Linguagem, Teoria do Discurso e Regras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linguagem, Teoria do Discurso e Regras"

Transcrição

1 Linguagem, Teoria do Discurso e Regras

2 FMP FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO LINGUAGEM, TEORIA DO DISCURSO E REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA

3 OS JOGOS DE LINGUAGEM (SPRACHSPIELEN) A FILOSOFIA DA LINGUAGEM DO SEGUNDO WITTGENSTEIN OS JOGOS DE LINGUAGEM representam o uso das palavras A FORMA DE VIDA Os jogos de linguagem, a forma de vida e o significado das palavras O jogo de linguagem e o jogo de xadrez: atividades guiadas por regras

4 OS JOGOS DE LINGUAGEM (SPRACHSPIELEN) PARTICIPAR DE UM JOGO DE LINGUAGEM PRESSUPÕE FAZER PARTE DE UMA DETERMINADA FORMA DE VIDA COMO AS SUAS REGRAS E CONVICÇÕES FUNAMENTAIS O USO DA LINGUAGEM E AS REGRAS PARA O USO DA LINGUAGEM

5 OS ATOS DE FALA (SPEECH ACTS) A TEORIA DOS ATOS DE FALA DE J. L. AUSTIN (How to Do Things with Words) e JOHN SEARLE (Spech Acts) FALAR UMA LINGUAGEM É PARTICIPAR DE UMA DETERMINADA FORMA DE CONDUTA GOVERNADA POR REGRAS FALAR É REALIZAR ATOS CONFORME AS REGRAS DIFERENTES ATOS DE FALA E DIFERENTE REGRAS

6 ATOS DE FALA (SPEECH ACTS) ATOS DE FALA CONSTATIVOS Usados para descrever o mundo ATOS DE FALA PERFORMATIVOS Usados para realizar uma ação (utterances performative): sim, aceito ; aposto ; prometo Dizer algo é fazer algo A DISTINÇÃO DE AUSTIN

7 ATOS DE FALA (SPEECH ACTS) O ATO DE FALA APOSTO ATO LOCUCIONÁRIO O som, a sua identificação com uma palavra reconhecida e o seu sentido ou referência a algo ATO ILOCUCIONÁRIO O contexto do ato determina o seu significado Um mesmo ato de fala pode ser uma ordem, uma sugestão, uma advertência ATO PERLOCUCIONÁRIO Ato que produz uma consequência (ato de convencer ou persuadir o falante)

8 ATOS DE FALA (SPEECH ACTS) A DISTINÇÃO DE SEARLE ATOS DE EMISSÃO de palavras ATOS PROPOSICIONAIS (referências e predicações) ATOS ILOCUCIONÁRIOS (enunciar, descrever, perguntar, ordenar, aconselhar ATOS PERLOCUCIONÁRIOS (de Austin) FALANTES REALIZAM SIMULTANEAMENTE OS DIVERSOS TIPOS DE ATOS DE FALA

9 AS REGRAS DOS ATOS DE FALA REGRAS REGULATIVAS Regulam condutas que existem independente das regras ou atividade já existente REGRAS CONSTITUTIVAS Criam novas formas de conduta As regras do jogo constituem o jogo Jogar futebol é atuar conforme as regras

10 AS REGRAS DOS ATOS DE FALA ATOS DE FALA PERFORMATIVOS REGRAS, EXIGÊNCIAS, CIRCUNSTÂNCIAS APROPRIADAS (Appropriete circumstances) DOUTRINA DAS INFELICIDADES DE AUSTIN (Doctrine of infelicities) 1. PROCEDIMENTO CONVENCINAL ACEITO 2. PESSOAS E CIRCUNSTÂNCIAS DETERMINADAS 3. PROCEDIMENTO EXECUTADO POR TODOS CORRETAMENTE 4. PENSAMENTO E INTENÇÃO DE AGIR CORRETAMENTE

11 AS REGRAS DOS ATOS DE FALA CONDIÇÕES NECESSÁRIAS E SUFICIENTES PARA O ÊXITO DE UM ATO ILOCUCIONÁRIO A PROMESSA 1. CONDIÇÕES GERAIS DE COMUNICAÇÃO (input e output) 2. ATO ILOCUCIONÁRIO DA PROMESSA Expressão, verdade do conteúdo proposicional, intenção, desejo, curso de ação não óbvio 3. CONDIÇÃO DE SINCERIDADE (Sincerity condition) Prometer sinceramente e acreditar no cumprimento

12 AS REGRAS DOS ATOS DE FALA 4. CONDIÇÃO ESSENCIAL (Essential condition) Com a promessa o falante coloca a obrigação de cumprir e o ouvinte reconhece essa intenção AS CONDIÇÕES DA PROMESSAS E OS DEMAIS ATOS ILOCUCIONÁRIOS CONDIÇÕES (preparatórias, sinceridade e essencial)

13 AS REGRAS DOS ATOS DE FALA O ATO DE FALA DA AFIRMAÇÃO O falante dispõe de dados para a verdade do afirmado (condição preparatória) O falante acredita na verdade do afirmado (condição de sinceridade) O estado de coisas afirmado existe (condição essencial)

14 OS JUÍZOS MORAIS COMO IMPERATIVOS A TEORIA DA LINGUAGEM DA MORAL DE R. M. HARE REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO MORAL ATOS DE FALA DESCRITIVOS ATOS DE FALA IMPERATIVAS Os atos de fala expressos no imperativo são prescritivos Juízos de dever são IMPERAÇÕES, pois concordar com eles implica aceitar uma regra ou princípio

15 OS JUÍZOS MORAIS COMO IMPERATIVOS PRINCÍPIO DA UNIVERLIZABILIDADE Objetos iguais devem ser designados por palavras iguais Fatos iguais devem receber o mesmo juízo de valor Se x é bom, pois tem as notas 1, 2, 3, tudo com essas notas deve ser designado como bom. A razão de que x é bom por essas notas implica para todos os casos ASSIM: uma razão G e a regra R implicam um juízo de dever ou um juízo moral

16 OS JUÍZOS MORAIS COMO IMPERATIVOS PRINCÍPIO DA PRESCRETIVIDADE A questão do conteúdo A parábola bíblica A Relação de transitividade REGRA DE OURO (troca de papéis) Quem julga deve, hipoteticamente, colocar-se no lugar de quem está sendo julgado e perguntar, a si mesmo, se ACEITA as consequencias da regra moral examinada

17 OS JUÍZOS MORAIS COMO IMPERATIVOS O JUIZ E O RÉU A troca de papéis não basta Consideração de todos os interesses e desejos Composição do equilíbrio de interesses Critérios de correção moral e justiça Dependência de uma forma de vida

18 AS RAZÕES PARA O JUÍZO MORAL RAZÕES PARA A JUSTIFICAÇÃO DE UM JUÍZO MORAL OU DE DEVER Um conjunto de DADOS com RAZÃO a justificação de JUÍZO DE DEVER BOAS RAZÕES e ARGUMENTOS VÁLIDOS A TEORIA DE STEPHEN TOULMIN Regras de inferência permitem a passagem de dados D para juízos de dever

19 AS RAZÕES PARA O JUÍZO MORAL Quem faz uma afirmação coloca a PRETENSÃO de ela deve ser ACEITA e que está em condições de JUSTIFICÁ-LA, caso lhe for solicitado. Quem diz o carro é vermelho ou você deve pagar o jantar deve APRESENTAR RAZÕES (fatos) para justificar esses juízos

20 AS RAZÕES PARA O JUÍZO MORAL LAYOUT DOS ARGUMENTOS Os dados D são apresentados como razões para suportar uma conclusão C A conclusão é garantida por regra de garantia W (Warrant) Se a regra de garantia W é coloca em dúvida, o falante deve apresentar uma outra regra de inferência para garantir a garantia B (Backing) O problema da justificação da regra fundamental

21 A TEORIA DO DISCURSO AS PROPOSIÇÕES NORMATIVAS SÃO PASSÍVEIS DE VERDADE A CORREÇÃO das proposições normativas como correspondente à VERDADE das proposições descritivas QUESTÕES PRÁTICAS são passíveis resolução RACIONAL no âmbito da ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA. AÇÃO COMUNICATIVA DIRIGIDA AO ACORDO OU MÚTUO ENTENDIMENTO

22 A TEORIA DO DISCURSO A força do melhor argumento obtida em uma SITUAÇÃO IDEAL DE FALA, pressupõe determinadas condições, as PRETENSÕES DE VALIDEZ, que devem ser observadas por todo aquele pretende se entender com alguém sobre algo no mundo O resultado de uma argumentação prática, que cumpre essas pretensões de validez, é um ACORDO RACIONAL E INTERSUBJETIVAMENTE CONTROLÁVEL

23 A TEORIA DO DISCURSO: AS PRETENSÕES DE VALIDEZ DA PRAGMÁTICA UNIVERSAL Qualquer pessoa que pretende se entender com alguém sobre algo no mundo deve colocar estas quatro pretensões de validez: 1. INTELIGIBILIDADE 2. VERDADE PROPOSICIONAL 3. VERACIDADE 4. CORREÇÃO NORMATIVA

24 A TEORIA DO DISCURSO: AS PRETENSÕES DE VALIDEZ DA PRAGMÁTICA UNIVERSAL 1. Todo falante deve se expressar de forma INTELIGÍVEL (verständlich), observando as regras gramaticais 2. Todo falante deve comunicar uma VERDADE (wahr), apresentando um conteúdo proposicional de algo existente que possa ser compartilhado com o ouvinte 3. Todo falante deve expressar suas intenções de forma verdadeira (Wahrhaftig) de modo que o ouvinte possa confiar no discurso

25 A TEORIA DO DISCURSO: AS PRETENSÕES DE VALIDEZ DA PRAGMÁTICA UNIVERSAL 4. Todo o falante deve colocar um discurso CORRETO (rechtig), sob normas e valores comuns existentes (base normativa comum) Uma AÇÃO COMUNICATIVA somente pode ser realizada se essas quatro PRETENSÕES DE VALIDEZ forem reciprocamente reconhecidas pelos participantes do discurso

26 A TEORIA DO DISCURSO: AÇÃO COMUNICATIVA AÇÃO COMUNICATIVA é ação de fala dirigida ao mútuo entendimento ou acordo intersubjetivamente racional, realizada sob as condições rigorosas dos pressupostos da pragmática universal O ACORDO não pode ser imposto por meio de uma influência externa Uma AÇÃO COMUNICATIVA coloca exigências cooperativas e comunicativas

27 A TEORIA DO DISCURSO: A RACIONALIDADE COMUNICATIVA A RACIONALIDADE COMUNICATIVA é a racionalidade da utilização comunicativa das expressões linguísticas caracterizada pelo discurso orientado para o entendimento É a racionalidade dos atos de fala vinculados às PRETENSÕES DE VALIDEZ na perspectiva da busca cooperativa do acordo sobre algo no mundo Acordo assentado na prática de DAR RAZÕES e APRESENTAR ARGUMENTOS

28 A TEORIA DO DISCURSO: A ÉTICA DO DISCURSO E A CORREÇÃO NORMATIVA ÉTICA DO DISCURSO Fundamenta o julgamento imparcial das questões morais a partir da práxis argumentativa e das condições ideais de fala Está assentada no PRINCÍPIO DA UNIVERSALIZAÇÃO e no PRINCÍPIO ÉTICO-DISCURSIVO

29 A TEORIA DO DISCURSO: A ÉTICA DO DISCURSO E A CORREÇÃO NORMATIVA PRINCÍPIO DA UNIVERSALIZAÇÃO Princípio moral assentado no IMPERATIVO CATEGÓRICO KANTIANO do caráter universal das normas morais São válidas as normas normais que exprimem uma VONTADE GERAL, que encontram o ASSENTIMENTO de todos

30 A TEORIA DO DISCURSO: A ÉTICA DO DISCURSO E A CORREÇÃO NORMATIVA PRINCÍPIO DA UNIVERSALIZAÇÃO As normas morais devem ser universais e merecer reconhecimento por parte de todos os por ela afetados São passíveis de universalização as normas que representam o INTERESSE COMUM de todos os atingidos Elas merecem RECONHECIMENTO INTERSUBJETIVO

31 A TEORIA DO DISCURSO: A ÉTICA DO DISCURSO E A CORREÇÃO NORMATIVA O princípio da universalização provoca a TROCA DE PAPÉIS, obrigando cada um dos afetados a ponderar os interesses em jogo a partir da perspectiva do interesse de todos As CONSEQUÊNCIAS ou EFEITOS COLATERAIS do cumprimento universal da norma, que resultam para cada um, devem ser aceitas por todos SEM QUALQUER COAÇÃO

32 A TEORIA DO DISCURSO: A ÉTICA DO DISCURSO E A CORREÇÃO NORMATIVA PRINCÍPIO ÉTICO-DISCURSIVO Somente pode ser válidas as normas poderiam obter a aprovação de todos enquanto participantes do discurso Uma norma somente pode pretender validez quando todos os afetados, enquanto participantes do discurso, cheguem a um acordo sobre sua validez mesma

33 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA 1. REGRAS FUNDAMENTAIS 2. REGRAS DA RAZÃO 3. REGRAS DA CARGA DA ARGUMENTAÇÃO 4. REGRAS DE FUNDAMENTAÇÃO 5. REGRAS DE TRANSIÇÃO

34 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS FUNDAMENTAIS Exigências colocadas em toda e qualquer atividade comunicativa com pretensão de verdade ou correção R..1. Nenhum falante pode se contradizer R.1.2. Cada falante somente pode afirmar aquilo que ele mesmo acredita R.1.3. Cada falante que aplica um predicado F a um objeto A, tem que estar preparado para aplicar esse mesmo predicado F também a qualquer outro objeto semelhante a A em seus aspectos importantes R.1.4. Diferentes falantes não podem usar a mesma expressão com significados diferentes

35 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS FUNDAMENTAIS A regra R.1.3, aplicada a expressões valorativas, assume esta formulação: R.1.3. Cada falante somente pode afirmar aqueles juízos de valor ou de dever a respeito de uma dada situação que igualmente estaria disposto a afirmar em relação a todas as outras situações semelhantes em aspectos relevantes com a situação dada. Essa é uma formulação do princípio da universalizabilidade

36 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DA RAZÃO As regras da razão estão relacionadas à exigência de fundamentação colocada a todo aquele falante que afirma algo e, com alguém, pretende estabelecer uma ação comunicativa a respeito de verdade ou correção A regra geral de fundamentação R.2 diz que cada o falante, quando lhe for solicitado, deve fundamentar o que afirma, a menos que possa aduzir razões que justifiquem sua recusa à fundamentação do afirmado

37 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DA RAZÃO R.2.1. Cada um que pode falar pode participar de discursos R.2.2.a. Cada um pode problematizar cada afirmação R.2.2.b. Cada um pode introduzir qualquer afirmação no discurso R.2.2.c. Cada um pode expressar suas opiniões, desejos e necessidades R.2.3. Nenhum falante pode, mediante coerção interna ou externa ao discurso, ser impedido de realizar os direitos determinados em R.2.1 e R.2.2

38 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DA CARGA DA ARGUMENTAÇÃO (MATERIAL) O princípio da universabilidade da regra R.1.3 e da regra de fundamentação R.2, autoriza a seguinte a regra R.3.1: quem pretende tratar uma pessoa A de maneira diferente da pessoa B está obrigado a fundamentar Uma razão para essa regra está em que tratar A diferente de B pressupõe uma diferença entre A e B e isso, a partir do colocado pela regra R.1.3, exige uma justificação

39 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DA CARGA DA ARGUMENTAÇÃO (PROCEDIMENTAIS) As regras procedimentais da carga de prova estão assentadas na ideia de continuidade e normalidade da vida intelectual e social Uma opinião já consolidada ou adotada como prevalente em relação a outras não deve ser abandonada sem uma justificação (princípio da inércia de Perelman) Desse modo, quando o falante afirma algo, os participantes do discurso, conforme a regra R.2, têm o direito de exigir uma fundamentação.

40 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DA CARGA DA ARGUMENTAÇÃO (PROCEDIMENTAIS) Quando uma proposição é pressuposta como verdadeira ou correta, mas isso não é afirmado expressamente, ela somente pode ser questionada se são apresentadas razões A regra R.3.2 diz que quem ataca uma proposição ou uma norma, que não é objeto de discussão, deve dar uma razão para isso

41 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DA CARGA DA ARGUMENTAÇÃO (PROCEDIMENTAIS) Se o falante apresenta uma razão, somente está obrigado a dar uma nova razão se novos contra-argumentos forem colocados Assim, a regra R.3.3 diz que quem apresenta um argumento, somente é obrigado a aduzir outros no caso de surgir um contra-argumento.

42 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DA CARGA DA ARGUMENTAÇÃO (PROCEDIMENTAIS) A regra R.3.4 que diz que quem introduz no discurso uma afirmação ou manifestação sobre suas opiniões, desejos e necessidades, que não está relacionada, como argumento, a uma manifestação precedente, deve, caso lhe seja solicitado, fundamentar porque introduziu essa afirmação ou manifestação

43 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DE FUNDAMENTAÇÃO As regras de fundamentação (Begründungsregeln) determinam diretamente o conteúdo das proposições e das regras mesmas A R diz que quem afirma uma proposição normativa que pressupõe uma regra para a satisfação dos interesses de outras pessoas, deve aceitar as consequências dessa mesma regra também no caso hipotético de que se encontre na mesma situação daquelas pessoas

44 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DE FUNDAMENTAÇÃO A regra R diz que as consequências de cada regra para a satisfação dos interesses de cada um e de todos os indivíduos devem poder ser aceitas por todos O que isso significa é que cada um deve poder estar de acordo com cada regra, ou seja, cada um deve concordar com cada regra

45 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DE FUNDAMENTAÇÃO A regra R diz que as consequências de cada regra para a satisfação dos interesses de cada um e de todos os indivíduos devem poder ser aceitas por todos O que isso significa é que cada um deve poder estar de acordo com cada regra, ou seja, cada um deve concordar com cada regra

46 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DE FUNDAMENTAÇÃO A R.2.1 diz que as regras morais, que servem de base para as concepções morais do falante, devem ser capazes de suportar à revisão de sua gênese histórica-crítica. Uma regra moral não suporta tal comprovação se: a) ela, primitivamente, era justificável racionalmente, mas perdeu, sua justificação b) ela, já, primitivamente, não era justificável racionalmente e também não existem para ela novas razões suficientes

47 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DE FUNDAMENTAÇÃO Essa revisão quanto à formação histórico-social das normas deve ser complementada pela revisão quanto ao desenvolvimento individual das concepções normativas, resultando A regra R.2.2, no sentido de que as regras morais, que servem de base para as concepções morais do falante, devem poder resistir à revisão de sua formação históricoindividual. Uma regra moral não suporta semelhante revisão se ela foi estabelecida somente sob condições de socialização não justificáveis, como aquelas em que o discurso não seja aberto material e subjetivamente

48 AS REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA: AS REGRAS DE TRANSIÇÃO R.6.1. Para qualquer falante, a qualquer momento, é possível passar a um discurso teórico (empírico) R.6.2. Para qualquer falante, a qualquer momento, é possível passar a um discurso analíticolinguístico (de análise da linguagem) R.6.3. Para qualquer falante, a qualquer momento, é possível passar a um discurso teórico-discursivo (de teoria do discurso).

A ÉTICA DO DISCURSO DE HABERMAS

A ÉTICA DO DISCURSO DE HABERMAS A ÉTICA DO DISCURSO DE HABERMAS Habermas procura responder à questão fundamental da filosofia moral e política, surgida de nossa compreensão moderna do mundo, quanto à possibilidade de existência de uma

Leia mais

Tópica Jurídica e Nova Retórica

Tópica Jurídica e Nova Retórica Tópica Jurídica e Nova Retórica FMP FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO TÓPICA JURÍDICA E NOVA RETÓRICA INTRODUÇÃO Tópica jurídica Theodor Viehweg publica Topik und Jurisprudenz

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A teoria discursiva de Jürgen Habermas Clayton Ritnel Nogueira I INTRODUÇÃO Uma teoria atinente à filosofia jurídica, que pode ser considerada em prol da integração social e, como

Leia mais

Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 3, pontos (3) e (4)

Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 3, pontos (3) e (4) Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 3, pontos (3) e (4) Referência: HABERMAS, Jürgen. Intermediate reflections: social action, purposive activity, and communication. In: HABERMAS, Jürgen.

Leia mais

Resenha Andrei Luiz Lodéa - UFSC

Resenha Andrei Luiz Lodéa - UFSC DUTRA, D. J. V. Razão e consenso em Habermas: teoria discursiva da verdade, da moral, do direito e da biotecnologia. 2ed. rev. e ampl. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2005. Resenha Andrei Luiz Lodéa - UFSC

Leia mais

Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 3, pontos (1) e (2)

Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 3, pontos (1) e (2) Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 3, pontos (1) e (2) Referência: HABERMAS, Jürgen. Interludio Primero: Acción Social, Actividad Teleológica y Comunicación. In:. Teoria de la Acción Comunicativa.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

REGENALDO RODRIGUES DA COSTA *

REGENALDO RODRIGUES DA COSTA * Recebido em fev. 2010 Aprovado em mai. 2010 AS REGRAS DO DISCURSO RACIONA PRÁTICO CONFORME AEXY REGENADO RODRIGUES DA COSTA * RESUMO O artigo tem como objetivo geral apresentar a teoria geral do discurso

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo NOÇÕES DE PRAGMÁTICA Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo 17.08.2015 Situando a Pragmática no seio das disciplinas da Linguística O aspecto pragmático

Leia mais

HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989

HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989 HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989 Rosane da Conceição Pereira 1 O sociólogo e filósofo, Jürgen Habermas, propõe uma teoria da comunicação como

Leia mais

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD

Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende COD COD CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) No caso específico da disciplina de FILOSOFIA, do 10º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível do

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

A ética discursiva e o caráter procedimental do discurso prático em Habermas

A ética discursiva e o caráter procedimental do discurso prático em Habermas A ética discursiva e o caráter procedimental do discurso prático em Habermas 9 Discourse ethics and procedural character of practical discourse on Habermas Cledes Antonio Casagrande * Eucledes Fábio Casagrande

Leia mais

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens?

Lógica Proposicional. 1- O que é o Modus Ponens? 1- O que é o Modus Ponens? Lógica Proposicional R: é uma forma de inferência válida a partir de duas premissas, na qual se se afirma o antecedente do condicional da 1ª premissa, pode-se concluir o seu

Leia mais

A Ética do Discurso e sua pretensão de universalidade

A Ética do Discurso e sua pretensão de universalidade A Ética do Discurso e sua pretensão de universalidade Ismar Dias de Matos, Unileste-MG O presente texto é uma reflexão sobre a necessidade de uma ética universalmente válida, que possa, fundamentada no

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Autonomia da vontade é aquela sua propriedade graças à qual ela é para si mesma a sua lei (independentemente da natureza dos objetos do querer). O princípio

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO

1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO 1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Admitindo que a história da filosofia é uma sucessão de paradigmas, a ordem cronológica correta da sucessão dos paradigmas na história

Leia mais

FILOSOFIA DA LINGUAGEM

FILOSOFIA DA LINGUAGEM FILOSOFIA DA LINGUAGEM O século XX poderia ser chamado de século da linguagem, pois nele se sobressaíram, dentre outros, filósofos como Ludwig Wittgenstein, com sua teoria semântica, Martin Heidegger,

Leia mais

Ética deontológica (do dever) de I. Kant. Influências

Ética deontológica (do dever) de I. Kant. Influências Ética deontológica (do dever) de I. Kant Influências Ética Kantiana Influências Iluminismo* Séc. XVII/XVIII ( 1650-1790) Revolução francesa Séc. XVIII (1789) Pietismo** Séc. XVII Física Newtoniana Sec.

Leia mais

10.º ano Maria Serafina Roque

10.º ano Maria Serafina Roque 10.º ano 2011-2012 Maria Serafina Roque As palavras e a linguagem têm um enorme poder nas nossas vidas, uma vez que, quando comunicamos, interagimos com os outros. Na maior parte das situações comunicativas,

Leia mais

Referência: HABERMAS, Jürgen. Relaciones con el mundo y aspectos de la racionalidad de la acción.

Referência: HABERMAS, Jürgen. Relaciones con el mundo y aspectos de la racionalidad de la acción. Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 1.3 Referência: HABERMAS, Jürgen. Relaciones con el mundo y aspectos de la racionalidad de la acción. In: HABERMAS, Jürgen. Teoría de la acción comunicativa

Leia mais

Filosofia da Comunicação:

Filosofia da Comunicação: MÍLOVIC, Míroslav. Filosofia da Comunicação: Para uma crítica da Modernidade. Tradução do manuscrito em inglês por Verrah Chamma. Brasília: Plano Editora, 2002, 310 p. Paulo Roberto Andrade de Almeida

Leia mais

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler ÍNDICE 1. Introdução... 5 2. Competências essenciais do aluno... 6 3. Como ler um texto... 7 4. Como ler uma pergunta... 8 5. Como fazer um trabalho... 9 6. Conteúdos/Temas 11.º Ano... 11 III Racionalidade

Leia mais

Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica

Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica Os pontos elencados são tópicos da obra de Norberto Bobbio, sempre presente nas provas dos concursos públicos, o que provavelmente se repetirá

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM NA BUSCA COMPREENSIVA DA RAZÃO NA ÉTICA DO DISCURSO DE HABERMAS

O USO DA LINGUAGEM NA BUSCA COMPREENSIVA DA RAZÃO NA ÉTICA DO DISCURSO DE HABERMAS O USO DA LINGUAGEM NA BUSCA COMPREENSIVA DA RAZÃO NA ÉTICA DO DISCURSO DE HABERMAS Guilherme dos Santos Prof. Antônio Tadeu Campos Bairros (Orientador) RESUMO Esse trabalho visa tratar do uso da linguagem

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES

JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES JURISPRUDÊNCIA DOS INTERESSES Sequência da Jurisprudência Teleológica, de Jhering: Direito vinculado a um determinado fim desejado pela sociedade. Decisões judiciais: objetivam satisfazer as necessidades

Leia mais

Entendimento e linguagem: uma compreensão da teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas

Entendimento e linguagem: uma compreensão da teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas Entendimento e linguagem: uma compreensão da teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas Andrei Luiz Lodéa Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Professor do departamento

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

DATA: VALOR: 20 pontos NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 pontos NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª EM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta atividade contém

Leia mais

Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 1.1, pontos (2) e (3)

Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 1.1, pontos (2) e (3) Habermas, Teoria da Ação Comunicativa, v. I, cap. 1.1, pontos (2) e (3) Referência: HABERMAS, Jürgen; Introducción: Accesos a la problemática de la racionalidad. 1 - Racionalidad : una determinación preliminar

Leia mais

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes

Objetividade e diálogo de culturas. A professora M. Clara Gomes Objetividade e diálogo de culturas A professora M. Clara Gomes A questão dos critérios valorativos levanta o problema da natureza dos juízos morais. O Subjetivismo moral é teoria que defende que os juízos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA OS FUNDAMENTOS DA ÉTICA CONTEMPORÂNEA NAS PERSPECTIVAS DE HABERMAS E TUGENDHAT Autor:

Leia mais

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos 6 Conclusão Foi visto no segundo capítulo que, de acordo com Raz, uma teoria dos sistemas envolve quatro questões diferentes: a questão de sua existência, de sua identidade, de sua estrutura e de seu conteúdo.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO ANOTAÇÕES DA AULA 2

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO ANOTAÇÕES DA AULA 2 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO ANOTAÇÕES DA AULA 2 DIREITO E MORAL Direito Mundo da Cultura Realizações Humanas Regras para ordenar a vida em sociedade atividade valorativa. SISTEMA ORGANIZADO DE VALORES

Leia mais

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade O PRINCÍPIO MORAL NA ÉTICA KANTIANA: UMA INTRODUÇÃO Jaqueline Peglow Flavia Carvalho Chagas Universidade Federal de Pelotas 1 Introdução O presente trabalho tem como propósito analisar a proposta de Immanuel

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FILOSOFIA MAIO 2017 Prova: 161 Escrita 10.º e 11.º de Escolaridade (Portaria n.º 207/2008, de 25 de Fevereiro - Cursos Tecnológicos de informática; Contabilidade

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 9 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

4 A democracia e o ordenamento jurídico.

4 A democracia e o ordenamento jurídico. 4 A democracia e o ordenamento jurídico. (...) o processo democrático de criação do direito constitui a única fonte pós-metafísica de legitimidade. Habermas. direito e democracia. 4.1. Uma razão comunicativa

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

Ética do Discurso em Jürgen Habermas: a Importância da Linguagem para um Agir Comunicativo

Ética do Discurso em Jürgen Habermas: a Importância da Linguagem para um Agir Comunicativo Ética do Discurso em Jürgen Habermas: a Importância da Linguagem para um Agir Comunicativo Ethics of discourse in Jürgen Habermas: the importance of language for communicative action MAUROZAN SOARES TEIXEIRA

Leia mais

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO-EXAME FILOSOFIA 2017 Exame a Nível de Escola 225 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características do exame

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA Mariluze Ferreira de Andrade e Silva Laboratório de Lógica e Epistemologia DFIME - UFSJ Resumo: Propomos investigar

Leia mais

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas Prova Escrita de Filosofia Versão A 10.º Ano de Escolaridade Março de 2016 Duração da prova: 90 minutos 3 Páginas Leia atentamente o enunciado Para cada resposta, identifique o grupo e o item. Apresente

Leia mais

FAMAT. Sobre os mundos de Habermas e sua ação comunicativa. Revista da ADPPUCRS

FAMAT. Sobre os mundos de Habermas e sua ação comunicativa. Revista da ADPPUCRS FAMAT Revista da ADPPUCRS Porto Alegre, nº. 5, p. 49-56, dez. 2004 Sobre os mundos de Habermas e sua ação comunicativa CARLOS EDUARDO DA CUNHA PINENT 1 RESUMO: Quando um indivíduo fala, numa iniciativa

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Camila Cardoso de Andrade

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Camila Cardoso de Andrade PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO Ementa do Grupo de Pesquisa Introdução à Filosofia Política de Jürgen Habermas Camila Cardoso

Leia mais

Ação linguístico-comunicativa e práticas discursivas em esferas públicas na sociedade em rede

Ação linguístico-comunicativa e práticas discursivas em esferas públicas na sociedade em rede 23 Ação linguístico-comunicativa e práticas discursivas em esferas públicas na sociedade em rede Language-communicative action and discursive practices in public spheres in the network society Úrsula Cunha

Leia mais

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura Adriano Bueno Kurle 1 1.Introdução A questão a tratar aqui é a do conceito de eu na filosofia teórica de Kant, mais especificamente na Crítica da

Leia mais

SIGNIFICADO E VERDADE (*)

SIGNIFICADO E VERDADE (*) Sfntese N9 32 - Pág. 33-47 SIGNIFICADO E VERDADE (*) Raul Ferreira Landim Filho I - A QUESTÃO DO SIGNIFICADO Sob a aparência de uma questão meramente lingüística o tema Significado e Verdade deixa transparecer

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia VERSÃO º Ano de Escolaridade. Prova 714/1.ª Fase. Entrelinha 1,5, sem figuras nem imagens, texto alinhado à esquerda

Prova Escrita de Filosofia VERSÃO º Ano de Escolaridade. Prova 714/1.ª Fase. Entrelinha 1,5, sem figuras nem imagens, texto alinhado à esquerda EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/1.ª Fase 14 Páginas Entrelinha 1,5, sem figuras nem imagens, texto

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

1. Quanto às afirmações abaixo, marque a alternativa CORRETA : I O direito é autônomo, enquanto a moral é heterônoma.

1. Quanto às afirmações abaixo, marque a alternativa CORRETA : I O direito é autônomo, enquanto a moral é heterônoma. P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO 1. Quanto às afirmações abaixo, marque a alternativa CORRETA : I O direito é autônomo, enquanto a moral é heterônoma. II O valor jurídico

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/202, de de julho Prova 74/2.ª Fase Critérios de Classificação Páginas 20 Prova 74/2.ª F. CC

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/2.ª Fase. Critérios de Classificação

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/2.ª Fase. Critérios de Classificação EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/202, de de julho Prova 74/2.ª Fase Critérios de Classificação Páginas 20 Prova 74/2.ª F. CC

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 2014 / 2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR ANO LETIVO de 014 / 015 PLANIFICAÇÃO de Filosofia 10º ANO Gestão Temporal do Programa UNIDADE CONTEÚDO LETIVOS I Módulo inicial II A acção humana e os valores 1.

Leia mais

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 PROVA 225 Cursos Científicos Humanísticos Artigo 20.º do Decreto- Lei n.º 3 / 2008, de 7 de janeiro 11.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 120 minutos

Leia mais

O conceito de sujeito de direito em paul ricoeur

O conceito de sujeito de direito em paul ricoeur O conceito de sujeito de direito em paul ricoeur Autore: Maria Cristina Vidotte Blanco Tarrega In: Diritto straniero Introdução Desde que as relações jurídicas passaram a ser classificadas e escritas em

Leia mais

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Filosofia 2016 Prova 161 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Relatório Final de Pesquisa PIBIC

Relatório Final de Pesquisa PIBIC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA Relatório Final de Pesquisa PIBIC Nome do Bolsista: Renato Luiz Atanazio Ferreira Matrícula: 0911459 Orientador: Prof. Ludovic

Leia mais

Dignidade Humana e Justiça Social

Dignidade Humana e Justiça Social Dignidade Humana e Justiça Social Francisco José Vilas Bôas Neto Francisco José Vilas Bôas Neto Dignidade Humana e Justiça Social Belo Horizonte 2013 Lista de Siglas 1) CKTM Construtivismo Kantiano na

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

INDUÇÃO ULTRAFORTE: EPISTEMOLOGIA DO SUBJETIVO

INDUÇÃO ULTRAFORTE: EPISTEMOLOGIA DO SUBJETIVO INDUÇÃO ULTRAFORTE: EPISTEMOLOGIA DO SUBJETIVO Felipe Sobreira Abrahão Doutorando, HCTE UFRJ E-mail: felipesabrahao@gmail.com 1. INTRODUÇÃO A problemática do raciocínio indutivo é abordada pelos pensadores

Leia mais

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS Prof. Dr. João Carlos Medeiros de Aragão Currículo Lattes: Lattes.cnpq.br/49114444160 OBJETIVOS Objetiva-se apresentar a definição de Sistema Jurídico, com base

Leia mais

SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE KANT E HABERMAS; A PASSAGEM DA ÉTICA DA CONSCIÊNCIA À ÉTICA DO DISCURSO

SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE KANT E HABERMAS; A PASSAGEM DA ÉTICA DA CONSCIÊNCIA À ÉTICA DO DISCURSO Semelhanças e Diferenças entre Kant e Habermas SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE KANT E HABERMAS; A PASSAGEM DA ÉTICA DA CONSCIÊNCIA À ÉTICA DO DISCURSO Andrei Zanon 1 Marcio G. Trevisol 2 58 RESUMO: O presente

Leia mais

Searle: Intencionalidade

Searle: Intencionalidade Searle: Intencionalidade Referências: Searle, John, The background of meaning, in Searle, J., Kiefer, F., and Bierwisch, M. (eds.), Speech Act Theory and Pragmatics, Dordrecht, Reidel, 1980, pp 221-232.

Leia mais

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Questão nº 1 - Resposta B Justificativa: O amante do mito é de certo modo também um filósofo, uma vez que o mito se compõe de maravilhas

Leia mais

Direito das Obrigações

Direito das Obrigações Direito das Obrigações Kauísa Carneiro ZANFOLIN RESUMO: Trata-se de obrigações das quais acarretam consequências jurídicas, são tratadas pela parte especial do Código Civil. Corresponde a uma relação de

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/0, de de julho Prova 74/Época Especial Critérios de Classificação Páginas 06 Prova 74/E. Especial

Leia mais

Filosofia 10º Ano Ano letivo de 2015/2016 PLANIFICAÇÃO

Filosofia 10º Ano Ano letivo de 2015/2016 PLANIFICAÇÃO I Iniciação à Atividade Filosófica 1. Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar PERCURSOS 10.º ANO Competências a desenvolver/objectivos a concretizar Recursos Estratégias Gestão 1.1. O que é a

Leia mais

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture

Filosofia e Ética. Professor Ronaldo Coture Filosofia e Ética Professor Ronaldo Coture Quais os conceitos da Disciplina de Filosofia e Ética? Compreender os períodos históricos do pensamento humano. Conceituar a teoria axiológica dos valores. Conceituar

Leia mais

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL)

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL) OPERDORES MODIS (N INTERFCE LÓGIC E LINGUGEM NTURL) Jorge Campos & na Ibaños Resumo: É muito comum que se fale em lógica em seu sentido trivial e no uso cotidiano da nossa linguagem. Mas, como se supõe

Leia mais

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÂO E CIÊNCIA DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia 10.º e 11.º

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA

LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA RENÉ DESCATES (1596-1650) HANS KELSEN (1881-1973) Kelsen pregava uma objetividade ao ordenamento jurídico, a tal ponto que o juiz, ao prolatar uma sentença, por exemplo,

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO

O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL GUSTAVO GUSMÃO O DIREITO E A MORAL Um dos temas mais interessantes abordados pela Filosofia Jurídica abrange a questão da relação entre o direito e a moral, permitindo uma infinita

Leia mais

3 O primado da intersubjetividade: a razão comunicativa e a discussão habermasiana sobre o direito.

3 O primado da intersubjetividade: a razão comunicativa e a discussão habermasiana sobre o direito. 3 O primado da intersubjetividade: a razão comunicativa e a discussão habermasiana sobre o direito. Depois de Hegel, a razão dos filósofos, convertida em razão falível, tão pouco conhece uma resposta melhor.

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro

Maria da Conceição Muniz Ribeiro Maria da Conceição Muniz Ribeiro O cidadão é um ator na construção da sociedade, é uma pessoa revestida de plenos direitos civis, politicos e sociais, e a pessoa tem a obrigação de trabalhar pela proteção

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: MORAL E ÉTICA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: MORAL E ÉTICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: MORAL E ÉTICA PROFESSOR : Romilson Lopes Sampaio MORAL E ÉTICA Etimologia Ética é originada

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se:

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se: Convenções Referências Burge, Tyler, On knowledge and convention, The Philosophical Review, 84 (2), 1975, pp 249-255. Chomsky, Noam, Rules and Representations, Oxford, Blackwell, 1980. Davidson, Donald,

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO 1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO QUESTÃO 1 - Sobre o positivismo é CORRETO dizer que: P á g i n a 1 A. Para o positivismo a teoria do direito deve ser caracterizada por propriedades valorativas,

Leia mais

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização Informação-prova FILOSOFIA 2018 Prova 714 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do ensino secundário

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica. Diálogo igualitário. Ação comunicativa.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica. Diálogo igualitário. Ação comunicativa. A COMPREENSÃO DO DIÁLOGO IGUALITÁRIO ATRAVÉS DA TEORIA DA AÇÃO COMUNICATIVA: CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA 1 Resumo Vanessa Gabassa² Luana Mendes de Oliveira³ Pôster GT - Diálogos Abertos sobre

Leia mais

A TEORIA MORAL DE HABERMAS COMO UMA ÉTICA DO DISCURSO Jair André Turcatto 1 Deise Josene Stein 2

A TEORIA MORAL DE HABERMAS COMO UMA ÉTICA DO DISCURSO Jair André Turcatto 1 Deise Josene Stein 2 A TEORIA MORAL DE HABERMAS COMO UMA ÉTICA DO DISCURSO Jair André Turcatto 1 Deise Josene Stein 2 Resumo: A questão da ética tornou-se um dos principais assuntos da atualidade frente ao cenário castigado

Leia mais

Grupo de Reflexão Ética APCP

Grupo de Reflexão Ética APCP Grupo de Reflexão Ética APCP Processo de tomada de decisão Problema Decisão/ Deliberação Ato: Intervenção profissional Diagnóstico Deliberação Intervenções Diagnóstico Deliberação: Qual o plano terapêutico

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

161 FILOSOFIA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

161 FILOSOFIA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 161 FILOSOFIA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano: 2013 10º e 11º anos 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Atendimento ao Público

Atendimento ao Público Atendimento ao Público Padrões de atitude, amoralidade e imoralidade Professora Amanda Lima Tegon www.acasadoconcurseiro.com.br Atendimento ao Público MORAL, MORALIDADE, AMORALIDADE E IMORALIDADE A moral

Leia mais

Deficiência Mental: Contribuições de uma perspectiva de justiça centrada nos funcionamentos.

Deficiência Mental: Contribuições de uma perspectiva de justiça centrada nos funcionamentos. Deficiência Mental: Contribuições de uma perspectiva de justiça centrada nos funcionamentos. Alexandre da Silva Costa Estudo que faz uma análise acerca das contribuições da perspectiva de justiça baseada

Leia mais

OS ATOS ILOCUTÓRIOS DO BAH

OS ATOS ILOCUTÓRIOS DO BAH OS ATOS ILOCUTÓRIOS DO BAH Gabrielle Perotto de Souza da Rosa Patricia de Andrade Neves Patrícia Martins Valente RESUMO: O presente trabalho pretende analisar as diferentes entonações e interpretações

Leia mais

O CONSENSO COMO PERSPECTIVA DE EMANCIPAÇÃO IMPLICAÇÕES EDUCATIVAS A PARTIR DA TEORIA DA AÇÃO COMUNICATIVA DE HABERMAS GOMES

O CONSENSO COMO PERSPECTIVA DE EMANCIPAÇÃO IMPLICAÇÕES EDUCATIVAS A PARTIR DA TEORIA DA AÇÃO COMUNICATIVA DE HABERMAS GOMES O CONSENSO COMO PERSPECTIVA DE EMANCIPAÇÃO IMPLICAÇÕES EDUCATIVAS A PARTIR DA TEORIA DA AÇÃO COMUNICATIVA DE HABERMAS GOMES, Luiz Roberto UNITRI luizroberto.gomes@gmail.com GT: Filosofia da Educação /

Leia mais