IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO"

Transcrição

1 AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado DIREITOS em aula RESERVADOS) é, meramente, uma contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO I) TEORIA DO CONHECIMENTO Crítica da Razão Pura ; BUSCA ENTENDER A RAZÃO, SEUS PRINCÍPIOS E ESTRUTURA (O QUE CABE A RAZÃO? QUAIS OS LIMITES DO CONHECIMENTO?); O que posso saber? (AS FONTES DO SABER HUMANO, OS LIMITES DA RAZÃO); O que posso fazer? (A EXTENSÃO DO USO POSSÍVEL E ÚTIL DE TODO SABER); REVOLUÇÃO COPERNICANA DE KANT MUDANÇA NA RELAÇÃO DE CONHECIMENTO; NÃO É O SUJEITO QUE SE ORIENTA PELO OBJETO, MAS SIM O OBJETO QUE É DETERMINADO PELO SUJEITO; COPÉRNICO: percebendo que não conseguia explicar os movimentos do céu admitindo que todo o exército das estrelas girasse em volta do espectador, tentou ver se não seria mais bemsucedido fazendo girar o espectador e deixando as estrelas imóveis SUBSTITUIÇÃO DA HIPÓTESE REALISTA PELA IDEALISTA PELO IDEALISMO O ESPÍRITO (HUMANO) INTERVÉM NA ELABORAÇÃO DO CONHECIMENTO; O REAL É RESULTADO DE UMA CONSTRUÇÃO (A MENTE É UM FILTRO QUE DETERMINA NOSSA VISÃO DO MUNDO); FILOSOFIA TRANSCENDENTAL DISTINGUE O USO COGNITIVO DA RAZÃO (CONHECIMENTO DO REAL) DE SEU USO ESPECULATIVO (EXEMPLO: O MUNDO DAS IDEIAS DE PLATÃO); IDEALISMO TRANSCENDENTAL Chamo transcendental a todo conhecimento que se ocupa, não propriamente, com objetos, mas com nossos conceitos a priori de objetos em geral ; TRANSCENDENTAL SE OPÕE A EMPÍRICO; O CONHECIMENTO DO OBJETO ENVOLVE A CONTRIBUIÇÃO DA SENSIBILIDADE (NOSSA CAPACIDADE DE EXPERIMENTAR DIRETAMENTE COISAS PARTICULARES NO ESPAÇO E NO TEMPO Intuições ) E DO ENTENDIMENTO (NOSSA CAPACIDADE DE TER E USAR CONCEITOS);

2 DUAS MODALIDADES DE REALIDADE NÚMENO: AQUILO QUE NÃO É DADO À SENSIBILIDADE, NEM AO ENTENDIMENTO, MAS É AFIRMADO PELA RAZÃO (REGULADORA), SEM BASE NA EXPERIÊNCIA E NO ENTENDIMENTO ( A COISA EM SI ); O PENSAMENTO KANTIANO SE OPÕE A METAFÍSICA, POIS ESTA NÃO CHEGARÁ A UMA VERDADE, POR FALTA DE EXPERIÊNCIA, GERANDO ANTINOMIAS (CONFLITOS E QUESTÕES INSOLÚVEIS) E PARALOGISMOS (RACIOCÍNIOS DEFEITUOSOS); FENÔMENO: O QUE SE APRESENTA AO SUJEITO DO CONHECIMENTO NA EXPERIÊNCIA, COM AS FORMAS DO ESPAÇO E DO TEMPO (A IDEIA DE ESPAÇO E TEMPO ESTÁ EM NÓS, SERES HUMANOS), é a coisa para nós ; a intuição sem conceitos é cega, os conceitos sem intuição são vazios SENSIBILIDADE: SOMOS AFETADOS ATRAVÉS DE OBJETOS DADOS A NOSSA INTUIÇÃO (SENSAÇÃO); ENTENDIMENTO: OBJETOS SÃO PENSADOS NOS CONCEITOS; EM POSSE DO CONHECIMENTO O HOMEM EMITE JUÍZOS; JUÍZOS JUÍZOS ANALÍTICOS: FORNECEM UMA DEFINIÇÃO, UM CONCEITO (EXEMPLO: TODO TRIÂNGULO TEM TRÊS ÂNGULOS); SÃO, PORTANTO, A PRIORI (ANTES DA EXPERIÊNCIA); JUÍZO SINTÉTICO: DEPENDEM DA EXPERIÊNCIA, PORTANTO A POSTERIORI; POSSIBILITAM A EXPANSÃO DE NOSSO CONHECIMENTO (EXEMPLO: A ÁGUA FERVE A 100 CENTRÍGRADOS); JUÍZO SINTÉTICO A PRIORI: JUÍZOS UNIVERSAIS E NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DE MAIS CONHECIMENTO (EXEMPLO: TODO FENÔMENO TEM UMA CAUSA ENORME PROBALIDADE DE O SOL NASCER AMANHÃ); CAUSALIDADE PRIMEIRA REGRA DO ENTENDIMENTO HUMANO (A CAUSALIDADE ESTÁ EM NÓS, NÃO NA NATUREZA); TODO FENÔMENO TEM UMA CAUSA E APRESENTA-SE NO ESPAÇO E NO TEMPO FENÔMENOS SÓ PODEM SER PENSADOS DENTRO DAS CATEGORIAS.

3 SÍNTESE ENTRE RACIONALISMO E EMPIRISMO O CONHECIMENTO SURGE DA COMBINAÇÃO ENTRE RAZÃO E FENÔMENO (A CIÊNCIA PROSPEROU POR BASEAR-SE NA MATEMÁTICA E NA FÍSICA); CIÊNCIA ATIVIDADE QUE BUSCA ESTABELECER UMA RELAÇÃO ENTRE AS FORMAS GERAIS DA RAZÃO (ENTENDIMENTO) E O MUNDO DOS FENÔMENOS (OS OBJETOS QUE SE APRESENTAM À NÓS); A FILOSOFIA BUSCA INDAGAR AS RAZÕES QUE TORNAM POSSÍVEL O CONHECIMENTO. II) FILOSOFIA MORAL (CRÍTICA DA RAZÃO PRÁTICA) NA RAZÃO CRÍTICA SOMOS LIMITADOS PELAS CONDIÇÕES DE NOSSO CONHECIMENTO; NA RAZÃO PRÁTICA SOMOS LIVRES; A MORALIDADE NÃO DIZ RESPEITO APENAS A O QUE FAZER, MAS TAMBÉM A POR QUE FAZER; QUEM IMAGINA FAZER A COISA CERTA NÃO DEVE FAZÊ-LO APENAS POR SENTIMENTOS, MAS SIM BASEAR SUA AÇÃO NA RAZÃO;

4 ÉTICA DO DEVER KANT PENSA QUE OS PRINCÍPIOS ÉTICOS SÃO DEDUZIDOS DA RAZÃO HUMANA E, POR CONTA DISSO, SÃO NECESSÁRIOS, IMUTÁVEIS E UNIVERSAIS; MÁXIMA UNIVERSAL? PERGUNTE A SI MESMO: e se todos fizessem isso? ; DEVER É A OBEDIÊNCIA A UM PRINCÍPIO ÉTICO, DETERMINADO PELA RAZÃO PRÁTICA. PRINCÍPIOS ÉTICOS: IMPERATIVOS CATEGÓRICOS 1. AQUELES QUE AGEM DE TAL FORMA QUE SUA AÇÃO POSSA SER CONSIDERADA COMO NORMA UNIVERSAL ; 2. AQUELES QUE AGEM DE TAL FORMA QUE SUA AÇÃO TOME A HUMANIDADE COMO UM FIM E NÃO COMO MEIO. IMPERATIVOS HIPOTÉTICOS POSSUEM CARÁTER PRÁTICO, SÃO REGRAS PARA SE CONQUISTAR UM OBJETIVO ( Se você quiser ter credibilidade, cumpra suas promessas ). PRINCÍPIOS REGULATIVOS PARA A RAZÃO PRÁTICA 1. CRENÇA EM DEUS (POSSIBILITA O SUPREMO BEM, RECOMPENSAR A VIRTUDE COM A FELICIDADE); 2. LIBERDADE (UMA CONDIÇÃO PARA O IMPERATIVO CATEGÓRICO, LIBERTANDO- NOS DE NOSSAS INCLINAÇÕES E DESEJOS) 3. IMORTALIDADE DA ALMA (NECESSÁRIA, POIS NO MUNDO EM QUE VIVEMOS VIRTUDE E FELICIDADE NÃO COINCIDEM) ECOS DE ARISTÓTELES Todas as capacidades naturais de uma criatura são destinadas a desenvolver-se completamente até a sua finalidade natural ESCLARECIMENTO A preguiça e a covardia são as causas pelas quais uma tão grande parte dos homens, depois que a natureza de há muito os libertou de uma direção estranha, continuem, no entanto de bom grado menores durante toda a vida. São também as causas que explicam porque é tão fácil que os outros se constituam em tutores deles. É tão cômodo ser menor. [...] Para este esclarecimento, porém, nada mais se exige senão liberdade. E a mais inofensiva entre tudo aquilo que se possa chamar liberdade, a saber: a de fazer um uso público de sua razão em todas as questões.

5 HISTÓRIA: LEI NATURAL DO PROGRESSO MORAL KANT DEFENDIA QUE O PROGRESSO HUMANO ESTIMULA UM APERFEIÇOAMENTO DA MORAL; Finalidade secreta da Natureza O ANTAGONISMO, A COMPETIÇÃO E A CRUELDADE (MESMO EM GUERRAS) GERAM REAÇÕES EM DIREÇÃO À PAZ (DIALÉTICA KANTIANA); POLÍTICA E MORAL Paz Perpétua ; DEFENDEU A CRIAÇÃO DE UMA Confederação de Estados Livres, UMA Liga das Nações para a Paz. (OBS: O CONTEÚDO PODE SER MODIFICADO DURANTE AS AULAS) RUBENS RAMIRO JR Professor de FILOSOFIA, SOCIOLOGIA, HISTÓRIA, GEOPOLÍTICA E ATUALIDADES.

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

Kant e a filosofia crítica. Professora Gisele Masson UEPG

Kant e a filosofia crítica. Professora Gisele Masson UEPG Kant e a filosofia crítica Programa de Pós-Graduação em Educação Professora Gisele Masson UEPG Immanuel Kant (1724-1804) Principais obras Crítica da razão pura - 1781 Fundamentação da Metafísica dos Costumes

Leia mais

Preocupações do pensamento. kantiano

Preocupações do pensamento. kantiano Kant Preocupações do pensamento Correntes filosóficas Racionalismo cartesiano Empirismo humeano kantiano Como é possível conhecer? Crítica da Razão Pura Como o Homem deve agir? Problema ético Crítica da

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA 1. A VIDA DE EMANUEL KANT (1724 1804) Nasceu em Königsberg, cidade da Prússia, em 1724. A condição de sua família era modesta. Foi educado no Colégio

Leia mais

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Autonomia da vontade é aquela sua propriedade graças à qual ela é para si mesma a sua lei (independentemente da natureza dos objetos do querer). O princípio

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

O Conceito de Esclarecimento Segundo Kant

O Conceito de Esclarecimento Segundo Kant O Conceito de Esclarecimento Segundo Kant Immanuel Kant escreve um artigo tentando responder a pergunta O que é? Segundo Kant, é a saída do homem de sua menoridade. Menoridade esta que é a incapacidade

Leia mais

Origem do conhecimento

Origem do conhecimento 1.2.1. Origem do conhecimento ORIGEM DO CONHECIMENTO RACIONALISMO (Racionalismo do século XVII) EMPIRISMO (Empirismo inglês do século XVIII) Filósofos: René Descartes (1596-1650) Gottfried Leibniz (1646-1716)

Leia mais

Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão.

Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão. Estudaremos o papel da razão e do conhecimento na filosofia de Immanuel Kant; Hegel e o idealismo alemão. Kant e a crítica da razão Nós s e as coisas Se todo ser humano nascesse com a mesma visão que você

Leia mais

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 13) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 13) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com (...) embora todo conhecimento comece com a experiência, nem por isso ele se origina justamente da experiência. Pois poderia bem acontecer

Leia mais

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura Adriano Bueno Kurle 1 1.Introdução A questão a tratar aqui é a do conceito de eu na filosofia teórica de Kant, mais especificamente na Crítica da

Leia mais

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB RESUMO Filosofia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

Professor Ricardo da Cruz Assis Filosofia- Ensino Médio IMMANUEL KANT

Professor Ricardo da Cruz Assis Filosofia- Ensino Médio IMMANUEL KANT Professor Ricardo da Cruz Assis Filosofia- Ensino Médio IMMANUEL KANT Nasceu em 1724 em Könisberg, na Prússia Oriental. Könisberg, foi a cidade onde viveu, onde estudou e onde ensinou. Começou por estudar

Leia mais

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR )

MICHEL FOUCAULT ( ) ( VIGIAR E PUNIR ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. RUBENS Todo RAMIRO exemplo JR (TODOS citado

Leia mais

Para despertar o interesse dos alunos para o tema abordado, será proposto o seguinte exercício:

Para despertar o interesse dos alunos para o tema abordado, será proposto o seguinte exercício: Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: Empirismo e Criticismo Nesta aula espera-se que através das atividades reflexivas e investigações textuais, os alunos possam desenvolver, além dos conceitos

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano

Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Principais ideias de Kant Capítulo 7-8ºano Tudo o que aparece na nossa mente, as representações ou os fenômenos, aparece sob certas condições. Os fenômenos dependem das impressões sensíveis e de nossa

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

Kant e a Razão Crítica

Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica Kant e a Razão Crítica 1. Leia o texto a seguir. Kant, mesmo que restrito à cidade de Königsberg, acompanhou os desdobramentos das Revoluções Americana e Francesa e foi levado a

Leia mais

Os Princípios da Razão a partir da Crítica da Razão Pura de Kant

Os Princípios da Razão a partir da Crítica da Razão Pura de Kant Os Princípios da Razão a partir da Crítica da Razão Pura de Kant The Principles of Reason as from the Critique of Pure Reason from Kant MOHAMED F. PARRINI MUTLAQ 1 Resumo: O artigo aborda sobre os reais

Leia mais

ÉMILE DURKHEIM ( )

ÉMILE DURKHEIM ( ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo exemplo JR (TODOS citado

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões

Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões Direito, Justiça, Virtude Moral & Razão: Reflexões Maria de Assis Straseio * A obra do professor Moacyr Motta da Silva trata, com objetividade, em linguagem científica, de temas de interesse de pesquisadores,

Leia mais

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade O PRINCÍPIO MORAL NA ÉTICA KANTIANA: UMA INTRODUÇÃO Jaqueline Peglow Flavia Carvalho Chagas Universidade Federal de Pelotas 1 Introdução O presente trabalho tem como propósito analisar a proposta de Immanuel

Leia mais

FILOSOFIA CRÍTICA Prof. Anderson W.

FILOSOFIA CRÍTICA Prof. Anderson W. IMMANUEL KANT FILOSOFIA CRÍTICA Prof. Anderson W. 476 QUEDA DE ROMA 1789 REVOLUÇÃO FRANCESA PRÉ- HISTÓRIA IDADE ANTIGA IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE CONTEMP. 4.000 a.c. INVENÇÃO DA ESCRITA 1453 QUEDA

Leia mais

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1

LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 1 LIBERDADE E MORALIDADE EM KANT 1 Diego Carlos Zanella 2 Liliana Souza de Oliveira 3 Resumo: O texto tem a pretensão de discorrer sobre um dos principais problemas da ética kantiana, a saber, como é possível

Leia mais

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA 25 ÉTICA KANTIANA: A IMPORTÂNCIA DA TEORIA DE KANT SOBRE ÉTICA PARA A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA Carolina Saito Danilo Galan Favoretto Ricardo Camarotta Abdo RESUMO: O presente trabalho tem como principal

Leia mais

KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA. Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense

KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA. Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense KANT: A DISTINÇÃO ENTRE METAFÍSICA E CIÊNCIA Marcos Vinicio Guimarães Giusti Instituto Federal Fluminense marcos_giusti@uol.com.br Resumo: A crítica kantiana à metafísica, diferentemente do que exprimem

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

Filosofia Geral e Jurídica Prof. Matheus Passos Silva

Filosofia Geral e Jurídica Prof. Matheus Passos Silva Immanuel Kant Filosofia Geral e Jurídica Prof. Matheus Passos Silva ANDRADE, Regis de Castro. Kant: a liberdade, o indivíduo e a república. In: WEFFORT, Francisco C. (org.). Os clássicos da política. Volume

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant

Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant 72 Crítica do conhecimento teórico e fundamentação moral em Kant João Emiliano Fortaleza de Aquino I Filosofia crítica e metafísica Ao Fábio, com amor. A metafísica, tal como Kant a entende, 1 não teria

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE FILOSOFIA Currículo Novo (a partir de 2010/1) NÍVEL I HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA Reflexão acerca da transição do pensamento mítico ao filosófico. Estudo de problemas, conceitos e

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS FILOSOFIA - BACHARELADO PADRÃO DE RESPOSTA a) aborde pelo menos duas das seguintes consequências: aumento da emissão de poluentes atmosféricos; aumento da emissão de gases de efeito

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

Como o empirista David Hume as denominam. O filósofo contemporâneo Saul Kripke defende a possibilidade da necessidade a posteriori.

Como o empirista David Hume as denominam. O filósofo contemporâneo Saul Kripke defende a possibilidade da necessidade a posteriori. Disciplina: Filosofia Curso: Comunicação Social 1º ano Prof. Esp. Jefferson Luis Brentini da Silva A Estética A Estética Transcendental de Immanuel Kant 13/05/2014 Pretendo inicialmente produzir uma consideração

Leia mais

Immanuel Kant. Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis".

Immanuel Kant. Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis. Immanuel Kant Como é possível o conhecimento? O conhecimento é possível porque o homem possui faculdades que o tornam possíveis". Em Kant, há duas principais fontes de conhecimento no sujeito: A sensibilidade,

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

1 OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA

1 OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL EVERARDO BACKHEUSER DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: CARLOS WEINMAN TURMA: 1ª, 2ª E 3ª SÉRIE ANO LETIVO: 2014 1 OBJETIVO GERAL

Leia mais

Sócrates: após destruir o saber meramente opinativo, em diálogo com seu interlocutor, dava início ã procura da definição do conceito, de modo que, o

Sócrates: após destruir o saber meramente opinativo, em diálogo com seu interlocutor, dava início ã procura da definição do conceito, de modo que, o A busca da verdade Os filósofos pré-socráticos investigavam a natureza, sua origem de maneira racional. Para eles, o princípio é teórico, fundamento de todas as coisas. Destaca-se Heráclito e Parmênides.

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FILOSOFIA DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60110) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas

Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Capítulo 4 Os problemas do inatismo e do empirismo: soluções filosóficas Inatismo e empirismo: questões e respostas Vimos, no capítulo anterior, que a razão enfrenta problemas sérios quanto à sua intenção

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

O. 8. BITTÇ~R EDU~RDO. Curso de Etica Jurídica. É ti c a geral e profissional. 12ª edição, revista, atualizada e modificada ..

O. 8. BITTÇ~R EDU~RDO. Curso de Etica Jurídica. É ti c a geral e profissional. 12ª edição, revista, atualizada e modificada .. EDU~RDO O. 8. BITTÇ~R "" Curso de Etica Jurídica É ti c a geral e profissional 12ª edição, revista, atualizada e modificada.. ~ o asaraiva SUMÁRIO Prefácio... 15 Apresentação... 19 PARTE I-Ética Geral

Leia mais

Unidade 04. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 04. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 04 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Apresentar o período moderno da filosofia que contribuiu como base pré-científica para o desenvolvimento da Psicologia.

Leia mais

Aristóteles e o Espanto

Aristóteles e o Espanto Aristóteles e o Espanto - Para Aristóteles, uma condição básica para o surgimento do conhecimento no homem era o espanto, o qual poderia gerar toda condição para o conhecimento e a elaboração de teorias.

Leia mais

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL ( )

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL ( ) AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado

Leia mais

O CRITICISMO KANTIANO: uma abordagem para a filosofia da educação

O CRITICISMO KANTIANO: uma abordagem para a filosofia da educação O CRITICISMO KANTIANO: uma abordagem para a filosofia da educação The Kantian criticism: an approach to the Philosophy of Education Marcos Resende da Silva 1 Resumo: A perspectiva da filosofia da educação

Leia mais

A teoria do prazer na introdução à Crítica da Faculdade do Juízo

A teoria do prazer na introdução à Crítica da Faculdade do Juízo A teoria do prazer na introdução à Crítica da Faculdade do Juízo The theory of pleasure in the introduction to the Critic of Power of Judgment Danilo Citro Mestrando pela Universidade Federal de Ouro Preto

Leia mais

Kant: Filosofia Como Sistema E O A Priori Problema Teòrico E Prático

Kant: Filosofia Como Sistema E O A Priori Problema Teòrico E Prático 132 Kant: Filosofia Como Sistema E O A Priori Problema Teòrico E Prático (Kantian philosophy as a System, whose fundamental concern a priori- Theoretical and Practical Problem) Gondim, Raphael and Lima,

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

LISTA - KANT. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir.

LISTA - KANT. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. As leis morais juntamente com seus princípios não só se distinguem essencialmente, em todo o conhecimento prático, de tudo o mais onde haja um elemento empírico qualquer,

Leia mais

KANT: FILOSOFIA COMO SISTEMA E O A PRIORI PROBLEMA TEÒRICO E PRÁTICO

KANT: FILOSOFIA COMO SISTEMA E O A PRIORI PROBLEMA TEÒRICO E PRÁTICO KANT: FILOSOFIA COMO SISTEMA E O A PRIORI PROBLEMA TEÒRICO E PRÁTICO RAPHAEL GONDIM MACHADO LIMA Bacharel em Direito pela Universidade estadual do Piauí (Portugal) Resumo: Neste artigo apontaremos a filosofia

Leia mais

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento Tema 1: O enfoque do Positivismo para a Educação Professora Ma. Mariciane Mores Nunes As origens da Sociologia Sociologia: ciência que explica a dinâmica das sociedades contemporâneas. Envolve: herança

Leia mais

Kalagatos - Revista de Filosofia. Fortaleza, CE, v. 12 n. 23, Inverno Os limites do conhecimento humano na

Kalagatos - Revista de Filosofia. Fortaleza, CE, v. 12 n. 23, Inverno Os limites do conhecimento humano na Recebido em ago. 2015 Aprovado em out. 2015 Os limites do conhecimento humano na Filosofia de Immanuel Kant Daniel Richardson de Carvalho Sena * Victor Leandro da Silva ** Resumo Este escrito toma como

Leia mais

3 A Crítica e o horizonte da filosofia transcendental

3 A Crítica e o horizonte da filosofia transcendental 3 A Crítica e o horizonte da filosofia transcendental Para compreendermos como o todo se relaciona às partes e estas ao todo, é imprescindível que levemos em conta, pelo menos em linhas gerais, os elementos

Leia mais

CURSO METODOLOGIA ECONÔMICA. Professora Renata Lèbre La Rovere. Tutor: Guilherme Santos

CURSO METODOLOGIA ECONÔMICA. Professora Renata Lèbre La Rovere. Tutor: Guilherme Santos CURSO METODOLOGIA ECONÔMICA Professora Renata Lèbre La Rovere Tutor: Guilherme Santos Antecedentes da Metodologia Econômica John Stuart Mill (1836): conhecimento se desenvolve a partir de busca de propriedades

Leia mais

AUTONOMIA: NO DEVER E NA LIBERDADE A PARTIR DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE IMMANUEL KANT

AUTONOMIA: NO DEVER E NA LIBERDADE A PARTIR DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE IMMANUEL KANT AUTONOMIA: NO DEVER E NA LIBERDADE A PARTIR DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE IMMANUEL KANT AUTONOMY: ON DUTY AND FREEDOM FROM THE FOUNDATION OF THE METAPHYSICS COSTUMES OF IMMANUEL KANT Wendel

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

Ética e gestão organizacional Aula 04. Virgílio Oliveira UFJF FACC

Ética e gestão organizacional Aula 04. Virgílio Oliveira UFJF FACC Aula 04 Virgílio Oliveira UFJF FACC 1 As fontes dos preceitos morais no presente A compreensão de nossos próprios preceitos morais requer: uma espécie de arqueologia das instituições sociais contemporâneas

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 9) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Lógica O problema lógico, embora para alguns possa parecer artificial, impõe-se por si. Ele surge logo que se nota que alguns conhecimentos

Leia mais

Doutrina Transcendental do Método, muito díspares em extensão. 2 ADORNO, T. W. Metaphysics. Stanford: Stanford University Press, 2001, p. 25.

Doutrina Transcendental do Método, muito díspares em extensão. 2 ADORNO, T. W. Metaphysics. Stanford: Stanford University Press, 2001, p. 25. 10 1 Introdução Esta dissertação se concentra no marco do pensamento de Kant, a obra Crítica da Razão Pura, embora recorra a trabalhos pré-críticos, à correspondência de Kant, bem como a textos de História

Leia mais

A NOÇÃO DE LIBERDADE NA TERCEIRA ANTINOMIA DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA

A NOÇÃO DE LIBERDADE NA TERCEIRA ANTINOMIA DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA A NOÇÃO DE LIBERDADE NA TERCEIRA ANTINOMIA DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA Ac. Ailton José da Silva (PIBIC/FAPEMIG) Universidade Federal de São João Del-Rei/MG Resumo: Este artigo é resultado da tentativa de

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Filosofia Política Clássica

Filosofia Política Clássica Filosofia Política Clássica Antiguidade Clássica - Platão Platão - seres humanos são divididos em três almas ou princípios de atividades: alma desejante que busca a satisfação dos apetites do corpo; alma

Leia mais

A ética do dever. 1 Já em alguns trechos da Crítica da razão pura (CRP), de 1781, Kant trata de questões que abordam a

A ética do dever. 1 Já em alguns trechos da Crítica da razão pura (CRP), de 1781, Kant trata de questões que abordam a 16 1. A ética do dever A entrada na obra de Kant provoca um desconcerto imediato. Conceitos, noções e imagens proliferam de tal forma na escrita kantiana que deixam o leitor iniciante paralisado diante

Leia mais

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito

Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito P á g i n a 29 Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Considerações acerca da moral kantiana e suas implicações no direito Sumário: 1 Introdução; 2 A ética de Kant; 3 Ética,

Leia mais

O Criticismo Kantiano

O Criticismo Kantiano O Criticismo Kantiano Influenciado pela leitura de Hume, em especial pelas críticas que este faz ao dogmatismo racionalista, Kant (1724-1804) tenta encontrar uma solução que supere a dicotomia representada

Leia mais

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Questão nº 1 - Resposta B Justificativa: O amante do mito é de certo modo também um filósofo, uma vez que o mito se compõe de maravilhas

Leia mais

Prof. Talles D. Filosofia do Direito O Direito e o tema da Justiça

Prof. Talles D. Filosofia do Direito O Direito e o tema da Justiça Prof. Talles D. Filosofia do Direito O Direito e o tema da Justiça A concepção platônica da justiça Basicamente, Platão traz duas ideias de justiça: uma relacionada com a virtude (das pessoas e dos Estados),

Leia mais

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO

CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO CIÊNCIA & CONHECIMENTO CIENTÍFICO A CIÊNCIA E O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Ciência propõe a aquisição sistemática de conhecimentos sobre a natureza com a finalidade de melhoria da qualidade de vida, intelectual

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

IMMANUEL KANT ( ) Conceito criado por Kant para solucionar uma problemática criada pelo Racionalismo e Empirismo.

IMMANUEL KANT ( ) Conceito criado por Kant para solucionar uma problemática criada pelo Racionalismo e Empirismo. IMMANUEL KANT (1724 1808) FILOSOFIA PROF. DOUGLAS PHILIP CONCEITOS KANTIANOS: 1. CRITICISMO Conceito criado por Kant para solucionar uma problemática criada pelo Racionalismo e Empirismo. Kant tenta responder

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

Kant: Ética e Estética

Kant: Ética e Estética Kant: Ética e Estética 1. (UEM 2012) O filósofo Immanuel Kant (1724-1804) estabelece uma íntima relação entre a liberdade humana e sua capacidade de pensar autonomamente, ao afirmar: Esclarecimento é a

Leia mais

O conceito de liberdade em Kant *

O conceito de liberdade em Kant * O conceito de liberdade em Kant * Leandro Rodrigues de Oliveira ** Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar o conceito de liberdade em Kant como uma proposta diferente do que se associou o termo

Leia mais

Esquematizar sem conceitos : a teoria kantiana da reflexão estética*

Esquematizar sem conceitos : a teoria kantiana da reflexão estética* Cadernos de Filosofia Alemã 7, P. 5-14, 2001 Esquematizar sem conceitos : a teoria kantiana da reflexão estética* Christel Fricke** Songez que je vous parle une langue étrangère... Racine, Fedro. A estética

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

FILOSOFIA Capítulo 10 Kant

FILOSOFIA Capítulo 10 Kant FILOSOFIA Capítulo 10 Kant ILUMINISMO 01 KANT 02 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 08 EXERCÍCIOS PROPOSTOS 09 SEÇÃO ENEM 11 Kant FRENTE A ILUMINISMO Kant resume, de forma simples e extraordinária, o espírito e o objetivo

Leia mais

PESQUISA EM FOCO: Educação e Filosofia V. 8, ANO 8, ABRIL 2015 ISSN: O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT

PESQUISA EM FOCO: Educação e Filosofia V. 8, ANO 8, ABRIL 2015 ISSN: O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT O CONCEITO DE LIBERDADE EM KANT THE CONCEPT OF FREEDOM IN KANT 1 Leandro Rodrigues de Oliveira Resumo : Este artigo tem por objetivo apresentar o conceito de liberdade em Kant como uma proposta diferente

Leia mais

Fundamentação ética em Kant versus posição ética de Nietzsche

Fundamentação ética em Kant versus posição ética de Nietzsche Fundamentação ética em Kant versus posição ética de Nietzsche Leandro José Kotz * Na tradição filosófica há um mosaico de posições e fundamentações éticas e morais. Entre elas retomamos e confrontamos

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

3. Filosoficamente o que o espelho não reflete: a.( ) o ar, b.( ) a essência do homem, c.( ) o espírito, d.( ) o amor.

3. Filosoficamente o que o espelho não reflete: a.( ) o ar, b.( ) a essência do homem, c.( ) o espírito, d.( ) o amor. 1. A possibilidade que o homem tem de escolher seu caminho, construir sua maneira de ser e sua história é chamado de: b) Consciência moral c) Liberdade d) Coerção e) Responsabilidade f) Convicção pessoal

Leia mais

Kant e a Revolução Copernicana do Conhecimento: uma Introdução

Kant e a Revolução Copernicana do Conhecimento: uma Introdução Kant e a Revolução Copernicana do Conhecimento: uma Introdução Kant and the Copernican Revolution of Knowledge: a Introduction Adelino Ferreira 1 Universidade Federal de São João del-rei Resumo: O presente

Leia mais

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO

ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO ATIVIDADE: AV. PARCIAL 3ª ETAPA DISCIPLINA: FILOSOFIA 2º ANO QUESTÃO 0 Kant mostrou que a estrutura do pensamento se dá sob a forma de juízos. A partir dessa hipótese, elaborou as doze formas de juízos

Leia mais

Redalyc. Gondim, Elnora RAWLS: CRITICA DE SCHOPENHAUER A FILOSOFIA KANTIANA Nómadas, Núm. 22, sin mes, 2009 Universidad Complutense de Madrid España

Redalyc. Gondim, Elnora RAWLS: CRITICA DE SCHOPENHAUER A FILOSOFIA KANTIANA Nómadas, Núm. 22, sin mes, 2009 Universidad Complutense de Madrid España Redalyc Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Gondim, Elnora RAWLS: CRITICA DE SCHOPENHAUER A FILOSOFIA KANTIANA Nómadas, Núm. 22,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA - ICV RESUMO EXPANDIDO (2009-2010) A ÉTICA NA FORMAÇÃO DOS PEDAGOGOS

Leia mais