SUPERMERCADO VIRTUAL: avaliação de qualidade dos serviços de e-commerce dos supermercados no Rio de Janeiro. Marcio Guterman Lerner

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUPERMERCADO VIRTUAL: avaliação de qualidade dos serviços de e-commerce dos supermercados no Rio de Janeiro. Marcio Guterman Lerner"

Transcrição

1 SUPERMERCADO VIRTUAL: avaliação de qualidade dos serviços de e-commerce dos supermercados no Rio de Janeiro Marcio Guterman Lerner Instituto COPPEAD de Administração Mestrado em Administração Orientador: Prof. Dr. Kleber Fossati Figueiredo Rio de Janeiro Março/2003

2 ii SUPERMERCADO VIRTUAL: avaliação de qualidade dos serviços de e-commerce dos supermercados no Rio de Janeiro Marcio Guterman Lerner Tese submetida ao corpo docente do Instituto COPPEAD de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Administração. Aprovada por: Prof. Prof. Kleber Fossati Figueiredo COPPEAD/UFRJ Orientador Prof. Prof. Antônio Roberto Ramos Nogueira COPPEAD/UFRJ Prof. Prof. Eduardo André Teixeira Ayrosa FGV Rio de Janeiro Março/2003

3 iii Lerner, Marcio Guterman. Supermercado Virtual: avaliação de qualidade dos serviços de e-commerce dos supermercados no Rio de Janeiro / Marcio Guterman Lerner. Rio de Janeiro, x, 133 f.: il. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Instituto COPPEAD de Administração, Orientador: Prof. Kleber Fossati Figueiredo 1. Qualidade de serviços. 2. Comércio eletrônico. 3. Comércio varejista. - Teses. I. Figueiredo, Kleber Fossati (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. III. Título.

4 iv Dedico este trabalho à minha família, que sempre atribuiu importância máxima à educação e às minhas novas famílias Azulay e Abulafia, que possuem o mesmo princípio.

5 v AGRADECIMENTOS Aos meus colegas e queridos amigos Cíntia Soares, Maurício Portela e Paula Chimenti, pelo auxílio tecnológico no questionário via internet e pelas críticas construtivas. A cada um dos respondentes do questionário (clientes e gerentes) pela paciência, seriedade e espírito de colaboração. A Jaime Reis e ao professor Vitor Almeida pela contribuição na elaboração da lista de atributos. A Lílian Abramovitz e ao professor Eduardo Saliby pela orientação nos procedimentos estatísticos. A Janete Mandelblatt pelo auxílio na tradução do resumo. Ao meu orientador Kleber Figueiredo pelas diretrizes. Aos meus pais pelo apoio incondicional, em qualquer circunstância. A Ana Eugenia pelo incentivo e inspiração.

6 vi RESUMO LERNER, Marcio Guterman. Supermercado Virtual: avaliação de qualidade dos serviços de e-commerce dos supermercados no Rio de Janeiro. Orientador: Kleber Fossati Figueiredo. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). Esta dissertação pretende estudar como a qualidade dos serviços de e-commerce prestados pelos supermercados do Rio de Janeiro é avaliada pelos clientes e como cada supermercado define sua política de qualidade de serviço. De acordo com proposições de diversos autores, a qualidade dos serviços é avaliada pelo cliente através da comparação entre a qualidade percebida e a qualidade esperada. Com base no instrumento SERVQUAL de três colunas, foi preparado o questionário da pesquisa, que continha uma lista de atributos específicos para o varejo virtual. Esse questionário foi aplicado aos clientes e aos gerentes dos supermercados do Estado do Rio de Janeiro que oferecem serviços de e-commerce. Foi possível obter um ranqueamento, comum aos três supermercados, dos atributos mais importantes, de acordo com o nível de qualidade desejada pelos clientes. Verificaram-se, também, diferenças entre as avaliações de qualidade percebidas pelos clientes dos diferentes supermercados, apontando para distintos posicionamentos de qualidade entre eles. Foi confirmada a existência do hiato entre os níveis de qualidade desejada e de qualidade percebida, na avaliação dos clientes de todos os três supermercados. Porém, verificou-se que os gerentes dos supermercados conhecem as exigências de qualidade dos clientes e que, portanto, esse não é o motivo do hiato de qualidade de serviço existente.

7 vii ABSTRACT LERNER, Marcio Guterman. Supermercado Virtual: avaliação de qualidade dos serviços de e-commerce dos supermercados no Rio de Janeiro. Orientador: Kleber Fossati Figueiredo. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). This dissertation intends to study how the clients of the supermarkets in Rio de Janeiro evaluate the quality of the e-commerce services provided by them and how each supermarket defines its policy in terms of service quality. According to propositions of many authors, clients evaluate quality of services by means of comparison between perceived and expected quality. Using the 3-column format of SERVQUAL instrument, the questionnaire of the research was prepared, containing a list of specific attributes for the virtual retail. This questionnaire was applied to the clients and the managers of the supermarkets in Rio de Janeiro that offer this e-commerce service. It was possible to obtain a common ranking of most important attributes, based on client s desired quality level, for all supermarkets. Also, the difference between the evaluations of clients of different supermarkets, regarding the level of perceived quality, was verified, indicating that supermarkets stand in different service quality positions. The existence of a gap between the levels of desired quality and perceived quality was confirmed in all the three supermarkets. But it was also verified that the supermarket managers are aware of what level of quality their clients want and, therefore, this is not the reason for the gap of service quality earlier found.

8 viii LISTA DE FIGURAS Figura 1- Receitas totais efetiva e prevista de e-commerce B2C nos EUA,... 4 de 2000 a 2005, em US$ bilhões Figura 2: Modelo Conceitual da Qualidade por Serviços Modelo da Análise do Gap da Qualidade Figura 3 Representatividade do delivery e internet no faturamento dos supermercadistas que oferecem esses serviços Figura 4 Principais vantagens das empresas clicks and mortar sobre as puramente virtuais Figura 5 Principais motivos para realizar compras pela internet Figura 6 Atributos mais importantes para realização de compras por impulso na internet e no varejo tradicional Figura 7 Principais motivos para não realizar compras pela internet Figura 8 Evolução do índice e-bit/pricewaterhousecoopers de Satisfação Geral do Comércio Eletrônico Figura 9 Internautas satisfeitos com suas compras de fim de ano Figura 10 Os 10 problemas mais vivenciados por compradores online Figura 11 Os problemas mais vivenciados por compradores online Figura 12 Importância X Satisfação com as dimensões de serviço na internet Figura 13 Fatores que levariam o internauta a comprar mais pela web Figura 14 Resumo da seleção de análises utilizadas no tratamento dos dados Figura 15 Histogramas dos três atributos de maior média e dos três atributos de menor média de qualidade desejada Figura 16 Histogramas dos três atributos de maior média, de três atributos intermediários e dos três atributos de menor média de qualidade mínima adequada Figura 17 Histogramas dos três atributos de maior média, de três atributos intermediários e dos três atributos de menor média de qualidade percebida Figura 18 Atributos de compras de supermercado pela internet mais valorizados pelos clientes Figura 19 Avaliações dos clientes de cada supermercado para qualidade desejada, mínima adequada e percebida para cada atributo Figura 20 Sisitema de classificação para o posicionamento de qualidade de serviço oferecido Figura 21 Gráficos comparativos, para cada supermercado, das avaliações de qualidade desejada pelos clientes e os julgamentos dos varejistas acerca dela... 97

9 ix LISTA DE TABELAS Tabela 1 Dimensões/Atributos de serviço (PBZ) Tabela 2 Dimensões/Atributos de serviço (Gianesi e Corrêa) Tabela 3 Dimensões/Atributos de serviço (Lalonde e Zinszer) Tabela 4 Exemplo de ciclo de serviço para um supermercado tradicional Tabela 5 Dimensões/Atributos de serviço (Levy e Weitz) Tabela 6 Concentração do setor supermercadista brasileiro no final da década de 90: Empresas de maior faturamento em 2000 e Tabela 7 Atributos de serviço no comércio eletrônico os 7 Cs Tabela 8 Comparação da internet com outros canais de compra Tabela 9 Desempenho do supermercado virtual paodeacucar.com.br Tabela 10 Desempenho dos supermercados virtuais Netgrocer.com e Peapod.com Tabela 11 Lista dos atributos utilizados nos questionários da pesquisa Tabela 12 Número de questionários válidos por supermercado Tabela 13 Estatísticas descritivas, para cada um dos atributos, das avaliações de qualidade desejada, qualidade mínima adequada e qualidade percebida, feitas pelos clientes de todos os supermercados de forma agregada Tabela 14 Estatísticas tau b de Kendall e significâncias da correlação entre qualidade desejada e zona de tolerância para cada atributo Tabela 15 Atributos mais importantes, situados no primeiro quartil Tabela 16 Significâncias das diferenças entre as avaliações dos clientes virtuais dos diferentes supermercados para qualidade mínima adequada, qualidade desejada e qualidade percebida, para cada um dos atributos Tabela 17 Atributos com diferenças significativas de avaliação entre os clientes virtuais dos diferentes supermercados para qualidade percebida Tabela 18 Gap entre a qualidade percebida e a qualidade desejada para cada atributo, para cada supermercado Tabela 19 Gap entre a qualidade percebida e a qualidade mínima adequada para cada atributo, para cada supermercado Tabela 20 Classificação de qualidade de serviço oferecido para cada atributo, para cada supermercado Tabela 21 Atributos com hiatos significativos entre as avaliações de qualidade desejada pelos clientes e os julgamentos dos varejistas acerca dela, para o supermercado # Tabela 22 Atributos com hiatos significativos entre as avaliações de qualidade desejada pelos clientes e os julgamentos dos varejistas acerca dela, para o supermercado #

10 x SUMÁRIO 1 O PROBLEMA INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO ESTUDO RELEVÂNCIA DO ESTUDO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA QUALIDADE DE SERVIÇO DIMENSÕES DE QUALIDADE E SEUS ATRIBUTOS O Modelo SERVQUAL Outros Modelos de Avaliação de Qualidade O MODELO DOS 5 GAPS A ZONA DE TOLERÂNCIA O VAREJO COMO SERVIÇO Atributos de Qualidade no Varejo A INTERNET E O VAREJO ELETRÔNICO Formatos de Varejo Tradicionais O e-commerce ATRIBUTOS DOS SERVIÇOS NO E-COMMERCE PESQUISAS DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE E AVALIAÇÃO DE QUALIDADE NO E-COMMERCE RESUMO METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA PERGUNTAS DA PESQUISA UNIVERSO E AMOSTRA COLETA DE DADOS TRATAMENTO DOS DADOS LIMITAÇÕES DA PESQUISA RESULTADOS: DESCRIÇÃO E ANÁLISE ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS ATRIBUTOS MAIS VALORIZADOS DIFERENÇAS ENTRE AS AVALIAÇÕES DOS CLIENTES DOS DIFERENTES SUPERMERCADOS RESULTADOS E ANÁLISE DO GAP RESULTADOS E ANÁLISE DO GAP RESUMO, CONCLUSÕES E SUGESTÕES SUGESTÕES PARA FUTURAS PESQUISAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO 1 MODELO DO QUESTIONÁRIO DA PESQUISA ANEXO 2 MODELO DO DE SOLICITAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO ANEXO 3 RANKING DOS ATRIBUTOS MAIS IMPORTANTES, SEPARADO POR SUPERMERCADO ANEXO 4 RESULTADOS DO SPSS PARA O TESTE DE KRUSKAL WALLIS ANEXO 5 RESULTADOS DO SPSS PARA OS TESTES DE WILCOXON ANEXO 6 RESULTADOS DO SPSS PARA OS TESTES DE MANN WHITNEY...128

11 1 1 O PROBLEMA 1.1 Introdução A avaliação de qualidade de serviços é, de uma forma geral, mais complexa do que a de produtos. Por suas características de intangibilidade e alto envolvimento de pessoas, aqueles têm mais componentes perceptuais do que esses. Isso significa que a percepção dos clientes sobre a qualidade dos serviços é fundamental e deve ser medida corretamente (Gronroos, 1984; Zeithaml et al., 1985; Harvey, 1998). Medir corretamente a percepção dos clientes envolve conhecer os aspectos (atributos) específicos do serviço que são relevantes para eles. Para muitos serviços, foram desenvolvidos e aplicados modelos de avaliação de qualidade. Os serviços oferecidos via internet estão começando a ser projetados, motivados pelo crescimento de sua utilização como canal de vendas. Autores como Schneider (1994), Peterson et al. (1997), Ambrose e Johnson (1998), Poel e Leunis (1999) e Diniz (1999), enfatizam que o futuro comercial da Internet parece ser um caminho sem volta para a rede que, inicialmente, foi idealizada como um canal de comunicação entre instituições de pesquisa sem a finalidade de abrigar operações lucrativas. Nos últimos anos, o número de pessoas online tem crescido exponencialmente, refletindo o potencial desse mercado consumidor. De acordo com o instituto Nielsen/Netratings, nos EUA (Taming The Beast, 2002), 157 milhões de pessoas, cerca de 40% da população, teriam acesso a internet no fim de O mesmo instituto, em parceria com o IBOPE (2000), estima atualmente um universo de 14 milhões de pessoas com acesso a internet no Brasil, correspondendo a uma penetração de 8%. Ainda de acordo com o IBOPE (2002), também foi registrado, em Julho de 2002, um aumento das horas médias navegadas, atingindo um padrão de países do primeiro mundo. Pessoas que navegam mais tempo pela Internet tendem a aceitá-la como meio transacional mais do que os internautas que passam menos tempo navegando (Poel e Leunis, 1999). Isso indica que o crescimento exponencial do número de internautas deverá levar também ao crescimento do comércio eletrônico.

12 2 Esse crescimento exponencial do e-commerce, porém, não se concretizou conforme o previsto por duas razões principais, segundo Taurion (2001): computadores caros e alto custo de conexão (especialmente no Brasil) e custos de logística e sistemas de informação subestimados pelos e-reatailers, consumindo, assim, a estreita margem definida no modelo de negócios. Mas, de acordo com o próprio autor, o estouro da bolha deve ser encarado como um aprendizado e que as perspectivas são positivas a longo prazo para as empresas, sejam elas pure players ou incumbents, que aproveitarem as oportunidades do comércio eletrônico. De acordo com E-MARKETER (2002), o e-commerce já vem ganhando espaço em relação ao varejo total. Nos EUA, comparações entre os últimos trimestres dos anos de 1999, 2000 e 2001, indicaram participações de respectivamente 0,7%, 1,2% e 1,3% nas vendas do e-commerce B2C em relação as do varejo total. Especificamente em relação ao setor de mercearia, especialistas prevêem que, em 2005, tais vendas representarão entre 6 e 30% do mercado americano (Witt, 1999). De acordo com Arthur St. Onge (Harrison, 1999), em 2005, 20% da receita gerada pela venda de alimentos congelados e perecíveis será obtida por transação via internet. Isso corresponderia a US$ 65 bilhões. Mas, uma vez que o comércio eletrônico tem um enorme potencial de redução de custos e alavancagem de valor, o possível aumento de lucro motivará o investimento em tecnologias que conquistem o cliente (maior segurança, interatividade ou quaisquer atributos por eles valorizados). A exemplo disso, no Brasil, a VISA lançou, em 2001, um programa de segurança para o comércio eletrônico, com o objetivo de tranqüilizar tanto compradores quanto varejistas nas compras com cartão de crédito. Enfim, a Internet está transformando, cada vez mais, as atividades, remodelando a maneira pela qual os serviços atendem às necessidades do comprador. Autores como Schneider (1994), Fram e Grady (1997), Peterson et al. (1997), Ambrose e Johnson (1998), Poel e Leunis, (1999), Christensen (2000), Reardon (2000), Ray (2001) e Freedman (2002) afirmam que, nesse cenário, alguns atributos, antes essenciais para o cliente convencional (como localização), parecem dar lugar a novas necessidades

13 3 e desejos do comprador virtual. A avaliação da qualidade, segundo esses novos atributos merece ser investigada com mais detalhes. 1.2 Objetivos do Estudo Para avaliar a qualidade de um serviço é necessário entender como ela é percebida pelos clientes. De acordo com Grönroos (1984), a qualidade percebida do serviço depende não só do resultado final, mas de como ele é executado. Segundo Parasuraman et al. (1988), a qualidade percebida do serviço é influenciada por cinco dimensões gerais: confiabilidade, presteza, segurança, empatia e aparência dos tangíveis. De acordo com esses autores a confiabilidade é o principal critério que os clientes levam em consideração ao avaliar a qualidade do serviço de uma empresa. Tendo em vista as especificidades dos serviços, a essas dimensões correspondem diferentes atributos, dependendo do tipo de serviço. Tem-se, como objetivos principais deste estudo, entender como a qualidade do serviço de compras de supermercado pela internet na cidade do Rio de Janeiro é avaliada pelos clientes e qual é o desempenho de cada um dos supermercados virtuais, de acordo com a percepção dos seus clientes. Em segundo plano, pretende-se verificar se o desempenho de cada supermercado pode ser explicado, em parte, pelo conhecimento da respectiva gerência sobre as expectativas dos seus clientes. Para atingir os objetivos principais e o secundário, foram definidas as seguintes questões operacionais: 1. Identificar quais são os atributos mais valorizados pelos consumidores dos serviços de compras em supermercados pela Internet; 2. Identificar as diferenças de expectativas de qualidade entre os clientes virtuais dos diferentes supermercados; 3. Identificar as diferenças de percepção de qualidade entre os clientes virtuais dos diferentes supermercados;

14 4 4. Identificar se existe hiato entre a qualidade de serviço esperada e a qualidade de serviço percebida pelos clientes virtuais para cada supermercado; 5. Identificar se existe hiato entre a qualidade de serviço esperada pelos clientes virtuais e o julgamento dos varejistas acerca da qualidade esperada por esses clientes. 1.3 Relevância do Estudo O e-commerce vem crescendo exponencialmente e deve permanecer nesse ritmo pelos próximos anos. Segundo o US Department of Commerce e estimativas do emarketer (2002), as vendas de e-commerce no varejo americano totalizaram US$ 40,7 bilhões no ano 2000 e devem chegar a US$ 156 bilhões em A figura abaixo mostra a evolução entre 2000 e Receita Total de E-commerce B2C nos EUA, (em US$ Bilhões) 2000* 2001* $40.7 $ $ $ $ $155.6 Nota: * Dados de 2000 e 2001 obtidos do Departamento de Comércio dos EUA e estimativas do emarketer para a categoria 'viagem' (o DOC não inclui 'viagem' nos seus números B2C); os números de 2001 incluem revisão da estimativa do DOC para o último trimestre de Figura 1- Receitas totais efetiva e prevista de e-commerce B2C nos EUA, de 2000 a 2005, em US$ bilhões. Fonte: e-marketer (2002) Em relação ao Brasil, recente estudo da BCG (Boston Consulting Group, 2001) em parceria com a VISA, constata grande crescimento do e-commerce varejista

15 5 (também conhecido por e-retail) na América Latina, liderado por empresas que tradicionalmente não atuam on-line e que passaram a utilizar a internet como meio de obter vantagem competitiva. O Brasil se destaca, ainda, por ter aumentado sua participação na região de 54%, em 2000, para 62%, em 2001, chegando a mais de US$ 900 milhões em vendas projetadas para o ano. O mesmo estudo aponta as cinco maiores categorias do e-retail latinoamericano: automotivo (34%), leilões (14%), viagem (10%), hardware & software (10%) e mercearia (5%). O setor de mercearia é destacado, no estudo, por ser comparativamente forte em relação aos EUA, principalmente na Argentina e no Brasil, obtendo índices de penetração similares aos daquele país. Isso é bastante promissor para a categoria de alimentos e supermercado, que representa um terço do comércio varejista brasileiro, de acordo com números do IBGE (2002). O crescimento do e-commerce se deve principalmente à conveniência para o consumidor, segundo Thompson et al. (1998) e Michael Pastore (2002). Mas a adoção da Internet como canal de vendas é muito interessante para os varejistas porque, além do efeito de multiplicação de vitrines, pode gerar benefícios econômicos. No varejo de lojas, 20% dos custos se referem a ativos imobilizados (Schneider, 1994). Portanto, a Internet oferece uma oportunidade para que esses recursos sejam aplicados em atividades que agreguem mais valor ao serviço (entrega, tecnologia de transação etc). Assim, visto que o crescimento do comércio eletrônico é fato e que ele pode gerar oportunidades de aumento de vendas e redução de custos, torna-se relevante, para as redes varejistas que oferecem ou que pretendem oferecer o serviço de compras através da Internet, conhecer as necessidades desse novo tipo de consumidor para conquistá-los e retê-los. Para os consumidores virtuais, o presente estudo possibilita uma oportunidade para que as suas necessidades sejam melhor atendidas pelos varejistas.

16 6 1.4 Delimitação do Estudo O alvo do estudo são as redes varejistas de alimentos que disponibilizam o serviço de compras de supermercado pela Internet no estado do Rio de Janeiro e seus consumidores. Dada a grande diversidade do setor de serviços, classificados das mais variadas formas, não se pretende generalizar os resultados encontrados para outros serviços oferecidos via Internet. Este estudo não se propõe a sugerir um modelo de website para os supermercados ou avaliar o composto de marketing das empresas. Não se pretende, tampouco, avaliar impactos de custo pela adoção de vendas pela Internet, ou mesmo determinar as conseqüências logísticas do serviço virtual. Essa pesquisa visa, primordialmente, obter um ranqueamento dos atributos de serviço mais valorizadas pelos consumidores virtuais, verificar a diferença de desempenho entre os supermercados através da percepção de seus clientes e verificar se os supermercados conhecem as expectativas de seus clientes. É importante colocar, ainda, que foge ao escopo do trabalho determinar causas e conseqüências para os resultados obtidos, cujas análises poderão ou não ser utilizadas pelas empresas como um instrumento para sua estratégia de serviço. 1.5 Organização do Estudo O presente trabalho está organizado em seis capítulos de conteúdo. Neste primeiro capítulo foram apresentados o tema, o problema e os objetivos do estudo. No segundo capítulo, apresenta-se a revisão bibliográfica sobre os temas qualidade de serviço, comércio varejista e comércio eletrônico, sendo pesquisados livros, revistas especializadas, artigos de congressos, pesquisas acadêmicas e realizadas pelo setor supermercadista, por institutos de pesquisa e por consultorias. Também foram levantadas informações disponíveis em sites na internet, inclusive pesquisas de avaliação de qualidade em serviços de e-commerce.

17 7 O terceiro capítulo descreve a metodologia da pesquisa, incluindo os procedimentos para coleta e tratamento dos dados, bem como suas limitações. No quarto capítulo, os resultados da pesquisa são apresentados e analisados. As conclusões são expostas a seguir, no quinto capítulo. pesquisas. Finalmente, no sexto capítulo, são apresentadas sugestões para futuras

18 8 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Esse capítulo está organizado da seguinte forma: Primeiramente, são abordados os conceitos, dimensões e atributos de qualidade nos serviços, de forma geral e apresentados os modelos utilizados nesta dissertação. Assim, na seção 2.1 são introduzidos os conceitos de qualidade de serviço. Logo após, na seção 2.2, a qualidade de serviço é decomposta em dimensões e é apresentado o instrumento SERVQUAL original, cuja evolução servirá de base para a pesquisa. Na seção 2.3, é exposto o modelo dos 5 gaps, também utilizado neste trabalho e na seção 2.4, discorre-se sobre a zona de tolerância, que foi incorporada tanto ao SERVQUAL quanto ao modelo dos 5 gaps. Na segunda parte, o foco é direcionado para a avaliação de qualidade do serviço de varejo eletrônico. Dessa forma, na seção 2.5, o varejo é apresentado como serviço e são detalhados as dimensões e atributos aplicados especificamente ao varejo. Na seção 2.6, descreve-se brevemente os formatos de varejo tradicionais e introduz-se o conceito de comércio eletrônico, apresentando as características específicas da internet que favorecem o varejo. Na seção 2.7, com base nas referências que existem na literatura, discorre-se sobre atributos de serviços exclusivos do varejo virtual e, mais especificamente, do setor de alimentos. Na seção 2.8, são apresentadas pesquisas de avaliação de qualidade e satisfação do cliente no e-commerce. Por fim, na seção 2.9, apresenta-se a lista de atributos para o serviço de supermercado virtual, submetida às críticas de especialistas antes de ser utilizada no questionário. 2.1 Qualidade de Serviço De acordo com Brown (1994), qualidade de serviço se tornou o tema mais pesquisado na área de Marketing de Serviços, desde que Zeithaml et al. publicaram, em 1985, uma pesquisa em que foram enumeradas quatro características básicas que distinguem um serviço de um produto:

19 9 Intangibilidade: o serviço não é um objeto físico, mas um desempenho. Simultaneidade: o serviço é produzido e consumido na mesma hora. Heterogeneidade: o serviço é percebido diferentemente por clientes distintos e, também, pelo mesmo cliente em momentos diferentes. Perecibilidade: é impossível estocar um serviço. Devido a essas características, a qualidade de um serviço não pode ser abordada da mesma forma que a de um produto. Enquanto a qualidade de um produto é muito mais facilmente traduzida em parâmetros mensuráveis e objetivos e gerenciada através de controle de processos de transformação, a qualidade de um serviço é tão intangível que sua mensuração objetiva é impossível. Como os serviços geralmente têm um alto grau de interação humana (cliente e prestador), é impossível reproduzi-los perfeitamente. Além disso, as pessoas têm diferentes gostos, comportamentos e experiências anteriores e estão suscetíveis a emoções distintas em cada momento. Tudo isso influencia a percepção do cliente sobre a qualidade do serviço. Grönroos (1984) já havia introduzido o conceito de Qualidade Percebida do Serviço, em que a qualidade depende da diferença entre o desempenho percebido pelo cliente após o consumo do serviço e o valor esperado por ele antes do seu consumo. A avaliação de qualidade pelo cliente tomou forma, em 1988, quando Parasuraman et al., desenvolveram um modelo e um instrumento de avaliação de qualidade, comparando a percepção dos clientes com sua expectativa anterior. Tanto o modelo (Modelo dos gaps) quanto o instrumento, o SERVQUAL, tiveram grande aceitação por outros pesquisadores. Dada sua importância, eles serão discutidos posteriormente, com mais profundidade.

20 10 Pela característica de simultaneidade dos serviços, os clientes os avaliam tanto pelo resultado final, quanto pelo processo, durante a prestação do serviço (Grönroos, 1984). Entende-se como resultados os objetivos finais, o propósito do serviço que o cliente adquire. Por exemplo, num restaurante, o resultado seria uma boa refeição. Como processo, entende-se a forma como o serviço é prestado (no caso do restaurante seriam garçons solícitos e educados, ambiente agradável etc.). Ambos, somados, constituem aquilo que se recebe, ou seja, aquilo que o cliente percebe como a qualidade do serviço. Para Berry e Parasuraman (1992), o conceito de qualidade de serviço leva em consideração, também, aquilo que se paga, que são o preço e os custos de aquisição. O preço é a quantia monetária que o cliente paga, enquanto que os custos de aquisição referem-se a todas as dificuldades para acessar o serviço (no caso do restaurante, tempo de espera em fila, por exemplo) e o nível de conveniência oferecidos na sua prestação (localização, facilidade de estacionamento etc.). Para Heskett et al. (1994), aquilo que se recebe e aquilo que se paga são componentes da equação de valor para o cliente, que eles definem como: aquisição). Valor para o cliente = resultados + processo / (preço + custos de Para esses últimos, a qualidade de serviço corresponde somente ao numerador da equação, isto é, somente aos benefícios. Grönroos (1995) admite que a questão do preço não está muito clara na literatura. Ele afirma que essa variável tem um impacto sobre as expectativas dos clientes, sendo um critério de avaliação da qualidade, principalmente em serviços altamente intangíveis. Os custos de aquisição, entretanto, são freqüentemente vistos como parte do processo do serviço. Assim, de uma maneira geral, pode-se dividir qualidade de serviço nos dois grandes grupos: qualidade de processo e de resultado. Harvey (1998) recupera, em parte, os aspectos objetivos da avaliação de qualidade quando teoriza que tanto o processo quanto o resultado do serviço têm um componente de qualidade técnica e um componente de satisfação do cliente. Enquanto

21 11 esse último se alinha com as teorias dos autores anteriormente citados, para os quais a qualidade é avaliada do ponto de vista do cliente, o primeiro componente diz respeito à um gap tecnológico, isto é, o que se realiza comparativamente ao que é possível ser realizado de acordo com o estado da arte corrente em determinado campo de atividade. Assim, para Harvey (1998), qualidade de serviço requer qualidade técnica (medida pelo gap tecnológico) e qualidade percebida (medida pelo gap de satisfação do cliente). Alguns restaurantes, por exemplo, deixam transparecer a cozinha (back-office) através de divisórias translúcidas, em que o cliente pode ver parte da técnica ou da tecnologia utilizadas pelos cozinheiros. Garçons educados, que conheçam os ingredientes e a forma de preparo dos pratos e que façam sugestões quando solicitados são evidências que fazem parte da qualidade técnica do processo e ajudam a administrar a percepção dos clientes. Apesar de Harvey (1998) tentar equilibrar os aspectos objetivos e subjetivos na avaliação de qualidade dos serviços, a utilização desse conceito de qualidade na presente pesquisa esbarra em duas dificuldades de ordem prática: em primeiro lugar, o autor não propõe um instrumento para medir a qualidade técnica. Em segundo lugar, o uso de instrumentos como o SERVQUAL, baseados na perspectiva do cliente, têm gerado resultados bastante satisfatórios (Brown, 1994). Assim, nesta dissertação, será utilizado o conceito de qualidade percebida, ou seja, do ponto de vista dos clientes, exclusivamente. Na próxima seção serão apresentados alguns modelos de avaliação de qualidade, entre eles o instrumento SERVQUAL, que decompõe a qualidade de serviço em dimensões e atributos. 2.2 Dimensões de Qualidade e seus Atributos Qualidade, por si só, é um conceito demasiadamente vago. Os clientes avaliam qualidade de acordo com critérios diferentes para cada tipo de serviço. Por exemplo, pessoas que vão a um restaurante fast food, normalmente buscam rapidez e preços baixos. Num hospital, limpeza e higiene são fundamentais. Já numa oficina mecânica, esses aspectos podem não ser tão relevantes quanto a credibilidade.

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Eng. e Gestão do Conhecimento Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Rafael Tezza Introdução Clientes de e-commerce

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD AVALIAÇÃO DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA AMAZÔNIA SETENTRIONAL: UM LEVANTAMENTO ACERCA DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA REGIÃO CENTRAL DE BOA VISTA Juliana Matos Eduardo Codevilla Soares

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO Prof. Marcelo Mello Unidade I GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Objetivos gerenciamento de serviços Utilizar modelos de gestão e desenvolvimento voltados para o segmento de prestação de serviços em empresas de

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL A QUALIDADE DOS SERVIÇOS BANCÁRIOS NO BRASIL RESUMO O setor bancário sofre crescente modificação no que tange aos seus canais de vendas e comunicação com os clientes. O atendimento, que era feito através

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

Curso Gestão da Qualidade Qualidade de Serviços

Curso Gestão da Qualidade Qualidade de Serviços Gestão da Qualidade Qualidade em Serviços Clientes Diferentes... Expectativas Diferentes Resultados Diferentes 1 Parte 1 Serviços: Definições e Características Gerais O Crescimento dos Serviços País 1980

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Caso de Sucesso. Campanhas Personalizadas de Precisão: Como garantir receita incremental melhorando a Experiência do Cliente. Cliente Apresentado:

Caso de Sucesso. Campanhas Personalizadas de Precisão: Como garantir receita incremental melhorando a Experiência do Cliente. Cliente Apresentado: Caso de Sucesso Campanhas Personalizadas de Precisão: Como garantir receita incremental melhorando a Experiência do Cliente Cliente Apresentado: COOP - Cooperativa de Consumo Quem são os clientes da COOP?

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Varejo multicanal ERA DIGITAL. por Roseli Morena Porto FGV-EAESP

Varejo multicanal ERA DIGITAL. por Roseli Morena Porto FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo multicanal Cresce o número de empresas brasileiras que disponibilizam vários canais para a comercialização de seus produtos e serviços. No varejo, apesar de a prática não ser recente,

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Cristina Diamante Elizabeth Maria Lazzarotto Lorena Moraes Goetem Gemelli 1 INTRODUÇÃO: Na maioria das organizações de saúde, os profissionais

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Assessoria Swagelok em Energia Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Conheça a experiência de alguns clientes sobre a Assessoria Swagelok em Energia Com serviços de

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Leonardo Uehara 1. O e-commerce e a Logística Muitas controvérsias surgem quando se fala no futuro do e-commerce no Brasil. Raríssimas empresas

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles A COMUNICAÇÃO INTEGRADA NO MARKETING DE SERVIÇOS Principal causa da percepção desfavorável sobre um serviço: diferença

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado.

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado. UFF Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Engenharia de Software II Professora: Bianca Zadrozny 1º Trabalho Prático: Documento de Visão Alunos: Diego Soares, Felipe Maia e Leandro Feijó.

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais