, devem ser muito bem controlados. Conclusão Com este trabalho aprendemos que a água é muito

Leia mais

Magistério profético na construção da Igreja do Porto

Magistério profético na construção da Igreja do Porto Magistério profético na construção da Igreja do Porto Excertos do pensamento de D. António Ferreira Gomes entre 1969-1982 A liberdade é sem dúvida um bem e um direito, inerente à pessoa humana, mas é antes

Leia mais

Competências e Habilidades

Competências e Habilidades Competências e Habilidades Aula 11 Gestão da Carreira Autoconhecimento Personalidade Motivações Valores Habilidades Interesses Análise do Ambiente Definição de objetivos Ações / Estratégias 2 1 Gerenciamento

Leia mais

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi 1. A política e a clínica A saúde mental é definida

Leia mais

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE Preâmbulo Os Estados membros do Conselho da Europa, bem como os restantes Estados signatários da presente Convenção: Considerando que o objectivo do Conselho da

Leia mais

Aula de Exercícios - Teorema de Bayes

Aula de Exercícios - Teorema de Bayes Aula de Exercícios - Teorema de Bayes Organização: Rafael Tovar Digitação: Guilherme Ludwig Primeiro Exemplo - Estagiários Três pessoas serão selecionadas aleatóriamente de um grupo de dez estagiários

Leia mais

Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os

Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os contemplativos que devotam todo o tempo à oração e à meditação.

Leia mais

Caderno de Anotações

Caderno de Anotações Caderno de Anotações Principais apontamentos do Programa Negócios & Soluções de 24/07/2004 Tema: CRIATIVIDADE EM VENDAS E COMUNICAÇÃO COM O MERCADO - O que faz com que duas empresas concorrentes do mesmo

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

A Orientação Educacional no novo milênio

A Orientação Educacional no novo milênio 15 1 A Orientação Educacional no novo milênio O presente estudo consiste na descrição e análise da experiência do Curso de Especialização em Orientação Educacional e Supervisão Escolar, realizado na Faculdade

Leia mais

A mercadoria. Seção 3 do Capítulo 1 A forma de valor ou valor de troca. c) Forma geral do valor D) Forma dinheiro

A mercadoria. Seção 3 do Capítulo 1 A forma de valor ou valor de troca. c) Forma geral do valor D) Forma dinheiro A mercadoria Seção 3 do Capítulo 1 A forma de valor ou valor de troca c) Forma geral do valor D) Forma dinheiro 1 Estrutura Capítulo I Nome: A mercadoria Seção 1: Os dois fatores da mercadoria Seção 2:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 2.079, DE 2003

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 2.079, DE 2003 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI N o 2.079, DE 2003 Determina a perda de mandato para Prefeito e Vice-Prefeito que transferir domicílio eleitoral. Autor: Deputado Lupércio

Leia mais

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA 203 CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA INTRODUÇÃO ¹ Elias Barbosa de Lima filho ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ eliasbarbosalima141@gmail.com

Leia mais

Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais.

Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais. Programa: Enquadramento; Dinâmicas e processos associados à violência conjugal; A lei e o combate à violência doméstica questões legais. Vídeo: Os tabus sociais na perceção de géneros e papéis sexuais

Leia mais

Sistemática dos seres vivos

Sistemática dos seres vivos Sistemática dos seres vivos O mundo vivo é constituído por uma enorme variedade de organismos. Para estudar e compreender tamanha variedade, idd foi necessário agrupar os organismos de acordo com as suas

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação Ferramentas Digitais/Gráficas II Área Científica Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos Obrigatório Carácter: Obrigatório Semestre

Leia mais

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06

Sumário. Apresentação 04. O que é um dessalinizador 04. Como funciona o sistema de dessalinização 05. Descrição dos componentes 06 Sumário Apresentação 04 O que é um dessalinizador 04 Como funciona o sistema de dessalinização 05 Descrição dos componentes 06 Processo de osmose reversa 07 Instrumentação 07 Verificações importantes antes

Leia mais

Adam Smith e o Nascimento da Economia Política Clássica

Adam Smith e o Nascimento da Economia Política Clássica Adam Smith e o Nascimento da Economia Política Clássica José Luis Oreiro Departamento de Economia UNB Pesquisador Nível N I do CNPq Reação a Filosofia Moral de Hobbes Hobbes: as ações a humanas são governadas

Leia mais

Durante a prova, em cima da mesa, o candidato apenas poderá ter o enunciado da prova, a caneta, a legislação e o BI/CC.

Durante a prova, em cima da mesa, o candidato apenas poderá ter o enunciado da prova, a caneta, a legislação e o BI/CC. PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONSTITUIÇÃO DE RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO PÚBLICO POR TEMPO INDETERMINADO, TENDO EM VISTA O PREENCHIMENTO DE UM POSTO DE TRABALHO NA CARREIRA/CATEGORIA DE TÉCNICO SUPERIOR,

Leia mais

ATROPELAMENTO DE ANIMAIS SILVESTRES Setor de Meio Ambiente DÊ PASSAGEM PARA A VIDA

ATROPELAMENTO DE ANIMAIS SILVESTRES Setor de Meio Ambiente DÊ PASSAGEM PARA A VIDA DÊ PASSAGEM PARA A VIDA 1 As estradas e rodovias, apesar de serem muitos úteis e trazerem progresso para as cidades, ocasionam alguns problemas como poluição sonora e luminosa, fragmentação de habitats,

Leia mais

Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 2

Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 2 Objetivo da Auditoria: O objetivo é verificar se o nosso SISTEMA DE GESTÃO está realmente implementado ou não... Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 2 1 Para que servem as Auditorias? Propriedade

Leia mais

10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação

10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação 10 Anos do Estatuto do Idoso e os entraves à sua consolidação Estatuto do Idoso uma década de... D I G N I D A D E F E L I C I D A D E AT I V I D A D E V I TA L I D A D E Q U A L I D A D E R E S P E I

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE MENSAGEM DO PRESIDENTE A Ética sempre se fez historicamente presente no ambiente corporativo da Schulz S/A, gerando relações exitosas e, por isso, duradouras entre clientes e fornecedores. A elaboração

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Cálculo (pedra) da vesícula. Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula? Pedra ou calculo da vesícula e uma doença bastante comum.

Leia mais

[RESOLUÇÃO] Economia I; 2012/2013 (2º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 2013

[RESOLUÇÃO] Economia I; 2012/2013 (2º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 2013 Economia I; 01/013 (º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 013 [RESOLUÇÃO] Distribuição das respostas correctas às perguntas da Parte A (6 valores) nas suas três variantes: ER A B C P1 P P3 P4

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel

EGEA ESAPL - IPVC. Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel EGEA ESAPL - IPVC Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel Os Suplementos do Excel Em primeiro lugar deverá certificar-se que tem o Excel preparado para resolver problemas de

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 4: Negociação financeira

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 4: Negociação financeira Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 4: Negociação financeira Objetivo Conscientizar nossos clientes sobre a importância da negociação financeira como alicerce de conforto, segurança e bem-estar

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

CABELO ELÁSTICO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER

CABELO ELÁSTICO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER CABELO ELÁSTICO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É UM CABELO EMBORRACHADO? O cabelo emborrachado, elástico ou chiclete é um cabelo em que a fibra perdeu a elasticidade natural, além da umidade, o que

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

Pessoa com Deficiência. A vida familiar e comunitária favorecendo o desenvolvimento

Pessoa com Deficiência. A vida familiar e comunitária favorecendo o desenvolvimento Habilitação e Reabilitação da Pessoa com Deficiência A vida familiar e comunitária favorecendo o desenvolvimento Marco Legal Constituição Brasileira Art. 203 inciso IV IV - A habilitação e reabilitação

Leia mais

Ansiedade. Ansiedade de alerta. Uma reação normal que nos permite enfrentar pressões externas. Ansiedade Traumática

Ansiedade. Ansiedade de alerta. Uma reação normal que nos permite enfrentar pressões externas. Ansiedade Traumática t O que é ansiedade? A ansiedade é a emoção que aparece quando você sente que se aproxima uma ameaça, quando visualiza o futuro de maneira negativa e, em consequência, tenta se preparar para enfrentá-lo.

Leia mais

HISTÓRIA DA FILOSOFIA OCIDENTAL

HISTÓRIA DA FILOSOFIA OCIDENTAL HISTÓRIA DA FILOSOFIA OCIDENTAL A filosofia ocidental possui como pensamento matriz o pensamento grego. No século XVIII (Iluminismo) Houve a racionalização da cultura, separando da fé e a razão. DIFERENÇA

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ETICA NO MUNDO PÓS-MODERNO

REFLEXÕES SOBRE A ETICA NO MUNDO PÓS-MODERNO REFLEXÕES SOBRE A ETICA NO MUNDO PÓS-MODERNO Diones Gusmão Lucas (Faculdade de Estudos Sociais de Barra do Garças) Introdução Fala-se muito hoje em dia, sobre ética. Ética na política, ética no esporte,

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO. Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar

LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO. Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar Procurador do Banco

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS. Direitos Políticos Negativos

DIREITOS POLÍTICOS. Direitos Políticos Negativos Direitos Políticos Negativos São as restrições, em maior ou menor extensão, ao exercício dos direitos políticos (ativos e passivos) O art. 15 da Constituição Federal disciplina as hipóteses de perda e

Leia mais

Qualidade no Atendimento ao Cliente

Qualidade no Atendimento ao Cliente Qualidade no Atendimento ao Cliente Contexto Histórico Mudanças no Modelo de Relacionamento e Comportamento do Cliente Antes Agora Futuro Desinformado Desamparado Buscava preço Informado Amparo legal Busca

Leia mais

UNIJUÍ: Universidade Regional do Nordeste do estado do Rio Grande do Sul

UNIJUÍ: Universidade Regional do Nordeste do estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ: Universidade Regional do Nordeste do estado do Rio Grande do Sul COMPONENTE CURRICULAR Teoria Política PROFESSOR Dr. Djalma Cremonense ALUNA: Márcia Regina Conceição de Jesus CONCEITO Segurança

Leia mais

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté EXERCÍCIO COM TEXTO SONETO Luís Vaz de Camões prof.: Pedro Augusto Furasté 1. Apenas um dos pares abaixo não se opõe. Assinale-o: a) dói / não se sente b) ganhar / perder c) querer // bem-querer d) contentamento

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

LE 702 a 727 676. Por que o trabalho se impõe ao homem? Por ser uma consequência da sua natureza corpórea. É expiação e, ao mesmo tempo, meio de aperfeiçoamento da sua inteligência... Q. 719 É natural

Leia mais

Organização da Disciplina. Técnicas de Negociação e Mediação. Aula 1. Contextualização. O Conflito. Instrumentalização

Organização da Disciplina. Técnicas de Negociação e Mediação. Aula 1. Contextualização. O Conflito. Instrumentalização Técnicas de Negociação e Mediação Aula 1 Prof. Me. Fernando Eduardo Mesadri Organização da Disciplina Conceitos de conflitos Dificuldades para lidar com os conflitos Movimentos de rompimento dos paradigmas

Leia mais

Base Curricular Nacional Comum e o Livro Escolar do Futuro. Prof. Dra. Elda Gomes Araújo 23 de agosto de 2014

Base Curricular Nacional Comum e o Livro Escolar do Futuro. Prof. Dra. Elda Gomes Araújo 23 de agosto de 2014 Base Curricular Nacional Comum e o Livro Escolar do Futuro Prof. Dra. Elda Gomes Araújo 23 de agosto de 2014 A uma criança daria asas, porém deixaria que ela sozinha aprendesse a voar" (García Márquez).

Leia mais

Oito coisas para abandonar em busca da felicidade

Oito coisas para abandonar em busca da felicidade Oito coisas para abandonar em busca da felicidade Por Emanuelle Araújo Mendes Para mim, o que nos aproxima mais da felicidade é conseguir prestar atenção nas coisas simples que acontecem no cotidiano.

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. Relator: Senador PAULO PAIM I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. Relator: Senador PAULO PAIM I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 650, de 2011, do Senador Humberto Costa, que altera o parágrafo

Leia mais

Destaques do Concurso de Bolsas Individuais 2015

Destaques do Concurso de Bolsas Individuais 2015 Destaques do Concurso de Bolsas Individuais 2015 O que há de diferente no concurso de 2015 Bolsas de Doutoramento Bolsas de Doutoramento em Empresas Bolsas de Pós- Doutoramento 1 de abril de 2015 Este

Leia mais

Prática. Exercícios didáticos ( I)

Prática. Exercícios didáticos ( I) 1 Prática Exercício para início de conversa Localize na reta numérica abaixo os pontos P correspondentes aos segmentos de reta OP cujas medidas são os números reais representados por: Exercícios didáticos

Leia mais

Administração AULA- 5. ER0199 Economia Mercados Oferta & Procura. Prof. Isnard Martins. Bibliografia: Rosseti J. Introdução à Economia.

Administração AULA- 5. ER0199 Economia Mercados Oferta & Procura. Prof. Isnard Martins. Bibliografia: Rosseti J. Introdução à Economia. Administração AULA- 5 1 ER0199 Economia Mercados Oferta & Procura Prof. Isnard Martins Bibliografia: Rosseti J. Introdução à Economia. Atlas 2006 Robert Heilbroner Micro Economia N.Gregory Mankiw Isnard

Leia mais

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Dois ou mais eventos são mutuamente exclusivos, ou disjuntos, se os mesmos não podem ocorrer simultaneamente. Isto é, a ocorrência de um

Leia mais

O texto de hoje da UNESCO é simples mas deveria ser pensado por todos nós. Vamos a ele:

O texto de hoje da UNESCO é simples mas deveria ser pensado por todos nós. Vamos a ele: COMUICAÇÃO ( 2.communication) Extraído de páginas 76 e 77 do guia para professores da U ESCO: (Understanding and responding to children s needs in Inclusive Classrooms) www.unesco.org.com; traduzido do

Leia mais

2.2.1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS TURMA: 7º A

2.2.1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS TURMA: 7º A 2.2.1. TURMA: 7º A 1º PERÍODO Sequência 0 " Férias" Diagnóstico; Sequência 1 " Textos não literários " ; Sequência 2 Narrativas de autores portugueses; conteúdos gramaticais apresentados pelo manual para

Leia mais

24/06/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

24/06/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República Palavras do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na Escola Municipal de Rio Largo, durante encontro para tratar das providências sobre as enchentes Rio Largo - AL, 24 de junho de 2010 Bem,

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51

Processo Seletivo/UFU - julho 2006-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 Quanto ao contexto do surgimento da Sociologia, marque a alternativa correta. A) A Sociologia nasceu como ciência a partir da consolidação da sociedade burguesa urbana-industrial

Leia mais

Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas

Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas dicas! Dica 1 para Ganhar Dinheiro na Internet Com Crie

Leia mais

Sistema de Registro da Certificação Continuada (CCRS) Alinhamento de Atividades do Triângulo de Talentos Perguntas Freqüentes (FAQ) para R.E.P.

Sistema de Registro da Certificação Continuada (CCRS) Alinhamento de Atividades do Triângulo de Talentos Perguntas Freqüentes (FAQ) para R.E.P. 1. O que é o Triângulo de Talentos do PMI? O PMI Talent Triangle representa o conjunto de habilidades críticas que as organizações globais têm demandado dos profissionais de projetos. O Triângulo de Talentos

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO E EMPREENDEDORISMO

TÉCNICAS DE GESTÃO E EMPREENDEDORISMO Plano Geral da Disciplina Ementa: 1. Definição de ciência; 2. Tipos de conhecimento; 3. O processo de construção do conhecimento científico; 4. Tipos de trabalhos acadêmicos; 5. Classificação da pesquisa

Leia mais

Análise da Base Nacional Comum Curricular de Matemática. Revisado por Phil Daro, USA Common Core Standards

Análise da Base Nacional Comum Curricular de Matemática. Revisado por Phil Daro, USA Common Core Standards Análise da Base Nacional Comum Curricular de Matemática Revisado por Phil Daro, USA Common Core Standards Complementando a Versão Muitas características excelentes Estrutura de tabela é muito útil Perspectiva

Leia mais

http://www.pointdosamores.com.br A AUTO-ESTIMA E O PODER DAS PRESSUPOSIÇÕES DA PNL

http://www.pointdosamores.com.br A AUTO-ESTIMA E O PODER DAS PRESSUPOSIÇÕES DA PNL A AUTO-ESTIMA E O PODER DAS PRESSUPOSIÇÕES DA PNL Escrito por Terry Bragg Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento

Leia mais

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento)

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento) EDUCAÇÃO DA VIDA PROJETO EDUCARE (Educação, Amor e Reconhecimento) DESEJOS FUNDAMENTAIS DO SER HUMANO EDUCAÇÃO AMOR RECONHECIMENTO EDUCAÇÃO *Ser elogiado AMOR *Ser amado *Ser livre RECONHECIMENTO *Ser

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo Educação Pré Escolar A Educação Pré-Escolar afigura-se como a primeira etapa da educação básica

Leia mais

Novo Código de Ética Profissional

Novo Código de Ética Profissional Novo Código de Ética Profissional As Entidades Nacionais representativas dos profissionais da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia pactuam e proclamam o

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística TESTES DE HIPÓTESES (ou Testes de Significância) Estimação e Teste de Hipóteses Estimação e teste de hipóteses (ou significância) são os aspectos principais da Inferência Estatística

Leia mais

Escola Básica Integrada 1,2,3 / JI Vasco da Gama

Escola Básica Integrada 1,2,3 / JI Vasco da Gama Escola Básica Integrada 1,2,3 / JI Vasco da Gama INFORMAÇÕES PARA A PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE CIÊNCIAS NATURAIS - 2º CICLO Ano Letivo: 2012 /2013, 1ª fase Objeto de avaliação: O Exame de Equivalência

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO I FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira Os objetivo deste estudo é conhecer os estilos de liderança. Reconhecer estes estilos nas pessoas dentro da organização de maneira que possamos orientar, treinar e desenvolver adequadamente os indivíduos.

Leia mais

MATÉRIA: LEI Nº 8.429/92 PROFESSOR: EDGARD ANTONIO NÍVEL SUPERIOR

MATÉRIA: LEI Nº 8.429/92 PROFESSOR: EDGARD ANTONIO NÍVEL SUPERIOR MATÉRIA: LEI Nº 8.429/92 PROFESSOR: EDGARD ANTONIO NÍVEL SUPERIOR FCC/2008/TRF 5ª REGIÃO - ANALISTA JUDICIÁRIO: EXECUÇÃO DE MANDADOS 28) Segundo a Lei nº 8.429/92, permitir, facilitar ou concorrer para

Leia mais