ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO POR PRÁTICAS DE BPM: UM ESTUDO DE CASO NA UPE CONSULTORIA JR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO POR PRÁTICAS DE BPM: UM ESTUDO DE CASO NA UPE CONSULTORIA JR."

Transcrição

1 ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO POR PRÁTICAS DE BPM: UM ESTUDO DE CASO NA UPE CONSULTORIA JR. Ariádnes N. D. Rodrigues 1, Ivaldir H. de Farias Júnior 1, Hígor R. M. Santos 1, José Gilson Teixeira Filho 1 1 Centro de Informática (CIn) -- Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) RESUMO Atualmente, as pressões econômicas e sociais sobre as empresas estão exigindo uma maior capacidade de adaptação às necessidades e requisitos das diversas partes interessadas, sejam acionistas, colaboradores, parceiros, comunidade e principalmente o cliente. Podemos perceber que essa rápida adaptação as mudanças do meio externo, produtividade elevada com baixo custo, maior qualidade com a padronização de produtos e serviços, são exigências que, se bem resolvidas, revelam aos clientes uma relação de benefícios recebidos por custos assumidos (agregação de valor) superior a dos concorrentes. Agregar valor aos produtos e serviços pode garantir a preferência em meio às tantas transações disponíveis no mercado e é uma ação que recai também sobre os processos de negócio. Existem diversas disciplinas tais como BPM, SixSigma, Workflow que definem a gestão de processos de negócio como a força motriz do sucesso das organizações e a proposta deste estudo é analisar especificamente a eficiência da metodologia de gestão de processos BPM na formação da cadeia de valor da empresa júnior (UPE Consultoria Jr) com intuito de inserir uma melhoria continua no processo da empresa estudada. Palavras-chave: processos, negócio, estratégia, valor, metodologia, BPM. 1. INTRODUÇÃO As interações entre os clientes e as empresas, sejam elas caracterizadas pela predisposição a uma compra ou sua real concretização, implicam na percepção por parte dos clientes da troca de benefícios por custos. Segundo (Kotler, 1998) o valor percebido é o valor atribuído pelos

2 clientes aos produtos e/ou serviços, baseado na relação entre os benefícios que estes trarão, e os custos percebidos para a sua aquisição, comparativamente à concorrência. Para a formação de seus produtos e/ou serviços, as organizações realizam atividades que permeiam várias seções de sua estrutura, e dá-se o nome de cadeia de valor ao somatório dos benefícios e custos elaborados a cada seção da estrutura empresarial sobre o produto ou serviço até chegar às posses do cliente. Uma cadeia de valor genérica de uma organização é formada, de acordo com (Porter, 2004), pelo conjunto de atividades primárias e de apoio, como segue na Figura 1. Figura 1. Cadeia de valor genérica. Fonte: (Porter, 2004). O conjunto de atividades executadas pelas várias seções da empresa está associado ao conceito de processos de negócio, que segundo a (ABPMP, 2009) é um fluxo de tarefas coordenadas, ativadas por eventos específicos, conduzida por participantes que agem com dados, informações e conhecimento para atingir uma meta específica. Existem diversas disciplinas que tratam a gestão de processos como sendo a força motriz do sucesso das empresas. Uma dessas disciplinas referenciadas mundialmente é a Business Process Management (BPM), que a (ABPMP, 2009) a define como uma abordagem de gerenciamento para operar o negócio com alta eficiência, agilidade, inovação e adaptabilidade para exceder o que já é alcançado com abordagens tradicionais de administração de empresas. Métodos que visam o aperfeiçoamento da cadeia de valor podem garantir a sobrevivência e o destaque no mercado e podem ser extremamente úteis para alavancar a participação de empresas juniores (EJ) dentro do mercado das grandes corporações. Este estudo deteve sua atenção a uma EJ pernambucana denominada UPE Consultoria Jr, cujas características que comprometem a oferta de valor entregue aos clientes são: baixa experiência em atividades 2

3 gerenciais, alta rotatividade de seus membros, ausência de processos padronizados e pouca agilidade de aplicação do conteúdo técnico em prática. O objetivo geral da pesquisa consistiu em analisar a eficiência da metodologia de gestão de processos de negócio BPM no suporte à formação da cadeia de valor da UPE Consultoria Jr no que tange às características que comprometem uma oferta de valor superior, refletido diretamente na vantagem competitiva da UPE Consultoria Jr no mercado. 2. ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO COM A GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Gerir processos de negócio nessa dinâmica de economia globalizada para ofertar a melhor cadeia de valor dentre os concorrentes é tarefa aconselhável. Como confirmado por (Davenport, 1994): nota-se a necessidade da atenção sobre os processos empresariais, uma vez que a efetiva coordenação e cooperação interfuncional (entre os departamentos), necessárias à produção do produto ou serviço, estão essencialmente em processos que funcionam bem. Segundo a (ABNT 2001), processo é um conjunto de atividades inter-relacionadas ou interativas, que transformam insumos (entradas) em produtos (saídas). (Antunes, 2006) define processos como sendo uma constituição de fluxo de objetos no tempo e no espaço. Estes objetos podem ser materiais, idéias, informações e etc. A (ABPMP, 2009), Associação dos Profissionais de Gerenciamento de Processos de Negócio, define BPM como sendo uma abordagem de gerenciamento para operar o negócio com alta eficiência, agilidade, inovação e adaptabilidade para exceder o que já é alcançado com abordagens tradicionais de administração de empresas. De modo similar, a OMG (Object Management Group) através do documento (BPM- CONSORTIUM, OMG) afirma que é um conjunto de técnicas para a melhoria contínua e iterativa dos processos de negócio de uma organização. E para (JESTON e NELIS, 2006) é a realização dos objetivos de uma organização através da melhoria, gestão e controle de processos de negócio essenciais. A metodologia BPM, segundo (ABPMP, 2009) combina procedimentos, pessoas, tecnologia e a própria organização para criar uma visão única, sistêmica e integrada aos negócios. Atrelado a esse contexto, as atividades principais que se sobressaem, também vistas na Figura 2, são: modelagem, análise, desenho, gerenciamento de desempenho e transformação de processos. 3

4 Figura 2. Áreas de conhecimento da metodologia BPM. Fonte: (ABPMP, 2009). Modelagem de Processos: entendimento do processo como está sendo executado atualmente na organização. Em organizações menos maduras em BPM, pode ser a primeira vez que os processos de negócio estão sendo documentados. Análise de Processos: tem a finalidade de entender os atuais processos organizacionais no contexto das suas metas e objetivos desejados. Utiliza-se de informações provenientes de planos estratégicos, modelos de processos, medição de desempenho, mudanças de ambientes externos e etc. Desenho de Processos: define o que a organização quer que o processo seja e responde a questões como: o quê, quando, onde, quem e como o trabalho ponta a ponta é realizado. Gerenciamento de desempenho de processo: provêem informações chaves do desempenho dos processos através de métricas relacionadas às metas e ao valor para a organização. A análise de informações de desempenho de processos pode resultar em atividades de melhoria, redesenho ou reengenharia. Transformação: implementa o resultado da análise iterativa e o ciclo de desenho. 3. TRABALHOS RELACIONADOS Muitas empresas investiram ou estão investindo tempo e recurso na elaboração de projetos de BPM para a melhoria contínua dos seus processos de negócio. Segue abaixo uma comparação entre alguns trabalhos encontrados na literatura. 4

5 3.1. INAZAWA, 2009 O estudo de caso objetivou a implantação de BPM como a abordagem capaz de auxiliar a gestão e otimização dos seus processos de negócio. Algumas áreas de conhecimento apontadas pela ABPMP foram realizadas no processo crítico de Atendimento de Chamados (Service Desk) da empresa. Ao final do estudo, concluiu-se que a metodologia era capaz de oferecer uma visão ampla da estrutura de trabalho da organização. Os modelos do processo foram vistos como informações relevantes para ser utilizada em atividades de treinamentos de funcionários, aproximação das equipes dos setores correlacionados às próprias atividades do processo crítico, bem como a padronização e melhoria contínua do serviço prestado ROCHA, 2007 O estudo de caso foi realizado em uma empresa pública, com o objetivo de analisar a eficiência de BPM no que se refere ao suporte do alinhamento dos processos de negócio com as estratégias da empresa. Foram utilizadas técnicas de apresentação, entrevistas, levantamentos e reuniões para a coleta dos dados dos macro-processos que fizeram parte do estudo. Os processos críticos identificados (a citar, Atendimento ao Cliente, Racionalização da Infra-Estrutura Tecnológica e Treinamento ao Usuário) estão associados ao departamento de TI. O departamento escolhido contém pessoas terceirizadas e é classificado como com um grau de grande relevância para a empresa. Ao final do estudo, concluiu-se que o BPM foi válido para o alinhamento estratégico com os processos de negócio, uma vez que reduz custos da execução, aumentando a eficiência e qualidade dos serviços COMPARATIVO DOS TRABALHOS RELACIONADOS Logo abaixo, segue um quadro comparativo da aplicação das etapas de um ciclo de BPM nos projetos descritos acima Projeto Ciclo de BPM UPE Consultoria INAZAWA ROCHA Jr Planejamento e Estratégia Identificação de processos críticos Sim Sim Sim Modelagem e Desenho 5

6 Modelagem AS IS Sim Sim* Sim Modelagem TO BE Sim Sim* Sim Implementação do Processo Montagem de equipes de BPM Não Sim Sim Monitoramento e Controle de Processos Definição de Indicadores de Desempenho Não Não Sim Refinamento dos Processos Não Não Não * Não foi utiliza notação de modelagem de processos de negócio, e sim linguagem natural descrevendo as tarefas, os responsáveis e artefatos de entrada e saída do processo. Apesar dos trabalhos relacionados executarem áreas de conhecimento da metodologia de gestão de processos, em ambos os casos não é indicado a utilização de um dos ciclos formais de BPM ditado pela literatura. A respeito da fase Definição de Indicadores de Desempenho, nenhum dos trabalhos relacionados apresentou posicionamento a respeito. A definição de métricas de processos é extremamente importante, ao ponto que os indicadores são mais uma informação que apóia a tomada de decisão das empresas rumo ao alcance de seus objetivos estratégicos. Diante deste contexto, este trabalho apresenta uma etapa de definição de indicadores de desempenho considerado pelos pesquisadores como uma etapa do ciclo de BPM muito relevante para as empresas. 4. MÉTODO A metodologia de pesquisa se deu por uma revisão literária juntamente com um estudo de caso de caráter exploratório e descritivo. O estudo de caso aplicou um ciclo de BPM (mapeamento, modelagem, análise, desenho e melhoria de processos) nos processos de recrutamento e seleção da empresa. Ambos os processos são considerados críticos pela alta rotatividade de colaboradores debilitando o capital humano da organização (é próprio das empresas juniores serem formadas por alunos que em um curto espaço de tempo não estarão mais vinculados à faculdade). Entrevistas e observações sistêmicas caracterizaram as técnicas de coleta de dados, utilizando formulários como instrumentos. 5. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS A Empresa Júnior (EJ) é uma associação civil educativa, multidisciplinar e sem fins lucrativos, políticos ou religiosos, com prazo de duração indeterminado, formada e gerida 6

7 única e exclusivamente por alunos da graduação (Cunha, 2005). No sentido informal, costuma-se definir a EJ como um grande laboratório prático do conhecimento técnico e gestão empresarial. A UPE Consultoria Jr é uma EJ que existe há um pouco mais de três anos e seus colaboradores estão vinculados aos cursos de Sistemas de Informação e Administração com ênfase em Marketing da Moda pela Universidade de Pernambuco, Campus Caruaru. Essa empresa Júnior foi escolhida para ser o objeto de um estudo de caso de caráter exploratório e descritivo para análise da atuação da metodologia de gestão de processos BPM na formação da cadeia de valor da empresa. As etapas se deram da seguinte forma: 1) Percepção de características e dinâmica ambiente de trabalho da UPE Consultoria Jr. 2) Aplicação de um ciclo de BPM (mapeamento, modelagem, análise, desenho e melhoria de processos) nos processos de recrutamento e seleção da empresa, tendo em vista que esses processos são considerados críticos na cadeia de valor pela alta rotatividade de colaboradores da organização DINÂMICA E CARACTERÍSTICAS DO FLUXO DE TRABALHO DA EMPRESA Quanto a sua estrutura organizacional, a empresa é formada pelo Conselho Administrativo (professores da Universidade e ex-participantes da EJ), 4 Diretores Executivos e 5 Gerentes de Núcleos. Os núcleos existem comparativamente aos departamentos e planejam atividades específicas para o alcance de metas próprias, e quando é recebida uma demanda de cliente é alocada uma equipe com integrantes de cada núcleo para o projeto. Apesar de haver um escritório de projetos, os projetos são executados e geridos também de maneira despadronizada pela falta de experiência com atividades gerenciais dos integrantes. Como os integrantes da empresa são vinculados à universidade por períodos de ingresso distintos, isso faz com que os núcleos funcionem de forma assíncrona, justificado pela adaptação a disponibilidades distintas dos alunos que precisam estudar e se dedicar as atividades da empresa. A comunicação entre os integrantes é enfraquecida e debilita a coordenação das atividades ao ponto que não se tem conhecimento imediato da conclusão de tarefas para que as próximas tarefas do fluxo do processo continuem a ser executadas assim como também a passagem de 7

8 artefatos, isto é, documentos necessários para a sequência de atividades e/ou processos interrelacionados. De acordo com esse cenário, os integrantes comprometem a oferta de valor entregue aos clientes, refletindo a de queda de qualidade percebida por eles. 6. APLICAÇÃO DO CICLO BPM Segundo a (ABPMP, 2009) um ciclo de BPM é um conjunto gradual e interativo de atividades (Figura 3) necessárias para a realização de um projeto na metodologia de gestão de processos, que na prática, nada mais é que a aplicação das áreas de conhecimento da metodologia (Figura 2) em uma determinada ordem. Figura 3. Ciclo de BPM. Fonte: (ABPMP, 2009). 1ª FASE: PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA - IDENTIFICAÇÃO DE PROCESSOS CRÍTICOS DA CADEIA DE VALOR De maneira geral, os processos críticos são aqueles que têm sua execução acompanhada de iminência de problemas e os referidos problemas têm grande impacto no alcance de objetivos estratégicos da agregação de valor aos produtos/e ou serviços. Os processos críticos identificados na UPE Consultoria Jr foram os de recrutamento e seleção. Processo de Recrutamento: consiste na atração de candidatos potencialmente qualificados, capazes de assumirem cargos dentro da organização. Processo de Seleção: consiste na captação de candidatos qualificados para assumirem cargos dentro da organização. 8

9 Na verdade, é característico de EJ, em geral, ter processos de recrutamento e seleção como críticos, pois o tempo de permanência de cada integrante em empresas desse tipo é geralmente curto, que é o mesmo possível pelo vínculo com a Universidade (em média de 4 anos). São empresas com alto nível de rotatividade de pessoal, cujos conhecimentos a cerca do funcionamento da empresa são debilitados a cada desligamento dos integrantes. A contar ainda que geralmente não sejam alunos do 1º período que componham sempre a UPE Consultoria Jr. Na empresa, atualmente não existe nada que formalize o fluxo de atividades que cada pessoa realizava em seus núcleos antes de seus desligamentos incluindo os processos de recrutamento e seleção que são executados de maneiras diferentes a cada necessidade de mais integrantes. Uma formalização desses processos pode favorecer a atração e captação eficientes de novos colaboradores, a fim de que a cadeia de valor não fique debilitada por tempo demasiado. 2ª ETAPA: MODELAGEM E DESENHO DOS PROCESSOS - MODELOS AS IS E TO BE Essa etapa do ciclo de BPM é caracterizada por duas áreas de conhecimento da metodologia: Modelagem do processo atual (modelo AS IS) e Desenho de processo futuro (modelo TO BE) dos processos críticos identificados. As modelagens dos processos críticos foram elaboradas após observação da execução das tarefas dos processos e entrevistas com participantes dos processos (colaborador e gerente dos núcleos). Durante a entrevista com gerentes houve discussões que decidiram a inclusão ou retirada de tarefas no processo para que este ficasse cada vez mais alinhado às estratégias da empresa. 9

10 Figura 4. Processo de recrutamento no modelo AS IS. Fonte: autores. De acordo com a Figura 4, foram identificadas atividades que permeiam 3 executores: os núcleos que necessitam da atrair novos integrantes para as equipes de trabalho, bem como o consultor em RH que acompanha e auxilia o processo e um autor externo a organização que são os candidatos às vagas disponíveis. Nas reuniões com os gerentes para analisar o processo atual, conclui-se que: Após a percepção da necessidade de recrutar novos integrantes o gerente do núcleo, deveria informar sobre a necessidade para o consultor de RH. O consultor deverá validar essa necessidade com a aprovação de um plano de recrutamento. Caso o plano não seja aceito deverá ser documentado os argumentos de rejeição do plano; Deverá ser aproveitado o potencial de comunicação do site empresarial para informar as vagas disponíveis. As melhorias percebidas no processo de negócio foram desenhadas no modelo TO BE (Figura 5). 10

11 Figura 5. Processo Recrutamento no modelo TO BE. Fonte: autores. 11

12 Essas modificações podem atuam no ambiente de trabalho da empresa: Criando condições para a adequada realização dos trabalhos diários: as atividades para o recrutamento já estão todas estabelecidas, ocasionando redução de esforço e tempo para estabelecer um roteiro válido e padronizado para atrair novas pessoas para as equipes de trabalho. Todo esforço deverá ser concentrado para execução propriamente dita das atividades; Reduzindo o tempo em que o capital humano da UPE Consultoria Jr ficará debilitado: porque a explicitação dos processos simboliza uma maneira relevante para a passagem do funcionamento da empresa necessário aos novos gerentes dos núcleos e consultores em RH; Desenvolvendo a habilidade dos integrantes para a defesa de argumentos: o processo estimula que os gerentes dos núcleos defendam as motivações para o aumento das equipes de trabalho, contidas no plano de recrutamento, e estimula o consultor de RH para definir argumentos para a recusa do plano, contidas no relatório de avaliação do plano de recrutamento. No modelo AS IS (Figura 6) do processo de seleção, foram identificadas atividades que permeiam 3 executores: os núcleos que participam do processo apenas com a observação da listagem dos candidatos aprovados para as vagas disponíveis, enquanto que o consultor em RH se responsabiliza por quase todo processo, desde a elaboração das provas teóricas, que é constituída com conteúdo que conceitua e caracteriza empresas juniores, passando pela aplicação e correção dessa prova até o contrato dos candidatos aprovados; os candidatos realizam a prova e recebem seu desempenho. 12

13 Figura 6. Processo Seleção no modelo AS IS. Fonte: autores. 13

14 Nas reuniões com os gerentes para analisar o processo atual, conclui-se que: Para avaliar com mais eficiência se o perfil do candidato preenche as qualificações da vaga, percebeu-se que deverão ser incorporadas questões específicas e práticas dos núcleos, quando necessário. As melhorias percebidas no processo de negócio foram desenhadas no modelo TO BE (Figura 7) e essas modificações podem atuam no ambiente de trabalho da empresa: Criando condições para a adequada realização dos trabalhos diários: atividades de seleção de integrantes já estão todas estabelecidas, ocasionando redução de esforço e tempo para estabelecer um roteiro válido e padronizado para selecionar novas pessoas para as equipes de trabalho. Todo esforço deverá ser concentrado para execução propriamente dita das atividades; Reduzindo o tempo em que o capital humano da UPE Consultoria Jr ficará debilitado: porque a explicitação dos processos simboliza uma maneira relevante para a passagem do funcionamento da empresa necessário aos novos gerentes dos núcleos e consultores em RH; Na captação de integrantes potencialmente qualificados para núcleos específicos: a execução de provas práticas e/ou a inclusão de questões específicas de cada núcleo fará com que o perfil do componente selecionado se aproxime cada vez mais do perfil da equipe de trabalho do núcleo. 14

15 Figura 7. Processo Seleção no modelo TO BE. Fonte: autores. 15

16 3ª FASE: IMPLEMENTAÇÃO DOS PROCESSOS - MONTANDO EQUIPES DE TRABALHO E REALIZANDO TREINAMENTO NO PROCESSO Após a identificação dos processos críticos e a realização da sua modelagem, análise e desenho, os processos precisam ser divulgados para que a empresa possa trabalhar baseada no modelo. A divulgação dos processos se deu na forma de reuniões com os integrantes da empresa na qual foi revelado todo o fluxo das atividades, bem como os artefatos surgidos nas atividades dos processos. A disponibilização contínua do modelo se deu em quadros de exibições da empresa, porém foi percebida a necessidade de implantação de uma maneira eficiente para essa disponibilização. 4ª FASE: MONITORAÇÃO DOS PROCESSOS DEFININDO INDICADORES DE DESEMPENHO Através de entrevistas com os gerentes dos núcleos foram identificados dois indicadores de desempenho para os processos de recrutamento e seleção: Eficiência: de maneira geral, o indicador de desempenho mensura os recursos necessários (tempo, por exemplo) para obtenção do resultado pretendido. É eficiente aquele processo cujo tempo de execução obedece ao padrão, ou é inferior ao tempo estimado para executá-lo, por exemplo. Eficácia: de maneira geral, o indicador de desempenho equipara resultados recebidos com resultados esperados. Se o resultado recebido não obter o objetivo para o qual foi planejado, o processo é dito não eficaz; Para a medição dos indicadores de eficiência e eficácia, conclui-se que seria suficiente: Em curto prazo: preencher, durante a execução de cada processo de seleção e recrutamento, um formulário que deve conter campos para dados tais como: data de início e fim do processo, uma flag para auditar a existência de cada artefato que deveriam ser gerados em cada tarefa. Em longo prazo: manter uma base histórica dos indicadores de processos medidos. O tempo de execução média pode compor o valor base para a classificação do processo como eficiente ou não. 7. CONCLUSÕES E LIMITAÇÕES O bom posicionamento no mercado é estabelecido pela oferta de uma satisfatória relação entre custos e benefícios (valor percebido). Como parte do valor agregado nos produtos ou 16

17 serviços recai sobre os processos de negócio, as abordagens da gestão de processos pela metodologia BPM se tornam justificáveis. A etapa de Planejamento e Estratégia influencia a organização a classificar as atividades da empresa em grupo de ações que adicionam valor aos produtos e serviços e isso caracteriza a metodologia como um motivador modelo de gestão empresarial. Na etapa de Modelagem e Desenho, os processos entregues no modelo TO BE expressaram melhorias de execução em relação à forma que são executados atualmente. Por isso entende-se que os esforços da metodologia BPM pode ser usada para otimizar a cadeia de valor, ao ponto que é possível absorver as melhores práticas a serem utilizadas para sanar determinada necessidade. De maneira geral, o conhecimento explícito em documentos através das modelagens dos processos críticos, implementa a poderosa capacidade de retomar a uma cadeia da valor adequada quando os integrantes saem da empresa. Logo, a maneira como BPM melhora e explicita as atividades da organização revela que BPM se torna uma ferramenta estratégica de negócio. Uma das limitações presentes no desenvolvimento do trabalho refere-se ao fato da metodologia relacionar-se com a mudança na cultura organizacional e requer um tempo de aceitação e amadurecimento. Com a proposta da pesquisa vieram os receios dos integrantes da empresa quanto à nova forma de tratar as atividades da organização: os processos modelados e desenhados estariam representando um instrumento de burocracia na execução das nossas atividades? REFERÊNCIAS ABPMP. (2009). Associação Brasileira dos Profissionais em BPM. BPM CBOK - Guide to the Business Process Management Common Body of Knowledge. Versão 2. ABNT. (2001) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade e garantia da qualidade Fundamentos e Vocabulário. Rio de Janeiro: ABNT, ANTUNES, JR. (2006). Os paradigmas na engenharia de produção, Capítulo 2, Livro ainda não publicado, Gestão de Processos, COPPE/UFRJ, BPM-Consortium, OMG. (n.d.). Business Process Management with OMG specifications. Retrieved Junho 05, 2010, from Object Management Group: CUNHA, F. A. G. (2005). DNA Júnior. Confederação Brasileira de Empresas Juniores. Disponível em: <http://www.brasiljunior.org.br>. Acesso em: 20 mai

18 DAVENPORT, T. H.(1994). Reengenharia de Processos. Rio de Janeiro: Ed Campus. GONÇALVES, J. E. (2000). As empresas são grandes coleções de processos. RAE - Revista de Administração de Empresas, 40 (1), INAZAWA, R. R. (2009). A Aplicação do BPM para Automação de Processos de Negócio nas Organizações. Estudo de Caso: Projeto NEW_RCMS. São Paulo: Centro Tecnológico da Zona Leste, Faculdade de Tecnologia da Zona Leste. JESTON, J., & NELIS, J. (2006). Business Process Management, practical guidelines to successful implementations. Oxford: Butterworth-Heinemann-Elsevier. KOTLER, P. (1988). Administração e Marketing: análise, planejamento, implantação e controle. São Paulo: Atlas. PORTER, M. E. (2004). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência / Michael Porter; tradução de Elizabeth Maria de Pinho Braga. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier. ROCHA, A, ET AL. (2007). A Modelagem de Processos de Negócio em empresa pública A Experiência da Comissão Nacional de Energia Nuclear CENEN na modelagem dos processos de negócio do Serviço de Tecnologia da Informação SETIN. Rio de Janeiro: 2º Congresso Científico da UniverCidade. AUTORES Ariádnes, Rodrigues. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática (CIn) Av. Jornalista Anibal Fernandes, s/n - Cidade Universitária (Campus Recife) Recife - PE Fone: / Fax: Ivaldir, Ferreira Júnior. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática (CIn) Av. Jornalista Anibal Fernandes, s/n - Cidade Universitária (Campus Recife) Recife - PE Fone: / Fax:

19 Hígor, Santos. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática (CIn) Av. Jornalista Anibal Fernandes, s/n - Cidade Universitária (Campus Recife) Recife - PE Fone: / Fax: Gilson, Teixeira Filho. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática (CIn) Av. Jornalista Anibal Fernandes, s/n - Cidade Universitária (Campus Recife) Recife - PE Fone: / Fax:

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE BPM EM UMA ORGANIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO

APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE BPM EM UMA ORGANIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA APLICAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE BPM EM UMA ORGANIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO Aluno: Vandson Tenório de Oliveira

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO DE CAMARÃO JAGUARUANA - CEARÁ

APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO DE CAMARÃO JAGUARUANA - CEARÁ APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO DE CAMARÃO JAGUARUANA - CEARÁ APOIO À GESTÃO ESTRATÉGICA POR PRÁTICAS DE BPM: ESTUDO DE CASO EM UMA FAZENDA DE CULTIVO

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Gestão por Processos

Gestão por Processos Gestão por Processos Ponta Grossa SC Setembro de 2011 Simone de Andrade Klober. Graduado em Psicologia - ACE/SC, Mestre em Gestão Estratégica ESAG/UDESC, Especialista em dinâmica dos Grupos SBDG, Formação

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

MGProc Metodologia de Gestão de Processos do Ministério da Fazenda

MGProc Metodologia de Gestão de Processos do Ministério da Fazenda MGProc Metodologia de Gestão de Processos do Ministério da Fazenda AGENDA PMIMF Frente de atuação: Processos Modelo de Gerenciamento de Processos do Ministério da Fazenda MGProc Passo a Passo 1º Passo

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Curso de. Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI

Curso de. Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI Curso de Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI Descrição da Ementa do Curso Como integrar negócio e tecnologia? Como maximizar o retorno sobre investimentos em projetos de Tecnologia

Leia mais

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada Vice-Presidência de Tecnologia Governança de TI Uma Jornada Contexto Conhecer-se é condição fundamental para evoluir Evolução da TI Governança de TI Contexto Evolução da TI Aumento de importância e complexidade

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

FACULDADE DOS GUARARAPES. Introdução ao BPM. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com. www.romulocesar.com.br

FACULDADE DOS GUARARAPES. Introdução ao BPM. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com. www.romulocesar.com.br FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução ao BPM Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE Mini CV: Doutorando em Ciência da Computação

Leia mais

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves BPM Congress 27 e 28-11-2012 Palestrante: Ranussy Gonçalves O SEBRAE-MG Mais de 700 funcionários Orçamento para 2012 de mais de R$ 185 milhões 130 mil empresas atendidas em 2011 e 150 mil para 2012 O início

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL

RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL Diretoria de Soluções em Tecnologia da Informação DSI Departamento Projetos, Processos e Requisitos - DEPR Unidade Operacional de Projetos e Processos UOPP RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 Implantação e certificação do sistema de gestão da qualidade do Programa Especial de Treinamento da Engenharia de Produção da UFSC conforme a norma ISO 9001:2000 Victor Monte Mascaro Vietti (PET Produção

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS.

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. CASTRO, Gabriela Jorge; REIS, Luciana de Cássia; GIROTTO, Márcia; MARTINS, Murilo Mello; TAMAE,Rodrigo Yoshio RESUMO O artigo analisa

Leia mais

www.gartcapote.com www.abpmp br.org Livros Guia para Formação de Analistas de Processos Contribuições Modelagem de Processos com BPMN

www.gartcapote.com www.abpmp br.org Livros Guia para Formação de Analistas de Processos Contribuições Modelagem de Processos com BPMN Gart Capote International Certified Business Process Professional (CBPP ) Presidente da ABPMP no Brasil - Association of Business Process Management Professionals (Chicago-EUA) Autor, Instrutor e Consultor

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR

SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR RESUMO Maria Luiza Azevedo de Carvalho Anderson Paiva

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS Marcelo Pereira da Conceição Resumo Respostas rápidas as mudanças pode ser uma ação de sobrevivência, este fato leva

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional Case APESC Assessoria de Desenvolvimento Organizacional PROGRAMA Assessoria de Desenvolvimento Organizacional DO Gestão de Processos na APESC Metodologia Novo Olhar Benefícios e desafios Sistema de Gestão

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

MARATONA CBOK. Mônica Luzia Alves Venancio Pires CBPP, CobiT e ITIL DETIC/VITEC

MARATONA CBOK. Mônica Luzia Alves Venancio Pires CBPP, CobiT e ITIL DETIC/VITEC MARATONA CBOK Mônica Luzia Alves Venancio Pires CBPP, CobiT e ITIL DETIC/VITEC BPM CBOK CAPÍTULO 2 GERENCIAMENTO DE PROCESSOS AGENDA Objetivo Introdução Principais Conceitos BPM Tipos de Processos Tipos

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Agenda O Sebrae/RJ Contexto Inicial Iniciativas de Gestão por Processos Iniciativa Interna Projeto Gestão

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Gestão de Processos de Negócios

Gestão de Processos de Negócios Gestão Operacional da TI Gestão de Processos de Negócios Business Process Management (BPM) Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PESSOAL

PLANEJAMENTO DE PESSOAL GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO DE PESSOAL Planejamento estratégico de GP 1 Um dos aspectos mais importantes do planejamento estratégico de GP é o alinhamento da função de GP com a estratégia organizacional.

Leia mais