TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA"

Transcrição

1 TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo PROF. ALEMAR S. A. RENA

2 SUJEITOS FICCIONAIS

3 ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO CONCEITO INSEPARÁVEIS SUJEITO DA ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO EX. Maria escreveu um belo artigo. TEXTO SEM CARÁTER FICCIONAL/COM CARÁTER FICCIONAL NÍVEL FICCIONAL E NÃO FICCIONAL DA ENUNCIAÇÃO: NARRADOR E AUTOR

4 ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO O PAPEL DO NARRADOR DETERMINA UM PONTO DE VISTA FOCO, VISÃO, PONTO DE VISTA, PERSPECTIVA

5 ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO VISÃO POR DETRÁS, VISÃO COM, VISÃO DE FORA POR DETRÁS: SABE TUDO, MAS É ESTRANHO À HISTÓRIA. USO DA 3 PESSOA. COM: 1 PESSOA, PRESENÇA DO NARRADOR PERSONAGEM

6 ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO FORA: NARRADOR FINGE SABER MENOS QUE OS PERSONAGENS NARRATIVA CINEMATOGRÁFICA NARRADOR PARTICIPA DA HISTÓRIA COMO TESTEMUNHA OU PERSONAGEM SOLIDÁRIA

7 ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO COMPLEXIFICAÇÕES: NARRADOR FINGE SER O ESCRITOR NARRADOR É PROTAGONISTA AUTOR COMO PERSONAGEM

8 AUTOR, TEXTO, LEITOR BIOGRAFISMO ATÉ O SÉC. XIX A VERDADE DA OBRA PASSAVA PELA VIDA DO AUTOR "A ARTE IMITA A VIDA" "O QUE O AUTOR QUIS DIZER?"

9 AUTOR, TEXTO, LEITOR AUTOR RESPONSÁVEL PELA RECEPÇÃO PRESSUPÕE-SE QUE HÁ UMA MANEIRA CORRETA DE LER O QUE O AUTOR QUIS DIZER E O QUE O TEXTO DIZ

10 AUTOR, TEXTO, LEITOR MORTE DO AUTOR OS SENTIDOS VÃO ALÉM DOS DESEJOS DO AUTOR CRÍTICO ESTRUTURALISTA: COMO UM DETETIVE, PASSA A DESVENDAR OS SEGREDOS NA FORMA AINDA ACREDITA-SE EM UMA VERDADE, CUJA CHAVE ENCONTRA-SE NO TEXTO AGORA

11 AUTOR, TEXTO, LEITOR MAS QUAL É O PAPEL DO LEITOR? VALORIZA-SE A PARTIR DE 60 E 70 A PERCEPÇÃO MAIS INDIVIDUAL DO LEITOR O SENTIDO SE ABRE, PODE SE TORNAR MUITOS, DEPENDENDO DO CONTEXTO

12 AUTOR, TEXTO, LEITOR VARIA DE ACORDO COM A CULTURA, CLASSE, PONTO DE VISTA, POSIÇÃO IDEOLÓGICA, ETC. MAS E A COMUNICAÇÃO, O TORNAR COMUM? O TEXTO PASSA A SER UMA TELA EM BRANCO ONDE O LEITOR PROJETA SUAS SUBJETIVIDADES? DIFERENÇAS ENTRE TEXTO ESTÉTICO E TÉCNICO

13 AUTOR, TEXTO, LEITOR O AUTOR COMO TEXTO PARALELO NA MÍDIA, COMO GRIFFE

14 O TEMPO NA NARRATIVA

15 O que é o tempo?

16 O TEMPO NA NARRATIVA A repetição Abstração de significados A memória como veículo Culturas primitivas e orais: futuro é volta ao passado (circular) O que não se repete tende a desaparecer

17 O TEMPO NA NARRATIVA Cultura da escrita: como uma seta para frente Isto é: o entendimento do tempo não é uniforme

18 O TEMPO NA NARRATIVA As artes temporais (A) e as artes espaciais (B) A. O transcorrer e a sequência de eventos B. Mostrar tudo ao mesmo tempo, delimitando espaço

19 O TEMPO NA NARRATIVA O tempo de leitura O tempo do conteúdo Efeitos musicais do texto: pontuação, tamanho das orações, repetição de palavras Andamento, ritmo e duração: lentidão ou rapidez, suavidade ou turbulência, alongamento ou contração dos movimentos narrativos

20 O TEMPO NA NARRATIVA O tempo de leitura O tempo do conteúdo Efeitos musicais do texto: pontuação, tamanho das orações, repetição de palavras Efeitos do tempo no audiovisual: corte, câmera lenta ou rápida, música, close, etc. Tempo de leitura: Andamento, ritmo e duração: lentidão ou rapidez, suavidade ou turbulência, alongamento ou contração dos movimentos narrativos

21 O TEMPO NA NARRATIVA Tempo do conteúdo ou tempo ficcional: "em 1930", "às 8:00 da manhã", "naquele tempo", etc. Vários planos temporais Filme Amnésia ou Adaptação

22 O ESPAÇO NA NARRATIVA

23 É POSSÍVEL SER SEM ESTAR?

24 O ESPAÇO NA NARRATIVA Naturalmente atribuimos ao ser um certo estar Espaço é esse conjunto de indicações - concretas ou abstratas - que constitui um sistema variável de relações

25 O ESPAÇO NA NARRATIVA O espaço do personagem na narrativa seria um quadro de posicionamentos relativos, um quadro de coordenadas que erigem a identidade do ser exatamente como identidade relacional O ser é porque se relaciona, o personagem existe porque ocupa espaços na narrativa

26 O ESPAÇO NA NARRATIVA A teoria da narrativa chama atenção para o fato de que é impossível dissociar o espaço físico da forma como ele é percebido Não há olhar isento: quando abrimos os olhos projetamos siginificados sobre aquilo que vemos Tais siginificados não são puramente individuais, mas condicionado por um certo modo de olhar que é cultural

27 O ESPAÇO NA NARRATIVA Espaço da Literatura: A significação de um texto não é independente de seu veículo (suporte) Rolo antigo: uso das duas mãos, impossível ler e anotar ao mesmo tempo, leitura em voz alta, menos interatividade, menos flexibilidade na consulta (comparação, resgate da memória, etc.)

28 O ESPAÇO NA NARRATIVA Espaço da Literatura: O suporte condiciona leituras, técnicas, hábitos e atende a demandas específicas, que variam de tempo para tempo, leitor para leitor

29 O ESPAÇO NA NARRATIVA

30 O ESPAÇO NA NARRATIVA

31 O ESPAÇO NA NARRATIVA Espaço da Literatura: O texto na tela e em rede Autor em cheque: leitor se torna autor ou co-autor A realidade da literatura: arte como espelho distorcido Literatura: espelho plano ou espelho distorcido (novos ângulos de visão) Reproduzir: produzir de novo

32 O ESPAÇO NA NARRATIVA Visualidade do texto poético

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO A HIPERMÍDIA É UM NOVO A HIPERMÍDIA É UM NOVO PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO O texto identifica e organiza os elementos constitutivos da roteirização de produções audiovisuais como o cinema ou a televisão, e

Leia mais

Linguagem Cinematográfica. Myrella França

Linguagem Cinematográfica. Myrella França Linguagem Cinematográfica Myrella França I. Termos Básicos TOMADA - Filmagem contínua de cada segmento específico da ação do filme. "TAKE" - Tomada; começa no momento em que se liga a câmara até que é

Leia mais

Narrativa e informação

Narrativa e informação Narrativa e informação emissor = formulador da sintaxe da mensagem receptor = intérprete da semântica A recepção qualifica a comunicação. É por isso que o receptor tem papel fundamental no processo de

Leia mais

9. Enquadramentos: planos e ângulos

9. Enquadramentos: planos e ângulos 9. Enquadramentos: planos e ângulos A noção de enquadramento é a mais importante da linguagem cinematográfica. Enquadrar é decidir o que faz parte do filme em cada momento de sua realização. Enquadrar

Leia mais

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES sala 5 1ª sessão Professor Apresentador: Danival Mascarini de Souza Realização: Foco O Projeto Fotonovela foi elaborado visando à melhoria do processo

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Algoritmos e Programação Aula 5 Estruturas de Repetição Profa. Marina Gomes marinagomes@unipampa.edu.br 26/04/2017 Engenharia de Computação - Unipampa 1 Aula de Hoje Estrutura de repetição Comando for

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA O QUE É HISTÓRIA? História é uma palavra com origem no antigo termo grego "historie", que significa "conhecimento através da investigação".

Leia mais

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus REVISÃO APOSTILA 02 Sistema Anglo 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR Colégio Sagrado Coração de Jesus NARRATIVA POLICIAL Objetivos: Narrativa cujo objetivo é contar uma história permeada de suspense e

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2016 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA CONTEÚDOS Efetuar cálculos com números reais envolvendo as operações

Leia mais

Fogo (Capital Inicial) 1. Adriane de Oliveira PIRES 2 Simone Caetano 3 Universidade Estadual de Goiás, Goiânia, GO

Fogo (Capital Inicial) 1. Adriane de Oliveira PIRES 2 Simone Caetano 3 Universidade Estadual de Goiás, Goiânia, GO Fogo (Capital Inicial) 1 Adriane de Oliveira PIRES 2 Simone Caetano 3 Universidade Estadual de Goiás, Goiânia, GO Resumo O videoclipe da música "Fogo - Capital Inicial" é uma produção diferente e inovadora,

Leia mais

ENSINO BÁSICO METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO AULAS PREVISTAS PERÍODO LETIVO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ENSINO BÁSICO METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO AULAS PREVISTAS PERÍODO LETIVO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas N.º 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8.º ANO 2013/2014 METAS DE APRENDIZAGEM LEITURA/EDUCAÇÃO LITERÁRIA:

Leia mais

JUVENTUDE! EDUCOMUNICAÇÃO: PRA CUTUCAR A. O Projeto Ecoar vai te cutucar!

JUVENTUDE! EDUCOMUNICAÇÃO: PRA CUTUCAR A. O Projeto Ecoar vai te cutucar! Oficinas de Educomunicação nas escolas públicas do Distrito Federal I 2016 EDUCOMUNICAÇÃO: PRA CUTUCAR A JUVENTUDE! 1 De onde veio o Ecoar? O Projeto Ecoar: Protagonismo em Rede consiste de uma iniciativa

Leia mais

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo

Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo Planos e Ângulos Prof. Dr. Isaac A. Camargo a- Conceito de Planos e características técnicas b- Angulação: Enquadramento e efeitos de sentido Conceito de Planos e características técnicas A idéia de Planificação

Leia mais

Plano de aulas. Curso Referencial UM e DOIS

Plano de aulas. Curso Referencial UM e DOIS Plano de aulas. Curso Referencial UM e DOIS Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! Curso de Fotografia Referencial um Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas

Leia mais

JAQUELINE PELLEGRINI. ( Voluntárias de pesquisa)

JAQUELINE PELLEGRINI. ( Voluntárias de pesquisa) JAQUELINE PELLEGRINI JULIANA PETKOFF ( Voluntárias de pesquisa) Alunas de Bacharelado em Letras Orientadora: Maria José B. Finatto Co-orientador: Antônio Marcos Sanseverino OBJETIVOS Verificar, na obra

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE TOLEDO. Texto 1 Letras de músicas funk 1

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE TOLEDO. Texto 1 Letras de músicas funk 1 Nome: Maria Celia ATIVIDADES PRÁTICAS Texto 1 Letras de músicas funk 1 As letras de música do funk carioca escandalizam muita gente pelo conteúdo sexual, às vezes ofensivo, e palavras de baixo calão. O

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 89-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Letras, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Narrativa: Elementos Estruturais (1)

Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa de ficção Discurso figurativo inscrito em coordenadas espaço-temporais. Sucessão temporal de ações (funções). Narrativa simples: passagem de um estado anterior

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! PLANOS DE AULAS

Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! PLANOS DE AULAS Abra os seus olhos. Descubra lugares e coisas que ama com cada foto que faz! PLANOS DE AULAS REFERENCIAL 01 e REFERENCIAL 02 Curso Referencial Um. Fotografia para Câmeras DSLR Curso de Fotografia em Salvador.

Leia mais

Unidade 10 Sinais de Pontuação

Unidade 10 Sinais de Pontuação UNIDADE 10 Os sinais de pontuação servem para marcar pausas (a vírgula, o ponto-e-vírgula, o ponto) ou a melodia da frase (o ponto de exclamação, o ponto de interrogação, etc.). Geralmente, estão ligados

Leia mais

Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1

Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1 INSTRUÇÕES A prova de aptidão musical constitui-se de três partes: Universidade Metodista de Piracicaba Processo Seletivo 2013 Prova de Aptidão Curso Música Licenciatura Prova 1 1. HISTÓRICO MUSICAL Você

Leia mais

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM008 LÍNGUA ESPANHOLA I A Noções introdutórias de compreensão e expressão (oral e escrita) da língua espanhola. Discussões sobre o espanhol como

Leia mais

Figuras de linguagem são recursos estilísticos utilizados no nível dos sons, das palavras, das estruturas sintáticas ou do significado para dar maior

Figuras de linguagem são recursos estilísticos utilizados no nível dos sons, das palavras, das estruturas sintáticas ou do significado para dar maior Figuras de linguagem são recursos estilísticos utilizados no nível dos sons, das palavras, das estruturas sintáticas ou do significado para dar maior valor expressivo à linguagem. Figuras sonoras Em contextos

Leia mais

REDAÇÃO PLANO DE CURSO

REDAÇÃO PLANO DE CURSO REDAÇÃO PLANO DE CURSO Sumário 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 2. EMENTA... 2 3. OBJETIVO... 3 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO... 3 5. PROPOSTA METODOLÓGICA... 4 6. PROPOSTA AVALIATIVA... 5 7. APROVAÇÃO E REQUISITO

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa 8º Ano - Ano Lectivo 2008/ 2009 Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos Unidade Temática Conteúdos Competências Específicas

Leia mais

Quem de vocês nunca teve dúvidas em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem de uma criança, atire a primeira pedra...

Quem de vocês nunca teve dúvidas em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem de uma criança, atire a primeira pedra... Quem de vocês nunca teve dúvidas em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem de uma criança, atire a primeira pedra... Saber se a criança está falando na idade certa, se está atrasada em relação

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

Criar vídeos em 3D no VideoWave O modo simples

Criar vídeos em 3D no VideoWave O modo simples Criar vídeos em 3D no VideoWave O modo simples O VideoWave pode produzir vídeos em 3D a partir de imagens capturadas por câmeras de vídeo de 3D, como a Fujifilm FinePix REAL 3D W1, ou convertendo a definição

Leia mais

TEORIA MUSICAL EM FOCO

TEORIA MUSICAL EM FOCO TEORIA MUSICAL EM FOCO LEM I Módulo 01 HENRIQUE RODRIGUES www.teoriamusicalemfoco.com Teoria Musical em Foco 1 Música, Som e Suas Propriedades O que é Música? Música é a arte que expressa os diversos sentimentos,

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Maternal I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Maternal I Maceió, 16 de julho de 2016. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Maternal I Senhores pais ou responsáveis Estamos iniciando o terceiro bimestre letivo e gostaríamos de informar-lhes sobre os projetos que serão

Leia mais

Programação Anual. 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME

Programação Anual. 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME Programação Anual 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) 1 ọ 2 ọ 1. Amarrando as idéias COESÃO Introdução ao conceito de coesão Introdução aos mecanismos básicos de coesão Ordem das palavras

Leia mais

Sumário. Sumário. O tema no tempo Literatura Interpretação e Estudo da língua Produção de textos... 50

Sumário. Sumário. O tema no tempo Literatura Interpretação e Estudo da língua Produção de textos... 50 Tema 1 Os diversos Brasis O tema no tempo... 12 Como os contrastes sociais que caracterizam o Brasil foram representados em diferentes épocas...12 Século XXI Texto visual: fotografia...12 Século XX Pobre

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL. Nielsen Castelo Damasceno

VISÃO COMPUTACIONAL. Nielsen Castelo Damasceno VISÃO COMPUTACIONAL Nielsen Castelo Damasceno Visão Computacional A visão computacional lida com o desenvolvimento de bases teóricas e algorítmicas para as quais informações úteis do mundo real 3D podem

Leia mais

Duração da Prova: 135 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXEMPLO

Duração da Prova: 135 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXEMPLO Prova de Aferição de Expressões Artísticas Prova 27 2.º Ano de Escolaridade 2017 Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril Guião da Prova Duração da Prova: 135 minutos. Tolerância: 30 minutos. 5 Páginas Parte

Leia mais

Vinhetas para o programa de TV Pare o Carro 1

Vinhetas para o programa de TV Pare o Carro 1 Vinhetas para o programa de TV Pare o Carro 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Maria Angela PAVAN 6 RESUMO Universidade Federal do Rio

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2014

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2014 PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2014 Professores: Nelci Regina Pegorer Conteúdos estruturantes: O discurso enquanto prática social PLANO DE TRABALHO Disciplina: Português Série: 7º ano Bimestre: 1º e 2º Justificativa

Leia mais

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos.

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. CONTOS A ORIGEM DO CONTO A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. O ato de narrar um acontecimento oralmente

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO PARÁGRAFO:

A CONSTITUIÇÃO DO PARÁGRAFO: A CONSTITUIÇÃO DO PARÁGRAFO: Olá a todos! Vamos assistir a uma Apresentação da Profa. Dra. Marcela Silvestre sobre a Constituição do Parágrafo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre a construção

Leia mais

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme.

Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. Chamamos de instrumentos de projeção aqueles que fornecem uma imagem real, que pode, portanto, ser projetada em um anteparo, uma tela ou um filme. A câmera fotográfica é constituída essencialmente por

Leia mais

MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE

MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE Você está recebendo a cartilha com as orientações para a construção dos trabalhos da 2ª fase da Maratona Cultural 2009. Fique atento aos procedimentos

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

CURSO STORYTELLING. O Poder das Narrativas. Realização. Co-realização. giramundo

CURSO STORYTELLING. O Poder das Narrativas. Realização. Co-realização. giramundo Realização Co-realização giramundo Integrar competências, conhecimento e prestígio, convergentes à área de marketing, de maneira fraterna, que promova e estabeleça as diretrizes para a aplicação e expansão

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor (a):_marcia Oliveira Disciplina:_Arte Ano: 6º_A Período: º bimestre METODOLÓGICO E RECURSOS DIDÁTICOS

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor (a):_marcia Oliveira Disciplina:_Arte Ano: 6º_A Período: º bimestre METODOLÓGICO E RECURSOS DIDÁTICOS PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor (a):_marcia Oliveira Disciplina:_Arte Ano: 6º_A Período: 2014 1º bimestre ESTRUTURANTES CONTEÚDO BÁSICO ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO E

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO 1º Bimestre Para o 1º Ano do Ensino Médio, propomos o estudo do Teatro Popular Tradicional, uma modalidade de representação

Leia mais

o som das cartas A morte deixou um vazio inexplicavelmente cheio de sua presença, ele a vê em tudo, até quando se olha no espelho.

o som das cartas A morte deixou um vazio inexplicavelmente cheio de sua presença, ele a vê em tudo, até quando se olha no espelho. A morte deixou um vazio inexplicavelmente cheio de sua presença, ele a vê em tudo, até quando se olha no espelho. Sinopse: conta a história de um homem que tornou-se prisioneiro de suas lembranças após

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

1º Trimestre de 2017: Vida Cristã

1º Trimestre de 2017: Vida Cristã LIÇÃO 01 Salvação, a nova vida com Cristo Forme um quarteto. Pesquise sobre as fases da metamorfose da lagarta/ borboleta em comparação a conversão do cristão. + 10 pontos bônus (pela criatividade na apresentação:

Leia mais

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO).

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO). Segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) Somente 26% dos brasileiros acima de 15 anos apresentam plenas habilidades de leitura e escrita; 74% dos brasileiros entre 15 e 64

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Introdução e Classificação das Habilidades Motoras. Prof.ª Luciana Castilho Weinert

Introdução e Classificação das Habilidades Motoras. Prof.ª Luciana Castilho Weinert Introdução e Classificação das Habilidades Motoras Prof.ª Luciana Castilho Weinert Conceitos Habilidade: tarefa com finalidade específica; Habilidade motora: habilidade que exige movimentos voluntários

Leia mais

Introdução à Neurociência Computacional (Graduação) Prof. Antônio Roque Aula 6

Introdução à Neurociência Computacional (Graduação) Prof. Antônio Roque Aula 6 Variações do modelo integra-e-dispara Nesta aula vamos apresentar algumas variações do modelo LIF visto na aula passada. Modelo integra-e-dispara com adaptação Estudos in vitro mostram que muitos tipos

Leia mais

Aula de março O cinema como representação visual e sonora

Aula de março O cinema como representação visual e sonora Aula 2. 11 de março O cinema como representação visual e sonora Bibliografia requisitada: AUMONT, Jacques. O filme como representação visual e sonora. In: AUMONT, Jacques et al. A estética do filme. Campinas:

Leia mais

MODELO DE ROTEIRO CURTA-METRAGEM: Existem muitos modelos de formato de roteiro. Este é o que utilizamos em nossas produções.

MODELO DE ROTEIRO CURTA-METRAGEM: Existem muitos modelos de formato de roteiro. Este é o que utilizamos em nossas produções. MODELO DE ROTEIRO CURTA-METRAGEM: Existem muitos modelos de formato de roteiro. Este é o que utilizamos em nossas produções. Um roteiro tem sempre que apresentar algumas características básicas, dentre

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

Ironia Dramática. copyright - Felipe Neves. Quando o espectador fica sabendo de algo que pelo menos uma das pessoas na tela não sabe.

Ironia Dramática. copyright - Felipe Neves. Quando o espectador fica sabendo de algo que pelo menos uma das pessoas na tela não sabe. Ironia Dramática Quando o espectador fica sabendo de algo que pelo menos uma das pessoas na tela não sabe. David Howard e Edward Mabley Ironia Dramática Esse momento é chamado de revelação. Sempre que

Leia mais

Bianca Grela (UEM) Camila Heloise Paes (UEM) Maria Heloisa Teixeira da Silva (UEM) Orientadora: Josimayre Novelli Coradim (UEM)

Bianca Grela (UEM) Camila Heloise Paes (UEM) Maria Heloisa Teixeira da Silva (UEM) Orientadora: Josimayre Novelli Coradim (UEM) Bianca Grela (UEM) Camila Heloise Paes (UEM) Maria Heloisa Teixeira da Silva (UEM) Orientadora: Josimayre Novelli Coradim (UEM) Apresentar uma análise comparativa entre o conto Cinderella (1812), dos Irmãos

Leia mais

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO?

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? AULAS 9 À 12 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? A narração é um tipo de texto que conta uma sequência de fatos, sejam eles reais ou imaginários, nos quais as personagens atuam em

Leia mais

Dó -tom- Ré -tom- Mi -½tom- Fá -tom- Sol -tom- Lá -tom- Si -½tom- Dó...

Dó -tom- Ré -tom- Mi -½tom- Fá -tom- Sol -tom- Lá -tom- Si -½tom- Dó... Artigo Científico 4- A Matemática no mundo da música Guilherme Ramos Informática Manhã IFRS Campus Osório 28/11/2011 Resumo: Realmente sem idéias pra este artigo resolvi pegar uma das coisas que eu mais

Leia mais

Homologação de Clientes de Videoconferência: roteiro complementar para RUTE

Homologação de Clientes de Videoconferência: roteiro complementar para RUTE Homologação de Clientes de Videoconferência: roteiro complementar para RUTE Serviço de Tecnologia da Informação (STI) Comitê Assessor da Rede Universitária de Telemedicina (CA-RUTE) Janeiro de 2009 Este

Leia mais

REDAÇÃO OFICIAL PLANO DE CURSO

REDAÇÃO OFICIAL PLANO DE CURSO REDAÇÃO OFICIAL PLANO DE CURSO Sumário 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 2. EMENTA... 2 3. OBJETIVO... 3 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO... 3 5. PROPOSTA METODOLÓGICA... 4 6. PROPOSTA AVALIATIVA... 5 7. APROVAÇÃO E

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS Disciplina: Teorias da Imagem e Cultura Visual Curso: Artes Visuais Bacharelado Período: 5º Ano: 01/2016 CHA: 32 Código: Professora: Carla de Abreu

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 12/CGRAD/2015 de 09/09/2015 Fornecer meios para formação de profissionais capazes para atuar em ambientes dinâmicos plurais, atendendo necessidades

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

Um bom lugar para ler

Um bom lugar para ler Um bom lugar para ler E.E. Olímpio Catão sala 1- sessão 2 um livro Professor(es) Apresentador(es): Iva Tavares da Rocha Realização: Projeto Um bom lugar para ler um livro Prof. Iva Foco O Projeto Um bom

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ERICEIRA. 1º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Disciplina: Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ERICEIRA. 1º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Disciplina: Português Disciplina: Português Lê com fluência, correção e expressividade Lê para apreciar textos literários Compreende mensagens orais Oralidade (O) Leitura e Escrita (LE) Educação Literária (EL) Gramática (G)

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS SUB-UNIDADE/ MÓDULO Textos narrativos / descritivos Literatura de viagens/aventuras CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE OPINIÃO PÚBLICA PELA MÍDIA IMPRESSA - ESTUDO DE CASO DO JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ: ANÁLISE DO PERFIL DOS LEITORES 1

CONSTRUÇÃO DE OPINIÃO PÚBLICA PELA MÍDIA IMPRESSA - ESTUDO DE CASO DO JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ: ANÁLISE DO PERFIL DOS LEITORES 1 CONSTRUÇÃO DE OPINIÃO PÚBLICA PELA MÍDIA IMPRESSA - ESTUDO DE CASO DO JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ: ANÁLISE DO PERFIL DOS LEITORES 1 TUZZO, Simone Antoniaci 2 ; FIGUEIREDO, Lívia Marques Ferrari de 3 Palavras-chave:

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 2º TRIMESTRE JULHO/2014 TURMA 311. Professora Simone

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 2º TRIMESTRE JULHO/2014 TURMA 311. Professora Simone TURMA 311 Professora Simone 6 7 8 9 10 11 12 Animais do zoo e nºs de 1 a 20. Animais selvagens. 15 16 Ed. Física: Alongamentos, Equilíbrio e Força Peso: 1,0 Filosofia: Filme e interpretação. 17 Ed. Religiosa:

Leia mais

Disciplina de Imagem e Som A 11º Ano Planificação do ano lectivo de 2011/2012

Disciplina de Imagem e Som A 11º Ano Planificação do ano lectivo de 2011/2012 Disciplina de Imagem e Som A 11º Ano Planificação do ano lectivo de 2011/2012 Professor: Alberto Pires TEMAS / CONTEÚDOS OBJECTIVOS METODOLOGIA 1º Período I Comunicação e Cultura audiovisual 1 1 Imagem

Leia mais

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total:

Leia mais

I O jogo teatral na criação do roteiro

I O jogo teatral na criação do roteiro 1 A CRIAÇÃO DO ROTEIRO NA PERFORMANCE DO JOGO TEATRAL ANTROPOLÓGICO Autor: Iremar Maciel de Brito Titulação: Doutor em Letras Afiliação institucional: Professor adjunto da Escola de Teatro da UNIRIO e

Leia mais

PORTAS E JANELAS. Ângela Lago

PORTAS E JANELAS. Ângela Lago PORTAS E JANELAS Ângela Lago Monteiro Lobato, o mais renomado autor brasileiro de livros para crianças, dizia que o livro é uma casa. Hoje quero conversar sobre o livro de imagens. E à vontade, falarei

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

A ciência da cognição

A ciência da cognição A ciência da cognição A Psicologia Cognitiva Cognição As pessoas pensam. Psicologia cognitiva Os cientistas pensam a respeito de como as pessoas pensam. Estudantes de psicologia cognitiva As pessoas pensam

Leia mais

Diretoria de Ensino - Região de Diadema. Núcleo Pedagógico

Diretoria de Ensino - Região de Diadema. Núcleo Pedagógico Diretoria de Ensino - Região de Diadema Núcleo Pedagógico Supervisora da Educação Especial Prof. Iara Sousa Ribeiro Objetivo Proporcionar subsídios com base na neurociência para aprendizagem e diferenciar

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 3º CICLO LÍNGUA PORTUGUESA CEF - INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 1º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es):

Leia mais

Mas quem resistir até o fim será salvo Processo de criação de um roteiro de ficção¹

Mas quem resistir até o fim será salvo Processo de criação de um roteiro de ficção¹ Mas quem resistir até o fim será salvo Processo de criação de um roteiro de ficção¹ Samuel Peregrino² Ludielma Laurentino³ Universidade Estadual de Goiás, Goiânia, GO RESUMO O processo de produção do roteiro

Leia mais

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação Teoria da

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

BIOLOGIA E GEOLOGIA. Aula Prática

BIOLOGIA E GEOLOGIA. Aula Prática BIOLOGIA E GEOLOGIA Aula Prática 11 TRABALHO DE GRUPO Grupos de 5 elementos. Durante o primeiro período vão selecionar notícias da net, jornais, livros, filmes com a Genética como tema. Esta seleção pode

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO Planificação Anual 2011/2012 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PORTUGUÊS 10º ANO Manual adotado: Página Seguinte - Texto Editora

Leia mais

ECO, Umberto. A estrutura ausente

ECO, Umberto. A estrutura ausente FONTE COMPLEMENTAR: SANTAELLA, Lúcia. Comunicação e Semiótica ECO, Umberto. A estrutura ausente Influência: filosofia, estética, teorias da informação, da comunicação e da cibernética Crítica ao estruturalismo

Leia mais

ANEXO IV. Atuação da Empresa no Mercado de Eventos em 2007, 2008 e 2009

ANEXO IV. Atuação da Empresa no Mercado de Eventos em 2007, 2008 e 2009 1- CITE OS EVENTOS REALIZADOS EM 2007 e 2008 NOS QUAIS A SUA EMPRESA ATUOU COMO PRESTADORA DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA E AUDIOVISUAL. CASO CONSIDERE NECESSÁRIO, PODE REPETIR A

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO Proporciona no aluno a habilidade de conhecer os diversos tipos de contos, e desenvolver no aluno

Leia mais

Agentes Inteligentes. Qualquer coisa que pode: 1. Perceber seu ambiente através de sensores e

Agentes Inteligentes. Qualquer coisa que pode: 1. Perceber seu ambiente através de sensores e Agentes Inteligentes Agente: Qualquer coisa que pode: Agente 1. Perceber seu ambiente através de sensores e 2. Agir sobre ambiente através de atuadores. Características de um agente humano: Sensores: Olhos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO 2017 Edital N.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO 2017 Edital N. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO 2017 Edital N. 69/2016 ANEXO V PROGRAMAS DAS PROVAS PARA OS CURSOS QUE EXIGEM

Leia mais

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE 2015 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA 1 Analisar a norma padrão em funcionamento no texto. 2 Distinguir os diferentes recursos da linguagem, utilizados em variados sistemas de

Leia mais

O jogo quinário na criação do espetáculo teatral

O jogo quinário na criação do espetáculo teatral 1 I Introdução O jogo quinário na criação do espetáculo teatral Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Professor, autor e diretor de teatro UNIRIO UERJ Palavras-chave: jogo sistema quinário espetáculo teatral

Leia mais

PROPOSTA DE PLANIFICAÇÃO DO 7º ANO LÍNGUA PORTUGUESA ANO LETIVO 2011/2012. Manual adotado: Entre Palavras, 7º Ano

PROPOSTA DE PLANIFICAÇÃO DO 7º ANO LÍNGUA PORTUGUESA ANO LETIVO 2011/2012. Manual adotado: Entre Palavras, 7º Ano PROPOSTA DE PLANIFICAÇÃO DO 7º ANO LÍNGUA PORTUGUESA ANO LETIVO 2011/2012 Manual adotado: Entre Palavras, 7º Ano Sequência didática: narrativa -Utilizar procedimentos para reter a informação: utilizar

Leia mais